Tempo de Fartura

Meditação do dia: 24/10/2020

E eis que vêm sete anos, e haverá grande fartura em toda a terra do Egito.(Gn 41.29)

Tempo de Fartura – Tempos difíceis produzem homens fortes, que produzem tempos bons, que por sua vez produzem homens fracos, que produzem tempos difíceis.” Quem estuda os ciclos históricos carimba essa tese do mundo da economia e produtividade. Ao mesmo que são fenômenos políticos e sociológicos, também são espirituais e estão entranhados na vida de todos e afeta a todos. Vi numa entrevista certa vez com o músico e compositor Tom Zé, cujo tema era a família e os desafios modernos e ele citou um adágio popular interessante sobre o que vivíamos: “Pais trabalhadores, filhos burgueses e netos degenerados.” Como contestar? Em nosso contexto de fé,  encontramos a mesma estratificação social com uma primeira geração abençoada, fervorosa, ardente de amor por Deus e pelo reino; logo vem uma segunda geração, que apenas conhece o mover de Deus pelo que viram nos pais e irmãos da fé. A terceira turma, já tem aversões à fé e são cheios de dúvidas e descrenças e muitos nem mais praticam a fé. Isso é comum, mas não é normal! Não deveria ser aceito como tal. Aquelas sete igrejas da Ásia Menor, que receberam as cartas do Apocalipse, existiam entre trinta e cinquenta anos, estando portanto na segunda geração; Jesus as chama para o arrependimento e mudança de postura, e até para uma delas utilizou a expressão voltar ao primeiro amor. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres (Ap 2.4,5). José prenunciava para Faraó a chegada de um tempo de abundancia e fartura extrema no Egito. Alguém poderia dizer que isso era chover no molhado, pois o delta do Nilo e suas planícies férteis eram de alta produtividade e não era segredo e nem mistério para ninguém, nada de excepcional. Mas o que Faraó vira no seu sonho e o que José interpretara, não era sobre o natural, costumeiro já conhecido. Deus se apressava a fazer algo de grandes proporções e estava dando a oportunidade de prevenirem-se diligentemente. Agir pela fé, se preferirem! Incentivarem a produção em larga escala e não desperdiçar nada, muito pelo contrário, estabelecer uma logística de recolher e armazenar com responsabilidade. Tão certo quanto isso, seria o tempo de extrema escassez e fome, de tal modo que se esqueceria o que acontecera antes. Vamos trazer um pouco disso para nossa realidade? Tempos de paz deve ser aproveitado para crescer espiritualmente, fortalecer-se em oração e comunhão com Deus, aprofundar-se no conhecimento das Escrituras e acumular energia espiritual, porque os tempos difíceis sempre virão. Saber administrar bem o tempo e as oportunidades é muito importante. O servo de Deus não pode ser movido a tribulações e problemas, crises e provações. É bíblico que no mundo teremos aflições, mas não ser previdente e investir nas disciplinas espirituais é um erro a ser corrigido. Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo (Jo 16.33). No tempo de fartura e abundancia é oportunidade para mais adoração, mais celebração de louvor e aprender com menos pressão, se preparando para os novos tempos. Tempo não é um bem acumulativo, ou utilizamos bem ou ele se esvai inutilmente e não se repõe outra vez. Algumas oportunidades perdidas não  tornam a se repetir e teremos que conviver com as escolhas de viver abaixo do padrão que poderíamos ter. E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará (2 C0 9.6). Muita Oração, muito poder; pouca oração, pouco poder; nenhuma oração, nenhum poder. Já apregoava o pastor Enéas Tognini, de saudosa memória.

Pai, obrigado pelas oportunidades de fartura e abundancia que preparas para os teus filhos, com a possibilidade de serem eficientes e previdentes. Agradecemos pelos líderes e familiares que são cuidadosos com as verdades do reino e fazem a diferença diante de um mundo que espera ver para crer. Louvamos a ti, Senhor pelas muitas bênçãos derramadas sobre nossas vidas e famílias. Adoramos o  teu poderoso nome, pelo governo justo e abençoador. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Que Deus Há De Fazer

Meditação do dia: 23/10/2020

Esta é a palavra que tenho dito a Faraó; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.(Gn 41.28)

O Que Deus Há De Fazer – Gerson, esse é o nome do pastor, ex-aluno de Betânia do Paraná, como dizemos hoje politicamente correto, um afro-brasileiro legítimo, grande em estatura e muito bem humorado, divertido, muito comunicativo e de boa oratória à brasileira, sem rebuscamentos homiléticos e sermões quadradinhos, mas cortante, penetrante que nos fazia rir ao mesmo tempo que interiormente a gente contorcia com os apertos que o Espírito Santo produzia através da Palavra de Deus. Ele era então líder da Base de Jocum em Belém do Pará. Estava ele visitando o Seminário e ministrou para nós, que já o admirávamos porque era precedido pelos bons frutos ministeriais. Sua capacidade de imprimir ensino sobre o caráter de Deus em termos de senhorio sobre nós e nós circunstancias, deixou marcas indeléveis na minha vida. Por isso, faço essa simples homenagem, relembrando essa pessoa honrando seu ministério e sua intimidade com Deus. É exatamente assim, que imagino Faraó, rendido, completamente absorvido pela simplicidade e espiritualidade de José, bem ali diante dele; tal era o clima,  que as reverencias e protocolos palacianos de procedimentos diante do soberano do Nilo, ficaram de lado; eles não eram importantes e nem mesmo o Faraó estava ligando para isso; havia coisas mais importantes e que de fato faziam sentido. José falava de Deus e de sua comunicação de intenções sobre o que iria fazer, que nem o homem mais orgulhoso e protocolar do antigo Egito se sentiu ofendido ou invadido nos seus direitos e autoridade. As palavras de José eram firmes e certeiras, fiéis como de um embaixador comprometido com a soberania de sua representação: … o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó. É Deus no exercício de sua soberania, ele não precisa pedir licença para fazer alguma coisa, é não pede! Ele governa soberanamente! Aplico conceitos bíblicos em diversas situações reais, como as palavras do Apóstolo São Paulo aos Coríntios, ao dizer que “as más conversações corrompem os bons costumes” (I Co 15.33). Aqui estou me referindo sobre as muitas conversas moles sobre democracia, ou o governo do povo; sabemos que a democracia prega em teoria a igualdade de direitos e deveres entre os cidadãos; mas na prática é pura manipulação em benefício de quem está no poder dado pelo povo e não isso, mas todos são iguais, porém há alguns mais iguais que os outros. Minha opinião pessoal – A democracia é o melhor sistema criado pelo ser humano; ainda não se viu nada melhor; Mas é o “melhor criado pela genialidade humana!” Deus não é democrata, não tá nem aí e não coloca nenhuma de suas decisões em discussão e nem pede para votar para decidir. Deus governa pelo sistema de responsabilidade pessoal. Cada escolha produz consequências, e TODOS, tem liberdade de escolher, mas não as consequências de suas escolhas. Ele é soberano sobre tudo e sobre todos. Lembremos, por exemplo: Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência (Dt 30.19). Outro bom exemplo é Paulo pregando aos gregos em Atenas: Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos (At 17.30,31). Gostaria de fechar os argumentos em favor de Deus, citando a soberania de Jesus, atual e futura por toda a eternidade.Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.9-11). Olho José como o embaixador do Reino de Deus apresentando suas credencias diante de Faraó. Embaixador não tem mensagem própria, nem opinião pessoal, ele fala em nome do seu governo. Ele não diz “eu penso, eu acho, na minha opinião…” Ele diz em tom firme e sereno: “O nosso governo diz, nosso país afirma… a posição do governo é…” Não podemos deixar de lembrar que somos comissionados embaixadores para falar em nome de Cristo, para a reconciliação do mundo com Deus. “Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus (2 Co 5.19,20).

Pai, graças te rendemos e louvamos o teu nome por ser Senhor e Soberano sobre tudo e sobre todos e governar com habilidade e justiça; abençoando e cuidado de todas as necessidades em todos os níveis para o bem de todos. Queremos aprender com a tua maneira de ser e fazermos nosso papel como embaixadores de teu Reino, que profeticamente sabemos que será estabelecido de forma visível e palpável através de Cristo, reinando sobre todas as nações e povos e haverá paz e prosperidade como nunca se viu. Obrigado pelo convite e o acesso à todas as tuas promessas no Evangelho de Jesus Cristo. Oramos cheios de fé e esperança, de que verdadeiramente dias melhores estão à nossa frente. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Cara Feia É Sinal De Fome

Meditação do dia: 22/10/2020

E as sete vacas feias à vista e magras, que subiam depois delas, são sete anos, e as sete espigas miúdas e queimadas do vento oriental, serão sete anos de fome.(Gn 41.27)

Cara Feia É Sinal De Fome“Vai diminuindo a cidade, Vai aumentando a simpatia. Quanto menor a casinha, Mais sincero o bom dia; Mais mole a cama em que durmo, Mais duro o chão que eu piso. Tem água limpa na pia, Tem dente a mais no sorriso. Busquei felicidade, Encontrei foi Maria; Ela, pinga e farinha, E eu sentindo alegria. Café tá quente no fogo, Barriga não tá vazia. Quanto mais simplicidade, Melhor o nascer do dia.” Vou pedir licença aos meus amigos mineiros que amo muito e à Banda Pato Fu, pela citação dessa poesia em forma de canção ou uma linda canção em forma de poesia, que até serviu e serve de propaganda das nossas Minas Gerais, com o título de SIMPLICIDADE. Nesse interior de gente boa, quando alguém aparece com uma “cara feia,” logo alguém diz: “Cara feia para mim é sinal de fome!” Foi assim também que José percebeu no sonho de Faraó; aquelas vacas feias e magras, e aquelas espigas miúdas e crestadas de sol vento, com atitudes canibais, eram de fato e de verdade, a cara da fome. Somos chamados a embarcar numa jornada contemplativa sobre esse tema que se descortinou diante do Faraó, de José e de muitos povos daquela região, incluindo até mesmo o povo escolhido que ainda estava em formação na terra de Canaã. Muitos de nós já perguntaram: Por quê? A fome naquelas proporções? Povo de Deus sofrendo? A resposta é sim, tá certo, Deus está construindo coisas grandes e como dizem os engraçadinhos (não é o meu caso), “não dá para fazer omelete sem quebrar os ovos.” Você já fez reformas em sua casa, ou mesmo construiu? Até ficar prontinho, é aquela bagunça, transtorno, incômodos, perigos e nada faz sentido até concluir. Para a história ser como a conhecemos hoje, esses elementos foram essenciais. Por anos à fio em perguntava para mim mesmo e demorou para encaixar todas as peças, mas vou compartilhar em forma de indagações, para te aguçar o apetite. Por que José aos dezessete anos foi sequestrado, vendido, escravizado, preso e só as trinta, ele recobrou sua vida? Por que Jacó, um homem de oração, fé e íntima comunhão com Deus, nunca descobriu a verdade sobre o que acontecera a José? Por que Deus silenciou e não disse nada a Jacó, todo esse tempo? Você sabe guardar segredo? Sim? Deus também! Eu, quase sempre! Você acredita na volta de Jesus? Quando será? Deus sabe? Sim! Ele conta? Nem pensar! É questão de estratégia, porque tem muita coisa em jogo, mais que a nossa vã sabedoria imagina. Todos esses eventos que citei acima, podem ser categorizados como “crises.” Crises também são oportunidades! Com elas José foi protegido, treinado e Faraó se tornou acessível e generoso, os egípcios se renderam à administração de um jovem estrangeiro de origem discriminada por eles. A fome fez Jacó se mexer e com isso seus filhos reencontraram com o passado de maldade e agora sem terem como fugir ou negar; tiveram que encarar a reconciliação e o perdão. Jacó encontrou seu tesouro e melhor do que ele poderia imaginar. José deixou de lado a obsessão de voltar para casa do pai e encontrou o propósito de sua vida. José estatizou tudo no Egito, Faraó se tornou dono de tudo e através de José ele foi generoso com todos, indistintamente, administrando o que seria um pais falido, mas não o era, porque José cuidara de tudo, como um mordomo fiel daquele que é o Altíssimo, o possuidor dos céus e da terra. Ninguém tem melhor programa de governo nacional do que Deus e ele já provou isso. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência (Pv 9.10). Deve ser por isso que os políticos fazem tanta lambança.

Senhor, aquilo que se parece com uma crise destrutiva e terminal, o Senhor utiliza como fator de construção e administração de coisas para o tempo e a eternidade. Os nossos modelos, por melhores que sejam e mais honestas as intenções, ainda são imaginações humanas. O Senhor nosso Deus reina e governa com juízo e justiça e bem nenhuma falta aqueles que em ti confiam. Temos visto que feliz a nação cujo Deus é o Senhor! Queremos aprender com quem faz bem feito desde a eternidade e seus projetos são para todo o sempre em Cristo Jesus. É no nome dele que oramos, amém.

Pr Jason

Vacas e Espigas

Meditação do dia: 21/10/2020

As sete vacas formosas são sete anos, as sete espigas formosas também são sete anos, o sonho é um só.(Gn 41.26)

Vacas e Espigas – Ao que tudo indica, foi José, na carona do sonho de Faraó, o criador da expressão “Tempo das Vacas Gordas,” para significar períodos de abundancia e fartura, quando as coisas prosperam em grande medida. Ele não apenas encontrou o significado dos sonhos do rei, como trouxe uma interpretação já com as sugestões de solução para os novos tempos. Ele previu que haveria sete anos de extrema fartura e produtividade, e como bom mordomo, administrar isso era uma questão de responsabilidade, porque havia um propósito divino para isso. Estamos vendo aqui o exercício responsável da mordomia espiritual sobre os diversos setores da vida, tanto pessoal, como coletiva e nacional. Tenho pregado e ensinado isso por anos à fio. Somos mordomos de Deus e tudo que está à nossa disposição, tem propósitos e prestaremos contas um dia ao Senhor dono. É inacreditável, mas as pessoas embora creiam diferente, agem como se fossem donos das coisas que Deus lhes confia para fazerem suas vidas serem úteis e bênçãos no seu reino. Elas conseguem se apropriar e consumir todos os recursos, e nunca perguntam ao Senhor porque veio alguma coisa extra, porque foram promovidos, porque foram transferidos para postos melhores ou como devem utilizar a influencia e as oportunidades. Muitos acreditam que devem ser financiadores da obra de Deus e participarem da expansão da obra de Deus, através de missões, obras sociais e treinamentos de obreiros, mas nunca podem ajudar, porque “destroem cada centavo” que pinga nas suas contas. Quando aparece uma possibilidade, os carnês de lojas, prestações, financiamentos de coisas supérfluas, dívidas com cartão de crédito e as ostentações para se mostrarem minam e roubam o privilégio de verem milagres acontecendo nas suas vidas. Assim, quer sejam tempos de vacas gordas ou magras, eles estão sempre no vermelho e suspiram dizendo que a vida é muito difícil e nunca estão satisfeitos. A luz da visão de José, explicando à Faraó, muitos cristãos, pastores e igrejas precisam se arrependerem diante de Deus pelo modo como administraram os recursos dele para financiar sua obra. As famílias não tem um plano de mordomia; não são previdentes e nem responsáveis no uso dos dons, bênçãos e oportunidades. Podemos ver nas vacas formosas e espigas boas a figura das bênçãos e provisões de Deus para todos e não somente para mim, ou minha casa. Jesus ensinou que Deus é generoso ao cuidar indistintamente de todos nós. para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus”
(Mt 5.44-48). José não pensou só nele, nem só na elite, mas pensou em aproveitar as bênçãos de Deus para favorecer a todos, como Deus queria e para isso o tinha preparado e colocado lá. Servo útil e responsável.

Senhor, obrigado pelas lições da vida de José, que abriu mão de suas oportunidades de satisfação própria ou a vontade de se dar bem e dar a volta por cima em grande estilo; mas se viu na condição de responsabilidades ainda maiores e se propor a trabalhar muito para fazer aquilo que se esperava dele. Somos hoje os mordomos e despenseiros dos teus mistérios e precisamos ser fiéis. Conceda-nos o discernimento verdadeiro, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Notificações Divinas

Meditação do dia: 20/10/2020

Então disse José a Faraó: O sonho de Faraó é um só; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.(Gn 41.25)

Notificações Divinas – Um dos requisitos para ouvir a voz de Deus é acreditar que Ele fala conosco. Acreditar que nossas orações não são respondidas é um princípio de idolatria, pois ídolos não podem responder coisa alguma a seus adoradores. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam” (Sl 115.4-8). O que José disse estava certo e depois viemos a ter confirmação disse em todas as Escrituras. A história da igreja também confirma a  ideia de que Deus continua comunicando com as pessoas em posição de autoridade e poder, para que exerçam suas funções como seus servos e para o bem estar de todos os demais que dependem dessa governança. O senhorio divino sobre os reinos, deve produzir administrações justas e retas, para proteção e cuidado daqueles que não tem voz e nem poder de se defender. O profeta Amós, transmitiu essa mensagem nos seus dias, Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Am 3.7). depreendemos então que a verdadeira questão não é se Deus comunica suas intenções, mas se há profetas ouvindo as instruções de Deus. Quero salientar que minha posição nessa parte aqui, não é criticar e ver apenas o lado negativo das coisas; afinal, sou também servo de Deus com responsabilidades ministeriais e antes de fazer essa pergunta para qualquer um, a faço a mim mesmo. Vivo num contexto de servir a comunidade onde moro e trabalho; acredito que Deus tem planos para essa cidade e para o seu povo aqui; acredito nisso tanto quanto acredito que há um plano para todo e qualquer cidade, estado e nação. Todas as instancias e esferas de poder e governo são instrumentos de Deus para que seus propósitos se cumpram. Todas as coisas que acontecem nesse mundo, visam em última instancia a glória de Deus. Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (Cl 1.16,17).  Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém” (Rm 11.36). Nosso propósito com essas meditações bíblicas, é nos alimentarmos com os ensinos e lições, que são verdades eternas. Ao fazermos isso, não podemos e nem temos como separar um ensino do outro. Porque tudo inicia-se em Deus e tudo termina em Deus e no meio é só Deus no comando. Os governos, como o do Faraó dos dias de José, visava administrar bem o que ele tinha em mãos e as provisões extras que viriam para o bem de todos, e isso incluía acolher o povo eleito. Hoje não é diferente, ainda que as coisas estejam tão secularizadas, mas as promessas e as profecias apontam que Deus vai trazer todas as coisas para entrar “nos eixos” e já que os homens planejam tornar isso difícil para Deus, Ele então vai tomar medidas suficientes para prevalecer, o texto diz do seguinte modo: E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações, E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai” (Ap 2.27,28). Gostei demais das Nova Versão Transformadora no texto de Apocalipse 19.14-16. Os exércitos do céu, vestidos do linho mais fino, puro e branco, seguiam-no em cavalos brancos. De sua boca saía uma espada afiada para ferir as nações. Ele as governará com cetro de ferro e esmagará as uvas no tanque de prensar da furiosa ira de Deus, o Todo-poderoso. Em seu manto, na altura da coxa, estava escrito o nome: Rei dos reis e Senhor dos senhores.”

Deus seja louvado nos céus, na terra e em todas as gerações, porque a Ele pertence a honra e a glória, eternamente, amém. O nosso Deus reina com justiça e retidão e o fará assim por todos os séculos. Reconhecemos o seu governo e sua bondade em nos alcançar com a redenção em Cristo Jesus. Para efetivar seu plano de amor, todas as coisas tiveram que colaborar e participar segundo a sua vontade. Hoje, somos a sua igreja e servimos como embaixadores do seu reino, para chamar todos os povos a que se reconciliem com Deus em Cristo Jesus. Adorar e louvor em espírito e em verdade é servir aos seus propósitos, e o fazemos com alegria e de todo o nosso coração. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Que Deus Há De Fazer

Meditação do dia: 19/10/2020

Então disse José a Faraó: O sonho de Faraó é um só; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.(Gn 41.25)

O Que Deus Há De Fazer – O deísmo apregoa que existe um Deus criador que fez todas essas coisas, mas ele desistiu de sua criação e ausentou-se. Agora a criação gira por si mesma e se auto regula e se auto determina. Não é assim que nós cremos, porque não é assim que está nas páginas das Sagradas Escrituras e nem é o que temos  experimentado em nossas próprias vidas. A ideia cristã de Deus, nas palavras de A. b. Langstron é: Deus é Espírito Pessoal, perfeitamente bom, que, em santo amor, cria, sustenta e dirige tudo. Sendo assim, por definição, entendemos que ”dirige tudo,” significa exatamente isso, Deus dirige tudo, ele está no controle de todas as coisas. Desce cuidar das pequenas coisas, como cuidar dos pássaros e ervas, conforme Jesus ensinou no Sermão da Montanha, “Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam (Mt 6.26,28). Até mesmo as grandes questões do universo criado, tudo está sob seu governo. Deus fez alguns perguntinhas básicas para Jó, e ele não gabaritou não! Aliás, não  respondeu nenhuma e os homens  até hoje estão procurando as respostas. “Agora cinge os teus lombos, como homem; e perguntar-te-ei, e tu me ensinarás. Onde estavas tu, quando eu fundava a terra? Faze-mo saber, se tens inteligência. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?” (Jó 38.3-5). José disse a Faraó, que estava para fazer algo importante, grande e se apressava; como Faraó estava envolvido e Deus precisaria da Egito, de Faraó e de seus recursos para levar à cabo a sua operação, então ele comunicou ao chefão que iria agir. Faraó e seu sistema de governo não eram democráticos, eles não consultavam nada e ninguém, ele decretava. Então Deus agia com ele no mesmo sistema, não lhe pediu permissão e nem licença, só avisou que estaria agindo e que ele se adequasse ao que estava por vir. “Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero; Com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável.” (Sl 18.25,26). Comparando o comportamento de dois Faraós, esse dos dias de José e o outro dos dias do Êxodo, percebemos que quando maior a oposição a Deus, maior o sofrimento e a disciplina. Um foi chamado para acolher uma tribo e cuidar para que ela se tornasse uma nação e ele fez o dever de casa direitinho; o outro foi chamado a liberar o povo de Deus para cumprir seu papel, agora que estavam prontos para receberem suas promessas. Esse Faraó resistiu e se opôs a Deus dizendo que não reconhecia a Deus e nem liberaria o povo. “E depois foram Moisés e Arão e disseram a Faraó: Assim diz o SENHOR Deus de Israel: Deixa ir o meu povo, para que me celebre uma festa no deserto. Mas Faraó disse: Quem é o Senhor, cuja voz eu ouvirei, para deixar ir Israel? Não conheço o Senhor, nem tampouco deixarei ir Israel” (Ex 5.1,2). Cada um de nós precisamos refletir, pois em alguma circunstancia estamos no lugar do Faraó dos tempos de José e em outros podemos estar ou agir como o do tempo de Moisés. Também podemos estar no lugar de José ou de Moisés, como podemos estar no lugar do povo de Deus. Em algum momento estamos esperando a porta se abrir para entrarmos e em outro, podemos estar esperando as portas se abrirem para sairmos. O importante em todas e quaisquer situações é estarmos no centro da perfeita vontade de Deus. Porque as suas promessas são de nos abençoar, quem entrando ou saindo e até ficando. “Bendito serás na cidade, e bendito serás no campo.
Bendito serás ao entrares, e bendito serás ao saíres.
(Dt 28.3,6).

Pai, obrigado por nos dar a oportunidade de fazermos parte dos teus sonhos e projetos. Todos estamos disponíveis para servir ao Senhor e fazer a tua vontade acontecer aqui na terra, como ela é feita nos céus. Obrigado por nos dar os dons e oportunidades de utilizá-los para revelar os teus planos e assim, fazer conhecidos os teus projetos que precisam ser conhecidos pelos homens. Em todas as instancias o Senhor tem pessoas colocadas estrategicamente para agirem nos momentos necessários e precisamos discernir o que é o nosso papel e qual a nossa parte na tarefa. Oramos por sabedoria e direção. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Sonho Canibal

Meditação do dia: 18/10/2020

E as vacas magras e feias comiam as primeiras sete vacas gordas; E as sete espigas miúdas devoravam as sete espigas boas.(Gn 41.20,24a)

Sonho Canibal – A Wikipédia traz a seguinte definição de canibalismo: “Canibalismo é um tipo de relação ecológica em que certas espécies de animais se alimentam de indivíduos da mesma espécie.” Isso deve ter assustado o Faraó. Ainda que em sonhos, ver uma vaca dar uma mordida noutra vaca é aceitável, mas sete vacas magras e feias, comerem sete vacas gordas e bonitas e continuarem magras e feias, é de fato assustador. Mas fica sem sentido, espigas vegetais, poderia ser trigo, cevada ou outro grão cultivável na época, para nós brasileiros, o milho é mais conhecido comum. No sonho do Faraó, sete espigas fracas, feias, devoravam sete espigas boas e bonitas e ainda assim continuavam feias e mirradas. É dessa ideia que estou criando o título dessa meditação. Não vamos nos ater à interpretação dos sonhos propriamente, porque José fez isso acertadamente, e eu não ousaria criar uma versão atual, pois não há espaço para isso. Contudo quero chamar a atenção para os detalhes, que fazem a diferença. Não é uma cartilha de interpretação de sonhos, aí fora nas bancas de revistas e livrarias estão repletas de literatura ensinando como fazer isso e baseado é claro, nas conveniências místicas e de crendices populares. Está mais para charlatanismo mesmo. Também nos canais da net se for pedido, há mais ofertas do que propriamente sonhos a serem interpretados. Gostaria sugerir, uma vez que muitas pessoas sonham com maior frequência do que outras; algumas dão certa importância aos seus sonhos enquanto outras não se importam. Então para quem deseja compreender um pouco mais, é importante ao lembrar dos sonhos, prestar atenção nos detalhes, porque são eles que fazem a diferença na aplicação dos sentidos. Faraó por exemplo, descreveu para José com nitidez e precisão de detalhes o que havia sonhado. Ele situou-se onde estava no sonho, descreveu de onde vieram as vacas, quantas eram, como eram e que faziam e como as últimas procederam e como ficaram após o canibalismo. No segundo sonho, novamente ele atentou para os detalhes de procedência, todas as espigas surgiram de um único pé, como as vacas haviam saído doo mesmo rio. Quando tiver um sonho, perceba origens, números, aparências, naturezas, atitudes, cores e influencias em quem participa ou protagoniza as cenas. O que é natural e o que é antinatural, sobrenatural, ameaçador ou confortador. Quais são as suas sensações enquanto sonhava? Ok. Então à luz das verdades doutrinárias e ensinamentos das Escrituras, pese esses elementos e valores. Ore pedindo ao Espírito Santo o discernimento, se aquilo é uma comunicação espiritual de Deus para que se faça ou proceda em obediência. Lembrando que nenhuma revelação, em hipótese alguma contradiz a Bíblia. Deus nunca contradiz sua Palavra. Isso é crucial. Muito bem, pensando agora nos projetos de Deus que tomamos parte como agentes da redenção, através dos nossos dons e ministérios, podemos pensar em como estamos servindo no Corpo de Cristo, que é a Igreja; digamos que uma chamada divina, ou numa nova chamada para rever ou reiniciar etapas, nunca poderá ser canibal, com o que estamos fazendo até agora. Deus não nos chamou para destruir e canibalizar sua obra. Isso pode acontecer quando a pessoas ou ministérios assumem para si mesmos o papel de “senhores e donos” da obra de Deus. Assim eles seguem aquela máxima, “se eu não como, eu jogo terra!” Eles semeiam, cuidam e quando a seara está madura eles então assumem o controle de colher e consumir o produto, com a desculpa de que sofreram muito naquela obra, naquela igreja e então é “justo” que desfrutem do que eles mesmos produziram. Só para refrescar a memória: A seara é de Deus. Os trabalhadores são de Deus. Os custos da obra foram bancados por Deus. Se Ele trocar de lugar ou fazer alterações, continuará cuidado de tudo, sempre. Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! E por isso, se o faço de boa mente, terei prêmio; mas, se de má vontade, apenas uma dispensação me é confiada” (1 Co 9.16,17). Considero importante me lembrar sempre de que servimos na obra de Deus. Não, NOS SERVIMOS da obra de Deus.

Pai, obrigado por nos chamar para servir em tua obra, em algum local, por algum tempo, estando tudo sob tua disposição e vontade. Queremos manter nossa vontade consagrada, com tanto entusiasmo como no primeiro dia de ministério. Os desafios estão diante de nós para superarmos através da persistência, perseverança e oração àquele que pode todas as coisas. A obra sempre será maior do que nós e nossos recursos e capacidades, por isso mesmo que se chama “obra de Deus.” Reconhecemos sempre que nada acontece por nós mesmos e nenhum poder temos, senão aquilo que nos foi delegado por obra e graça do Espírito Santo. Somos só canais, apenas instrumentos! Tudo é teu e para tua glória, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Faraó à Disposição de Deus

Meditação do dia: 17/10/2020

E respondeu José a Faraó, dizendo: Isso não está em mim; Deus dará resposta de paz a Faraó.(Gn 41.16)

Faraó à Disposição de Deus – Nos dias globalizados como os que vivemos, nos tornamos conscientes da interação entre os povos e que as decisões de um governo, afeta outros povos e não há mais a barreira da distância física e geográfica interferindo. Isso não é privilégio moderno, os povos sempre interagiram e nesses ciclos todos, havia conceitos macros estabelecidos por Deus para cumprir propósitos muito especiais. Ao nos referirmos ao plano eterno de redenção, a que vez ou outra nos referimos a ele como sendo uma linha ou fio vermelho que parte de do Jardim do Edén em Gn 3.15 – E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” A “Semente da Mulher” é o início da linhagem da redenção, que chegará até Cristo, que efetivará o cumprimento da promessa de salvação para todos os povos. Tudo o que temos escrito nas Sagradas Escrituras, se desenvolve à partir disso e com a finalidade possibilitar essa promessa. Paulo disse que Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê” (Rm 10.4). Muitos reis e poderosos senhores de reinos serviram aos propósitos divinos para que a obra da redenção chegasse até nós. Isso pode ser visto pelos olhos da fé e pode ser constatado pelos registros históricos dos povos e nações. Aqui, o Egito era o maior império daqueles tempos e se destacava em muitas ciências e legados importantes para a civilização humana e entre elas, na medicina e aquela incrível capacidade de embalsamar corpos preservando-os por milhares de anos, objeto de estudos e ainda hoje, não se replicou tal conhecimento. Jacó, foi submetido a esse procedimento quando de sua morte, à pedido de José. E José ordenou aos seus servos, os médicos, que embalsamassem a seu pai; e os médicos embalsamaram a Israel. E cumpriram-se-lhe quarenta dias; porque assim se cumprem os dias daqueles que se embalsamam; e os egípcios o choraram setenta dias.” (Gn 50.2,3). Deus colocou o Egito, Faraó e toda a sua estrutura à disposição da formação da nação de Israel. Encontramos Deus fazendo uso de vários povos e reis para disciplinar e corrigir Israel como nação, já na Terra prometida. No cativeiro da Babilônia, a grande potencia de seus tempos, estiveram a serviço de Deus e o próprio Nabucodonosor reconheceu isso. E todos os moradores da terra são reputados em nada, e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes? Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba.” (Dn 4.35,37). Podemos identificr, Ciro, Dario, Alexandre o Grande, César, Herodes e tantos outros para que no devido tempo seus planos sejam executados e o cronograma da redenção não sofra prejuízos. Particularmente amo ler sobre isso, com uma ótica mais abrangente. Aos Gálatas, Paulo diz algo que parece ser o clímax dessa somatória de fatos e eventos: Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos” (Gl 4.4,5).  Deus cuidou de todos os detalhes, até os mínimos para que no tempo certo, com extrema precisão tudo estivesse pronto. Alexandre, o Grande, espalhou a língua grega, falada facilmente em todo o mundo da época, que facilitaria o intercambio entre os povos e a propagação do Evangelho futuramente. Os Imperadores romanos, abriram estradas boas e seguras no seu vasto império e implantaram um bom sistema jurídico, que s erve de base até hoje no mundo todo. Os Judeus já havia espalhado a noção de uma fé monoteísta e alimentava o sonho de um Messias. De onde Cesar, o imperador romano tirou a idéia de fazer um censo e decretar que cada um se alistasse na sua cidade de origem, e assim José estivesse em Belém, com Maria, nos dias do nascimento de Jesus? Os reis do Oriente, estudando as estrelas e descobriu o nascimento de um novo rei dos Judeus e lá chegaram com precisão suíça? Todos os povos e reis contribuíram segundo a vontade de Deus. Deus ainda tem e sempre terá o governo e o domínio sobre todas as coisas. Até hoje, Deus governa e faz prevalecer a sua vontade. Não se iludam e não pensem que Deus não tem poder de interferir nas políticas humanas e mundiais. Ele pode, ele faz e fica assim.

Obrigado Senhor, por estar no controle e no governo de todas as coisas. Não está fora do alcance de tuas mãos e é nesse lugar que estão as nossas vidas. Podemos confiar em ti e na capacidade de controlar todas as coisas e o fazes com juízo e justiça. Tua, Senhor é a honra, a glória e o poder para sempre amém. Os teus planos não serão frustrados por nada e por ninguém. Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz (Dn 2.20-22).Amém e amém!

Pr Jason

Resposta de Paz

Meditação do dia: 16/10/2020

E respondeu José a Faraó, dizendo: Isso não está em mim; Deus dará resposta de paz a Faraó.(Gn 41.16)

Resposta de Paz – Um homem tinha uma família grande, muitos filhos e filhas, não vou nem falar o número para não tirar o efeito do suspense. Vários desses filhos, à medida que foram crescendo e necessitando de novos ares e oportunidades foram saindo de casa e cuidando de seus interesses. Como em toda boa família, há aqueles mais apegados, mais saudosos e tem os desligados que demoram para dar notícias e sem falar naqueles que somem mesmo e alguém tem que correr atrás para saber como estão. Nessa família, foi exatamente assim, e com o passar dos anos, vieram também as oportunidades de marcar um reencontro de toda a família e celebrarem juntos. Na oportunidade apareceram todos, uns chegaram primeiro, outros vieram juntos e outros só nos momentos últimos do combinado. Que festa! Quantas novidades e surpresas iam se revelando, já que muitos viviam longe de todos os demais e a vida lhes proporcionaram experiencias e oportunidades diferentes. O pai estava feliz e orgulhoso de todos; afinal ali estavam bons e renomados profissionais, especialistas, líderes corporativos, e as muitas pessoas que se agregaram às famílias tinham culturas e costumes tão diferentes e uma mistura de idiomas, sabores, paladares, novos hábitos adquiridos. A prática da fé estava também contemplada naquela salada geral. Para o pai, todos eram filhos, amados, queridos e mereciam seu respeito e sua generosidade. Entre eles, ah! As diferentes apareciam mais e produziam ações que por vezes precisava de intervenção “da turma do deixa disso.” Radicais, tinha para todos os gostos e moderados também, aqueles que pretendiam serem os exclusivos e buscarem a atenção do pai só para eles e nem levavam outros em conta; não faltavam manipuladores e conquistadores baratos e tudo mais que pode aparecer numa grande reunião com tamanha diversidade. Essa família é uma criação de ficção da minha imaginação. Mas as semelhanças não são meras coincidências. Essa peça imaginativa, para mim, é um modo como vejo Deus e a humanidade. O Senhor criou todos, partindo de uma origem única e daí foram espalhadas pelo mundo inteiro e se diversificando e criando nichos de elementos próprios e peculiares, que depois não se reconhece ou não é reconhecido por outros que tomaram suas próprias iniciativas e adaptaram às suas realidades locais e temporais. Quando lemos as Escrituras Sagradas, um parâmetro do certo e errado, bom e ruim, do que Deus aprova e desaprova, e essas palavras maravilhosas é uma revelação de fato, da verdade e intenção do Criador para com as suas criaturas. Elas, as Escrituras chegaram à nós, em linguagem humana, de uma matriz genética e biológica escolhida e abençoada dentro de uma aliança de bênçãos que contemplaria toda a humanidade, através de todas as famílias da terra. O Pai, o criador, ainda detém o governo e poder sobre todos. Quando vemos José falar ao Faraó, que Deus lhe dará resposta de paz, por vezes ficamos enciumados: Faraó não é de Deus! Ele é do mal, ele não conhecia Deus e etc e tal.  Todos os cristãos contemporâneos são fãs e amam a linhagem hebraica e judaica. Mesmo sendo da Nova Aliança, temos grupos cristãos que são judaizantes e etc. Não estou abrindo a porteira e deixando passar tudo e qualquer coisa e nem irei para esse campo. Quero refletir sim, sobre a origem de todos os humanos e o domínio de fato e de direito de Deus, sobre tudo e todos. Ele ainda é o Alfa e o Ômega e muitas variedades e variações que encontramos não anula e nem inibe a soberania divina sobre a história. Quem deu o sonho a Faraó foi o mesmo Deus que José servia, que eu sirvo e nós servimos. O Nosso Deus Todo Poderoso Reina e Reinará! E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre.
E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus,  prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus, Dizendo: Graças te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, e que hás de vir, que tomaste o teu grande poder, e reinaste”
(Ap 11.15-17). Pelo andar da carruagem da história, sabemos que os Israelitas se tornaram bairristas, exclusivistas e isso dificultou a chegada das boas novas a todas as nações, consideradas por eles como “gentias” e forçaram um proselitismo lesivo à mensagem do amor de Deus. Jesus pensava isso: Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós” (Mt 23.15). A história da igreja tem páginas negras e fatos tão vergonhosos à nossa fé, que preferimos apenas dizer que foi “a igreja oficial,” quem fez tais coisas. Ainda nos nossos dias encontramos resquícios em que pessoas e grupos imaginam que Deus é Evangélico, da denominação dele e que todos que foram para aquele lado, vão de fato fritar no mármore do inferno. Estão enrolando o Evangelho que é o poder de Deus para salvação de TODO aquele que crer, na bandeira de seus interesses corporativos e religiosos, excluindo toda e qualquer exceção que não sejam as que eles defendem. Deus dará resposta de paz! A verdade é que a manjedoura, está vazia, a cruz está vazia, o túmulo está vazio, mas o trono está ocupado, tem alguém assentado nele! E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro” (Ap 7.10). Eu creio assim!

Senhor, eu quero fazer das palavras e descrições de João, naquela revelação final, sobre o que de fato acreditamos e as Escrituras nos asseguram serem verdadeiras: “E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, Dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém” (Ap 7.11,12).

Pr Jason

Isto Não Está Em Mim

Meditação do dia: 15/10/2020

E respondeu José a Faraó, dizendo: Isso não está em mim; Deus dará resposta de paz a Faraó.(Gn 41.16)

Isto Não Está Em Mim – Uma das marcas da autenticidade da Bíblia como Palavra de Deus, é a coerência de seus ensinamentos. Do começo ao fim eles se unem de forma que nem se percebe as divisões de tempo, cultura, autoria humana e características pessoais. Assim temos uma Escritura Sagrada, na sua totalidade validada com a inspiração divina do Espírito Santo. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2 Pe 1.21). Lendo um texto como esse, facilmente fazemos a conexão com textos paralelos que nos revelam a mesma atitude de outras pessoas, separadas por milhares de anos entre um e outro, quando a cultura e os costumes seriam suficientes para alterar mentalidades e formas de expressar. Mas o caráter dos adoradores do Deus Altíssimo, podem ser identificados em todos os tempos e se expressam pela pureza das intenções e motivações no servir. Podemos conectar essa conversa inicial de José com Faraó, no Antigo Egito, com uma outra conversa muito próxima desse mesmo contexto, quando Daniel teria que dar ao rei Nabucodonosor, a interpretação de seu sonho. Com um agravante, aqui, Faraó contou a José o sonho e os detalhes que lhe perturbaram. Lá o soberano da Babilônia, não se lembrava do sonho, mas exigia que se lhe contassem o sonho e a interpretação. Ao orar com seus companheiros sobre essa difícil tarefa, eles alcançaram a resposta e por isso louvaram a Deus ainda antes de contar ao rei. Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei” (Dn 2.23). É impressionante a semelhança entre as situações e as soluções. Na Babilônia, um capitão encarregado das execuções dos candidatos que não conseguiram ajudar ao rei, descobriu entre os cativos de Judá, alguém com a capacidade de resolver. Então Arioque depressa introduziu a Daniel na presença do rei, e disse-lhe assim: Achei um homem dentre os cativos de Judá, o qual fará saber ao rei a interpretação” (Dn  2.25). Lá no Egito fora José, agora aqui um dos descendentes de Judá, irmão de José, as duas tribos que se tornaram líderes entre o povo de Deus. Aqui, o rei também tinha a mesma expectativa de que uma pessoa com certas habilidades seria capaz, mas em ambos os casos, isso não era visto assim pelos homens de Deus.  “Respondeu o rei, e disse a Daniel (cujo nome era Beltessazar): Podes tu fazer-me saber o sonho que tive e a sua interpretação? Respondeu Daniel na presença do rei, dizendo: O segredo que o rei requer, nem sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos o podem declarar ao rei;” (Dn 2.26,27). Ambos, José Daniel, sabiam que essa capacidade não estava com eles e não dependia deles, mas de Deus. Não há nada de falsa modéstia, ou se passar por humilde, para ganhar pontos com os figurões. O poder e a sabedoria sempre pertenceram a Deus e sempre esteve e estará disponível aos tementes e humildes de coração que se disponibilizam a buscar uma vida de comunhão e intimidade com Deus. Até podemos dizer nesse sentido, não existem mistérios e segredos. “O segredo do Senhor é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança” (Sl 25.14). Nas Palavras do Apóstolo São Paulo, já na Nova Aliança, isso é um tesouro muito especial, mas disponível em vasos simples, para que o tesouro continue sendo precioso, e o vaso, apenas vaso mesmo. “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós” (2 Co 4.7). Irmãos, há muito trabalho, esperando para ser feito por homens simples, sábios, cheios da graça e sabedoria de Deus, de forma que o trabalho seja feito e o louvor e a glória seja unicamente de Deus. Muitos desses trabalhos, parecem simples, mas mudam o curso da história e estão ligados ao plano  de redenção em Cristo Jesus. E Agora, José? E agora Jason? E Agora igreja?

Senhor, eis-nos aqui, para servir e ministrar aos corações que precisam conhecer a vontade de Deus e para isso fomos colocados exatamente onde estamos, para servir e interpretar a tua vontade para estes tempos difíceis. Consagramos nossos corações e nossas mentes para serem absorvidas pela vida de Cristo e o poder do Espírito Santo. Para sermos aquilo para o qual fomos chamados a ser. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason