As Filhas de Siló Dançaram

Meditação do dia 30/09/2015

Jz 21.21E olhai, e eis aí as filhas de Siló a dançar em rodas, saí vós das vinhas, e arrebatai cada um sua mulher das filhas de Siló, e ide-vos à terra de Benjamim.”

As filhas de Siló dançaram – Hoje quero descontrair e pensar numa situação, que na verdade, não é uma “linda história de amor,” porque se trará de uma armação e emboscada, com finalidade rapto de pessoas, com cumplicidade oficial das autoridades. Aquela guerra civil provocada pela atitude errada dos moradores da pequena cidade de Gibeá, levou quase ao extermínio da tribo de Benjamim e só restauram soldados, ou homens que estavam a serviço da milícia e todos perderam suas famílias; No arranjo para perpetuar a raça, não encontraram esposas para todos e alguém teve a “brilhante idéia” de raptar moças, numa festa anual, em Siló. Em dado momento do festival, as moças saíam em grupos dançando em meio as plantações de uvas – ali estava a oportunidade que precisava e então instruíram “os sem esposas” que se escondessem nas vinhas e no momento certo emboscassem os grupos e cada um sequestrasse a sua  e fosse embora, e foi o que fizeram. Quando os pais e autoridades locais reagisse, o “Estado Maior das Forças Armadas” interviria e daria a s devidas explicações e tornaria o caso legal. É claro que tem sonhos roubados aqui, famílias feridas e separadas de suas filhas e provavelmente muitas dessas moças tinham compromissos de casamento, ou no mínimo amavam e eram amadas por alguém que viu seu castelo ruir. Uma história triste, com certeza! Com isso entendemos que o pecado de uns poucos, pode afetar e mudar muitas histórias e dar um curso inesperado para vida de outras pessoas, até então alheias ao problema inicial. Assim, podemos ver que qualquer pessoa, vítima de uma violência, não só ela é afetada, mas sua família e amigos, seus sonhos e planos de vida podem ser arruinados por um ato egoísta. Precisamos apoiar e ajudar pessoas assim, que alheios à sua vontade e decisão, tem sua vida interrompida e machucada; precisamos ser agentes de cura e amparo. Mas o que citei em termos de descontração nessa história é que ela gerou uma história, talvez até lenda, mantida pela tradição rabínica; Anos mais tarde, o rei Saul, enciumado com Davi, chega a brigar e ofender seu próprio filho, Jônatas e ele diz o seguinte: “Então se acendeu a ira de Saul contra Jônatas, e disse-lhe: Filho da mulher perversa e rebelde; não sei eu que tens escolhido o filho de Jessé, para vergonha tua e para vergonha da nudez de tua mãe?” (I Sm 20.30). Ele chama a esposa, a mãe de Jônatas de “mulher perversa e rebelde;” Segundo essa tradição rabínica, Saul era um dos solteirões que estavam em Siló para arrebatar uma moça, mas sua timidez não permitiu ele fazer o serviço, mas a moça vendo o que estava acontecendo com as amigas, simplesmente pulou nos braços do bonitão. Sendo verdade ou não, ela achou o seu “príncipe” mas agora depois de anos, na hora da raiva ele lança em rosto a atitude dela na juventude. Mas quem conhece a vida e o caráter de Saul na fase final de sua vida, até fica disposto a desculpar a jovem de Siló, que dançou, literalmente!

Pr Jason

Anúncios

Acertando na Mosca, mas Errando o Alvo

Meditação do dia 29/09/2015

Jz 20.16Entre todo este povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam.”

Acertando na mosca mas errando no alvo – Eu era um garoto entre treze e catorze anos, quando alguém me mostrou a reportagem, um recorte de jornal sobre a prisão de um mafioso italiano. Anos mais tarde já entendendo melhor as coisas, li sobre uma entrevista desse referido cidadão, quando perguntado sobre sua religiosidade e suas esperanças para a eternidade, ele deu a seguinte declaração: “Tenho certeza de que quando morrer, irei para o céu, pois jamais matei alguém no dia de domingo!” Concluí que ele era tão piedoso e temente a Deus, que ele certamente adiava morte de alguém para a segunda feira, ou antecipava para o sábado, mas no domingo, não! É dia santo! É comum, as pessoas separarem a vida em seguimentos, como se fossem departamentos independentes – tem as coisas da família, tem o trabalho, tem a religião, tem o lazer, os negócios, os vícios, o social etc. Assim, é possível encontrar numa mesma pessoa, ser um bom pai e um péssimo marido, excelente profissional, religioso praticante e briguento no futebol com os amigos; trapaceiro nos negócios e radicalmente contra vícios e um filantropo, engajado em causas sociais. Para esse tipo de pessoa, uma coisa não tem nada a ver com a outra, ou uma atitude ruim é compensada por uma boa! Conhece alguém assim? Triste né?! Essa descrição bíblica, mostra isso, acontecendo entre pessoas que aparentemente eram pessoas de bem e respeitáveis. Os cidadãos de um cidade, cometeram atos violência sexual, seguida de morte e quando a justiça exigiu medidas, eles rejeitaram e escolheram enfrentar qualquer tentativa de punição e provocaram uma guerra civil fratricida, quase extinguindo uma população inteira de uma tribo da nação, (o equivalente a um estado no Brasil). Entre a guarnição, ou milícia formada por eles, “havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam.” Um pelotão de elite. Homens extremamente bem treinados e habilidosos, respeitadíssimos. Hoje, temos equipamentos e armas moderníssimas, com miras especiais à laser, equipamentos teleguiados via satélite, instrumentos de alta precisão, visão infra-vermelho, detectores de calor, sensores de movimentos e uma vasta gama de parafernália que nem dá para imaginar; mesmo assim, temos visto muitos erros de pontaria e gente inocente sendo atingidas nessas guerrilhas e combates ao redor do mundo. Esses benjamitas não; eram bons no braço mesmo, sem tecnologia, era pontaria e treino! Mas tudo isso sendo colocado à serviço do mal, do pecado, da injustiça! O conhecimento e as habilidades são dádivas preciosas, dadas por Deus para que a humanidade beneficie disso e encontre soluções que melhore a vida de todos. O egoísmo, a ganancia e violência institucionalizada, tem utilizado tais dádivas para atingir fins maléficos e destrutivos. Precisamos de pessoas pacificadoras, que usem suas habilidades e talentos para promoverem o bem e a reconciliação. Na sua comunidade de fé, incentive as pessoas a serem habilidosas e generosas com seus dons e talentos, mas construindo mais pontes que muros; prevenindo o mal, antes que tenham que gastar mais com cura e restauração. Acerte o alvo, faça o bem, esteja a serviço da paz e da justiça!

Pr Jason

Hospitalidade

Meditação do dia 28/09/2015

Jz 19.20Então disse o ancião: Paz seja contigo; tudo quanto te faltar fique ao meu cargo; tão-somente não passes a noite na praça.”

Hospitalidade – Sou muito agradecido pelas muitas pessoas que já me receberam em suas casas, em diversas situações. As demandas do ministério pastoral leva-nos a depender muitas vezes da generosidade e hospitalidade dos irmãos e amigos. Sou oriundo de uma família hospitaleira; meus pais sempre tiveram as portas de casa abertas para receber e acolher pessoas e isso sempre independeu da situação ou condição de vida que estivéssemos passando. Isso até nos dava liberdade para levar amigos e colegas em casa, sem a preocupação de não serem bem recebidos; para o seu Arnaldo e a dona Alice, amigos de seus filhos eram seus amigos e amigos são sempre bem vindos! As circunstancias ao redor de todos nós vão se alterando e por questões sociais, segurança, costumes e etc. muitas vezes abrimos mão da hospitalidade, pois pagar um hotel fica mais em conta e não tira sua liberdade e privacidade; ou todos em casa tem compromissos diários e não dá para “fazer sala” para o visitante e assim, por uma ou outra circunstancia, a boa prática da hospitalidade vai se esvaindo. Mas é uma virtude, é uma atitude incentivada nas Escrituras e serve até como qualidade que habilita pessoas a alcançarem posições no ministério. Igrejas acolhedoras, aconchegantes e afetivas são bênçãos e faz muito bem não só ao visitante, mas aos seus próprios participantes. Nesse caso, a hospitalidade não é uma estratégia de marketing evangelístico para conquistar novos participantes, mas sim uma característica daquelas pessoas que amam e se importam com as outras. Num seminário para treinamentos de professores e líderes de Escola Bíblica Dominical, era ensinado que “uma pessoa geralmente vai onde é convidada e volta onde é bem recebida e bem tratada.” Para quem conhece ao menos de leve alguns dos costumes orientais dos antigos tempos bíblicos, entende perfeitamente esta história, da qual extraímos a meditação de hoje. Ser hospitaleiro, era uma marca importante de uma pessoa educada e de honra. Ainda mais, quando não havia o moderno sistema de hotelaria para que se pudesse viajar e se hospedar sem problemas; todos que viajavam, dependia da hospitalidade de alguém e isso era retribuído, fazendo o mesmo, quando alguém precisava e estava ao seu alcance. Aquele Senhor de idade, voltando do campo, após um dia de trabalho cansativo, ao cruzar a pracinha da cidade, lá estavam três pessoas, e ele foi fazer contato se dispor a ajudar. Pessoas com dons e talentos evangelísticos, não perdem a oportunidade de abordar alguém que lhe parece vulnerável num lugar que lhe parece estranho e as experiências muitas vezes são boas e em muitas dessas situações podem ser úteis e demonstrar o amor de Deus. O escritor aos Hebreus diz algo muito interessante: “Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos” (Hb 13.2). Exerça seu dom de hospitalidade! Seja atencioso hoje com alguém de forma especial, faça isso, como um exercício de amor e generosidade! Convide alguém para tomar um cafezinho, dê atenção na hora da refeição à alguém que sempre fica só e isolado; ofereça uma carona a alguém conhecido mas de pouco relacionamento; um bom dia especial ao porteiro, manobrista, segurança; um bombom acompanhado de um sorriso para alguém que te atende e te serve todos os dias! Descubra o seu jeito de ser hospitaleiro hoje e de hoje em diante!

Pr Jason

Cala-te, Fique na Sua

Meditação do dia 27/09/2015

Jz 18.19E eles lhe disseram: Cala-te, põe a mão na boca, e vem conosco, e sê-nos por pai e sacerdote. É melhor ser sacerdote da casa de um só homem, do que ser sacerdote de uma tribo e de uma família em Israel?”

Cala-te, Fique na sua! O silencio é precioso e todos apreciamos o silencio no lugar certo e na hora certa. Na hora de dormir, o silêncio da noite e maravilhoso! Quando vamos meditar e fazer um tempo à sós com Deus, o silencio ali tem um valor muito inestimável. No momento de descanso, após um dia agitado, sem dúvida alguma o silêncio vale ouro. Quando vamos conversar um assunto sério e importante, decisivo, e a pessoa faz silencio ouvindo com atenção é muito bom. Imagine o valor do silencio numa sala de concerto musical, daquelas apresentações únicas!!!! Pois bem, há também o silencio que denuncia coisas ruins, quando alguém poderia fazer algo, dizer algo que ajudaria e até salvaria pessoas e se casa, é um silêncio pesado, doentio! Quando o erro está sendo praticado e quem deveria alardear, fica quieto e se omite é um silencio de cumplicidade com o mal. Hoje estou pensando com vocês sobre a vida de um jovem que se vendeu para um homem chamado Mica, para ser um sacerdote profissional, de um culto misto de santo e profano. Os cearenses, tem um provérbio popular que diz: “Quem faz um cesto, faz um cento, basta ter cipó e tempo!” Isto é, quem uma coisa uma vez, fará mais vezes, é uma questão de oportunidade. Esse jovem aceitou ser sacerdote em troca de casa, comida e uns trocados – algum tempo mais tarde, pessoas de uma tribo passou por ali em busca de um local para ampliar seu território e conhece esse jovem sacerdote e usaram seus serviços. Quando retornaram com uma grande massa de gente, para se estabelecerem no novo território, passaram lá e apropriaram dos ídolos e objetos de culto do dono da casa, objetos esses sob guarda e proteção do sacerdote e ele quis saber o porque deles fazerem aquilo; então eles nem responderam, só mostrou uma nova proposta: “É melhor ser sacerdote da casa de um só homem, do que ser sacerdote de uma tribo e de uma família em Israel?” Ele não teve a mínima consideração com o patrão e a família que lhe dera acolhida. Chegou a hora de sua promoção, agora vou ser importante, ganhar mais, ter status. Disseram para ele: Cala, rapaz, fique na sua, essa é a sua grande chance na vida! Ele se calou, se vendeu! Isso ainda acontece todos os dias, quando se leva alguma coisa “por fora” para não interromper uma negociata, não denunciar uma armação, uma fraude! Não denunciar um pecado, um erro. Não devemos nos vender e muito menos comprar quem se dispõe a se vender! Não devemos colocar à mão na boca e ficar quieto diante da injustiça e do erro! E se for ministério, isso é sagrado, e dom e misericórdia de Deus, não merecemos, então se ganhamos ou fomos chamados, precisamos honrar e sustentar a verdade! Israel não tinha rei e por isso cada um fazia o que bem queria; nós temos um rei e a ele devemos satisfação e a ele prestaremos conta de tudo!

Pr Jason

Novidades Muito Antigas

Meditação do dia 26/09/2015

Jz 17.6Naqueles dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que parecia bem aos seus olhos.”

Novidades muito antigas – Quase sempre que ao encontrar alguém que me cumprimenta e pergunta: “Quais as novidades?” Eu respondo com o texto bíblico de Eclesiastes 3.15 – “O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi…” – Ou seja, não há nada novo debaixo do sol (Ec 1.9). O moderníssimo fenômeno de sincretismo religioso, é mais velho do andar para frente! Os hebreus, em termos históricos, mal haviam acabado de se instalar na sua terra prometida e fechado o ciclo de peregrinações e vida nômade, firmando pactos e alianças de serem fiéis adoradores de um único Deus e nada de praticar idolatria e muito menos misturarem-se com as culturas espiritualmente contrárias ao seus princípios. O país sendo administrado em alguns aspectos por juízes, mas sem uma liderança de fato, que norteasse as decisões; Tudo isso, se tornou um prato cheio para o aparecimento de “coisas estranhas.” Resumindo o início desse texto: o “irmão” Mica vai tomar um café com a mãe, confessa sua crise de consciência, que a grana dela que havia sumido, não sumira de fato, ele havia catado (Roubo). A santa mãezinha dele “vivia deitando maldições” em quem havia roubado seu dinheiro, talvez temendo as pragas da mãe, ele devolve (Praguejar, amaldiçoar). Toda feliz ela declara que consagrou aquilo a Deus, para que o filho fizesse imagens de esculturas idólatras (dedicando a Deus para fabricar o que ele proibira e abominava); Ele recusou o dinheiro, mas ela mandou fazer duas imagens as quais ele levou para casa e juntou com as tantas outras que já tinha no seu santuário particular (que também era vedado pela Lei de Moisés); Para completar ele consagra um de seus filhos para ser “sacerdote de Deus” e guardião das idolatrias particulares da família. Se continuar lendo o texto, vai encontrar mais coisas que são de arrepiar! Todas essas abomináveis práticas que vemos sendo apresentadas nas centenas de pseudoigrejas, que vendem de tudo e misturam todos os aspectos religiosos para atraírem todo tipo de “cliente”, não é privilégio dos nossos dias, isso já vem de longe. Isso é religião, isso é coisa humana e maligna, para desviar os incautos e pigmeus da graça de Deus; Como discípulos de Jesus temos um compromisso com a verdade, que não é um conceito de filosofia ou ética, para nós, a VERDADE, é uma pessoa – Jesus! “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (Jo 14.6); Essa verdade é libertadora: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (Jo 8.32,36). Os discípulos de Cristo estão comprometidos com um Evangelho poderoso, e não abrimos mão disso, por nada e por ninguém. “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.” (Rm 1.16). Acender uma vela para Deus e outra para…. nem pensar!

Pr Jason

O que há de errado em ser igual

Meditação do dia 25/09/2015

Jz 16.17E descobriu-lhe todo o seu coração, e disse-lhe: Nunca passou navalha pela minha cabeça, porque sou nazireu de Deus desde o ventre de minha mãe; se viesse a ser rapado, ir-se-ia de mim a minha força, e me enfraqueceria, e seria como qualquer outro homem.”

O que há de errado em ser igual – à primeira vista, qualquer um diria, que não há nada de errado em ser iguais aos demais. Mas no caso específico de Sansão, tem algo que incomoda muito e deve ser evitado. Estou escrevendo esses dias sobre esse personagem bíblico, deveras interessante e embora haja tantas coisas na vida dele, as maiores lições que Sansão deixou, basicamente é como não se fazer algumas coisas. Ele era um pessoa especial desde o seu nascimento e até mesmo antes do seu nascimento. Quantas pessoas, você e eu conhecemos que tiveram seus nascimentos pré-anunciados por anjos? Quantas já vieram ao mundo com uma missão estabelecida e confirmada para realizar? Pois bem, ele era uma pessoa escolhida por Deus, amada e privilegiada com habilidades incomuns, para fazer coisas incomuns, extraordinárias. Mas ele começou a flertar com o mal e com o perigo, sem levar em conta sua missão e suas responsabilidades. Agora se envolve com uma pessoa, que quer deliberadamente a sua ruína e ele sabendo disso, não se afasta, não evita, não foge e não reage. Dalila e todos os filisteus sabiam que ele era alguém muito especial; mas ele estava lhe dando o mapa da mina, de como transformá-lo num homem exatamente igual a todos os demais homens. Não é irônico; todos querem serem especiais, menos quem já é especial de nascimento. Me intriga, o fato dela lhe dizer: “Como fazer para transformar você em alguém comum, igual a todos os outros e assim te amarrar e te afligir?” Tudo que o emissário do inferno quer fazer na vida de um homem de Deus, de uma mulher de Deus, é transformá-los em “comum” – O Diabo, o mundo e a carne não se contentam, ser alguém especial, cheio de Deus, cheio da graça, agente de transformação, exemplo, modelo de vida, isso não! Não ceda, meu irmão, minha irmã, meu jovem! Lute por ser o que Deus lhe destinou para ser! Viu o fim de Sansão? Depois de se tornar igual aos outros, a primeira coisa que perdeu, foi a visão, depois foi moer trigo fazendo o papel de cavalo puxando peso e os que eram normais e comuns, continuaram com suas vidinhas medíocres, e ele morreu! Vida é o nosso alvo, nunca a morte, nunca a ruína e não é bom terminar uma carreira debaixo de um monte de escombros!

Pr Jason

Tá Amarrado

Meditação do dia 24/09/2015

Jz 15.12E disseram-lhe: Descemos para te amarrar e te entregar nas mãos dos filisteus. Então Sansão lhes disse: Jurai-me que vós mesmos não me acometereis.”

Tá Amarrado! Não podemos negar a importância e a utilidade de cordas e amarras; são muito úteis e necessárias. Mas metaforicamente, estar envolvido com cordas, nós e amarras, não é uma coisa boa. Isso fica associado diretamente a prisão, limitação, privação e imobilidade. Os mais chegados na área de libertação espiritual, usa essa expressão na contenção das forças do mal, sobre as pessoas e situações de opressão. Olhando para a vida de Sansão, ele passou um bom tempo de sua vida brincando e se divertindo com cordas e em ser amarrado e arrebentá-las, por puro prazer e deboche, por causa de sua força extraordinária. Brincou tanto de ficar amarrado e preso com cordas que acabou por ficar preso literalmente e pior ainda, espiritualmente. Não se brinca com o pecado! Não se brinca com o perigo! Sansão agia como se não houvesse compromisso com o sagrado e com servir as pessoas. Todos os dons e habilidades que qualquer pessoa tenha, não é mero acaso ou acidente, ou sorte; foi lhe dado para um propósito. Sendo isso um presente de Deus, esse propósito certamente inclui ajudar pessoas! É preciso ser um bom mordomo e ser responsável no cuidar e administrar os recursos dados por Deus para a vida pessoal. Por que Deus deu um força descomunal para Sansão? Ele sabia porque, devia agir com responsabilidade. Veja bem, quase todas as citações das circunstancias em que ele usava suas forças especiais, é descrito como que “o Espírito de Deus vinha sobre ele…” Sem a ação do Espírito de Deus, parece que ele era um homem normal como qualquer outro. Havia um propósito naquilo. Não é que esse comportamento, se repete modernamente? Não e raro, ver pessoas manipulando o uso dos dons espirituais para benefício próprio. De vez em quando, aparece na TV pessoas utilizando autoridade espiritual para fins de marketing pessoal ou de sua igreja, trabalho ou ministério, às vezes, até entrevistando espíritos malignos possuindo pessoas. Nas periferias das cidades, as igrejas onde se “ora por divina revelação” fazem sucesso. Prestem atenção no caso de Sansão: Todas as vezes que ele se deixava amarrar, a idéia era para que ele fosse entregue ao inimigo, no caso lá, os filisteus. Um dia, a casa caiu! Se você é líder, ou serve auxiliando em qualquer função no corpo Cristo, ou mesmo, em situação de seu trabalho na empresa ou função de seu emprego e profissão, lembre-se disso, não brinque de ficar amarrado, não aceite pactuar com algo que parece inocente e que você sabe como escapar disso a qualquer momento. Faça o certo, porque é certo, não porque é mais fácil, lucrativo ou conveniente. Nem sempre você terá controle da situação e é aí que mora o perigo. Olha a advertência que a Palavra de Deus dá: Quanto ao ímpio, as suas iniqüidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido. Ele morrerá, porque desavisadamente andou, e pelo excesso da sua loucura se perderá (Pv 5.22,23). Você não é ímpio e nem deve andar fazendo loucuras excessivas, então por que agir assim para receber tal juízo?

Pr Jason

Só Uma Vez, Só Um Pouco, Não Faz Mal

Meditação do dia 23/09/2015

Jz 14.9E tomou-o nas suas mãos, e foi andando e comendo dele; e foi a seu pai e a sua mãe, e deu-lhes do mel, e comeram; porém não lhes deu a saber que tomara o mel do corpo do leão.”

Só Uma Vez, Só Um Pouco, Não Faz Mal – Uma anedota ilustrativa que ouvi à muitos anos, contata de uma forma muito engraçada pelo Pr Jairo, pastor da Tania, lá no Espírito Santo, era sobre o papagaio de uma família que falava apenas três frases: “Não faz mal” – “Não tem perigo” e “não tem importância.” Uma raposa entrou no quintal e a presa mais fácil que encontrou foi o “louro”, que com as asas cortadas não podia voar alto ou longe e durante a perseguição ele repetia desesperadamente suas únicas falas: “não faz mal, não tem perigo, não tem importância!” Foi pego e comido e enquanto era mastigado, ainda repetia: “não faz mal, não tem perigo, não tem importância!” A aplicação moral era sobre cristãos vivendo em situação de risco com o pecado e a vida desregrada, mas sempre que confrontados, eles repetem a mesma ladainha do papagaio: “não faz mal, não tem perigo, não tem importância!” E mesmo sendo engolidos pelo mundo e o pecado eles acreditam que “não tem nada a ver!” A vida de Sansão, um homem nascido sob promessa de Deus, com ministério e proposto específico, cheio do Espírito Santo desde o ventre, para fazer a diferença, acabou sendo conhecido por ter mais músculo do que cérebro e um relaxado com as verdades espirituais e a tônica de sua vida foi “bebidas, mulheres e festas;” Como nazireu de nascimento ele não poderia nem cheirar a cortiça de um garrafa de vinho, quanto mais beber; não poderia se aproximar de cadáveres tanto humanos, quanto de animais, para evitar contaminação cerimonial; não poderia cortar as tranças do cabelo e outras particularidades de sua vida devido ao seu serviço e missão. Mas quem diz que Sansão ligava para essas coisas! Que importância isso teria? Que diferença isso faria? Ele não valorizava a sua individualidade e não respeitava a vocação santa de sua vida e não levava em consideração sua influencia e responsabilidade para com seu povo. Ele era especial, mas queria ser comum, no sentido de irresponsabilidade do tipo: “Se os outros podem, por que eu não também não posso?” Seria muito importante, se você que me lê hoje, entendesse, que você não é igual aos outros, não foi criado para ser igual aos outros, não foi chamado para ser igual aos outros, suas habilidades e talentos te tornam único e com um propósito único; se tiver que nivelar, faça-o nivelando por cima, pelos melhores e nunca, mas nunca mesmo, negocie valores estabelecidos por Deus. Não brinque com o pecado, não aceite ir pelo caminho mais fácil e os atalhos da vida! Suas responsabilidades vem também acompanhadas de seus privilégios e honras. Pague o preço por ser diferente!

Pr Jason

Culto Só a Deus

Meditação do dia 22/09/2015

Jz 13.16Porém o anjo do Senhor disse a Manoá: Ainda que me detenhas, não comerei de teu pão; e se fizeres holocausto o oferecerás ao Senhor. Porque não sabia Manoá que era o anjo do Senhor.”

Culto só a Deus – Nominalmente o Brasil é um pais cristão; foi colonizado por um país “cristão” e o primeiro ato religioso ou de culto, em terras tupiniquins, foi uma missa católica. A religião e o estado estiveram amalgamados por tanto tempo, que mesmo após uma constituição fazer a separação entre um e outro, na prática do dia a dia, sabemos que praticamente não mudou nada. Quem faz visitas e capelania hospitalar  sabe do que estou falando; examine as capelanias oficiais das forças armadas só para voce ter uma idéia da diferença entre o que diz a constituição e o que se pratica em termos de estado. Mas não vamos meditar sobre reclamar ou reivindicar direitos esse ou aquele; a idéia é pensar na formação histórica da fé do brasileiro. Os europeus que vieram inicialmente forçaram sua fé nos nativos, que foram catequisados “na marra,” depois vieram os africanos como escravos e também tiveram que “entrar na linha.” As primeiras incursões de fé não católica ocorreram em 1621 e 1630 quando os holandeses invadiram o nordeste do Brasil. Então nossa formação ficou muito misturada, pois a fé oficial sofria influencia das clandestinas nativas e afros e outras tantas que vieram depois. A fé cristã, tem suas raízes no judaísmo, que é monoteísta – Cultua e aceita a existência de um único Deus verdadeiro, criador e sustentador de todas as coisas e único ser que pode ser cultuado. Anjos, são seres criados por Deus e são mensageiros a serviço do povo de Deus, especialmente em ajuda e serviços materiais e proteção. Eles não pregam o Evangelho, não aceitam adoração e não incentivam à práticas contrárias ao revelado nas Escrituras Sagradas. São organizados e possuem classes e hierarquias e executam serviços dentro de suas respectivas categorias. No texto deste capítulo, um deles veio trazer uma noticia e instruções a um casal que teriam um filho, que já nasceria com uma vocação específica, para livrar o seu povo de um domínio estrangeiro opressor. O casal agradecido, quis fazer-lhe uma oferenda de gratidão; O anjo disse que esperaria eles fazerem, mas deveriam oferecer a Deus, recusando-se assim a receber um culto, adoração ou veneração. Hoje, até entre cristãos, tidos como evangélicos, há uma onda de misticismo e sincretismo religioso, onde até incentivam e manipulam informações dos ensinos bíblicos sobre anjos e suas atuações, com o propósito de induzir as pessoas a uma fé mística e materialista. Anjos não são nossos Senhores, mas também não são nossos empregados ou serviçais – somos gratos a Deus pelo ministério dos anjos que atuam abençoando nossas vidas, mas o nosso culto, ainda deve ser somente a Deus! Um cristão não ora a um anjo, nem ao “da guarda” – O senhor deles, é o mesmo Senhor nosso – então juntos, adoramos e servimos ao único que é digno de ser cultuado. O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra. (Sl 34.7).

Pr Jason

Sotaque

Meditação do dia 21/09/2015

Jz 12.31Então lhe diziam: Dize, pois, Chibolete; porém ele dizia: Sibolete; porque não o podia pronunciar bem; então pegavam dele, e o degolavam nos vaus do Jordão; e caíram de Efraim naquele tempo quarenta e dois mil.”

Sotaque – Pronúncia peculiar a cada indivíduo, região ou nação.  Está relacionado à nossa fala, ou seja, à maneira como falamos e pronunciamos as palavras. (Dicionário). No Brasil, temos uma variedade tão grande de “sotaques” que é até divertido a convivência com pessoas das mais variadas regiões do pais, sem falar nas peculiaridades dentro dos mesmos estados e até de cidade para cidade. É algo tão natural para quem fala, que nem percebe até que seja comparado com o modo de expressar de outra região. Claro, não há nada de errado ou pecado, com o sotaque de ninguém; mas lemos nesse texto bíblico que 42 mil pessoas morreram por causa da pronuncia de uma palavra. Mas o que me leva a meditar nessa passagem e compartilhar com vocês, não é a situação do regionalismo brasileiro ou o histórico citado aqui, acontecido a quase quatro mil anos. Ali, havia alguns ingredientes que misturados e acrescidos a uma situação crítica, culminou num massacre de milhares de pessoas. Então eu começo pergunto: Essas pessoas morreram por causa do seu “sotaque?” Ou morreram por causa de sua mentira? Ou morreram por causa de sua atitude hostil e briguenta? Ou morreram por impiedade e atrocidade do grupo que estava no poder? Acredito que por todos esses motivos e ainda outros mais! Claro que não aprovo a guerra, muito menos uma guerra civil entre compatriotas. Existem meios mais nobres de se resolver questões e pendencias, ainda que as razões sejam ideologicamente distantes e conflitantes. É evidente que soluções simplistas para situações complexas não funcionam e não ajudam. Quando se trata de resolver problemas, o ideal é tratar da raiz, da origem e da fonte que alimenta o fato. Os homens insistem em incendiar situações de relações conflitantes para tirarem proveitos e saírem como pacificadores, ou lucrarem com a demanda provocada pelos conflitos. Atualmente, estamos assistindo estarrecidos os fatos da migração da população do Oriente para a Europa, produzindo famintos e necessitados aos milhões e mais gente se arriscando em tantas formas de tentativas de escape e sobrevivência, que parece que a única coisa a fazer e cuidar da urgência e emergência: Pão, água, abrigo e cuidados básicos… Mas por trás, tem gente (nações) vendendo armas, equipamentos, munições e fazendo caixa, tendo lucro. Tem gente, empresas já de olho no cessar fogo, porque a reconstrução vai gerar contratos lucrativos; para cada vítima daqueles milhares de sobreviventes, tem alguém lucrando, como “coiotes” vendendo a travessia e passagem de um lugar para outro, por milhares de dólares por cabeça; Já viu a frota de caminhonetes zero bala que os grupos e milícias exibem lotados de terroristas? Quem fabrica e entrega lá? Enquanto o mundo chora e lamenta um bebê que se afogou ou uma pessoa chutada por uma jornalista, milhares e milhões estão sendo massacradas e outros tantos perseguidos, mortos e quem causou o desequilíbrio de poder e o vácuo de governo legítimo, assiste tudo, apenas dizendo, “sentimos muito, vamos ajudar!”  Você acha que é o sotaque, o véu, o turbante, o nome da fé ou religião que tá provocando tudo isso? Você tem lido Apocalipse e olhado o noticiário juntando as peças? Não! Então fique de olho numa e na outra coisa! E cuide de sua fé e espere Jesus, ele volta logo!

Pr Jason