A Tribo de Levi se Movimenta

Meditação do dia: 10/10/2021

“E foi um homem da casa de Levi e casou com uma filha de Levi.” (Êx 2.1)

A Tribo de Levi se Movimenta – “De onde menos se espera é que vem as melhores novidades!” Até parece que o ser humano é especialista em saber ao certo tudo que lhe cerca ou está por vir. Sem contar que o futuro é incerto, opaco e insiste em ficar no futuro; qualquer um que se atreva a antecipá-lo ou prevê-lo, com certeza é charlatão, a menos que esteja operando em nome daquele que conhece todas as coisas, e aí, já é outro nível de conversa. É muito gratificante esperar as promessas de Deus e depois começar a ver as cenas se montando e tomando forma e nesse sentido, é sempre surpreendente. A formação da nação escolhida foi permeada de fatos inusitados, inesperados e eventos “fora da curva” dos padrões considerados naturais e previsíveis aos homens. As doze tribos se formaram dentro de um contexto de família, que mais parecia uma colcha de retalhos e as ações de ciúmes e intrigas entre irmãos, eram abundantes e quem sabe, até suficientes para minar uma aliança que desse certo. Mas de certo e elas foram se estruturando e o povo crescendo, até deixar o próprio Faraó e o Egito preocupados e tomando iniciativas para coibir um crescimento que se tornasse uma ameaça perigosa para a estrutura dos governos das terras dos faraós. Em meio a tamanhas adversidades e no vigor de leis tão perigosas, as pessoas ainda estavam se casando e gerando filhos. Se tentarmos fazer um paralelo com os dias atuais, vamos encontrar as crises, mas com motivações tão adversas e distintas daquelas, porque a possibilidade de uma grande diminuição populacional, está já em curso e na atualidade, o número de pessoas em idade produtiva, está se reduzindo muito rapidamente e a estrutura que eles criaram para se sustentarem na velhice e a fase menos produtiva,  já não é capaz de suportar na atualidade, imagina no futuro. Tem mais gente idoso vivendo mais tempo, graças aos avanços da medicina, saúde, medicações e vacinas, que a faixa produtiva é menor e incapaz de prover para todos. Outro peso nessa balança inclinada, é que as novas gerações não estão mais querendo se casar e ter filhos e a média de nascimentos é baixíssima. (Veja entre os seus parentes, conhecidos e nas nossas igrejas). A geração de Moisés, Arão, Josué e companhia, foi levantada em tempos difíceis, e os pais foram ousados em Deus para se casarem e terem filhos, contra todas as tendências e probabilidades. É claro que não iremos incentivar loucuras e irresponsabilidades, para qualquer lado que queiram pensar. Dizem que “quem pensa muito não casa!” e acrescento por minha conta e risco: “Quem também não pensa, não é aconselhável se casar!” Mas se o amado (a) leitor(a) for alguém cristã(o) e tem compromisso com o propósito eterno de Deus, não acho que fugir da responsabilidade da paternidade/maternidade, utilizando os mesmos argumentos dos não cristãos e as mesmas desculpas egoístas do mundo, para produzir e consumir tudo que for possível consigo mesmo? Então acredito que precisamos revisar alguns conceitos e valores.

Senhor, queremos ser bênçãos e instrumentos em tuas mãos em todo tempo e em circunstancias especiais também. Acrescente a nossa fé e o nosso fervor pelo temor do Senhor e o desejo de edificarmos um reino que de fato, não será jamais abalado e só pela fé poderemos atingir esses alvos. Oramos por sabedoria e discernimento espiritual para sermos o teu povo em todo tempo e lugar, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deu Tudo Errado?

Meditação do dia: 09/10/2021

“Então ordenou Faraó a todo o seu povo, dizendo: A todos os filhos que nascerem lançareis no rio, mas a todas as filhas guardareis com vida.” (Êx 1.22)

Deu Tudo Errado? – Nossa tarefa em termos de meditação pelos próximos dias será sobre a vida e a história de Moisés, que não tem como dissociar-se da história do povo de Deus, (Israel) e da saga que mais conhecemos pela redundância de “Êxodo.” Tudo isso e muito mais estão disponíveis a todos os adoradores do Deus Criador de todas as coisas e que esteve ocupado num plano de amor e redenção, que envolvia muito mais do que os descendentes de Abraão. Deus ama a todos os povos e investiu para todos em todo lugar pudesse invocar o seu nome e serem salvos. “À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” (1 Co 1.2). À medida que os tempos foram se passando e as verdades bíblicas foram sendo difundidas e melhor compreendidas, entendeu-se que a graça de Deus sempre esteve disponível e o seu plano nunca foi bairrista ou exclusivista como muitos gostariam que fosse. O Apóstolo São Paulo tinha uma compreensão muito clara do Evangelho de Cristo e sua chamada fora para dirigir-se também aos povos até então distantes da revelação das Escrituras e da Salvação em Cristo. Escrevendo aos romanos ele expressou essas verdades universais da mensagem de Deus: “Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Rm 10.11-13). O contexto imediato ao nascimento de Moisés, eram tempos difíceis e sombrios, nada aconselhável para se constituir uma família,  pois as leis e os decretos do Faraó ficavam cada vez mais restritivos e depois da recusa das parteiras em ajuda-lo no seu plano de extermínio, agora ele apela para a população comum egípcia, disseminando o ódio racial e a busca civil da população egípcia autorizada a buscar, encontrar e exterminar qualquer menino que recém-nascido de origem hebraica. Quando parecia que as coisas iriam melhorar, vem uma nova tática destrutiva patrocinada pela máquina imperial. A bem da verdade, não podemos ficar presos ao registro único de sobrevivência de Moisés e seus irmãos, Arão e Miriam, pois mais à frente encontraremos certamente mais pessoas da mesma geração de Moisés, podemos crer que Faraó, por mais que tenha tentado exterminar uma geração de bebês, ele não tenha conseguido todo o êxito. Também podemos acreditar que mesmo em meio a muitas perversidades permitidas pela palavra do rei, ainda assim, haveria muitas pessoas de bem no Egito inteiro, que não iriam se submeter a cometer genocídio sem nenhuma razão pessoal. Futuramente veremos que até mesmo no palácio real e a própria filha do Faraó estava disponível a Deus para um gesto de salvar ainda que um único bebê, mas seria aquele menino a peça-chave para dar continuidade ao programa da libertação à maneira de Deus. Nossa lição é que os planos divinos não podem ser frustrados; nunca foram e nunca serão, porque a fé faz coisas incríveis.

Senhor, obrigado por providenciar tudo o que é necessário para uma vida plena e o teu povo poder viver a tua vontade, mesmo quando tudo parece dar errado ao nosso redor. O Senhor sempre será o nosso protetor e aquele que não permite que o mal prevaleça e os teus propósitos venham a cair por terra. Somos gratos pela obra de Cristo na cruz, que contra todas as adversidades, ele triunfou e ganhou para nós o livre acesso a uma vida nova, com esperança e futuro de paz e bênçãos. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deu Tudo Certo

Meditação do dia: 08/10/2021

“Portanto Deus fez bem às parteiras. E o povo se aumentou, e se fortaleceu muito.
E aconteceu que, como as parteiras temeram a Deus, ele estabeleceu-lhes casas.”
(Êx 1.20,21)

Deu Tudo Certo – Um final feliz é bom quando de fato é um final feliz, sem letrinhas miúdas no rodapé. Com Deus não há aquilo de “… e foram felizes para sempre… só que não!” As promessas de Deus são alcançáveis e possíveis a todos que se enquadram no perfil de fidelidade, diligencia e honra devidas a ele. Até quando não há promessas específicas, o Senhor nunca deixa de ser generoso e recompensador aos que se mostram solícitos e doadores para com os que necessitados ou que estão a serviço do reino. Quero destacar aqui, um belo exemplo disso. “E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão. E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede. E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede. E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar.   foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique” (Lc 5.3-7). Jesus tomou o barco emprestado de alguém que trabalhara uma longa noite sem resultados. O barquinho que servira de palco para preciosos ensinamentos à multidão, voltou para a água, para uma rápida pescaria, a da obediência, porque aquele profissional da pesca, sabia e tinha experimentado que “o mar não estava para peixe,” mas sobre a palavra de um mestre com tanta autoridade ele resolveu obedecer e se surpreendeu! Jesus também entende de outros ofícios. Pedro teve que pedir reforço dos amigos e os dois barcos vieram quase à pique – olhe bem, quase porque Deus não iria dar uma bênção tão grande que se tornaria em tragédia! Ele é generoso, abundante, mas não exagerado! Jamais alguém receberá uma bênção tão grande que não possa carrega-la. Usufruir ou se beneficiar. No c aso das mulheres parteiras do antigo Egito, elas faziam o seu trabalho, como atividade e ocupação importante, mas de repente aquilo se transformou no ministério de suas vidas, em todos os sentidos. Mais do amar o trabalho e as crianças que ajudavam a virem ao mundo, elas se tornaram protetoras daqueles pequeninos e lutando com aqueles pais pela vida de seus filhos. Aquelas crianças eram o futuro do povo da aliança eterna, e cada uma delas já nasciam protegidas e guardadas por e para um proposito muito maior do que elas, do que seus pais, as parteiras e até do próprio Faraó, que as ameaçavam. Quando essas parteiras tomaram essa iniciativa de amar e cuidar daquilo que Deus estava construindo, elas se colocaram numa condição abençoadora, pois tudo o que semeamos, daquilo colhemos. Elas estavam semeando vidas, construindo lares e estabelecendo gerações abençoadas. Veja o que foi registrado por algum descendente de um desses protegidos: “Pai de órfãos e juiz de viúvas é Deus, no seu lugar santo. Deus faz que o solitário viva em família; liberta aqueles que estão presos em grilhões; mas os rebeldes habitam em terra seca” (Sl 68.5,6).  Poderia ter sido falado a elas para não se arriscarem, não se envolverem naquela causa, porque era uma causa perdida, aquilo era assunto do rei; eram apenas escravos e não tinham futuro promissor, pois se vivessem seria apenas para serem massacrados, humilhados e oprimidos. Mas elas não viram e não creram em nada disso. O futuro diria bem ao contrário! “Levanta o pobre do pó e do monturo levanta o necessitado, para o fazer assentar com os príncipes, mesmo com os príncipes do seu povo. Faz com que a mulher estéril habite em casa, e seja alegre mãe de filhos. Louvai ao Senhor” (Sl 113.7-9). Aquelas mulheres ganharam casas estabelecidas por Deus, famílias para amarem e serem cuidadas. Hoje eu e vocês as estamos honrando e aprendendo com elas, porque foram corajosas e temeram mais a Deus do aos homens e ao rei.

Senhor Jeová, Deus dos Exércitos de Israel, mesmo antes deles serem um povo grande, com estrutura de nação e governo, o Senhor já cuidava deles e os tratava como um grande povo abençoador de nações. Milhares de anos depois, aqui estamos nós, fazendo parte de um grande contingente de remidos e libertos em Cristo Jesus, por seu plano perfeito, que passou por momentos críticos, mas até mesmo pessoas simples e de ofícios humildes fizeram a sua parte e edificaram a casa do povo de Deus. Somos gratos por eles e por elas, em nome de Jesus. Agora é a nossa vez, a nossa hora, o nosso tempo e tal qual eles, diante do Senhor, no tempo do Senhor, para tua honra e glória em Cristo Jesus, amém.

Pr Jason

Obedecer a Deus Sem Violar Leis

Meditação do dia: 07/10/2021

“Então o rei do Egito chamou as parteiras e disse-lhes: Por que fizestes isto, deixando os meninos com vida?” (Êx 1.18)

Obedecer a Deus Sem Violar Leis – Fazer uma coisa sem violar a outra é por vezes um dilema que se torna drama ético e moral e porque não, também espiritual. Dizer a verdade é sempre o melhor caminho e deve ser a escolha preferida. Faltar com a verdade ou sacrificar uma coisa importante para preservar outra coloca a pessoa numa dolorosa dualidade de valores, ainda mais quando envolve vidas alheias. Umas das minhas histórias prediletas sobre como conciliar as coisas contando com a fé e a intervenção milagrosa, é sobre Atanásio. Ele foi um dos pais da igreja e o maior defensor da doutrina sobre a pessoa de Cristo, quando as heresias começaram a se instalar. Por esta causa foi perseguido, preso, exilado diversas vezes, mas por fim a doutrina ortodoxa prevaleceu no Concílio de Nicéia, (325 A.D). Segundo contam, numa fuga de barco no Rio Nilo, ele estava sentado na popa do pequeno barco à remo e os oficiais que o procuravam, vinham num barco maior e muito mais rápido e aproximaram e disseram que estavam a procura de Atanásio, e se ele poderia dar-lhes alguma informação; ao que ele prontamente disse-lhes: Ele está logo à frente de vocês, mais um pequeno esforço e vocês o alcançam! Eles agradeceram e o ultrapassaram e foram em frente, deixando-o em paz e livre naquela ocasião. Faraó dera uma ordem explicita para que as parteiras das mulheres hebreias matassem a todos os bebês meninos que nascessem, mas elas temeram a Deus e não o fizeram, preservando-lhes a vida. O rei quis tirara satisfação e saber o por quê da sua ordem não estar sendo cumprida. Além delas terem feito uma escolha deliberada de não cometer um grave crime, elas também assumiram a responsabilidade pela desobediência a uma ordem direta do rei, e naqueles tempos, naquele reino, isso era muito grave. Agora elas tinham novos problemas e outros desafios pela frente, mas continuaram agindo pela fé e certas de que a bondade de Deus poderia mudar a situação em favor delas ou outra solução surgir. Isso me faz lembrar a Jesus exortando os seus discípulos sobre a importância da fidelidade em momentos difíceis. “Acautelai-vos, porém, dos homens; porque eles vos entregarão aos sinédrios, e vos açoitarão nas suas sinagogas; E sereis até conduzidos à presença dos governadores, e dos reis, por causa de mim, para lhes servir de testemunho a eles, e aos gentios. Mas, quando vos entregarem, não vos dê cuidado como, ou o que haveis de falar, porque naquela mesma hora vos será ministrado o que haveis de dizer” (Mt 10.17-19). As irmãs Sifrá e Puá, atenderam a chamado do Faraó e lhe disseram uma resposta que satisfez o ego do monarca e ele aceitou como fato relevante que pesava à favor delas. Sabemos que diariamente irmãos e irmãs que lidam com público, autoridades e lideranças precisam de muita graça e sabedoria de Deus para exercerem suas responsabilidades sem comprometerem a fé e o seu testemunho. Antes de engendrar uma versão adocicada da mentira ou da falsa verdade para acomodar a situação, experimente orar e permitir que o Senhor Jesus, o Espírito Santo e o Deus Todo-Poderoso, intervenha milagrosamente, e de forma saudável. Permita Deus ser Deus na vida e na suas causas.

Obrigado, Senhor pelo socorro e livramento que colocas à disposição de cada um dos teus filhos, todos os dias para que o bem prevaleça sobre o mal e a bênção chegue aos corações necessitados, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Temer a Deus e Resistir ao Rei

Meditação do dia: 06/10/2021

“As parteiras, porém, temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes dissera, antes conservavam os meninos com vida.” (Êx 1.15,16)

Temer a Deus e Resistir ao Rei – Dilemas, decisões, escolhas a vida por um fio! Por que a vida não é mais simples? Isso já é quase um mantra que se repete diante de nós conselheiros e líderes espirituais o tempo todo. Outros querem saber porque não é simplesmente duas escolhas óbvias e opostas entre si? Ou… porque não é matematicamente exata e os resultados previsivelmente prováveis? Moleza, hein!!! Lamento dizer que a vida pode ser assim, uma vez que as pessoas não são autômatos, mas inteligentes, criativos, cheios de emoções e seus instintos lhes dão dicas muito fortes que depois se provam instáveis e segui-los pode não ser o melhor caminho. Ainda temos o elemento fé ou crença, que queiramos ou não, permeia toda a nossa constituição influencia todas as nossas tomadas de decisões. Li recentemente, o que alguém com certo grau de ironia escreveu, mas com um alto grau de assertividade; que quem deixa de acreditar em Deus, ainda continua acreditando no Diabo e nas suas narrativas. As parteiras lá do antigo Egito, tinham diante de si escolhas muito difíceis e de pouco tempo para pensar e escolher qual caminho tomar. Literalmente eram decisões de vida ou morte! Decidir quem vive e quem morre, nunca será fácil, mesmo em circunstancias críticas, como em situações de guerras, nas enfermarias de campanha, ou em emergências hospitalares com os casos mais complexos que aparecem. Aquelas mulheres, que aqui no texto bíblico representam uma categoria de muitas outras que se ocupavam em ajudar nos nascimentos de bebês entre o povo dos filhos de Israel, que se tornavam cada vez mais numerosos. Acatar a ordem esdrúxula do Faraó, seguir a própria consciência, serem seletivas ou assumir uma postura favorável à vida? Muitos anos depois, o rei Salomão, muito sabiamente escreveu sobre atitudes e decisões tomadas pelos reis, e entre elas uma que é um princípio espiritual importante: “Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer” (Pv 21.1). o rei aqui, representa qualquer pessoa ou instituição em posição de autoridade. Nesse caso, quando o rei se interpõe a algo justo e correto e quem está sob essa autoridade, precisa escolher acreditar que o coração do rei está nas mãos de Deus e que pode ser movido e inclinado segundo a vontade de Deus. Todo adorador e especialmente os intercessores sabem o poder da oração. Nada está fora do alcance da oração. Não há lugar de onde não se possa emitir uma súplica, desde as profundezas do oceano até na imensidão do espaço, onde estiver uma pessoa, ali é possível orar. Quanto mais nos aproximamos dos finais dos tempos e da iminente volta do Senhor Jesus, para buscar sua Igreja, mais o mistério da iniquidade se mostra e sem muitos disfarces vão tentando botas suas garras sujas em mais áreas da vida das pessoas. Deus estava construindo uma nação, começando à partir de uma única linhagem, através de Abraão e depois de tantas batalhas contra a esterilidade, agora, eles alcançavam um alto índice de fertilidade e as armas da destruição também tinham que ser mobilizadas para impedir ou se possível neutralizar de vez o progresso do plano dos hebreus. Muitas dessas medidas, aparecem dotadas de lógica e razoabilidade, até parecendo um ato humanitário em benefício de outras vidas. Mas acredite, o mal nunca tem um plano que seja bom e construtivo. Não se faz o bem praticando o mal. Uma ação boa, em alguma circunstancia pode se tornar ruim ou má, até mesmo um pecado. Já uma ação má, em hipótese ou circunstancia alguma se tornará uma boa coisa. Não se iluda que um pouco de mal faz bem!

Senhor, te agradecemos pela dom da vida e pelas pessoas que a valorizam e lutam por preservar e abençoar, para que outras tantas vidas alcancem seus propósitos e se realizem plenamente. Graças te rendemos pelas vidas de pessoas simples, mas corajosas se colocam em favor da justiça e da verdade, mesmo que tenham que resistir ao rei. Nossa fé em ti, se justifica por seres um Deus de amor, justiça e bondade, se apresentando com um Rei de reis e Senhor de senhores; para nós, o Senhor é maravilhoso e somos gratos por tudo que tens feito por nós em Jesus Cristo, o teu amado filho, em nome de quem oramos e adoramos, amém.

Pr Jason

É Para Matar no Ninho

Meditação do dia: 05/10/2021

“E o rei do Egito falou às parteiras das hebréias (das quais o nome de uma era Sifrá, e o da outra Puá), E disse: Quando ajudardes a dar à luz às hebréias, e as virdes sobre os assentos, se for filho, matai-o; mas se for filha, então viva.” (Êx 1.15,16)

É Para Matar no Ninho – Temos o privilégio de nos debruçarmos diante da Palavra de Deus e olhar as verdades plantadas ali com tanto cuidado por Deus, guardando as devidas proporções de reconhecimento e honra a quem de fato merece honra e esquecimento a quem não merece passar para a posteridade e ficar notável, se não fez nada de significativo para a humanidade, ou mesmo para alguém individualmente. Devemos manter em mente a totalidade das Sagradas Escrituras, onde nada é dito de uma vez e muito menos de uma vez por todas; Mas os seus princípios são cuidadosamente guardados em prateleiras diferentes e assim a busca se torna sempre preciosa. Certa vez Jesus ensinou algo muito simples, mas poderoso, que aparece também aqui para nós no texto da meditação de hoje. “Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo. E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão” (Mt 10.40-42). Fiz questão de trazer o texto completo de Mateus, para mostrar o poder da representatividade delegada e a recompensa por fidelidade em proporções que todos podem participar e serem contemplados por Deus. Receber bem um discípulo é visto por Cristo como recebe-lo e recebe-lo e acolher o o Pai Celestial. Receber um profeta é muita honra; mas receber um justo como tal já é motivo de bênção; mas quem não puder fazer tanto, mas poder oferecer um simples copo com água á um necessitado, já é suficiente para ser lembrado por Deus, que não esquece e nem deixa passar qualquer favor em seu nome ou de sua causa. Não desista de fazer o bem, se não está vendo ou reconhecendo, melhor ainda, porque quem realmente sabe valorizar e recompensar está ciente do seu esforço e dedicação. Faraó, o poderoso rei do maior império daquele tempo, não tem o seu nome e nada registrado nos textos sagrados sobre ele. Para tentar saber ou identificar precisa-se de pesquisas e elas não são precisas e definitivas na ajuda. MAS, duas mulheres hebreus, ou prosélitas, simples parteiras, ficaram registradas para o tempo e a eternidade nas Escrituras Sagradas, para serem lembradas e receberem a bênção da gratidão do povo hebreu e de todos que leem e estudam as escrituras. Não só isso, elas foram abençoadas e cuidadas por Deus, porque elas se impuseram disciplina, ética e respeito pela vida e pela justiça. Gostaria de mostrar minha observação sobre o caráter desse Faraó e a gradativa pressão dele para o genocídio contra a população de hebreus. No primeiro passo, ele se mostrou temeroso pelo crescimento populacional; depois sentiu medo de ser agredido e os hebreus se aliarem contra ele com algum invasor externo. Passou a oprimir com escravidão e foi agravando a condição de vida e trabalho para enfraquecer e quebrantar o ânimo do povo. De trabalhos forçados, a um projeto disfarçado de extermínio seleto, para não despertar suspeitas. Ele tentou silenciosamente induzir as parteiras a cometerem assassinatos de crianças no momento do parto e elas poderiam alegar natimortos ou acidente no momento do parto. Elas colocariam suas vidas, caráter, fé e ética profissional em risco, com “álibis perfeitos.” Isso me faz lembrar um dito popular macabro que diz que “erros médicos são coberto por terra.” Estamos vendo com muita tristeza e horror nesses dias de pandemia do Corona Virus, pessoas, profissionais e empresas e empresários fraudando em diversos níveis e graus de gravidade, mesmo num momento tão grave onde a solidariedade e o bom senso são tão preciosos. Os países ricos e desenvolvidos vão por esses dias descartar e jogar fora por prazo de validade, vacinas suficientes para mais da metade da população dos países pobres e sem recursos para adquiri-las. Enfermeiros e profissionais que furam as pessoas com a agulha da seringa mas não injetam a medicação… Será que só o Faraó era mau e genocida? Estamos preocupados com a ética e a responsabilidade em todos os níveis da vida, dos serviços prestados e das ocupações de labor e ministérios cristãos também. Nunca tiremos de vista a verdade crista: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,] Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis” (Cl 3.23,24).

Senhor, obrigado por cuidar da nossa vida e da nossa história, honrando aqueles que honram e reverenciam ao Senhor e no teu temor evitam o pecado e o mal e lutam por justiça e o bem dos seus semelhantes. Queremos entender a nossa vida como um todo dentro da tua vontade e fazer o melhor com os recursos que tem disponibilizado para cada um dentro de nossas possibilidades e graça do Senhor. Somos agradecidos pelas pessoas que foram colocadas por ti em posições estratégicas para servirem e abençoarem de forma simples e útil no momento certo. Agradecidos somos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Vida Amarga Pela Servidão

Meditação do dia: 04/10/2021

“Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com dureza.” (Êx 1.14)

Vida Amarga Pela Servidão – Estamos introduzindo uma série de meditações sobre Moisés, o Libertador de Israel. Vamos procurar nos ver dentro do quadro total do contexto em que as coisas aconteceram. A regra básica é que para haver libertação, alguém ou alguma coisa precisa estar presa, sujeita contra a sua vontade e em condições tais que não consiga por si mesma sair de tal condição. Olhando a história antiga e dos tempos bíblicos, com um olhar e um coração piedoso, podemos de fato extrair muito aprendizado e enriquecer a nossa experiencia espiritual, porque Deus estava envolvido em todo tempo e no todo daquilo que seu povo estava passando. Chamo a sua atenção, como também a minha, para não tentarmos ligar os pontos sob a luz da história atual e de nossos atuais valores morais, humanos e até mesmo espirituais à luz da Nova Aliança e na dispensação da graça de Deus em Cristo. História precisa ser estudada e vista como história; são fatos passados, já acontecidos e num passado distante. O grande proveito do estudo é para aprendermos e não permitirmos que os mesmos erros sejam cometidos no presente ou no futuro. Uma rápida pincelada na história dos hebreus, nos ajudará a nos situarmos onde entendemos estar e de onde partiremos para a nossa próxima etapa de acompanhamento da vida e das ações de Moisés e seu povo. Abraão, iniciou uma clã familiar e viveu como peregrino circulando na terra de Canaã, que ele recebeu de Deus como promessa para ele, seus filhos e os filhos de seus filhos até se tornarem uma grande nação, como as estrelas do céu ou as areias da praia. “Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência” (Gn 15.5). Esta mesma promessa foi repetida a seu filho Isaque, que também viveu livremente vagueando na Terra Prometida. “Peregrina nesta terra, e serei contigo, e te abençoarei; porque a ti e à tua descendência darei todas estas terras, e confirmarei o juramento que tenho jurado a Abraão teu pai;
E multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e darei à tua descendência todas estas terras; e por meio dela serão benditas todas as nações da terra”
(Gn 26.3,4). Jacó ou Israel, que veio a ser o patriarca que deu nome à nação, também recebeu a confirmação da promessa e da multiplicação de sua descendência. Na primeira noite após sua saída da casa de seus pais, à caminho de Harã, ele teve um sonho no qual Deus lhe apareceu e lhe falou:  “E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência; E a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 28.13,14). Os anos se passaram e quando estavam em número de setenta (70) pessoas, foram para o Egito, à convite de José, um dos doze filhos de Jacó e governador do Egito, sob as bênçãos do Faraó reinante. Por varias gerações eles viveram livres, protegidos e sob o governo de alguém. Esse tempo foi bom para o crescimento numérico, mas também produziu uma absorção de cultura e costumes estranhos à sua fé e ao culto ao Verdadeiro e único Deus, como cultivado pelos patriarcas e objeto de alianças sagradas e eternas. Estamos falando de acomodação, negligencia e afastamento das bases que sustentariam uma futura nação. Para mudar isso, seria necessário mudar os tempos e os reis e esse povo ter experiencias que lhes trouxessem de volta ao que já conheciam e proporcionar-lhes a experiencia de conhecer a importância de uma estrutura de estado e de governo. Sabendo o que um governo tirano e opressor é capaz de fazer, é possível aprender como construir um governo justo e com leis boas e práticas que levem em conta todos os aspectos de uma sociedade. Assim, como quanto mais densas as trevas, mais preciosa é a luz; também quando mais duro é o jugo e a opressão, mais preciosa é a liberdade. Somente quem sobre sob a culpa e a condenação, sabe o quanto é maravilhosa a salvação. No dizer do cotidiano, “quem não está perdido, não procura caminhos!” A vida amarga e dura sob o jugo da escravidão seria ideal para despertar neles a fome e a sede pelas promessas de serem herdeiros de uma terra onde manava leite e mel. Aqui, nessas condições seriam forjados os líderes e as condições para conhecerem o Deus a quem seus antepassados serviram com dedicação e fidelidade. Precisamos refletir sobre isso, porque somos as pessoas de um tempo de transição na história e já percebemos que perdemos conquistas que foram nossas e que nossos filhos e as futuras gerações enfrentarão condições mais adversas e mais terríveis do enfrentamos e que eles nem imaginam. Ore por discernimento e sabedoria para os tempos e as oportunidades das novas gerações.

Senhor, somos gratos pela vida e as condições que permitistes acontecer em nossas vidas e que nos trouxeram até a ti e a reconhecermos sua soberania, graça e bênçãos. Estamos num tempo de transição na história humana e embora haja tanto saber, progresso e riquezas, tudo isso está mal distribuído e sobra de um lado e falta de outro e como igreja, precisamos ser sal e luz e fazermos a diferença para o bem e a paz. Estamos conscientes dos tempos e da volta de Cristo para consumar a redenção efetuada na cruz. Pedimos sabedoria e discernimento para guiar os novos líderes e as novas gerações para não te perderem de vista. Oramos em fé, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Tempos Difíceis

Meditação do dia: 03/10/2021

“E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza;”(Êx 1.13)

Tempos Difíceis – “Tempos difíceis produzem homens fortes; homens fortes produzem tempos bons; tempos bons produzem homens fracos e homens fracos produzem tempos difíceis.” A experiencia de vida e de caminhar com Deus tem nos ajudado a comprovar que as provações e os tempos adversos existem com propósitos de forjar e moldar as pessoas que farão a diferença nos seus dias. Os marinheiros costumam dizer que “mar calmo nunca fez bons marinheiros!” Os antigos ferreiros, na sua lida com os metais, sabem que é preciso altas temperaturas, muita pressão e muitas batidas na bigorna para se produzir um instrumento de qualidade. Todas essas similaridades podem ser vistas na história do povo de Deus e na vida da igreja. Quando Deus precisa de alguém bem preparado, ele utiliza seu arsenal de opções para moldar aquela pessoa até estar em condições de servir e realizar tarefas que sem aquele preparo não seria possível. Os filhos de Israel que estavam habitando no Egito, depois de anos de paz e prosperidade, sob as bênçãos de José e do Faraó, vieram as coisas se modificando tão completamente, que em pouco tempo estavam em apertos e amarguras. Os tempos mudaram e as dificuldades surgiram. Deus estava preparando novas gerações para viverem as experiencias profetizadas à Abraão. “E pondo-se o sol, um profundo sono caiu sobre Abrão; e eis que grande espanto e grande escuridão caiu sobre ele. Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza.” (Gn 15.12-14). Essa mesma didática ainda continua disponível para que os propósitos eternos tomem forma e a civilização humana tenha os contornos necessário para o seu desenvolvimento e atinja os objetivos propostos por Deus para que cada povo cumpra a sua missão. É Deus quem estabelece reis e reinos e também é ele que eleva e abate quando necessário. Por mais que o homem imagine que está no comando e no controle de todas as coisas, ele na verdade não está. O lugar mais seguro deste mundo é no centro da vontade de Deus e sábio é quem entende sua vida como dádiva dos céus e se coloca humilde e voluntariamente à disposição de Deus para o servir e glorificar. Entendamos os nossos tempos difíceis como etapas de preparação para algo maior e mais produtivo dentro de um propósito maravilhoso daquele Deus Criador e que nos escolheu para ser seus filhos. Busquemos a sabedoria necessária para viver plenamente o melhor de Deus.

Senhor, obrigado pelos nossos dias e os nossos desafios de vencermos a cada dia uma etapa de provas e dificuldades que nos foram propostos e nada disso está distante do teu olhar e do teu governo. Estamos confiantes de que o seus planos são grandes, claros e perfeitos para cada um de nós, em Cristo Jesus. É em nome dele que oramos por graça e sabedoria para uma vida de vitória. Amém.

Pr Jason

A Descendencia de Abraão

Meditação do dia: 02/10/2021

“Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa.” (Gl 3.28,29)

A Descendência de Abraão – “Estrangeiros?” Foi com essa pergunta-título, que no dia 16/09/21 eu iniciei uma “mini-série” de meditações na Palavra de Deus, numa tentativa de extrair porções edificantes e abençoadoras ao observar a vida de mulheres da Bíblia que entraram para a história do povo de Deus, por alguma realização abençoadora que ajudou a construir o que conhecemos como povo escolhido, ou nação de Israel, de onde viria o Messias, o Redentor prometido por Deus à humanidade, desde os primeiros tempos, lá no Éden ainda. Agora, estou fechando a série, com um texto que faça um papel de fechamento na ídeia proposta. Reconheço as minhas limitações e agradeço as manifestações de carinho e apreço que recebi, sabendo que é generosidade dos amados. Acredito também que alguém deve ter lembrado de alguma pessoa, que poderia ter sido mencionada, por sua vida e participação; isso é bem possível, mas pessoalmente, apenas uma que eu queria ter escrito, mas desisti e será posteriormente contemplada, seria muito justo por sua contribuição, se trata da princesa egípcia que criou Moisés. Mas hoje, imaginemos que abrimos um parêntese e agora o fechamos, mostrando que o plano de Deus para a humanidade é muito grande, maravilhoso, complexo e ainda assim, Deus o faz acontecer mexendo as peças no tabuleiro com extrema facilidade, já que ele pode todas as coisas e nenhum de seus planos pode ser frustrado, como disse Jó. Percebemos contribuições dos mais diversos povos e em tempos e circunstancias as mais adversas e o Senhor Deus na sua infinita sabedoria e criatividade, moveu homens e mulheres, reis e soberanos, nobres e plebeus e quando preciso moveu um império inteiro para que uma posição se confirmasse e sua Palavra não deixasse de se cumprir na íntegra. Amo a história da igreja, que está entrelaçada com a história antiga, geral e dos reinos e pessoas e não encontro um texto mais preciso e lindo para definir o senhorio de Deus sobre tudo isso, do que as palavras do Apóstolo São Paulo aos Gálatas: “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos (Gl 4.4,5). No ano certo, no mês certo, no dia, hora e local exatos, lá estavam José e Maria, na estrebaria nos arredores de Belém para o momento mais importante desde a criação do mundo. Deus se fazendo homem e habitando entre nós. “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.14). no falar comum e popular dizemos que “o mundo dá muitas voltas!” Todas essas voltas foram para chegar exatamente nesse lugar e nesse instante histórico. Em Cristo Jesus e mais precisamente, na sua cruz, é o ponto de encontro e unificação de todas as coisas. Todas as diferenças, anomalias, restrições e fatores de segregação, podem e são abolidas pelo sacrifício de Cristo na cruz; se chega ali das mais variadas origens, mas tudo se nivela e dali em diante há um só Corpo, um só Povo e um Só Deus e uma só Fé e Cristo passa a ser tudo em todos, para glória de Deus. “Onde não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo, e em todos” (Cl 3..11). Todas as contribuições dessas mulheres maravilhosas que meditamos nesses dias e de tantas outras, bem como de homens cujas origens naturalmente foram distantes da linhagem hebraica, mas que fizeram realizações que cooperaram muito para o sucesso do plano de Deus, a nossa gratidão e reconhecimento. Na Nova Aliança, já encontramos uma familiaridade maior com a miscigenação racial e a fé em Jesus facilitou essa compreensão. Podemos ser muito gratos pela vida de vidas como de Paulo, que sendo um israelita, da tribo de Benjamim, e cidadão romano por nascimento em Tarso, na Cilícia, hoje seria na Turquia, entendia que todos os predicados e privilégios, não se comparam com a nova vida em Cristo. “Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu; Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível. Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo” (Fp 3.4-7). Alegre-se e viva com intensidade os propósitos de Deus para sua vida e para com sua família. Nosso papel ainda hoje é ser Igreja verdadeira, no poder do Espirito Santo e apresentarmos um testemunho que glorifique a Deus, abençoe a Igreja e promova a expansão do Evangelho como ele de fato é: Boas Novas de salvação para todo aquele que crê.

Pai amado, agradeço o privilégio de poder ter meditado e escrito ainda que em palavras simples, sobre a grandeza do teu poder e do teu agir na vida e na história de pessoas escolhidas por ti, ungidas e preparadas para um determinado momento e tarefa na história humana, para que os teus planos se confirmassem como de fato, hoje testemunhamos, que tudo aconteceu como previsto, profetizado e determinado por tua sabedoria. Elas creram e investiram suas vidas e esforços para nos beneficiar nos tempos futuros e aqui estamos, agradecidos, e nos oferecendo para fazermos a nossa parte, porque agora é a nossa vez, este é o nosso temo e a nossa oportunidade. Obrigado por podermos participar de tudo isso, para honra e glória de seu santo nome, através de Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.

Pr Jason

A Mulher de Pilatos

Meditação do dia: 01/10/2021

“E, estando ele assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele.” (Mt 27.19)

A Mulher de Pilatos – A vida vale pela intensidade e qualidade com que se é vivida, não pela extensão de longevidade. As histórias de pessoas fantásticas, as vezes são descritas num único trecho minúsculo de registro. Nesses últimos dias estamos meditando na Palavra de Deus ao mesmo tempo que estudamos a vida de mulheres que fizeram a diferença nos seus dias e entraram para o povo de Deus, mesmo sendo de origem ou nascimento não ligado a Israel ou o povo escolhido. Nossa convidada de hoje, é outra joia rara das Escrituras, com um único registro no Evangelho de Mateus, sem ter seu nome citado, mas com evidencias muito fortes e suficientes para ser admirada e aqui, fazermos uma justa homenagem, honrando-a, porque ela honrou ao nosso Senhor Jesus e numa hora muito difícil de sua vida. Segundo registros históricos e até mesmo de literatura apócrifa, como o Evangelho de Nicodemos, essa mulher, esposa do Governador romano da Judéia, era uma nobre da corte romana, filha do Imperador César Augusto. Se chamava Claudia Procla e era simpatizante ou até mesmo uma prosélita do judaísmo, ou seja alguém que se converteu ao culto e à fé judaica. Precisamos registrar aqui, que se tratava de uma mulher inteligente e ativa na participação das ações de governo de seu marido e certamente estava plenamente inteirada das ocorrências dos últimos dias e do julgamento que Pilatos teria que realizar. Ela deve ter presenciado ou participado das conversas oficiais entre seu marido, o governador e os líderes religiosos e sacerdotes judaicos, por isso sabia do que estava acontecendo e tentou apresentar um modo de seu marido não proferir um julgamento injusto contra uma pessoa boa e inocente, conforme era a vontade dos religiosos que estavam armando uma cilada e precisavam da mão de Pilatos,  para sacramentar seus planos. Ao dizer ao  marido para que “não se envolvesse na questão desse justo,” ela se revelou como a única pessoa que fez alguma coisa, para livrar Jesus; havia muita gente assistindo, muitos tristes com os fatos, outros tantos estavam neutros, alguns sendo manipulados pelas autoridades, alguns inconsoláveis e até perdendo a esperança e a fé, mas ninguém agiu, só ela falou em favor do Mestre. Estamos conscientes do plano de redenção e da necessidade da paixão e morte de Jesus na cruz para cumprir as Escrituras e efetivamente realizar o sacrifício que salvaria a toda a humanidade. Mas ali estava a esposa do governador, crendo numa promessa de um Deus único e verdadeiro e tentando evitar que em um ato oficial seu marido cometesse o erro fatal que marcaria seu governo, sua vida pessoal e até mesmo seu próprio destino eterno. Registramos também, que este é também provavelmente, o único registro bíblico de uma mulher recebendo uma revelação de Deus em sonhos. Abraão, Isaque, Jacó, José, Salomão, Daniel, José, marido de Maria e tantos outros  receberam palavras de Deus em sonhos, mas a mulher de Pilatos, trás esse registro, ela sonhou com Jesus e seu sofrimento redentor e ela entendera que se tratava de alguém que o marido deveria protege-lo, ou agir com justiça e não participar de conspiração injusta. A ação dela, mostra identificação com Cristo, o que infere-nos uma manifestação de fé verdadeira e reconhecer o papel destinado a Cristo. Ela pode não ter conseguido na íntegra o seu intento, mas influenciou Pilatos, que mesmo vendido por seu orgulho e ter se acovardado diante dos gritos da multidão, ainda assim tentou evasivamente comutar a pena e livrar a Jesus do pior. “E, respondendo o presidente, disse-lhes: Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás. Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado. O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado. Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso” (Mt 27.21-24). O Marido da irmã Claudia lavou as mãos, mas não lavou o coração. Esteve com o autor da vida diante de si no trono e deu-lhe um tratamento injusto e um dia as posições se inverterão e Pilatos estará diante de um trono e Jesus assentado e o julgamento será justo, muito justo, sem vingança ou revanche, mas será justo. Hoje, tal como naquele dia, todos nós, nos sentamos nos tronos de nossas vidas e julgamos e proferimos escolhas e sentenças. Um dia, todos, compareceremos diante de um grande trono e de um grande rei!!! Nossas decisões hoje farão toda a diferença naquele dia, pode acreditar.

Senhor Jesus, Rei dos reis e Senhor de senhores, comparecemos diante de ti com santo amor e reverencia porque o reconhecemos como nosso grande Deus e Salvador. Reconhecemos nossa condição de pecadores e necessitados de tua graça e bondade; sem as quais não seremos salvos e nem aceitos diante do Pai. Obrigado por dar sua vida por nós e entendemos o teu sofrimento e a tua morte, nossos pecados causaram o teu sofrimento, mas o teu amor é maior e cobre todos os nossos pecados. Obrigado. Te louvamos e agradecemos, ao Pai por realizar um projeto tão grande e tão complexo, mas sem deixar escapar nenhum detalhe. Agradecemos ao Espírito Santo por aplicar os benefícios da redenção em nossas vidas e nos selar como propriedades exclusivas de Deus até o dia o resgaste. Ao Deus único, Pai, Filho e Espírito Santo, a nossa fé e a nossa adoração. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason