O Que Eu Fiz Ou Não Fiz?

Meditação do dia: 14/09/2020

 “Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova.(Gn 40.1

O Que Fiz ou Não Fiz? – Essa é provavelmente uma pergunta que facilmente entraria para quaisquer Top 5. Entre as mais perguntadas em todo tempo e lugar, “O que foi que fiz ou não fiz?” apareceria em quaisquer pesquisas. Desde alegação de completa ignorância dos fatos até as maiores dissimulações já vistas, as pessoas fazem aos outros e a si mesmos essa pergunta. As vezes até denunciando culpa, um olhar é suficiente para alguém balançar os ombros, ou acenar com as palmas das mãos voltadas para cima e um interrogação expressiva no olhar: “O que foi que fiz dessa vez?” José alegava inocência  e de fato era inocente. Mas sua condição ali e nas circunstancias que estava passando não tinha nada à ver com culpa, condenação, colheita de coisas erradas semeadas ou sendo disciplinado por conduta. José estava ali sendo treinado e capacitado, para exercitar sua fé no Altíssimo, o Todo-Poderoso Deus de seu pai Jacó e de seus avós Isaque e Abraão. A fé é multifacetada e grandes pessoas para as quais estão reservadas tarefas distintas e importantes precisam ser experimentados nos mais diversos aspectos da confiança em Deus. Deixe-me exemplificar: Há pessoas que jamais vacilaram na fé em relação à sua experiencia de conversão a Cristo. Mas essas mesmas pessoas, não conseguem descansar no cuidado de Deus para suas necessidades diárias, vivem em constante ansiedade e preocupação. Há pessoas que confiam plenamente na capacidade divina de cuidar delas, mas não conseguem consagrar-se inteiramente para exercer ministério. Conheço um pastor, já bem idoso, com um ministério extraordinário de evangelizar individualmente e plantar igrejas, são dezenas ou centenas e ele não perde uma sequer oportunidade até hoje; mas já me disse que nunca teve fé para viver no ministério de tempo integral; sempre exerceu uma função profissional até se aposentar. Conheço pastores que realizaram enormes trabalhos e no fim da carreira, não conseguem confiar que Deus cuidará da igreja e colocará um líder segundo o seu propósito; eles armas e articulam transições ministeriais por conta própria, e normalmente não tem a bênção e a aprovação de Deus. Uma pena, mas Deus trabalha em nossas vidas para corrigir essas deficiências e aprendermos a confiar mesmo quando não temos nenhuma pista, como era o caso de José; só mais tarde ele pegou o fio da meada e reconheceu os caminhos de Deus em sua vida desde o começo. Um litígio entre Jacó e seu irmão Esaú, tio de José, muitos anos depois um profeta fala dos propósitos eternos e de como Deus lida com certas coisas que conhecemos só pela história. ““Eu sempre amei vocês”, diz o Senhor. Mas vocês perguntam: “De que maneira nos amou?”. E o Senhor responde: “Eu sempre amei vocês”, diz o Senhor. Mas vocês perguntam: “De que maneira nos amou?”. E o Senhor responde: “Foi desta maneira: amei seu antepassado Jacó, mas rejeitei o irmão dele, Esaú, e devastei sua região montanhosa. Transformei a propriedade de Esaú num deserto para chacais(Ml 1.2,3 NVT). Escrevendo aos Romanos, o Apóstolo São explicou essa passagem nos seguintes termos: Esse fato não é único. Também Rebeca ficou grávida de nosso antepassado Isaque e deu à luz gêmeos. Antes de eles nascerem, porém, antes mesmo de terem feito qualquer coisa boa ou má, ela recebeu uma mensagem de Deus. (Essa mensagem mostra que Deus escolhe as pessoas conforme os propósitos dele e as chama sem levar em conta as obras que praticam.) Foi dito a Rebeca: Seu filho mais velho servirá a seu filho mais novo. Nas palavras das Escrituras: Amei Jacó, mas rejeitei Esaú. Estamos dizendo, então, que Deus foi injusto? Claro que não! Pois Deus disse a Moisés: Terei misericórdia de quem eu quiser, e mostrarei compaixão a quem eu quiser. Portanto, a misericórdia depende apenas de Deus, e não de nosso desejo nem de nossos esforços(Rm 9.10-16). Oremos por discernimento para vivermos a vontade de Deus, sem um questionar de dúvidas e incredulidade. Mas uma fé confiante de que confiamos em quem está no controle.

Pai, obrigado por tua sabedoria e graça, disponível a cada de seus filhos em Cristo Jesus, avivado pelo poder do Espírito Santo para vivermos o melhor do Senhor todos os dias e em todas as áreas de nosso viver. Te agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Terra Dos Hebreus

Meditação do dia: 13/09/2020

 “Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova.(Gn 40.1

A Terra Dos Hebreus – Vivemos muito num contexto de igreja; minha igreja, nossa igreja, onde sirvo e adoro a Deus juntamente com outros irmãos em Cristo. Isso por si só produz um Senso de pertencimento” –algo que diz respeito a encontrar um espaço que seja seu dentro de um espaço maior; é ajeitar-se dentro dele. Os membros da igreja querem experimentar comunhão e adoração num lugar que os ajude a sentir que fazem parte dele. As afirmações ligadas a esse senso são três e incluem: Ajuda-me a sentir que pertenço a um lugar, a um grupo de pessoas. Ajuda-me em momentos de carências emocionais. Oferece cultos envolventes. Isso faz parte de uma tese que pesquisadores profissionais cristãos fizeram para diagnosticar situações de estagnação na igreja local deles e posicionarem para a correção das deficiências constatadas. Todos nós gostamos de saber de pertencemos a algum lugar, isso tem a ver com as nossas raízes. Ainda que gostemos e amemos muitos lugares, mas há um especial que conservamos no nosso coração. No Brasil, nós percebemos que os nativos de alguns estados e regiões tem esse sentimento mais aflorado e que mesmo estando longe por anos, eles não esquecem suas raízes e suas tradições. Isso faz parte do ser humana e é muito forte. José expressou isso ao dizer aos seus colegas prisão que ele pertencia a terra dos hebreus, de onde havia sido tirado à força. Deus havia prometido uma terra à Abraão, o bisavô de José. “E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera” (Gn 12.7). Esta mesma promessa foi confirmada a seu avô Isaque, alguns anos mais tarde. “Peregrina nesta terra, e serei contigo, e te abençoarei; porque a ti e à tua descendência darei todas estas terras, e confirmarei o juramento que tenho jurado a Abraão teu pai; E multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e darei à tua descendência todas estas terras; e por meio dela serão benditas todas as nações da terra (Gn 26.3,4). Também foi confirmada e ratificada para com Jacó, o pai de José, de forma que a promessa ficava cada vez mais firme. “E sonhou: e eis uma escada posta na terra, cujo topo tocava nos céus; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela; E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência” (Gn 28.12,13). José só vivera ali por dezessete anos e mesmo assim, estava consciente de que aquela terra lhe pertencia e ele pertencia a ela. Ali é a Terra dos Hebreus! Senso de pertencimento. Ele passou a maior parte da sua vida no Egito, até sua morte aos cento e dez anos e ainda assim, antes de morrer encomendou aos familiares que quando Israel saísse do Egito para voltar à sua terra, era para levarem seus ossos e sepultar lá. Ele era muito consciente de seu lugar e seu espaço de pertencimento. Isso produz um tipo de realização e bem estar. A pessoa sabe onde está e deve servir e produzir, mas ela também sabe onde ela pertence. Pessoas que sabem de onde vieram, normalmente elas também sabem para onde vão. Um dos tristes fenômenos dos tempos atuais são os chamados “desigrejados,” eles não pertencem a lugar algum, não possuem raízes e nem comprometimentos com uma causa, com um corpo; portanto não existe alvos a serem atingidos e metas a serem alcançadas. Fora o fato de que viola as Escrituras que afirmam no novo nascimento um batismo no Corpo de Cristo, onde todos juntos se ligam e e auto-edificam e produzem o crescimento e a manutenção saudável do Corpo, uma parte cuidando da outra. Se não faz parte, não cuida e não é cuidado. Qual é sua terra? Você pertence a onde?

Pai, nos te engrandecemos, por fazermos parte de algo muito maior do quer a nós mesmos. Pertencemos a ti e pertencemos à igreja como Corpo de Cristo; estamos aqui para servir ao Senhor, servindo as pessoas. Reconhecemos a nossa cidadania celestial e a forte influencia que ela exerce sobre nós. Obrigado por nos sustentar a cada dia e nos motivar a permanecermos firmes e fiéis a Ti. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Fui Roubado

Meditação do dia: 12/09/2020

Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova.(Gn 40.15)

Fui Roubado – As ciências comportamentais são relativamente jovens, várias delas começaram como um estudo ou pesquisa de alunos de graduações, mestrados, doutorados, bem como trabalhos de professores em seus laboratórios e experimentos e elas foram evoluindo e estão alcançando espaços consideráveis. Não é tão distante quando entra a pesquisa de Richard Thaler, economista norte-americano que recebeu o prêmio Nobel de Economia de 2017. Thaler foi um dos primeiros estudiosos a unir a economia à psicologia. A linha de pesquisa de Thaler, humaniza a economia por suas contribuições à economia comportamental e por seu trabalho pioneiro em estabelecer que as pessoas são previsivelmente irracionais de maneiras que desafiam a teoria econômica. Daniel Kahneman, Ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2002 abriu as portas para as ciências comportamentais se aliarem com a Economia. Estou  fazendo essa introdução, para mostrar que aquilo que experimentamos como pessoas à muitos tempos e gerações, agora são comprovados cientificamente e até se propõe terapias e tratamentos auxiliares para ajuda em certos casos. Esses senhores por exemplo, comprovaram que o ser humano tem uma grande aversão ao risco e às perdas, que produzem muita dor. Um dos exemplos que dão, afirma que a dor de perder cem reais é muito maior do que a alegria de ganhar os mesmos cem reais. Então quando José, lá no antigo Egito diz que foi roubado da sua terra e da casa de seu pai, está afirmando uma verdade emocional muito grande de dor e sentimento de perda. No caso dele ainda tem o componente dos laços familiares que provocaram essa dor e essa perda. Foram seus irmãos de sangue que o traíram e o venderam como se fosse um estranho; pelo simples desejo de evitar uma possível ascensão sobre eles no futuro. No advento da Lei Mosaica, os Dez mandamentos contempla entre outras coisas a preservação de valor na vida humana. Não matarás.
Não adulterarás. Não furtarás. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
(Ex 20.13-17). Todos essas práticas produzem feridas emocionais e sentimentos de perda que são valores sagrados para todos. Jesus nos seus dias, ensinou lições preciosas e profundas, que à medida que os séculos vão passando e a compreensão humana cresce, tiramos melhor proveito ainda de suas Palavras. No célebre ensino sobre ser ele o bom pastor, ele disse: Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador (Jo 10.1). de forma simples: Quem não faz as coisas da maneira certa, do jeito certo, é ladrão e salteador. Ladrão apropria do que não é seu; salteador toma e até com violência o que lhe interessa. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram (Jo 10.8). A quantidade de charlatões tentando se passar pelo Messias, ou oferecendo o que não podem cumprir é imensa e ainda continuam aparecendo, mesmo depois que Cristo já veio e fez seu sacrifício. Mas a afirmação mais contundente foi essa: O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância (Jo 10.10). A principal e maior tarefa de Satanás é infringir o maior sofrimento possível ao ser humano, por ser ele o objeto do amor de Deus. Tudo o que nos é roubado, nos magoa, fere e pode incapacitar a pessoa para ser amada e também amar. Nosso desafio hoje é sondar nossos corações e mentes e ver se não houve assaltos e roubos em nossas vidas e como isso causou perdas que lamentamos até inconscientemente. Deus é um restaurador por excelência e através de Cristo, por obra e graça do Espírito Santo, você e eu podemos ser contemplados pelo maior e completo seguro contra furtos e roubos da história da humanidade. A redenção em Cristo Jesus. Oremos juntos o Sl 139.23,24:

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

De Fato

Meditação do dia: 11/09/2020

Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova.(Gn 40.15)

De Fato – Contra fatos não existem argumentos. Isso já foi uma máxima quase que inquestionável. Mas agora vivemos a era das Fake News – tudo pode ser transformado em notícias falsas, adulteradas, e com os meios tecnológicos de fácil acesso e manuseio, se pode brincar de colocar palavras na boca de qualquer um, produzindo afirmações nunca ditas e que podem produzir efeitos desastrosos. No mercado financeiro, que tem seu próprio nicho de expressões criadas, diz para “comprar no boato e vender no fato!” ou “comprar ao som dos canhões e vender ao som dos violinos!” Aqui, fazemos uma pergunta de forte significado: A verdade ou os fatos importam? A resposta de quem tem a mentalidade cristã, mentalidade de Reino, diz SIM! Importa e muito. A primeira razão é que sempre valorizamos os fatos e a verdade. Para nós, cristãos, a verdade é libertadora. “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo.8.32). A verdade não é um conceito filosófico ou ético; a verdade é uma pessoa. Jesus Cristo! A Palavra de Deus para nós é a verdade. A verdade encarnada. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade (Jo 1.14). O Apóstolo São Paulo, fez uma afirmação muito eficaz sobre a verdade na prática da vida diária. Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade (2 Co 13.8). José ainda está lutando com as suas próprias forças para conseguir sua tão sonhada liberdade e aqui ele lança mão de argumentos lógicos e factíveis. É um fato; foi um fato verídico sobre o modo como ele foi parar no Egito e se tornar um prisioneiro na casa do capitão da guarda, depois de passar pela casa de Potifar e o servir, sendo então traído pela negativa de se envolver com sua senhora. Tudo era fato. Vocês sabem disso; eu sei, mas o quê essas verdades e esses fatos significavam para aquele público? Quem ali estava interessando em fatos e verdades? Ninguém! Estamos diante de uma situação invertida, pois aqui o servo de Deus é que está em desvantagem, numa situação de necessidade e os demais que estão juntos a ele, estão concentrados em seus próprios interesses e pessoas egoístas não se importam com ninguém, a menos que aquilo lhe traga algum benefício imediato. Para os dois oficiais que tiveram sonhos simultâneos, José era importante, até lhes fornecer as respostas. Estou lidando aqui, com um aprendizado importante para nós, cristãos, que é criar expectativas irreais baseado na lógica e na convicção de que as pessoas irão corresponder aos nossos esforços de ajuda-los. Não vão, a menos que eles já sejam a resposta que Deus está providenciando para nós. A nossa Bíblia tem número ímpar de versículos, 31.173; repartindo-a exatamente em duas partes, ficarão 15.586 para cada lado e o verso ímpar, no meio diz o seguinte: É melhor confiar no Senhor do que confiar nos príncipes (Sl 118.9). De fato, é melhor confiar no Senhor do que nos homens, nas autoridades e correr o risco de todas as nossas expectativas serem frustradas. Como estamos conscientes da situação em que José estava envolvido e dos propósitos do Senhor para com ele, entendemos bem, que aquelas pessoas, ainda que bem intencionadas e dispostas a ajuda-lo, seriam frustrados na tentativa de fazê-lo, porque Deus estava trabalhando em algo maior e no momento isso precisava ficar restrito a sua soberania. Há coisas acontecendo ao vivo e em tempo real na minha vida e na sua, que é um plano em andamento da parte do Senhor e necessariamente ele não antecipará detalhes para o bem do plano e nosso também. Ainda que seja repetitivo, mas precisamos citar constantemente verdades da Palavra de
Deus que nos reafirmam o que de fato precisamos, tais como; Provai, e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia (Sl 34.8). também Justo é o Senhor em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras.
Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade
(Sl 145.17,18). Para os três leitores mais assíduos e uma candidata a quarta vaga, sabem que essa referencia bíblia eu a utilizo a muitos anos como uma âncora, para não permitir que minha mente e minhas emoções me arrastem para fora do centro da vontade de Deus. Para nós, de fato, Deus é o nosso FATO! As demais podem ser boatos ou não, mas só Deus pode ser nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na hora da angústia, (Sl 46.1) e pode acreditar, momentos de angústia surgem bem mais do que a nossa vã fé triunfalista propala.

Senhor Deus e Pai, obrigado por ser presente em nossas vidas em todos os tempos e em cada momento, percebendo ou não, conscientes disso ou não, a tua fidelidade não está à prova, pois tu és fiel e bom o tempo todo. Mesmo quando todas as pessoas e circunstancias ao redor conspiram contra nossas aspirações, ainda assim podemos ter esperança, porque o nosso redentor é forte e poderoso. Ninguém pode frustrar os teus planos e propósitos. A tua Palavra jamais deixará de cumprir sua missão, ela não voltará para ti vazia, mas sempre fará o que te apraz e isso nos satisfaz plenamente. Só podemos agradecer e o fazemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Quero Sair Desta Casa

Meditação do dia: 10/09/2020

Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;(Gn 40.14)

Quero Sair Desta Casa – Algumas frases, ou expressões, por si mesmas eles podem ensinar muita coisa boa e nos conduzir a um tipo de aprendizado informal que valerá para a vida inteira. Estou pensando aqui, na frase do livro A Cabana, de autoria do escritor canadense William P. Young, lançado em 2007 nos Estados Unidos. Chegou ao Brasil pela Editora Sextante em 2008. Como estou citando de memória, não citar a página, me desculpem mas ficamos apenas com a idéia. Num diálogo com Deus, o Senhor fala algo sobre correntes, e então afirma, que correntes são sempre correntes, ainda que de ouro. Isso me impactou muito e desde então o conceito de escravidão, opressão, compromissos insalubres e afins ganharam destaque no meu coração e mente. Quando Jesus se apresentou ensinando sobre liberdade, ele falou sério: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (Jo 8.32,36). Liberdade verdadeira precisa de conhecimento da verdade, e para nós a verdade não é um conceito abstrato, uma ideia ou filosofia, para nós cristãos, a verdade é uma PESSOA – JESUS! Os ensinos cristãos nas Sagradas Escrituras enfatizam com precisão a obra de Deus e suas expectativas do nosso comprometimento com liberdade em Deus, através de Cristo. Aos Gálatas, Paulo diz: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl 5.1). O filho de Deus não será liberto, já está liberto! Precisa ficar firme nisso, porque quem efetuou sua libertação foi Cristo. Só voltaremos ao estado de servidão, se voluntariamente permitirmos o pecado entrar em nossa vida e se assenhorear do controle. Aos Romanos, ele também reafirmou o conceito de responsabilidade pela vida de vitória e santidade. “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça” (Rm 6.16-18). A Redenção em Cristo, pode ser ilustrada por uma compra de um escravo naqueles tempos de escravagismo. A pessoa comprada como escravo, já estava escravizada e agora se tornaria propriedade de alguém, que ao compra-la tinha posse legal e documentada de seus direitos sobre ela. Ao exercer seu direito, o senhor poderia utilizá-lo e também podia vende-lo, doá-lo e até libertá-lo, por preço (redenção) até de graça. Após a libertação, o ex-escravo estaria livre para fazer o que quisesse com sua vida, inclusive se colocar como escravo novamente. Espiritualmente, Cristo efetuou nossa libertação por preço pago. Pagou e nos deu a liberdade com plenos direitos. Ao Entregar nossa vida a Cristo, ele se torna nosso Senhor, por iniciativa nossa, voluntariamente entregamos a ele o controle e os direitos totais de nossa vida. Somos agora filhos de Deus, herdeiros de Deus, co-herdeiros de Cristo e servos por opção, por escolha nossa. A expressão Paulina aos Coríntios é que o amor de Cristo nos constrangeu a viver para ele. “Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Co 5.14,15). A diferença entre ser servo de Deus, de Cristo e do pecado ou do Diabo, está no caráter do Senhor! Deus é amor e é confiável e pagou o preço sem pedir nada em troca. Servimos por amor, escolhemos o caminho da obediência e da fé em resposta ao seu amor e sacrifício para nos libertar. José, lá na casa do cárcere do comandante de Faraó, queria a sua liberdade e ainda que fosse apenas sair da prisão injusta e desumana. Isso é e era o ponto de vista dele como homem. Os fatos, de verdade, é que ele não estava ali para ser prisioneiro ou servir como escravo. Ele estava ali, como aprendizado e treinamento, porque ao sair dali, ele iria comandar; não uma casa, ou propriedade, mas uma nação inteira e até o próprio Faraó. Esse tipo de informação Deus não deixa vazar, um tipo de spoiler; quem em sã consciência iria admitir, que um garoto estrangeiro, presidiário iria governar o Egito por muitos anos? Nem Faraó permitira pensar nisso e José não sobreviveria para contar a história. Mas os caminhos de Deus, levou o próprio soberano egípcio a se colocar sob o comando de José. Entendamos, que Deus não adianta revelações estratégicas, por saber o tempo certo de fazer acontecer. Precisamos acreditar e permitir sua vontade atuar em nós e através de nós. Para Deus, José não estava preso e nem escravizado, estava sim, sendo treinado e preparado no lugar mais seguro e competente para os propósitos eternos. Mais tarde ele entendeu isso. Mais tarde entenderemos muitas coisas que nos acontece e aconteceram. Você acredita numa verdade como esta? “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28). Sabia que “Todas as Coisas” quer dizer “Todas as Coisas,” porque “Todas as Coisas” significam “Todas as Coisas!”

Senhor, te agradecemos hoje, porque podemos todas as coisas em Ti, que nos fortaleces. Estamos cientes dos teus planos e propósitos para com as nossas vidas e o teu chamado é para sermos servos voluntários, servimos ao nosso Rei, em nosso Reino e para a glória e a honra do nosso Deus e Pai. Podemos não entender todas as coisas e como elas acontecem em nosso dia a dia, mas podemos confiar no teu amor e sabedoria para nos conduzir e nos capacitar para objetivos maiores que nossa compreensão natural. Obrigado pela assistência que o Espírito Santo nos dá, e pela condução sábia e eficiente para que tudo aconteça como planejado por ti. Oramos em fé, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Tem Compaixão de Mim

Meditação do dia: 09/09/2020

Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;(Gn 40.14)

Tenha Compaixão de Mim – Nesses textos dos últimos dias, nos deram oportunidades de trabalhar lados emocionais de nossas vidas; não temos como não nos envolver emocionalmente com o que está acontecendo exatamente conosco. Somos um ser bastante complexo, e não é para menos, somos fractais do eterno, imagem e semelhança de Deus e isso não é pouco coisa. Para assimilar e também espelhar toda a grandeza e a glória do Criador, não poderia ser diferente. Sempre que ouço ou leio o texto de Jeremias, que fala da condição do coração humano, eu reflito sobre a complexidade da vida, e muitos querem apressadamente tirar conclusões. Isso é apresentar respostas simplistas para problemas complexos. Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? (Jr 17.9). o que o profeta está proclamando é verdade, mas precisa também ser objeto de reflexão dentro do contexto de uma pessoa humana. Tem o aspecto de atitudes ruins, pecaminosas mesmo, onde a pessoa tenta trapacear em benefício próprio e chegando até o extremo dos crimes e da violência; mas também podemos ver a condição íntima e pessoal onde a pessoa está sempre se conhecendo e ainda assim é capaz de surpreender a si mesma com comportamentos e atitudes que julgaria improvável. Desde p advento do pecado, todo o ser ficou corrompido e sujeito a variações intempestivas e imprevisíveis. Nosso lado emocional está de plantão o tempo todo sendo influenciado por tudo que circula ao seu redor e sem o controle do Espírito Santo e uma maturidade espiritual através da intimidade com Deus, via vida devocional e piedoso, todos nós estamos sujeitos a tempestades e trovoadas intensas. José, aquela coluna de firmeza e retidão, com uma confiança espiritual muito bem centrada, viu pelas frestas da porta que se abria para o copeiro-mor a sua chance de também se livrar. Agora sua mente e suas emoções o afligiam fazendo ver que era um injustiçado, sequestrado, preso inocente, servidor fiel e amigo; útil para os outros, mas que ninguém se importava com ele e suas legítimas reivindicações. Pediu compaixão a alguém que lhe poderia fazer um favor, e que estando ali na prisão se comprometeria, mas após a libertação deixaria isso no esquecimento. O Salmista sagrada escreveu um poema onde fez uma pergunta interessante e deu uma resposta muito profunda, se assim for compreendida: “Olho para os montes e pergunto: De onde me virá socorro? Meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra! (Sl 121.1,2 NVT). De onde virá o socorro? Pode ser que venha dos montes, símbolo de pessoas em autoridade; superiores a nós; em condições de ajudar e socorrer; pessoas com prestígio e recursos. MAS … Meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra! José, de onde vem o teu socorro? Por uns instantes ele foi levado a crer que o seu socorro viria do copeiro-mor e do Faraó! Isso torna José um fraco? Não! Ele só é humano! Igual a mim e à você! Quantas vezes nossa imaginação criativa já não foi flagrada engenhando sonhos mirabolantes e irreais para se livrar de dores e apertos? Quem nunca abriu o bico e pediu socorro aos homens, quando a situação mostrava que só Deus poderia nos salvar? Alguns chamam isso de “Escola do Fracasso.” Todos os grandes homens já cursaram ali e muitos ainda se matricularão nela. Sou um ex-aluno de lá e de vez em quando, faço visitas ainda.

Senhor, obrigado por não perderes uma única oportunidade de nos ensinar as preciosas lições da vida. Somos teus servos e comprometidos com uma missão muito grande, importante e que importa ser finalizada em cada etapa, porque visa abençoar todas as nações da terra; essas muitas nações são compostas de pessoas, como eu e como todos nós. Pedimos ajuda ao Espírito Santo, que Deus e é o Criador dos céus e da terra; foi ele que pairava sobre a face das águas gerando vida e dando formas. Obrigado por teu amor e cuidado conosco. Te agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Quando Tudo Estiver Bem

Meditação do dia: 08/09/2020

Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;(Gn 40.14)

Quando Tudo Estiver Bem – Sempre há uma expectativa de que os pares se reconheçam. Quem sofre, sabe reconhecer outra pessoa que passe pelo mesmo drama. Quem já viveu exilado, conhece o sofrimento de outro exilado. Alguém ferido, sabe entender a dor de outra pessoa ferida. São expectativas prováveis, mas não necessariamente certas, porque  as reações humanas são muito difíceis de se prever. Não é desconhecido que pessoas vítimas de violência na infância, se tornam violentos e pessoas que foram abusadas, se tornam abusadoras. São os dilemas da vida que temos que conviver e contornar, trabalhar para minorar os sofrimentos e produzir mudanças e transformações para que o ciclo não se repita. No primeiro olhar desse texto, eu identifico o pedido de José com o pedido daquele homem condenado a pena capital por crucificação e que fora executado juntamente com Jesus, no Calvário. Excetuando o local, data e horário, as semelhanças param por aí. Ele fora um homem que estragara sua vida com a violência e o crime, e a longo braço da justiça romana e sua mão de ferro esmagadora o alcançou e agora ele recebia sua merecida punição. Discordando de seu outro companheiro de sentença, ele até aceitara com resignação sua condição de condenado, e entendia que Jesus não deveria estar nas mesmas condições. “Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Nem ao menos temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça; porque recebemos o que os nossos feitos merecem; mas este nenhum mal fez.” (Lc 23.40,41). Um dos primeiros passos para se encontrar a salvação, é a admissão de que se encontra perdido. Enquanto o pecador,  e aqui vale salientar, tanto o de fora quanto o de dentro da igreja, precisa dar esse mesmo passo para ser ajudado por Deus. Reconhecer a condição de pecado e desobediência à justiça divina e arrepender-se,  confessando de coração, a pessoa encontra aquele que veio buscar e salvar o que se havia perdido (Lc 19.10). Aquele homem, lá no antigo Egito, ainda estava preso, mas ao receber a palavra profética de José, de que dentro de três dias seria liberto e voltaria a alcançar o favor do soberano do pais, ele se viu favorecido e abençoado, livrando-se daquele fardo de angústia e desespero que lhe pesava tanto. José pediu-lhe um favor, que qualquer um, em situação semelhante ficaria grato e feliz em poder atender; ainda que ele não pudesse dar garantias a José de ele seria liberto, mas poderia sim, prometer-lhe a intercessão em tempo oportuno diante de Faraó. Quando tudo ficou bem para ele, os antigos companheiros e a anterior condição lhe fugiu completamente da lembrança. Gratidão é a nossa palavra do dia, juntamente com a capacidade de identificar-nos com os que sofrem e ainda em situações com as quais temos familiaridades. Socorro é um ministério de amor e fé, citado por Paulo aos Romanos 12; que compõe os dons motivadores dados ao Corpo de Cristo para realizar suas tarefas. Você é naturalmente misericordioso e consegue sempre ver pessoas em sofrimento e se move para ajudar? Podemos nos desafiar hoje, ou estes dias em perceber o quadro ao nosso redor, descobrindo pessoas que precisam serem lembradas, não pelo estado, prefeitura, mas por mim, por você, pela nossa igreja local. Que tal nos movermos nessa direção?

Senhor, obrigado pelas oportunidades que aparecem diante de nós e podem ser enviadas pelo Senhor para revelar o que há em nossos corações; será que estamos ocupados demais com nossas próprias preocupações? Será como igreja estão tão focados em fazer a tua vontade, que ela passa bem em nossa frente e não vemos, porque temos a nossa própria idéia do que seja a tua vontade? Pedimos ao Espírito Santo que nos assista, para nos conduzir a uma experiencia de fé, diferente daquelas do nosso dia a dia; mas onde possamos ser úteis e abençoadores, lembrando o quanto temos sido ajudados e socorridos por ti, e agora quando tudo está bem conosco, não podemos esquecer os que estão ao nosso redor. Pedimos isso, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Lembra-te de Mim

Meditação do dia: 07/09/2020

Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;(Gn 40.14)

Lembra-te de Mim – Hoje podemos, seguir falando dos sonhos e as interpretações; mas também podemos falar sobre gratidão por benefícios recebidos; como também está aberto a oportunidade de escrever sobre ingratidão, uma vez que alguém foi abençoado com o dom e o interesse legítimo de ajudar e depois não teve uma correspondência de favores. Por outro lado, podemos aprender aqui, as lições da vida, pois o propósito de Deus não sinaliza o que queremos, o que aconteceu, nem o que está acontecendo, mas sim o que não pode deixar de acontecer. Todos nós amamos José e ficamos na torcida para que a justiça lhe seja feita, pois “ninguém merece passar por isso!” Ele aqui, ao ser poderosamente abençoado como instrumento de Deus para profetizar o que seria da vida daquele copeiro, imediatamente ele voltou a operar “na carne,” guiado pelas emoções, com saudade de casa, admitindo ser injustiçado e esperava um favor humano para se livrar. Humanamente falando, ninguém, ninguém mesmo, tem qualquer direito de falar qualquer coisa contra José e seu desejo de retomar sua vida. Muitos de nós teria sucumbido ou desistido, amargurado e afundado num poço de frustração. Mas aqui, podemos ver que a multiforme sabedoria divina, justifica tudo o que se passa com José, para leva-lo, não aonde ele queria, gostaria ou poderia ir, mas onde de fato ele cumpriria um propósito muito acima do que ele mesmo sonharia. Como Jó, ele não tinha a menor idéia do que estava acontecendo nos bastidores do mundo espiritual. Aqui vale lembrar do ensino de Tiago: Sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma. E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada (Tg 1.3-5). Precisamos pedir e receber sabedoria para que a obra completa proposta por Deus para nós, por nós e através de nós se efetue na totalidade. Saindo antes, o prejuízo é enorme; imagine, o que José faria se fosse solto? Ele correria para Canaã  – e o que seria do restante dos planos que exigia sua presença no Egito? Você pode imaginar, Jesus sendo insultado pelos soldados romanos ao pé da cruz, ou o ladrão crucificado, provocando-o para que se salvasse e a todos eles – e Jesus tentasse provar que podia, e descesse da cruz? Nem quero imaginar! A provação pode ser dura, dolorida e difícil, mas antes de pedir livramento e escape, precisamos pedir sabedoria para saber os propósitos finais daquilo tudo. O melhor do mundo para se viver e estar é o centro da vontade de Deus. Ser atacado mental, emocional e espiritualmente como o foi José, naquela manhã, se repete todos os dias com todos os filhos de Deus. Mas nem todo livramento se torna bênção de fato. Por isso que do justo vive pela fé. Não sabemos, não entendemos, mas podemos crer naquele que cuida de tudo e governa não só nossas vidas, mas todas as coisas. Bendito seja a vontade do Senhor, sempre e eternamente!

Pai, obrigado, por não atender certas orações nossas, porque o resultado seria desastroso para nós e para os propósitos eternos. Podemos confiar no teu amor e tua sabedoria, pois a tua capacidade de ver todas as coisas ao mesmo tempo, torna o teu governo justo e verdadeiro. Obrigado pela assistência do Espírito Santo que nos aconselha, conforta e consola, de forma que a vida de Cristo se mostra preciosa em cada um de nós. Agradecemos, mesmo quando não entendemos, mas pela fé aceitamos a tua vontade e que ela seja feita em nossas vidas aqui na terra, tal qual o é no céu. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Obs: Correção – A referencia Bíblica da Meditação de 06/09/20 é Gn 40.12

Esta é a Interpretação

Meditação do dia: 06/09/2020

Então disse-lhe José: Esta é a sua interpretação: Os três sarmentos são três dias;(Gn 40.9)

Esta é a Interpretação – Iniciaria com um provérbio caipira das antigas, mas me vi tolhido pelo politicamente correto atual e assim, me justificar antes de dizer, para que as gerações mais novas entendem que num passado não tão distante isso não seria ofensivo e nem delito. Iniciaria assim: “Depois da onça morta, todo mundo põe o pé na cabeça dela para sair na foto!” Hoje, isso é crime ambiental e eu estaria fomentando tal prática; o equivalente no sentido, hoje é “Engenheiros de obras prontas.” Os dois adágios significam criticar ou mostrar como fazer algo, depois que aquilo está pronto. Quando José disse aos seus dois companheiros perturbados com seus sonhos que pudessem contar-lhe os sonhos porque as interpretações são de Deus, e ele se referia ao Altíssimo, Todo Poderoso, o Deus único, que seu Bisavô conhecera e fizera alianças, que posteriormente foram ratificadas com seu avô e com seu pai e ele era muito consciente delas e sabia que estava construindo alguma etapa dessa construção de uma nação abençoadora, para todas as famílias da terra. Ele não sabia previamente nada sobre os sonhos, nem os sonhos e nem a interpretação; ele acreditava que Deus em sua misericórdia o ajudaria a aliviar a dor e a preocupação daqueles homens. Sua motivação era servir de ajuda e apoio. Ele não esperava nada em troca, pois afinal, nem sabia sobre como as coisas se encaixariam. Viver pela fé, inclui andar pela fé e isso tem a ver com depender do mover do Espírito, que é tão imprevisível como o próprio vento, segundo Jesus. O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito (Jo 3.8). Hoje, quando leio esse texto de José interpretando o sonho, por vezes eu pensei: Esse sonho não é tão difícil de interpretar! Afinal, o cara era copeiro, ele viu uma videira e três ramos e nasciam uvas e ele as espremia no copo de Faraó e o dava para beber. Mas preciso reconhecer que depois de tantos anos lendo a Palavra de Deus, estudando e pregando, vejo que não é tão simples assim. Vou ter que concordar com duas pessoas que disseram algo muito acertado: “Só os sábios estão cheios de dúvidas; as certezas são uma particularidade dos ignorantes.” (Maryanne Schramm) Já Beltrand Russel pegou pesado: “O problema do mundo de hoje é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas e as pessoas idiotas estão cheias de certezas.” Bateu aquela dúvida agora! Aqueles três ramos poderiam ser três meses, três anos, décadas, safras, oportunidades e etc. José lidou com uma revelação espiritual no seu íntimo. Ele foi assertivo: Os três ramos são três dias e dentro de três dias Faraó te restaurará ao seu posto. Ele não foi evasivo, ou supôs, ele disse o que Deus comunicou ao seu espirito. Lidar com os dons espirituais é uma situação de fé e exercido de prática ministerial. É Deus que está comunicando à pessoa uma mensagem e a interpretação vem dele assertivamente. Fui ensinado, e passo à frente que ministrar nos dons carismáticos, especialmente os dons sobrenaturais de revelação, a pessoa pode errar ao receber, ao interpretar e ao entregar a mensagem. Por vezes não compete à pessoa interpretar nada, ela deve apenas ser o canal de comunicação divina; mas se mete por conta e risco e assim contamina o sagrado. Gosto do parecer do Apóstolo São Paulo, que somos despenseiros dos mistérios de Deus e a fidelidade é requerida de todos nós. Portanto, devemos ser considerados simples servos de Cristo, encarregados de explicar os mistérios de Deus. De um encarregado espera-se que seja fiel (I1 Co 4.1,2 NVT).

Pai, obrigado por ser capaz de comunicar muito bem com os seus filhos e produzir consolação e edificação em nossos relacionamentos. Somos adoradores e servos comprometidos com a verdade e assim ajudarmos as pessoas que estão próximas de nós e passando por necessidades que eles não sabem que podes ajuda-los e que estamos aqui com essa missão. Obrigado pelos dons e vocações que são instrumentos da igreja operar no sobrenatural e abençoar as vidas. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Sonho do Copeiro-Mor

Meditação do dia: 05/09/2020

Então contou o copeiro-mor o seu sonho a José, e disse-lhe: Eis que em meu sonho havia uma vide diante da minha face.(Gn 40.9)

O Sonho do Copeiro-Mor – Um daqueles contoscom fundos morais, diz sobre uma senhora, que por circunstancias teve que cuidar de sua sogra e essa não era “flor que se cheira,” dificultado muito o relacionamento e a convivência pacífica entre as duas. A nora então procurou um velho e sábio senhor que produzia remédios e poções para todos os fins. Ele foi sincera e disse que queria dar um fim na sogra, mas de forma discreta e sem deixar pistas do crime. O velho senhor deu-lhe uma pote com um pó a base de ervas, com instruções para ministrar pequeníssimas doses diárias misturando na comida; mas para ajudar na discrição, aconselhou a mulher a passar a tratar bem a sogra e cuidar dela como se a amasse muito, porque assim quando ele viesse a morrer não haveria qualquer suspeita. Lá se foi a mulher no seu plano, e ela fez como instruída e com perseverança e dedicação, passou até a gostar da velhinha e a repensar da idéia de matá-la. Isso cresceu tanto, que surgiu uma verdadeiro amor e bom relacionamento entre elas e agora ela não aceitava mais a idéia de tamanha traição; foi então ao velho sábio e disse que estava arrependida e não  mais queria mal da sogra, ao contrário, eram tão amigas e companheiras que ela estava disposta a fazer qualquer coisa para reverter o mal que vinha praticando. Foi então que o velho disse a ela que ficasse tranquila, aquele pó que ele prescrevera nada mais era do que algumas vitaminas naturais, que só fariam bem à saúde da paciente. Ela nunca correra o risco de morte. A mudança de atitude da nora era tudo que ele almejava e isso seria suficiente para produzir mudanças. Todo profissional competente almeja ser reconhecido pelo seu esforço e dedicação. Muitas pessoas fazem de seu trabalho uma arte e se especializam tanto, que se destacam merecidamente. O ponto máximo de uma carreira leva à realização pessoal e prestígio, mas também junto com o reconhecimento vem também as responsabilidades, e dessas ninguém pode se omitir. Desde que o mundo é mundo e as pessoas convivem em sociedades, as carreiras, a fama, o prestígio e o poder sempre estiveram muito próximos e também o perigo e o risco de vida. Nos velhos tempos, servir a um rei ou imperador seria sempre o auge da carreira de qualquer especialista. Em se tratando dos Faraós, que eram líderes de um povo supersticiosamente religiosos e tinham o monarca como Deus e eram temidos ao extremo e sabemos que a clemencia nem sempre era uma virtude cultivada por esses déspotas. Para quem servia, diretamente ligados à presença e contato direto com eles, o risco era superestimado; um simples desagrado, ou atitude que ele considerasse ofensa, já tinha consequências muito rígidas e até mesmo a morte estava sempre rondando aqueles serviçais. O copeiro-mor, era alguém muito próximo até fisicamente do Faraó; teria que ser e se manter extremamente confiável no seu posto. Para evitar os riscos de envenenamento por acidentes ou propositais, tudo e qualquer coisa que era destinado a ingestão do rei, teria que ser experimentado por eles e presencialmente; assim até mesmo uma sabotagem desconhecida do copeiro, poderia provocar-lhe sérios problemas antes que ao soberano. Também sabemos que isso aperfeiçoou a arte der matar e produzir danos, através de artes mais elaboradas e sofisticadas nas alquimias e esquemas de conspirações. Ali estava um profissional, acusado de alguma coisa contra o Faraó, vivendo seus pesadelos e sonhando com atividades de seu trabalho, não chegava ao sentido daquilo. José fora colocado na vida dele, exatamente para ser o elo de ligação e aquele copeiro estava ali, porque seria o elemento para chave para o futuro de José e de todos naquela época. Toda uma vida de preparo e serviço para produzir um resultado, aparentemente pequeno, mas de crucial importância para gerações e gerações e com efeitos na eternidade. O servo de Deus deve estar no lugar certo, na hora certa mas também com a atitude e a disposição correta, para produzir os resultados que Deus tem planejado para que as próximas etapas aconteçam. Se a existência de uma pessoa é para produzir um único movimento crucial, então ele não pode falhar. Fidelidade nas mínimas coisas é nossa palavra do dia.

Senhor, obrigado por sermos teus filhos e estarmos disponíveis para servir em alguma causa, que consideras importante, ainda que a gente não entenda ou veja assim; podemos confiar no teu caráter e no teu amor pelas pessoas. Jesus veio ao mundo por causa de pessoas e elas são preciosas para ti e precisam ser também para nós.  Servir é uma forma de cultuar e honrar o teu nome e a responsabilidade confiada à nós. Obrigado por cada pessoa que hoje está consciente da importância de sua cooperação para tornar a vida e a experiencia de outros mais agradáveis e terem esperança. Agradecemos pela nossa participação na construção de um mundo melhor através de atitudes de amor e serviço, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason