Terra Boa e Larga

Meditação do dia: 1º/01/2022

“Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx 3.8)

Terra Boa e Larga – Graça e paz a todos amados que nesse primeiro dia do ano de 2022 estão lendo ou lerão depois essa meditação. Somos gratos ao Senhor nosso Deus por nos permitir atravessar períodos tão sombrios como foram os dois últimos anos, devido à pandemia do Corona Vírus, que direta ou indiretamente afetou milhões de pessoas em todo o mundo e não ficou um único lugar que ele não tenha aparecido e assim universalmente todos pudemos conhece-lo e sentir os horrores de um mal que não fez acepção de pessoas para contaminá-las e ceifando muitas vidas e deixando outras tantas com sequelas e como ainda é muito novo, não sabemos no decorrer dos próximos dias e meses, o que poderá resultar. MAS, A verdade da Palavra de Deus permanece para sempre, e ela diz que em tudo somos mais do que vencedores por aquele que nos amou (Rm 8.37). Estamos aqui, com a graça e a força do Senhor para mais um desafio de viver a vontade do Senhor em nossas vidas e conhece-lo mais e melhor para servi-lo com excelência. Somos escolhidos, amados, aceitos, aprovados e capacitados para viver esse tempo, com esses desafios e estas oportunidades. Esse é o nosso tempo, essa é a nossa vez de ser igreja, de fazer a diferença e construir uma história vencedora em nome de Jesus. Que o seu ano seja de bênçãos e muita sabedoria. Em nossa primeira meditação do ano, damos continuidade na conversa ocorrida entre Deus e Moisés, quando da sua chamada lá no Monte de Deus, Horebe. Ele foi notificado pelo Senhor, que os hebreus seriam tirados daquela terra de escravidão e sofrimento, para subirem para a própria terra que lhes fora prometida e lá seria uma terra boa e larga. Esses dois adjetivos utilizados por Deus para qualificar a terra prometida, dava uma idéia do valor da herança que eles estariam recebendo. Terra boa e larga, condiz com a promessa de serem uma grande nação, numerosos como as estrelas do céu ou as areias da praia. As promessas de Deus são coerentes com o todo daquilo que ele já nos revelou e do todo do que já experimentamos até agora. As mudanças vindas da parte do Senhor, sempre são para melhor e é certo que virão com desafios, porque somos nós que construímos com a nossa fé e o nosso trabalho, para desfrutarmos e depois deixar um legado para as próximas gerações. Um povo de vocação agropastoril, precisaria de uma terra boa e larga para se desenvolverem. Com o crescimento e o desenvolvimento vem as novas necessidades e com elas os recursos para o progresso e a inovação. Novas necessidades produzem novas demandas e novos produtos e novos meios de produzi-los e disseminá-los. Precisaríamos de muito espaço e tempo para descrever e relatar sobre o desenvolvimento social e capacidade criativa de um povo para prevalecer e se firmar por séculos e séculos, como foi Israel e sendo cada vez mais poderoso e relevante para o mundo. O mesmo princípio está nas promessas de Deus para nós como pessoas, como família e como sociedade humana, incluindo as nações. Você se apropria da sua parte e a faz crescer e se tornar forte, isso influencia seus familiares e os círculos de influencia vão aumentando de tamanho e de potencial. Se não, o pecado, a negligencia e a acomodação nos torna apenas mais um na multidão. Conhece as suas promessas?

Senhor meu Deus e Pai, nesse primeiro dia do ano, desejo apresentar a minha gratidão e o meu louvor por me permitir ser chamado de filho, ser amado, aceito e acolhido em tua família, através da redenção em Cristo Jesus. Reconhecendo que nada sou e nada somos de nós mesmos, nos consagramos ao teu serviço e à tua disposição para sermos canais de bênção e meios do Senhor tocar mais pessoas e alcança-las com a salvação e assim as boas novas irão se espalhando até chegar em todas as famílias da terra. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Fazer Subir

Meditação do dia: 31/12/2021

“Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx 3.8)

Fazer Subir – Assim como a nossa história tem um contexto e quem nos vê agora, nem sempre tem plena noção do que se passou conosco e nos deu condições de ser e fazer o que é o presente também são as narrativas bíblicas e as histórias que acompanhamos através das meditações. O Brasil tem 521 anos desde a descoberta pelos portugueses e não se conta antes disso, embora já havia populações grandes e desenvolvidas de nativos, então fazem muitos anos, mas em se falando de nação, somos muito jovens ainda. Israel estava no Egito à 430 anos, e desses anos todos, pelo menos uns duzentos foram de escravidão extrema e agravando cada vez mais até ficar insuportável e o povo clamar por ajuda divina, lembrando das promessas que ouviram dos antepassados. Os pregadores evangelistas, costumam comparar o período de vida no Egito, com a vida de uma pessoa até conhecer a Cristo como Senhor e Salvador pessoal. As analogias são boas e produzem verdades dignas de serem levadas à sério na caminhada na nova vida em Cristo. Vou procurar seguir esse viés para proporcionar reflexões sobre o que éramos, de onde viemos e para onde estamos indo e o que somos hoje, com a finalidade de construirmos uma vida verdadeiramente abundante. Quem está em sofrimento, procura alívio, ainda que temporário, e toda mudança para melhor é bem-vinda. Para quem estava sofrendo horrivelmente sob o jugo de escravidão de Faraó, sair e viver sem esse peso, já seria muito bom, mas certamente não é o ideal planejado por Deus e eles não deveriam acomodar nisso e nós também não podemos nos contentar apenas com a conversão e ficar sem desenvolver todo o potencial para o qual fomos criados, sustentados e alcançado agora com a graça do Senhor. “Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” (Fp 2.12 ARA). Falando em contexto, o Egito foi o berço preparado por Deus para eles num tempo em que isso era a melhor opção, com os melhores recursos e as condições necessárias para se tornarem um povo grande e forte. Então nem tudo no Egito foi ruim e maligno. Mas chegou um tempo em que aquilo não servia mais e dali em diante seria destrutivo. Na vida das pessoas sem Cristo e sem a salvação, nem tudo é inútil e mal e muitas coisas fazem parte da vida delas e que serão úteis e abençoadoras na nova vida em Cristo e algumas coisas serão consagradas para um uso mais produtivo e abençoador. As profissões, as habilidades, os talentos pessoais, a criatividade e muitos bens materiais e imateriais servirão para glória de Deus. Quando o Senhor disse que os faria subir daquela terra, estava proporcionando uma nova oportunidade de ir para outra terra, ainda melhor e sob medida para eles. Você e eu precisamos ver e apreciar tudo o que fez parte de nossa vida antes e que podemos consagrar para Deus e partir para as novas conquistas que o Senhor te para nós. Não se contente apenas em sair do Egito, almeje crescer, progredir, desenvolver e fazer mais e melhor do que fazia, porque o novo Senhor de nossas vidas e maravilhoso, bondoso, justo e recompensador. Inversamente ao antigo senhor, que explorava, fazia sofrer sem compaixão e piedade. Agora tudo é nosso, porque pertence a Deus e nós também. “Seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso,
E vós de Cristo, e Cristo de Deus”
(1 Co 3.22,23). Deus vos abençoe ricamente! Obrigado pela companhia em 2021! Feliz ano novo e nos veremos do outro lado, o ano que vem, se assim o Senhor nos permitir.

Senhor, obrigado por esse tempo maravilhoso poder compartilhar a tua Palavra com esses amados através da escrita dessas meditações durante todo esse ano de 2021, graças te rendemos pelas lutas e provas, mas também pelas vitórias e conquistas, pelas bênçãos recebidas e as promessas que estão firmes a cada dia. Que o amor do Senhor, a Graça de Cristo e as consolações do Espírito Santo estejam presentes em nossas vidas e com o teu povo, todos os dias até o tempo de sua concessão a cada um de nós, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Descendo Para Livrar

Meditação do dia: 30/12/2021

“Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx 3.8)

Descendo Para Livrar –Alguém sábio disse que tudo tem o seu tempo determinado e que há tempo para tudo. Houve um tempo em que Deus fez promessas e alianças com um homem chamado Abraão, incluindo um filho e muitos descendentes como as estrelas do céu ou a areia da praia. Formariam uma grande nação através da qual todas as famílias da terra seriam abençoadas. Eles seriam peregrinos em terra estrangeira onde seriam maltratados e seriam libertos e voltariam para a terra de suas origens e tomariam posse dela. Para todas essas coisas demandaria tempos e tempos e cada coisa aconteceria no devido tempo e espaço. O que para nós, parece ser uma linha reta, sem retorno ou retrocesso, pois vemos o tempo de forma linear, para Deus parece que não é do mesmo jeito, pois ele está acima e além de fatores como tempo e espaço, sendo senhor e soberano sobre todas as coisas. Quero fazer uma pausa ou intervalo para discorrer sobre a veracidade da Bíblia como Escrituras Sagradas do povo de Deus. Cremos que a Palavra de Deus dada aos homens é verdade absoluta, inspirada e confirmada pela história e pela crítica tanto dos praticantes dela quanto dos neutros e mais ainda dos adversários dela. Nenhum livro ou escrito tem sido mais bombardeado, perseguido e sofrido ataques e tentativas de desacredita-lo como acontece com a nossa Bíblia. Já se fez de tudo para anulá-la, neutralizá-la, bani-la e até mesmo destruí-la fisicamente por meio de confisco e destruição pública, mas ela continua sendo o livro mais editado, impresso e lido no mundo todo e em todos os tempos. Ela é Palavra de Deus, escrita em linguagem humana, por instrumentos humanos, mas supervisionada pelo Espírito Santo que garante a sua validade. “Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2 Pe 1.21). Tal como Paulo, louvamos a Deus por todos que recebem a Palavra de Deus como de fato ela é; “Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes” (1 Ts 2.13). Ela está escrita em linguagem e na forma que os homens se identificam e reconhecem as experiencias. No texto de hoje, Deus fala a Moisés que Desceu para livrar a Israel da opressão egípcia. Descer aqui é uma forma de expressar que o Senhor estaria agindo diretamente naquela causa à partir de agora, pois ele é onipresente e não precisa subir ou descer, ir ou vir. Nos tempos pós diluvio, a uma expressão igual, quando os povos decidiram desobedecer a ordem de se espalharem e povoarem a terra, então Deus “desceu” para ver e agir para coibir a execução de seus planos egoístas. “Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam; Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro” (Gn 11.5,7). Deus desce para nos encontrar em nossa condição e nos elevar de nível e experimentar uma comunhão mais aproximada e plena de realização. Nessa relação de amor e redenção, Deus tem tudo e compartilha com a humanidade que perdera tudo de mais precioso que tivera na criação original e se perdera em seus próprios caminhos. Quem tem mais recursos deve se esforçar mais para resgatar os indefesos, e nessa história somos socorridos pela graça de Deus revelada em Cristo Jesus. Que bom que Deus se prontificou em descer para nos encontrar e nos resgatar da escravidão que tanto nos oprimia.

Senhor, somos agradecidos pela tua salvação ter sido colocada à nossa disposição, ao descer a nós através da encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo e nos encontrar cá em baixo, afundados em nossos pecados e rebeldia contra ti e a tua vontade santa. Reconhecem mediante a convicção do Espírito Santo, que estávamos  errados e que o Senhor sempre esteve certo e sempre estará. Obrigado pelo perdão e a aceitação de nossas vidas mediante o arrependimento e a confissão de Cristo como Senhor e Salvador pessoal, pois ele é suficiente para isso. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Conhece As Nossas Dores

Meditação do dia: 29/12/2021

“E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.” (Êx 3.7)

Deus Conhece Nossas Dores – Deus é uma pessoa admirável em todo e qualquer sentido que possamos expressar. Conhecer a Ele é então sem dúvida alguma o melhor projeto de vida que uma pessoa possa ter. A obra da redenção é a mais valiosa no relacionamento conosco, suas criaturas. Por meio dela, podemos ver, sentir, experimentar e conhecer a Deus de uma forma única e apaixonante. Com um caráter absolutamente perfeito, Deus se revela como criador, sustentador, governo, senhorio, pai, amigo e infinitas outras condições e funções, tudo para o nosso bem-estar e redenção. Uma expressão muito marcante de Deus com o homem é a identificação que expressa o máximo possível de amor e disposição de ajudar. Um escritor cristão, numa colocação evangelística, fez uma ilustração muito apropriada, da seguinte forma; ele inicia com uma pergunta: Se alguém quisesse expressar para uma comunidade de formigas, que ele as amava e queria o bem delas e faria de tudo para salvá-las de uma destruição, qual seria a melhor maneira de expressar isso? Certamente não seria dando açúcar a elas – nem fornecendo folhas e alimentos para que elas não precisassem de tanto esforço – muito menos protegendo elas o tempo todo de qualquer perigo ou risco. A única maneira verdadeira de mostrar suas intenções seria se tornando uma formiga daquela comunidade e vivendo com elas a vida do jeito delas e então, lá de dentro fazer o que intentava. Nesse caso ele se exporia a um risco potencial muito grande, porque ficaria pequeno, indefeso e vulnerável como todas elas. Entendendo isso, a pessoa pode entender a obra da redenção e o porque da encarnação de Cristo, seu sofrimento, morte e ressurreição e as promessas que ainda estão à nossa frente para se cumprirem. Nosso texto de hoje diz que Deus “conheceu as dores daqueles israelitas.” Agora  pensando assim, o que significa textos bíblicos como estes: “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.14). O mistério da encarnação, Deus se faz gente, pessoa humana. “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Is 53.4,5). Identificação com o sofrimento e necessidades humanas e assumiu isso para si. “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Co 5.21). Substituição vicária, assumindo a nossa condição e transferindo a sua condição para nós. Uma verdade que muitos não atentam é que em seu grande amor o nosso Deus jamais pedirá, ou exigirá do homem qualquer coisa que ele mesmo não tenha experimentado. Tudo que qualquer pessoa possa passar ou sofrer, Deus passou por isso primeiro. Acredite, Deus conhece e entende o seu e o meu sofrimento e não é só teoria, é experiencia mesmo. “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão” (Is 53.10). Não é verdade que Deus sempre esteve lá no bem bom do céu e não sabe na pele o que o homem passa. Ele sabe, ele experimentou isso tudo que você e eu passamos aqui. Deus nos vê e nos conhece profundamente. Acredite para o seu próprio bem.

Senhor, obrigado por tão grande demonstração de amor e entrega para nos ter de volta à sua comunhão. Reconhecemos nossas limitações, mas também reconhecemos a tua ilimitada graça e salvação. Nos alegramos em tudo que tem dado a nós em Cristo através do seu sacrifício na cruz. Obrigado pelo perdão, pela justificação e santificação, também aguardamos com paciência e perseverança as demais promessas que a s eu tempo se cumprirão e das quais fazemos parte. Obrigado por Cristo ser nosso redentor forte. Em nome dele oramos agradecidos, amém.

Pr Jason

Os Exatores

Meditação do dia: 28/12/2021

“E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.” (Êx 3.7)

Os Exatores – Essa palavra em português tem sua origem no latim “Exactor,”que originalmente se aplicava a pessoas que tinham o ofício de cobrar impostos para o governo, ou guardar bens e valores de outra pessoa. Pelo histórico bíblico sabemos que era um cargo cobiçado e altamente sujeito a corrupção, dadas as proporções dos meios de arrecadação e da fiscalização sobre tais executores. João Batista e o próprio Senhor Jesus tiveram que enfrentar o tema e ensinar como proceder corretamente. “E chegaram também uns publicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer? E ele lhes disse: Não peçais mais do que o que vos está ordenado” (Lc 3.12,13). Jesus produziu a conversão de Zaqueu, um exator desonesto. “E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado” (Lc 19.8). No nosso texto de hoje, os exatores se referem aos feitores ou capatazes, responsáveis por comandar os trabalhos a que os hebreus estão obrigados em servidão. Eles não eram nem um pouco humanos e compassivos, produzindo sofrimentos, torturas e até mesmo mortes desnecessárias dos escravos sob suas responsabilidades. Eles tinham autoridade delegadas por Faraó, que era na prática o “dono” ou senhor de todos os súditos, mas os hebreus e alguns outros povos estavam sob a condição de escravidão, sendo considerados uma mera propriedade, e de cujo valor não era significante para o rei, e ele detinha poderes de vida e morte sobre eles. O modo como Deus expressa para Moisés que estava atento às condições de vida e servidão dos filhos de Israel, mostra que além da tirania oficial do governo de Faraó, havia também a opressão maldosa e desumana por parte dos exatores, que abusavam da autoridade de comando e fiscalização dos serviços. Isso nos mostra o comportamento humano, onde ele consegue imprimir suas próprias marcas pessoais ao lidar com outros sob sua responsabilidade. Uma mesma responsabilidade pode ser exercida com mansidão, justiça, bondade e misericórdia; como também pode ser feita sob tirania, violência, ira, incompreensão, injustiça e muita maldade. O que separa uma coisa da outra é o caráter da pessoa. Não pensemos que isso está relacionado só à escravidão e esquecido num passado remoto. Todos os dias somos bombardeados com notícias de violência doméstica, feminicídio, pais maltratando filhos, profissionais maltratando funcionários, pacientes, idosos. Pessoas da própria família extorquindo pais idosos; situações de cárcere privado e tantas vitimas de cárcere privado, até mesmo acorrentados fisicamente. Trabalho em regime de escravidão em fazendas, confecções clandestinas, trabalhadores domésticos explorados por pessoa cultas e bem situadas socialmente, fora de quaisquer suspeitas. Encontramos isso em meios eclesiásticos de líderes sobre subalternos. Os exatores da vida não são só figuras de linguagem ou um termo arcaico. Quando o cristianismo surgiu os ensinos de Cristo e apostólicos trouxeram luz da graça e do amor de Deus sobre essas situações e foi assim que o mundo foi transformado pela verdade da graça de Deus. “Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos” (Mc 10.42-44). Paulo ensinou da seguinte forma: “Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre. E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o Senhor deles e vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas” (Ef 6.7-9). Então!!! Independente de sua condição ou situação, seu compromisso maior é com o seu Senhor, que Deus e se espera de você e de mim um comportamento, uma atitude diferente porque temos razões e motivações nobres naquilo que fazemos e para quem fazemos.

Senhor, obrigado por ser justo e bondoso para conosco, agindo em justiça e misericórdia em todas as situações. Reconhecemos que nosso chamado é para replicar o teu caráter e o teu amor pelas pessoas. Queremos glorificar ao Senhor fazendo o melhor com aquilo que nos foi confiado e pedimos sabedoria e temor do Senhor em nossos corações para não nos assenhorarmos negativamente dos privilégios e autoridades que nos confiaste. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Vendo Atentamente

Meditação do dia: 27/12/2021

“E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.” (Êx 3.7)

Vendo Atentamente – É bastante interessanteexercitar o pensamento sobre algum tipo de experiencia que está distante da nossa realidade e que precisa ser contemplada unicamente pela fé. Cito como exemplo para hoje a área do conhecimento. Sabemos que não sabemos muito e isso já é uma grande conquista. Não saber que não sabemos deixa-nos como que no escuro, sem qualquer referencia. Quando voltamos nossa mente e pensamentos para Deus e acreditamos que ele SABE TUDO, deixa-nos um tanto intrigados, porque nem mesmo sabemos o que é TUDO! Tudo é muita coisa para nós e imagina tudo para Deus? Somos limitados em TUDO e cremos que Deus não conhece limites o que se torna outro ponto de abstração para nós. Quando Deus disse a Moisés que via atentamente a aflição do povo, ligamos a idéia, ao nosso conceito de olhar atentamente para algo, ou um ponto determinado. Temos dificuldades de concentração ou precisamos nos disciplinar para permanecermos atentos por muito tempo. Segundo os peritos em educação, o limite normal de atenção de um adulto é de quarenta e cinco minutos e depois a dispersão é natural. Até por isso os períodos de duração de aulas e palestras são em sua maioria baseadas nesses parâmetros. Deus não tem limite de atenção e não precisa focar em algo para não perder algum detalhe. Teoricamente todos nós sabemos disso de cor e salteado. Na prática, de vez em quando nos apanhamos a nós mesmos orando a Deus e perguntando-lhe se ele viu algo, se sabe do que estamos passando! Me desculpem, se isso não acontece com vocês, ou nos círculos onde frequentam; se assim o for, estão de parabéns e estão mais amadurecidos e cultivando um bom grau de comunhão e intimidade com Deus e isso me deixa feliz e orgulhoso de ter amigos e irmãos assim. Acredito que exatamente por sermos limitados, temos tantos problemas com limites, pois quando o assunto é muito bom e prazeroso, achamos os limites muito curtos e quando se trata de dor, sofrimento, ter que esperar e suportar os limites parecem longos demais. Aqui, então precisamos muito do exercício da fé e da confiança em Deus. Ele sabe tudo que se passa conosco e ele está sempre atento, cuidando para que nada passe do limite e do ponto certo. Podemos e precisamos confiar nisso, ou teremos problemas em confiar no caráter dele. Uma pessoa cristã não precisa tanto de conhecimento teológico para ficar firme e crescer na graça e no conhecimento do Senhor; mas precisa sim, desenvolver uma amizade e comunhão muito estreita com ele. Isso é muito forte e capaz de sustentar qualquer um em qualquer momento. Permita-me exagerar no exemplo: Quanto de teologia ou conhecimento teórico Abraão tinha? Quanto de conhecimento experimental, amizade, comunhão e companheirismo ele tinha com Deus? As ciências acadêmicas e entre elas a teologia foram se desenvolvendo e sistematizando o que as pessoas já conheciam e experimentavam à milhares de anos. Quanto menos se conhece, mais formal é o tratamento. Quanto menos intimidade com Deus, mais se acrescenta ingredientes religiosos para se proteger e agradar. Aconselho de boa fé, que você leia sua Bíblia com muita simplicidade; ore com fervor e gratidão e passe mais tempo em contemplação, meditação e adoração, sozinho, mais do que coletivamente com a igreja nos cultos. Vá mapeando o seu desenvolvimento e não se orgulhe disso, permanece humilde e simples. Quando o Espírito Santo começar a te revelar verdades bíblicas profundas, à princípio guarde-as só para você, no seu coração e compartilhe aquilo que abençoa e estimule o crescimento e a edificação dos outros. Seja ousado em orar por pessoas em necessidade, se desafie a orar profeticamente por pessoas, situações e cresça em generosidade. “Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo” (Lc 6.38).

Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado! Engrandecido, adorado, exaltado para sempre e sempre seja o nome do nosso Deus, o Criador de todas as coisas, que em santo amor, criou, sustenta, guia e governa tudo. Nossas vidas estão nas mãos desse Deus único, soberano e amoroso Pai! Graças te rendemos, nos prostramos diante reverentemente e reconhecemos a tua grandeza e a tua glória! Por Cristo, em Cristo e para Cristo, hoje e eternamente, amém.

Temor de Deus

Meditação do dia: 26/12/2021

“Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.” (Êx 3.6)

Temor de Deus – Descrever em palavras uma experiencia de um encontro com a presença real de Deus é em si mesmo um exercício de superar-se porque a percepção é maior que a capacidade de descrever. O que se percebe é mais intenso até do que o que se sente e as duas coisas são ainda maiores do que a capacidade criativa de falar em palavras, o registro fica sempre incompleto. Somos um espírito, que tem uma alma e habita num corpo físico, bastante limitado em relação as capacidades das duas outras partes. Nosso espírito tem uma enorme capacidade de conhecer e perceber verdades que ultrapassa o potencial intelectual, que é muito competente em termos de aprendizagem e expande-se exponencialmente, quanto mais acesso a informações e experiencias. Paulo, o apóstolo, foi um grande homem com grandes experiencias e ensinou muito e de forma quase absoluta entre todos os mestres, ainda assim, fala de experiencias que ao homem não é lícito falar. “Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe)
Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar”
(2 Co 12.2-4). Na sua primeira carta a esses mesmos irmãos de Corinto, ele abordou questões complexas sobre experiencias espirituais que são acessíveis aos servos de Deus, mas que exigem enorme capacidade de maturidade e discernimento para se tirar legítimo proveito. “Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus” (1 Co 2.10,11). Veja que na sequencia o apóstolo fala sobre comparar coisas espirituais com espirituais e também fala sobre a capacidade do homem natural e do espiritual de assimilarem conhecimentos espirituais. Um entende de tudo, tanto espiritual como material ou intelectual, enquanto o outro só entende as coisas materiais e intelectuais, e olha lá, se entende mesmo e considera tudo que não consegue absorver, como loucura. O temor que a presença de Deus infunde é algo tão maravilhoso, quanto aterrador, capaz de minar as forças físicas humanas drenando tudo e a pessoa fica completamente esgotada, levando muitos a prostração total. “Fiquei, pois, eu só, a contemplar esta grande visão, e não ficou força em mim; transmudou-se o meu semblante em corrupção, e não tive força alguma. Contudo ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí sobre o meu rosto num profundo sono, com o meu rosto em terra. E eis que certa mão me tocou, e fez com que me movesse sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos” (Dn 10.8-10). Veja que Daniel descreve sua experiencia, que nos permite imaginar sua condição, mas não transmite tudo o que de fato ele experimentou. Moisés ali no Monte Horebe, ficou cheio de temor reverente, nem mesmo tendo coragem de olhar para a direção da manifestação divina. Devemos, buscar conhecer a Deus e experimentá-lo mas não buscar a experiencia sensorial pela experiencia em si; Deus é quem escolhe como se revela, que tipo de experiencia podemos ter e elas tem finalidades, ao que tudo indica o Senhor não gosta muito de ostentação e exibicionismo. Ele não precisa se exibir fazer demonstrações de força e poder; como ele mesmo diz sobre si: Ele é quem ele é e ponto!

Senhor Deus, graças te rendemos por ser o nosso Deus, o nosso Pai e aquele que nos ama de forma tão intensa e doadora. Pedimos perdão, porque o nosso ser foi corrompido pelo pecado e nossos sentidos foram alterados e só o novo nascimento para recolocar tudo no devido lugar. Agradecemos a obra da redenção, onde poderemos ter a restauração de toda a nossa vida e tudo que a cerca e a torna útil para o louvor de tua glória. Só poderemos te conhecer de fato, por ato de tua bondade se revelando a nós, através da Palavra, do Espírito Santo e quando necessário, de outras formas, mas todas elas dependem da fé e de conhecimento de tua Palavra. Cristo é a maior e mais completa revelação de Deus acessível a todos nós. Em nome dele oramos agradecidos, amém.

Pr Jason

Quem Deus É

Meditação do dia: 25/12/2021

“Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.” (Êx 3.6)

Quem Deus É – Por mais que discorramos sobre quem Deus é, mais opções criamos e ainda assim continuamos com muito espaço de conhecimento para conquistar. Como dizem os teólogos: “Ao finito não cabe definir o infinito.” Nossa intenção aqui não é definir ou elucidar tamanho mistério, mas refletir sobre como Deus se revela a cada um de nós. Ele é paternal no melhor sentido dessa palavra, para os seus filhos e seus adoradores, existe uma base já estabelecida de experiencia, seja ela profunda ou não, mas ela de certa forma existe em cada pessoa, segundo os preceitos o Evangelho. “Sabem a verdade a respeito de Deus, pois ele a tornou evidente. Por meio de tudo que ele fez desde a criação do mundo, podem perceber claramente seus atributos invisíveis: seu poder eterno e sua natureza divina. Portanto, não têm desculpa alguma (Rm 1.19,20 NVT). Moisés conhecia Deus pelo testemunho dos relatos contados e passados de geração em geração. Ele sabia que fazia parte da herança e das alianças celebradas com Abraão, Isaque e Jacó. Estava disposto a servir como libertador e até fizera uma tentativa que se frustrou, à tempos atrás. Então chega o dia em que Deus se lhe revela de uma forma muito inusitada na chama de fogo numa sarça ali no deserto próximo ao Monte Horebe. A voz de Deus é inconfundível, mesmo para quem nunca a ouviu de forma audível, e não pergunte por que? Sei que faz parte da natureza e do caráter divino se dar a conhecer mesmo em sua imensa grandeza e poder, ele o faz dentro de medidas suportáveis para a capacidade humana; afinal, Deus não é invasor, não força uma situação e não invade o direito de ninguém de forma arbitrária e ilegal. Nosso verdadeiro ser, a pessoa real é o espírito, que tem a sua origem em Deus e assim, quando Deus se revela, o espirito da pessoa percebe primeiro que a mente ou as emoções dela mesma. Quando o Senhor, falou sobre não se aproximar, tirar as sandálias, foi perfeitamente aceitável porque Moisés acreditava em manifestações divinas e até por meio de anjos. Quando Deus se apresenta e lhe diz: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó…” Isso agora era diferente, especial e totalmente novo. Nada, nada mesmo substitui uma experiencia e Deus não é de muita teoria. “Antes, eu só te conhecia de ouvir falar; agora, eu te vi com meus próprios olhos. Retiro tudo que disse e me sento arrependido no pó e nas cinzas” (Jo 42.5,6). Posso juntar as peças aqui, ao acrescentar esse testemunho, de que o chamado de Deus para alguém fazer algo bem específico, é precedido por uma genuína experiencia de conhecer a Deus de uma forma muito intensa e pessoal. Na Nova aliança, ficou muito claro que todos são chamados para fazer parte da família de Deus, a igreja e como tal assumir um papel ativo de testemunhas da graça e salvação de Deus em Cristo Jesus. Também ficou claro, que o Senhor da igreja, chama, capacita e distribui dons e habilidades específicas para determinados indivíduos conforme a sua vontade para também alcançar fins específicos. Nós, devemos entender, aceitar e tomar o nosso devido lugar para o bem de todos e a construção saudável do reino. “Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer” (1 Co 12.11). A chamada, o ministério e as responsabilidades de Moisés eram dele e por isso teve as experiencias que teve. Eu tenho as minhas e você as suas. Valorizemos o que é nosso, porque Deus sabe o que faz!

Senhor, sou grato a ti, por nesse dia de natal, estar meditando e escrevendo sobre o teu caráter santo e justo em chamar e preparar a cada um para as funções que a tua sabedoria e o teu governo determinam como sendo o melhor para cada um de nós. te louvamos e agradecemos pelo muito que recebemos e especialmente pela vida de Cristo foi dada por nós, para nos possibilitar o caminho da comunhão e da fé salvadora. Agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Terra Santa

Meditação do dia: 24/12/2021

“E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa.” (Êx 3.4)

  1. Terra Santa – Temos hoje a oportunidade de meditarmos numa expressão muito bíblica, profundamente enraizada na vida de todos os adoradores do Senhor Deus, o Criador de todas as coisas; o Deus de Abraão, Isaque e Israel. Nós o conhecemos como um Deus de alianças e especialmente como Pai. Nossas Sagradas Escrituras são a nossa fonte de ensinamentos e nosso guia em termos de espiritualidade. Elas encerram tudo o que precisamos em termos de revelação. Para nós, o Senhor a quem adoramos é transcendente, sem limites, quer quanto ao tempo, como ao espaço, ele está acima e além de todas essas conveniências. Ao se revelar, nunca o fez por meio de formas e aparências, o que demanda uma grande experiencia de fé, pois acreditar em algo totalmente intangível, imensurável e invisível, mas não imperceptível. Os povos antigos, foram se distanciando cada vez mais da origem e da presença do seu criador e novas comunidades e grupos humanos se formaram ignorando propositalmente a Deus e logo preencheram esse lugar de suas vidas com representações grotescas de divindades falsas que foram tantas quantas a imaginação deles e com o passar do tempo, isso parece que se tornou o “normal” e o comum em toda parte. O princípio que Isaías citou que valeria para Israel como nação, certamente sempre valeu para toda a humanidade: “E acontecerá naquele dia que os restantes de Israel, e os que tiverem escapado da casa de Jacó, nunca mais se estribarão sobre aquele que os feriu; antes estribar-se-ão verdadeiramente sobre o Senhor, o Santo de Israel” (Is 10.20). Deus criou tudo par sua glória e gostaria de ter todos em estreita amizade e comunhão, mas o pecado e seus efeitos no homem tornou a salvação uma preciosidade para poucos proporcionalmente em relação ao todo da criação. O meu pensamento hoje, está na expressão “TERRA SANTA,” citada por Deus à Moisés, mas não estava falando da Palestina, ou Terra de Canaã, como a Terra Prometida, aos patriarcas nos termos das alianças. Deus estava se referindo ao espaço físico ali onde Moisés estava. Santo é um termo que designa algo separado, consagrado, com uma destinação ou objetivo específico. Sendo assim, onde estiver a presença de Deus, é lugar santo, é terra santa; por extensão então, tudo pode ser considerado santo, porque Deus é onipresente; daí a idéia de santidade em toda a maneira de viver, segundo os ensinos apostólicos. “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo (1 Pe 1.15,16). Veja bem, aquilo que a pessoa crer vai determinar para ela o que é sagrado, espiritual, santo e digno de reverencia e respeito. Quando Deus disse a Moisés: “… Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa…” Moisés agiu imediatamente conforme acreditava: Parou, não se aproximou mais, tirou o calçado e se pôs a ouvir. O que é santo ou sagrado para mim? Para você? Por que alguém não demonstra respeito, não reverencia algo que para outros é sagrado? Qual a causa do sacrilégio? O dicionário apresenta duas definições dessa palavra: 1. Pecado grave contra a religião ou contra as coisas sagradas. 2. Profanação de lugares, objetos e pessoas que apresentam caráter sagrado. Prá fechar: O que é terra santa para você?

Senhor, estamos em tua presença, portanto estamos em terra santa e devemos toda a reverencia e todo respeito por tudo o que representas para nossa fé. O Senhor é santo, santo, santo e tens compartilhado o teu caráter santo com a nossa vida, pela nossa identificação com Cristo em seu sacrifício na cruz. Obrigado pela comunhão e companheirismo que a nova vida em Cristo nos permite. Amém.

Pr Jason

Descalço

Meditação do dia: 23/12/2021

“E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa.” (Êx 3.4)

Descalço – Quando criança ouvi diversas vezes o adágio popular que dizia que “Cada terra tem seu uso como cada roca tem seu fuso.” Claro, não fazia muito sentido e só com a maturidade e a convivência com diversidades bem diferentes das minhas habituais é que fui percebendo costumes, hábitos e modos de se ver ou fazer as coisas, isso varia de povo para povo e de cultura para cultura, mesmo dentro de um mesmo país, como o nosso Brasil, com um regionalismo forte e tradições bem enraizadas no povo. Quando lemos as Sagradas Escrituras, encontramos a vida das pessoas daqueles tempos, tal qual ela era, com seus costumes, culturas e hábitos, que às vezes eles mesmos tinham que aprender e conviver. Podemos pensar por exemplo em Jacó, que ao chegar em Hará, para morar com o tio, ficou tremendamente decepcionado ao ser enganado por este na entrega de sua esposa, e Labão justificou como sendo um costume daquele local. “E aconteceu que pela manhã, viu que era Lia; pelo que disse a Labão: Por que me fizeste isso? Não te tenho servido por Raquel? Por que então me enganaste? E disse Labão: Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita” (Gn 29.25,26). Assim como em boa parte do mundo, o aperto de mãos serve tanto como cumprimento ou saudação, como também para confirmação de acordos ou compromissos comerciais – o aperto de mão sela o acordo e negar a apertar a mão do outro é rejeitar a proposta ou não se comprometer a honrar o que está sendo acordo. Apertar a mão e não honrar o compromisso é desonroso e considerado uma grave falta de caráter. Tirar os sapatos ou sandálias, também fazia parte de costumes antigos e em algumas situações estava ligado a realizações de contratos ou compromissos de responsabilidades. Entre os israelitas, a chamada lei do levirato, seguia acompanhado do hábito tirar sapato. “Porém, se o homem não quiser tomar sua cunhada, esta subirá à porta dos anciãos, e dirá: Meu cunhado recusa suscitar a seu irmão nome em Israel; não quer cumprir para comigo o dever de cunhado. Então os anciãos da sua cidade o chamarão, e com ele falarão; e, se ele persistir, e disser: Não quero tomá-la; Então sua cunhada se chegará a ele na presença dos anciãos, e lhe descalçará o sapato do pé, e lhe cuspirá no rosto, e protestará, e dirá: Assim se fará ao homem que não edificar a casa de seu irmão; E o seu nome se chamará em Israel: A casa do descalçado” (Dt 25.7-10). Poderia também ser utilizado em contratos de compra e vendo ou até renuncia de direitos, como podemos ver nos tempos dos Juízes, com o rapaz que iria se casar com Rute. “Havia, pois, já de muito tempo este costume em Israel, quanto a remissão e permuta, para confirmar todo o negócio; o homem descalçava o sapato e o dava ao seu próximo; e isto era por testemunho em Israel. Disse, pois, o remidor a Boaz: Toma-a para ti. E descalçou o sapato (Rt 4.7,8). No texto de nossa meditação de hoje, foi um ritual diferente, exigido pela santidade de Deus que tornara santo o lugar onde Moisés estava e ele precisava estar ciente disso e respeitar reverentemente o Deus a quem ele iria servir e se comprometer dali em diante. Não se pode deixar de ver que aqui também houve um compromisso entre as duas partes, pois foi para isso que Deus lhe aparecera e a consagração seria a resposta mais adequada. Gesto semelhante podemos ver também, com Josué, o sucessor de Moisés, antes de entrar na posse da terra e de confrontar Jericó. “Então disse o príncipe do exército do Senhor a Josué: Descalça os sapatos de teus pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josué assim” (Js 5.15). Particularmente, gosto de pensar também no sentido de humildade e submissão, porque ao descalçar os pés, ficamos vulneráveis e sem condições de nos afastarmos muito. Então tem o sentido de rendição e permanecer ali para ser ministrado e aprender reverentemente diante de Deus. Isso não é canônico, mas faz sentido, se a atitude do coração for condizente na obediência.

Senhor, obrigado pela tua presença santa, que além de nos abençoar e nos privilegiar com uma vocação, ainda somos instados a te reverenciar humildemente, o que é justo e reto diante de ti. Obrigado por lições tão simples, mas profundas e que qualquer um pode entender. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason