Isaque e a Vida de Oração

Meditação do dia 31/12/2018 

 E Isaque orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto era estéril; e o Senhor ouviu as suas orações, e Rebeca sua mulher concebeu.”  (Gn 25.20)

 Isaque e a Vida de Oração – Esse versículo bíblico abrange um tema relevante e também um espaço de tempo considerável. Estamos falando de tempo suficiente para se estabelecer uma cultura de oração e intercessão para que a verdade da promessa divina viesse a acontecer. Vemos aqui, o quanto o projeto de Deus está muito bem seguro nas mãos do Senhor, e sendo tratado com responsabilidade e dedicação, para que do lado humano, tudo venha a produzir aquilo que no âmbito da fé, já é uma realidade. Isaque é fruto de uma promessa de Deus a um casal cuja esposa era estéril e mesmo assim Deus realizou sua promessa e lhes garantiu que em Isaque estaria a aliança e as promessas e nelas ele seria pai de muitas nações. Isaque se casou com a moça certa, providenciada por Deus de forma inequívoca; e agora se revela também uma mulher estéril. Parece brincadeira do destino, azar, provação, ou? O que você consegue ver? O que é que nós, hoje, muitos anos depois conseguimos diagnosticar e aprender com a situação de Isaque? Nem precisamos procurar em profundidade, porque tanto o texto e os contextos bíblicos e a própria experiência do caminha com Deus, já nos diz que as coisas não são simples, nem lógicas e racionais. O fato de ser uma promessa de Deus tem um peso considerável e da parte dele isso se cumprirá. Mas tem a nossa parte na tarefa. É aqui que entra a diligencia da fé: Precisamos orar como se tudo dependesse exclusivamente de Deus, mas precisamos trabalhar com tamanha determinação como se tudo dependesse de nós. Assim como o coração tem lá suas razões que a própria razão desconhece; assim também a vida espiritual tem suas lógicas e razoabilidades que só as leis espirituais justificam. Deus é Todo Poderoso, ele se basta a si mesmo, mas escolheu em sua multiforme sabedoria e graça fazer parcerias para certas áreas do seu governo e nós somos os parceiros escolhidos e ainda com toda a nossa limitação, ele conta conosco e respeitará os limites daquilo que somos e podemos. A fé racional diria que se Deus pretendia criar uma nação grande, o caminho viável, seria ter famílias com mulheres super férteis! Mas a história registra exatamente o contrário. Sara era estéril, Rebeca e Raquel e Lea (teve períodos de infertilidade), ou seja, todas as matriarcas da família da promessa, eram naturalmente obstáculos ao cumprimento da promessa. Onde podemos encontrar o fio de fé para a solução? Como dissemos, é a fé que permite ver o invisível, crer no incrível e realizar o impossível. Para Isaque, a promessa existia, era firme, então os obstáculos espirituais teriam que ser removidos pela fé. A oração é uma atividade do espírito, onde a fé opera. Para quem crer, duvidar ou desistir não está em questão. Pode levar um bom tempo, muito tempo, mas a vitória pertence aqueles que persistem e não aceitam nada que não seja o que Deus realmente prometeu. Isso valeu para Isaque, vale para você e para mim, sempre valerá!

 

Senhor, graças de damos por tua sabedoria em escolher os caminhos pelos quais teremos que passar e aprender as lições necessárias. Nossos caminhos não são os teus caminhos e os nossos pensamentos não são tão elevados como os teus caminhos; mas podemos aprender e apropriar pela fé daquilo que é nosso por direito em Cristo Jesus, amém.

 

Pr  Jason

Anúncios

A Idade de Isaque

Meditação do dia 30/12/2018 

 E era Isaque da idade de quarenta anos, quando tomou por mulher a Rebeca, filha de Betuel, arameu de Padã-Arã, irmã de Labão, arameu.”  (Gn 25.20)

 A Idade de Isaque – Gosto de prestar atenção em algumas afirmações nem sempre tão usuais ou precisas, dentro dos contextos narrados referentes aos personagens bíblicos. Idade é uma dessas questões interessantes de se observar, porque ela estará conectada a outros ensinamentos ou informações que em alguma circunstancia nos ajudará a montar um quebra cabeças de relevância. Sara, a mãe de Isaque é um dos poucos casos, se não me falha a memória, em que a idade de uma mulher é citada. Sabemos que Isaque nasceu aos noventa anos de Sara e cem de Abraão; também sabemos que Sara morreu com cento e vinte e sete anos de idade, nesse caso, Isaque estava com trinta e sete anos, portanto, três anos antes de se casar com Rebeca. O que há de tão especial ou tão espiritual nisso? Não sei! Mas como sei que nada sei e tudo que sei não é tudo que existe, então o registro tem mais profundidade do que vejo e imagino. Como Deus, na pessoa do Espírito Santo ao inspirar a escrita e os escritores sagrados, tinha um completo governo de todas as situações, então Deus não desperdiçaria espaço útil no seu conteúdo, para inserir informações de nenhuma relevância ou significado. Acredito que se continuar na direção da piedade e da fé humilde e simples, poderemos vir a ganhar compreensão, pela graça infinita do Senhor. Mas também, trabalhando com os elementos que já conhecemos, e até já escrevi sobre isso, a vida de uma pessoa dentro do projeto eterno do Senhor Deus, é marcada por etapas, períodos precisos, onde fases se encerram e iniciam e que tais fatos precisam ser bem acolhidos e vivenciados para atingir uma maturidade plena e saudável, para ser um instrumentos de transmissão de amor e graça, dentro do propósito individual e personalizado do Criador para cada um de nós. Vejamos, por exemplo uma pergunta intrigante, feita do Mardoqueu à Ester, em relação a sua vida e ascensão ao trono persa: Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte sairá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino. (Et 4.14). O que esse tio piedoso que criou a sobrinha com tanto carinho e inseriu na vida dela os princípios de sua fé, agora estava dizendo a ela, em palavras simples, era que toda a vida dela, incluindo a bênção de ser bonita fisicamente, a ponto de ser observada e escolhida para ser pretendente do rei; de ser atenciosa, educada e gentil, a ponto de cativar a criadagem real inteira e receber favores especiais e até mesmo a tragédia de ter perdido os pais quando ainda era criança, agora se revelava em oportunidades de fazer coisas, que em quaisquer outras circunstancias não seria possível. Nem toda tragédia é uma tragédia de fato, e nem tudo correndo bem e à favor, é de fato vantagem e bênção. Os propósitos divinos se realizam em nossas vidas, via caminhos que nunca escolheríamos voluntariamente. Assim, até erros e pecados que cometemos e tivemos que fazer consertos e recuos na caminhada, se revelam caminhos através dos quais faremos acontecer a vontade de Deus e causaremos impactos tremendos na história e na vida de outras pessoas, que seguirão com os planos. O importante é fazer o nosso papel, quando e onde estiver assinalado com um X por Deus. Quando Deus estava sarando o ventre das mulheres do rei filisteu Abimeleque, antes de Sara conceber, também estava curando o ventre de uma mulher, cunhada de Abraão, lá e Arã, para que ela gerasse filhos e entre esses, visse Rebeca, agora pronta para ser a parceira de aliança de Deus com Isaque. O casamento é um marco na vida de qualquer pessoa, em toda a história da humanidade, principalmente se ele for realizado da maneira verdadeira, espiritual e na obediência aos preceitos da fé. Ele cumpre uma etapa deveras marcante e inicia uma nova fase na vida deles, como também é fase de finalização de etapa na vida dos pais, que criaram os filhos para chegarem nisso. Se alguém fura o esquema, estraga o projeto de Deus para ele pessoalmente, para outra pessoa e para os pais de dois lados e ofusca o futuro do reino de Deus. O pais são responsáveis pelos filhos e uma geração é responsável pela próxima geração. Você acreditando nisso ou não, não mudará os fatos, que são veredas antigas, e terá um preço e consequências, pode acreditar.

 

Senhor, a tua Palavra o trata como o Deus Todo Poderoso, Senhor dos Céus e da Terra, Deus de gerações e através delas os teus santos propósitos são estabelecidos e validados. Obrigado por essas etapas em nossas vidas e pelo discernimento de que fazemos parte de algo infinitamente maior do que nós mesmos e do que os dias que vivemos aqui na face da terra. Teu é o reino, o poder e a glória, para todo o sempre, amém e de geração em geração, por todos os séculos dos séculos, no poderoso nome de Jesus, a Raiz e geração de Davi. Amém.

 

Pr Jason

As Gerações de Isaque

Meditação do dia 29/12/2018 

 E estas são as gerações de Isaque, filho de Abraão: Abraão gerou a Isaque;”  (Gn 25.19)

 As Gerações de Isaque – Fui criado numa família grande, éramos oito filhos e sendo eu o quarto, tinha os mais velhos para certas referencias e as mais novas para outras. Mas era frequente ouvir que “ainda vai chegar a sua vez, o seu tempo;” e quando era algo que despertava muito o interesse, isso não parecia uma boa idéia, ter que esperar mais seis ou dez anos para participar de algo que estava acontecendo agora. Tinha também o outro lado, porque para certas coisas “você já é grande, isso é só para os pequenos!” Vai entender cabeça de adultos! Pois é, mas gostando ou não, aprovando ou não, já estou chegando nos sessenta anos e não tem mais muitos segredos ou mistérios, e já está logo ali na frente, poder fazer uso dos direitos dos idosos (aff! Quem diria??). Mas a vida não é assim mesmo, dando suas voltas e uma hora chega a nossa vez? Para quem nos acompanha a mais tempo, através das meditações do dia, sabe muito bem o quanto valorizamos família, veredas antigas, gerações e assuntos geracionais, porque eles fazem parte dos propósitos eternos de Deus, não só para nós como pessoas e famílias, mas também para as nações e reinos e principalmente, o SEU REINO. Uma geração precede outra geração e ela começa com uma pessoa, que está conectado às gerações anteriores e posteriores. Abraão foi chamado por Deus para desvincular-se por completo de sua família, cidade, cultura e isolar-se na Palestina antiga e iniciar uma nova linhagem, agora não só genética, física e natural, mas uma sucessão de gerações comprometidas com Deus e com um projeto de Deus de amplos horizontes e de alcance tal, que abençoaria todas as famílias da terra. Isso mesmo, abençoar TODAS AS FAMÍLIAS da terra. Veja que família é o instrumento divino de alcançar propósitos. Se ela pode servir aos propósitos divinos estando comprometidas com a verdade e a verdadeira adoração, então também pode servir aos propósitos do mal, estando disfuncionais e destrutivas. Uma rápida olhadela pela história dos povos e nações, pode ser visto com facilidade que entre opressores e libertadores, tiranos e bons governantes, bandidos e mocinhos, sempre tem famílias por trás de tudo isso. Hoje o nosso texto da meditação nos convida a conhecer as gerações de Isaque, e começa dizendo que ele era filho de Abraão e que se casara com Rebeca; estamos vendo que há uma geração anterior e ele está encaminhando para formar a sua própria geração, pois no momento é apenas ele e a esposa. Mas aqui entra a fé, uma vez que está sendo mostrado algo que de fato ainda não existe no plano físico e material. Mas a promessa e as alianças com Deus, dizia que Abraão seria pai de multidão de nações, que ele teria filhos e filhos de filhos. Então está tudo dentro do previsto. As promessas de Deus existem dentro de nossos corações antes de existirem materialmente aos olhos dos outros, pois para nós, elas sempre existiram e nunca tivemos dúvidas disso. A fé nos permite apropriar-se daquilo que ainda é invisível, mas não irreal. Viva sua fé e tome posse de suas promessas.

 

Somos gratos senhor por nos dar uma família que tem um espaço no plano eterno e estamos conectados a gerações de adoradores e servos que fizeram a tua vontade e serviram com lealdade; agora é a nossa vez, essa é a nossa geração e é com ela que a tua obra prosseguirá até a próxima geração estar pronta e preparada para assumir o seu lugar na história. Quero fé e discernimento para fazer a minha parte nesse preparo para os próximos tempos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Depois da Morte de Abraão

Meditação do dia 28/12/2018 

 E aconteceu depois da morte de Abraão, que Deus abençoou a Isaque seu filho; e habitava Isaque junto ao poço Beer-Laai-Rói.”  (Gn 25.11)

 Depois da Morte de Abraão – Como o futuro é sempre opaco para todos, tentar fazer previsões de como serão as coisas, é uma temeridade. Mas a vida tem o seu curso natural e a sabedoria nos orienta a ser pacientes e aguardar até que os caminhos comecem se revelar. É absolutamente normal numa família, ninguém conseguir pensar e antecipar como se definirão as coisas após a ausência dos patriarcas. A liderança, as tomadas de decisões, o fator de unidade que eles promovem, não é algo simples de ser substituído; os mais otimistas declaram que tudo irá se ajeitar e em breve tudo atinge o ponto de normalidade novamente. Os mais pessimistas já carregam nos termos “nunca mais, jamais, ninguém consegue…” e tornam a visão do futuro mais tenebrosa do que realmente precisa ser. Aqui teve entrar um cristão com um bom relacionamento com Deus e maturidade para trazer os dois lados para o centro e mostrar que apesar de tudo, Deus ainda está assentado no trono e tem o governo de todas as coisas e nada foge ao seu controle. Em meio as tempestades da vida, sempre me recordo da figura do êxodo; Deus não iria nos tirar do Egito, das garras de Faraó, nos conduzir em triunfo sobre o Mar Vermelho com tanto poder e graça, para simplesmente nos abandonar no meio do deserto e desistir de nós e romper com suas promessas. Então eu nunca alimento um pensamento ou idéia de abandono da parte de Deus, não admito permitir que minhas emoções me arrastem para um lamaçal de areia movediça. Fui salvo para ser vencedor e o amor de Deus me conduzirá em meio às lutas e provas, mas estas não estão ali para me destruir, mas ao contrário, para me fortalecer e me aproximar do Senhor. Veja bem que o texto sagrado é imediato e preciso, após a morte de Abraão a bênção do Senhor veio sobre Isaque. Simples assim! A vida nasce da morte; Abraão cumpriu o seu tempo, o seu ministério, foi recolhido ao descanso eterno e agora a vida continuaria com Isaque no comando e o favor de Deus já estava atuando. O choro e o luto não podem ser elementos destrutivos e depressivos. Eles existem, são reais, devem ser respeitados e vivenciados; mas cumprem o seu papel e bola prá frente, a vida segue o seu curso. Agora era a vez de Isaque. Por favor, quem estiver lendo essas meditações, não me levem a mal, e nem tampouco me considerem desrespeitoso com o luto e a dor de quem perdeu entes queridos de grande expressão e verdadeiros líderes. Líderes se sucedem! Deus vai levantar outro, ou compartilhar a liderança entre mais de uma pessoa; mas a vida de vocês continuam e tanto aquela pessoa que se foi, quanto o próprio Deus, esperam que vocês e nós, assumamos o nosso papel e tomemos as rédeas e façamos o que precisa ser feita. Ainda que somos como eles, não temos os mesmos dons e habilidades, mas temos a bênção do Senhor e o ministério continua até chegar a nossa vez ou Jesus voltar. O que de fato importa é que sejamos fiéis.

 

Pai, obrigado por definir o papel de cada um dos teus filhos nas sucessões que se fazem necessárias. Obrigado pela liderança firme e forte de nossos pais e avós, mas também somos amados por ti e podemos aceitar os desafios como fatores de crescimento e não de aniquilação. Pedimos sabedoria e graça para a luta de cada dia e a capacidade de discernir os próximos passos. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Os Filhos Sepultam os Pais

Meditação do dia 27/12/2018 

 E Isaque e Ismael, seus filhos, sepultaram-no na cova de Macpela, no campo de Efrom, filho de Zoar, heteu, que estava em frente de Manre,”  (Gn 25.9)

 Os filhos sepultam os Pais – alguns rituais da vida são inevitáveis. Lidar com a morte e o luto é um deles. Mas podemos aprender e tirar proveito edificante porque queira ou não eles irão acontecer. Nossa estrutura emocional está formatada para funcionar como se houvesse uma lógica no processo de vida e morte, assim, como se as pessoas morressem por ordem de idade, à medida que vão envelhecendo; assimilamos melhor, quando a pessoa falecida é anciã e já está com assuntos e vidas resolvidos; então foi um descanso, uma promoção. Mas se essa fila é furada, e a ordem é subvertida, quando os pais e avós ainda vivos e saudáveis, precisam encarar a perda de um filho e neto. O processo é muito doloroso. Mas agora, estou tratando aqui, de uma proposta cristã de como lidar com a dor e o sofrimento, quando alguém próximo de nós e recolhido às mansões celestiais. Desde que começamos a vida cristã e temos contato com a literatura cristã, já nos deparamos com os registros da criação, do Éden, do casamento, “da maçã e da cobra,” e é justamente aqui na conversa com Adão e Eva que aparece a palavrinha que vem aterrorizando as pessoas desde sua primeira manifestação em Abel. Imagino eu que o velho e sábio Abrão, embora lúcido e experiente, era muito bem cuidado e protegido por Isaque e as pessoas da família, afinal, não só honrar os mais velhos era uma prática cultivada, mas aquele era um legado à humanidade. Um homem que andar com Deus de forma muito próxima e íntima e havia recebido grandes revelações e soubera vivenciar a comunhão com o Altíssimo, o possuidor dos céus e da terra. Mas todos são mortais e esse dia viria para Abraão e veio. Como ele era muito querido e admirado também fora dos círculos familiares, entre os reis locais, e amigos confederados, entre os quais ele peregrinou livremente por aproximadamente cem anos da sua vida; o funeral certamente foi concorridíssimo, porque havia muitas homenagens a serem prestadas. Mas tudo estava sob as ordens de seus filhos, Isaque e Ismael, agora já grandes homens e importantes pessoas. Quando tratamos da questão “morte” estamos também falado de fim de períodos, etapas, processos. Tudo o que tem começo, tem um meio e um fim, não importa se é de curtíssimo prazo, como uma flor ou um fenômeno duradouro de décadas ou até séculos; entre essas coisas todas, estão as vidas dos humanos, dos animais, e etc. É preciso aprender a lidar com a morte, senão sofre-se mais do que é necessário. Reconhecer que alguns desses acontecimentos está dentro da margem de normalidade, por mais doloroso que nos pareça; mas há outras coisas a serem feitas e a bênção e os propósitos de Deus ainda continuam firmes para quem ainda está aqui. Se não houver aprendizado e gratidão a Deus pelo dom da vida, a sombra da morte pode amargar e amargurar a vida, tornando opaca e sem sabor, com um longo percurso ainda por fazer e não vale a pena!

 

Senhor, obrigado pela vida de Cristo que foi dada em pagamento e remissão da vida numa condição ruim e desastrosa pelo pecado. Em Cristo, somos novas criaturas e podemos desfrutar do melhor que tens para conosco todos os dias. As dores e as lágrimas fazem parte do caminho e da aprendizagem, mas estarás conosco e podemos ainda ser alegres, felizes e realizados em tudo que vier à nossas mãos para fazermos. Sou agradecido pela forma abençoada que tenho experimentado a tua bondade nesses aspectos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

O Direito Prevalecente

Meditação do dia 26/12/2018 

 Porém Abraão deu tudo o que tinha a Isaque; Mas aos filhos das concubinas que Abraão tinha, deu Abraão presentes e, vivendo ele ainda, despediu-os do seu filho Isaque, enviando-os ao oriente, para a terra oriental.”  (Gn 25.6,6)

 O Direito Prevalecente – Meditar na Palavra de Deus e tirar lições que edificam a alma e o coração, é exercício agradável mas exige certos cuidados para não sair da extração de alimento genuíno e partir para crítica textual ou ver a história antiga com olhos críticos e mentalidade atual; isso pode fazer muito mal e azedar as relações. A cultura se fundamenta em determinados valores que fazem sentido para quem os vive, mas difíceis de serem absorvidas por estranhos. Assim também quando olhamos para determinadas práticas culturais dos povos antigos e como são personagens da Bíblia, são nossos exemplos de fé e algumas coisas não fazem mais sentido para nós, especialmente ocidentais. Mas seguimos os princípios que são eternos e imutáveis tal qual o Senhor Deus a quem eles serviram e nós também. Ao me deparar com esse texto e essa ação de Abraão em relação a Isaque e outros filhos que ele veio a ter, me remete em conexão direta com uma passagem do Novo Testamento e dito exatamente por Jesus, que aí torna a coisa mais interessante. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre (Jo 8.35). Não estou aqui fazendo uma afirmação que o pai Abraão, tratou os demais filhos como se fossem servos ou coisa parecida; mas a minha linha de pensamento está no fato do direito legítimo de Isaque, como herdeiro da promessa de
Deus a Abraão e que isso abrangia as alianças que continham potenciais incalculáveis que iriam se revelando passo a passo à medida que o tempo e as gerações fossem sendo desenvolvidas e confirmadas, até atingir o ápice, que seria a pessoa de Cristo e sua obra perfeita na cruz e tudo mais como conhecemos por Plano de Redenção. Abraão deu presentes, bens e certos favores aos demais descendentes, mas a pureza da linhagem e a possibilidade dela se desenvolver seguindo os princípios de Deus, sem risco de contaminações por parentescos de outras correntes culturais. Abraão via um projeto de vida para Isaque que a maioria de nós ainda hoje não vê e não entende; assim ele agia com tal determinação que antecipava eventos que só alguém com profundidade espiritual seria capaz de perceber. Em matéria de investimento financeiro, há uma máxima que afirma que “ausência de evidencia, não é evidencia de ausência.” Espiritualmente isso se aplica aos fatos de que se não vejo ou não sei algo, isso não significa que aquilo não exista, ou não seja verdade. Há verdades e princípios espirituais que as pessoas cristãs negligenciam, abandonam ou não valorizam porque de fato não entendem ou não tiveram uma verdadeira iluminação espiritual sobre aquilo. Verdadeiras revelações, só as alcançamos pela ação do Espírito Santo e de fato, ele não se manifesta e traz grandes coisas para quem não está interessado ou não está buscando um grau maior de intimidade. Esta é uma verdade do Salmo 25.14 O segredo do Senhor é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança. Ao invés de olharmos para os fatos com olhos de quem está vendo apenas discriminação e parcialidade da parte de Abraão, que por extensão seria também de Deus, o que nos poria em contemplação negativa, “Será que Deus não vai preferir A ou B? e eu não sei em qual lado estou, mas posso ficar de fora. Não, não se trata de nada disso. Direitos adquiridos em Cristos e pela fé, podem ser retirados, somos filhos e herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo. Fique firme!

 

Obrigado Pai, por tua maravilhosa maneira de cuidar dos filhos e da herança, sem preterir um ao outro. Em Cristo somos amados, aceitos e acolhidos igualmente. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Lidando Com as Perdas

Meditação do dia 25/12/2018

 Isaque, pois, trouxe Rebeca para a tenda de Sara, sua mãe; tomou-a e ela lhe foi por mulher; e ele a amou. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua mãe.”  (Gn 24.67)

 Lidando com as perdas – Um dos nomes do Espírito Santo ditos por Cristo é Consolador, no sentido de alguém que fica ao lado, que conforta, apoia a outra pessoa. Acredito que todo cristão, num relacionamento progressivo com Deus, já experimentou a ministração do conforto produzido pelo Espírito Santo. Lidamos constantemente com perdas e frustrações e essas experiências são de fato dolorosas e fazem parte da experiência humana. Cada pessoa tem um modo próprio de como lida com suas perdas, mas todos passamos por isso. A morte é um fator de frustração, tristeza e perda que precisamos lidar em nossas vidas. Desde que o mundo é mundo e temos registros, pessoas morrem e pessoas ficam enlutadas e todos lidam com o doloroso pesar de passar por isso. Precisamos aprender e estar conscientes de que isso é vida real e um dia ou outro isso irá acontecer por perto de nós. Viver na negativa e na fuga, evitando pensar ou querer aceitar, não é saudável e muito menos produtivo. Cada cultura e sub cultura tem seus modos de ajudar a passar e enfrentar a perda de entes queridos. Chamo aqui de sub cultura, uma variação regional, ou local e até de etnias e grupos diferentes em meio a uma cultura maior. Por exemplo: na cultura brasileira lidamos assim… mas no sul povos de origem…. tem seus modos próprios herdados de…. na amazonia, se age de modo diferente, que no meio urbano metropolitano. Ok? Posturas importantes em todas as partes e culturas que são muito comuns, são os elementos da fé cultivada, que exercem um forte peso em todas as etapas. Pontos importantes da fé cristã evangélica, que nos ajuda a lidar com a perda de entes queridos: 1. Salvação pela graça através da fé em Cristo; 2. Perdão dos pecados e reconciliação plena com Deus pela obra da redenção; 3. Eternidade garantida por promessa de Deus e confirmado nas Escrituras; 4. Morte física não é o fim de tudo; 5. Haverá uma prestação de contas; 6. Ressurreição é uma realidade; 7. Deus é Deus de vida e sua casa está à nossa espera. Claro há mais fatores, mas estou citando esses que estão mais ligados os centro da nossa prática de fé. Isaque vinham lidando com a tristeza de ter perdido sua mãe, há uns três anos e não só ele, mas o pai que agora estava sob sua responsabilidade, sentiam a falta da grande matriarca da família. A chegada de Rebeca, pôs fim a um período de lamentos e luto. O luto precisa ser vivido, experimentado e cumprir o seu papel, senão alguma coisa na vida ficará solta e volta a incomodar e produzirá instabilidades emocionais e afetará a produtividade e os relacionamentos, mais significativos. O Sábio Salomão disse: “Há tempo de nascer, e tempo de morrer…” (Ec 3.2). Situações não resolvidas precisam ser trabalhadas e definidas, para se prosseguir bem com a vida, ainda que seja difícil. Quem foi, já foi e está digamos definido sua situação, mas quem fica, tem importância na vida dos demais familiares e amigos e até ministério, e não pode afundar-se em tristeza e luto contínuo. Não é esquecer quem partiu, mas acolher em amor e fé os fatos e confiar na sabedoria divina e seguir com o que é nosso dever. Cada pessoa está ou passa em nossa vida para cumprir um papel importante e é Deus quem determina o tempo e o modo de como as coisas acontecem. Somos servos e temos tarefas a fazer e agradar a Deus é a principal delas. Busque consolo em Deus, busque e receba, aceite o que Deus oferece.

Senhor, autor da vida e Senhor de todas as coisas e em quem tudo se consuma. Não há injustiça e nem erros de tua parte em nada das nossas vidas; teus planos são perfeitos e operados em amor; mesmo quando não podemos entender, podemos aceitar pela fé que tens a melhor escolha e o melhor propósito em tudo que f azes. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Isaque & Rebeca

Meditação do dia 24/12/2018

 “E Isaque trouxe-a para a tenda de sua mãe Sara, e tomou a Rebeca, e foi-lhe por mulher, e amou-a. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua mãe.”  (Gn 24.67)

 Isaque & Rebeca – Poderíamos estar falando de uma história de um casamento, que foi diferente até para os padrões da época. Poderíamos estar olhando apenas para uma história de casamento. Nada fora dos padrões dos relacionamentos humanos normais. Todos que já são casados tem uma história para contar e sempre tem os românticos que gostam de ouvir “como foi que tudo começou.” Não é por mero acaso, que isso tem rendido incontáveis registros de encontros e desencontros, sempre procurando o final feliz e assim viveram felizes para sempre. Contos, lendas, ficção, fábulas, poesias, dramas, óperas, livros, filmes e seriados estão aí para comprovar que o amor está no ar a muitos anos e mesmo a despeito de todas as intrigas e oposições eles permanecem firmes e lutam e pagam preços, que para os amantes valem o instante que fica eternizado. Mas estamos lidando também com a maior das histórias de amor e do maior amor já demonstrado e colocado disponível em qualquer dos mundos que se pensar. O amor de Deus, revelado na encarnação de seu Filho Jesus Cristo, patrocinado pelo Espírito Santo, que nos atrai em amor nos convencendo dos nossos pecados e da nossa condição terrível, ao mesmo tempo que revela o amor de Cristo ao sacrificar-se na cruz para nos libertar plena e completamente. Eu admiro esses registros, ao ver a difícil missão que Abraão deu ao servo, para ir ao mundo distante dos parentes, em busca de uma moça qualificada que fizesse jus a ser a esposa de seu filho amado e único. Ele foi obediente, cuidadoso, diligente e agiu rigorosamente como apenas um representante de seu Senhor, que de fato era o possuidor de muitos bens e riquezas, e ali estava ele, com a autoridade de encontrar e convencer essa moça de qualidade a segui-lo pelo caminho de uma vida nova, que ela só poderia contemplar pela fé. O bom trabalho de Eliézer, facilitou as escolhas de Rebeca e inspirou a família dela a entrar na aliança. Agora, ela já está em casa, para começar a vivar a nova etapa da sua história. Um dia, todos temos que tomar uma decisão que vai mudar para sempre as nossas vidas e como ela será vivida. Desde o momento do encontro, Isaque assumiu o seu lugar como esposo, como o cuidador e o protetor que ela esperava e que de fato fora fielmente garantido pelo servo na sua proposta. Deus é fiel. O Espírito Santo é Deus e é fiel e seu trabalho é de convidar e nos trazer para a casa e os planos do Pai e servir ao Filho amado. Em termos de alianças, nossa fé nos assegura plenos direitos, porque está tudo garantido pela vontade de Deus. Essa também é nossa história.

 

Louvado seja o Senhor, o Todo-Poderoso; o Criador dos céus e da terra e de todos nós. Graças pelo plano perfeito de redenção em Cristo Jesus. Espírito Santo, nós reconhecemos o seu trabalho e obrigado por desistir de nenhum de nós; em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Este é o Meu Senhor!

Meditação do dia 23/12/2018

 “Rebeca também levantou seus olhos, e viu a Isaque, e desceu do camelo.
E disse ao servo: Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro? E o servo disse: Este é meu senhor. Então tomou ela o véu e cobriu-se.”  
(
Gn 24.64,65)

 Este é o meu Senhor – a poesia e o romance se entrelaçam muito bem e um assunto puxa outro ou se completam com muita e bela harmonia. A cena descrita nesse texto merece ser tema de um romântico incorrigível se inspirar e escrever um belo poema, ou uma crônica; uma bela música e até uma pintura que retrata mais que imagens de um por do sol que emoldura um capítulo lindo de uma história de amor. Para mós que meditamos na Palavra de Deus com propósitos de aprender a aprender e ver o agir de Deus nas mínimas coisas e nos detalhes mais sutis da experiência da alma humana; só temos que valorizar cada oportunidade. Por muitos anos, eu particularmente não achava a menor graça no livro bíblico de Cantares, até que o pastor Angus Plummer, aparecer em nossas vidas, introduzindo suas aulas, com meditações baseadas em Cantares e foi uma atração fatal pelo livro e pela história como ali é contada. Até hoje, leio-o com outros olhos e as lições não param de surgir; obrigado Espírito Santo, por essas inspirações. Falando em tipologia, uma vez que muitos aspectos da vida e atitudes de Abraão e Isaque e os relacionamentos deles, tipificam muitos aspectos da obra da redenção e os papeis de Deus em tudo isso; aqui, vimos o servo, tipificando o Espírito Santo indo preparar uma noiva para o seu Senhor, tal qual a obra do Espírito Santo em nossas vidas para sermos eleitos como a Noiva do Cordeiro. O nosso texto continua nessa saga, mostrando a primeira visão que Rebeca tem de Isaque e o caminhar de um ao encontro do outro. Observamos que ele viu uma caravana e reconheceu a propriedade e foi em direção a ela; ainda meio ao longe, ela viu “um” homem vindo na direção da caravana e o seu coração (espírito) viu mais do que os seus olhos poderiam ver e identificar; coisas do coração. Você consegue imaginar como já havia uma atração no interior dela para com ele, mesmo sem jamais te-lo visto, mas seguindo a linha de pensamento, ela foi trazida até ali, pelo Espírito Santo, inspirador e capaz de convencer numa única conversa, para que ela deixasse a sua vida, seu círculo de amigos e relacionamentos, seu povo, sua cultura e toda que conhecia, para ir ao encontro de algo maior e que só dessa forma ela poderia alcançar. Como eu disse: é Puro romance: O meu amado é meu, e eu sou dele; ele apascenta o seu rebanho entre os lírios” (Ct 2.16). Muitas vezes a pergunta “Quem é este homem?” já foi feita e muitas vezes já foi respondida, mas ela continua sendo feita e as infinitas possibilidades de como se responde, continua a nos surpreender e de fato, ele é surpreendente. Eu gosto muito do seguinte texto: Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é este Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na guerra. Levantai, ó portas, as vossas cabeças, levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é este Rei da Glória? O Senhor dos Exércitos, ele é o Rei da Glória” (Sl 24.7-10). O próprio, perguntou aos discípulos: Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mt 16.15,16). Mas tem um clássico que me alegra demais: E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele. E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos” (Ap 5.3-5). Qualquer coisa que eu disser ou escrever daqui em diante, não acrescenta mais nada! Ele é o que é e isso nos basta!

 

Senhor, Louvado seja o teu santo nome, e Espírito Santo obrigado por nos atrair em amor e com amor até Cristo, o Senhor de tudo e de Todos. Amém.

 

Pr Jason

A Oração Precede a Visão

Meditação do dia 22/12/2018

 “E Isaque saíra a orar no campo, à tarde; e levantou os seus olhos, e olhou, e eis que os camelos vinham.”  (Gn 24.63)

 A Oração Precede a Visão – O que você vê? Essa pergunta aparece muitas vezes e para muitas pessoas nas páginas das Sagradas Escrituras. Outras variações dela, aparecem com uma ordem para que se veja, o até mesmo que levante os olhos, que abra os olhos e ainda tem uma tese em Apocalipse, onde recomenda ao anjo de uma das sete igreja, que compre dele colírio para ungir os olhos e ver. Se a visão é algo maravilhoso no seu aspecto físico, imagina ter a mesma possibilidade na vida e no mundo espiritual? Sabemos que ver não é apenas enxergar, mas também perceber, sentir, discernir, interpretar os sinais e os tempos que se apresentam. É desse conceito que dizemos que quem tem fé vê o invisível, crê no incrível e faz o impossível. Nos anos da minha juventude, estou falando de 1979/80, trabalhei numa indústria que fabricava cerâmica, pios e azulejos e fui o departamento de classificação de produtos. Partindo do zero em termos de conhecimento em poucos dias, já dominava a técnica de classificar os produtos (naquele tempo era à olho nu, hoje usa laser e tecnologias óticas). Quase quarenta anos depois ainda olho um revestimento ou piso e percebo o que a maioria das pessoas não tem a menor idéia; meus sentidos foram treinados para perceber isso. Tal qual, na vida e na vida cristã, podemos desenvolver nossos sentidos, aptidões e capacidades para ter melhores “visões” e fazer leituras mais precisas e coerentes com o que está proposto por Deus para nós como pessoa, como família e igreja. Conhece pessoas que “parece que não aprendem nunca?!” Conhece pessoas que não erram duas vezes no mesmo lugar?! Conhece pessoas que aprendem apenas vendo os erros dos outros?! A filosofia de viver errando e aprendendo com os erros é uma proposição linda de se dizer; mas a vida é muito curta para cometermos todos os erros e aprendermos com eles, então aprender com os erros dos outros, ou dar passos de fé e obediência a Deus e à sua Palavra, nos encurta caminhos e adiantamos bastante em nossa caminhada. O propósito da vida de oração e devocional, é manter-nos conectados a fonte de vida e favor gracioso de Deus; não é religiosidade, obrigação e ou castigo. Não se cultiva isso, para ganhar bônus, ou evitar ficar no vermelho com Deus, como se fosse contabilidade. Comunhão e amor tem laços muito estreitos. Não oramos para obter resultados, ou desvendar os mistérios; cultivamos a comunhão pela comunhão e as bênçãos vem, o conhecimento abençoa e a sabedoria nos dirige, o espírito se sente saciado e deixa a inquietude, assim a alma descansa e se refrigera nas aguas calmas e pastos verdejantes da providencia divina. Os bons resultados são graça e misericórdia em estado puro. A visão vem em decorrência da postura assumida; é o Espírito Santo que ilumina, clareia e abre os nossos olhos para ver até aquilo que estava bem diante de nossos olhos o tempo todo. Isaque sabia que o servo fora em uma missão e voltaria; sabia que em algum momento algo se mostraria, que maravilhoso que a visão foi magnífica, contra o por do sol, ao entardecer, uma nuvem de poeira e depois as silhuetas dos camelos e depois a certeza de que não era miragem e que os camelos eram seus e tinha mais gente naquela comitiva do que partira antes. Uma visão que produz alegria, entusiasmo e benção com as marcas de que as mãos poderosas de Deus esteve cuidando de tudo do início ao fim. Não estou falando só do casamento de Isaque, mas da vida, da minha, da sua, dos ministérios e missões a vida nos depara e se vem de Deus, missão dada, é missão a ser cumprida totalmente, imediatamente e alegremente. Primeiro a oração e depois a visão!

 

Senhor Deus das grandes visões! Tu és digno de toda a honra e o louvor, pelos teus grandes feitos, mas especialmente pelo que és. Nada se compara a ti e aos teus atos de amor e bondade e por todos eles, nós reconhecemos e bendizemos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason