Acordando do Sono

Meditação do dia 17/06/2019 

 “Acordando, pois, Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não o sabia.(Gn 28.16)

 Acordando do Sono – No mundo das finanças e investimentos a uma máxima muito respeitada que diz: “Ausência de evidencia não é evidencia de ausência.” O fato de Jacó acordar do seu sono e constatar que Deus estava naquele lugar, não significa que antes dessa percepção Ele já não estava lá. A percepção de Jacó apenas constatou um fato real, que a fé resolveria sem problemas. Não foi apenas Jacó a apresentar esse comportamento; pois o vemos constantemente se repetindo entre os irmãos ao nosso redor nos círculos cristãos. Quanto maior o grau de envolvimento com um tempo devocional de qualidade, de adoração verdadeira e intimidade com o Senhor, maiores são as probabilidades de experiências novas de revelação da majestade divina. Porque alguém adquire só hoje uma experiência de encontro com o Senhor, não significa que estava longe ou sozinho na sua jornada e só agora Deus se apresentou. Figuradamente quem estava dormindo era Jacó e não Deus. O mesmo se pode pensar e declarar sobre nós na atualidade. Cremos que Deus é soberano, supremo, que em sua sabedoria ele guia e dirige tudo em santo amor e acima de tudo é Onipresente. Enquanto Deus está atendo e cuidando de tudo, nos envolvemos em atividades que atrai a atenção para outras coisas e depois ficamos surpresos com uma possível revelação da pessoa do Senhor nosso Deus. Acordar de sonhos tem muitas conotações e acepções nas Escrituras; como cada caso é um caso, podemos começar pela parte mais simples, como aqui, Jacó estava literalmente dormindo e sonhando e pela manhã acordou e aí sim se notar que estava consciente de que sonhara e tanto no sonho, quanto na realidade, Deus estava presente e isso era notório. No Salmo 126.1 aparece a expressão, mas agora com um sentido de despertar-se para uma realidade tão boa que até parece sonho. Foi o retorno do povo do cativeiro. “Quando o SENHOR trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham.” Pensando no caso de Jacó isso é animador, porque ele não era alguém negligente, não estava fugindo de qualquer responsabilidade; ao contrário, estava indo em direção ao seu projeto de vida e de constituir uma família para viver as promessas de Deus e perpetuar as alianças já estabelecidas e agora, conhecidas dele, por uma revelação muito pessoal. Esse acordar aqui é um passo à mais na experiência de vida e de relacionamento com Deus. Assim, acordar é bom, estamos progredindo em direção aos alvos de Deus para nossa vida.

 

Senhor, obrigado por falar conosco em todo tempo e ter uma maneira toda especial de lidar com cada um de seus filhos. Isso renova e reforça a nossa fé e convicção de que estamos servindo e construindo o teu projeto. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

A Palavra e a Promessa

Meditação do dia 16/06/2019 

 “E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; porque não te deixarei, até que haja cumprido o que te tenho falado.(Gn 28.15)

 A Palavra e a Promessa – Este sonho, não é um mero sonho! Esta palavras não são simples palavras! Essas promessas são mais do que desejos à caminho de realização! Jacó era um homem, como você e eu ou como tantos que conhecemos. O que o diferencia tanto são as experiências de vida e o grau de intimidade que ele adquiriu e cultivou com Deus. Não vale pensar ou imaginar que “naquele tempo Deus se mostrava mais e fazia encontros que já não se vê em nossos dias.” Nossa fé, nossa teologia e nossas convicções confirmam que “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente” (Hb 13.8). E Jesus é Deus! Naquela noite, e naquele sonho, Deus se revelou a Jacó, tal qual se revelara a Isaque e também à Abraão. O Senhor se fez conhecido de forma que eles pudessem experimentar e não somente ter uma noção ou uma influencia mental ou emocional. Aquilo mudou a vida daquelas pessoas e deu-lhes perspectivas de propósitos e destinos, a eles nos seus tempos e para as suas gerações e por longos tempos. Para alguém que está passando a primeira noite fora de casa na condição de exilado, sentindo-se inseguro, vulnerável e sozinho, não há melhor maneira de conhecer a Deus, senão como um Deus presente que de fato o conhece e está inteirado de todas as coisas que o cercam e o afligem. Foi assim que o ele teve conhecimento de Deus estaria com ele em todo tempo e em todo lugar. Pessoas costumam ligar a vontade de Deus e seus planos para suas vidas circunscritos á um local geográfico específico e com isso se apegam à algo material e temporal. As promessas de Deus e os compromissos que ele acorda conosco são abrangentes, exceto quando ele tem algo bem específico para cada caso, como no caso dos patriarcas que Ele especificou na promessa que seriam possuidores da Terra de Canaã, que conhecemos hoje por Palestina e adjacências. Jonas, recebeu uma missão específica: “E veio a palavra do SENHOR a Jonas, filho de Amitai, dizendo: Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até à minha presença. Porém, Jonas se levantou para fugir da presença do Senhor para Társis” (Jn 1.1-3). Jacó agora tinha uma mensagem e uma ordem para valer por todo a sua vida e passos que ele precisaria dar para que a promessa se confirmasse. Andar pela fé significa receber uma instrução de Deus e seguí-la na vida, mesmo sem novas grandes revelações. No caminhar do dia a dia, novas portas vão se abrindo ou fechando e oportunidades de confirmar o que já sabemos e manter nossa obediência intacta. Quando tais promessas são para gerações e mais gerações, temos que delinear ensinos e práticas fixam a direção e faça sentido para essas gerações que vão vindo e assumindo o seu papel e precisam se responsabilizar pela continuidade. Diferentemente de Abraão e os demais patriarcas que o centro de suas vidas seria a formação de uma nação comprometida com Deus em alianças eternas, nós como igreja temos como alvo principal a Grande Comissão e fazer isso dentro de um limite de tempo, que significa desde nossa conversão até o fim da nossa jornada terrestre ou à esperada vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Cada um de nós dentro de suas vocações e suas vidas, mas de olho na missão de levar o Evangelho a todo o lugar com expressa urgência. E também temos uma promessa maravilhosa: “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” (Mt 28.18-20).

 

Senhor, minha oração hoje será simplesmente dizer “AMÉM!” Tudo o que tens feito e tudo o que tens nos dado como missão, merece e precisa de nossa participação ativa. Por isso eu digo SIM, Senhor! Em nome de Jesus, amém!

 

Pr Jason

As Duas Partes da Promessa

Meditação do dia 15/06/2019 

 “E a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra;(Gn 28.14)

 As Duas Partes da Promessa – Gosto muito de meditar e pensar sobre as alianças de Deus com os homens; essas registradas na Bíblia. Notadamente com Abraão iniciou-se uma estreita relação de amizade e comunhão e as alianças se tornaram parte do relacionamento e elas visavam a posteridade ao longo dos tempos, até chegar ao nível de eternidade. Tal qual dizemos que toda grande caminhada começa com o primeiro passo, assim também o grande projeto de Deus, já em andamento em nível de participação humana desde Adão e Eva; agora se afunilava para uma dinastia específica e começando com Abraão. Era ele e a esposa Sara, estéril e mesmo assim a promessa de um filho se cumpriu aos cem anos de vida do patriarca. Esse filho, Isaque, quase que com os mesmos dilemas, batalhou em oração e intercessão pela esposa Rebeca, que também era estéril; vinte anos de oração e tudo se resolveu com o nascimento de Esaú e Jacó. Os dois poderiam agilizar bem os processos, pois tiveram doze filhos cada um. Mas Esaú saiu da linha de sucessão das promessas por suas escolhas e também dentro de um desígnio divino. Nesse exato momento da nossa observação, Jacó está se inteirando dos acontecimentos da sua primeira noite fora de casa, à caminho de Hará, depois de ter dormido e sonhado. Deus falou com ele e renovou as alianças estabelecidas com Abraão e Isaque. Agora, ele era o terceiro na base de sustentação da grande edificação projetada para uma nação ali se apoiar. O que quero salientar aqui, sobre o texto que reproduz a fala de Deus com Jacó é que lhe foi antecipado fatos que estariam no seu futuro e sobre os quais ele teria influencia se obedecesse e seguisse os passos das veredas de Deus. Entra aqui a questão de desejar fazer a vontade pessoal em detrimento da vontade divina e ainda assim reivindicar os resultados, como se estivesse agindo em obediência plena a Deus. O que as pessoas chamam de pequenas escolhas pessoais e que estão sob suas administrações e que Deus respeita esse “direito” de decidir se quero ou não, se farei assim ou assado. Na verdade isso é apenas uma variação jeitosamente disfarçada da velha e conhecida rebeldia e desobediência aos estabelecido por Deus. Jacó ouviu: “…a tua descendência será como o pó da terra…” isso é uma promessa de Deus! Isso é garantido e certo! Mas não existe descendência e prole para desfrutar as bênçãos prometidas se não houver casamentos, famílias, geração de filhos, ensinamentos de perpetuar as gerações e conscientização do que é a vontade de Deus e qual o propósito dele com isso e qual o nosso propósito e nossa participação nisso. É claro que Deus pode fazer tudo sozinho; mas ele escolheu contar conosco! Agora estamos vivendo para ver uma ou mais gerações que querem ser abençoados, prósperos, herdeiros das promessas e alianças, mas não querem se casar e ter filhos, porque isso dá muito trabalho e custo muito caro e o mundo tá muito perigoso e para se colocar crianças no mundo; para ser responsáveis e dar bom testemunho é melhor não gerar filhos. Dá para acreditar?! De que profundidade das trevas vem ideias e ideologias tais como essas? Para se ter e se ver “…de geração em geração” o projeto original de se casar e ter filhos e cria-los no temor do Senhor e repetir o processo de geração em geração! Precisa-se orar e crer no que queremos crer e fazer o precisa ser feito para tudo acontecer. Há a parte divina e há a parte humana no processo de criação e formulação dos propósitos eternos.

 

Pai, obrigado por nos permitir ser participantes dos teus santos propósitos. Queremos obedecer em fazer e ensinar a fazer para haja continuidade das bênçãos e das alianças, para sempre e sempre. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Experiencia de Jacó

Meditação do dia 14/06/2019 

 “E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: Eu sou o Senhor Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência;(Gn 28.13)

 A Experiência de Jacó – A nível de registro, essa passagem bíblica é o primeiro registro de uma experiência de Jacó, com o Deus de seu pai Isaque e do vovô Abraão. Agora ele iniciava a sua jornada de andar com Deus, não mais na sombra dos pais, mas com sua própria experiência. Isso foi muito relevante para ele, como o é também para nós. quando iniciamos nossa vida de fé, somos como bebês, dependemos dos cuidados de uma família espiritual que nos acompanhe nos primeiros passos até podermos andar com os próprios pés e futuramente chegarmos à maturidade em Cristo. Aprecio muito as pessoas que vieram de um lar cristão, ou seja, quando nasceram, seus pais e familiares já participavam de uma igreja e assim desde os primeiros dias de vida, foi num ambiente cristão. Essas pessoas, cresceram na convivência e nos trabalhos que sua comunidade lhe proviam e certamente passou por classes e departamentos de EBD, e descobriu seu potencial, os dons e ministérios e sempre participaram da vida e das atividades sem jamais se afastar. Parabéns, fico feliz por você e quero escrever palavras de fé e incentivo para permaneças assim, merece ser honrado com nossas orações e apoio. Vocês possuem um testemunho de fé, vocês conheceram a verdade e não a abandonaram. Se porventura surgiu ou vier a surgir em sua mente aquela sensação de que falta alguma experiência sensacional de conversão e mudança de vida, como vista em pessoas que vieram de uma vida de pecado e fracassos, ou que não cultivavam fé alguma ou uma fé errada e etc. A experiência deles não os torna mais notáveis do que a de vocês! O temor de Deus é o princípio da sabedoria, e ainda que de forma quase informal ou inconsciente, vocês seguirão na vida pelo caminho da Palavra de Deus e confiaram em suas promessas. O justo vive da fé, não dos sentimentos; assim, o que vocês creem e fazem é o que Deus espera de todos os seus filhos. Louve a Deus pela sua vida e o modo como ele encontrou e tratou contigo. Seu testemunho é valioso. Muitos não chegaram a ter a oportunidade de encontrar a salvação e a paz em Jesus, outros só depois de muito sofrimento; mas vocês amaram a verdade desde criancinhas, isso não tem preço. Valorize seu testemunho! Jacó conhecia as promessas e alianças, porque seu pai lhe falava delas e seu avô até aproximadamente os seus 15 anos ainda vivia e ele era um amigão de Deus e o primeiro dessa linhagem e transmitia um grande orgulho de ver seu filho da promessa e ainda dois netos, herdeiros de tudo o que havia na aliança com o Deus eterno. Nessa viagem, logo na primeira noite, ele teve essa notável experiência de sonhar e nesse sonho ouvir Deus falar com ele, chamando-o pelo nome e reafirmando as mesmas promessas, com as mesmas palavras que tantas vezes ouvira de seu pai e de seu avô. Nada substitui uma experiência, nem para Jacó, nem para você e nem para mim. Ainda que façamos parte de uma comunidade liderada por pastores e ministros muito comprometidos e cheias da graça e pessoas de caráter transformados e andam com Deus bem de perto; essas são as experiências deles, não suas, não minhas! Podemos ser filhos de pais muito piedosos, de oração e vidas santificadas e que estão firmes aos pés de Deus e que oram muito por nós; mas ainda assim essas experiências não são nossas, só estão próximas de nós; elas nos abençoam muito e nos estimulam e sustentam, mas precisamos ter nosso encontro pessoal e individual com o Deus da nossa salvação. Se você não experimentou isso, vá para a oração, adoração e consagração de vida, busque em oração e verdadeira santidade e obediência à Palavra de Deus, não descanse até encontrar o seu tesouro. O dia que acontecer você saberá, com certeza!

 

Pai, obrigado por nos receber na sala do trono e oferecer-nos graça e misericórdia em tempo oportuno. Graças de rendemos pela experiência que permites cada um de nós ter contigo, sem lançar fora nenhum dos que te buscam de coração quebrantado e desejoso de te conhecer por experiência e não só de ouvir falar. Intercedo junto a ti por cada leitor, que se despertou por esse assunto de hoje e deseja ardentemente sair da condição de expectador e fazer parte da cena, sendo dirigidos por ti. Agradecemos o teu amor sacrificial em Cristo Jesus, que nos possibilitou isso, e nesse nome poderoso, que oramos agradecidos por um encontro especial com o Senhor, amém.

 

Pr Jason

O Sonho de Jacó

Meditação do dia 13/06/2019 

 “E sonhou: e eis uma escada posta na terra, cujo topo tocava nos céus; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela;(Gn 28.12)

 O Sonho de Jacó – Alguém disse que o potencial de um homem é medido pelos alvos que ele busca atingir. Certamente esse homem tem um sonho e o alimenta continuamente e trabalha para vê-lo realizado. O Sonho de Jacó tem sido o combustível para muitas pessoas ao longo da história. Ele estava saindo de casa, sua base de segurança e em todos os anos de sua vida, ali estava seus planos, sonhos e aspirações. De uma hora para outra, sua vida deu uma guinada que mexeu com tudo, alterou tudo e o resultado foi que ele teria que recomeçar, sem tudo o que conhecia e sem os recursos que sempre estivera á mão. Uma metáfora apropriada para Jacó naquele dia, era a de alguém “sem lenço e sem documento!” Mas ele tinha sim, uma identidade, um destino e uma promessa, pela qual havia batalhado muito; como alguém que se lança para apanhar algo que não está tão ao alcance das mãos e na tentativa acaba empurrando aquilo para mais longe ainda. Quando Jacó pensava que havia alcançado a bênção, descobriu que teria que batalhar mais ainda e para complicar teria que sair de casa, brigado com o irmão, perdera a presença e o apoio materno, estaria fora dos olhos e dos conselhos sábios do pai. Naquela primeira noite fora de casa, numa cama inapropriada e uma pedra por travesseiro, ele conseguiu dormir bem; tão bem que sonhou! E não foi qualquer sonho e nem um sonho confuso e enigmático. As circunstancias em torno dele eram de estresse, preocupações, insegurança e incertezas; mas por dentro ele estava sereno e calmo como um lago bucólico ao luar. No seu sonho havia uma escada intrigante que posto na terra seu topo tocava os céus. Por mais alto que pudesse parecer, ela atingia um objetivo e poderia ser alcançado. Os anjos de Deus, que são auspícios de bondade e bênçãos celestiais, faziam uso daquela escada para subirem e descerem; a escada era transitável. Um sonho que tem como temática tocar os céus e anjos de Deus se relacionando com acesso livre nos dois sentidos, é realmente edificante e seu significado será sempre positivo. Precisamos ter sonhos! Em todos os sentidos, ter sonhos é importante e se eles nos aproximam de Deus e seus propósitos, melhor ainda. Mesmo em meio ao cansaço e fadiga do dia a dia, a comunhão com Deus precisa ser intensa e suficiente para conduzir ao descanso e renovação das forças; e no intercurso do sono, experimentar comunicação construtiva a nível de espírito com Deus e os seus caminhos para nós. Jacó estava começando sua jornada e começava bem.

 

Senhor, Deus de Abraão, Isaque e Jacó; Deus meu e Senhor de todos nós os teus filhos que estamos caminhando em direção à eternidade, construindo o teu reino e crendo que nossos passos estão diante de ti e queremos nos estabelecer neles com fé e direção plena do teu Espírito Santo. Guia-nos pelos teus caminhos eternos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Chegou a Um Lugar

Meditação do dia 12/06/2019 

 “E chegou a um lugar onde passou a noite, porque já o sol era posto; e tomou uma das pedras daquele lugar, e a pôs por seu travesseiro, e deitou-se naquele lugar.(Gn 28.11) 

Chegou a Um Lugar – As jornadas tem seus lugares de parada para descansar, alimentar, matar a sede, se refrescar e observar as necessidades de cuidados pessoais e preparação para recomeçar. Quando se caminha ou viaja por um lugar desconhecido, tudo é novo e incerto, mas o objetivo é chegar ao destino, por isso mesmo os obstáculos ou mesmo as belezas e bondades encontradas, precisam ser deixadas para trás e prosseguir. A vida cristã, oferece e recebe um paralelo muito forte da vida natural; assim como entre as metáforas mais utilizadas por escritores, poetas e pregadores, é a analogia com uma caminhada, mas precisamente uma peregrinação. O cristão sabe, que aqui não é o seu lugar definitivo, ele espera uma nova pátria, um reino onde ele não apenas vai viver, mas ali ele é parte importante e tem responsabilidades com o rei e com o reino. O profeta Miquéias profetizou: “Levantai-vos e andai, porque não será aqui o vosso descanso; por causa da corrupção que destrói, sim, que destrói grandemente.” (Mq 2.10). Temos pequenas paradas e oportunidades de abastecimento e reposição das necessidades da nossa caminhada, e nela também desempenhamos papeis importantes, por servimos aos demais e somos também servidos; desenvolvemos nossos dons e ministérios e prosseguimos com o alvo muito nítido a ser conquistado. Paulo também deixou sua mensagem aos peregrinos: “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (Fp 3.20,21). Ele não escreveu algo assim como se fosse um desejo, ou uma profecia que levantaria o ânimo dos caminhantes, ele tinha precedentes, como do próprio Senhor Jesus: “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho” (Jo 14.2-4). Jacó saiu de casa naquele dia para a sua grande jornada, tanto física e material, quando espiritual. Ele tinha experiências com a sua fé e com o Deus de seus pais e estava debaixo das bênçãos deles e levando consigo as promessas de que seria o herdeiro das alianças feitas por Deus com Abraão e renovadas com seu pai Isaque, e que recentemente lhe fora transmitida na bênção paternal. Agora ele iria enfrentar o primeiro dia do resto de sua vida, como alguém que deixou tudo para trás e caminhava pela fé em direção a um destino humanamente incerto, mas ele podia olhar para frente e desejar prosseguir, porque tudo que Deus tinha para ele estava à sua frente. Ele não sabia muito, até podemos dizer que ele não sabia NADA do que lhe esperava. Isso não é exatamente igual conosco? Você e eu não andamos pela fé com poucas peças de informação, mas com uma confiança muito forte no Deus da nossa aliança e nas promessas que temos? Jacó chegou na primeira noite a um lugar, para ele era apenas um lugar bom para passar a noite; era o que ele percebia, sabia e desejava. Tudo estava sob controle, mas Deus tinha um encontro com ele para lhe revelar coisas novas e grandes. Há o tempo e o lugar escolhido e determinado por Deus e nós precisamos estar no lugar desse encontro no momento certo.

 

Senhor, obrigado por ter em mente encontrar conosco para nos instruir e nos preparar para novas etapas e novos desafios. É preciso sair do conforto e da proteção natural para poder experimentar a grandeza das tuas misericórdias e a segurança das tuas promessas. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Origem e Destino

Meditação do dia 11/06/2019 

 “Partiu, pois, Jacó de Berseba, e foi a Harã;(Gn 28.10)

 Origem e Destino – Pequenos detalhes descritos nas Escrituras podem revelar grandes verdades capazes de mudar o curso da história e particularmente de uma pessoa. Prestar atenção neles então, se torna uma fonte de aprendizado constante. Partir para uma jornada, uma mudança ou iniciativa de realizar alguma coisa, em todos os casos está se tratando de iniciar um projeto. Chegar a um final ou através do caminhar atingir coisas boas, torna o projeto todo um sucesso. Quando mais jovem ouvi de um professor um ensinamento que durou segundos, mas permanece valendo para mim até os dias de hoje, pois foi um princípio e isso não vem com prazo de validade. Na ocasião ele mostrou-nos duas situações de empreendimentos com dois finais diferentes. O primeiro foi a construção da torre de Babel, onde a massa de gente aderiram a um projeto comum e com o qual estavam todos comprometidos, mas uma idéia rebelde e em desobediência a uma ordem de Deus de se espalhar como civilização por toda a face da terra. O final: “Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o Senhor a língua de toda a terra, e dali os espalhou o Senhor sobre a face de toda a terra” (Gn 11.9). Terminou em confusão e dispersão. Outro projeto, foi o de Abraão, Deus o chamou e disse para ir para uma terra que lhe seria mostrado, e ele partiu em obediência e fé. “Assim partiu Abrão como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã. E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã” (Gn 12.4,5). Partiram e lá chegaram. Começar, muita gente começa, todo começa algo novo, mas chegar, concluir com êxito, é bem diferente. Aqui estamos vendo a mesma coisa acontecendo com o neto de Abraão, iniciando um projeto de vida, partindo de Berseba com destino à Harã. Inicio e fim. Ainda temos os acontecimentos intermediários que lhe valeram boas experiências, incluindo um encontro muito especial com Deus e também avistou a mulher dos seus sonhos antes mesmo de chegar à casa do tio. Projetos abençoados, em obediência e dentro dos propósitos divinos, tem tudo para dar certo e ainda prosperar a vida muito além daquilo esperado.

 

Senhor, obrigado por nos dar oportunidades constantes de recomeçar ou mesmo iniciar novos projetos ou novas etapas em nossa caminhada de fé. Pedimos sabedoria e graça para estar em sintonia contigo em todo tempo e honrar ao Senhor em tudo. É a nossa oração dessa manhã e desse dia, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Os Parentes Observam

Meditação do dia 10/06/2019 

 “E que Jacó obedecera a seu pai e a sua mãe, e se fora a Padã-Arã;(Gn 28.7)

 Os parentes Observam – Gostaria de pensar com vocês hoje, sobre a importância do nosso testemunho de vida e de fé, partindo do princípio que ninguém vive isolado e nem somos ilhas; estamos cercados de pessoas por todos os lados e entre todos esses, estão também parentes e familiares. É verdade que gostamos da ideia de que não temos nada a ver com a vida alheia e muito eles tem alguma coisa que ver com a nossa vida. Mas no fundo, no fundo mesmo, as influencias são inevitáveis e fazem parte do pacote da mordomia cristã. Deus espera que tenhamos relações construtivas com todos, incluindo os nossos familiares. Alguém azedamente disse que “parente é água quente!” ou seja, lide com eles com cuidado para não se queimar. Assim também, em tom de deboche, poderíamos dizer que “cada um tem os parentes que merece!” Deixando as farpas de lado e voltando para a piedade cristã, somos sal e luz e como tal, vemos todas as pessoas como alvos do amor de Deus e a nós como instrumentos para que sejam alcançados pela graça salvadora de Jesus Cristo. Mesmo que pareçam distantes ou indiferentes ao que nos acontece ou que fazemos, a verdade é que eles estão de olhos bem abertos sobre nós. Não sendo verdade, então estamos irradiando muito pouca luz e exercendo pouca influencia, de tal modo que estamos na condição de sal sem sabor, e aí complica tudo, no dizer de Jesus: “Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens” (Mt 5.13). Do ponto privilegiado de observação lá em Canaã, na família de Isaque, observamos nos últimos dias que depois daquela situação embaraçosa em busca da bênção do pai, os dois irmãos Esaú e Jacó “ficaram de mal” e Esaú falou que um dia mais pela frente ele se vingaria matando o seu irmão. Diante desses fatos as relações que estavam ruins ficaram piores e os pais se viram na obrigação de agirem para resolverem a situação. Poderíamos imaginar que qualquer um que fosse perguntar algo a Esaú, sobre seu irmão ele diria desdenhadamente que não tinha nada a dizer e que não se importava com nada que dizia respeito ao irmão. Mas percebemos que ele seguia de perto todos os passos do irmão e se ligava no que estava se passando. Ele observou, que os pais tomaram a decisão de enviá-lo para Harã com propósito de acalmar a situação entre os dois, evitar uma tragédia e principalmente para que Jacó se casasse com alguém da linhagem deles, conforme o estabelecido para herança da bênção do Avô Abraão; ainda observou que o pai, novamente abençoou Jacó e que este, tomara a decisão de obedecer os pais em todas essas questões. Estamos falando de que
Esau, estava de olho sim, na vida e no comportamento de Jacó e que as atitudes do irmão mostrou a ele que estava errado em ter casado com moças cananeias e para agravar mais ainda, o relacionamento delas com os pais dele não era nada construtivo e promissor. Jacó tomou decisões de obediência e fidelidade aos princípios de sua fé; esses resultados viriam a aparecer mais para frente, pois era o início do processo de semear; mas Esaú já se viu na obrigação de se movimentar e tomar medidas para melhorar as coisas. Mas o modo de agir de quem tem um coração endurecido, pouca valorização do sagrado, não pode produzir decisões melhores, apenas diferentes, mas alinhada com o pecado e a natureza dominada pela carne. Salomão disse algo muito sábio e profundo: “O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável” (Pv 28.9).

 

Senhor, pedimos graça para sermos obedientes em resposta ao teu amor e à retidão dos teus princípios. Desejamos alinhar os nossos corações ao princípios de vida e paz que agradam a ti e produzem bênçãos para todos nós. Em nome de Jesus, amém!

 

Pr Jason

A Despedida de Jacó

Meditação do dia 09/06/2019 

 “Assim despediu Isaque a Jacó, o qual se foi a Padã-Arã, a Labão, filho de Betuel, arameu, irmão de Rebeca, mãe de Jacó e de Esaú.(Gn 28.5)

 A Despedida de Jacó – Despedir-se nem sempre é fácil; mas faz parte das etapas da vida. Elas podem sinalizar o fim de um período e o começo de um novo ciclo no processo de maturidade e crescimento. Pais e filhos, normalmente sentem quando isso tem que acontecer; às vezes precedidos de ansiedade, insônia, tristeza e apreensão. Outras vezes nem tanto e também o contexto de cada um significativamente alivia ou aumenta essas manifestações. Alguns ao sair de casa, vão para um lugar já programado, conhecido e de referencia, mesmo já frequentado por outros familiares e até já faz parte da tradição familiar. Em outras situações, tudo é novo para todos; aí sim envolve um pouco mais de emoções e confiança. Biblicamente, os filhos terão que fazer essa jornada, pois à medida que se tornam adultos, precisam assumir suas responsabilidades e construírem suas vidas. Entendemos também como linguagem figurada, que SAIR pode necessariamente ser ir embora, para perto ou para longe, como também pode significar apenas, sair da responsabilidade e cuidados da família e se assumir e cuidar de si. Há muitos casos em que as pessoas moram distantes uns dos outros, sem contudo jamais terem “saído” de casa; enquanto também há casos em que ainda permanecem pertos, e até na mesma casa, mas está fora de casa, já independente. Quando essa hora chega, o ideal é que as relações pessoais estejam boas e em alto nível, caso contrário haverá pendencias emocionais e afetivas que deixarão suas marcas e as duas partes sentirão muito ou o processo de maturidade e independência não se efetivará. Os pais e os filhos precisam se preparar para essa fase também, pois qualquer que seja a necessidade que venha a ocorrer, precisará de maturidade e desenvolvimento de ambas as partes e capacidade de discernir os propósitos e o tempo de Deus nisso tudo. Jacó, aqui, foi liberado, abençoado e enviado, para cumprir o seu propósito e seu destino. É muito significativo observar que Isaque referiu de forma muito enfática que aquela viagem e aquela separação tinha um propósito e uma relação com a aliança, a herança e o destino por muitas gerações à frente do tempo deles: “E te dê a bênção de Abraão, a ti e à tua descendência contigo, para que em herança possuas a terra de tuas peregrinações, que Deus deu a Abraão(Gn 28.4). Permita-me frisar alguns pontos: a. Receber a bênção de Abraão; b. Ele (Jacó); c. Descendencia dele e com ele; d. Possua em herança (legado de pai para filho); e. A terra de Canaã, onde peregrinou). Proteção e cuidado são naturais nos pais, mas isso não pode ultrapassar certos limites, para se tornar superproteção, e subserviência dos filhos. Cada indivíduo tem suas próprias características e níveis de dependência de cuidados e apoio. Os mais afoitos e desejosos de se livrar da autoridade dos pais, precisam de certas doses de disciplina e maturidade, para não sair antes do tempo ou sem o devido preparo. Aqueles mais dependentes e tímidos em tomar iniciativas, precisam ser estimulados a exercer criatividade e segurança em suas decisões. Para os pais, os filhos sempre serão “pequenos e indefesos” e se muitos se valem disso para postergar a liberação deles para a fase adulta. Como pais cristãos e cientes de que são ministros de Deus para seus filhos encontrarem suas identidades e destinos, precisamos de orientação do Espírito Santo e confiança nos ensinos da Palavra de Deus, para nos sentirmos seguros com o trabalho que fizemos e com a capacidade do Senhor continuar a boa e grande obra em suas vidas.

 

Pai, graças te rendemos, pela tua capacidade de cuidar de nós em todo tempo e circunstancias. Não há nada que peças para nós, ou nos ordenes, que não tenhas experimentado e também a condição de sua graça se fazer presente. Podemos confiar em ti e na tua multiforme sabedoria para abençoar os nossos filhos e fazer deles tudo aquilo para o qual eles foram criados e dados a nós, os pais, para cuidarmos deles e prepara-los para as demais fases de suas vidas. Oramos por sabedoria e discernimento espiritual para fazermos bem feito a nossa parte, nessa etapa de crescimento e amadurecimento na vida deles, como filhos, pessoas, adoradores e servos do Senhor, agora e para sempre, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Bênção de Abraão

Meditação do dia 08/06/2019 

 E te dê a bênção de Abraão, a ti e à tua descendência contigo, para que em herança possuas a terra de tuas peregrinações, que Deus deu a Abraão.(Gn 28.4)

 A Bênção de Abraão – Eu gosto muito dessa conversa, sobre receber a bênção de Abraão. Primeiro porque ser abençoado é muito bom. Segundo, porque ser abençoado com a mesma bênção com que Abraão foi abençoado com procuração para transmiti-la para seus filhos de geração em geração é muito especial. Terceiro porque em Cristo sou um descendente de Abraão. Ele é o pai da Fé para todos aqueles que tem fé exercida em Cristo. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito” (Gl 3.13,14). Se acredito que Cristo me resgatou da maldição da lei, e acredito e vivo livre disso; se acredito que Cristo se fez maldição por mim, e creio sem dúvida alguma; então porque não crer que a bênção de Abraão chegue também até mim, que até então era gentio, mas em Cristo isso mudou completamente pela fé; também se posso receber a plenitude do Espírito Santo como promessa, e recebi, e desfruto disso, porque então não procurar conhecer mais sobre a bênção de Abraão e seus efeitos na minha vida. Eu acredito, e por isso corro atrás de conhecimento e assim praticar os princípios que a faz funcionar e saturar a minha vida. “E fosse pai da circuncisão, daqueles que não somente são da circuncisão, mas que também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, que tivera na incircuncisão. Porque a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo não foi feita pela lei a Abraão, ou à sua posteridade, mas pela justiça da fé” (Rm 4.12,13). A bênção de Abrão, ou que ele recebeu era tríplice, para dizer pouco: a. Ela incluía a posse de uma terra prometida e bens materiais, que sabemos que aconteceu de fato. b) Incluia uma bênção familiar e geracional com vida e saúde. Ele nem mesmo podia gerar filhos e veio a alcançar isso aos cem anos de idade. c) Abrangia a vida espiritual, pois ele se tornou o Pai da Fé, o Amigo de Deus e abençoador de todos os que o abençoarem. Não faltou nada em nenhum aspecto da vida dele. Só para esclarecer: não sou adepto da linha positivista e muito menos da “negativista” – não sou da Teologia da Prosperidade, mas também não sou da Teologia da Miserabilidade. Minha batalha sempre foi, é e será por uma fé bíblica, simples e dependente da graça de Deus. O melhor que Deus tem para mim é Jesus e sua obra redentora e nele posso todas as coisas e seu propósito sempre será bom, perfeito e agradável a todos os que dependem dele. Falei e disse!

Pai, obrigado por se revelar ao teu amigo Abraão e fazer dele um homem de fé e bem sucedido em tudo. Por causa daquela fé e relacionamento, hoje podemos nos achegar a ti com ousadia e intrepidez na sala do trono. Obrigado, porque em Cristo todos nós podemos ter a nossa própria experiência contigo e andar nas pisadas do nosso patriarca espiritual. Obrigado, Senhor Jesus! Amém.

Pr Jason