Débora, a Ama de Rebeca

Meditação do dia: 18/09/2021

“E morreu Débora, a ama de Rebeca, e foi sepultada ao pé de Betel, debaixo do carvalho cujo nome chamou Alom-Bacute.”(Gn 35.8)

Débora, a Ama de Rebeca – Te convido a vir conosco nessa jornada de meditar sobre a vida de mulheres, que originalmente não faziam parte do povo de Deus, mas que entraram para a história e merecem o nosso respeito e consideração. Desde quando iniciei na leitura da Bíblia, esse versículo incrustrado como um diante em meio a uma rocha, me chamava a atenção e me perguntava, o por que dessa mulher ter esse registro tão diminuto, mas que deveria ter um significado, porque nada na Bíblia é dito de uma vez e nem de uma vez por todas; é preciso paciência, perseverança até alcançar sabedoria para apreciar pequenas coisas. O primeiro destaque que faço sobre Débora, (Deborah, no Hebraico) significa “Abelha.” Seu nome só é citado aqui, quando de sua morte. Uma vida toda de serviço e dedicação e quando morre, seu nome é lembrado. Isso não é ruim, nem descaso, mas é uma honra e um tributo que Deus fez questão de deixar registrado na sua Palavra, a uma pessoa que se caracterizou por servir aos servos de Deus. A primeira aparição dela foi quando Rebeca aceitou a proposta de casamento de Isaque levada a ela por Eliézer o servo de Abraão, que fora até Harã na casa dos familiares de Abraão para que Isaque se casasse com alguém da sua própria linhagem. Quando Rebeca aceitou o pedido e partiu para Canaã, Débora, que era sua ama, foi com ela. “Então despediram a Rebeca, sua irmã, e sua ama, e o servo de Abraão, e seus homens. E Rebeca se levantou com as suas moças, e subiram sobre os camelos, e seguiram o homem; e tomou aquele servo a Rebeca, e partiu” (Gn 24.59,61). Débora deixou sua terra, sua família e seus costumes para acompanhar Rebeca e a servir. Ela se tornou parte daquela família, conhecendo Abraão, Isaque e deve ter sido também a ama de Jacó e Esaú. Registros não bíblicos dão conta que ela depois de certo tempo passou a viver com Jacó e sua família, isso provavelmente depois da morte de Rebeca, com quem ela era muito ligada, deve ter visto Rebeca nascer, crescer, se casar, ter filhos conforme a promessa e a bênção de Deus e estar com sua senhora até quando morreu. Não é preciso exercício de raciocínio para acreditar que ela esteve presente em todos os grandes momentos de Rebeca, na luta para ter filhos, na gestação de gêmeos briguentos no ventre e depois ver os meninos crescerem e um dia se separarem. Deve ter sofrido com Rebeca ao ver as decisões de Esaú e a saudade que sentia de Jacó tão distante. Aqui acredito estar a razão dela ter ido viver com Jacó quando não mais tinha Rebeca para assistir. A importância dela era sem dúvida marcante na vida de Jacó, pois ao falecer, ele a sepultou num lugar muito especial e marcante, em Betel, local onde ele encontrara Deus quando saíra de casa exilado. Ele a sepultou debaixo de um carvalho e chamou aquele lugar de “Alom-Bacute” que significa “Carvalho do pranto, ou do choro.” Por uma questão de dias, talvez menos que uma semana depois, nasceria Benjamim, o caçula de Jacó e Raquel, com toda certeza, Débora queria muito participar dessa emoção, pois depois de criar Rebeca, os filhos dela e ver Jacó casado com as duas sobrinhas de sua senhora e ainda poder participar do nascimento de um dos filhos de Jacó seria a coroação de uma vida de sucesso. Mas ela se foi, e logo em seguida, foi Raquel também, quando teve trabalho no parto. Jacó perdeu duas mulheres importantes de sua vida em poucos dias, e isso a história não conta, mas está nas entrelinhas. Minha aplicação é para as pessoas que dedicaram uma vida inteira em servir e abençoar pessoas e famílias, alguns que criaram seus próprios irmãos, ou sobrinhos e até netos ou filhos de amigos ou se dedicou a tal ponto que sua história ficou esquecida. Não esquecida diante de Deus, como foi com Débora! Sua maior recompensa é a satisfação de um trabalho bem feito, ter cumprido seu papel. O servo verdadeiro, é anônimo e importa que o seu senhor ou senhora seja conhecido (a) e honrado. Não existe grande servo, ou é grande ou é servo. Mas diante de Deus não existe essas distinções e a história de Débora, com um único versículo prova isso. Quando chegarmos na eternidade, poderemos encontrar muitas dessas pessoas que foram anônimas, desconhecidas, invisíveis até aos olhos de muitos, mas não de Deus. Um testemunho, de muitos textos e meditações que escrevi até hoje, houve muitos emocionantes, belos, mas esse foi especial, o escrevi com o coração apertado e os olhos marejados e parei algumas vezes para abrandar a emoção. Débora, me desculpe, por não ter prestando tanto atenção na sua vida e no seu exemplo. Tiro o chapéu para você, e pode aguardar, vou te cobrar um abraço daqueles que talvez só Jacó tenha ganhado. A gente se vê!

Senhor, agradecemos pela vida de serviço, Débora fez parte da formação do seu povo e estava presente e disponível para servir sempre que as matriarcas e os patriarcas precisavam. Ela conheceu todos eles, aprendeu a conhecer ao Senhor através deles e abençoou suas vidas. Queremos servir a ti e às pessoas que farão toda a diferença no teu reino. Esse é o nosso tempo e a nossa vez. Agradecemos a Jesus pelo exemplo de  servir e nos conduzir a seguir seu modo de vida. Abençoados somos e abençoados seremos pela fidelidade àquilo que é esperado de nós. Em o nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Agar, a Egípcia

 Meditação do dia: 17/09/2021

“Assim tomou Sarai, mulher de Abrão, a Agar egípcia, sua serva, e deu-a por mulher a Abrão seu marido, ao fim de dez anos que Abrão habitara na terra de Canaã.” (Gn 16.3)

Agar, a Egípcia – Vamos começar nossa série sobre as mulheres de origem estrangeiras que de alguma forma, marcaram a história do povo de Deus e tem seus nomes registrados para o tempo e a eternidade. Começaremos por Agar, mas não será mais do mesmo, uma repetição, porque já escrevemos uma série inteira sobre essa mulher e foi muito abençoador. A série até se tornou um livro que foi dedicado às mulheres da Igreja Batista Monte das Oliveiras, aqui em Guararapes, por ocasião do Dia Internacional da Mulher, em Março deste ano. Ao escrever agora nessa nova temática, entendi que ela merece muito estar na lista, porque para todos os efeitos, consideramos que Israel e por extensão o povo de Deus, começa com Abraão, o nosso pai da fé; e Agar fez parte importante da vida dele e por causa das promessas de Deus e nas tomadas de decisões ela se viu envolvida e gerou um filho do patriarca. Sem o bairrismo de amarmos a Israel e descendermos espiritualmente deles e por ter os descendentes de Ismael como rivais em muitas coisas, não podemos deixar de apreciar o agir de Deus na vida de Agar, tanto é que por ela ser quem era e fazer o que fez, agindo em fé e obediência a Deus, foi abençoada e ganhou sua própria promessa de Deus. Isso não é pouca coisa! “Disse-lhe também o anjo do Senhor: Eis que concebeste, e darás à luz um filho, e chamarás o seu nome Ismael; porquanto o Senhor ouviu a tua aflição” (Gn 16.11). Ela era uma serva de Abraão e Sara; era uma egípcia; era uma mulher vivendo num contexto histórico e cultural muito difícil à luz do que entendemos hoje, mas não era invisível aos olhos de Deus. Ela sofreu, foi afligida e não tinha meios legais e humanos de fazer valer quaisquer direitos pessoais, mas Deus a contemplou e a socorreu e lhe deu uma grande promessa. Mais importante do que receber uma revelação de Deus é ter fé coragem de obedecer e acreditar até ver aquilo se cumprir. Agar foi esse tipo de mulher de fé, que serve de exemplo e modelo para qualquer mulher atual. Observe bem o que lhe foi dito: “E disse: Agar, serva de Sarai, donde vens, e para onde vais? E ela disse: Venho fugida da face de Sarai minha senhora. Então lhe disse o anjo do SENHOR: Torna-te para tua senhora, e humilha-te debaixo de suas mãos. (Gn 16.8,9). O anjo lhe ordenou voltar e se humilhar para sua senhora e ele voltou e se submeteu, porque agora ela tinha a sua própria promessa e aquele era o caminho de Deus honrá-la. Se ela não recebeu livramento da situação, ela o recebeu na situação. Pelo fato do filho que nasceria ser filho de Abraão, o amigo de Deus, esse menino levaria as marcas de descender de uma pessoa boa e justa, de muita comunhão com Deus e comprometido com a vontade Deus, assim Ismael seria naturalmente um homem abençoado. “E quanto a Ismael, também te tenho ouvido; eis aqui o tenho abençoado, e fá-lo-ei frutificar, e fá-lo-ei multiplicar grandissimamente; doze príncipes gerará, e dele farei uma grande nação” (Gn 17.20). Deus até antecipou que Ismael teria doze filhos e se multiplicaria grandissimamente em grande nação, sendo também o cumprimento da promessa de que Abraão seria pai de muitas nações. Quero aplicar aqui como se fosse uma conclusão, para mim, para todos os adoradores de Deus e uma palavra para as mulheres cristãs – Acontecem e acontecerão muitas coisas em nossas vidas, que por alguma razão foge ao nosso controle ou responsabilidade e somos premidos e até obrigados a agir como não gostaríamos, como aconteceu com Agar. Ela não foi imoral, indecente, leviana, mas ainda assim se viu numa situação sem direito de escolha como pessoa humana, tornou-se uma consorte para gerar filhos para sua senhora. Ele não pediu e não buscou aquilo, ela talvez tivesse seu próprio sonho e esperava ter uma família. Mas Deus cuidou dela e cuida de nós em TODA e QUALQUER situação; nada está fora ou longe do governo de Deus e não podemos deixar de acreditar no seu amor e no seu propósito, ainda que não vejamos da nossa ótica como isso acontecerá, mas podemos crer. Mudanças de rotas podem ser caminhos alternativos de Deus para alcançarmos algo melhor do que o bom que estamos querendo. Agar, já ouvira sobre Deus através de seus senhores Abraão e Sara, mas agora ela teve a sua própria experiencia e se tornou uma adoradora e deixou um memorial para a posteridade que eternizava sua fé. “E ela chamou o nome do Senhor, que com ela falava: Tu és Deus que me vê; porque disse: Não olhei eu também para aquele que me vê? Por isso se chama aquele poço de Beer-Laai-Rói; eis que está entre Cades e Berede” (Gn 16.13,14). Tenha sua própria experiencia com Deus e não viva na sombra da experiencia de seus pais, seu pastor, sua igreja. Ao falar com Deus e sobre Deus diga: “O meu Deus que me vê!”

Senhor Deus que me vê, me conhece, me ama e me aceita! Diante de ti não há nada encoberto, longe ou difícil demais para que não possas me abençoar ou oferecer cuidado e respostas. Neste dia, queremos louvar-te por nos acolher em amor e nos socorrer nos momentos difíceis ou até mesmo naqueles nos quais não temos controle, mas entregamos a nossa vida e todos os cuidados em tuas mãos, pedindo graça e sabedoria para agirmos como verdadeiros adoradores daquele que sempre está conosco. Abençoamos a vida de cada mulher que está ao alcance da nossa intercessão, para que se levantem no poder do teu Espírito, para um dia de bênçãos e vitórias, onde estão e pela fé poderão transformar a situação presente e difícil num testemunho do poder do teu amor. Renove as forças das tuas filhas e como Agar, que elas tenham uma visão nova de tua glória, do teu caráter e do teu poder. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Estrangeiros?

Meditação do dia: 16/09/2021

“Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;” (Ef 2.19)

Estrangeiros? – Com esse texto da meditação de hoje, pretendo fazer uma ponte ligando uma idéia que venho alimentando a algum tempo, que por sinal continuará alinhado com o propósito de meditar sobre a Palavra de Deus, também de forma temática, baseando-me também em personagens bíblicas cujas histórias considero relevantes para meu crescimento espiritual e humano. O texto escolhido para hoje pode não ser o tema e nem estar tão inserido na proposta, mas serve muito bem encabeçar. Outra questão é que entre os textos sobre José, que fechamos ontem e o próximo personagem, que mui provavelmente será Moisés, eu resolvi dar uma atenção a um tema feminino, mas nem por isso, mas pelo papel dessas mulheres na história de Israel e do povo de Deus no passado e que serve de lastro para muita coisa que conhecemos e experimentamos na Nova Aliança. Quero destacar nos próximos dias e inicialmente não pretendo alongar muito, mas estou pretendo escrever sobre algumas mulheres que originalmente eram “estrangeiras” (me permitam usar esse termo, que não é adequado para todas); por que elas adentraram no povo de Deus e cavaram seus espaços e foram pessoas muito importantes naquele contexto. Hoje então, não irei falar sobre nenhuma delas, dando um spoiler para vocês, mas apenas introduzindo o assunto dos próximos dias. Como servos de Deus, adoradores do Senhor único e Criador de todas as coisas e isso inclui todos os povos, sabemos que Deus não faz acepção de pessoas, “E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas” (At 10.34) Deus é Deus e está muito acima dessas questiúnculas humanas separatistas e que gostam de segregar uns e superestimar outros, as vezes até rotulando de forma muito abrangente a todos, como se todos fossem iguais. “Meus irmãos, não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores” (Tg 2.1,9). No trata diário como pais e como família sabemos que uma das coisas mais desiguais que existe é quando os tentam tratar a todos os filhos iguais, mesmo sabendo que são diferentes, com características, personalidades, gostos e preferencias. No afã de ser justos incorrem exatamente no contrário, sendo justamente injustos. Então, vou deixar em suspense os corações de vocês e o meu também, porque permitindo que o Espírito Santo nos oriente conforme a sua unção preciosa, vamos escrever seguindo a direção desse vento do Espírito e pode ser que nem utilizemos uma sequencia lógica, seja cronológica ou de determinados graus de importância e autoridade que elas exerceram. Bem-vindos às cenas dos próximos capítulos das mulheres super poderosas da nossa história.

Senhor Deus e Pai, agradecemos pelas pessoas que vieram a fazer e construir a história do teu povo aqui na terra e nos serviram de modelos e pudemos tirar lições de suas experiencias. Queremos demonstrar  respeito e consideração por cada pessoa que tem a sua história e como todo ser humano, precisa de redenção em Cristo Jesus. Obrigado pela minha vida vida e a minha história e de tantas outras pessoas que foram alcançadas pela graça infinita e bondosa do Senhor. Agrademos de coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Pela Fé

Meditação do dia: 15/09/2021

“Pela fé José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca de seus ossos.” (Hb 11.22)

Pela Fé – É fascinante tudo o que temos na Bíblia e na história do povo de Deus sobre a fé. Não menos fascinante é que com todos os seus predicados, não temos textualmente na Palavra de Deus uma definição de fé. O mais próximo disso que em muitas ministrações cumpre esse papel, sem o ser é o primeiro versículo do capitulo onze da Carta aos Hebreus. “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11.1). É mais fácil descrever a fé do que defini-la. Esse capítulo particularmente é dedicado ao assunto fé; os mais poéticos chamam-no de “A Galeria dos Heróis da Fé.” Convenhamos que realmente é um título que faz jus às suas descrições e narrativas. Os antigos, ou os primeiros a andarem com Deus, o fizeram pela fé e obtiveram bons resultados e deixaram suas vidas e registros como testemunho para as novas gerações, das quais você e eu agora fazemos parte, como igreja militante. Igualmente pela mesma fé, deles e nossa entendemos que os mundos e tudo que há foram criados e aceitamos pacificamente a verdade bíblica como saudável e suficiente para dar a credibilidade que precisamos para fundamentar nossa fé no Deus Criador e nos recursos por ele utilizados. Nossa fé em nenhum momento entra em choque ou rota de colisão com a ciência, muito pelo contrário, a ciência é uma bênção da multiforme sabedoria e graça de Deus distribuída aos homens como dádiva e cumpre muito bem o seu papel de validar tudo o que a Palavra de Deus afirma. É a fidelidade de Deus e capacidade de perfeição que possibilita leis tão precisas e fixas no universo, permitindo assim a factilidade científica. A sabedoria e o conhecimento são dons de Deus, tanto quanto a fé. “Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz” (Dn 2.20-22). Somos dirigidos pela nossa fé e ela base segura. “Mas o justo viverá pela fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele” (Hb 10.38). O Escritor aos Hebreus incluiu José na galaria daquelas pessoas ousadas e que fizeram a diferença nos seus tempos, lançando as bases para que após eles, pudessem ser edificadas todas as próximas etapas do maior projeto de Deus em relação à humanidade. Pela fé, próximo de sua morte, ele mencionou aos que as promessas de Deus estavam logo à frente, para que eles perseverassem firmes e levassem seus restos mortais, porque ela queria ficar na posse daquilo que dentro de seu coração, pela fé, a promessa sempre estivera de pé. Estamos vivendo sob os auspícios da iminente volta de Cristo à terra para cumprimento de sua promessa de levar a sua igreja e consumar a obra da redenção, incluindo as etapas de restaurações e purificações necessárias e descritas para os finais dos tempos. Divisamos isso pela fé! As aparências do mundo ao nosso redor, de que tudo está muito firme, muito consolidado e que as coisas sempre serão como sempre foram, é uma ilusão e uma armadilha para quem estiver desprevenidos na fé. Vivemos, trabalhamos e servimos aqui, mas não somos daqui e nem pretendemos ficar aqui. Deus tem coisas melhores para todos nós.

Senhor, obrigado por alimentar a nossa fé com a esperança firme de que todas as tuas Palavras se hão de cumprir a seu tempo. Pela fé podemos esperar confiantes e firmes a cada dia. Te louvamos de todo o nosso coração e nos fortalecemos na fé através das verdades eternas do Senhor. Oramos com gratidão em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Dá Graça e Sabedoria

Meditação do dia: 14/09/2021

“E livrou-o de todas as suas tribulações, e lhe deu graça e sabedoria ante Faraó, rei do Egito, que o constituiu governador sobre o Egito e toda a sua casa.” (At 7.10)

Deus Dá Graça e Sabedoria – Nosso propósito nunca foi escrever temas doutrinários. Sempre fiz questão de reafirmar que o propósito principal dessas meditações é a busca por alimento saudável na Palavra de Deus, sem viés doutrinário. Primamos por teologia saudável, até porque é ingrediente primordial para uma vida devocional equilibrada e abençoadora. Mas o foco não está em defender teses de doutrinas e ensinamentos, mas buscar de forma contemplativa e reverente, absorver as delícias de um banquete proporcionado pelo Espírito Santo ao investirmos nosso tempo, atenção e intenção na prática da meditação bíblica. A graça de Deus é um tema muito gostoso de se estudar, quer como doutrina ou mesmo como devoção. Ela está presente no toda da vida cristã, à começar pela salvação. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie (Ef 2.8,9). Outras manifestações da graça de Deus expressa nas Escrituras que muito nos chama a atenção e uma delas foi uma revelação que o Apóstolo São Paulo teve, quando buscava a Deus por livramento de uma ação contra sua vida que muito o incomodava e então o próprio Senhor lhe falou: “E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo” (2 Co 12.9). Deus respondeu sua oração, não como ele queria, mas como precisava e foi assim que ele assimilou a vontade de Deus e passou a viver focado em ser um instrumento de poder nas mãos do Senhor, ao invés de livramento pessoal. Outra menção dessa graça maravilhosa é nos Salmos e ela me parece tão profunda, que não acredito que já a tenha entendido numa profundidade madura o suficiente, ainda preciso de graça sobre essa compreensão. Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam. (Sl 63.3 ARA). Na versão Corrigida em português, Graça é traduzida por “benignidade.” No nosso texto de hoje, Estevão no seu discurso perante as autoridades religiosas, testemunha que a história do seu povo foi marcada pela operação poderosa de Deus, através de pessoas que se dispuseram a servi-lo, também servindo aos próximo e até às pessoas que lhe tentaram fazer mal. Deus deu graça e sabedoria a José! Não temos nenhuma sombra de dúvidas sobre isso. Um jovem simples e pacato sendo instrumento tão poderoso para provocar mudanças e quebrar paradigmas, com ações de muita sabedoria, fé e ousadia em falar e agir em nome do seu Deus único. Ainda quando iniciante ali no Egito, José fez escolhas de fazer a diferença e se apegar à sua fé, mesmo que tivesse que tomar posição sozinho, ele o fez. José esteve por muitos anos no Egito, mas o Egito nunca esteve dentro de José. Nada daquilo que era contra a sua fé, seus costumes e tradições, ele manteve separado e sem se contaminar. Lembrando que as nossas escolhas revelam o nosso caráter. José foi agraciado, e não havia como ser diferente.

Deus de toda a graça e bondade, agradecemos pelo seu amor demonstrado por nós através de Jesus Cristo, teu amado filho. Ele deixou a sua glória e a eternidade para vir ao nosso mundo e ao nosso sistema corrompido e marcado pelo egoísmo, mas ele nos amou de tal maneira que deu sua vida para nos ter de volta na família de Deus. Agradecemos, por agora podemos alcançar a salvação pela graça, sem nenhuma intervenção nossa na tentativa de pagar por aquilo que não temos recursos. Receba nossas vidas como ofertas de amor e gratidão na condição de filhos amados, adotados legitimamente, pela adoção do Espírito Santo. Para glória de Deus, através de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Presente na Vida

Meditação do dia: 13/09/2021

“E livrou-o de todas as suas tribulações, e lhe deu graça e sabedoria ante Faraó, rei do Egito, que o constituiu governador sobre o Egito e toda a sua casa.” (At 7.10)

Deus Presente na Vida – Minha intenção, se me permitem compartilhá-la sobre o fechamento dessa série sobre José, seria caminhar na mesma pegada de fé que guiou sua jornada terrena até entrar no descanso merecido com as devidas honras de seus familiares e da corte egípcia, enquanto durou aquela dinastia. Essas descrições que encontramos em Atos são fatos conhecidos, comprovados e aceitos pela comunidade israelita por muitos séculos; as histórias eram contadas e recontadas para serem lembradas, servissem de guias para as novas gerações. O advento da igreja de Cristo, nascendo dentro do judaísmo e das mesmas tradições de fé no Deus único e que cumprira suas promessas até a chegada do Messias, ainda que não reconhecido por todos eles. Aqui está um cristão, diácono da igreja em Jerusalém, diante das altas autoridades da nação e da fé deles, testemunhando e fazendo a aplicação das histórias do seu povo, no caminho da redenção através de Jesus Cristo, que para esses novos seguidores não havia nenhuma dúvida de quem Jesus era e como ele estava conectado a todas as promessas de Deus e dentro das alianças patriarcais. Estevão, tinha conhecimento e raiz profunda na cultura e na tradição de seu povo, como nas doutrinas e leis espirituais da Palavra de Deus. Meu destaque hoje é para as declarações feitas de que Deus “livrou a José de todas as suas tribulações” – É fato que Deus esteve com José o tempo todo e em todas as circunstancias que lhe ocorreram. É fato que Deus está conosco, hoje, agora no século 21 tão presente e tão cuidadoso quanto o foi com José. Quando olhamos detalhadamente para os fatos, e pudemos ainda que de forma simples e rasa, ler, meditar e pensar sobre quase todos os registros sobre José, mas como a Bíblia é viva e eficaz, com certeza não cobrimos tudo e voltando a meditar, aprenderemos muitas outras verdades que se apresentam novas a cada dia. As lutas, provas, tribulações e sofrimentos que se abateram sobre aquele jovem, foram de fato, instrumentos e ferramentas nas mãos poderosas de Deus para trabalhar o seu caráter, aperfeiçoar suas habilidades, torna-lo disciplinado e produtivo. Essas ainda são as razões porque você e eu passamos pelos mesmos processos da escola de Deus. E as Escrituras todas, concordam que são para o nosso bem. “Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados. Mas espero que entendereis que nós não somos reprovados” (2 Co 13.5,6). “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações; sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma” (Tg 1.2-4). Ninguém gosta, naturalmente de passar aperto, provação e tribulação. Eu não gosto disso, tanto quanto não gosto de tomar vacina, injeção, ir ao dentista ou fazer assepsia de ferimentos. Mas  todas essas coisas são boas nos seus resultados e o incômodo é menor que os males que elas previnem. Em João 15, ao falar sobre a videira verdadeira, que Jesus admitiu ser ele mesmo em quem todos nós devemos estar ligados, ele citou a importância da disciplina do agricultor, que no caso é Deus, para uma maior produtividade. “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado” (Jo 15.1-3). Aceitemos com humildade e singeleza as correções e disciplinas de nosso Pai celestial, para nosso crescimento e sua honra e glória.

Senhor, nos te adoramos em todo tempo e o queremos fazer com alegria e discernimento em sabedoria espiritual. Graças te damos por não desistir de nós e não nos deixar à própria sorte, sem disciplina e sem tratamentos. Reafirmamos a nossa condição de filhos e servos, aceitos, amados e acolhidos na tua família, para propósitos eternos e grandes, maravilhosos e que serão glória para o teu nome. Através de Jesus, aceita e recebe o nosso culto e a nossa adoração, partindo de corações agradecidos, em Cristo, por Cristo e para Cristo, eternamente, amém.

Pr Jason

Ruben & José

Meditação do dia: 11/09/2021

“Quanto aos filhos de Rúben, o primogênito de Israel (pois ele era o primogênito; mas porque profanara a cama de seu pai, deu-se a sua primogenitura aos filhos de José, filho de Israel; de modo que não foi contado, na genealogia da primogenitura,” (1 Cr 5.1)

Ruben & José – Que diferença faz? O tempo se encarrega de apagar tudo! Já ouvimos isso muitas vezes e por diversas razões, mas é quase unanimidade que é sobre fazer coisas erradas, não acertar ou consertar e tocar a vida para frente como se nada houvesse acontecido. Imaginamos que se tudo começasse no nascimento e tudo acabasse na morte física, quem sabe seria uma alternativa aceitável ou no mínimo racional. Mas nem as filosofias e religiões de origem não cristãs e até pagãs lutam com uma tal eternidade ou vida pós-morte, para melhor ou para pior em conformidade com as ações praticadas em vida. O cristianismo acredita piamente que começamos a vida na concepção e entramos pela eternidade à dentro, certos de que essa vida física e material aqui é uma passagem temporária, depois que o pecado entrou na história humana e a obra da redenção foi levada a efeito num propósito eterno através do sacrifício vicário de Cristo lá na cruz no Monte Calvário nos arredores de Jerusalém, no início da nossa “era cristã. Os antigos hebreus, ainda nos tempos dos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó (Israel), cultuavam a Deus, o criador o sacerdócio da fé era exercido pelo pai de família, que passava o legado ao filho mais velho, que era treinado para ser o líder e o sacerdote. Quando da distribuição da herança, ele recebia o dobro de bens e propriedades que os demais irmãos, justamente por se dedicar a cuidar da liderança e religiosidade dos demais e tendo assim menos tempo para cuidar dos negócios. Jacó teve doze filhos, o primogênito era Ruben, filho de Lia. Seria preparado para sua função, mas antes disso ele “aprontou” praticando imoralidade sexual, com uma concubina de seu pai, serva de Raquel e mãe de Dã e Naftali. Por essa atitude Ruben foi desclassificado e perdeu o direito de primogenitura e liderança. “Rúben, tu és meu primogênito, minha força e o princípio de meu vigor, o mais excelente em alteza e o mais excelente em poder. Impetuoso como a água, não serás o mais excelente, porquanto subiste ao leito de teu pai. Então o contaminaste; subiu à minha cama” (Gn 49.3,4). Por motivo de violência desmedida os dois próximos na linha de sucessão foram também alijados, “Simeão e Levi são irmãos; as suas espadas são instrumentos de violência. No seu secreto conselho não entre minha alma, com a sua congregação minha glória não se ajunte; porque no seu furor mataram homens, e na sua teima arrebataram bois. Maldito seja o seu furor, pois era forte, e a sua ira, pois era dura; eu os dividirei em Jacó, e os espalharei em Israel” (Gn 49.5-7). A liderança caiu para Judá, o quarto filho de Jacó e Lia. “Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de teus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho, da presa subiste, filho meu; encurva-se, e deita-se como um leão, e como um leão velho; quem o despertará? O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos” (Gn 49.8-10). O direito da herança dupla Jacó passou para o primogênito dele com Raquel, a esposa amada, assim José através de Manassés e Efraim, recebeu o dobro dos demais. Judá ficou com a liderança administrativa conforme a sua bênção recebida do pai. “Pelo Deus de teu pai, o qual te ajudará, e pelo Todo-Poderoso, o qual te abençoará com bênçãos dos altos céus, com bênçãos do abismo que está embaixo, com bênçãos dos seios e da madre. As bênçãos de teu pai excederão as bênçãos de meus pais, até à extremidade dos outeiros eternos; elas estarão sobre a cabeça de José, e sobre o alto da cabeça do que foi separado de seus irmãos” (Gn 49.25,26). Pequenas ações intempestivas e irresponsáveis podem causar danos espirituais irreparáveis em gerações e gerações, como vimos. Não foram esquecidas e nem ficaram sem a devida correção por Jacó e certamente por Deus. Cuidado com o “não faz mal” – “não tem problema” – “todo mundo faz” – “estamos agora em outro tempo!” Fazemos o certo, porque é certo!

Senhor, obrigado por cuidar para que a tua Palavra e a tua vontade seja feita em todo tempo e para a eternidade. O pecado faz estragos e causa danos na vida que as pessoas não imaginam a responsabilidade de andar em santidade e justiça diante de ti. Agradecemos a obra da redenção em Cristo. Em nome de quem oramos, amém.

Pr Jason

Do Egito Para Siquém

Meditação do dia: 10/09/2021

“Também os ossos de José, que os filhos de Israel trouxeram do Egito, foram enterrados em Siquém, naquela parte do campo que Jacó comprara aos filhos de Hemor, pai de Siquém, por cem peças de prata, e que se tornara herança dos filhos de José.” (Js 24.32)

Do Egito Para Siquém – O Bom filho à casa torna, é o que afirma um adágio popular e que pode muito bem ser aplicado nesse caso a José. Ele era um garoto, adolescente quando deixou a casa de seu pai apenas para ir conferir como andavam os trabalhos dos irmãos no apascentamento dos rebanhos da família. Sua vida sofreu um revés e alterou completamente de trajetória. Foi levado ao Egito e lá permaneceu todo o restante de sua vida até seu falecimento aos cento e dez anos de idade. Só fez uma viagem de volta, praticamente na metade de sua vida, quando voltou para sepultar seu pai. Mais de quatrocentos anos depois de sua morte os filhos de Israel se tornaram um grande povo, mas em condições de muito sofrimento e escravidão, quando foram poderosamente libertados sob a liderança de Moisés. Assim, o pedido que José deixara para que seus restos mortais fossem transportados para Canaã, foi atendido. Hoje estamos prosseguindo para nos deparar com esses mesmos ossos de José sendo sepultados finalmente em solo da Terra Prometida, e dentro da herança pessoal que Jacó havia designado a ele. Quando José ainda era um menino muito pequeno, e ainda tinha a companhia de sua mãe que se encontrava grávida esperando o nascimento de Benjamim, na viagem de Harã para Canaã, logo que chegaram, Jacó, comprou sua primeira propriedade de um morador da terra. “E chegou Jacó salvo à Salém, cidade de Siquém, que está na terra de Canaã, quando vinha de Padã-Arã; e armou a sua tenda diante da cidade. E comprou uma parte do campo em que estendera a sua tenda, da mão dos filhos de Hamor, pai de Siquém, por cem peças de dinheiro (Gn 33.18,19). Essa propriedade foi dada por Jacó em Herança para José, por ocasião das bênçãos do patriarca aos seus doze filhos, antes de falecer lá no Egito. “E eu tenho dado a ti um pedaço da terra a mais do que a teus irmãos, que tomei com a minha espada e com o meu arco, da mão dos amorreus” (Gn 48.22). Quero fazer aqui uma aplicação que parece um argumento racional e lógico, mas na verdade estamos olhando para uma peça grandiosa da fidelidade de Deus e do zelo daquelas pessoas para com as promessas divinas e os valores de família, cultura e tradição; isso tudo são elementos fundamentais de uma fé perseverante. Jacó comprou uma propriedade, mas peregrinou por toda a terra de Canaã, como seus pais e depois teve que lutar pela sua propriedade adquirida, porque certamente os nativos cananeus invadiram e reivindicaram a posse, mas Jacó fez prevalecer seus direitos. Quando foi para o Egito, deixou tudo para trás e ao contemplar os filhos com seus legados, deu aquela propriedade para José, diante de seus irmãos e aqui, quase quinhentos anos depois, os descendentes de José, finalmente chegam à terra prometida e tomam posse de suas heranças e também daquela propriedade particular e ali sepultam os ossos de José. Estou escrevendo isso, com muita admiração, zelo e reverencia ao valor daqueles feitos. Em nossa cultura os legados não são levados tão à sério e mesmo os cristãos, vivem a desanimar e desistir de promessas de Deus e também se recusam a trabalhar espiritualmente para deixar um legado histórico, moral e espiritual para os filhos. Me desculpem, mas somos moldados para sermos imediatistas, supérfluos, consumistas. Quem de nós, sabe alguma coisa além dos nossos bisavós? Nossa história se dilui muito cedo. Precisamos aspirar coisas mais duradouras e longevas. “Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele” Ec 3.14).

Obrigado Senhor, por mais um dia e mais uma oportunidade de servir e ser abençoador de vidas. Te agradeço pelo legado espiritual que Jesus nos outorgou mediante sua morte e ressurreição. Somos agora filhos de Deus e herdeiros juntamente com Cristo e todos os seus filhos são guiados pelo seu Espírito Santo. Peço que abras os olhos do meu entendimento para compreender a tua perfeita vontade revelada nas Escrituras e através do Corpo de Cristo, que á a Igreja, coluna e firmeza da verdade. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Moisés Levou os Ossos de José

Meditação do dia: 09/09/2021

“E Moisés levou consigo os ossos de José, porquanto havia este solenemente ajuramentado os filhos de Israel, dizendo: Certamente Deus vos visitará; fazei, pois, subir daqui os meus ossos convosco.” (Êx 13.19)

Moisés Levou os Ossos de José – O que é melhor que uma promessa? Provavelmente é uma promessa cumprida, realizada. Ler o enunciado desse texto, eleva a nossa alva a um nível de satisfação, só experimentado por quem anseia por intimidade com Deus e sua Palavra. Inicialmente, passa-nos a impressão que se trata de um evento arqueológico, pois alguém resgata ossos e os embala cuidadosamente para uma longa viagem. Mas depois percebemos que é um conjunto de resultados, que por gerações, muitas gerações foram cultivados e esperados ansiosamente, até que chegou o dia, o grande dia. Entre Moisés e José existe um lacuna temporal de quase quatrocentos anos, mas ainda assim, tudo foi trabalhado nos mínimos detalhes para que o patriarca de uma das doze tribos não ficasse fora de sua herança. Vou levantar aqui uma questão, para pensarmos e até mesmo buscarmos as respostas, porque elas não estão às claras nos textos bíblicos: Será que dos doze filhos de Israel, apenas José voltou para Canaã por ocasião do êxodo? Não seria muito curioso, ou até irônico, que o único que foi mandado de Canaã para o Egito, foi o único que voltou para Canaã? Claro que estou fazendo uma ilação, sem nenhuma evidencia, pois assim como José fez questão de registrar sua vontade póstuma, igualmente os demais também poderiam tê-lo feito e cada tribo se encarregaria de zelar e cuidar para que assim se fizesse. Podemos voltar a pensar de forma construtiva, sobre os propósitos de Deus e suas relações com a nossa existência, pois enquanto olhamos linearmente, sobre uma única linha do tempo, onde aparecemos em determinada data desaparecemos posteriormente; Deus cuida de nós e lida como se não houvesse apenas esse ponto de vista. “Ora, Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele vivem todos” (Lc 20.38). Podemos contemplar planos de Deus para conosco ainda antes de nosso nascimento e também posteriormente à nossa existência física. Ainda que na ótica humana, não saibamos, mas podemos construir para além de nós, uma vez que o princípio da eternidade está presente em nossas vidas como em tudo o que Deus faz. Quando a salvação acontece numa vida, ela recebe a vida eterna, que na verdade é uma obra de restauração completa de algo que foi perdido e agora mediante um preço redentor, foi tornado acessível novamente. “Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm 5.17). por isso temos esperança e confiança em todas as promessas da Palavra de Deus.

Pai, obrigado por ter falado com Abraão, Isaque e Jacó e até hoje as tuas Palavras não a caíram por terra e nem ficaram vazias de significado. Todos que viveram na fé que elas se realizariam, viveram com esperança e contentamento. Somos agora as testemunhas de que tudo se cumpriu e que todas as demais que ainda restam, a seu tempo elas se farão valer. Obrigado por tua fidelidade. Somos agradecidos e vivemos nessa fé e esperança também, em Cristo, por Cristo e para Cristo, para sempre e sempre, amém.

Pr Jason

Um Novo Rei

Meditação do dia: 08/09/2021

“E levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José;” (Êx 1.6)

Um Novo Rei – Foi uma mudança bem radical, onde não apenas um novo rei assumiu o trono, mas também uma nova dinastia, que segundo os historiadores era de alguém nativo do Egito, e não mais dos Hicso, que eram semitas tal qual os hebreus. A história tem os seus caminhos e mesmo assim ainda não foge ao controle e ao governo de Deus. Abraão, em seus dias já sabia que seus descendentes seriam peregrinos e sofreriam em terras estranhas até voltarem para casa. “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza (Gn 15.13,14). Essa alternância de poder entre os homens e seus reinos, por mais que eles pensem que estão fazendo suas próprias histórias, podemos perceber que na verdade estão seguindo um roteiro muito bem adaptado, onde eles como atores desempenham papeis muito convincentes com plena liberdade de escolhas. Como filhos de Deus e seus servos, que lhe prestam reverente adoração, reconhecemos que em sua infinita sabedoria e capacidade, ele permite que cada vida seja única e faça escolhas que abençoam a si próprio e aos que estão ao seu redor e ainda assim cumpra uma função e um propósito maior para que aquilo que foi planejado desde a eternidade, com vistas à redenção, aconteça. Nas nossas atividades do cotidiano, há pessoas em posição de autoridade sobre nós, bem como estamos também na mesma condição sobre outras vidas como na família, onde os pais se completam e se submetem uns aos outros e ambos são autoridades sobre os filhos, que são criados no temor de Deus e discipulados para cumprirem o papel de suas vidas. Nas relações sociais e de trabalho também aparecem hierarquias de lideranças e chefias e nesse sentido a autoridade maior sobre as pessoas, são figuradamente vistas como o rei, mas ainda assim ele também está nas mãos de Deus e pode ser trabalhado pelo agir de Deus para cumprir seus propósitos. “Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer” (Pv 21.1). O tempo de paz e prosperidade no Egito dos tempos de José, foi providencial para que os filhos de Israel se desenvolvessem e aumentassem em número, a ponto de se tornar uma população considerável para uma nação. Eles se mantinham unidos em torno de uma promessa divina e passavam esse legado de pai para filho, geração após geração. A redenção da humanidade perdida é o maior e o mais complexo projeto de toda a eternidade e para isso as intervenções divinas na história humana, quer através de indivíduos, famílias, nações e reinos se fazem necessários e elas de fato acontecem e acontecerão ainda, agora através da igreja. Daniel escreveu sobre isso: “Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz” (Dn 2.20-22). Para o nosso crescimento e aperfeiçoamento é que muitas mudanças ocorrem ao nosso redor e de algum modo nos afetam. Nem todas as lutas e provas tem o propósito de nos derrotar ou destruir, mas nos exercitar na fé e nos manter despertos. Não se assuste com um novo rei que ascender ao trono; eles se levantam, cumprem seus propósitos e se vão, mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre.

Obrigado, Pai celestial, por nos guiar em todos os nossos caminhos e sempre poderemos confiar que o melhor do Senhor irá nos acontecer. Estamos servindo dentro de um plano e de um propósito maior e mais eficiente que tens planejado para cada um de todos nós. também oramos agradecidos pelas pessoas em autoridade sobre nós e que pode nos ensinar e cooperar para nosso crescimento. Buscamos sabedoria para agirmos com justiça e equilíbrio para com as pessoas sob nossa autoridade e influencia, para que sejamos bênçãos na vida delas para que cumpram cabalmente e com alegria aquilo que tens para elas. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason