Muitos Dias Depois

Meditação do dia: 06/12/2021

“E aconteceu, depois de muitos dias, que morrendo o rei do Egito, os filhos de Israel suspiraram por causa da servidão, e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servidão.” (Êx 2.23)

Muitos Dias Depois – Pela maturidade cristã e tempo de convivência com a Bíblia e sua forma de narrar os fatos, todos sabemos que as histórias contadas e registradas posteriormente, levam em consideração os fatos relevantes e não necessariamente a cronologia de datas ou contagem de tempos. Quando o nosso texto de hoje fala de “depois de muitos dias,” aqui se refere a anos¸ se passaram muitos anos. Pelos contextos sabemos que Moisés ficou aproximadamente quarenta anos em Midiã, com Jetro ou Reuel aquele sacerdote e sogro, até quando recebeu a ordem de voltara para tirar os filhos de Israel do Egito. Esses muitos anos foram necessários para o amadurecimento do projeto de libertação, isso da parte dos hebreus, de Moisés e até com a troca de comando no império do Egito, com a morte do Faraó, que era o pai da princesa que criara Moisés. Não pretendo fazer uma descrição injusta ou maldosa com Moisés e sua decisão precipitada de tirar o seu povo do Egito. Mas a promessa de Deus dada a Abraão, afirmava que eles seriam escravizados duramente por quatrocentos anos e então seriam libertados por Deus. “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza (Gn 15.13,14). Não vou utilizar o expediente de preciosismo, mas o registro de quando saíram foi que estiveram servindo no Egito por quatrocentos e trinta anos. “O tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos. E aconteceu que, passados os quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito” (Ex 12.40,41). O que estou dizendo com esses anos de diferença, é que quando Moisés fez aquela tentativa de ajudar seus irmãos e deu tudo errado, pelos cálculos então estavam com trezentos e noventa anos, faltavam dez anos para a libertação, mas com a interferência humana para fabricar os resultados, adiou por mais trinta anos. Você pode imaginar trinta anos de servidão dura e opressora? Para quem está debaixo do jugo é muito tempo e muito sofrimento. Ao invés de adiantar dez anos, atrasou em trinta anos. Lembramos de Adão e Eva com suas folhas de figueira para cobrir a nudez; Abraão fabricando um Ismael, enquanto Deus tinha um Isaque programado. Saul dando a sua armadura para o jovem Davi enfrentar um gigante. Precisamos confiar no Senhor de todo o nosso coração, para não interferirmos com nossos arranjos que nem sempre dão certo. Deus é muito sábio para frustrar seus próprios planos.

Senhor, obrigado por saber como as coisas devem acontecer e ter um perfeito controle e governo de todas as coisas. Podemos confiar em teu caráter e andar em fé, crendo que estás no controle de todas as coisas. Pedimos sabedoria para viver a tua vontade em cada etapa e servir de bênçãos e estímulo aos que juntamente conosco estão servindo com bravura e fidelidade. Oramos agradecidos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Peregrino Em Terra Estranha

Meditação do dia: 05/12/2021

“A qual deu à luz um filho, a quem ele chamou Gérson, porque disse: Peregrino fui em terra estranha.” (Êx 2.22)

Peregrino Em Terra Estranha – O primeiro filho de Moisés foi chamado de Gérson, numa alusão à condição de peregrino em terra estranha. Os pais dos tempos bíblicos e da maioria das culturas antigas, davam nomes aos filhos com significados importantes que marcavam fatos de suas vidas pessoais, familiares e até nacionais. Esse forte sentimento  de fazer memoriais cujo propósito era relembrar sempre aquilo que era importante e determinante, ganhava nos filhos uma base muito sólida. Toda vez que a criança ou a pessoa era chamada, ou seu nome era mencionado, aquilo era relembrado e assim não se deixava ao esquecimento. Uma pessoa nascida e criada em um lugar onde tem tudo de que precisa e poderá vir a ser, e de repente de uma hora para outra perde tudo isso e se vê forçado a se exilar para uma outra terra que lhe é estranha e ter que recomeçar apenas com sua força de trabalho e sem recursos iniciais, certamente não esquece esse período de sua vida. Foi assim com Moisés, que ao chegar em Midiã, só com a roupa do corpo e talvez objetos de sobrevivência da jornada, tinha motivos de sobra para através do nascimento de seu primeiro filho, homenagear sua conquista e sobrevivência em tempos difíceis. Assim, todas as vezes que chamasse seu filho, ele relembraria sua vitória. Isso, faz parte do processo de bênção geracional, onde as alianças e os compromissos com Deus são um legado forte a ser perpetuado à cada geração, confirmando a identidade e o destino dos novos membros dessa linhagem de família. Temos que admitir, que como ocidentais e brasileiros especialmente, não temos uma cultura nesse sentido e isso também tem que ser levado em consideração pelas poucas raízes espirituais do nosso povo. Os ocidentais não cultivaram esse legado de suas raízes orientais, de onde toda a humanidade se originou. Por lá há legado familiares preservados à milhares de anos e permanece forte, porque aquilo faz parte da identidade das pessoas e elas não abrem mão de serem quem são e terem orgulho disso. Aqui se perguntarmos para as pessoas qual a origem do nome delas, veremos que a maioria ou não tem conhecimento, ou os motivos foram fúteis e banais, meros caprichos dos pais pelo gosto da sonoridade da palavra, ou como temos no nordeste brasileiro a cultura de juntar as sílabas dos nomes dos pais para formar os nomes dos filhos. Interessante notar que os vencedores que irão para a eternidade com Cristo, ganharão um novo nome, que certamente reflete aspectos da redenção em Cristo. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Ap 2.17).

Senhor, queremos agradecer pela salvação conquistada por Cristo para nós lá na cruz e com a nova vida, temos novos propósitos e essa vida deve refletir a glória devida ao teu nome. Graças te rendemos por termos um novo destino e uma nova identidade que a tua graça nos proporcionou. Te louvamos e engrandecemos, certos de que coisas maiores e melhores estão por vir sobre nós. Em nome de Jesus, oramos agradecidos. Amém.

Pr Jason

Começando Uma Família

Meditação do dia: 04/12/2021

“E Moisés consentiu em morar com aquele homem; e ele deu a Moisés sua filha Zípora,” (Êx 2.20)

Começando Uma Família – Entendemos a família como parte integral do projeto de Deus para a vida do ser humano. Ainda que ela ganhe configurações diferentes em diversas culturas, mas ela é o centro e célula principal de todos os povos, nações e grupos humanos. Poucas instituições tem sofrido ataques tão ferozes e merecido esforços destrutivos tão severos quando a família. Mas nem por isso ela deixou de ser importante e nem desaparecerá como pregam alguns abutres sociais. O início dela foi em Deus, ainda no princípio da criação. “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a… Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 1.27,28; 2.24). Família é vereda antiga de Deus, faz parte dos planos que não se deve alterar sem que as consequências sejam terríveis. Moisés estava agora estabelecido numa nova terra, vivendo uma nova realidade de vida, sem nada daquilo que tivera até então. Trocou o palácio por uma tenda ou casa simples, deixou de servir ao rei mais poderoso da terra e agora trabalhava para uma família, que lhe acolhera e se tornara a sua família. Aprender o ofício de pastorear ovelhas, o que na sua criação era um oficio serviçal e não muito bem visto pela cultura egípcia. As lições estavam começando para prepara-lo para algo ainda maior. A sabedoria tem nos ensinado que há certas coisas nessa vida que não podem ser ensinadas, apenas aprendidas. A família é uma fonte dessa aprendizagem. Por mais cursos, ensinos, recomendações e leituras sobre o tema, só mesmo quando se forma a própria família é que as pessoas começaram a entender aquilo que nunca entenderam ou aceitaram na vida dos seus pais e da sua família de origem. A paternidade/maternidade responde muitas perguntas que jamais seriam formuladas e respondidas até chegar a sua vez. À medida que os filhos vão surgindo e crescendo, os pais vão aprendendo e percebendo aquilo que fizeram ou não fizeram, aceitaram ou não aceitaram e até lhes fora imposto à força de disciplina e nunca fizera sentido, agora sim. Ninguém conhece o limite e a força do amor paterno/materno até terem seus próprios filhos. Ninguém mexe mais com nossas capacidades do que os filhos em suas múltiplas necessidades. Portanto é uma vocação de primeira grandeza e não é por acaso que Deus deseja que seus ministros e líderes tenham famílias e especialmente as tenham em boas condições. “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel” (1 Tm 5.8). Já escrevemos uma meditação sobre a pessoa de Zípora, e a importância dela no propósito de Deus para Moisés e para Israel. Uma pessoa que originalmente não fazia parte do povo de Deus, mas que encontrou uma porta de acesso e não só entrou como foi determinante em sua influencia, pois os dois filhos dela entraram para linhagem geracional do povo escolhido. Aqui, Moisés começaria a aprendizagem que lhe seria tão útil quando viesse o momento de apascentar uma família ampliada, uma nação inteira para ser configurada e ganhar coesão e traços de um grande povo que prevaleceria para sempre, conforme a promessa original. A família sempre está presente antes, durante e depois…

Graças te rendemos, oh! Senhor por fazer coisas tão lindas e produtivas, partindo de uma união de duas pessoas. Somos gratos pela aliança de bênçãos estabelecidas com Abraão, o teu servo e amigo, agora, todos os povos da terra podem ter acesso as bênçãos e à eternidade porque ele e os seus descendentes fizeram o papel deles em andar nos teus caminhos e fazer o que determinaste a eles. Agora é a minha vez, a nossa vez, o nosso tempo. Obrigado pela oportunidade de servir nesse tempo desafiador, agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Se Estabelecendo

Meditação do dia: 02/12/2021

“E Moisés consentiu em morar com aquele homem; e ele deu a Moisés sua filha Zípora,” (Êx 2.20)

Se Estabelecendo – A Bíblia é maravilhosa em tudo que registra e na forma como as coisas são tratadas. Como ela não procura ser um livro de filosofia e explicar tudo, ela faz as narrativas com os atos e fatos necessários para compor o tudo da obra da redenção. Em alguns poucos casos ela registra diálogos inteiros ou a parte significativa de assuntos importantes. Hoje em nosso texto estamos no pós-jantar daquele primeiro dia de Moisés com a família daquele sacerdote de Midiã. Deve ter havido boas conversas e um convite amistoso para ele permanecer pot ali, já que não tinha um destino pré-estabelecido e o que precisava seria um lugar seguro para se estabelecer, pois sua permanência era indefinida, mas não seria breve. Como um pastor de igreja local eu posso seguir um raciocínio comparativo à partir daquilo que nos permite comparar a vida de Moisés, com a de um líder cristão dos dias atuais, levando em conta a chamada de cada um. Enquanto todos procuram o seu lugar ou espaço para exercer sua vocação, todos tem em consideração que a vontade de Deus deve ser prioridade nessa busca. Todos devem servir em um local ou lugar, isso tem a ver com o cumprimento da tarefa. Moisés fora criado no Egito, mesmo sendo hebreu, fora criado pela princesa no Palácio e ela o criou para si e para a vida da nobreza e exercer uma função de relevância social e quem sabe, até administrativa. Temos evidencia que ele foi muito bem preparado. A princesa tinha seus planos, mas Deus também tinha e por isso ele o colocou lá, para proteção e preparo. É muito provável que o próprio Moisés tivesse planos para sua vida; não há nada de errado em ter planos para a vida, ao contrário, é muito bom ter planos, ter sonhos, alvos e se preparar para atingi-los. Quem tem um plano, pode modifica-lo, aprimorar ou adaptar segundo for necessário e podemos até substituí-lo se justificar. Não ter planos é o mesmo que não ter propósitos e o que vier a acontecer serão meras coincidências ou acidentes de percurso. Moisés for forçado a abrir mão da vida e dos sonhos palacianos e depois renunciou a vida egípcia, para se integrar plenamente ao verdadeiro plano de sua vida. “Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado; Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível” (Hb 11.24-27). Agir pela fé; renunciar uma coisa para se eleger para outra; preferir um sofrer por algo melhor em detrimento de um prazer temporário; distinguir riquezas verdadeiras; ver o que ninguém mais vê. São lições que precisam ser levadas em conta. Isso não é privilégio ou responsabilidade apenas para pastores e líderes, pois viver a verdade e a vontade de Deus é o caminho da realização pessoal de qualquer pessoa. Moisés deixou tudo no Egito e agora se estabelece em lugar estranho, sem afinidades, mas era o lugar ideal para receber o treinamento e a ajuda que o impulsionaria para a maior etapa de sua vida. Tempo é importante quando ele está dentro de um plano maior e na vontade de Deus. Quem disse que onde estamos é o lugar definitivo para nós? Nossos planos estão em acordo com o plano maior?

Senhor, somos gratos pela oportunidade de estar servindo onde estamos e queremos estar onde o Senhor deseja que estejamos. Podemos nos estabelecer onde e pelo tempo que os teus planos nos permitem para cumprirmos aquilo que precisamos naquele lugar, dentro daquela disponibilidade de tempo. Pedimos sabedoria e graça para estarmos sempre dentro da tua perfeita vontade. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Comer Pão

Meditação do dia: 02/12/2021

“E disse a suas filhas: E onde está ele? Por que deixastes o homem? Chamai-o para que coma pão.” (Êx 2.20)

Comer Pão – Gosto de comer pão! Literalmente ou em sentido figurado, eu gosto muito das analogias que esse gesto produz. Começando pela idéia de que pão é sagrado, comida para mim é algo sagrado, digno de ser recebido sempre com alegria e ação de graças, independente da quantidade e diversidade, a comida é sempre um sinal da bênção da provisão divina. Levo isso bem à sério de modo que não reclamo de comida e não gosto de ver pessoas reclamando, porque hoje na mesa só tem isso, isso e mais isso e gostaria de ter mais do isso. Entre os seminaristas dos meus tempos, brincávamos dizendo que na oração do Pai Nosso, Deus promete o pão nosso de cada dia, mas a margarina ou o presento e queijo é por nossa conta. Pão está presente em todas as culturas e ainda que possa variar de ingredientes e formatos, mas pão é sempre pão e vai bem em qualquer hora e com qualquer acompanhamento. O Pão está presente nos rituais de culto e nas oferendas e nas festividades ele é sempre um elemento presente, e sem dúvida ele merece esse destaque. Jesus, como um hebreu, era muito chegado em pão e utilizou como alimento, como símbolo nos seus ensinamentos e até multiplicou em duas ocasiões, alimentando multidões de famintos. Ao celebrar a sua última ceia de páscoa com seus discípulos, ele instituiu uma nova aliança entre Deus e a humanidade através da igreja, tendo o pão como um dos elementos da simbologia memorial. Para nós, batistas, a Ceia do Senhor é celebrada como um memorial da morte e ressurreição de Cristo como nosso substituto e pagando o preço pelos nossos pecados. Celebramos a Ceia do Senhor, em Memória do que ele fez e aguardamos a sua volta, pois ele planeje só tomar novamente quando tudo estiver consumado na casa do Pai. “Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de Deus” (Mc 14.25). A Ceia do Senhor estabelece o princípio da comunhão restaurada em Cristo Jesus e que devemos preservar e fazer até que ele volte. Essa mesma idéia da comunhão, está presente na mesa da família, quando se assentam para comer pão, ou tomar uma refeição. Trazer alguém de fora da família para assentar-se à mesa e comer juntos é um gesto onde aquela família estende as suas mãos para receber em paz e alegria uma pessoa, que passa a ter comunhão e por isso, não trazemos qualquer pessoa para nossa mesa. Podemos doar, fornecer e ajudar pessoas com alimentação, mas o assentar-se na mesa é algo mais íntimo e profundo, cheio de significado. Isso explica, porque quando alguém quebra esse vínculo de amizade e proximidade, a outra parte se ressente e até dizem: “Era alguém que comia na mesa conosco…” Aquele sacerdote de Midiã, com um coração aberto e amistoso, falou às suas filhas que um homem com disposição de defender desconhecidos em uma situação de injustiça e se dispor a ajudar sem qualquer pretensão de recompensa ou ganho pessoal, é raro de se encontrar e quando isso acontece, não se pode deixar passar. Ele entendeu que elas deveriam ter antecipado a hospitalidade e tê-lo trazido para apresentar como alguém prestativo e ainda que elas o tivessem convidado para uma refeição sem consulta prévia ao pai, naquelas circunstancias ele teria entendido como um gesto bom e gentil da parte delas e certamente teria a sua aprovação; como elas não fizeram, ele agora estava autorizando-as a que fosse em busca dele com um convite em nome da família. Jesus nos convidou para estarmos com ele um dia na casa do Pai, haverá um banquete para celebrar essa comunhão. “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também (Jo 14.2,3).

Obrigado Senhor, pelo privilégio da comunhão e da amizade de sentarmos à mesa com o Senhor. Não somos merecedores de nada disso, mas em Cristo, o Senhor, ganhamos uma nova vida com muitas oportunidades boas e entre elas, ter comunhão com Deus em Espírito e em verdade. Agradecemos o pão de cada dia que o Senhor não nos tem deixado faltar e suprido com abundancia. Te louvamos e agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Perguntas Importantes

Meditação do dia: 01/12/2021

“E disse a suas filhas: E onde está ele? Por que deixastes o homem? Chamai-o para que coma pão.” (Êx 2.20)

Perguntas Importantes – Definitivamente as perguntas são tão importantes quanto as respostas e a qualidade das perguntas determinam a qualidade das respostas. Fazer perguntas boas é uma arte. Aqui está um pai fazendo perguntas a suas filhas, baseado em informações fornecidas por elas. Um dia diferente para todos daquela localidade, pois a chegada de uma única pessoa desconhecida, provocou alterações na vida e na rotina de várias daqueles habitantes e interferindo em hábitos e costumes já estabelecidos. Aquelas moças cuidavam do rebanho da família e eram importunadas todos os dias, de maneira que era até habitual elas chegarem mais tarde em casa, devido as implicações deles. Esses tais pastores importunadores, se achavam donos ou com direitos adquiridos de prioridades e não respeitavam ou tinham consideração pelas filhas de um ancião local e provavelmente, eles jamais pensariam que alguém algum dia iria mudar aquilo. O próprio Reuel, pai das moças, talvez por uma atitude pacificadora e de boa vizinhança, já acostumara com a importunação à suas filhas e relevava, para continuar em paz. Mas aquele dia, aquele poço recebeu antes dos habituais frequentadores,  um forasteiro que se apresentava cansado e até um tanto desanimado, sem paradeiro e estava ali, à princípio apenas para tomar um pouco de água, reabastecer seu odre e refazer as forças para prosseguir rumo ao incerto e desconhecido. Dizem que quem não sabe para onde vai, não sabe se chegou. Foi assim como Moisés, ele chegou, mas não sabia e certamente iria se manter motivado a caminhar. Em nossas lidas diárias com atividades da vida pessoal, familiar e até com as questões da comunidade onde congregamos e servimos, precisamos de pessoas boas, com coragem e determinação de intervir quando se faz necessário, que tenha habilidade e discernimento para entender uma questão e servir de mediador e fazer valer o direito, a justiça e a legalidade. Não é tomar partido de um lado por considerar mais fraco ou mais simpático, ou ficar bem se posicionando de tal lado. A nossa pergunta é a mesma que o pai das moças fez: Onde está ele? Por que o deixastes? Depreendemos das perguntas do velho sábio, que assim como esse homem agiu instintivamente em defesa e ajuda delas, elas deveriam também terem utilizado do discernimento e tê-lo trazido com elas. O padrão, ou o código de ética familiar é que não se conversa com estranhos, não traga desconhecidos para casa, não convide alguém sem o consentimento prévio do pai, no caso delas. Mas isso era diferente! Elas mesmas disseram, que era um homem egípcio, não um morador local, ou um mercador, um nobre conhecido ou não. O que ele fez por elas, merecia cortesia e hospitalidade. Ele deveria estar cansado, faminto, desabrigado e com alguma necessidade. Mesmo assim, deixou de lado suas necessidades e pensou no bem-estar delas e do rebanho, numa circunstancia injusta que estava acontecendo. O Sacerdote de Midiã cobrou iniciativa das filhas. O que aconteceu aqui está consolidado como princípio de vida e de boas práticas, que retornam em bênçãos. Servir sem pretensão de receber algo em troca ou favorecer um peregrino, forasteiro, exilado ou momentaneamente exposto a fragilidade, pode produzir bênçãos sem medidas. Isso já está cheirando spoiler dos próximos capítulos.

Senhor, obrigado por cumprir as tuas promessas de prover todas as necessidades daqueles que estão a serviço do Reino. Podemos não estar cientes de todos os detalhes, mas servimos a um Senhor conhecedor de todas as coisas e que governa com justiça e equidade, não deixando nenhum dos seus em dificuldades que não tenham soluções. Obrigado por cuidar de nós, de nossas famílias e dos que não tem quem os defenda, e assim envias os teus para serem agentes do bem. Oramos agradecidos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Servir Com Prazer

Meditação do dia: 30/11/2021

“E elas disseram: Um homem egípcio nos livrou da mão dos pastores; e também nos tirou água em abundância, e deu de beber ao rebanho.” (Êx 2.19)

Servir Com Prazer – Os bons anos de vida cristã me tem feito muito bem e me proporcionado alegrias em aprender e ver em longo prazo os resultados dos trabalhos bem feitos. Missão cumprida é altamente gratificante em todos os tempos. Noé recebeu a missão de construir uma inédita embarcação no mundo, para navegar sobre as águas do dilúvio e no tempo certo, a obra estava pronta e cumpriu cabalmente a sua função. Outras chamadas são mais subjetivas e nem sempre dá para ver a conclusão do todo, mas é importante fazer a etapa que lhe corresponde. Esse foi o caso de Abraão, que ganhou uma terra para estabelecer uma grande nação tão numerosa como as estrelas do céu, mas ele só teve um filho, mas fez a sua parte muito bem-feita, ao estabelecer os fundamentos da fé desse povo, que permanece inabalável até hoje. Sou um admirador ardoroso de Eliézer, o mordomo de Abraão e também de José, mesmo na fase de escravo e depois como governador, ele foi notável. Há ocasiões em nossas vidas, que surgem oportunidades de fazermos alguma coisa, ainda que simples e única; acredito que não podemos perder a oportunidade de deixar a nossa marca de que trabalhamos para um Senhor maior e que espera sempre o melhor de todos nós. A excelência deve estar presente em tudo que fazemos e acompanhada de alegria de servir. Moisés estava aprendendo a ocupar um novo espaço e mesmo sendo o início de carreira¸ ele começou muito bem. Príncipe no Egito, com todas as mordomias e pompas palacianas, para se adaptar a uma vida simples e serviçal não seria fácil para ninguém, mas ele se valeu do seu anonimato momentâneo, onde era apenas um homem egípcio cansado e faminto à beira de um poço na periferia de algum vilarejo no deserto de uma terra estranha. Ele teve a oportunidade de defender umas moças que estavam sendo alvo de maus tratos por parte de homens maldosos e nada amigáveis e ele as defendeu e ajudou-as na tarefa de tirar água e o fez com abundancia e deu de beber ao rebanho. Esse testemunho é delas, as filhas do sacerdote, dizendo ao pai em como aquele estranho agira em benefício delas e do rebanho com muita cortesia e dedicação. Provavelmente elas também não sabiam que fosse a primeira experiencia dele em cuidar de animais e servir pessoas que normalmente estariam se curvando a ele e lhe servindo. Isso me encanta e faz refletir, porque nunca fui nobre, nem da elite de lugar nenhum e coisa nenhuma e mesmo assim, já me flagrei mais de uma vez com atitude de orgulho e soberba, achando que tinha direito de ser servido ao invés de servir. Escolhas, precisamos fazer as escolhas certas, e é bíblico que a disponibilidade de servir com humildade de existir em nós e isso deve vir bem antes de qualquer honra. “O temor do Senhor é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade” (Pv 15.33).

Pai amado, obrigado pelo privilégio de servir em alguma função no teu reino na igreja e na comunidade onde vivemos. Somos gratos pela graça generosa que tens demonstrado para conosco em Cristo Jesus; bendizemos o teu santo nome em todo tempo e em todas as situações, porque tens o perfeito controle de todas as coisas e nossas vidas estão muito bem protegidas em tuas mãos. Buscamos sabedoria dos céus para administrar bem os recursos que nos estão disponíveis para cumprirmos todos os propósitos que tens para nós. Te adoramos e te agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Homem Egípcio

Meditação do dia: 29/11/2021

“E elas disseram: Um homem egípcio nos livrou da mão dos pastores; e também nos tirou água em abundância, e deu de beber ao rebanho.” (Êx 2.19)

Um Homem Egípcio – A Bíblia foi escrita em linguagem humana, para os humanos, mas com um conteúdo divino, inspirado, fiel e digno de toda a nossa confiança. Ela descreve um relacionamento de amor e cuidado da parte de Deus para restaurar a comunhão que fora quebrada no ato de desobediência do primeiro casal, ainda lá no Éden. A redenção é o foco principal e todo a trama da narrativa, desenvolve a obra completa da parte de Deus para chegar ao ponto máximo, lá no Calvário, com o Cordeiro de Deus sendo oferecido em sacrifício substitutivo em favor de toda a raça humana. Uma peculiaridade em tudo isso, é que o homem sempre teve participação ativa, guiado por Deus através de um plano muito bem feito e conduzido pelo próprio Deus Criador. Vamos encontrar UM HOMEM, por toda a trama, em cada nova etapa, aparece um homem que se torna o ator principal e através dele é dado encaminhamento aos destinos que no tempo certo se hão de encaixarem-se. Foi assim, com Adão e com Cristo, os primeiros de cada etapa importante: “Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm 5.17). Depois encontramos as etapas intermediárias, com muitos nomes que fizeram a diferença: Enos, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Israel, José, Moisés, Josué, Davi, Salomão, Isaías, Daniel, Neemias, João Batista, João, Policarpo, Atanásio, Ambrósio, Lutero, Wesley, Billy Graham, Eneas Tognini… Entre todos esses há centenas e quem sabe, milhares de pequenos e anônimos, que nunca terão seus nomes lidos nos anais da história, mas jamais foram ou serão esquecidos de Deus pela cooperação e participação na construção do grande plano de redenção. Muitas das histórias narradas, aconteceram literalmente e foram vividas por pessoas reais como eu e você; além dos fatos, estavam as simbologias e analogias necessárias para o ensinamento dos princípios eternos e das verdades que emanam do coração de Deus, para inspirar as vidas humanas e fortalece-las na missão que lhes foram confiadas. Aqui está Moisés, como muitos de nós, fugindo do seu passado, que o persegue e o aterroriza, mas encontrando graça e misericórdia na acolhida dessa nova família, que ele nem conhece ainda, mas o seu gesto de cuidado e proteção, sem nenhuma intenção de recompensa, vai lhe valer o amparo e proteção para lhe sustentar nessa nova fase de sua vida. Um homem, ou uma pessoa, pode ser tudo o que seja necessário para levar a efeito um grande projeto de Deus. Vidas consagradas, são poderosas em Deus. O processo de mortificação e anulação de si mesmo, leva um considerável tempo para produzir efeitos, mas é o caminho da santificação e da vida produtiva. Essa também é a chamada Escola do Deserto, a academia, onde Deus treina e capacita a maioria dos seus ministros. Um homem!! Uma Pessoa!!! Deus pode contar contigo?

Senhor, eis nos aqui, como disse o jovem Isaías diante da tua manifestação de glória. Queremos ser bênçãos em tuas mãos e completar a carreira que está proposta diante de nós. Para isso nos apresentamos em consagração e dedicação plena a ti, com uma entrega incondicional, para sermos tudo aquilo que o Senhor precisa para efetuar o teu querer. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Voltando Mais Cedo

Meditação do dia: 28/11/2021

“E voltando elas a Reuel seu pai, ele disse: Por que hoje tornastes tão depressa?” (Êx 2.18)

Voltando Mais Cedo – Dizemos com muita frequência que os nossos dias são muito corridos. As horas são contadas e as tarefas parecem sempre serem mais do que o tempo disponível para realiza-las. Nos grandes centros urbanos, a vida já funciona praticamente vinte e quatro horas, num frenesi interminável. A industrialização e as demais atividades da vida se adaptaram a turnos e returnos com jornadas ininterruptas, sucessivas e constantes. Tudo é cronometrado. Os transportes públicos, os atendimentos, as escolas, lazer e tudo mais é agendado ou acontecem em intervalos já pré-determinados. Assim, atrasos ou adiantamentos nem sempre são bons sinais, porque interferem numa rotina já estabelecida. Mesmo que lá no velho Oriente, nos tempos de Reul, aquele sacerdote de Midiã, com suas muitas filhas que cuidavam dos muitos afazeres da vida rural e pastoril, também ali já estavam presentes as rotinas e horários costumeiros, ainda que medidos pela claridade do sol e as vigílias da noite. De alguma forma, todos os dias elas tinham que cuidar do pastoreio do rebanho, e no cair da tarde, dar-lhe água e guardar em segurança no aprisco para no outro dia, começar tudo novamente. Mas hoje, alguma coisa interrompeu a mesmice diária, até mesmo pelo aborrecimento dos outros pastores locais que dificultavam as atividades delas. Hoje, elas chegaram um tanto quanto mais cedo, à ponto de seu pai notar a diferença: “Por que hoje tornastes tão depressa?” A atenção é no porque hoje? Não é privilégio só de Reuel e suas filhas, ou de alguns personagens da história bíblica. Todos nós e em muitas oportunidades somos premiados com uma intervenção que faz diferença e muda a nossa rotina. Não é estranho para ninguém, que ao longo da vida, há certos acontecimentos e certas datas que se tornam ícones e assinalam períodos divisórios importantes na vida da pessoa. Você tem alguns dessas marcas divisórias significativas? Eu as tenho. 1974 é um ano totalmente diferente dos demais e marcante na minha vida até hoje; não posso precisar o por quê? Mas tudo nele foi marcante e permanente. O colégio, os colegas, até o time goiano campeão estadual, o Goiania, que nunca mais até hoje, não ganhou novamente e findou a era do Estádio Olímpico, porque no ano seguinte foi inaugurado o Serra Dourada. Aquele sacerdote, ficou na expectativa de saber o que acontecera, que a rotina fora alterada. Um dia pode acontecer de chegar a resposta de uma oração sobre algo determinante; uma pessoa especial pode entrar em nossas vidas e relacionamentos; uma oportunidade que muda completamente o rumo de vida; uma situação inusitada ou atípica. No caso delas, fora um homem diferente, egípcio que fizera a diferença para melhor. Será que é aí que entramos na vida das pessoas? Será que numa dessas datas alguém entra no nosso radar? O que está programado para hoje em sua vida e na minha, que poderá ser alterado para melhor?

Senhor, obrigado pelas surpresas que se nos apresentam na vida e em algumas dessas oportunidades, as mudanças podem ser definitivas e para melhor. Também podemos e queremos ser a diferença que marca a vida das pessoas que servimos. Pedimos a benção da sabedoria e da integridade de caráter para sermos fiéis e bondosos para realizarmos toda a tua vontade, com muita alegria e produzir frutos permanentes e abençoadores. Agradecemos a ajuda e a assistência do Espírito Santo, nos guiando e conduzindo em toda a verdade. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Levantar e Defender

Meditação do dia: 26/11/2021

“Então vieram os pastores, e expulsaram-nas dali; Moisés, porém, levantou-se e defendeu-as, e deu de beber ao rebanho.” (Êx 2.17)

Levantar e Defender – Somos o que somos em qualquer lugar. É muito difícil fugir de si mesmo e da vocação interior. Moisés saiu sem destino, fugindo de tudo o que conhecia, esperava e fora criado, mas tão somente para encontrar-se consigo mesmo lá em Midiã. Depois de refrescar-se e descansar um pouco tendo saciado a sua sede, a sua primeira ação, foi se levantar para defender gente indefesa e que precisava de ajuda. À beira do mesmo poço que lhe dera esperança, trouxe alívio e um pouco de descanso, logo se torna num palco de confronto. Mudaram as pessoas, o lugar e as circunstancias, mas a essência das relações humanas estava ali presente. Lá no Egito ele tentara apaziguar pessoas semelhantes, hebreus, escravos que deveriam ser e estarem unidos, mas estavam em litígio, e sua intervenção não fora compreendida e o final foi pior para ele, do que para aquele que estava sendo agredido. Ele tinha mais a perder e de fato perdeu. Essa é a regra da mordomia da influência: “…E, a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá” (Lc 12.48b). Quem ganha um dom, ganha uma responsabilidade. Todos os privilégios são acompanhados de suas responsabilidades. Agora que ele estava em terra estranha, com povos estranhos era de se esperar que tudo fosse diferente. Mas não! Ali estavam as moças apascentando e cuidado dos rebanhos da família e também estava ali os pastores do mesmo local e forçando a barra, tentando prevalecer através da opressão e da imposição do medo. Não deveriam estarem trabalhando juntos pelo bem-estar de todos? Quando Jacó em situação de exílio tal qual Moisés estava agora, ele também chegou a um poço nas imediações de Harã e encontrou uma situação diferente e de cooperação entre os pastores locais. “E ajuntavam ali todos os rebanhos, e removiam a pedra de sobre a boca do poço, e davam de beber às ovelhas; e tornavam a pôr a pedra sobre a boca do poço, no seu lugar” (Gn 29.3). Podemos aprender com esses exemplos, que as iniciativas continuam as mesmas embora o tempo tenha passado em milhares de anos. Em algum lugar as pessoas cooperam para juntos superarem as dificuldades e serem solidários, beneficiando igualmente a todos. Por outro lado, encontramos situações similares onde as pessoas escolhem o caminho da individualismo, radicalização e imposição de uns contra outros. Ao invés de cooperarem, lutam entre si para cada um estabelecer seu próprio sistema. Moisés levantou-se para defender o lado mais frágil novamente. O seu coração já estava consciente de que as forças nem sempre se equiparam e os maiores querem se impor sobre os mais fracos. A justiça e a verdade devem prevalecer em todas as relações da nossa vida. Quem tem condições de fazer a diferença, deve fazê-la em benefício dos mais necessitados. Mediar conflitos não é torcer para o lado mais fraco contra o mais forte, mas se interpor para aparar as diferenças e fazer a justiça e a verdade prevalecerem. Isso é uma vocação!

Senhor, obrigado por nos chamar para intercedermos pelas vidas que estão distantes dos caminhos da verdade e da vida. Precisar mediar a reconciliação de tantas vidas que estão perto do Salvador e longe da salvação. Jesus é a verdade que liberta e seu trono está firmado na justiça e na verdade, de geração em geração e assim o será para todo o sempre e eternamente. Agradecemos pelo privilégio de servi-lo e ajudarmos a construir um reino de verdade que prevalecerá e prosperará sobre todos os reinos, para glória de Deus. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason