Tempo de Fazer Alianças

Meditação do dia 31/12/2015

2 Rs 11.17 “E Joiada fez uma aliança entre o Senhor e o rei e o povo, para que fosse o povo do Senhor; como também entre o rei e o povo.

Tempo de fazer alianças – Chegamos ao final de mais um ano, estamos em mais um 31 de Dezembro, e agora? Já virou moda pelo menos dizer que tá na hora de fazer um balanço geral do ano que acabou e fazer os planos para o novo ano. Mas não vivemos de moda, e sim da realidade nua e crua. Mais do que fazer promessas que nunca realizamos, uma sugestão interessante é copiar a experiência do sacerdote Joiada ao coroar o rei Joás, ele promoveu uma aliança geral e ampla, entre Deus, o rei e o povo e entre o rei e o povo. Deus é Deus e já sabemos o seu papel e sua importância. O povo aqui, representa a mim e a você, e nossa primeira aliança tem que ser com Ele, é a partir dessa pedra fundamental que encaixamos todas as outras coisas da nossa vida. O rei representa autoridade, e nesse caso, pode ser tanto autoridades imediatas, próximas, como pai, mãe, patrão, chefe, líder e até as autoridades legais constituídas oficialmente, como as da cidade, do estado ou da nação. A vida em sociedade exige relações comprometidas para bem de todos, assim todos temos que contribuir mas também receber contribuição dos demais. Mas uma aliança extraordinária que precisa haver, é entre o rei e o povo. Lá, naquela ocasião, o país estava sendo governado a um bom tempo por uma rainha má, perversa, assassina, que para assumir o trono, fez uma limpeza genocida na família real, quando o rei era seu próprio filho, que fora morto em combate. Esse novo rei fora um sobrevivente ainda bebê, preservado do massacre, por sua irmã, que era esposa do sacerdote. Então, a vida e a história de Joás é de alguém muito parecido com a de muitos de nós, verdadeiros sobreviventes e assim como dependemos da misericórdia de Deus, ele dependeu da bondade e generosidade da irmã e do cunhado, que estavam em posição de autoridade nas condições adequadas para lhe oferecer abrigo e proteção e encaminhá-lo para cumprir seu destino. Ao assumir o trono com sete anos de idade, ele precisava muito contar com pessoas confiáveis, não só para governar, mas até mesmo para sua sobrevivência. Olhando para o caminho que percorremos até aqui, podemos testemunhar que tivemos que contar com apoio e generosidade de pessoas que nos ajudaram; portanto não vencemos sozinhos. Se nossos empreendimentos deram certos, tivemos lucros ou bons resultados, isso também teve a colaboração de equipes e seria bom reconhecermos suas contribuições e seus valores para o sucesso de todos. Vocês que leram minhas meditações durante esse ano, ou parte dele, trago meus agradecimentos e quando alguma delas fez sentido e abençoou sua vida, para mim, valeu a pena, pois cada uma delas, são como sementes que lanço todos os dias, e obrigado por acolher com um coração desarmado e desejoso de se edificar. A grande alegria de alguém que escreve alguma coisa é saber que alguém o está lendo, e assim sendo, isso tem me trazido muita satisfação e incentivo para continuar. Alguns amigos tem procurado me incentivar a publicar essas ou algumas dessas mensagens e tenho orado por uma ocasião e condições oportunas, creio que no devido tempo, algo deve acontecer e que seja bênção. Um fraterno abraço e que Deus seja contigo e com sua família nesse novo ano, com muita paz e sabedoria para enfrentarmos e superar todos os obstáculos. Crise, é sinônimo de oportunidade! Ventos contrários também levam o barco para frente, só preciso saber manejar as velas!

 

Pr Jason

 

Anúncios

Fazendo o Bem Pela Metade

Meditação do dia 30/12/2015

2 Rs 10.31 “Mas Jeú não teve cuidado de andar com todo o seu coração na lei do Senhor Deus de Israel, nem se apartou dos pecados de Jeroboão, com que fez pecar a Israel.

Fazendo o bem pela metade – Fazer as coisas bem feito, tem à ver com fazê-las na totalidade. Uma ação pela metade, pode se tornar tão ineficiente quanto se não houvesse feito nenhuma parte. Esse rei Jeú, foi levantado por Deus com uma tarefa de extirpar o culto idólatra de Baal, dentro do território israelita. Ele deveria também cuidar que a dinastia do rei Acabe e Jezabel não prevalecesse e nem mesmo subsistisse. Ele fez uma parte muito bem feita e com extremo zelo. Mas assim que se sentiu consolidado no trono, não continuou fazendo as reformas que deveriam continuar acontecendo na nação. Seu coração não foi perfeito para com Deus; ele tinha restrições e abertura para pecados e práticas tão detestáveis aos olhos de Deus quanto aquelas que ele mesmo exterminara. Quando estudamos os ensinamentos bíblicos sobre santificação, aprendemos que ela tem um lado negativo e outro positivo, isto é, na prática, há elementos que precisam ser erradicados da vida e conduta nossa; são ações e praticas erradas, pecaminosas, que desagradam a Deus e impendem o desenvolvimento espiritual da pessoa. Mas também tem o lado positivo, isto é, os aspectos que precisam ser incorporados na rotina diária da vida para que haja crescimento e desenvolvimento. Em alguns aspectos, eles até podem ser substituídos por um aspecto correspondente, por exemplo: Alguém que tinha o hábito de praguejar; ele pode e deve não apenas parar com isso, mas de imediato substituir por “bendizer – falar bem;” a murmuração, pode ser trocada pelo louvor e gratidão; a dúvida, pode ser trocada pela confiança; a avareza, pode ser trocada pela generosidade; a rebeldia pela submissão voluntária; a dureza e aspereza pela docilidade e suavidade… e assim por diante. Caso essas mudanças não aconteçam, corre-se o risco de ter um testemunho deficiente, porque a pessoa pode descartar uma série de práticas errada, ao dedicar sua vida a Deus, mas não coloca nada no vazio deixado pelas práticas pecaminosas, e como todo espaço vazio tem a tendência de ser preenchido, isso pode vir a servir para a construção de uma vida cheia apenas de negativos: “não pode, não tem, não deve, não faça, não vá… não… não! A base bíblica para a legítima vida de fé e nos seguintes termos: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,” (Cl 3.23). O rei Jeú não teve esse cuidado, gostava de Deus, mas amava o pecado e sabemos que não dá para servir a dois senhores ao mesmo tempo. Decida, ainda nesse fim de ano, a ter uma postura de fazer tudo com integridade e coração inteiro. Será bom você!

 

Pr Jason

 

Uma Missão Nobre

Meditação do dia 29/12/2015

2 Rs 9.5 “Então o profeta Eliseu chamou um dos filhos dos profetas, e lhe disse: Cinge os teus lombos; e toma este vaso de azeite na tua mão, e vai a Ramote de Gileade;

Uma missão nobre – Todos nós um dia sonhamos em realizar algo realmente grande, nobre, que fizesse a diferença. Muitos, ao longo do período de crescimento até chegar a fase adulta e a maturidade, acaba por se perder nos muitos afazeres e os sonhos ficam para um plano distante da realidade. Mas sonhar é bom e lutar por realizar esses sonhos é uma tarefa que vale muito o esforço e a perseverança. Muitos tem seus planos alterados por situações que obrigam improvisos e mudanças de rota e até de foco; ou em muitos casos, os pais e familiares desestimulam pensando que há coisas mais produtivas na vida; sem contar que as vezes é preciso encarar uma realidade nova e ajudar no sustento e manutenção da casa e assim lá se vai os planos e sonhos. Quando abraçamos uma carreira, ela oferece um topo a ser alcançado e nem sempre isso é fácil ou é alcançado em curto prazo. Mas ao longo da vida de qualquer um surgem oportunidades para se realizar coisas boas e até grandes. A dignidade e nobreza com que se faz uma simples tarefa, a torna importante e isso é o que realmente importa. Você já pensou, que atrás e até junto a toda pessoa de sucesso, há anônimos de suma importância na vida e na carreira daquele famoso, que do contrário, ele não chegaria à aqueles resultados? Um time campeão, além dos visíveis, tem roupeiro, cortador de grama, copeiros, garçons, porteiros e se um deles não fizer bem o seu trabalho, afeta os resultados de todos. Onde você está? Não importa, mas o que você faz, sim, isso faz toda a diferença. Um jovem estudante e discípulo do profeta Eliseu, estava sendo treinado naquele ofício, mas ainda não estava pronto, credenciado a exercer o ofício profético, mas um dia ele acordou e após o café da manhã o homem de Deus o chamou e lhe deu uma missão, provavelmente a mais importante de sua vida – Ungir o novo rei da nação. Ele não esperava, mas oportunidade veio e ele foi lá fez como lhe ordenado e de bônus, Deus ainda lhe deu uma palavra profética para o novo rei. Você sabe o nome desse jovem? Não! Nem eu, e a Bíblia não diz, mas o trabalho dele foi importante? Ele realizou um grande feito? Sim! Se prepare, esteja pronto, Deus pode te surpreender a qualquer momento, com a oportunidade dos seus sonhos e dos sonhos de muita gente. Ungir um rei era privilégio só para os grandes sacerdotes ou profetas já consagrados e respeitados; mas coisas acontecem, não é mesmo? Tenha expectativas grandes, não dentro de sua capacidade, mas além dela e não perca uma grande oportunidade que apareça. Não perca as esperanças de grandes realizações, porque nem tudo tá acabado, nem mesmo o ano de 2015, muita coisa ainda pode ser feita. Reaja!

 

Pr Jason

Um Ex-morto

Meditação do dia 28/12/2015

2 Rs 8.5 “E sucedeu que, contando ele ao rei como ressuscitara a um morto, eis que a mulher cujo filho ressuscitara clamou ao rei pela sua casa e pelas suas terras. Então disse Geazi: Ó rei meu senhor, esta é a mulher, e este o seu filho a quem Eliseu ressuscitou.

Um ex-morto – Pessoas morreram e nunca mais serem vistas, é o normal em todo tempo e lugar; agora, alguém morrer e ser ressuscitado e continuar a viver, já não é comum, é algo raro. Pessoalmente, conheço um caso, mas sei que na história do cristianismo, em alguns lugares, isso é mais comum do que imaginamos aqui no Brasil, por exemplo. O secretário do profeta Eliseu, estava numa audiência informal com o rei e na conversa, surgiu o assunto dos feitos mais renomados ou miraculosos realizados pelo profeta, e quando o moço falava de um garoto que fora ressuscitado, a conversa teve que ser interrompida porque havia uma audiência agendada em que o rei receberia uma senhora, para tratar de assuntos legais de suas terras e o rei permitiu a presença do jovem e foi aí que a surpresa se revelou – a senhora da audiência do rei, era exatamente a mãe do garoto que fora ressuscitado por Eliseu e ela se fazia acompanhado do filho. A audiência tomou outros rumos, porque o rei ouviu novamente a história, agora do ponto de vista da mãe que passara por aquela aflição e ali estava a prova viva da manifestação do poder de Deus. Ela foi favorecida pela gentileza e generosidade do rei na sua causa. Isso, nós chamamos de “testemunho de vida!” O apóstolo São Paulo usou um linguajar semelhante, para ensinar sobre a grande obra de Deus na vida de uma pessoa, ou melhor, de todos nós, pois como pecadores, estamos perdidos e sem nenhuma chance de mudanças tal qual um morto, teria de mudar sua situação. Escrevendo aos Efésios, ele disse: “Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus;” (Ef 2.5,6). Então, já estivemos mortos, ou seja, separados de Deus e dos recursos espirituais que podem nos manter em  estreita relação com o Pai. A intervenção de Cristo na nossa história é que fez toda a diferença. Agora podemos comparecer diante do rei (Deus) e reivindicar graça e misericórdia, porque recobramos nossos direitos. O moço de Eliseu estava contando ao rei os grandes feitos do seu senhor. Veja a importância de testemunharmos para as pessoas sobre os grandes feitos do nosso Senhor; sobre o que ele tem feito não só para nós, mas também para outras pessoas! Aquele testemunho, abriu as portas para aquela família. O testemunho do que Deus tem feito na sua vida, a sua família, pode abrir portas e abençoar pessoas. Não perca oportunidade de falar das coisas boas que tem acontecido contigo ou perto de você! Se você também, é um ex-morto, mas Deus te deu vida nova e abundante, conte isso, dê o seu testemunho!

 

Pr Jason

Tempo de Boas Notícias

Meditação do dia 27/12/2015

2 Rs 7.9 “Então disseram uns para os outros: Não fazemos bem; este dia é dia de boas novas, e nos calamos…

Tempo de boas notícias – O melhor tempo para se ouvir boas notícias é exatamente quando as coisas não vão indo bem. Boas notícias são sempre reconfortantes! Boas notícias trás alívio e esperança. Ser portador de boas notícias é muito gratificante. Esta história é uma lição de vida e quando os personagens tiveram que fazer escolhas e compartilhar com outros, aquilo que eles encontraram e poderiam ter retido e desfrutado a sós. O contexto é o seguinte: A cidade estava cercada por exércitos inimigos, que usaram a muralha da cidade contra ela mesma. Era difícil ultrapassar e invadir para saquear e destruir; então resolveram ficarem acampados em redor e deixar que a população entrasse em colapso por falta de abastecimento e suprimentos, forçando-os assim a abrirem os portões e permitirem a invasão quando já não tinham mais condições de resistir e lutar; seriam presas fáceis. A fome, a sede, foi tamanha que o desespero chegou e não havia perspectivas de solução e o plano do invasor estava dando certo. O que diriam os críticos da fé? De onde viria o socorro? Quatro homens leprosos, excluídos, marginalizados da sociedade, que viviam fora das muralhas, condenados pela doença e a segregação, também tinha seus problemas agravados, pois a possibilidade da generosidade e caridade de alguém levar-lhe alguma coisa também não existia. Eles conferenciaram entre si e partindo da realidade nua e crua, agiram. A conclusão deles foi simples, única e clara: Somos leprosos, condenados a morrer e a fome está antecipando nossa sentença; aqui fora e lá dentro para nós não há diferença – a diferença está no acampamento do exército inimigo, que tem comida, água e abrigo, ou uma morte mais rápida que a causada pela fome. Vamos pra lá! E foram. Deus já havia entrado com providencias e eles seriam os portadores da boa notícia. Não encontraram ninguém e o acampamento abandonado às pressas, e fartura de comida, bebida, e bens e riquezas que eles jamais imaginariam possuir ou mesmo ver. Claro, fizeram a festa e esconderam bastante e então a ficha caiu! Somos portadores de uma notícia que vai salvar uma cidade inteira e estamos aqui pensando só em nós mesmos! Foi aí que as coisas mudaram, para eles e para os outros, incluindo o rei. Por muitos anos este texto me intrigou, porque quando ficamos concentrado unicamente em nossos próprios problemas, na nossa realidade, achamos com toda razão que somos os mais miseráveis de todos e que ninguém mais se importa com a gente ou talvez não queiram se importar, porque eles também tem seus próprios problemas. O inimigo é comum a todos. Dentro ou fora das muralhas que construímos para proteger, elas podem servir de prisão e causa de nossa ruína e perdemos para nós mesmos e assim somos derrotados por um inimigo que vencerá sem sequer lutar. Sem saber do agir de Deus, a ignorância pode ser tão letal quanto qualquer espécie de mal. Ou esquecemos nossa miséria e decidamos ser portadores da graça de Deus ou pereceremos com os que não tem esperança. Saia dessa depressão! Saia dessa amargura! Saia dessa falta de perdão! Deixe de ficar acusando a vida de ter sido cruel, dura e implacável com voce! Deus já espantou o inimigo faz tempo! Troque o discurso, vire a página e se for pouco, troque o livro! Você é o que é, só enquanto aceita ser isso. Deus não tem que fazer as coisas do jeito que você imagina, ou pensa que Ele tenha que fazer! Reaja!!!! Hoje é dia de boas novas e não é tempo de se calar, tem gente, muita gente dependendo de sua mudança de atitude, até o rei!

 

Pr Jason

Viva de Olhos Abertos

Meditação do dia 26/12/2015

2 Rs 6.17 “E orou Eliseu, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.

Viva de olhos abertos – As boas e grandes lições da vida, aparecem em meio a situações difíceis. Então, dificuldades são sinônimo de oportunidades, que se bem aproveitadas, nos farão crescer, amadurecer e frutificar. Sabemos que temos alguém que olha por nós e vela pela nossa segurança. Ao ler este capítulo, podemos perceber que mesmo quando o governo humano não tem como se proteger de forças e poderes invisíveis do mal, o exército de Deus está de plantão e bem atento. Também, mesmo que estejamos envolvidos com nossas próprias preocupações e nosso mundinho local, há pessoas de Deus, pessoas de oração e com ministérios específicos e atuantes em batalhas espirituais que estão nas torres de vigias, verdadeiramente na brecha, para que os propósitos de Deus se realizem, afinal, o reino de Deus, não começou ontem, ou quando eu comecei a frequentar a igreja e muito menos e tornou mais forte e ativo, porque eu e a minha igreja existimos. Deus sempre contou com um exército, que de anjos, quer de homens, dispostos, preparados e atentos. O rei de Israel não sabia do que estava acontecendo, nem mesmo na esfera material e em se tratando da segurança nacional. Diríamos, que o seu serviço secreto, ou se ministério da defesa, não estava nada preparado, incluindo a guarda pessoal, pois Eliseu fez esse papel várias vezes, até que o próprio rei da Síria, pretenso invasor se irritou com o constante insucesso de suas bem tramadas armadilhas para surpreender o rei de Israel. Vamos pensar em termos espirituais; Eliseu e seu moço, representam a igreja, o poder espiritual e responsável pela manutenção do equilíbrio através da oração e discernimento espiritual. Eliseu sim, estava em condições, mas o moço, ou seja, o seu apoio e auxílio, estava completamente despreparado, ignorante da realidade e sua fé e conhecimento de seu campo de atuação praticamente não existia. Quando viu o exército sírio, já ficou apavorado, indicando que sua preocupação era meramente material. Também não teve nenhum discernimento espiritual da presença das forças armadas de Deus. Ainda bem que Eliseu estava ali e o acalmou e intercedeu por ele para que tivesse acesso a informações espirituais. O mundo espiritual, os anjos, o exército de Deus, estava presente ali o tempo todo, mas o que não é conhecido, não pode ser reivindicado. Como apropriar-se de bênçãos e da ajuda espiritual disponível para o bom desempenho de seu ministério, se nem ao menos acredita em realidades espirituais? Como vencer uma batalha espiritual, se não acredita exista uma? Como buscar discernimento e conhecimento espiritual se acreditas que tudo que podes saber, está disponível intelectualmente? Lembre-se: “O justo viverá pela fé!” Que tal, pedirmos para Deus abrir nossos olhos? Pode ser que nos achemos numa condição de presunção de que já sabemos tudo, já temos tudo… Abra os olhos! Mas primeiro, abra o coração, para Deus!

 

Pr Jason

Um Retrato de Todos Nós

Meditação do dia 25/12/2015

2 Rs 5.1 “E Naamã, capitão do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu SENHOR, e de muito respeito; porque por ele o SENHOR dera livramento aos sírios; e era este homem herói valoroso, porém leproso.

Um retrato de todos nós – Prá começar bem, desejamos a todos um feliz natal! Que esse seja não apenas uma data importante no calendário, mas especialmente nos corações de todos nós. O porque celebramos o natal, isso sim, é deveras importante. Nem tanto pelo presente maior que foi Deus que nos deu, mas porque ele nos deu. Um pai sempre sabe qual é a real necessidade de seus filhos e assim, Deus nos deu um SALVADOR! Quem precisa de salvador? Quem está perdido, claro! Porque Deus na sua infinita sabedoria nos daria um salvador se ninguém por aqui anda precisando de salvação? Seria como os nossos enfeites da árvore de natal? Definitivamente não! Isso é para refletirmos: Porque Deus me deu de presente de natal um salvador? O que será que ele quer dizer com isso? Vou trabalhar o verso da meditação de hoje, nesse sentido, quem sabe se elucida melhor e ajuda na atitude que precisamos ter. Olha no verso acima, as qualidades desse homem Naamã; Observe o seu curriculum; se ele estivesse procurando emprego nos nossos dias, com um curriculum desses, ele não ficaria na fila do salário desemprego por muito tempo. Isso ilustra a história de todos nós humanos diante de Deus. Você, eu, nós, vós, eles e todos os outros…. Ninguém chega a ser capitão sem méritos e capacidades (aqui significa comandante chefe, o número um nacional). Um grande homem, isso era reconhecido nacional e internacionalmente; de muito respeito, espaço e lugar conquistado por uma folha de serviço; ele fora responsável por livrar o pais de exércitos inimigos em combate. Era um herói!! Não é todos os dias que vemos pessoas com tais qualidades e habilidades. Contudo, tem “MAS, PORÉM…” leproso!!! Isso estraga o curriculum de qualquer um. Era uma doença contagiosa, e para aquela época, incurável e que condenava todo e qualquer portador dela um excluído da sociedade e banido para fora do convívio e até literalmente, para fora das cidades, tendo que viver em colônias na companhia apenas de outros tais, já condenados, para assim sobreviverem até o dia final. Biblicamente, isso retrata o pecado. O pecado é uma doença contagiosa, incurável que destrói todo e qualquer laço de fraternidade e expõe a pessoa a viver numa condição ruim, até que um dia vá definitivamente para um lugar ou condição, que todos ali são da mesma condição. Só o Sangue de Jesus, derramado na cruz é capaz de limpar as manchas e marcas deixadas pelo pecado. Assim como a lepra, o pecado não faz distinção alguma entre reis e plebeus, nobres e vis, de alta patente ou sem nenhuma categoria, não importa quanto dinheiro, fama, respeito, medalhas, condecorações, títulos e honrarias… todos são leprosos, como todos são pecadores. Foi por isso que o presente de Deus para o nosso natal, foi um Salvador.

 

Pr Jason

A Mulher e os Filhos do Servo de Deus

Meditação do dia 24/12/2015

2 Rs 4.1 “E uma mulher, das mulheres dos filhos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao SENHOR; e veio o credor, para levar os meus dois filhos para serem servos.

A mulher e os filhos do servo de Deus – O que acontece quando uma pessoa temente a Deus, que o serve com fidelidade, vem a falecer? Bem, de um lado, ele é recebido nas “mansões celestiais” – vai entrar no descanso eterno, receber a recompensa pelos frutos de seu labor ministerial – será recepcionado por anjos de vestes brancas e asas longas e bem cuidadas – vai estar nu lugar maravilhoso, aguardando a ressurreição dos demais irmãos da fé, para assim entrar no gozo definitivo e eterno, reservado para os filhos de Deus que perseveraram na fé – aí então é que a coisa ficará boa mesmo, com o arrebatamento da igreja, o encontro com o Senhor nos ares e assim a eternidade sem dor e lágrimas e na presença viva e real da Trindade Santa, sendo acolhido por Cristo e entrando na grande sala do banquete, o dia da grande ceia com o Senhor Jesus à cabeceira da mesa, para então pela segunda vez celebrar aquela mesma ceia que ele instituiu na noite em que foi traído e preso, depois morto na cruz. Para esse amado, que acaba de adentrar às portas da eternidade, podemos dizer, que ele está a bem menos do um passo do paraíso. Que glorioso! M A S S S . . . Como toda moeda tem dois lados, o que acontece aqui na terra, na cidade e na casa desse mesmo amado, querido e fiel servo de Deus? Vamos tomar como referencia o quadro bíblico do texto da meditação de hoje e adaptar ao nosso contexto. Primeiro vem o choque da notícia da morte do irmão fulano de tal. Que coisa! Homem novo ainda e que aparentemente desfrutava de boa saúde… o que foi mesmo que causou a sua morte? Ah! Sim! Que pena! Vamos sentir muito a sua falta e a igreja também. Nossa, e a irmã fulana, viúva tão jovem, com duas crianças menores de dez anos de idade! O menorzinho, tão apegado com o pai, lembra, estava com ele por todo lado! Segue o velório, o culto fúnebre com as várias palavras de gratidão pela vida, ministério e exemplo de dedicação que ele deixa, como filho, pai, esposo, cidadão e obreiro da seara do Senhor… Depois vem o sepultamento, as lágrimas e os amigos para abraçarem e consolarem a irmã e onze em cada dez diz a ela e aos filhos: “Estamos aqui e voces podem contar com a gente, é só chamar, para o que precisarem…” e cada um entra no seu carro há um novo cortejo de debandada, desta vez mais veloz e menos cerimonial do que o anterior e todos voltam as suas vidas, amém! Já no amanhecer do dia seguinte começam a chegar pessoas dizendo sentir muito pela perda da pessoa, mas infelizmente a vida segue, e por favor me desculpe, mas eu venho trazer essa promissória, esse boleto, essa duplicada, essa fatura, esse compromisso assumido por ele…. O homem de Deus, fiel, e coisa e tal, era tudo, menos previdente e cuidadoso com negócios e responsabilidades financeiras. Nunca pensou na possibilidade de vir a falecer e cuidar para que a família tivesse algum tipo de amparo e proteção. Fiel demais e relaxado mais ainda. A viúva da história aqui, se viu em privação e necessidade, numa época que não havia previdência social pública, seguro de vida e nem bolsa caixão, bolsa cova rasa e coisas do gênero. Os credores vieram e deram ultimato, ou paga, ou levamos seus filhos como escravos! Imagine o coração dessa mãe… ele deve ter pensado: “ainda bem que ele está morto, senão eu mesma acabaria com a raça dele!” Quantas irmãos, viúvas de pastores e obreiros, tem passado por isso, na volta do sepultamento, já estão pedindo a casa pastoral para colocar o novo servo fiel que precisa assumir o trabalho… e a irmã e as crianças? São apenas um detalhe, a obra precisa continuar! Irresponsabilidade do defunto, da igreja e do ministério que não cuida e ampara devidamente a quem serve e abençoa. Essa história, termina com o milagre da multiplicação do azeite, que deu para ela quitar todos os compromissos e viver como saldo. Deus teve que se virar nos trinta para fazer um milagre, para suprir uma necessidade, que poderia ter sido melhor trabalhada pelo “fiel” quando ainda em vida. Ninguém está aqui nesta vida com garantia de até quando, e não nascemos com uma etiqueta de prazo de validade. Cuide bem do que você ama, para que não se repita isso! Sendo recebido com festa na glória e cá embaixo, o choro tem que uma razão!

 

Pr Jason

Sem Vento e Sem Chuva

Meditação do dia 23/12/2015

2 Rs 3.17 “Porque assim diz o Senhor: Não vereis vento, e não vereis chuva; todavia este vale se encherá de tanta água, que bebereis vós, o vosso gado e os vossos animais.

Sem vento e sem chuva – Deus escreve certo por linhas tortas, diz a sabedoria popular, embora muitos rejeitem ações sobrenaturais, como um modo de Deus agir entre os homens, e outros mistifiquem tanto, que não fica espaço para o natural e o convencional. Pessoalmente, acho que Deus se diverte lá de cima, vendo nossos altos debates teológicos e nossas teses, sobre o que ele faz e não faz, o que ele pode e não pode e as incontáveis razões de porquês… Mas também tenho minhas divagações e algumas delas são meras especulações, que poderão ser confirmadas um dia ou não… só não quero incorrer em situações que transgrida a verdade revelada na sua Palavra. Assim sendo, me parece as vezes que o Senhor se inclina para nós cá em baixo fica assistindo como nós os pais fazemos vendo as crianças brincando entre si e as vezes discutindo “altos assuntos” dos quais elas não tem a menor idéia real dos fatos. Então, as estações do ano, o tempo de chuva e seca, é fenômeno natural, pode haver interferência divina voluntária, ou para disciplina de um povo, ou tudo isso não passa de especulação e Deus na verdade não interfere no curso natural das coisas? O que será, será? Eu, Jason, acredito em milagres, acredito em intervenção sobrenatural de Deus, em toda e qualquer área, pois ele é Todo-Poderoso e Criador e sustentador de todas as coisas e nada está fora do seu controle. Isso para mim, é ponto pacífico. O profeta Eliseu trouxe uma mensagem para eles, em que Deus respondia a seus rogos por socorro, porque estavam em uma missão de combate sem provimento adequado de água e isso numa região desértica é fatal. Qual seria a maneira mais natural de Deus prover água para eles? Com chuva, é claro, que normalmente vem antecipada por ventos que trazem as nuvens carregadas; mas dessa vez o Senhor disse que faria diferente, seria silencioso, manso e suave; Eles poderiam se prevenir, abrindo poços, ou valas, que seriam cheias, sem nenhum sinal natural. Quando oramos, buscando a Deus por uma ajuda, em uma situação difícil, a nossa fé nos leva a crer que a resposta das orações virão, por o cuidado do Pai com seus filhos é muito bom e sua fidelidade está sempre disponível. Até imaginamos os caminhos normais pelos quais a bênção chegará as nossas mãos; mas necessariamente não e sempre que isso se confirma. A criatividade divina é fantástica e surpreendente. Ele faz coisas novas o tempo todo. Portas se abrem onde nem mesmo víamos uma parede! Ele tem a seu inteiro dispor, pessoas e todos os meios de recursos para suprir naturalmente ou sobrenaturalmente, para todos os seus filhos. Andar com Deus é um grande desafio com surpresas a toda hora! Se voce tem orado por algo, não precisa esperar por ventos ou chuvas, espere sim, pelo agir paterno de Deus! Não apenas sua missão, sua jornada é do interesse dele, mas especialmente você! Eu e você, você e eu, somos importantes e amados, bem vindos e aceitos diante dele o tempo todo. Deus é bom, não se esqueça disso!

 

Pr Jason

Carruagens de Fogo

Meditação do dia 22/12/2015

2 Rs 2.11 “E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho.

Carruagens de fogo – Uma qualidade muito distinta de quem trabalha servindo nos ofícios sagrados dos ministérios à serviço do Senhor Deus, é o anonimato; Isto é, estar disposto a servir sem aparecer, sem levar a fama, ser elogiado, paparicado ou estar nos holofotes. Se alguém se lembra e elogia ou reconhece, a pessoa de Deus, agradece e transfere a honra e a glória de tudo isso a Deus, que a capacita a fazer bem feito. Somos servos, e como tais, louvores e aplausos não são importantes. No Novo Testamento, as expressões usadas para designar essa atitude correta é “renunciar a si mesmo” ou “estar crucificado.” Vou citar duas referencias para confirmar: “…Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me” (Mc 8.34) e também (Gl 2.20) “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” Vivendo e servindo nesse nível, é possível enfrentar as rejeições e desprezos ou não valorização a que se está sujeito sabendo que tem alguém muito mais justo e fiel que vai dar a devida recompensa no devido tempo. E a maneira de Deus honrar alguém é incomparavelmente melhor do que qualquer honraria terrena. Desejo mostrar aqui o que eu considero a materialização dessa forma de recompensa divina para honrar alguém que efetivamente serve bem. No episódio do encontro do Profeta Elias com os profetas de Baal, descritos em I Rs 18, após aquela demonstração, Elias subiu ao monte para orar e insistiu em oração até que o seu secretário avistou uma pequena nuvem do tamanho de uma mão; então o profeta mandou ele avisar o rei e apressá-lo a se refugiar porque viria uma abundante chuva. Elias desceu do Monte e seguiu correndo até a cidade o rei vinha com a carruagem e nem se deu ao trabalho de dar uma carona para Elias, que era a razão daquela chuva estar caindo e abençoando a terra e findando um período de chuva. Pois, bem, dar uma carona era um gesto de gentileza e honra e agradecimento devido da parte do rei. Ganhar uma carona na carruagem do rei não era para qualquer plebeu…mas não rolou! Pois bem, o modo como Deus escolheu levar Elias para o céu, não só foi inusitado, pois em toda a história bíblica, isso só teria acontecido a uma outra pessoa, Enoque, antes do dilúvio ainda. Elias foi levado vivo para o céu e foi de carruagens e cavalos de fogo. Portanto, porque lamentar não ter ganhado um voltinha na carroça do rei. Carruagem real é para os fracos, a pessoa a quem Deus deseja honrar ele envia sua frota especial de carros e cavalos de fogo. Não se ressinta se não for homenageado, lembrado, condecorado… o rei a que você serve, no momento  certo vai de exaltar. No salmo 23 Davi fala que Deus prepara um banquete para os seus na presença de seus inimigos… E aí, quer glória aqui, agora, ou quer esperar pela melhor?

 

Pr Jason