O Primeiro Maldito da Terra

Meditação do dia 30/11/2017

Gn 4.11 – E agora maldito és tu desde a terra, que abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue do teu irmão.

 O Primeiro Maldito da terra – Será que foi Deus que amaldiçoou a Caim, ou ele se colocou nessa condição e foi notificado pele Senhor que de agora em diante essa é e será a sua condição? Está aberta a temporada de opiniões. Não quero aqui me ater na defesa de um ou outro lado, quando a questão é bênção ou maldição; claro que pessoalmente, prefiro a bênção! Citando minha frase quase que favorita, “o equilíbrio e o grande desafio da vida;” e certamente o equilíbrio é bem-vindo em toda e qualquer área da nossa existência e militância. Não vejo maldição a torto e à direito para tudo quando é lado; mas sei que ela existe, que ela vem sobre, e é possível se colocar numa condição onde se pode ser afetado por ela. Também estou consciente do poder que há no nome de Jesus, no sangue de Jesus e na obra da redenção da cruz do Calvário. Estou convicto de que aqueles a quem o Senhor abençoar será abençoado e se ele disser o contrário, serão amaldiçoados. Também estou à par de que maldição sem causa não se cumpre, o que se infere, que maldição com causa se cumpre. Como ao pássaro o vaguear, como à andorinha o voar, assim a maldição sem causa não virá (Pv 26.2). Caim no seu desatino emocional, armazenou no seu coração uma ira mortal, que se materializou, vindo a abater o seu irmão. O egoísmo exacerbado torna o indivíduo o centro de seu próprio mundo e tudo o que o contrariar ou se opor, torna-se alvo de eliminação e para isso pode se lançar mão dos mais variados métodos e ferramentas. Caim, tão irado, provavelmente nem sabia contra quem ou contra o que ele estava naquele estado; mas sua frustração tinha a ver como seu interior, que fez as próprias regras de como adorar e servir a Deus e quando isso não se encaixou com o exterior, porque foi rejeitado e foi perceptível, ele não tinha um plano B e não aceitou as sugestões de Deus e sabe-se lá, se os pais e o irmão também se ofereceram para ajuda-lo no seu momento difícil. Como muitas pessoas, Caim tinha revolta e ira contra Deus; mas é muito mesquinho admitir que se está bravo com Deus, afinal ele é Deus! As atitudes de reprovação a tudo que se liga a Deus e ao que ele gosta ou valoriza, se tornam mecanismos de defesa e ajuste nesses momentos de amargura e revolta. Tenta-se disfarçar e suavizar, ou “dourar a pílula” para se tornar menos indigesta. Afasta-se dos cultos e atos de serviço a Deus; afasta-se da leitura e meditação bíblica; descompromete-se com a obra de Deus e relaxa com obrigações de fé, à ponto de tornar-se um cristão, apenas nominal, mas no interior não a mais espaço para Deus. Nesses moldes, temos cristãos membros de igrejas, obreiros, pastores e líderes prestigiados em suas denominações, cuja fé e relacionamento com Deus inexiste, tudo nada mais é senão fachada; assentimento intelectual e não é uma heresia afirmar que se tornou apenas um meio de ganhar a vida; uma profissão, como qualquer outra; e nesse caso, a pessoa já está no ramo a muito tempo. Temos sim, pastores e membros dispostos a levar Deus ao banco dos réus, é só uma questão de oportunidade! Não sei se alguém ou alguns entenderão a minha colocação, mas o que o profeta Jeremias disse, faz sentido ao olhar os resultados de muitas vidas e ministérios: Maldito aquele que fizer a obra do Senhor fraudulosamente; e maldito aquele que retém a sua espada do sangue (Jr 48.10). Não foi fácil para Caim viver e conviver com sua maldição e não deve ser fácil para ninguém, se colocar numa condição onde a bênção de Deus é retirada e inexiste e ali opera o sentido reverso do desejo do coração de Deus. Seria interessante auto avaliação e se colocar em condição da obra perfeita de Cristo valer para tudo e para qualquer condição. Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito (Gl 3.13,14).

Obrigado Jesus, por me resgatar de uma condição ruim que os meus pecados me levaram e colocar sua vida em preço de resgate para que eu pudesse me tornar filho de Deus, liberto, justificado e santificado no teu poderoso nome. Graças, Senhor por permitir que o Espírito Santo me guie à toda a verdade e assim ser liberto plenamente e santificado totalmente para servir ao Deus vivo e verdadeiro. Não só rejeito a maldição, mas me aproprio do direito à bênção pela aliança estabelecida e confirmada na cruz. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

A Síndrome de Caim

Meditação do dia 29/11/2017

Gn 4.9 – E disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? E ele disse: Não sei; sou eu guardador do meu irmão?

 A Síndrome de Caim – Na medicina, uma síndrome se define assim: conjunto de sinais e sintomas observáveis em vários processos patológicos diferentes e sem causa específica.Também é um termo muito utilizado com sentido figurado e nesse caso, uma boa definição é: conjunto de sinais ou de características que, em associação com uma condição crítica, são passíveis de despertar insegurança e medo. Posso me dar a licença de criar uma definição, digamos “Jasonica” baseado no uso didático nas prédicas pastorais e em escritos evangélicos, nesse caso “síndrome, é um ato ou efeito com tendência a se repetir em cenário idêntico ao original do personagem.” Assim sendo, sempre que alguém se vê em circunstancia semelhante, ele tende a repetir o mesmo procedimento. Então, a Síndrome de Caim, se confirma quando alguém é confrontado com algo da sua responsabilidade, ele age exatamente como Caim agiu em relação à sua responsabilidade para com seu irmão Abel. Como servos de Deus, todos temos responsabilidades com as questões do reino e entre tudo que há de importante nele, nada é mais relevante do que as pessoas. Os reinos e governos humanos, sacrificam pessoas para salvarem sistemas e ideologias. No reino de Deus, Jesus deu sua vida para salvar todas quantas possíveis, pois isso só dependerá do Evangelho ser comunicado e o cada pessoa fazer a sua decisão do que quer fazer com seu destino. Deus não sacrifica pessoas para salvar coisas ou sistemas. Ele criou as pessoas como sendo obras primas de sua criação e fez tudo e mais um pouco para oferecer a redenção completa em seu filho Jesus. Na sua Palavra, uma geração é responsável por outra geração, e os pais são responsáveis pelos filhos e deve treiná-los e capacitá-los para cumprirem seus destinos. É baseado nesse premissa que o discipulado é tão enfático e precioso nas Escrituras, especialmente no Novo Testamento. Todos precisamos ser discipulados para nos envolvermos em discipular outras pessoas e uma geração passar o bastão para a geração seguinte, com qualidade e efetividade. Assim, a prestação de contas é parte vital. Mas o nível de comunhão nas igrejas tem sido relegado a um plano muito raso, alguns até entendem que comunhão cristã é aqueles três a cinco minutos pós culto, quando se toma um cafezinho na cantina nos fundos do templo, que até tem o sugestivo nome de “Koinonia.” Mas na prática, quando se pergunta pelo irmão, a afirmação é cainita em número, gênero e grau: “Não sei, isso não é responsabilidade minha, não é do pastor, do líder, do…” Uma pergunta: Na sua igreja, ou comunidade de fé e serviço, você é responsável por quem? Quantas pessoas estão sendo cuidadas e apascentadas, orientadas e crescendo devido o seu ministério? E a quem você está ligado? Você presta contas a quem e em que nível de responsabilidade e compromisso? A versão cristã é que a síndrome de Caim não deve prevalecer na igreja e no povo de Deus. Para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular (1 Co 12.25-27).

Pai, obrigado por Jesus ser o nosso bom pastor e cuidar tão bem de cada uma de suas ovelhas e de todo o rebanho. Dá-nos um coração de servo e disponível a servir e apoiar os novos e mais fracos para que se fortaleçam e sigam na caminhada até chegar ao destino final. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Crime Premeditado

Meditação do dia 28/11/2017

Gn 4.7 – E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.

 Crime premeditado – Violencia doméstica; crime violento; crime por emboscada. Parece manchete de jornal atual, notícia ao vivo. Mas foi o primeiro crime contra a vida cometido no mundo. Numa sociedade composta de quatro pessoas e uma ser morta por outra é um índice alarmante; na verdade é um extermínio de 25% da população e outros 25% envolvido nessa violencia. Mas o que podemos aprender de edificante numa situação como essa? Primeiro precisamos nos colocar no lugar das pessoas afetadas e experimentar empatia com o sofrimento delas. O coração de Adão e Eva, que teoricamente sabiam sobre a morte, mas na prática isso nunca existira, então eles não sabiam nada e não tinham como se preparar para aquilo. Eu sei que a ordem certas das coisas é que os pais sejam velados e sepultados pelos filhos; isso cumpre um papel nos corações que ficam, por verem o fim de todo ser humano mas também saber que eles serviram e cumpriram papeis relevantes e deram o melhor de si em favor de seus filhos e netos e amigos e agora é justo que descansem de seus labores e cessem os sofrimentos típicos da velhice e ou doenças e males que os atormentem. Mas os pais enterrarem os filhos ainda jovens e promissores, no auge das suas forças e etapas produtivas de suas vidas, é muito dolorido, sofrido e inconsolável. Sonhos ficam interrompidos, potencial sem nunca se realizar e projetos ambiciosos não saem do papel. Assim como Adão e Eva sofreram muito, aquela dor cortante e incessante e o coração partido, pois um filho bom e trabalhador está morto e quem provocou tamanho estrago, é o outro filho; isso gera um misto de emoções violentas e os corações se vem divididos, pois se por um lado aquele indivíduo merece punição severa, do outro lado, merece e precisa de compaixão e amparo. Ainda que Caim tenha planejado o seu ato de violência e o consumou com requintes de crueldade, também deve ter ficado apavorado, pois afinal ele nunca vira antes um corpo estendido sem vida e nem poderia saber o que aconteceria consigo mesmo em termos de sentimentos e que resultados isso produziria na sua vida, dali para frente. Adão e Eva tem como servir de modelos para pais e familiares também vítimas da violência e da criminalidade, pois precisam levantar-se e cumprir o doloroso dever de entregar os corpos de seus filhos à terra, pó ao pó, na esperança da ressureição em Cristo, mas precisam também se levantarem porque a vida e a família continuam e precisam deles. Perder um ente querido é muito triste e dolorido, mas não pode servir para os propósitos funestos do diabo de aniquilar e tirar do campo de batalha pessoas boas e valentes em Deus. Pais e mães, por favor, se fortaleçam em Deus e na força do seu poder, como diz Paulo em Efésios 6.10 e não se entreguem a tristeza e a depressão e desistam de suas vidas, como se nada mais tivesse sentido, nem digam palavras desse nível, pois as palavras tem poder. Deus é o sentido e a esperança de nossas vidas! Assim como há planos divinos para a vida de nossos filhos, também há para as nossas como pais e não podemos abrir mão de cumprir nossa tarefa até o fim. O justo vive da fé e não recua nunca. Ainda que seja tamanha a sua dor, Deus sabe, pois ele também perdeu um filho maravilhoso, santo e justo, com 33 anos de idade, lá na cruz, por causa das minhas, suas e nossas maldades e pecados. Deus sabe a sua dor e sabe como te consolar e te dar esperança. Quando você chegar no céu, poderá se encontrar com Adão e Eva e dar-lhe um grande abraço e agradecer por eles terem sido fortes e não desistido ali, mas prosseguido até criar a linhagem redentora através de Sete.

Senhor, minha oração e intercessão hoje é pelos pais e familiares que perderam seus filhos para a violência sem justificativa e viram os sonhos se desfazerem; mas em Cristo eles tem uma fonte de esperança e no Senhor poderão se reerguer e construir coisas grandes e abençoadoras para outras vidas serem poupadas e se tornarem úteis. Consola-os no poder do Espírito Santo e abra os olhos de seus entendimentos para verem a vida do teu ponto de vista, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Pecado Jaz à Porta

Meditação do dia 27/11/2017

Gn 4.7 – Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.

 O pecado jaz à porta – O pecado é um adversário perigoso, grudento e ardiloso; pode manifestar-se sorrateiro, dissimulado e muito bem disfarçado. Mas é sempre atrativo e dominante. Mas na sua essência ele é escravizador, opressor, dominante, tirano e quando faz refém, certamente tem intenção de aniquilar. O texto clássico de Paulo aos Romanos afirma sem rodeios: Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram (Rm 5.12). Cm uma sociedade humana reduzida a umas quatro pessoas e todos formando uma só família, todos os acontecimentos e ocorrências, não eram grandes, afinal os problemas crescem proporcionalmente ao volume de indivíduos disponíveis a praticar ações que afetam individual e coletivamente os que lhe cercam. Assim atitudes de rebeldia, dureza de coração, atos egoístas e violências não eram comuns entre aquelas pessoas. Mas agora manifestou-se de forma acintosa e forte na pessoa de Caim. Mas mesmo em meio à crise pessoal, Deus continuou amando e estendendo a sua misericórdia a ele e trabalhando para restabelecer o ambiente de comunhão e amizade. Caim estava furioso, mas Deus se mantinha longânimo e paciente; apontou-lhe a atitude errada e o chamou fazer o certo e assim haveria aceitação e a vida voltaria ao normal. Caim tinha a escolha de fazer o certo, como estava sendo advertido pelo Senhor – mas também tinha a opção de endurecer-se e permanecer em sua condição de impenitente. O Senhor, antecipou-lhe as consequências de ambas as escolhas, tal como fizera com Adão e Eva no Paraíso a tempos atrás. Caim ainda não estava dominado pelo poder do pecado, mas poderia vir a sê-lo; por enquanto competia a ele dominar os sentimentos e desejos que lhe corroíam por dentro. Deus nunca dá ordens absurdas e nem delega responsabilidades impossíveis de ser feitas. Caim foi exortado a resistir seus sentimentos e colocar-se como senhor sobre os desejos maus e fazer valer a sua autoridade como pessoa. O pecado bate à porta, mas não entra se ela não for aberta por dentro! A tentação, as provações podem ser resistidas e vencidas, podemos exercer controle e domínio sobre isso, porque Deus disse que podemos, Ele o disse para Caim e reafirma para nós: Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar (1 Co 10.13). Tentação nunca foi pecado, mas ceder a ela sim, mas compete a nós evitar, fugir, resistir e vencer com a graça do Senhor, no poder do Espírito Santo.

Livra-nos no mal, em nome de Jesus, amém!

Pr Jason

As Tres Perguntas à Caim

Meditação do dia 26/11/2017

Gn 4.6,7 – E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito?

 As três perguntas à Caim – Quando Deus faz perguntas, necessariamente ele não espera uma resposta, mas uma atitude. O senhor nosso Deus é onipotente e onisciente, entre outras coisas, não precisa perguntar para saber as coisas. Mas no relacionamento com os homens, ele se vale dos recursos comuns entre os homens para estabelecer uma boa comunicação. Também, para nós, as perguntas funcionam como um mecanismo de fazer pensar. Sempre somos surpreendidos por perguntas que nos levam a refletir e chegar a conclusões que até então nunca havíamos pensado daquele jeito. Assim, fazer boas perguntas se torna uma arte. Estamos num cenário onde nosso personagem principal, Caim, está de pé, diante do altar que edificara para cultuar a Deus e onde seu culto não agradou e ele está profundamente frustrado, irado, transtornado, que poderia dizer, maluco de jogar pedra em avião (se já houvesse no seu tempo). Vendo a fumaça e o aroma do holocausto de seu irmão Abel se elevar às alturas e ver o seu altar mais parecendo um rescaldo de incêndio mal apagado, com a fumaça descendo e não subindo o que lhe produz olhos vermelhos, mas agora mais de ira e revolta que propriamente da fumaça. Ali de braços rígidos e punhos cerrados, cabeça baixa e respiração ofegante, os pensamentos rodando a mais de mil, naqueles instantes que parecem eternidade e onde se pensam centenas de coisas e formula-se planos e ações em linha de produção e volta tudo à estaca zero. Numa hora dessas, tudo o que não gostamos de ouvir é alguém calmo, sereno, pacificar e com boas intenções; claro, tudo isso, só reforçará que estamos errados e na direção errada e que já está passando dos limites e da hora de voltar ao caminho da sensatez e equilíbrio. Justamente aí o Senhor Deus, faz três perguntas sucessivas a ele: Por que te iraste?E por que descaiu o teu semblante?” – “Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? Traduzindo: Qual a razão da sua ira? Por que estás transtornado por dentro e por fora? Sabia que se fizer o certo, tudo volta ao normal? Se envolver emocionalmente de forma muito intensa, cega completamente qualquer pessoa e a impossibilita de ver a razão e o certo. É possível alguém ficar tão irado e depois nem ele mesmo saber justificar porque aconteceu e qual a real razão. Nas perguntas, Deus estava apontando o caminho da redenção, da restauração e da comunhão. Tudo poderia ser revertido ainda, mesmo ele estando naquele nível de descaminho. Caim teve oportunidade de parar, refletir, dar meia volta e recomeçar e se sair bem. Só passa dos limites, quem assume essa responsabilidade por conta própria.

Senhor, obrigado pela obra do teu Espírito Santo para nos manter em humildade e convictos de que precisamos de ajuda, antes de irmos longe demais. O pecado pode ser forte e a tentação grande, mas o coração está antecipadamente acelerado e a consciência freneticamente disparada dizendo pare, pare antes que seja tarde. Obrigado pelo perdão e restauração disponível a qualquer um e a todos nós em Cristo Jesus. Amém!

Pr Jason

A Ira de Caim

Meditação do dia 25/11/2017

Gn 4.5b,6 – E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante?

 A Ira de Caim – Poucas palavras podem dizer muito sobre uma situação. Esse é o caso de que estamos vendo no texto da meditação de hoje. Caim irou-se. Mas pela ênfase dada, não vamos acreditar que foi uma ira normal de alguma situação que dá errado e deixa a pessoa irritada. Caim irou-se a tal ponto, que transfigurou o aspecto. Seu rosto e sua fisionomia demonstraram o quanto estava irado. Um amigo meu diria: “ele saiu da casinha!” A uma certa diferença entre a ira e a cólera, ou raiva. A cólera, ou a raiva, é um ataque emocional muito forte, mas momentâneo. A pessoa tem um ataque de fúria, fica enraivecido e faz coisas inconsequentes e algumas vezes pode provocar danos irreversíveis nesses momentos. A ira, é mais lenta e metódica, mais calculista e dissimulada, até poder se revelar e dar o troco. Claro, como cristãos não podemos nos deixar ser vencidos por nenhuma delas, afinal, descontrole não deve ser algo natural, ou recorrente na vida de quem tem a Cristo como Senhor e o Espírito Santo habitando no seu interior. Caim, tão logo percebeu que sua oferenda não fora aceita por Deus e simultaneamente vira que Abel, alcançara o favor divino, entrou num processo desastroso de ira. Pensando com cabeça de gente do século 21 e que tem noção de civilidade e bons modos, abominamos todo e qualquer destempero emocional e achamos que há meios mais civilizados de expressar nosso descontentamento, reprovação ou rejeição. Imaginemos o quadro tal qual aconteceu lá e o comparemos ao mesmo exemplo em nossa realidade. Caim, estava ao pé do seu altar, onde estava em culto a Deus, oferecendo-lhe dádivas, frutos de seu trabalho. Caim estava diante da presença do Deus criador, para oferecer-lhe culto, reverencia e ações de graças como reconhecimento das bênçãos e provisões recebidas. Como ele vai de zero a cem, em menos de dez segundos – da adoração à profanação; da entrega e submissão à revolta e rebelião. Caim não fez questão de esconder o seu desprazer e nem saber se em alguma situação poderia estar errado! Ele simplesmente julgou a Deus e seu sistema de justiça e decretou o seu veredito. Como nós, você e eu, dentro do templo, em pleno culto de celebração, saímos do espírito e entramos na carne e proferimos palavras duras, pesadas, julgamentos e aberrações. Não é incomum, culto e reuniões e igrejas, com a presença só de cristãos, membros, saírem da casinha e quebrarem bancos e cadeiras e haver até intervenção externa da polícia ou da turma do deixa disso. Discussões de propostas se tornarem intrigas e dividir igrejas e ministérios. Tudo isso, na santa presença de Deus! Tem coisas que não se explica. Mas Caim, só foi o primeiro, a ter atitudes erradas no culto, falar dele, sem olhar para nossas atitudes, pode ser temerário.

Senhor, ensina-nos sobre o temor do Senhor, que é o princípio da sabedoria. A ira do homem não opera a justiça divina, declara a tua Palavra. Oro e clamo por misericórdia e graça, para buscar entendimento e favor, para viver a comunhão com o Senhor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Culto Rejeitado

Meditação do dia 24/11/2017

Gn 4.5 – Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.

 Um Culto Rejeitado – As vezes se mistura o direito ao aceso a Deus e o respeito que lhe é devido, e as consequências são sérias. O fato de Deus ser um paizão, não anula ser ele o Todo Poderoso! Pelo fato dele apreciar seus filhos, isso não confere o direito de fazer as coisas como der na cabeça. Em alguns círculos, as pessoas se dão a liberdade de apresentar a Deus, com irreverencia, valendo-se da preguiça e indolência para não aprimorar o uso dos dons e talentos e justificam que estão fazendo para Deus. Uma olhada ainda que de leve e superficial nos rituais de culto e cerimonias dadas pelo Senhor à Israel, percebe-se nítida precisão, bom gosto, preparo e esmero até nos detalhes. Já afirmei que culto é um serviço que se presta a Deus e que somente ele é digno de culto; isso é básico na concepção judaico-cristã. Pois bem, para cultuar a Deus, ou servir a Deus, o primeiro requisito é reconhecer a condição espiritual e nesse caso, todos indistintamente somos pecadores. A primeira coisa que o pecador precisa fazer é se arrepender e receber o perdão e a reconciliação com Deus mediante o sacrifício de Cristo na cruz. Não se cultua a Deus começando por fazer coisas para Ele; e sim, aceitando a provisão dele para mudar nossa condição. Primeiro se trata do pecado, se acerta a relação com Deus  então se adora, se louva e serve em todas as possibilidades que há, tanto em ministrar às pessoas, como ao próprio Deus. Em certo sentido, a primeira oração do pecador que Deus ouve é o pedido de reconciliação em Cristo Jesus. Inclusive hoje, as igrejas quase não estão pregando o Evangelho e desafiando os pecadores a se converterem, consideram isso constrangedor, não é socialmente bem visto. Mas com isso trazemos para a igreja pessoas inconversas, apenas adeptas de um novo estilo de vida, mas sabemos que sem novo nascimento, ninguém verá o reino de Deus e também ninguém “vira crente” Cristãos nascem de novo! Há pessoas que até admitem que são pecadoras, mas não aceitam se converterem e mudaram de vida, e querem apenas se ajustarem a uma prática religiosa e assim eles não passaram pelo Calvário para morrerem na cruz, eles rodeiam e seguem em frente. Caim sabia por instrução dos pais, sobre a necessidade de oferecer um sacrifício, um holocausto com derramamento de sangue, para perdão e reconciliação e posteriormente, poderia oferecer outros tipos de ofertas. Caim não quis fazer do jeito certo, mas escolheu fazer do seu jeito. É como se ele dissesse: “eu não tenho de que me arrepender, vou ofertar a Deus como entendo e se Ele quiser é assim, senão…. Veja que Abel fez do jeito certo. Os frutos da terra, que Caim trouxe para oferecer ao Senhor, poderiam ser oferecidos sim, mas após o sacrifício de uma vítima inocente, substituindo-o pelo perdão dos pecados. Caim não se reconheceu pecador e muito menos com necessidade de se arrepender e seguir as instruções divinas; ele se propôs fazer do seu jeito, estabelecendo suas próprias regras. Não deu certo! Quantas pessoas você conhece que estabelecem o seu próprio padrão de como se serve a Deus? Como se salvar? O fim de tudo isso, nunca será bom!

Senhor, acolhe-nos em Cristo, se amado filho, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Reconheço meus pecados e minhas fraquezas e dependo inteiramente da tua graça salvadora. Salva-me, por amor do teu nome. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Caim Cultua a Deus

Meditação do dia 23/11/2017

Gn 4.2 – E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor.

 Caim cultua a Deus – As entrelinhas da vida de Abel e Caim revelam que eles foram ensinado por seus pais sobre a vida devocional e o culto devido a Deus. Culto é um serviço que se presta a Deus e na concepção cristã, só Deus merece, pode e deve ser cultuado. Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás (Mt 4.10). Observe que a conversa foi entre gente grande, Jesus falando com Satanás, e Jesus citando as Sagradas Escrituras como base de seus argumentos. Se há alguém nesse mundo e em qualquer outro, que entenda e tenha autoridade para falar sobre culto, certamente é Jesus! Ele sabe tudo de culto! Entendo que as vezes a mentalidade humana, aceita as inverdades sobre a criação humana e o modo como a sociedade se desenvolveu e acaba conservando resquícios da idéia evolucionista, de que viemos das cavernas e o culto a Deus ou a deuses vieram como forma de aplacar os medos e superstições que povoaram o imaginário da civilizações primitivas. A verdade, é que antes do homem, Deus já se fazia presente; quando o homem foi criado, Deus estava presente e o assistiu e ambos desenvolveram relacionamentos muito próximos, produtivos, construtivos. O íntimo do ser humano ainda anseia por um algo que ele procura desesperadamente preencher e não sabe que é exatamente algo que ele perdeu nos seus primórdios. Nossa origem é em Deus e nossa realização plena é em Deus! Todas as tentativas humanas, quer sociológicas, quer ideológicas, quer politicas e ou todas combinadas de afastar o coração humano de Deus, só produziu mais confusão e frustração. Deus instruiu Adão e Eva ainda no paraíso sobre os procedimentos e eles instruíram seus filhos e assim é que deve ser. Terceirizar o lado devocional da vida para a igreja ou para gurus, ou para a educação, não é certo.
Culto se aprende pela experiência, e as melhores aprendizagens é no seio da família, vendo em espelho, o que os pais e os demais fazem e valorizam. Um lar onde a fé é relegada para planos inferiores, Deus e sua Palavra são rejeitados e outras coisas tomam esse lugar, que é o cerne da vida e da existência humana e Deus esperar que a criança faça sua própria escolha e faça uma boa escolha, é ser irresponsável com um patrimônio de incalculável valor. Cultuamos a Deus com a nossa vida e em toda a vida e para sempre, Deus será a razão e a fonte da esperança dessas pessoas.

Deus, meu Pai, a ti o meu culto, a minha gratidão e reconheço, que mereces a honra e a glória, pois só tu és Deus, sempre e eternamente.

Pr Jason

Caim Foi Lavrador

Meditação do dia 22/11/2017

Gn 4.2 – E deu à luz mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.

 Caim foi Lavrador – Vamos falar de profissões e trabalho? Pois isso faz parte da vida e dos propósitos para nosso desenvolvimento como pessoa e como sociedade. Tudo começou no Gênesis e tudo que temos hoje é derivado de um tronco único. Deus deixou o trabalho como parte da oportunidade da pessoa desenvolver-se e colocar em prática suas habilidades e dons naturais. Trabalhar não é ruim e nem um castigo, antes é uma bênção e um fator de satisfação. O ruim é ter que servir numa área ou situação onde a pessoa se sinta deslocada e fora de suas aptidões, tornando assim desagradável e desgastante o trabalho. Quando trabalhamos fora da nossa motivação e da vocação natural, produzimos menos e o fator de estresse é muito alto. Fazer o que se gosta, e nas condições ideais é enriquecedor e altamente motivador. Se a segunda feira é motivo de preocupação e tristeza, isso indica que algo está fora do devido lugar. Pessoas bem sucedidas ou trabalham no que gostam, ou se submetem a um período desgastante para chegar onde está seu foco. Por isso, escolher a profissão ou o trabalho priorizando o ganho financeiro, pode ser muito frustrante e cansativo. Nesse caso, o ideal e criar as condições favoráveis para o quanto antes, migrar para onde está a motivação. Viajando na maionese temporal – Adão e Eva faziam tudo repartindo entre eles as tarefas, até que os filhos, Caim e Abel, chegaram a uma idade onde já podiam colaborar com alguma coisa, como fazemos até hoje em nossas casas. Os pais ao observar no dia a dia, a medida que eles se envolviam com as tarefas, que algo era mais produtivo ou prazeroso com cada um deles. Parece que Caim, se dava melhor cuidando das plantas, hortas, colhendo e cuidado delas do que lidando com o gado. Já Abel preferia cuidar do rebanho do que lidar com a terra; assim cada um se especializou numa área e todos contribuíam para o bem da família e nesse caso, Adão podia cuidar de outras coisas, já que a produção agrícola estava bem sob os cuidados de um e o rebanho ia bem sob os cuidados do outro e Eva podia também se dedicar à outras tarefas. O que antes era feito por dois, agora podia ser dividido por quatro e além de aumentar a produtividade, deveria também diminuir o desgaste e desenvolver as habilidades dos filhos. O fato de Caim ser agricultor, nada interferia na sua fé e na sua relação com Deus na qual eles foram treinados pelos pais no cultuar a Deus. Todo trabalho é sagrado, quando feito no contexto de servir e suprir as necessidades. O pecado, ou o erro, está em fazer uso do trabalho com fins pecaminosos, que degrada a dignidade do próximo ou usurpa o seu legítimo direito e valor. Para os adoradores de Deus, trabalho é culto e culto é um serviço que se presta somente a Deus. E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. (Cl 3.23,24).

Pai, obrigado pelo dia de trabalho e por tudo que produzirá a minha vida, de forma que glorifique o teu santo nome. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Caim

Meditação do dia 21/11/2017

Gn 4.1 – E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.

 Caim – Mesmo que hoje e não só hoje, mas de muito tempo, esse nome se tornou sinônimo de coisa ruim, traidor, assassino e etc. Ele é um personagem que compõe a história humane e de alguma forma contribuiu e por isso merece ser lembrado nas nossas meditações. Ao estudar sua vida, entendemos que ele não nasceu mau, e nem perverso e muito menos veio destinado a isso. Quando nasceu, os pais entenderam que era uma bênção alcançada do Senhor e que ali estaria iniciando a promessa da redenção, que viria da linhagem de Adão e aquele menino era o primeiro nascido aqui na terra. Posso aceitar com muita naturalidade que seus pais se alegraram com seu nascimento e com sua vida e via no filho a graça de Deus se cumprindo. Também Caim se tornou, até o nascimento de Abel, uma companhia e uma fonte de aprendizado para eles. Até então, eram apenas os dois e toda a atenção e cuidados eram dedicados um ao outro e agora os dois tinham um foco com quem compartilhar um novo sentimento que até então não haviam experimentado, que é a paternidade. A experiência tem demonstrado mui sabiamente que a chegada da paternidade é algo maravilhoso e desafiador para quem alcança essa bênção. Tem coisas na vida que não se tem como ensinar, mas apenas aprender, e a chegada dos filhos proporciona isso. Não há nada comparável a essa experiência. Ele mexe com nossos hormônios, nossos sentimentos, vontade, propósitos, foco de vida e uma infinidade de coisas que não adianta alguém falar ou tentar descrever com propósitos de ensino. Passamos a compreender a vida e as ações de nossos próprios pais e avós, que até então eram enigmáticas e suspeitas para nós. Se isso hoje, nos ensina tanto e leva as pessoas a grandes aprendizados, o que dizer daquele primeiro casal, sem nenhuma referencia anterior em que se basear? Certamente eles já observavam o relacionamento de animais e seus filhotes, mas como dissemos, nada substitui uma experiência. Ainda sem entrar no mérito final da vida e do que veio a ser o homem Caim, ele também pode nos ensinar, como comparativo a promessas de Deus em nossas vidas. O Senhor havia lhes dito que crescessem e se multiplicassem; também que um de seus descendentes esmagaria a cabeça da serpente, em referencia ao plano de redenção futuro. Isso tudo era promessa que agora se materializara em suas vidas. Eu tenho promessas divinas para se cumprir e as aguarda com paciência e perseverança; olho para minhas filhas e vejo promessas de Deus em andamento; observo a igreja que pastoreio e o ministério que realizo e sei que está em curso ações que só mesmo a graça infinita de Deus para produzir tais resultados. Na sua vida também. Foi assim com Adão e Eva em relação a Caim. Assim como nossos primeiros pais, perderam o melhor de Deus por suas escolhas egoístas, também puderam ver uma grande promessa se frustrar por escolhas pessoais, trazendo danos colaterais para todos, pois a morte de Abel não seria o único prejuízo. Bênçãos se perdem também! Pessoas boas cometem erros e falhas! Mas Deus continua fiel e o seus propósitos continuam eternos.

Senhor, graças te damos pela oportunidade de aprender mesmo nas situações mais difíceis e complexas. Conceda-nos sabedoria para nos levantarmos quando caímos ou vemos pessoas boas se comprometendo com o erro e o pecado e perdendo assim as bênçãos da aliança contigo. Dá-nos o conforto do teu Espírito Santo, para vermos a vida do teu ponto de vista, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason