Túnicas de Peles

Meditação do dia 31/10/2017

Gn 3.21 – E fez o Senhor Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.

 Túnicas de peles – Em se tratando de conteúdo e significação, esse é um texto verdadeiramente rico e marcante para minha experiência com Deus. Como costumo dizer: Há o modo certo de fazer as coisas e há o modo humano. Adão e Eva agiram como humanos, afinal, eles eram humanos e o pai de todos os demais. Tentaram resolver as coisas à seu próprio modo e desse jeito não daria certo. Mas antes de tudo, ali já estava presente o amor restaurador de Deus, em favor deles, como ainda continua disponível a nós nos dias de hoje. Os homens erram e tentam cobrir seus erros e pecados com folhas de figueiras. Deus apresenta um amor sacrificial, que dói, que sofre, que implica em morte, mas que soluciona definitivamente. Devemos lembrar que para Deus o fator tempo cronológico não tem qualquer importância, uma vez que ele é eterno e todas as suas ações e intenções são eternas e firmadas nos mesmos princípios. Por isso encontramos mais tarde, em Hebreus, uma citação de enorme valor na teologia da redenção: E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão (Hb 9.22). Adão e Eva tiveram a assistência espiritual necessária para o processo de justificação e redenção do modo de Deus. A sentença de morte que pesava sobre eles, por desobedecerem a ordem divina, recaiu sobre um animal que foi sacrificado, o sangue derramado promoveu a expiação do pecado e com a pele foi feita vestes para eles. Além de não mais estarem expostos à vergonha, também essas vestes manteriam vivas em suas mentes e corações que alguém morreu por eles; alguém acabou sendo sacrificado, para que eles pudessem continuar suas vidas e voltarem à comunhão com Deus. Quando a pessoa não entende o valor e o significado do sacrifício de Cristo na cruz, fica fácil desprezar a oferta de amor da parte de Deus. Jesus morreu na cruz por causa dos meus pecados; em substituição a minha vida condenada, para que eu pudesse sair livre ele assumiu as minhas culpas, dores e fracassos. Ser salvo pela graça, não significa ser salvo sem um preço. Para Deus custou seu filho, para Jesus custou sua vida. Por isso brincar com o pecado e com a oferta de Deus é coisa séria.

Obrigado, Pai, pela tua oferta de amor, perdão e redenção em Cristo Jesus. Meus pecados são sérios e ofendem à tua santidade. Reconheço meu estado e sem a tua graça misericordiosa, tenho poucas chances; Mas aceito a tua oferta e renuncio a minha condição para ser revestido daquilo que Cristo fez por mim lá na cruz. Obrigado, Senhor Jesus! Amém.

Pr Jason

Anúncios

O Trabalho, a Provisão e a Morte

Meditação do dia 30/10/2017

Gn 3.17 – No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.

 O trabalho, a provisão e a morte – Sendo necessário defender o pão de cada dia com suor dos rosto, me vem uma pergunta Macalônica (quem lê entenda); Não seria errado trabalhar no ar condicionado fresquinho? Pois a idéia é suar mesmo e daí ganhar o pão! Esquece, só estou agitando as águas, isso não pode ser levado ao pé da letra, pois isso seria difícil de praticar em regiões glaciais e ou de clima frio. Nesse caso, o peso do castigo, ficaria para os moradores de zonas tropicais. Muitas pessoas atribuem o trabalho e o cansaço como consequências do pecado, e isso não é verdade. Adão já trabalhava antes e já tinha ordens de trabalhar. Verdade é que as coisas se complicaram após a queda. O cansaço, a fadiga e todas essas consequências estressantes ligadas ao fator trabalho, está mais relacionado a degeneração e corrupção do corpo humano e as más condições a que  nos expomos, como qualidade da alimentação, repouso, inversão de hábitos saudáveis por nocivos e a correria frenética a que nos impomos. O trabalho produz recompensas e a ganancia e egoísmo produz super jornadas de trabalho e acúmulo de suprimentos e valores e tudo se torna um circulo vicioso e nocivo à vida e à saúde física, mental e emocional das pessoas e como a manutenção não é bem feita e o distanciamento de Deus é cada vez maior, as consequências também. O homem utilizou bem a sua inteligência e criatividade para cuidar da provisão, a princípio alimentar e de proteção e posteriormente veio os desdobramentos mercantis de tudo isso com o comércio, a indústria e assim surgiram os mercados, as finanças e seus bens e seus males. Com o crescimento populacional e os ajuntamentos humanos, a produção e a distribuição de alimentos e produtos se tornaram necessidades e especialidades. Dessas necessidades legítimas, surgiram as especulações e explorações de mão de obra e de pessoas. O trabalho que seria uma fonte de prazer, desenvolvimento de habilidades e suprimentos, foi se tornando um fardo pesado, opressivo e cansativo e ao invés de produz vida, passou a ser um atalho para a morte. Para nós, cristãos e adoradores de Deus e em quem colocamos nossa confiança e ajuda para suprir nossas necessidades, não podemos excluir o Senhor e sua misericórdia de nossas vidas diárias em nome da filosofia mundana de que “é cada um por si e Deus por todos!” entrar numa correria desenfreada, como se tivéssemos de fazer tudo por nós mesmos e Deus ficasse apenas para o departamento religioso, no domingo pela manhã ou à noite. Precisamos trabalhar sim, sermos criativos, laboriosos, econômicos, prestativos, generosos e aplicar bem os talentos e habilidades que recebemos, para suprir nossas demandas e abençoar outros menos favorecidos. Mas não deixemos Deus de fora de nossas vidas, como se a vida fosse uma sentença de morte, onde vamos nos aguentando até tudo acabar. O Salmo 23 é integralmente verdadeiro! As palavras de Jesus no sermão da Montanha são igualmente legítimas. Não tire seus olhos de verdades como: Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? (Mt 6.25,26).

Graças, Senhor, pelo pão nosso de cada dia, pelo suprimento abundante e generoso que tens dispensado aos teus filhos e às tuas criaturas, todos os dias. Onde há falta desses cuidados, é mais por egoísmo e desequilíbrio no uso e distribuição da parte humana, do que necessariamente falta de suprimentos. Obrigado por Jesus ser o nosso Pão da vida, a Água da Vida e ser ele mesmo a própria vida. Em nome de Jesus nós oramos e apresentamos a nossa dependência e nossa gratidão a ti. Amém.

Pr Jason

As Consequencias

Meditação do dia 29/10/2017

Gn 3.17 – E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida.

 As consequencias – Aquela conversa com Deus ali no escritório, digo, no jardim, não foi fácil e não foi superficial, como gostaríamos de pensar. As consequências da ação de Adão e Eva, afetaram muito além do que imaginamos hoje. E com uma cabeça ocidental, cheios dos direitos e defesas, com raciocínio lógico e jurídico e ainda com o amparo da ONU e os direitos universais, e os nossos códigos de defesa e do amplo direito do contraditório e de defesa; tentamos demonstrar que tudo não passou de um grande engano e foi inofensivo o acontecido. Mas, como já dizia os romanos antigos, “dura lex sed lex” ou seja, a lei é dura, mas é lei. Quem criou e de onde originou todo e qualquer tipo de legislação, foi Deus e nessa caso, temos uma péssima notícia para os amantes da lassidão doutrinária: Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor (Pv 21.30). Deus tratou diretamente com Adão, fazendo o assumir inteira responsabilidade pelos seus atos e de sua esposa. Ele estava ali como cabeça e representante de toda uma raça, ainda que em formação. Não seria apenas ele ou ela a colher os frutos amargos da desobediência, mas também a terra, a natureza fora afetada e reagiria de forma que produziria dificuldades para as lidas do ser humano. Adão já trabalhava, mas agora haveria agravantes e consequências físicas, além de diminuição da produtividade e acréscimo de fatores dificultaria o seu labor. A terra recebeu uma maldição, e é claro que isso afetou a todos e ainda hoje, os resultados estão patentes diante de nossos olhos. Amados amigos e irmãos, Deus é sério e leva sua palavra e suas ordens à sério. Não é nada confortável brincar de traçar nossas próprias regras e dar nossa versão dos fatos e dizer a ele o que deve e o que não deve fazer, falar ou impor. A perfeição divina excede em muito a nossa capacidade de compreensão e não temos como manipular a verdade à nosso bel-prazer e ficar por isso mesmo. Como ele foi misericordioso e bondoso com Adão no paraíso, tem sido também conosco, tal qual foi com a nação de Israel no deserto e Canaã e na história; assim tem sido com a igreja e com cada um de nós individualmente. Responsabilidade dada é responsabilidade requerida e contas serão prestadas. Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal (2 Co 5.10). Todos, eu, você, nós…

Pai, graças damos por sermos chamados teus filhos, e o somos graças as misericórdias demonstradas a nós em Cristo Jesus lá na cruz. Desejamos crescer e amadurecer para responder diante de ti com caráter transformado e regenerado por obra do teu Espírito Santo. Obrigado, por amor tão grande, revelado a nós, para salvação e transformação. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Foi a Mulher

Meditação do dia 28/10/2017

Gn 3.12 – Então disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.

 Foi a Mulher – Também e novamente quero reiterar aqui, que não estou desejando meter a boca em Adão e Eva! Estou olhando os fatos e querendo aprender com eles e com a experiência deles. Aprendemos muitos com os nossos erros e todos sabemos que mesmo depois de errar, corrigir e aprender a lição, não estamos isentos de errar novamente, quer no mesmo erro, quer em outro parecido. Mas as experiências somam um conjunto de auxílios que nos aprimoram e assim conseguimos prosseguir. O pior erra da vida é aquele do qual não aprendemos nada com ele. Tem está seguindo a série dessas meditações, pode perceber quase que uma linha de pensamento sequencial, da vida e experiências do casal do paraiso, até a civilização consolidada no futuro deles. Mais do que uma possível crítica, estou na tentativa de acompanhar o pensamento deles, uma vez que tudo era novo para eles, tudo era a primeira vez que acontecia, as consequências também eram a primeira experiência com o negativo, com a solidão, com a culpa, companheirismo e tudo mais. Quando passou o estresse inicial da tentativa de esconder-se do Criador e ajeitar o pecado e a desobediência por conta própria e a frustração de não dar certo; agora que Deus apareceu de fato e de verdade no jardim, como em dias anteriores e procurou por eles, e isso era novidade, que não havia acontecido nada anteriormente. Esse foi o primeiro encontro do primeiro homem pecador e em pecado, com o criador e Senhor, santo, amoroso e perdoador, pronto a ajudar, mas do lado de cá o clima era de muita desconfiança e insegurança. O Senhor foi direto ao assunto: “Que historia é essa de estar, com medo, estar nu, quem te mostrou isso, cara?” Pela primeira vez na história, alguém apontou o dedão para outro ser humano e disse: “Ela… A mulher que me deste por companheira…” Alguns veem aqui, uma deduração adâmica e também uma acusação a Deus… “a mulher que o Senhor me deu…” Isto é, se não tivesse me dado, ela não teria pegado do fruto, ela não teria me dado, eu não teria comido, eu não teria pecado; a culpa é toda dela e como fez ela foi o Senhor…. eu era solteiro, feliz… Alguma semelhança que não é mera coincidência com a história que vemos todos os dias? Deixe me compartilhar algo muito sério, profundo e espiritual. Eu, você, nós, vós e eles precisamos amadurecer e assumir a responsabilidade por nossos atos, motivações e intenções. Acusação é uma linguagem do reino de Satanás. A linguagem do reino de Deus é amor. Sempre que pintar ainda que dissimuladamente um pouquinho só de acusação no tom da voz, uma insinuaçãozinha de que não fui eu sozinho que fiz, que mais alguém está no meio e se não fosse por essa outra pessoa, causa, situação, circunstancia, necessidade, carência, descuido, equívoco…. eu não teria… Isso é linguagem de acusação. Nos casos clássicos, se apresenta de uma forma natural e usual, mas a pessoa amadurecida e cheia do Espírito Santo, que está crescendo e assumindo a responsabilidade, ela muda o pronome e faz a coisa certa. Deixe-me exemplificar: “Você me irrita!” (Eu fico irritado). “Voce me fez cair em tentação!” (Eu caí/me pus em condição de ser tentado). “Isso me deixa louco!” (Eu perco o controle nessa situação). Poderia nomear aqui, um sem fim de situações que deparamos no dia a dia que denuncia o uso da linguagem de acusação, ao invés da linguagem do amor e da responsabilidade pessoal. Vamos crescer, juntos!

Senhor, obrigado pela tua longanimidade e paciência para comigo. Mesmo depois de salvo e lavado o sangue de Jesus, ainda preciso muito da ajuda do Espírito Santo para me convencer e me converter dos caminhos humanos para os caminhos divinos. Mas sou agradecido porque o Senhor é a minha força em todo o tempo. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Teve Medo Porque Estava Nu

Meditação do dia 27/10/2017

Gn 3.10 – “Ele respondeu: Ouvi a tua voz no jardim, e porque estava nu, tive medo, e me escondi.”

 Teve medo porque estava nu – Algumas coisas não mudam nunca, geração vai e geração vem, e as ações e reações permanecem as mesmas. Não é incomum, mesmo no meio cristão evangélico, pessoas ficarem espantados e até com ares de dúvida quando alguém afirma: “Deus me falou!” Como assim, Deus falou com você? Já ouvi até de gente grande, afirmações que põem em dúvida as duas coisas: A capacidade de Deus falar e do homem ouvi-lo. Isso por si só contradiz o bom senso da fé na revelação divina nas Escrituras. Sendo o Senhor nosso Deus quem Ele é e quem cremos ser ele, é totalmente plausível que o criador se comunique com suas criaturas. Sendo Deus inteligente, é muito razoável que ele se comunique com outras criaturas inteligentes. Como ele deseja expressar seu amor e manter um relacionamento conosco, se não é possível a comunicação entre os dois lados? Adão, mesmo depois do pecado, ainda tinha condições de ouvir a voz de Deus, e ouviu. Deus se revelou a ele de forma que lhe fosse possível perceber e discernir, e assim poderia ter começado um processo de restauração; mas o homem escolheu o caminho mais difícil. Apenas para refletir divertidamente, até parece uma justificativa muito barata e sem muita noção, essa apresentada por Adão em resposta a pergunta divina: Afirma ter ouvido a voz de Deus no jardim, e consciente de que estava nu, teve medo. O que tem a ver uma coisa com a outra? Estar com medo porque estava nu! Ele havia experimentado essa sensação de desproteção, agora, mas Deus já o conhecia e seria quem melhor poderia lhe ajudar. Nossos medos em relação a Deus e as coisas espirituais não se justificam, senão pela nossa própria fragilidade e e incapacidade de compreender coisas novas e ou que nos desafiam. Sempre que confrontado com a verdade, o homem apresenta uma situação de medo e incompreensão. Mas não podemos deixar de observar, que novamente a iniciativa de aproximação foi de Deus, em todos os casos, Deus se revela misericordioso e disponível para ajudar e resolver; e em todos os casos, do lado humano, a fuga, o medo, a desconfiança e não raro, sobra acusação para Deus, de não amar, proteger e cuidar. Nossas justiças e bondades, nunca serão suficientes para cobrir nossa nudez diante de Deus. Nada é tão penetrante como o olhar divino.

 

Pai, perdoa-nos e aceita-nos, mesmo como não nos mostramos tão acessíveis ou compreensíveis à tua revelação. Mas obrigado por nas desistir e em Cristo alcançar e salvar muitos, embora o teu desejo seja de salvar todos. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

 

Por Que Deus Faz Perguntas?

Meditação do dia 26/10/2017

Gn 3.9 – “E chamou o Senhor Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás?”

 Por que Deus faz perguntas? – Perguntar é uma das melhores e mais eficientes meios de se aprender e descobrir coisas. As perguntas quando bem formuladas, produzem resultados muito bons. As crianças naturalmente na fase de crescimento e aprendizado, chega a uma idade, que comumente os pais e educadores chamam de a fase “dos por quês?” Aprendendo a diferenciar as coisas e formando um conjunto de vocabulário e informações, elas não mais satisfazem-se com apenas a primeira informação lhes fornecida e vem uma série de “por quê?” Quem não passou bons e maus bocados com filhos, sobrinhos e amiguinhos de nossos filhos, quando nessa fase passam um tempo com a gente. A filosofia estimula as perguntas para formar raciocínios e buscar a verdade e quanto melhor as perguntas, maiores as chances de se aprender muito e desenvolver novas possibilidades. Muito bem, agora eu volto ao título dessa meditação: “Por que Deus faz Perguntas?” Só por esta, já surge diversas outras e uns trazem respostas simples e outras bem complexas. Sendo Deus Onipotente, Onisciente, Onipresente, Todo-Poderoso e etc. Por que ele faria perguntas, uma vez que ele sabe tudo e sabe de tudo e não tem como se esconder dele? Eu também tenho esse grilo na cuca, mas vou compartilhar com vocês, o que aprendi com uma pessoa que inspira confiança, pela sua capacidade e seriedade de vida cristã. Conforme esse amado, normalmente quando Deus faz uma pergunta, ele não espera uma resposta, mas uma atitude. A pergunta, no caso, se torna meramente uma ferramenta da linguagem humana, capaz de despertar na pessoa uma mudança de atitude, uma vez que se vê confrontado por alguém que inspira temor e respeito. Quando o Senhor chamou Adão e Eva ali no jardim, ele já sabia que eles haviam desobedecido sua instrução e estavam envergonhados e tentando se esconder dele. Então a pergunta, seria uma forma de chama-los a repensar a estratégia de fugir e esconder de quem poderia lhes ajudar. Onde estás, certamente não demonstra que eles haviam conseguido sucesso na escolha do esconderijo; ao contrário, Deus queria que eles se apresentassem voluntariamente, admitindo sua condição e recebesse ajuda. Pense nas várias perguntas que Deus fez a homens como Abraão, Moisés, e etc. Pense nas perguntas que Jesus fazia? Será mesmo que ele queria alguma informação? O que Deus tem te perguntado ultimamente?

 

Senhor, obrigado por não nos deixar esconder de ti e nem de nós mesmos; obrigado pelo Espírito que nos desperta constantemente para uma vida de comunhão e redenção. Em nome do seu amado filho, agradecemos imensamente. Amém.

Pr Jason

 

Meditação do dia 27/10/2017

Aprendendo a Esconder-se

Meditação do dia 25/10/2017

Gn 3.8 – “Quando ouviram a voz do Senhor Deus, que andava no Jardim pela viração do dia, esconderam-se da presença do Senhor Deus, o homem e sua mulher, por entre as árvores do jardim.”

 Aprendendo a esconder-se – Quer fazer uma ressalva aqui, no início dessa meditação, para esclarecer aos amados leitores, que ao meditarmos sobre a vida e as ações e atitudes de Adão e Eva, estou procurando aprender e tirar lições da experiência deles, para nos ajudar a repensar e recalcular nossa própria experiência. Em tempo algum eu tenho a intenção de criticar Adão e Eva, e jogar sobre eles a responsabilidade pelos meus fracassos e pecados. Sinceramente, tenho mais motivos de gratidão a Deus pela vida deles, do que algo a reclamar. Ser o pioneiro em tudo, não é para qualquer um e assim, podemos tecer bons elogios a esse casal, que sei que ao chegarmos na eternidade, ouviremos boas histórias deles e poderemos compreender melhor. Depois de iniciar o processo de esconder a própria nudez com folhas de figueira, agora, eles se viram na expectativa de terem de esconderem a si mesmos. Quando a amizade e a comunhão é boa, ouvir a voz de Deus é maravilhoso, mas quando a consciência está agitada e confusa, o que seria a repetição de um tempo prazeroso de bate papo diário, tornara-se uma aflitiva e angustiante expectativa de como evitar aquela agenda. Sem querer viajar na maionese, subentende-se que Deus veio novamente, como todos os dias, e com uma presença (física/corpórea?) pois eles ouviram a voz de alguém que “andava” no jardim. Me permito pensar em passos nas folhas secas e gravetos no chão, ou o arredar de folhas e galhos enquanto se caminha. Vamos virar a página e pensar, onde será que eles se esconderam? Será que eles ainda não tinham se dado conta da onipresença divina? Ou será que por encontra-lo diariamente, numa dimensão que para nós hoje, assemelharia à física, então daria para esconder atrás de uma grande árvore, ou em cima dela, ou num arbusto!!! Embora, como filhos e adoradores de Deus e tendo noção teológica dos fatos sobre Deus, ainda continuamos com a tentativa de esconder dele. Ainda bem que é inútil. Mas pelo fato da invisibilidade física divina, as pessoas seguem naquela filosofia de que aquilo que os olhos não veem, o coração não sente; ou indo mais longe, o que não vejo, não está ali, quem sabe, nem exista. Mas lidamos com verdades espirituais pela fé, sempre pela fé.

 

Pai santo, obrigado por continuar nos amando e se importando com pessoas que agem como se fossem profundas conhecedoras de tudo e tivessem como escapar de ti. Graças pelo perdão e restauração mostrada a nós em Cristo Jesus. No nome dele oramos agradecidos. Amém.

 

Pr Jason

 

Folhas de Figueira

Meditação do dia 24/10/2017

Gn 3.7 – “Abriram-se. Então, os olhos de ambos; e; percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si.”

 Folhas de Figueira – A necessidade faz a oportunidade. A necessidade de cobrir a vergonhosa nudez despertou a criatividade neles para confeccionar vestes para si. Então, a indústria da confecção, também iniciou-se em Gênesis e aperfeiçoou ao longo dos dias. Espiritualmente, pensar nessa situação, produz momentos de aprendizagem que podemos considerar relevante para nossas vidas. A perda da autoridade moral e espiritual diante de Deus, afetou o relacionamento em todas as dimensões. Com a terra, com o trabalho, com os animais, entre eles dois e evidentemente com Deus. A vida nunca mais (?) seria a mesma. Vejo ali naquela jardim, o início de uma forma de lidar com os erros humanos que perpetuou até os nossos dias, assim, não podemos dizer que as desculpas esfarrapadas que damos para o pecado, são coisas novas, pois surgiram junto com o primeiro pecado praticado. Quando Adão percebeu que estava em falha, teve uma visão profunda de si mesmo e percebeu que estava nu. Qual seria a diferença dele olhar para seu corpo ou o de Eva e vice-versa, ontem e a partir de agora? Naquela hora provavelmente nem ele, pois tudo era muito novo, e aquela sensação de ter pisado na bola, milhares de anos antes mesmo da bola ser inventada, já agonizava no íntimo deles e estariam aprendendo a lidar com sensações nunca experimentadas antes. A nudez os incomodava, mas será que era mesmo a exposição dos corpos sem roupas, aliás, o que seria roupas naquela altura? Eles provavelmente nunca haviam visto, vestido ou ouvido falar sobre cobrir-se. Mas precisavam tomar alguma providencia, e assim, a primeira oportunidade de cobrir pra encobrir, os levou a uma figueira, que lhes forneceu folhas suficientes para formar uma cinta, ou tanga. Voces sabem que folhas verdes de qualquer vegetação, não tem grande durabilidade, então qualquer veste, abrigo, camuflagem, cobertura que se fizer é de bem pouca duração e logo terá que correr atrás de refazer o serviço. É o chamado “paliativo” ou “improviso,” e muito com o que nós brasileiros patenteamos como “jeitinho” para seguir tocando a vida. Espiritualmente os meios e recursos humanos para cobrir suas falhas e pecados não passam de “folhas” improvisadas para tapar o que não se tapa. Eu, já fiz muitas tangas de folhas de figueira nessa vida. Mas não funciona bem e não duram muito. Não há nada encoberto diante de Deus, é muito mais simples e permanente nos dirigirmos a Ele e admitir nossas fraquezas, erros, vacilos e pisadas de bola, do que ficar camuflando nossas imperfeições e negando-se à admitir que somos pecadores, somos maus e egoístas. Podemos dar até outros nomes sofisticados para justificar nossos feitos, mas no fundo é tudo folhas de figueira. A consciência do pecador o avisa de seu erro e suas faculdades racionais e emocionais começam a engendrar planos para safar-se ou não ser pego no ato, quem sabe, depois nem descubram quem fez ou como aconteceu. O Espírito Santo não acusa, nem encurrala ninguém no canto até deixar sem saída. O Espírito de Deus nos convence, com amor, graça e misericórdia; jamais ele irá nos apoiar no erro, mas jamais também nos abandonará à própria sorte. Todo processo de acusação e tormento é produzido pela ação do maligno. Ele é o acusador. Todo tipo de acusação, tem o patrocínio do inferno. O medo produz tormento, o capeta impõe medo, o pecado arrasta para esse lamaçal sujo onde todos eles atuam. O Espírito de Deus é um cavalheiro por excelência e atua ternamente no coração do homem, afirmando a verdade dos fatos, mas também a verdade da redenção disponível em Cristo Jesus. Não vá para o lado negro da força, meu irmão, minha irmã! Não vá atrás de folhas de figueira!

 

Pai, obrigado por trazer redenção ao coração ferido e ao pecador perdido. Jesus fez o melhor, o perfeito e o necessário. Nele, nós podemos confiar. Amém

 

Pr Jason

Adão Comeu da Fruta

Meditação do dia 23/10/2017

Gn 3.6 – “Vendo a mulher que a árvore era boa para comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu.”

 Adão comeu da fruta – Existe um sem número de hipóteses levantadas sobre a atitude e o comportamento de Adão e Eva, por tomarem dessa bendita fruta e comido. Uma das qualidades visíveis do crescimento e amadurecimento espiritual de uma pessoa é sua capacidade de assumir responsabilidades. Não ficar transferindo para os outros sejam eles quem quer que sejam. Já ouvi especulações tais como: “E se Adão não tivesse aceitado e comido?” Adão e Eva eram uma só carne, para simplificar as coisas. Eva era responsabilidade de Adão e os dois eram co-responsáveis um pelo outro e pela ordem recebida de Deus. Imaginemos que nosso casal, estivesse num barco a remo no meio de um rio, mar ou lago e não entrasse em acordo sobre remar e manter a direção e estabilidade do barco, o que levaria a um naufrágio; não importa de quem fosse a culpa ou a responsabilidade, depois que o barco virar, ambos irão parar na água. O fato é que Eva foi atraída e seduzida pelas maravilhas que o fruto apresentava, e ela tomou e comeu e deu ao homem que também comeu. Pronto! Ele era o cabeça e representante de toda a raça, embora naquele momento eram apenas duas pessoas. Adão pecou e foi responsabilizado por Deus. Quando começamos a andar nos caminhos do Senhor, iniciamos a nossa jornada vindos de uma vida desregrada e marcada pelo egoísmo, onde as coisas boas são nossas e fruto de nossa participação; se forem ruins ou der errado, alguém outro deve ser responsabilizado, culpado ou teve participação importante para que tudo desse errado. Parece que esse caminho iniciou com a serpente enrolando Eva e caindo no mato antes das coisas se tornarem públicas. Adão culpou Eva que culpou a serpente, que não assumiu nada. Por isso no processo de redenção, Jesus, sem fazer qualquer pergunta, tomou a atitude de renunciar a sua própria vida e quaisquer direitos e unilateralmente se deu por todos nós. A salvação para mim é de graça, mas para Deus custou seu filho e para Jesus custou sua vida. Não importa as circunstancias que envolvem a sua vida, sua situação social, financeira, moral e espiritual, você sempre será responsável pelos seus atos e irá prestar contas diante de Deus. Culpar o diabo, o governo, a crise, meus pais, a sociedade, o sistema e até mesmo a Deus, não vai ajudar e nem atenuar as coisas. Jesus iniciou a pregação sobre o reino de Deus, convocando-nos e a todos para se arrependerem e mudarem de vida. Sem arrependimento e conversão, não há solução. Só Jesus salva!

Senhor, obrigado, por haver provisão para nossos pecados na obra completa e perfeita do nosso Senhor Jesus. Lá na cruz, todos os pecadores podem se encontrarem e morrerem para suas vidas medíocres e serem nivelados pelo amor redentor do Senhor, para sairmos do outro lado como novas criaturas. Obrigado, por tão grande salvação. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Casal Sem Vergonha

Meditação do dia 22/10/2017

Gn 2.25 – E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam.

 Um casal sem vergonha – Calma, que eu me explico! Não estou xingando, nem atribuindo aos nossos ilustres progenitores ancestrais, falta de pudor ou moral duvidosa. Na Wikipedia, define-se vergonha da seguinte forma: “Vergonha (do latim verecundia), é uma condição psicológica e uma forma de controle religioso, político, judicial e social, consistindo de ideias, estados …” Meu amado mestre, Ricardo Linder, me surpreendeu nos tempos de seminarista iniciante, que sabe tudo, menos que na verdade não sabe nada, ao definir vergonha como “a perda da autoridade.” Pensando bem, isso reflete todo que está contemplado na definição acima e até um pouco mais. Quando alguém é flagrado com a boca na botija, como dizem os caipiras, ou com a mão na massa, por não poder se justificar ou dar uma explicação plausível, aparece a vergonha, porque ela perde a autoridade. Adão e Eva tinham uma vida legal e promissora; eram sábios, competentes e estava cientes de seus deveres, obrigações e privilégios. Tinham relacionamento estável com Deus e as demais coisas estavam sob perfeito controle. Haviam recebido instruções precisas e claras sobre como deveriam proceder com uma árvore específica e as consequências da violação da confiança depositada neles. Poética, moral, ética ou filosoficamente, a conotação de nudez é praticamente igual. Estar nu, poder ser em sentido bom, ao afirmar que não temos nada à esconder, estamos transparentes, rendidos e à disposição sem resistência. Pode ser negativo, quando tem a conotação de perda, em sofrimento, privação, negação e carência, desassistido. Uma amiga missionária, que ao receber visitas após a chegada de sua bebê, entre as visitas estavam índias de determinada tribo brasileira da amazonia e houve um conflito de interesses, porque  ela apresentou a criança envolta em roupas, mas as índias insistiam em descobrir as nádegas da bebê. Posteriormente ele soube da cultura da tribo, que para eles “não se pode confiar em alguém que não tem coragem de mostrar as nádegas.” Equivalente ao nosso “olho no olho” ou “não dá para confiar em quem não mostra a cara!” Adão não tinha nada de que se envergonhar; nada que desabonasse sua conduta e reprovasse sua vida. Temos que lidar com conceitos muito bons de vida e família, fé e adoração, pois a nossa fé sustenta que o Deus a quem servimos, vê tudo, sabe tudo e pode tudo. Então agir como para esconder ao de Deus, é meramente conceitual, pois na prática, como disse o escritor aos hebreus “E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar” (Hb 4.13). Nesse sentido, precisamos ser e viver sem vergonha nenhuma.

Pai, permita-nos a transparência e a clareza de intenções, para sermos luz e recebermos iluminação espiritual divina o tempo todo e em todas as áreas de nossa vida, incluindo a família e a fé. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason