A Separação dos Irmãos

Meditação do dia 29/11/2018

 “E viu Sara que o filho de Agar, a egípcia, o qual tinha dado a Abraão, zombava. E disse a Abraão: Ponha fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com Isaque, meu filho.”  (Gn 21.9,10)

 A separação dos irmãos – Os românticos falam que “o coração tem razões que a própria razão desconhece.” O andar pela fé produz situações que só a própria fé ajuda a vencer, uma vez que não há lógica, razão ou paixão que explique os mistérios dos caminhos da vida. Jesus falou para Nicodemos que O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” (Jo 3.8). Eu creio e o ensino bíblico de identidade e destino revelam que essa mensagem sobre a identidade pessoal é determinante para a vida adulta saudável, quando formada e inculcada da maneira de Deus. Ao contrário, quando ela é distorcida e transmitida de forma errada é altamente destrutiva e arrasa com a vida da pessoa. Tanto Deus, como Criador e sustentador da vida, quando o Diabo, que é um ladrão e destruidor, ambos tem planos para incutir na vida da pessoa e pelos princípios espirituais, nenhum deles, faz isso diretamente, mas lançam mãos de agentes especialmente preparados para essa tarefa, que são os pais. Os pais são os agentes para transmitir a mensagem de identidade e destino para a vida dos filhos. Eles fazem isso ao reafirmar os princípios de Deus ou as mentiras de Satanás. Pais cristãos, que são de fato tementes a Deus, não apenas levam seus filhos nas reuniões da igreja e os leva a participarem das cerimonias e rituais da fé cristã; eles se envolvem comprometida e propositalmente na transmissão de uma mensagem que definirá a identidade e o destino de seus filhos. Antes mesmo de Isaque nascer, Abraão já demonstrara diante de Deus que estava pronto e preparado para isso. Porque eu o tenho conhecido, e sei que ele há de ordenar a seus filhos e à sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para agir com justiça e juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado” (Gn 18.19). Mas a questão aqui hoje, é sobre o impacto que a decisão de Sara e Abraão de banir Ismael provocou e Isaque; ele era apenas um menininho, que acabara de se desmamar e no na sua festinha, seu irmão, um adolescente fez uma brincadeira que os adultos não gostaram e ele foi mandando embora com sua mãe no outro dia de madrugada, sem nem mesmo poder despedir do irmão. Certamente, podemos ver isso do ponto de vista espiritual e dentro do contexto de aliança com Deus e assim assimilamos melhor o golpe emocional. Mas ainda foi uma separação física e afetivamente marcante para ambos os garotos. Vivendo numa geração desnaturada e com a educação infantil totalmente terceirizada, é até complicado pensar em efeitos causados por uma separação como aquela. Tenho convicção que Abraão e Sara foram zelosos na transmissão dos fatos para Isaque, de forma que ele não ficou traumatizado, nem odiando o irmão ou os pais. Deus havia dito à Abraão que tudo ficaria bem e que Ele cuidaria tanto de Ismael quanto de Isaque e assim foi. Em muitas ocasiões, crises e traumas, fazem parte do processo de formação e treinamento para se aprender a lidar com frustrações e perdas, que ocorrerão na vida em muitas etapas. Vencedores e heróis, todos tem cicatrizes e marcas que contam histórias. Poupar no treinamento, pode resultar em fracasso quando chegar o verdadeiro combate.

 

Pai, obrigado, por experiências de perdas e dores pelas quais passamos e nas quais o Senhor anda conosco e nos conforta e consola. Somos chamados para sermos vencedores e mais que vencedores, o que indica combates e severas batalhas, que custam feridas e dores, perdas e revelações de verdadeiros amigos e heróis que estão do nosso lado e são fiéis em toda e qualquer situação, porque foram forjados no calor do batalha; Como Jesus, que aprendeu a obediência pelo sofrimento que experimentou e assim se tornou o autor da nossa salvação. Em nome dele é que oramos agradecidos, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

O Primeiro Banquete

Meditação do dia 28/11/2018

 “E cresceu o menino, e foi desmamado; então Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado.”  (Gn 21.8)

 O primeiro banquete – Banquetes na Bíblia não é nada estranho ou raro. Os mais engraçadinhos vão logo dizer que o povo de Deus não é chegado em beber, mas quanto o assunto é comida!!!! Aí sim somos bons no assunto. Mas tem boas razões também, pois sentar-se à mesa para comer é um gesto pacífico e de demonstração e confiança. Só levamos à sentar em nossa mesa, alguém que seja digno dessa honra; esse lugar é para os íntimos. Também sentar-se à mesa para comer, alude à negociação e trabalho para se chegar à acordos. Nas experiências de vida em igreja em células, percebe-se que as pessoas com alguma coisa de comer nas mãos, ficam mais desarmadas e disponíveis para a amizade e serem ministradas. Outro assunto que vem a tona ao lado de uma mesa de refeição é a celebração de gratidão e louvor por algo significativo que aconteceu recentemente. Há muitos registros sagrados de como o povo de Deus sempre celebravam suas grandes conquistas, com muita alegria e comida farta, porque essas coisas trás à mente das pessoas as bênçãos da generosidade do Senhor nosso Deus. Sem falar que por si só, a comida e comer junto com outras pessoas com as mesmas afinidades produz alegria. Jesus mesmo era bem chegado numa boa mesa e ele até fará um banquete divino (literalmente) para recepcionar os remidos ao chegarem na sua casa e nossa casa, para onde ele foi preparar lugar. Aqui estamos vendo o desenvolvimento da vida do pequeno Isaque, e no dia em que ele foi desmamado, o pai dele fez uma festa, com banquete farto para celebrar essa etapa da vida do filho. Depois de anos de espera pela promessa, agora ele via com muita satisfação o seu filho crescendo e se desenvolvendo bem, e chegara o dia em que ele vencera um dos primeiros desafios de sua vida, passo importante para se tornar um homem. Veja bem, tornar-se um homem não está ligado a ter determinada estatura e porte físico; isso virá com o tempo e com o desenvolvimento natural do todo da vida. Um homem é bem mais complexo e completo do que um espécime humano do sexo masculino. Tem macho demais nesse mundo que não é homem nem aqui e nem em outro qualquer planeta. Mas o meu centro de gravitação hoje, é a festa que Abraão fez em homenagem a conquista de seu filho, no dia em que ele foi desmamado; o que nos leva a pensar que esse processo é motivo de alegria e celebração, não de tristeza e lamento. Observando a natureza, percebe-se que toda nova fase é precedida por uma aparente perda, que por si só e as vezes até com o sofrimento produzido, gera a nova fase; são as metamorfoses da vida, que sem um descarte de uma, não se adentra na outra; são perdas, mas são necessárias e vitais para a próxima fase. Os humanos são os únicos, me parece que adotam hábitos de se sobrecarregarem e não descartarem nada, guardando tudo como “lembrancinha” daquele tempo querido que não volta mais. Para todos, o tempo não volta mais, mas afetivamente, muitos não saem daquele tempo e passam a viver uma dolorosa experiência de dicotomia existencial, fisicamente no presente, mas emocionalmente no passado, todo ou em uma fase dele. (observe os seriados e filmes de psicopatias, que todos eles recriam uma fase, da qual nunca saíram). Aqui finalizou a primeira infância de Isaque e com uma festa, a primeira em sua homenagem e participação, ele pulou de fase para seguir em frente.

 

Pai amado, graças te rendemos por cuidar de nossa vida e de nossa saúde emocional também. Fomos criados dentro de um projeto muito bem estruturado e de tal modo preparado para sermos felizes e úteis em toda a nossa vida. Fases acontecem e precisamos superá-las e seguir em frente para o nosso próprio crescimento e aprimoramento dos dons e habilidades que proveste a cada um de nós. Nesse dia, queremos pedir a cura e restauração dos elos que não foram bem ordenados no devido tempo e por isso ficamos presos ou ligados a alguma etapa ou fase da vida e não desenvolvemos tão bem, pensando muito sobre nós nos dias de hoje. Que o Espírito Santo, perscrute minunciosamente o nosso interior, para sermos guiados aos caminhos eternos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

O Menino Foi Desmamado

Meditação do dia 27/11/2018

 “E cresceu o menino, e foi desmamado; então Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado.”  (Gn 21.8)

 O Menino foi desmamado – Estamos meditando na Palavra de Deus, tomando por base a vida e a história de pessoas que deixaram um legado de fé e são modelos em muita coisa para nossa vida na atualidade. Conhecendo a pessoa de Deus e sua administração eficiente, sabemos que ele não desperdiça nada e muito menos ocupa o tempo dele e o nosso com coisas sem propósitos; sempre há uma razão porque aquele registro sagrado foi autorizado e está ali por uma razão muito importante. Na área da ciência, busca-se evidencia para comprovar as teorias e transformá-las em teses e etc. Uma ausência de evidencia, não significa uma evidencia de ausência; precisa-se aprofundar mais e ver o que ainda não foi visto e revisitar tudo o que já foi visto para encontrar o que se deixar passar ou foi ignorado. O profeta Isaias corrobora com essa minha tese, ao clamar ao povo dizendo: Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura” (Is 55.2). Sendo que Deus acha que não deveríamos gastar ou investir esforços em atividades que não produzem resultados consistentes, porque ele o faria? Claro que não faz. Isaque foi desmamado e ponto. Poderíamos nos dar por satisfeito com essa declaração que é muito simples, clara e não tem margem para interpretação. Excetuando-se uns poucos casos, por eventualidade de saúde da criança ou da mãe, toda criança passa por esse estágio da sua vida e isso quer dizer que você e eu e todos que conhecemos passou por isso; verdade! Existe o tempo ideal e adequado para o aleitamento materno e para o processo de desmama da criança, porque isso também tem importância na sua vida psicológica, na sua saúde emocional, que integra o quadro maior da formação da sua vida de adulto. Não tenho experiência de vida no exterior, com vivencia em outras culturas, minha inteira foi vivida aqui na Brasil e tive convivência com gringos ao meu redor, que tiveram filhos enquanto estávamos por perto ou já os conheci com crianças pequenas e me parece que não difere muito da nossa cultura, quando os pais são mais experientes, (para não dizer idosos); dizemos que esses pais estragam seus filhos por mimá-los demais e afrouxar na correção, afinal eles vieram na idade que eles já deveriam ser avós e sabemos que a especialidade principal dos avós, é estragar os netos; tudo que os filhos não podiam fazer, os netos fazem e são lindos demais!!! Já até ouvir dizer que “os filhos são dados para amansar os pais para os netos montarem!” Deixa isso prá lá! Estou mais interessado no fato dos pais serem amadurecidos o suficiente para não estragarem as etapas da vida dos filhos, pelo fator de suas idades; ou por terem um único filho e ou terem perdido um e agora querem à todo custo descarregar todo o seu amor, cuidado, proteção sobre esse, que acaba por sufocar e limitar suas reais chances de desenvolvimento. A compreensão do que são os filhos na vida do cristão é muito importante para o exercício de sua mordomia e ministérios. Todos os contextos bíblicos sobre o assunto precisam ser levados em conta, para que a pessoa não se aproprie de algo que não é dele, é de Deus e lhe foi confiado para cumprir um propósito no reino de Deus. Se eu perguntar aqui: Você conhece algum adulto que ainda não foi desmamado até hoje? Faltariam dedos nas nossas mãos para contar! Pais que não aceitam o processo de desmama, filhos ficam dependentes a vida toda (do leitinho fácil); famílias em segunda e terceira geração ainda sem desmamar e as matriarcas e patriarcas forçam a dependência para demonstrarem o quanto são competentes e produtivos. Desmamar faz parte normal do crescimento saudável. A ligação afetiva e a dependência um do outro tem um tempo e um propósito, além disso se torna nociva, doentia e atrofiante. Sobre Jesus nos temos escrito: E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lc 2.52). Quer melhor modelo?

 

Obrigado, Pai, pelo seu investimento em nossas vidas e em nosso crescimento. Somos gratos por tua fidelidade e nos guiar em caminhos que nos levam para mais perto de ti  e dos teus santos propósitos. Que hoje seja um dia de crescimento e aprendizado para cada um de todos nós. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

O Menino Cresceu

Meditação do dia 26/11/2018

 E cresceu o menino, e foi desmamado; então Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado.”  (Gn 21.8)

 O Menino Cresceu – O menino aqui é Isaque. O menino aqui é uma “bênção” materializada em pessoa humana. Me perdoem a heresia jasoniana, mas “a bênção se tornou carne e habitou entre nós…” a vida segue estágios sequenciais e temos que passar por eles; como já escrevi antes, entendemos que a antiga cultura hebraica, abraçava a idéia de que a vida de uma pessoa passava por etapas em que seria de suma importancia uma bênção especial. 1. Na concepção; 2. Vida uterina; 3. Nascimento; 4. Primeira infância; 5. Puberdade; 6. Casamento e 7. Velhice. Não se chega na próxima estação sem passar pela anterior. Nesse caso aqui, estamos na quarta estação; quando Isaque já era um menino grandinho. Do ponto de vista dos pais, era uma criança amada e que fora aguardada com muita expectativa. Do ponto de vista da fé, era uma promessa de Deus que estava seguindo seus passos rumo ao cumprimento de propósitos maiores. Ter um filho, é algo maravilhoso; quando ele nasce, uma etapa está completa, mas a satisfação dessa etapa, não é a satisfação total, porque é apenas um passo, numa caminhada. Quero dizer aqui, fazendo um paralelo, que a vontade de Deus determinada para nós, está em processo de acontecimento e as etapas vão se sucedendo e devemos ser gratos e felizes com cada uma delas; mas entendendo que elas estão se desenvolvendo para atingirem ideais maiores. Quando falo sobre dons, procuro sempre lembrar que eles são instrumentos, ferramentas para desenvolvermos o ministério que nos foi entregue. Dons não são enfeites da árvore de natal; que são lindos, brilhantes, chamativos, mas não são comestíveis, e não produzem nenhum outro resultado senão enfeitar. Os dons de Deus não podem existir nas vidas de seus filhos apenas para enfeitar ou ostentarem-se. Eles precisam sem frutos que produzem resultados na vida dos que nos cercam. Um Isaque crescendo na casa de Abraão, indicava que as outras etapas das alianças entre Deus e Abraão estavam bem encaminhadas. Na minha vida e na sua não podem ser diferentes.

Obrigado Pai, por tuas promessas, sempre firmes e fiéis.

Pr Jason

Motivo de Riso

Meditação do dia 25/11/2018

 E disse Sara: Deus me tem feito riso; todo aquele que o ouvir se rirá comigo.”  (Gn 21.6)

 Motivo de Riso – Temos aqui um depoimento de uma mãe, sobre o nascimento de seu filho. Abraão e Sara haviam expressado através do riso, suas emoções afloradas quando receberam a notícia de que o filho prometido por Deus estava prestes a chegar. Foram “disciplinados” pelo Senhor, com a nomeação do filho com um nome significativo, aludindo à expressão da falta de fé, ou dúvida sobre como aquilo poderia vir à acontecer naquela altura de suas vidas, devido às condições desfavoráveis. Agora, ao contrário, Sara vem testificar da sua alegria de ter seu próprio filho nos braços, ver em ação a fidelidade de Deus e assim tudo pelo qual eles batalharam por tantos anos estar bem encaminhados. Para ela, de fato aquilo era um milagre da provisão de El Shaddai, e não deixava de ser uma expressão do bom humor de Deus ao lidar conosco. Se eu ou você em nosso dia a dia, nos depararmos com um casal de idosos vivendo em boas condições de saúde, mas na casa dos cem anos e que por toda a vida não tiveram filhos porque a esposa era estéril, e de repente aparece uma gravidez e tudo transcorre normal e nasce uma criança em perfeitas condições de vida e saúde, não acharíamos engraçado? Os amigos mais próximos não iriam se divertir com o fato? Sara assimilou isso e disse que Deus a fizera rir e agora qualquer que ouvisse esse relato, também iria rir. Isso é bom ou ruim? É maravilhoso! Ela está convidando mais pessoas para se alegrar com ela pelos feitos de Deus em sua vida. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes. Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres” (Sl 1262,3). Isaque ao nascer trouxe não só alegria, mas também trouxe risos, para a vida de Sara e Abraão e eles sabiam que isso também provocaria risos em qualquer pessoa que ouvisse ou viessem a saber do cumprimento da promessa de Deus para a vida deles. As promessas de Deus sempre produzirão alegria em nossos corações, mas também podem produzir risos, ou alegria espontânea, pelo modo como as coisas acontecem. Testemunhar esses acontecimentos, compartilhamos com os outros a alegria e até podem rir conosco, por aquilo que Deus está fazendo em nós e por nós.

Senhor obrigado pela alegria e pela satisfação; pelo contentamento que a tua presença e a tua capacidade de suprir produz alegria em nossos corações. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Pai Centenário

Meditação do dia 24/11/2018

 E era Abraão da idade de cem anos, quando lhe nasceu Isaque seu filho.”  (Gn 21.5)

 Um Pai Centenário – Qual a idade certa par se tornar um pai? Certamente essa é uma boa pergunta para se filosofar e vamos chegar a muitas respostas e todas elas com suas razões. Mas não vamos aqui nos apegar a números, pois eles são muito exatos e o que é matematicamente preciso, pode não ser uma boa razão para a paternidade. Diversos aspectos estão ligados ao evento da paternidade e isso precisa ser levado em conta, ao tentar chegar a uma boa resposta para a pergunta inicial. Do ponto de vista biológico, a paternidade pode vir muito cedo, na puberdade mui provavelmente; aí então todos diríamos que teríamos duas crianças e uma cuidado da outra. Se formos olhar isso pelas raízes bíblicas, poderemos voltar ao início e pegar as primeiras citações sobre a família e assim tirarmos umas conclusões: Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 2.24). Não vou fazer um estudo bíblico e nem montar um sermão apropriado para um casamento, mas a ideia cristão de deixar pai e mãe e unir-se à sua mulher, é um conceito que exige alguns pressupostos básicos para ser efetivamente a maneira certa das coisas acontecerem. É preciso maturidade física, quando a pessoa já está apta a realizar tarefas e obrigações que lhe permitem cuidar de sua esposa e família; precisa maturidade emocional, quando já se tem equilíbrio e sensatez para grandes e importantes decisões e principalmente maturidade espiritual, para cumprir seus propósitos e destinos e acima de tudo poder constituir uma verdadeira unidade espiritual nos moldes de Deus. Quando penso na pergunta inicial sobre o fato de Abraão ter se tornado um pai aos cem anos de idade, estou me apegando um processo de crescimento e maturidade no relacionamento dele com o Senhor Deus, que estava sendo gerado e desenvolvido, porque Deus não estava lhe dando somente um filho biológico, ou uma criança para criar; pois isso era por demais simples e até ele o fizera ao ajudar o seu próprio pai a cuidado do sobrinho Ló que perdera seu pai muito cedo e assim o avó e o tio fizeram isso. Isaque era uma promessa, uma semente espiritual de uma linhagem espiritual que envolvia o propósito eterno da redenção e era para isso que Abraão e Sara vinham sendo preparados. Aos cem anos ele estava pronto e Deus não estava atrasado e nem se sentindo pressionado por algum fator que viesse a comprometer a integridade dos seus planos. O fato de Isaque ter um pai centenário, não era para que ele fosse mimado e estragado por superproteção e medos e fobias de pais emocionalmente desequilibrados e mentais insanos, cheios de manias. Precisamos ainda hoje, olhar as promessas de Deus e as palavras que dizem respeito aos seus planos para conosco, à luz daquilo que o próprio Deus está construindo em nós e ao redor de nós para dar suporte à realização de sua vontade. Nossa idade biológica não irá adiantar e muito menos atrasar ou inviabilizar os planos de Deus; mas precisamos crescer e amadurecer para não sermos apanhados pelas armadilhas insanas de conceitos mundanos e assim deixarmos de ser disponíveis e viáveis a Deus. Que ele seja louvado em nós e através de nós em todo tempo e em todas as condições, sem pecados e desobediências e fobias, é claro!

Senhor, graças eu te dou, por continuar aprendendo contigo e com tua Palavra em todos esses anos de caminhada contigo; quanto mais nos aproximamos de ti, mais nos aproximamos uns dos outros e melhor podemos ver a tua centralidade em nossas vidas. Tu podes todas as coisas e em todo tempo, então não seremos nós que limitaremos a manifestação graciosa do Senhor para realizar grandes coisas. Em nome de Jesus, mantemos nossa consagração e desejo de estar disponíveis a ti, sempre que assim for a tua vontade, amém.

Pr Jason

A Circuncisão de Isaque

Meditação do dia 23/11/2018

 E Abraão circuncidou o seu filho Isaque, quando era da idade de oito dias, como Deus lhe tinha ordenado.”  (Gn 21.4)

 A Circuncisão de Isaque – Depois de tantos anos passados, é até fácil para nós, ocidentais, pensar que para Abraão circuncidar seu filho Isaque não era algo de tão grande importancia, era até corriqueiro para aqueles tempos. Para mim, não é assim. Ainda que circuncisão fosse algo já usual entre aqueles povos, para Abraão aquilo tinha uma conotação espiritual mais profunda; Deus mesmo, pessoalmente falara com ele sobre aquilo a uns catorze anos atrás e naquela oportunidade, ele próprio fora circuncidado e seu filho Ismael e outros homens de convivência. Agora, se tratava de circuncidar o primeiro bebê nascido sob aquela aliança e daquela promessa. Essa era a primeira circuncisão que tinha o significado de transmissão da promessa de geração em geração. Um pai orgulhoso de seu filho recém nascido, trazendo-o à presença de Deus para uma cerimonia que inaugurava uma nova ordem na humanidade. Isaque era o primeiro descendente de Abrão, o primeiro de uma linhagem que perduraria para sempre, e que através dele, todas as promessas se cumpririam. Para mim, isso não parece algo insignificante, não mesmo. É comum, arrazoarmos os eventos espirituais do povo de Deus e até da igreja, comparando sua utilidade com os valores sociais de hoje, quando na verdade hoje, nada tem valor permanente. Nada é durável, além de poucos dias. Enquanto alguns veem na circuncisão apenas uma cirurgia num lugar um tanto incômodo e apenas uma coisa para homens, Paulo, o Apóstolo, diz algo um tanto mais profundo: Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne” (Fp 3.3). Tudo aquilo lá no Velho Testamento era simbólico e temporal; a realidade e a espiritualidade estava reservada para o tempo da igreja, o tempo da graça, ou o nosso tempo; quando Cristo manifestou sua obra redentora na cruz e as coisas passaram a ter uma perspectiva mais interior, do coração, do espírito mesmo e o sentido é totalmente espiritual. Literalmente para Isaque trazer as marcas de que era legítimo descendente de Abraão, ele precisa ter na carne, as cicatrizes de uma cirurgia, que revelava obediência e disposição de seguir instruções. Para nós, a fé tem o papel principal e a atitude do coração transformado pelo poder do Espírito Santo, revela a graça de Deus aceita e operante na vida da nova criatura. Ao invés de nossas próprias marcas e cicatrizes, na vida espiritual o que vale são as marcas de Cristo. Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus” (Gl 6.17).

Senhor, por todas as marcas que os homens deixaram em ser corpo, trazemos a nossa gratidão e o nosso reconhecimento, porque essas pisaduras, por essas marcas e cicatrizes nós podemos ter aceso ao perdão, a cura, a proteção e a redenção completa. Nosso coração agora é circuncidado, porque nos convertemos a ti e estamos comprometidos contigo e com teu estilo de vida. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Isaque Chegou

Meditação do dia 22/11/2018

 Abraão deu o nome de Isaque ao filho que Sara lhe dera.”  (Gn 21.3)

 Isaque Chegou – Já falamos por mais de uma vez sobre o modo de se escolher nomes para os nossos filhos. As culturas antigas tinham uma noção mais precisa sobre a importância desse ato na vida das famílias. Abraão e Sara certamente poderiam ter um desejo de dar certo nome a um filho que viessem a ter, mas eles foram agraciados com a promessa de um filho e lutaram muito para que isso acontecesse; nesse caminho de aprendizado, deram a chance de permitir que Deus lhes aplicasse uma disciplina, escolhendo o nome para o filho; uma forma de mantê-los sempre atentos ao cuidado e poder de Deus de cumprir suas promessas. Isaque significa “Riso” e não só porque eles riram, mas porque suas atitudes demonstravam que eles apesar de acreditarem, estavam mais para duvidar do que para crer. Novamente chamo a atenção de todos nós, porque não acredito que Abraão e Sara foram os primeiros e os últimos nessa arte; nem são os únicos. Como já falei outras vezes, sou mestre em descrer, sou muito bom em ser racional e ter medidas exatas para todas as coisas e sei que não sou só e não sou uma ilha nesse imenso oceano de cristãos que também batalham para terem uma vida de fé e comunhão com Deus, mas lutam com suas falhas e fracassos. Mas graças ao Deus, que nunca nos abandona e nunca deixou de operar e muito menos de dar seguimento aos seus eternos propósitos, só por terem a incredulidade humana em ação. Justamente por isso, precisamos de salvação, e ela veio exatamente pelo caminho da fé, e só pela fé. Isso nos faz exercitar essa parte atrofiada em nós. Me lembro daquele pai angustiado ao trazer seu filho, uma criança atormentada por um demônio destruidor que o atirava na água e no fogo em tentativas de exterminar sua vida e Jesus o libertou de vez; o que me chama muito a atenção foi o modo como o pai se expressou:  E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade” (Mc 9.24). Abraão o pai da fé estava crescendo nesse relacionamento com o Senhor e chegou a ser a figura que todos admiramos até hoje e para sempre. Isaque veio, nasceu como Deus havia dito, como havia prometido. E como era esperado, filho físico e biológico de Abraão e Sara. Teremos muito o que aprender com esse Isaque, porque sua vida e seu histórico tem tudo com as promessas divinas para todos nós. Quem não tem esperado por um Isaque em vida?

Senhor obrigado, por ser fiel e justo em todo o tempo. Contamos com tua ajuda para sermos fieis e comprometidos contigo e com teu reino, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

(PS: Agradeço as orações dos amados, passei por uma cirurgia na última quarta feira (21/11/18) para corrigir uma hérnia inguinal, mas já estou em casa e está tudo bem.)

Um Filho na Velhice

Meditação do dia 21/11/2018

 “E o SENHOR visitou a Sara, como tinha dito; e fez o SENHOR a Sara como tinha prometido.”  (Gn 21.2)

 Um Filho na Velhice – Há poucos dias atrás, um pastor amigo, ministrou no nosso encontro anual a que chamamos de “Celebrando” – Um evento da nossa Associação de igrejas Batistas Nacionais da Região Alta Noroeste Paulista, cujo propósito é ter um dia celebração, adoração, e batalha espiritual no dia 12 de outubro, em oposição a um dia de celebração nacional da “Padroeira do Brasil.” Ao ministrar, esse pastor falou sobre as promessas de Deus na vida dos cristãos e a importância da perseverança firme e fiel, porque há um espaço de tempo entre a promessa e o efetivo cumprimento. Esse tempo é que pesa, pois ele é o tempo em que somos testados, provados, triturados e Deus constrói em nós o necessário para não apenas receber a promessa, mas desfrutar dela e de tudo que Deus determinar para nós dali em diante. Observando a experiência de Abraão e Sara, podemos ver que realmente foi um tempo de espera relativamente grande, desde os setenta e cinco anos até aos cem anos de Abraão. Todos nós temos dificuldade com o fator tempo. Ele passa muito veloz quando temos que realizar algo, mas simultaneamente para muito mais tempo, quando esperamos por algo da parte de Deus. Como o Senhor não tem nenhum problema com nada disso, ele faz a história acontecer e faz muito bom uso do tempo para tratar conosco e afinar o nosso caráter e tornar-nos melhores, disciplinados e produtivos. Para quem vê a vida do ponto de vista de Deus, não há atrasos e nem adiantamentos, simplesmente as coisas acontecem no devido tempo e no modo certo, conforme a vontade do Senhor. Enxergamos paralelos no trato com nossos filhos; os pais sabem muito bem do que estou falando. Desde bebês recém nascidos, eles tem suas demandas e sabem que elas serão supridas por nós, mas quem diz que eles tem paciência e esperam alguma coisa?!!!! Eles abrem a boca e choram e gritam copiosamente, durante os minutinhos que estamos esfriando a mamadeira para atingir a temperatura ideal. E a vida segure e eles nos pressionando por rapidez; se vamos viajar, mal saímos e eles já começam a perguntar se estamos chegando e se ainda falta muito. Podemos seguir esse raciocínio que vamos longe…. Na vida espiritual, também precisamos crescer e amadurecer e não existe modo de fazer isso do dia para a noite; virtudes são formadas e marcas são criadas com o tempo e a repetição. À medida que avançamos em uma área, nos habilitamos a novos desafios e mais provas até sermos de fato aptos. Isaque foi uma promessa que ninguém tinha dúvida que ela se realizaria, mas o tempo entre a promessa e o seu nascimento produziu muita provação e crescimento. O sonho de ter Isaque, mexeu com a vida daquele casal e eles se puseram a trabalhar para por conta própria produzir seu milagre, mas quanto mais mexiam, mais problemas descobriam que estavam criando. Deus sempre os trazia para o lugar de descanso e calmaria relembrando que eles teriam um filho, nascido da semente deles, por vias normais, e quando eles riram dessa possibilidade foi como se Deus dissesse: “Voces acabaram de me dar uma dica importante, o nome do filho de vocês, vai fazer se lembrarem para sempre de que duvidaram de mim!” Alguns acham que quando ficamos mais velhos, ficamos mais moles, mais tolerantes; quando na verdade, a maturidade acompanhada do relacionamento com Deus, produz resiliência virtuosa, que poderia muito bem ser chamada de “antifrágil.” Esse é um termo do mercado financeiro, que descreve algo (um ativo), que sofre muito impacto e sofre tanto e se torna mais forte a cada impacto. O antônimo de frágil, é forte, resistente, mas o antifrágil não só resiste impactos, como fica mais forte a cada novo impacto. Como não existia um termo para descrever isso, então surgiu o termo “antifrágil.” Me parece que a maturidade cristã e as experiência com o Senhor torna os cristãos de fato antifrágeis, aprendemos a perseverar e tirar forças de onde não mais existe e assim entendemos o conceito de o Senhor é a nossa força.

 

Pai, obrigado por cumprir cada uma e todas as tuas promessas. Por nossa imaturidade e impaciência ficamos ansiosos e inquietos mas a tua graça é generosa e nos faz crescer e experimentar que verdadeiramente o Senhor é bom em todo tempo. Somos gratos por isso e por tantas outras lições que aplicas em nós durante o percurso da nossa jornada contigo e depois descobrimos que o melhor de tudo, foi sempre a tua presença e a tua companhia; estar na tua presença, contemplar a tua face é maravilhoso. Obrigado por isso, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

 

Como Tinha Dito – Como Tinha Prometido

Meditação do dia 20/11/2018

 “E o SENHOR visitou a Sara, como tinha dito; e fez o SENHOR a Sara como tinha prometido.”  (Gn 21.1)

Como tinha dito – Como tinha prometido – Conhecemos como a “Regra de Ouro” dos ensinamentos de Cristo aos seus discípulos, a expressão Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas (Mt 7,12). Não fazer aos outros aquilo que não gostamos que seja feito conosco; uma espécie de reciprocidade. Tiago na sua carta, aos cristãos dos dias apostólicos, falou que Deus não se agrada de pessoas de ânimo duplo, divido entre duas opções, gente que duvida, fica em cima do muro, não sabe se acredita, se duvida, acredita duvidando. O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos. (Tg 1.8). Já sabemos que essa prática, inibe as respostas de oração de qualquer um. Mas ainda mais grave, é uma pessoa não cumprir o que fala ou promete. Deus leva isso muito à serio, e há ensinamentos espalhados por todas as Escrituras, para ensinar, corrigir e disciplinar isso, porque coloca em evidencia o caráter e a integridade da pessoa. Em se tratando de pessoas que são representantes do Senhor, essas atitudes comprometem o caráter de Deus revelado e depõe contra a santidade do seu nome. Em relação a isso, Jesus disse o seguinte: Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna (Mt 5.37). Em relação a si mesmo, ela pegou pesado, quando através de Balaão reafirmou seu caráter firme e Palavra poderosa. Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? (Nm 23.19). Segundo ele aqui, mentir e faltar com a palavra é coisa de homens e que ele não deve ser colocado nessa categoria! (aff!). Pois bem, O Senhor também não faria aquilo que não recomenda aos homens fazerem; e foi assim que ele visitou Sara, no devido tempo como dito, assim foi feito. Não é essa hoje a minha inspiração da meditação do dia, mas sim o fato de Deus visitar Sara! Aqui está a razão da bênção chegar. Claro que pelo seu poder bastaria uma ordem, uma palavra, uma sugestão da sua vontade já seria suficiente. Reverter um quadro de infertilidade de uma mulher, já é uma manifestação de poder, e seria reconhecido por isso. Mas entendo e compartilho isso com vocês, pelo fato de que a situação a essa altura, já não era apenas infertilidade, esterilidade; mas muitos outros fatores se somavam e precisavam ser revertidos para que não deixasse qualquer vestígio de dúvida de que aquilo só aconteceu porque houve de fato um visitação especial de Deus. Todo vigor físico necessário para gerar um filho, gestá-lo em segurança e sustenta-lo por nove meses e produzir um nascimento sem complicações, era uma impossibilidade humana aceitável e consumada para Sara. Deus reverteu tudo. Ela ganhou uma condição de vida e saúde capaz de enfrentar todo o processo de gravidez e tudo o que isso exige. Ela foi vivificada e energizada para ficar em plenas condições de saúde e vigor, como se ainda fosse uma jovem senhora. Deus não mede esforços para cumprir sua Palavra e sua vontade já expressa a nós. Isaque estava à caminho e Sara sabia que ele viria, mas ela não sabia como as coisas aconteceriam, pois as variáveis humanas estavam saturadas, mas as divinas estavam em pleno vigor. Deus pode tudo e não depende de nós termos as condições ideais. Ele faz o possível, mas igualmente faz o impossível!

 

Obrigado Senhor, por demonstrar o seu grande poder e assim a tua vontade se realizou na vida de Sara e Isaque, que era a expressão da tua promessa se fez realidade para eles e para nós hoje. Cremos no teu imenso poder e bondade e nos colocamos disponíveis a ti, para a manifestação da tua grandeza e glória, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason