Quando Deus Mostra Alguma Coisa

Meditação do dia 31/03/2018

Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência.”  (Gn 15.5)

Quando Deus mostra alguma coisa – Ninguém entende melhor o ser humano do que Deus, o Criador. Até aqueles detalhes que nem mesmo a gente sabe ou entende, não é oculto a Deus. Nossa inteligência emocional, que é área nova no universo dos descobrimentos e está se maturando entre as ciências sociais, já era comum para Deus ao lidar com suas revelações aos seus servos. Posso notar que esse revelação divina ao patriarca, foi muito mais do que uma aparição, ou um anúncio espiritual a alguém que estava sensível e disposto a servir a Deus. Foi um diálogo, no sentido bem comum, onde duas pessoas trocam idéias e conceitos e há perguntas e respostas, questionamentos e soluções são apresentadas. Não foi o bastante, Deus mostrar à Abrão, que ele teria um filho biológico para chamar de herdeiro, mas o levou a experiências além de um mero revelar-se no íntimo, ou em aparição mística. Deus o levou para fora da tenda onde estavam. Isso indica comandos físicos, ordem e recepção da mensagem, como se as duas partes fossem humanas, ou ao menos, físicas. Eu diria que foi uma experiência muito didática, como os bons mestres fazem, para aliar informação intelectual, com conhecimento experimental. Os dois saíram para fora e Abrão podia agora contemplar o céu estrelado e recebe o desafio de contar aquelas estrelas, se pudesse fazer isso. Dá pra imaginar, Abrão e Deus, lado a lado, olhando para céu? Eu e Deus, você e Deus, parados de pé, contemplando o céu estrelado, sem muita pressa! Mais do que a palavra final de Deus, vale muito aqueles instantes de estar juntos, lado a lado, um sabendo tudo que tem lá em cima, o nome de cada estrela e os muitos universos ainda por descobrir e suas utilidades e o outro apenas vendo o que o campo de visão física permite, mas mesmo assim já é muita coisa. Cultivar a presença de Deus em nossa vida é muito superior à ter revelações e informações de segredos estelares e de recursos do universo. Abrão tinha fé para ter esse tipo de experiência. Abrão precisaria desse tipo de fé para contemplar um futuro invisível ao olho humano, mas plenamente alcançável pelos recursos do Senhor. Precisamos de fé para uma experiencia e também precisamos de fé para ver a materialização das promessas. Sei que Abrão viu esse filho nascer quando tinha cem anos de idade e sei ele pode ter visto seus dois netos até perto dos quinze anos, mas certamente ele viu tudo o que Deus lhe deu. Ninguém deve viver buscando revelações ou caçando promessas; conhecer a Deus e o amar já são revelações grandes demais para serem descortinadas ao longo da nossa existência. Quando Deus nos mostra algo, ele sabe o porque e tem os meios de fazer acontecer, ainda que exageradamente grande para nossa condição humana, mas a sabedoria nos ensina, que, por algo ser grande demais para minhas capacidades, não significa que também o seja para Deus. Parece que a única coisa que limita a ação de Deus e a nossa incredulidade ou indisposição de dar os passos de fé necessários. Se Deus te chamar para fora e quiser te mostra algo, saia e aprenda, ainda que em silencio, mas apenas viva o momento e contemple a experiência que pode ser só sua e dele, juntos.

 

Pai, obrigado por ser assim, tão grande e mesmo assim ter comunhão com a gente assim, tão pequenos. Obrigado por ter nos criado com um potencial tão grande que estamos sempre descobrindo novas oportunidades. Obrigado por Jesus ser tudo o que precisamos. Obrigado pelo Espírito Santo vivificar tua Palavra em nós. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Quem Será o Herdeiro?

Meditação do dia 30/03/2018

E eis que veio a palavra do Senhor a ele dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro.”  (Gn 15.4)

 

Quem será o herdeiro? – Quando pensamos em herdeiro ou herança, pressupõe-se uma paternidade ou direito legal adquirido. O comum é sucessão hereditária; assim não tem discussão ou observações, pois as leis já preveem esses casos. Abrão estão aprendendo a andar com Deus e vendo que sua vida e o resultado dela não era casual ou o destino é que dirá o que o futuro aguarda. Ele estava consciente que tudo estava nas mãos do Senhor seu Deus e que as possibilidades também passavam por sua capacidade de gerenciar seu potencial. É muito comum ainda nos dias de hoje, creio que especialmente no Brasil, a expressão: “Faça a sua parte, que Deus ajuda com a outra!” é algo parecido com isso. Então Abrão reagiu ao perceber que a sua promessa era grande e maravilhosa, mas de nada valia se ele não tivesse um filho para herdar as promessas, pois tudo morreria com ele. A ansiedade humana não é nova e as expectativas sempre acabam mexendo com o interior das pessoas. Vemos isso nos jovens que querem curtir a vida e só pensar em constitui família mais tarde, quando todo já estiver resolvido; depois eles percebem que não podem resolver todas as coisas e ou nem sempre a vida segue um curso pré-estabelecido; assim a idade chega e começa a passar e aí bate aquela pressão social e interiormente o indivíduo se vê com pouco espaço para manobras. Vemos isso também nos ministérios das igrejas, cujos pastores nunca se preocupam com a sua sucessão, como se isso não fosse acontecer de uma forma ou de outra; então quanto mais adiam as decisões, mais apertado fica para fazer boa sucessão e não é raro, ver frustração e quebra de confiança, com prejuízos para todos os lados. Vemos isso no mundo empresarial, onde as coisas ficam retidas nas mãos firmes dos fundadores ou primeira geração de herdeiros e que não são abertos às novas idéias e conceitos e se valem da máxima de “sempre as coisas foram assim” e deram certo até hoje, então, porque mudar? Mudanças incomodam! Produzem insegurança! O medo do desconhecido pode ser determinante para preferir a acomodação. Nesse caso, Abrão afirmara que pelo fato de não ter recebido uma bênção em forma de filho para que herdasse suas posses e promessas, se via na obrigação de fazer de um servo nascido em casa o seu herdeiro. Será que ele esperava ouvir Deus lhe dizer: “Uai, Abrão, é mesmo! Nem tinha pensado nisso, e você está ficando velho!” Ninguém surpreende a Deus! No máximo que consigo ver são casos onde uma demonstração muito grande da parte humana, superando a média geral, leva Deus a expressar admiração especial pela ATITUDE. Me refiro, aos episódios de Salomão, ao pedir sabedoria a Deus, quando tinha um cheque em branco nas mãos e ao oficial romano, que disse a Jesus, que “uma palavra só, bastava” porque ele também era sujeito à autoridade e sabia o que Jesus poderia fazer. Abrão, disse o Senhor: “Eliézer não será o teu herdeiro, mas um filho legítimo, biológico seu e de Sara, ele será o teu herdeiro.” Todo o peso se transferiu dos ombros de Abrão, de ter que fazer alguma coisa, para as mãos poderosas do Senhor, que cuidaria de tudo, no tempo certo, para os propósitos certos. Deus tem o direito de nos dizer: “Assim não, esse não, dessa forma não, agora não!” Deus é o Senhor da nossa vida, ontem, hoje, amanhã e for even and even e pronto! The End! Só isso!

 

Senhor, obrigado por saber tudo, poder tudo e não precisar me dar satisfações, mas fazer do teu jeito e no teu tempo. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Tudo Que eu Sei, é Verdade?

Meditação do dia 29/03/2018

Disse mais Abrão: Eis que não me tens dado filhos, e eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro.”  (Gn 15.3)

 

Tudo que eu sei é verdade? – Para começo de conversa, sabemos que nada sabemos e o apóstolo Paulo até recomendou a não sabermos mais do que convém (Rm 12.3,16). Mesmo quando dominamos uma ciência ou área de conhecimento, não sabemos tudo. apresentar conclusões definitivas firmadas em premissas não garantidas é muito temerário, especialmente quando se está argumentando com Deus. É ele que dá sabedoria ao sábio e inteligência aos entendidos (Dn 2.20-22). Duas expressões bíblicas sobre Deus que nenhum homem sensato, com um pouco de miolo deve deixar de conhecer e observar são: a. Deus apanha os sábios nas suas próprias astúcias – “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia. E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são vãos” (I Co 3.19,20). b. Não argumentos contra Deus – “Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor” (Pv 21.30). Abrão tinha muita estima e consideração pelo seu servo e mordomo Eliézer, um sírio de Damasco, que nascera na casa de Abrão. Provável é, que os pais dele já serviam na família e era alguém de prestígio e competência, que merecia a confiança de Abrão até para as decisões mais íntimas e de relevância, como o de buscar uma esposa para Isaque, anos mais tarde. Abrão falando com Deus, argumentou coisas que hoje faz parte das nossas convicções de fé e doutrina, como o fato de que filhos são herança de Deus, dados a nós para cuidar e prepara-los para servirem nas suas gerações. Gerar filhos é um privilégio de participarmos com Deus no ato de criar e dar vida, isso é bênção que precisa conhecimento, discernimento e responsabilidade. Também, como homem de negócios e precavido, ele já tinha seus planos prontos para sua sucessão em termos de herança. Ele disse que quem herdaria sua sucessão seria Eliézer, um servo e não Ló, um sobrinho legítimo. Aprendi que é muito difícil fazer previsão, e se for do futuro, é mais complicado ainda! As variáveis são tantas, que afirmar categoricamente algo, por conta própria, ou baseada em estudos, cálculos e projeções quer científicas, quer matemáticas, é irresponsável ou charlatanismo mesmo. Andar com Deus é, foi e sempre será para nós um exercício constante e permanente de fé. Mesmo que a fé tenha sua própria lógica, e
Deus seja imutável, já percebemos que ele é imutavelmente criativo e não reincidente. Ele não só tem “mil” maneiras de fazer a mesma coisa, como tem na verdade é todas as maneiras. Nossas ciências descobrem a cada dia mais coisas fantásticas e essas coisas já estavam aí funcionando perfeitamente bem desde a eternidade. Processos novos se desencadeiam à partir de determinadas reações que estão firmadas sobre princípios sólidos imutáveis. Tudo o que Abrão sabia sobre filhos, promessas, herdeiros e futuro, era de fato verdade verdadeira? Tudo que eu sei como é que Deus opera, age, fala, faz e acontece que aprendi ao longo da minha longevidade de 58 anos e que me ensinaram nos seminários, na teologia e nas ciências é tudo mesmo? Podemos cravar: Deus só faz assim ou assado? Podemos nós tomar decisões ministeriais, familiares e outras mais, firmado em nossos conhecimentos, cálculos e projeções? Desde que me converti, aos 17 anos, já tanto com tanta certeza sobre a volta de Jesus, a besta, o anticristo, o falso profeta, 666, a mulher e o dragão, as trombetas e as taças, o arrebatamento e não há arrebatamento e outros temas, que são refeitos a todo momento, porque agora sim, se revelou a verdade. A verdade? É Jesus, a Palavra de Deus! Vamos confiar nas promessas de Deus, elas não falham e ele tem como contornar todo e qualquer impossibilidade, imprevisto, oposição e sabotagem. Quem vai herdar a sua bênção e quem Deus prometeu.

 

Senhor, obrigado por conhecer o meu futuro, pois para ti, isso não existe. Obrigado por me ajudar com minhas limitações, pois isso também não existe para o Senhor. Graças por abrir os meus olhos para ver mais do que os teus recursos, mas ver a ti como a fonte de tudo de que preciso. Hoje, é dia de reafirmar as tuas promessas, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Está Certo, Mas Está Errado

Meditação do dia 28/03/2018

Então disse Abrão: Senhor DEUS, que me hás de dar, pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer?”  (Gn 15.1)

 

Está certo, mas está errado – A ousadia de Abrão na sua resposta à revelação divina, é impressionante. Eu admiro! Não entendo que fora desrespeitoso, nem abusivo, mas intrépido e falou aquilo que estava de fato no seu coração, era sua verdade no íntimo, como Deus gosta, segundo o Sl 51.6. Abrão foi direto ao ponto, sem rodeios e expressou a sua verdade, que para mim, olhando do ponto de vista humano, ele estava tremendamente certo na sua reivindicação, e do ponto de vista da promessa e do andar com Deus estava errado. Explico: Havia uma conversa entre dois amigos, Deus e Abrão e o Senhor foi elogioso para com ele pela bravura e generosidade naqueles episódios em libertar seu sobrinho, lidar com a oferta do rei de Sodoma e dizimar com alegria ao encontrar o sacerdote do Deus Altíssimo. Quando Abrão ouviu de Deus que era o seu escudo e galardão, ou seja protetor e recompensador; ele recorreu mentalmente à sua chamada e promessa de ser pai de milhares de descendentes para abençoar todas as famílias da terra. Como homem, ele ligou os pontos: Como vou cumprir a minha missão se não tenho filhos e quem vai herdar tudo o que tenho é meu mordomo de confiança, o sírio Eliézer? Do ponto de vista da fé, ele estava errado porque não dependia dele, e sim de Deus para o cumprimento da promessa. Deus não estava atrasado e nem dado uma tarefa e não dado condições de executar tal tarefa. Nos apegamos muito ao fator tempo, que para nós humanos é a coisa mais dinâmica que existe e sobre a qual não temos nenhum controle. Não paramos o tempo, não paramos no tempo, não retardamos, nem adiantamos. O tempo passa sob nossas vistas e aproveitando ou não ele passa e devido a essa percepção de não podermos controlar o tempo e sabendo que somos limitados em vida física e o dia final nosso é uma incógnita, então aparece o conceito de cedo, em tempo, tarde, adiantado, atrasado e modernamente, é prá ontem! Abrão já sabia que os homens em termos de reprodução, geração de filhos, tem prazo de validade, e o dele estava quase expirando e sua esposa já nascera com uma limitação. Não posso culpar ou julgar o pai Abrão, pois já me vi em aperto com a mesma pressão, achando que tal coisa não vai dar mais, ou não deve ser desse jeito que Deus fará. Só nós somos limitados ao tempo e ao espaço, recursos e possibilidades. Deus, é outra realidade! Aprender a conviver em comunhão com o eterno é desafiador para nossa mente e capacidades. Como disse o profeta Amós: “Porventura andarão dois juntosse não estiverem de acordo?” (Am 3.3). O Senhor não tem problemas de caminhar com a gente, desde que andemos em humildade e fé; ele se aborrece com gente arrogante, orgulhosa e metida a besta. Ele sabe qual é nossa capacidade e recursos, afinal foi ele que nos fez e fez de propósito assim como somos, exceto aos pecados e seus efeitos colaterais que grudou na gente. Episódios como abrir o Mar Vermelho, tirar água da Rocha, passar pelo Jordão em tempo de cheia, desafiar Golias, alimentar uma multidão com poucos pães e peixes, andar sobre o Mar da Galiléia, ou fazer discípulos de todas as nações, Deus nunca esperou com fossem realizados com a capacidade e provisão humana. Tudo que diz respeito a implantação do Reino de Deus, o trabalho da igreja, até a volta de Jesus, nada, nada disso pode ser feito pelo homem e com seus recursos. É frustrante tentar fazer a obra de Deus com a capacidade humana. Desista enquanto é tempo!

 

Pai, Abrão estava aprendendo e aprendeu contigo sobre tua vontade e poder. Agora é minha vez e de meus irmãos, na caminhada que empreendemos. Só de pensar no tamanho da tarefa, já é desafiador. Abra, Senhor os meus olhos e me permita ver as insondáveis riquezas da tua glória e os imensos tesouros da tua graça, disponíveis em Cristo pela ação do Espírito Santo na igreja. Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e da tua fidelidade. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Escudo e Galardão

Meditação do dia 27/03/2018

Depois destas coisas veio a palavra do SENHOR a Abrão em visão, dizendo: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão.”  (Gn 15.1)

 

Escudo e Galardão – “As palavras do Senhor são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes” (Sl 12.6). Qualquer que seja o sentido que imaginarmos sobre a palavra “pura,” num contexto de bondade, verdade e confiabilidade, tá valendo. Também podemos pensar no sentido de exatidão e precisão. Deus, o Senhor tem completo domínio do uso do idioma para expressar ao homem o que realmente é necessário. Não se incorre no risco de dizer e depois refazer a expressão porque não era exatamente isso que pretendia expressar. Ao crermos na inspiração das Escrituras, acreditamos na supervisão exercida pelo Espírito Santo sobre os autores humanos da Palavra de Deus, de forma que não erraram, não se confundiram e nem adulteraram o conteúdo da revelação divina. Também faz parte da nossa fé, reconhecer que um Deus tão grande, Onisciente e que governa perfeitamente bem todas as coisas, fosse incompetente na produção de sua revelação escrita aos homens. A Bíblia é digna de crédito e mesmo com as liberdades e licenciosidades modernas na produção de literatura e impressão, os originais são fartos e há bons arquivos e fontes confiáveis que não se perderão em meio as inovações e possíveis manipulações dos textos. Mas mesmo assim, me sinto muito confortável, porque a minha fé me leva a verdades que garantem que os verdadeiros originais, permanecem no céu, com o autor. “Para sempre, ó Senhor, a tua palavra permanece no céu” (Sl 119.89). Após Abrão passar por experiências novas como entrar numa batalha militar para salvar Ló, seu sobrinho, conseguir uma vitória plena e voltar em paz para casa e encontrar-se com reis e especialmente ser abençoado por Melquizedeque, o sacerdote do Deus Altíssimo, as coisas não voltaram ao normal, por assim dizer. Deus se lhe revelou por meio de uma visão, uma manifestação na dimensão espiritual, onde por meio do exercício das faculdades do espírito humano, ajudado pelo Espírito Santo, o homem acessa os níveis de comunhão com Deus e recebe instruções e conhecimentos, que permanecem com a pessoa após a experiência, de forma que elas podem ser acessadas pela mente e emoções e transmitidas em linguagem humana. As palavras ditas por Deus a ele são fortes indicativos de seu estado interior em relação aos últimos fatos ocorridos, pois inicialmente ele é confortado e animado por Deus. Quem precisa de ouvir palavras como “não temas” ou “sou teu escudo” e “sou teu galardão?” Certamente, com todas as letras é alguém que está temeroso, inseguro e precisando de proteção. Ele havia acabado de libertar pessoas e bens das mãos de cinco reis perversos e opressores que saquearam quatro reinos ou cidades-estados, sem que ninguém os detivessem. Acabara de devolver as pessoas e os bens a esses reis, que não eram nada piedosos e poderiam muito bem empreenderem uma vingança contra ele e seus empregados e servos, que eram pacíficos e se ocupavam de pastoreio e não de guerras e saques. Abrão havia acabado de rejeitar recompensas materiais e tesouros oferecidos pelos libertos e com tanta coisa na cabeça e não é de admirar se alguns dos amigos e confederados dele ou até mesmo servos e empregados não estavam com ares de reprovação, pois se Abrão não precisava de ouro e prata e bens oferecidos, eles sim e seria uma chance na vida de terem alguma coisa, conseguida com esforço e risco de vida e o patrão rejeitara. Nesse contexto, Deus responde suas indagações e coloca paz no seu interior. Amados, vocês e eu também passamos por provas e sofremos pressões financeiras, de saúde, de oportunidades e recebemos ofertas e pela fé ou vocação, abrimos mão, ou nos são negadas pelas mesmas razões e podemos ouvir e perceber nos familiares e parentes, amigos e etc. sobre escolhas e oportunidades que estamos deixando passar… Deus também é nosso escudo e galardão e também quer que não temamos nem o presente e muito menos o futuro. Ele nos guiou até aqui e sua fidelidade seguirá conosco, porque sua mão não está encolhida para não salvar. Recompensas desse mundo, ficam nesse mundo, recompensar eternas, permanecem eternas e para a eternidade. Não aceite se comparar ou equiparar com o padrão humano e mundano de bem estar, riqueza e prosperidade e assim azedar o coração e quebrar a comunhão e o relacionamento com Deus. Não troque o melhor pelo bom e nem o eterno pelo temporário. Escudo e Galardão!

 

Senhor Deus e Pai, graças te rendemos e declaramos a nossa confiança na tua capacidade de cuidar de nós e nos ensinar o verdadeiro valor das riquezas e bens do teu jeito e para teus propósitos. Temos o precisamos e até mais, pela tua generosidade e somos agraciados diariamente com bênçãos sem medida e ajuda para vencermos e fazermos para ti aquilo que por nós mesmos não podemos. Obrigado por ser nosso escudo e galardão, socorro bem presente quando mais precisamos. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Riqueza de Abrão

Meditação do dia 26/03/2018

Abrão, porém, disse ao rei de Sodoma: Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra, jurando que desde um fio até à correia de um sapato, não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu; para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;”  (Gn 14.22,23).

 

A riqueza de Abrão – A proposta do rei de Sodoma parecia amistosa, honesta e embutia um sentimento de gratidão por Abrão ter feito por ele e seu povo, algo que ele mesmo como rei não conseguira fazer. Muitos concordariam que não haveria nenhum mal ou pecado em receber por direito aqueles bens e riquezas, que em termos de guerras e conquistas, esse era o critério quanto aos despojos. Mas Abrão via algo muito além das aparências e generosidade daquele rei. Ele novamente fez aquilo que repito aqui com muita frequência, que as nossas escolhas revelam o nosso caráter; Abrão tinha uma promessa de Deus, do Deus que agora ele vira o Sacerdote Melquizedeque invocar como o Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra. Se cremos numa promessa, podemos esperar que a seu tempo ela chega e por outro lado, Abrão não era um caçador de recompensas, que vivia de ganhar porcentagens por conquistas e vitórias. Ele já era muito rico e aqueles bens não o tornaria melhor e muito menos mais rico ou prestigiado. Seu interesse naquela campanha fora justamente libertar seu sobrinho e sua gente que fora feita prisioneira e agora todos eles estavam sãos e salvos em suas casas. O que as pessoas comeram e beberam no percurso, ele considerou como sustento do trabalhador e isso não seria reembolsável. Quanto aos seus parceiros, se eles entendessem de ficar co alguma coisa, estariam nos seus direitos e ninguém ali discutiria isso. Mas ele, Abrão, tinha uma postura no seu coração e já havia até orado a Deus sobre isso, pois afirmou que havia levantado suas mãos aos Senhor e jurado que não pegaria nada, nada mesmo. Se um dia, alguém elogiasse Abrão para aquele rei e falasse da riqueza dele, havia a possibilidade do rei dizer, que a riqueza de Abrão era grande e justa, mas parte daquilo já fora dele e de seu povo e numa situação de desventura, eles perderam tudo num ataque de um invasor, que posteriormente Abrão e seus criados derrotaram e pegaram para si o despojo. Abrão tinha convicção firme de que seria rico, continuaria rico, mas seu testemunho era mais importante que suas riquezas. Não é pecado ser rico e nem ter bens materiais. É pecado sim, os bens materiais e as riquezas “nos ter” e nos controlar. Abrão já entendia e fez disso um estilo de vida, que os bens pertencem a Deus, o possuidor dos céus e da terra, e que eles são ferramentas para atingirmos os propósitos eternos do reino de Deus. Sempre que acontece um aumento em nossa renda, ou um extra aparece, como adicional, ganho inesperado, presentes ou algo parecido, antes de sair desembestado lojas à fora torrando tudo e mais um pouco, o servo de Deus deve perguntar ao Espírito Santo sobre o porque, me veio isso, nesse momento e qual é a idéia do Senhor para com isso? Muitos, muitos filhos de Deus, não podem experimentar a graça de ver feitos sobrenaturais acontecendo em suas vidas, simplesmente porque Deus nunca pode contar com eles para nada, pois vivem endividados, sobrecarregados, no vermelho, usando os limites do cartão de crédito, do cheque especial e as gavetas estão sempre abarrotadas de carnês e boletos. Como Deus vai dizer para eles suprirem a alguém? Ponham isso na cabeça e no coração: Quando vivemos endividados comprometemos o testemunho cristão e tiramos a possibilidade de agir no sobrenatural de Deus. Alguém aí se lembra do nosso manual do Semib? “É impossível viver por fé e endividado.”

 

Senhor, da tua parte não há falta de recursos e nem limitação da tua capacidade de suprir e abençoar. Permita que sejamos melhores mordomos, mais preocupados com o que glorifica o teu nome, do que aquilo que nos dá visibilidade social e status, pois de qualquer forma, somos apenas servos e qualquer outro status fora disso, não é verdadeiro. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Entregando o Dízimo

Meditação do dia 25/03/2018

“E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.”  (Gn 14.20).

 

Entregando o dízimo – Plagiando o comercial da Órama (Corretora de Valores), “Onde falar de dinheiro, rende!” Aqui, falar de dízimo, rende. Não vamos claro entrar na questão doutrinária e da postura eclesiástica de grupos distintos, mas meditar na atitude da pessoa de Abrão, à luz daquilo que a Palavra de Deus nos ilumina sobre o assunto. É a primeira citação bíblica sobre o tema, mas a prática era largamente praticada pelas culturas desde antes de Abrão. Ela tem a ver e vem implicitamente no culto a Deus. Dizima e ofertar sempre fez parte do relacionamento com Deus e alguém diz sabiamente que dizimar é uma murava que Deus edificou para proteger o adorador da avareza e mesquinhez. Dizimar tem à ver com o reconhecimento de quem é Deus e quem é o adorador. Deus é o Senhor e dono de tudo. Ao reconhecer isso, é simples o fato de que devemos então tributos por uso de suas propriedades. Assim, reconhecendo que tudo o que sou e tudo o que digo que tenho, na verdade não é meu, mas de Deus, então para evitar a atitude de apropriação indevida dessas posses, pago, devolvo ao Senhor parte desses rendimentos como tributo voluntário e de gratidão pelas bênçãos que tenho recebido. Abrão reconheceu a Deus como o Senhor possuidor dos céus e da terra e como tal, ele era um usuário dessas posses, e como agora estava diante de um sacerdote do Deus Altíssimo, era então o momento adequado para proceder a entrega do tributo a quem de direito. Ninguém fica mais pobre, ou lhe falta alguma provisão porque adora a Deus entregando os dízimos e ofertas para a manutenção a obra do Senhor. Mesmo que hoje, não o fazemos mais em espécie, pois a maioria dos adoradores tem suas receitas e bens convertidos em moedas e assim então entrega-se em valores monetários. Da mesma forma, ninguém entrega dízimos, como uma negociata, para dizer ou representativamente barganhar com o Senhor: “Entrego, X e o Senhor me abençoar com X elevado a 10”. Tudo já é dele. Lembre-se: “Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo” (Lc 6.38).

 

Obrigado Pai, Deus e Senhor de tudo e de todos, o possuidor dos céus e da terra. Graças, pela oportunidade de compartilhar as bênçãos recebidas. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Bendito Seja o Deus Altíssimo

Meditação do dia 24/03/2018

 “E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.”  (Gn 14.20).

 

Bendito seja o Deus Altíssimo – Que o nome do Senhor meu Deus, o Deus Altíssimo, seja sempre bendito, não apenas nas minhas palavras escritas ou faladas, mas especialmente na minha vida. Razões para bendizer ao Senhor nunca me faltaram e creio que o mesmo se pode dizer de cada um de nós. Para declarar o quanto o louvor e a gratidão se aplicam bem ao Deus que servimos, palavras são pouco significativas e as poesias podem ser apenas o representante da alma e das emoções; cantar é uma ótima pedida mas provavelmente também não diz tudo. Viver um estilo de vida que expresse essa gratidão e reconhecimento pelo menos é algo que leva a vida toda e toda a vida da gente. O salmista Davi, escreveu e cantou tanto as grandezas de Deus, que deixou espaço para a gente plagiar e fazer das suas palavras a nossa oração e nossas canções também. Olha que palavras ele escreveu no Salmo 97.9,10 – Pois tu, Senhor, és o mais alto sobre toda a terra; tu és muito mais exaltado do que todos os deuses. Vós, que amais ao Senhor, odiai o mal. Ele guarda as almas dos seus santos; ele os livra das mãos dos ímpios. Talvez você pense: Há coisas mais profundas do que isso! Claro que há, certamente que sim. Mas você pode identificar-se com Abrão naquele dia, quando tudo parecia complicado e perigoso, ele termina vendo que tudo estava bem, porque o Senhor estivera com ele, e agora que já estava perto de casa, recebera novas revelações desse Deus invisível a quem ele estava aprendendo a amar e a caminhar numa experiência de fé que até então parecia ser uma caminhada solitária. Agora ele é recepcionado por um rei, que o serve com pão e vinho e o abençoa com palavras boas e em nome desse Deus, a quem esse rei também servia como sacerdote e viera trazer forças para o coração e a fé de Abrão. Talvez Abrão nunca tinha encontrado ou visto outra pessoa que já era adorador desse Deus altíssimo e estar com o sacerdote, um líder, um representante com autoridade delegada, era por demais maravilhoso. Melquizedeque juntou-se a Abrão para bendizer ao Senhor por ter dado vitória ao seu servo. Não sabemos muito até hoje sobre a pessoa desse rei sacerdote, mas sabemos o suficiente para saber que ele tem espaço no caminho das revelações sobre a redenção. Ou talvez, Abrão soube mais do que sei e sabemos até agora. Porque o Espírito testifica no nosso espírito que somos filhos de Deus e é ele que nos revela Deus e sua Palavra. Hoje, quero bendizer ao Senhor pelas pessoas que apareceram na minha vida em momentos de muita dificuldade e lutas e me abençoaram e fizeram saber o grande cuidado de Deus para comigo. Bendito seja Deus, o Altíssimo!

 

Obrigado, Pai, obrigado Jesus, Obrigado Espírito Santo, por tudo, tudo mesmo e todas aquelas pessoas. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Sendo Abençoado

Meditação do dia 23/03/2018

 “E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra;”  (Gn 14.19).

 

Sendo abençoado – coisa boa é ser abençoado! A presença de alguém com maior experiência intimidade com Deus do que a gente, faz muito bem a nós. O processo de maturidade cristã preconiza que independência é ruim, pois é o critério do mundo em termos de maturidade; a dependência também não é boa, deve ser limitada no tempo e nas relações com o discipulador ou mentor, senão cria laços negativos não saudáveis. Ambos podem gostar do processo por razões diferentes: alguém se sente importante por ser consultado ou útil para tudo na vida de uma outra pessoa e na outra ponta, está alguém que não precisa se responsabilizar por nada, afinal, meu discipulador/mentor toma conta de mim e não preciso me preocupar. A interdependecia é a medida certa, pois ambos oferecem e recebem ajuda e apoio mútuo. Assim, quando temos a oportunidade de estar com alguém bem mais maduro e com boas experiências espirituais e sendo generoso em compartilhar, é uma oportunidade de se crescer um pouco mais e renovar as forças, abastecendo o tanque, afinal, com tanque vazio não dá para continuar por muito tempo. Hoje, vemos Abrão, ao chegar de sua jornada de libertação de seu sobrinho e das pessoas e bens ligados a ele, encontrou-se com a pessoa de um sacerdote do Deus Altíssimo, rei de Salém, que o abençoou primeiro com uma recepção e provisão das necessidades e depois com a confirmação de que Abrão não estava sozinho na sua jornada, mas havia outras pessoas e boas pessoas, que conheciam e serviam ao mesmo Deus e estava ali para oferecer comunhão e amizade. É muito reconfortante saber que não se está só, que não somos os únicos e que o cuidado do Senhor se revela de muitas formas a nós, e podemos assim recarregar nossas baterias e com ânimo renovado, seguir em frente. Melquizadeque abençoou a Abrão e suas palavras com certeza, apenas confirmava aquilo que já era uma realidade no íntimo dele, mas durante o bom período de tempo, sua caminhada era solitária e mesmo assim ele servia de guia para sua família e muitas pessoas que o viam como uma pessoa de referencia. Agora, as provas físicas e visíveis daquilo que ele cria no seu coração e as verdades que possuía em sua cabeça se confirmavam através de uma pessoa. Graças a Deus, por pessoas de carne e osso que aparecem em nossas vidas e são bênçãos, por expressar aquilo que já sabemos, mas a confirmação muito nos abençoa. Esse sacerdote invocou a bênção do Altíssimo como sendo o possuidor dos céus e da terra. Nada mais estava fora do presença e do poder desse Deus que Abrão estava conhecendo e agora, um sacerdote desse Deus, lhe servia de referencia e abençoador. Fico muito feliz ao saber que o Deus que me chamou é mesmo aquele que se revelou à Abrão e à tantos outros na Bíblia e na história. Minha fé fica mais forte, sabendo que há muitos outros, muito mais e pessoas importantes, que foram chamadas e estão caminhando na mesma direção à que também fui chamado.

Senhor, obrigado por colocar pessoas maravilhosas em nossas vidas, que nos abençoam e estimulam a continuar em fé e obediência ao Senhor. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Servido Por Um Rei

Meditação do dia 22/03/2018

 “E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo.”  (Gn 14.18).

 

Servido por um rei – Tivemos uma professora no Seminário Betania do Paraná, que era mais que uma professora; agora com a maturidade, podemos valorizar ainda mais as sábias palavras da Dra. Yeda. Sempre fui um admirador e sou muito agradecido pelo investimento que ela fez em minha vida. Muitas vezes ela viu o que nem eu via sobre um potencial ou habilidade que ela apostava que no futuro se revelaria significativo. Mas hoje, minha lembrança dela foi pela maneira como me ajudou a gostar ainda mais da sabedoria do livro de Provérbios e naquele devocional tão especial, ela sugeriu que poderíamos aproveitar de forma bem pessoal os 31 capítulos, já que, cada pessoa nasce em um dia com número entre um e trinta e um, portanto cada um tem seu capítulo pessoal, e lá tem uma palavra ou verso chave que pode nortear nossas vidas. Dito e feito, abri logo em Pv 22 e não demorou muito para minha vida ser impactada com uma palavra que até hoje considero muito e hoje a história de Abrão me conectou a isso. O que ama a pureza de coração, e é amável de lábios, será amigo do rei” (Pv 22.11). Há uma versão que faz uso da palavra “Grácil no falar;” amar a pureza de coração e ter graça nos lábios condiciona a pessoa a ganhar a simpatia e a amizade do rei. Abrão, era apenas um fazendeiro, que amava seu sobrinho e foi lutar por ele; pode ser uma síntese dos fatos, mas ao retornar de sua jornada, onde a luta foi dura e os riscos foram muitos, ele voltou e quem esperava, com um pão e vinho e uma cortesia muito especial, era o rei de Salém, Melquizedeque, um sacerdote do Deus Altíssimo. Pessoa generosa, disponível e mesmo sendo um rei estava ali para servir quem vinha cansado, faminto e sedento, provavelmente com pessoas precisando de ajuda em socorros e saúde; tudo já estava providenciado e era só participar. Não sei, mas é possível que Abrão não tivesse conhecimento que havia outros adoradores do Deus Altíssimo por ali e muito menos um sacerdote e rei. Deus sempre nos surpreende! Elias também achou que era o único servo de Deus que sobrara, mas percebeu que o Senhor vinha trabalhando em outras frentes e ainda havia sete mim que resilientes que não se renderam à idolatria e paganismo de Acabe e Jezabel. Abrão foi muito abençoado naquela oportunidade. Deus ainda tem surpresas para seus filhos e servos fiéis, que batalham suas guerras e permanecem firmes de coração e alma. Sente-se, aceite participar do banquete que está preparado para ti e para mim; tem gente fina, mais graduada do que nós, que também amam a Jesus e servem os filhos de Deus quando precisam de apoio, pão e vinho na mesa com um rei, para glória de Deus.

Senhor, obrigado por preparar uma mesa para os teus diante dos seus inimigos e restaurar suas forças e alegria depois de lutas e provas, mas de pé e servindo a ti. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason