A Quinta Parte

Meditação do dia: 31/10/2020

Faça isso Faraó e ponha governadores sobre a terra, e tome a quinta parte da terra do Egito nos sete anos de fartura,(Gn 41.34)

A Quinta Parte – Nessa vida apenas duas coisas são certas: A morte e os impostos. No Brasil Colônia, a derrama era um dispositivo fiscal aplicado no estado de Minas Gerais a partir de 1751 a fim de assegurar o piso de 100 [cem] arrobas anuais na arrecadação do quinto. O quinto era a retenção de 20% do ouro em pó ou folhetas ou pepitas que eram direcionadas diretamente à Coroa Portuguesa. O pagamento do “quinto” foi estabelecido pela Fazenda Real, correspondente a um quinto do total do ouro extraído. Fixou-se uma cota anual mínima para assegurar o quinto: 100 arrobas, 1 500 quilos de ouro. Se os tributos não atingissem essa quantia, a população teria que complementar a soma estipulada – era a “derrama.” Na verdade, ocorreu apenas uma Derrama promovida pelo governador de Minas Gerais Luís Diogo Lobo da Silva em 1763/1764.A partir de 1787-1788, a corrupção dos governantes da Capitania de Minas Gerais, aliada aos boatos de que a Derrama, agora, sem escapatória, iria ser implementada, fez desencadear as confabulações que desaguariam na Inconfidência Mineira, ferozmente reprimida pelo governo real de Maria I, mãe do futuro Dom João VI e avó de Dom Pedro I do Brasil (Pedro IV de Portugal). Imaginem, todo esse barulho para não pagar altos impostos de vinte por cento. O brasileiro era feliz e não sabia! Agora é na casa de 35,85%. Bons tempos diriam os que levam uma baita mordida do Leão todos os anos. Atualmente trabalha 153 dias só para pagar impostos, (5 meses do ano). Essa aula de história e de direito tributário não serão taxadas, vocês não pagarão nada por elas. Mas essa longa introdução me serve de ajuda para mostrar que tempos excepcionais, necessitam de medidas excepcionais, como José fez a sugestão ao Faraó. Ele entendia de cálculos e tributação, mais ainda, entendia de gente e posteriormente toda essa alta taxa tributária de um quinto, (20%) foi revertida em benefício da população egípcia e dos povos vizinhos também, mesmo que eles não tenham contribuído para acumular reservas. Jacó e sua família foram grandemente beneficiados pelas reformas administrativas implementadas por José. Falar em impostos, taxas, contribuições, dá arrepios, mas elas fazem parte da administração da sociedade humana. A existência do estado visa proporcionar aos cidadãos serviços de qualidade e proteção. O problema surge quando ocorre processos de injustiça, corrupção e privilégios de uns em detrimentos dos demais. O povo de Israel, ao ser organizado após o êxodo, tinha um sistema de governo e administração teocrático, com o culto a Jeová, como centro e o que conhecemos como Bíblia (Velho Testamento) para eles eram também, a Constituição, Código Civil, Penal, Tributário e Administrativo. Posso garantir que funciona. Olha só o relato: “E sucedeu que no ano de quatrocentos e oitenta, depois de saírem os filhos de Israel do Egito, no ano quarto do reinado de Salomão sobre Israel, no mês de Zive (este é o mês segundo), começou a edificar a casa do SENHOR. (1 Rs 6.1).  Nessas alturas Israel como nação, já era uma potencia mundial e que atraia a atenção de todos os reis e reinos que vinham em grandes comitivas para ver e conhecer os progressos daquele povo abençoado. O Brasil   está com 520 anos desde a descoberta. Deus tem um plano administrativo, que conhecemos como Mordomia Bíblica, ou mordomia cristã, que abençoa e prospera qualquer pessoa, família, ou grupo social que coloca em prática esses ensinamentos. Não confundir praticar mordomia com ser dizimista. Dizimo é uma árvore, mordomia é uma floresta. Gosto de ler as descrições do governo de Cristo na terra, num futuro próximo. “Eis que reinará um rei com justiça, e dominarão os príncipes segundo o juízo. E será aquele homem como um esconderijo contra o vento, e um refúgio contra a tempestade, como ribeiros de águas em lugares secos, e como a sombra de uma grande rocha em terra sedenta.” (Is 32.1,2). Pagar impostos honesta e corretamente faz parte da vida e da nossa experiencia de fé. É preciso cuidado, porque além de pecado, pode incorrer em crimes, pois estamos sob legislação e o cristão não foge disso. Paulo escreveu aos Romanos: “Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra” (Rm 13.6,7). Pedro escreveu universalmente: “Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; Quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem. Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei” (1 Pe 2.13,14,17). E para fechar, Jesus ensinou: “E Jesus, respondendo, disse-lhes: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E maravilharam-se dele” (Mc 12.17). Só o que mudou de lá para cá, é que César ficou tão desconfiado, que a parte dele já vem descontado na folha de pagamento ou o imposto na fonte.

Senhor, nós te adoramos como Deus, o servimos como Senhor e administramos nossas vidas como propriedades do Senhor e nós somos mordomos, encarregados de cuidar dos bens e riquezas do nosso Deus. Servir a ti, nos confere dignidade e respeito, nos sentimos realizados porque o tu és justo e reto em todos os teus caminhos e supres abundantemente todas as nossas necessidades e nos tratas como filhos, herdeiros de Deus e coherdeiros com Cristo. Temos a ajuda do Espírito Santo para sermos guiados a toda a verdade e nossa fidelidade será recompensada regiamente. Sabemos que não dás ordens absurdas ou impossíveis de serem cumpridas e junto com a ordem, vem os meios e recursos para que a missão seja executada. Obrigado pelo privilégio de ser chamado servo de Deus. O meu grande Deus e Senhor, meu Pastor e provedor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Reforma Ministerial

Meditação do dia: 30/10/2020

Faça isso Faraó e ponha governadores sobre a terra, e tome a quinta parte da terra do Egito nos sete anos de fartura,(Gn 41.34)

Reforma Ministerial – Houve uma época num reino, quero dizer, num país chamado “Terra Brasilis” que  os ministros do governo federal eram tão longevos em suas pastas, que praticamente permaneciam por todo o governo daquele presidente e assim, qualquer pessoa sabia o nome e o ministério que ele ocupava; anos mais tarde, ainda diziam, que tal pessoa ocupou tal função no governo em tal tempo. Depois dessa época de vacas gordas, (entenda-se estabilidade), as trocas de ministros se tornaram tão frequentes, que nem esquentavam a cadeira, aquela legítima dança das cadeiras. Me lembrei disso, porque no texto da nossa meditação de hoje, José está com a bola toda! Em sua primeira audiência com o poderoso Faraó, ele assumiu o comando antes mesmo de ser empossado. Claro que estou levando a uma pitada de ironia, mas de leve. Vejamos: Faraó o convocou e contou-lhe o sonho e queria saber o que significava. José interpretou o sonho e já encaminhou uma sugestão do que fazer para o Faraó se beneficiar dos anos de fartura e abundancia, prevenindo-se para os próximos anos de extrema escassez e fome. José sugeriu a nomeação de um homem inteligente, sábio e de boa administração para dar as cartas e colocar a casa em ordem. Em seguida sugeriu uma reforma ministerial completa na gestão do país. Por um lado achei divertido, até me fazendo lembrar o enigma de Sansão proposto aos convidados de honra de seu casamento. Então lhes disse: Do comedor saiu comida, e do forte saiu doçura (Jz 14.14a). Quem costumava dar ordens, nomear, demitir, caçar mandato ou cabeças, era Faraó. De repente, aparece José na sala de audiências do Palácio e vai distribuindo dicas políticas e administrativas e Faraó estava tão impressionado e claro, amolecido pela graça de Deus, que nem percebia que tinha alguém dizendo a ele o que fazer e como fazer e ele estava gostando. Não só isso, mas Faraó lhe deu razão e o elogiou rasgadamente diante de toda a corte e seus nobres. Isso pode ser chamado de ousadia, intrepidez dado por Deus com autoridade suficiente para não ser contestado e ainda aceito e confirmado. Podemos lembrar uma citação de Jesus aos discípulos, embora o contexto seja outro, de ajuda do Espírito Santo para situações de perseguições e audiências por motivos da fé e da proclamação do Evangelho; mas a aplicação do ministério do Espírito Santo é perfeitamente cabível no caso de José e outros semelhantes. E, quando vos conduzirem às sinagogas, aos magistrados e potestades, não estejais solícitos de como ou do que haveis de responder, nem do que haveis de dizer. Porque na mesma hora vos ensinará o Espírito Santo o que vos convenha falar (Lc 12.11,12). Podemos ver isso acontecer com Neemias, diante do rei Artaxerxes, (Ne 2.1-6). A rainha Ester, quando o rei lhe concedeu o direito de fazer qualquer pedido (Et 5.3).

Há diversos casos semelhantes que encontramos nas Escrituras, pensando nas palavras ditas nos muitos seminários motivacionais e proferidas por coachings e seus gurus, que afirmam que “chegar no  topo é fácil, difícil mesmo é permanecer lá!” Se for pelo esforço e competência humana, essas palavras são mais do que verdadeiras. Quando porém, os que chegam no topo, foram colocados lá por Deus, para cumprirem um propósito todo especial, todos eles chegaram e permaneceram lá todo o tempo necessário para que a vontade divina se cumprisse. Todos os homens de Deus desse porte de grandeza foram graduados na escola de Deus, também chamada de Escola do Deserto, ou também de Escola do Fracasso. Nessa escola, o alfabeto não é A, B, C, D … lá é, O, B, D, C. Na Escola de Deus, é descendo que se sobe, os fracos é que são fortes, é humilhando que se é exaltado, grande é quem serve, para viver é preciso morrer. Lá, o rei é mando e humilde de coração e veio para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. Deu para entender?

Senhor, obrigado pela sua infinita graça e fazer valer a sua estratégia de contra cultura. Se para o mundo e os homens há uma lógica, o Senhor contraria essa lógica e torna louca a sabedoria deles e faz das dois frágeis verdadeiras fortalezas e dá força ao cansado e vigor ao desfalecido e assim, os que confiam no Senhor são como os montes de Sião que não se abalam. Os reis da terra se prostrarão diante de Ti e com razão, o Senhor merece todo louvor, toda honra e toda glória. Adoramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Homem Entendido e Sábio

Meditação do dia: 29/10/2020

Portanto, Faraó previna-se agora de um homem entendido e sábio, e o ponha sobre a terra do Egito.(Gn 41.33)

Um Homem Entendido e Sábio – De todos os presentes e promessas que há nas Escrituras Sagradas, o que mais me despertou a atenção e o desejo foi a sabedoria. Todos os textos  que falam ou citam sabedoria, conhecimento e inteligência, exerciam e ainda até hoje exercem um fascínio e uma atratividade além das demais coisas. Me recordo, quando adolescente, fazendo minhas primeiras leituras bíblicas, percebi ali um tipo de conhecimento que diferenciaria qualquer pessoa. O bom de tudo aquilo, é que eu não tinha nenhum hábito de frequentar igreja ou contato com pessoas evangélicas ou quem lia Bíblia. Posso afirmar seguramente que o impacto era produzido pelo poder da Palavra de Deus e essa atração era obra do Espírito Santo, que me encaminhou para a experiencia de conversão e aí sim, os propósitos de Deus tomavam forma em mim. Quando li a história do rei Salomão, recebendo aquele cheque em branco de Deus, em que ele poderia preencher com a quantia que desejasse, aquilo mexeu comigo. Minha reação foi entrar na história e ali mesmo, com a Bíblia aberta, olhos arregalados de puro êxtase com aquilo que eu só conhecia em anedotas e piadas de gênios que saiam das lâmpadas e concediam três desejos para quem os haviam libertados. Ali não! Era Deus mesmo em pessoa, se revelando a um mortal e presenteando-o com algo inédito, incalculável e praticamente incrível. A “surpresa de Deus” com a decisão de Salomão, foi outra coisa que se destacou, pois o trivial entre todos os homens é desperdiçar a oportunidade com bens materiais e satisfações carnais, poder e riquezas, que normalmente os levam à ruína e destruição. Sabiam que quase todas as pessoas que ganham grandes prêmios de loterias e similares, terminam em situação pior do que viviam antes de se tornarem ricos? Salomão se tornou um herói e uma referencia para mim, antes dos dezessete anos. E em Gibeom apareceu o Senhor a Salomão de noite em sonhos; e disse-lhe Deus: Pede o que queres que eu te dê. A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; porque quem poderia julgar a este teu tão grande povo? E esta palavra pareceu boa aos olhos do Senhor, de que Salomão pedisse isso. Eis que fiz segundo as tuas palavras; eis que te dei um coração tão sábio e entendido, que antes de ti igual não houve, e depois de ti igual não se levantará. E também até o que não pediste te dei, assim riquezas como glória; de modo que não haverá um igual entre os reis, por todos os teus dias (1 Rs 3.5,9,10,12,13). Admito que fiquei abobado e agi como os três discípulos lá no monte da transfiguração, querendo construir tendas para Jesus, Moisés e Elias. Eu, o que fiz foi entrar na fila por conta própria. Orei dizendo ao Senhor, que embora não sabia quantas outras pessoas ganharam essa mesma promessa depois de Salomão, mas que eu queria entrar na fila e ser o próximo em receber sabedoria para viver a sua vontade. Nunca desisti desse pedido e dessa oração e não desistirei. Descobri posteriormente mais verdades que abonavam a minha esperança, como em provérbios. Adquire sabedoria, adquire inteligência, e não te esqueças nem te apartes das palavras da minha boca. Não a abandones e ela te guardará; ama-a, e ela te protegerá. A sabedoria é a coisa principal; adquire pois a sabedoria, emprega tudo o que possuis na aquisição de entendimento. (Pv 4.5-7). A proposta do sábio Salomão é fazer bons negócios e comprar produtos de alto valor e que não sofrem depreciação, e suas recomendações de ativos é imbatível. Compra a verdade, e não a vendas; e também a sabedoria, a instrução e o entendimento (Pv 23.23). Quando fazia estágio do seminário, até então não tinha uma convicção definitiva sobre minha área de atuação ministerial; até que um dia em oração, tive uma experiencia de me ver andando ao redor do templo da igreja onde trabalhava, e pela janela via e ouvia Deus falando com a igreja, do púlpito, como se fosse um pregador dizendo: E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência (Jr 3.15). Ali nasceu minha convicção pastoral e aquilo passou a nortear toda a minha vida. Era uma promessa de Deus para a sua igreja e ele garantia a ela que eu seria um pastor segundo o coração dele e que faria meu ministério com ciência e com inteligência. Que promessa e que responsabilidade! Meu desafio é diário para honrar o compromisso de Deus e sou muito grato por não poder desperdiçar oportunidade de aprender e crescer. Posso dizer que sofro de uma inquietação constante contra o comodismo e a improdutividade, e a graça de Deus me ajudou a fazer isso com saúde mental e emocional até hoje. Quando José faz a recomendação à Faraó sobre o tipo de pessoa ideal pra tocar o projeto revelado por Deus, ele falava realmente de um tipo de pessoa especial que leva Deus e a fé bem a sério. Para esses a vida é um ministério e o ministério é a sua vida. Quero fechar com uma pergunta para pensar: O que norteia sua vida e sua chamada ministerial? É compromisso temporário ou para toda a vida?

Pai, obrigado por suas promessas e pelo cumprimento de cada uma delas. Há um lugar e um espaço para cada um dos teus filhos expressarem os dons e as habilidades que receberam de ti, que os qualificam a servir e fazerem a diferença nos seus dias. Graças te damos pela obra poderosa do Espírito Santo em capacitar pessoas para realizar grandes projetos que abençoam e transformam suas vidas. Te reconhecemos como soberano sobre tudo e todos. A ti seja o louvor, a honra e a glória para sempre. Amém.

Pr Jason

Um Homem

Meditação do dia: 28/10/2020

Portanto, Faraó previna-se agora de um homem entendido e sábio, e o ponha sobre a terra do Egito.(Gn 41.33)

Um Homem – Um homem seria suficiente para promover todo o projeto de Deus mostrado ao Faraó. Mas não poderia ser qualquer homem. Também não seria um super homem. Apenas um homem. Quando se é um bom administrador, como Deus é, ele não precisa de um batalhão de pessoas, ou super gênios para produzir uma revolução inovadora ou transformadora. Ele precisa do homem certo. Da pessoa certa. Ele já vinha trabalhando em lapidar essa pessoa e que se encaixaria perfeitamente bem na função, que fora criada exclusivamente para ele. Quando seguimos estudando as Sagradas Escrituras e o fazemos intencionalmente, buscando lições que podem ser aplicadas e os princípios que devem ser replicados, vamos percebendo as trilhas de sinais e as evidencias que o Criador permitiu ficaram para que a sua Palavra cumprisse a função de nos ensinar e produzir esperança. Quando foi estabelecida a Aliança que levaria o conhecimento de Deus para abençoar todas as famílias da terra, não havia um homem melhor e mais qualificado do que Abraão. Uma linhagem da fé, precisaria ser fundamentada no exercício da fé e para isso Abraão quando escolhido era tão desqualificado que não poderia haver candidato mais qualificado. Alguém chamado para a paternidade, incapaz por si mesmo de gerar filhos; física e biologicamente só a fé  resolveria, e resolveu. Na nossa cultura, dizemos que uma pessoa ter filhos em idade avançada é sinal claro de que ele vai estragar os filhos, por mimá-los demais se não ter energia para corrigir e disciplinar. Com Abraão foi diferente: E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço, Visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra? Porque eu o tenho conhecido, e sei que ele há de ordenar a seus filhos e à sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para agir com justiça e juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado (Gn 18.17-19). Abraão era a melhor pedra angular para iniciar essa construção. Agora Faraó precisa obedecer as instruções de Deus para salvar seu povo e evitar uma tragédia humanitária. Ele percebeu que a qualificação era tão específica que reduziria as buscas e o candidato perfeito estava ali mesmo diante dele, pronto para a nomeação. Sempre citei nessas meditações a chave de sabedoria que afirma que precisamos estar prontos para o lugar para onde vamos e não para onde já estamos. Enquanto cada um cuidado de seus interesses, José se preparava enquanto cumpria pena. Dava para fazer as duas coisas simultaneamente, e ele fez. A adversidade não pode ser usada como desculpa para entrar em crise e parar de crescer, pois a crise passar , o mundo ainda estará rodando e alguém precisará estar pronto. Futuramente encontraremos Moisés e Arão, cada um talhado pra cumprir uma função e as duas juntas produziria a completa libertação do povo de Deus da escravidão. A Bíblia está repleta dessas evidencias. Josué, Calebe, Samuel, Davi, Elias, Eliseu, João Batista, Paulo, e chega até nós…Um homem, uma pessoa, totalmente  consagrado à vontade de Deus. Um homem basta!

Senhor, obrigado pelo privilégio de sermos alcançados por tua providencia e podemos ser a resposta para uma situação que seremos especificamente providencial. Somos gratos pela participação no teu projeto eterno e especialmente porque agora é a nossa hora e a nossa vez. Somos a igreja dessa geração e somos a resposta para esse mundo como ele está e somos os agentes de transformação que o Senhor tem à disposição para produzir as mudanças necessárias. Encha-nos com o poder do Espírito Santo, que nos habilita a ser bênçãos e soluções, e onde toda a honra e a glória seja somente tua, em Cristo Jesus. É assim que oramos e cremos, todos os dias, para todo sempre, amém.

Pr Jason

Determinação de Deus

Meditação do dia: 27/10/2020

E que o sonho foi repetido duas vezes a Faraó, é porque esta coisa é determinada por Deus, e Deus se apressa em fazê-la.(Gn 41.32)

Determinação De Deus – O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, para o representar diante de toda a criação e promover sua glória e grandeza na terra. Desde sua origem o homem se relaciona com Deus em termos de Senhorio. Deus é soberano e senhor de todas as coisas. As mudanças nesses relacionamentos aconteceram após o pecado entrar na vida do homem e à partir de então, apareceu um novo senhor, que na verdade nem mereceria ser assim chamado; mas já que entrou na relação para disputar esse espaço, embora caricaturado e mesquinho, essa figura está presente no mundo. Lá no Jardim, o incentivo para desobedecer o legítimo Senhor, levou o homem ao engano de achar que ele agora estaria no comando, independente e livre para não ser dominado pela vontade de outrem. Que história! Mas é a nossa história. As descrições bíblicas das idéias originais de Deus para o homem sempre foram maravilhosas e por elas o caminho da felicidade e da realização pessoa estaria pavimentada à nossa frente. Vou descortinar algumas citações: Que é o homem mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites? Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés (Sl 8.4-6). Olhe a posição original de criação? Olhe a honra concedida e a capacidade de governo e domínio? O pecado fez o homem subestimar seu potencial. Outra citação: Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem. E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles! (Sl 139.14,17). Digamos, por dentro, o homem sabe sua origem e reconhece a grandiosidade dos feitos de Deus. Quando alinhados a esse conhecimento e colocado em prática, a vontade de Deus se torna um exercício de prazer e contentamento, isso é tão verdade que foi reproduzido profeticamente na pessoa de Cristo, quando encarnado e assumido em forma humana. Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito. Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração (Sl 40.7,8). No texto da entrevista de Jesus com a mulher samaritana, ele surpreendeu os seus discípulos, sobre sua vontade consagrada a fazer a vontade de Deus. Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra (Jo 4.34). Comida é necessidade de primeira instancia que instintivamente urge a pessoa a se mover para satisfazer, porque ela impõe o risco da não sobrevivência, mas Jesus disse que fazer a vontade de Deus estava acima disso e na tentação pelo Diabo, ele já havia afirmado esse princípio, que o homem não vive só de pão, mas da Palavra de Deus. (Lc 4.4). A Vontade de Deus em relação à humanidade é redentora em todos os seus aspectos. Todos os movimentos e ações nesse grande tabuleiro da existência humana, tem à ver com a obra da redenção. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6. 34-40). Os reis e os poderosos entre os mortais servem aos propósitos maiores de Deus e quando se faz necessário ele determina ações e marca o tempo e a hora dos acontecimentos. Foi isso que José estava dizendo para Faraó e foi isso que Daniel disse a Nabucodonosor e foi o que Jesus disse a Pilatos e a Herodes. Você acha que é diferente com Bolsonaro, Trump, Macron, Merkel? Olha o que Paulo fala sobre a nossa vocação ministerial: Pois Deus nos salvou e nos chamou para uma vida santa, não porque merecêssemos, mas porque este era seu plano desde os tempos eternos: mostrar sua graça por meio de Cristo Jesus. E agora ele tornou tudo isso claro para nós com a vinda de Cristo Jesus, nosso Salvador, que destruiu o poder da morte e iluminou o caminho para a vida e a imortalidade por meio das boas-novas, das quais Deus me escolheu para ser pregador, apóstolo e mestre (2 Tm 1.9-11 NVT).

Faraó entendeu o sonho e a explicação que José lhe deu. Hoje somos beneficiados por todo o propósito que veio se desenvolvendo e agora é a nossa vez, é o nossos tempo e a nossa oportunidade de participar. Ainda que nossa parte não seja tão relevante quanto a de José, de Faraó ou dos apóstolos, mas sesse é o meu e o seu papel. Isso é a vontade de Deus para nós e agora!

Senhor, obrigado pela tão grande salvação que veio muito bem planejada e executada em todas as etapas. Agora é o tempo da graça, o tempo da participação da igreja e nós somos a igreja, somos o corpo de Cristo e proclamação da tua graça e misericórdia para a salvação de muitos, passa pela nossa participação. Somos honrados em servir ao Senhor e numa causa tão importante e de um peso eterno tanto para os que se salvam quanto para os que se perdem. Pedimos graça e força para servir com fidelidade e diligencia, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Esqueçam Aquela Fartura

Meditação do dia: 26/10/2020

E depois deles levantar-se-ão sete anos de fome, e toda aquela fartura será esquecida na terra do Egito, e a fome consumirá a terra;(Gn 41.30)

Esqueçam Aquela Fartura – Tudo que existe não é tudo o que eu sei. Tudo que eu sei, não é tudo que existe. Em palavras mais simples: “Ninguém é dono da verdade!” consciente da nossa limitação, abre-se as portas para a aprendizagem e nessa postura, conhecimento é poder. Quanto mais a pessoa conhece, maiores são as suas possibilidades. O que fica para refletir são questões interiores das pessoas, como ética e caráter, que são valores não materiais, mas que exercem um grande papel nas relações com os semelhantes. Os recursos abundantes ou escassos são colocados à disposição do bem comum, mas já é de comum acordo nos mundos mercantilizados, que “não existem almoços grátis, tudo tem um preço.” Viver em sociedade exige-se uma mutualidade de compromissos e contribuições e nessas experiencias surgem as oportunidades de se ver reveladas as intenções íntimas de certos indivíduos, que geram influencias nos seus pares. Do que seria espaço de compartilhar, aparecem a exploração indevida e gananciosa, gerando oportunidades desiguais, dificuldades e barreiras que vão extratificando as massas. Logo aparecem os iguais e os mais iguais; os que choram e os que vendem lenços! Lendo as linhas e as entrelinhas dos serviços prestados por José à Faraó e ao Egito, encontramos um fenômeno, digo de ser estudo por alguém que queria defender uma boa tese de economia e o Administração Pública. Vou dar uns insights: Após sete anos de Fartura e boa administração, foram recolhidas quantidades tão grande de mantimentos, que se perdeu a capacidade de contabilizar; estoques mais do que suficientes para o país atravessar o período de fome e escassez. O que o estado fez, através de José, as pessoas e famílias não fizeram como iniciativa privada e assim que vieram os anos de escassez, José foi comprando toda a iniciativa privada, exceto a terra de Gósen doadas aos hebreus e sustentados pelo tesouro público (José); e as propriedades dos sacerdotes que eram mantidos pelo estado. Tudo, terras, bens, animais e até as vidas humanas foram todas compradas em troca de comida, na terra do Egito e regiões vizinhas, como Canaã. Tudo se tornou de Faraó de fato e de direito e todos se tornaram servos e trabalhando para ele sob regime de arrendamentos. A fome lambeu tudo que todos tinham e foram servir sob um regime totalitário importo por sugestão de José ao Faraó. Quando os Israelitas saíram nos dias de Moisés, os Egípcios já eram novamente um povo rico e abastado, pelo que se pode ver, pela forma como os israelitas foram indenizados de livre e espontânea pressão, com bens e riquezas de toda espécie que pode ser vista pela ofertas voluntária levantada por Moisés para construir o tabernáculo. O povo de Deus sempre passou por experiencias dos ciclos de tempos que sobrevém a todos. Essas experiencias servem para reavaliar os recursos, as escalas de valores e o compromisso de unidade em torno de uma causa maior do que de si mesmos. Encontramos na legislação mosaica, princípios que deveriam servir para proteger que explorassem os compatriotas e manter a livre iniciativa de prosperidade. Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao pobre que está contigo, não te haverás com ele como um usurário; não lhe imporeis usura. Se tomares em penhor a roupa do teu próximo, lho restituirás antes do pôr do sol (Ex 22.25,26). Encontramos também as violações desses princípios e suas consequências sociais e espirituais.  Foi, porém, grande o clamor do povo e de suas mulheres, contra os judeus, seus irmãos. Porque havia quem dizia: Nós, nossos filhos e nossas filhas, somos muitos; então tomemos trigo, para que comamos e vivamos. Também havia quem dizia: As nossas terras, as nossas vinhas e as nossas casas empenhamos, para tomarmos trigo nesta fome. Também havia quem dizia: Tomamos emprestado dinheiro até para o tributo do rei, sobre as nossas terras e as nossas vinhas. Agora, pois, a nossa carne é como a carne de nossos irmãos, e nossos filhos como seus filhos; e eis que sujeitamos nossos filhos e nossas filhas para serem servos; e até algumas de nossas filhas são tão sujeitas, que já não estão no poder de nossas mãos; e outros têm as nossas terras e as nossas vinhas. Ouvindo eu, pois, o seu clamor, e estas palavras, muito me indignei (Ne 5.1-6). Crises de uns são oportunidades de outros. Não havendo caráter transformado e  temor de Deus, o medo e a ganancia alimentam o mercado e generosidade é substituída pela opressão e a famigerada obsessão por lucros. É uma transferência de riquezas injusta e iníqua. Boa administração e evitar dívidas desnecessárias e para coisas fúteis é a porta da bênção da prosperidade material e financeira. Quem deve é servo do devedor. (Pv 22.7), então dever não é uma boa coisa!

Senhor, a tua palavra diz que fomos chamados para a liberdade em Cristo Jesus e para não mais nos colocarmos sob jugo de servidão. A Tua Palavra instrui como sermos bons administradores e evitarmos dívidas desnecessárias para que a liberdade do nosso testemunho de sermos servos unicamente de Deus e dependermos de ti para nossa fonte de provisão e assim anunciarmos as boas novas de um Deus Todo-Poderoso, que é mais do suficiente para cuidar de todos nós e das nossas necessidades. Jesus é tudo e muito mais do que necessitamos. Podemos ser gratos e confiantes que aquele que é o nosso pastor não deixará que nada venha nos faltar. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Sete Anos De Fome

Meditação do dia: 25/10/2020

E depois deles levantar-se-ão sete anos de fome, e toda aquela fartura será esquecida na terra do Egito, e a fome consumirá a terra;(Gn 41.30)

Sete Anos Fe Fome – Aquilo que é irremediável, remediado está. A determinação divina de provisionamento antecipado por sete anos de extrema fartura, tempo suficiente para armazenar víveres para sobreviver nos dias difíceis que estavam por vir; era lição a ser assimilada rapidamente, não havia tempo para adaptação. As supersafras que surgiram logo, indicavam a verdadeira interpretação que José apresentará dos sonhos que Faraó lhe contara. É fato, que o rei do Egito não resolveu pagar para ver se seria verdade ou não. Ele tomou iniciativas imediatas para colocar o plano em ação; foi tão imediato que nem houve reunião do gabinete ministerial ou comitês. Se houvesse um ministro da agricultura, estava sob a administração de José e com cooperação integral e sem espaço para vaidades pessoais. Um homem, até então, tido como idólatra, pagão, adorador de deuses falsos e até  se si mesmo se passava por deus, acatou as palavras do Deus verdadeiro, que ele já reconheceu através da vida de José e se submeteu e colocou por decreto, todo o império à disposição de seguirem o plano de Deus. Resultado disto é que testemunhamos que tudo deu certo. Vieram de fato os anos de fartura, foram bem administrados o sistema de captação e armazenamento de alimentos no país inteiro, com precisão e honestidade, ainda que de forma compulsória. José foi abençoado, Faraó foi abençoado, o Egito inteiro e sua população agiram uniformemente num objetivo único. Quando há união e boa vontade, praticamente todos os objetivos podem ser alcançados. Foi o que Deus disse e motivo pelo qual Ele interferira na construção da Torre de Batel. Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam; E o Senhor disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer(Gn 11.5,6). À primeira vista, sete anos de fome extrema é muito duro de passar e afeta a vida de muitas pessoas. Não tenho pessoalmente nenhuma queixa ou dúvida sobre o caráter de Deus por isso. Sei que Deus é fiel, justo e amoroso em doses certas e as crises aconteceram, acontecem e acontecerão, para proporcionar aos humanos mudanças sérias nas atitudes e comportamentos para que os propósitos eternos voltem a se encaixar no plano original. Crises provocam mudanças, estimulam a criatividade e obrigam as pessoas a se reinventarem, produzindo progressos e avanços significativos. Os efeitos da Pandemia atual e o consequente isolamento social, tem feito maravilhas e a humanidade está fazendo progressos que levariam décadas para serem alcançadas. Hoje até já se fala em “Novo Normal.” Aquilo que a Bíblia fala sobre fragilidade da vida, nunca foi tão levado à sério. Cristão de fé bíblica, tá com um olho na vida e outro nas profecias bíblicas escatológicas. Israel fazendo alianças com nações islâmicas, cheira apocalipse e as inovações tecnológicas facilitam cada vez mais os planos de um governo mundial sob a batuta do anticristo. Todos sabem, que logo após esses eventos iniciais haverá um período de sete anos de extrema dificuldade para quem não for arrebatado. É Hora de viver o que cremos e aguardar nossa bendita esperança. Maranata!!!

Senhor Deus e Pai, graças te rendemos por sua bondade e misericórdia disponível a todos nós através de Cristo. Suas palavras são poderosas e perfeitas e todas as tuas promessas se hão de cumprir no devido tempo e não serão surpresas para nós, os teus filhos, porque sempre fomos alertados e exortados a estar firmes e atentos aos sinais. Graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo, agora e sempre. Amém.

Pr Jason

Tempo de Fartura

Meditação do dia: 24/10/2020

E eis que vêm sete anos, e haverá grande fartura em toda a terra do Egito.(Gn 41.29)

Tempo de Fartura – Tempos difíceis produzem homens fortes, que produzem tempos bons, que por sua vez produzem homens fracos, que produzem tempos difíceis.” Quem estuda os ciclos históricos carimba essa tese do mundo da economia e produtividade. Ao mesmo que são fenômenos políticos e sociológicos, também são espirituais e estão entranhados na vida de todos e afeta a todos. Vi numa entrevista certa vez com o músico e compositor Tom Zé, cujo tema era a família e os desafios modernos e ele citou um adágio popular interessante sobre o que vivíamos: “Pais trabalhadores, filhos burgueses e netos degenerados.” Como contestar? Em nosso contexto de fé,  encontramos a mesma estratificação social com uma primeira geração abençoada, fervorosa, ardente de amor por Deus e pelo reino; logo vem uma segunda geração, que apenas conhece o mover de Deus pelo que viram nos pais e irmãos da fé. A terceira turma, já tem aversões à fé e são cheios de dúvidas e descrenças e muitos nem mais praticam a fé. Isso é comum, mas não é normal! Não deveria ser aceito como tal. Aquelas sete igrejas da Ásia Menor, que receberam as cartas do Apocalipse, existiam entre trinta e cinquenta anos, estando portanto na segunda geração; Jesus as chama para o arrependimento e mudança de postura, e até para uma delas utilizou a expressão voltar ao primeiro amor. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres (Ap 2.4,5). José prenunciava para Faraó a chegada de um tempo de abundancia e fartura extrema no Egito. Alguém poderia dizer que isso era chover no molhado, pois o delta do Nilo e suas planícies férteis eram de alta produtividade e não era segredo e nem mistério para ninguém, nada de excepcional. Mas o que Faraó vira no seu sonho e o que José interpretara, não era sobre o natural, costumeiro já conhecido. Deus se apressava a fazer algo de grandes proporções e estava dando a oportunidade de prevenirem-se diligentemente. Agir pela fé, se preferirem! Incentivarem a produção em larga escala e não desperdiçar nada, muito pelo contrário, estabelecer uma logística de recolher e armazenar com responsabilidade. Tão certo quanto isso, seria o tempo de extrema escassez e fome, de tal modo que se esqueceria o que acontecera antes. Vamos trazer um pouco disso para nossa realidade? Tempos de paz deve ser aproveitado para crescer espiritualmente, fortalecer-se em oração e comunhão com Deus, aprofundar-se no conhecimento das Escrituras e acumular energia espiritual, porque os tempos difíceis sempre virão. Saber administrar bem o tempo e as oportunidades é muito importante. O servo de Deus não pode ser movido a tribulações e problemas, crises e provações. É bíblico que no mundo teremos aflições, mas não ser previdente e investir nas disciplinas espirituais é um erro a ser corrigido. Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo (Jo 16.33). No tempo de fartura e abundancia é oportunidade para mais adoração, mais celebração de louvor e aprender com menos pressão, se preparando para os novos tempos. Tempo não é um bem acumulativo, ou utilizamos bem ou ele se esvai inutilmente e não se repõe outra vez. Algumas oportunidades perdidas não  tornam a se repetir e teremos que conviver com as escolhas de viver abaixo do padrão que poderíamos ter. E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará (2 C0 9.6). Muita Oração, muito poder; pouca oração, pouco poder; nenhuma oração, nenhum poder. Já apregoava o pastor Enéas Tognini, de saudosa memória.

Pai, obrigado pelas oportunidades de fartura e abundancia que preparas para os teus filhos, com a possibilidade de serem eficientes e previdentes. Agradecemos pelos líderes e familiares que são cuidadosos com as verdades do reino e fazem a diferença diante de um mundo que espera ver para crer. Louvamos a ti, Senhor pelas muitas bênçãos derramadas sobre nossas vidas e famílias. Adoramos o  teu poderoso nome, pelo governo justo e abençoador. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Que Deus Há De Fazer

Meditação do dia: 23/10/2020

Esta é a palavra que tenho dito a Faraó; o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó.(Gn 41.28)

O Que Deus Há De Fazer – Gerson, esse é o nome do pastor, ex-aluno de Betânia do Paraná, como dizemos hoje politicamente correto, um afro-brasileiro legítimo, grande em estatura e muito bem humorado, divertido, muito comunicativo e de boa oratória à brasileira, sem rebuscamentos homiléticos e sermões quadradinhos, mas cortante, penetrante que nos fazia rir ao mesmo tempo que interiormente a gente contorcia com os apertos que o Espírito Santo produzia através da Palavra de Deus. Ele era então líder da Base de Jocum em Belém do Pará. Estava ele visitando o Seminário e ministrou para nós, que já o admirávamos porque era precedido pelos bons frutos ministeriais. Sua capacidade de imprimir ensino sobre o caráter de Deus em termos de senhorio sobre nós e nós circunstancias, deixou marcas indeléveis na minha vida. Por isso, faço essa simples homenagem, relembrando essa pessoa honrando seu ministério e sua intimidade com Deus. É exatamente assim, que imagino Faraó, rendido, completamente absorvido pela simplicidade e espiritualidade de José, bem ali diante dele; tal era o clima,  que as reverencias e protocolos palacianos de procedimentos diante do soberano do Nilo, ficaram de lado; eles não eram importantes e nem mesmo o Faraó estava ligando para isso; havia coisas mais importantes e que de fato faziam sentido. José falava de Deus e de sua comunicação de intenções sobre o que iria fazer, que nem o homem mais orgulhoso e protocolar do antigo Egito se sentiu ofendido ou invadido nos seus direitos e autoridade. As palavras de José eram firmes e certeiras, fiéis como de um embaixador comprometido com a soberania de sua representação: … o que Deus há de fazer, mostrou-o a Faraó. É Deus no exercício de sua soberania, ele não precisa pedir licença para fazer alguma coisa, é não pede! Ele governa soberanamente! Aplico conceitos bíblicos em diversas situações reais, como as palavras do Apóstolo São Paulo aos Coríntios, ao dizer que “as más conversações corrompem os bons costumes” (I Co 15.33). Aqui estou me referindo sobre as muitas conversas moles sobre democracia, ou o governo do povo; sabemos que a democracia prega em teoria a igualdade de direitos e deveres entre os cidadãos; mas na prática é pura manipulação em benefício de quem está no poder dado pelo povo e não isso, mas todos são iguais, porém há alguns mais iguais que os outros. Minha opinião pessoal – A democracia é o melhor sistema criado pelo ser humano; ainda não se viu nada melhor; Mas é o “melhor criado pela genialidade humana!” Deus não é democrata, não tá nem aí e não coloca nenhuma de suas decisões em discussão e nem pede para votar para decidir. Deus governa pelo sistema de responsabilidade pessoal. Cada escolha produz consequências, e TODOS, tem liberdade de escolher, mas não as consequências de suas escolhas. Ele é soberano sobre tudo e sobre todos. Lembremos, por exemplo: Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência (Dt 30.19). Outro bom exemplo é Paulo pregando aos gregos em Atenas: Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos (At 17.30,31). Gostaria de fechar os argumentos em favor de Deus, citando a soberania de Jesus, atual e futura por toda a eternidade.Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.9-11). Olho José como o embaixador do Reino de Deus apresentando suas credencias diante de Faraó. Embaixador não tem mensagem própria, nem opinião pessoal, ele fala em nome do seu governo. Ele não diz “eu penso, eu acho, na minha opinião…” Ele diz em tom firme e sereno: “O nosso governo diz, nosso país afirma… a posição do governo é…” Não podemos deixar de lembrar que somos comissionados embaixadores para falar em nome de Cristo, para a reconciliação do mundo com Deus. “Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus (2 Co 5.19,20).

Pai, graças te rendemos e louvamos o teu nome por ser Senhor e Soberano sobre tudo e sobre todos e governar com habilidade e justiça; abençoando e cuidado de todas as necessidades em todos os níveis para o bem de todos. Queremos aprender com a tua maneira de ser e fazermos nosso papel como embaixadores de teu Reino, que profeticamente sabemos que será estabelecido de forma visível e palpável através de Cristo, reinando sobre todas as nações e povos e haverá paz e prosperidade como nunca se viu. Obrigado pelo convite e o acesso à todas as tuas promessas no Evangelho de Jesus Cristo. Oramos cheios de fé e esperança, de que verdadeiramente dias melhores estão à nossa frente. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Cara Feia É Sinal De Fome

Meditação do dia: 22/10/2020

E as sete vacas feias à vista e magras, que subiam depois delas, são sete anos, e as sete espigas miúdas e queimadas do vento oriental, serão sete anos de fome.(Gn 41.27)

Cara Feia É Sinal De Fome“Vai diminuindo a cidade, Vai aumentando a simpatia. Quanto menor a casinha, Mais sincero o bom dia; Mais mole a cama em que durmo, Mais duro o chão que eu piso. Tem água limpa na pia, Tem dente a mais no sorriso. Busquei felicidade, Encontrei foi Maria; Ela, pinga e farinha, E eu sentindo alegria. Café tá quente no fogo, Barriga não tá vazia. Quanto mais simplicidade, Melhor o nascer do dia.” Vou pedir licença aos meus amigos mineiros que amo muito e à Banda Pato Fu, pela citação dessa poesia em forma de canção ou uma linda canção em forma de poesia, que até serviu e serve de propaganda das nossas Minas Gerais, com o título de SIMPLICIDADE. Nesse interior de gente boa, quando alguém aparece com uma “cara feia,” logo alguém diz: “Cara feia para mim é sinal de fome!” Foi assim também que José percebeu no sonho de Faraó; aquelas vacas feias e magras, e aquelas espigas miúdas e crestadas de sol vento, com atitudes canibais, eram de fato e de verdade, a cara da fome. Somos chamados a embarcar numa jornada contemplativa sobre esse tema que se descortinou diante do Faraó, de José e de muitos povos daquela região, incluindo até mesmo o povo escolhido que ainda estava em formação na terra de Canaã. Muitos de nós já perguntaram: Por quê? A fome naquelas proporções? Povo de Deus sofrendo? A resposta é sim, tá certo, Deus está construindo coisas grandes e como dizem os engraçadinhos (não é o meu caso), “não dá para fazer omelete sem quebrar os ovos.” Você já fez reformas em sua casa, ou mesmo construiu? Até ficar prontinho, é aquela bagunça, transtorno, incômodos, perigos e nada faz sentido até concluir. Para a história ser como a conhecemos hoje, esses elementos foram essenciais. Por anos à fio em perguntava para mim mesmo e demorou para encaixar todas as peças, mas vou compartilhar em forma de indagações, para te aguçar o apetite. Por que José aos dezessete anos foi sequestrado, vendido, escravizado, preso e só as trinta, ele recobrou sua vida? Por que Jacó, um homem de oração, fé e íntima comunhão com Deus, nunca descobriu a verdade sobre o que acontecera a José? Por que Deus silenciou e não disse nada a Jacó, todo esse tempo? Você sabe guardar segredo? Sim? Deus também! Eu, quase sempre! Você acredita na volta de Jesus? Quando será? Deus sabe? Sim! Ele conta? Nem pensar! É questão de estratégia, porque tem muita coisa em jogo, mais que a nossa vã sabedoria imagina. Todos esses eventos que citei acima, podem ser categorizados como “crises.” Crises também são oportunidades! Com elas José foi protegido, treinado e Faraó se tornou acessível e generoso, os egípcios se renderam à administração de um jovem estrangeiro de origem discriminada por eles. A fome fez Jacó se mexer e com isso seus filhos reencontraram com o passado de maldade e agora sem terem como fugir ou negar; tiveram que encarar a reconciliação e o perdão. Jacó encontrou seu tesouro e melhor do que ele poderia imaginar. José deixou de lado a obsessão de voltar para casa do pai e encontrou o propósito de sua vida. José estatizou tudo no Egito, Faraó se tornou dono de tudo e através de José ele foi generoso com todos, indistintamente, administrando o que seria um pais falido, mas não o era, porque José cuidara de tudo, como um mordomo fiel daquele que é o Altíssimo, o possuidor dos céus e da terra. Ninguém tem melhor programa de governo nacional do que Deus e ele já provou isso. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência (Pv 9.10). Deve ser por isso que os políticos fazem tanta lambança.

Senhor, aquilo que se parece com uma crise destrutiva e terminal, o Senhor utiliza como fator de construção e administração de coisas para o tempo e a eternidade. Os nossos modelos, por melhores que sejam e mais honestas as intenções, ainda são imaginações humanas. O Senhor nosso Deus reina e governa com juízo e justiça e bem nenhuma falta aqueles que em ti confiam. Temos visto que feliz a nação cujo Deus é o Senhor! Queremos aprender com quem faz bem feito desde a eternidade e seus projetos são para todo o sempre em Cristo Jesus. É no nome dele que oramos, amém.

Pr Jason