A arte de Semear

Meditação do dia 28/02/2017

 Jr 4.3 Porque assim diz o Senhor aos homens de Judá e a Jerusalém: Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos.

 A arte de semear – Em todas as área da atuação humana nesta vida, há alguns que se destacam mais que outros e demonstram mais habilidades e conseguem melhores resultados. Devido a estas possibilidades e o desejo de ser reconhecido, surgiram as competições sobre quem é o melhor naquilo que faz. Desde pilotar um avião de guerra e atirar com precisão, até ordenhar vacas ou ovelhas, colher maior quantidade de alguma coisa e porque não, comer mais e mais rápido. Os homens gostam de competir e tudo serve de motivo e inspiração para tal. Fora as apostas, concursos e competições, algumas pessoas conseguem transformar seu ofício numa arte. A agricultura não está fora disso e existem ciências por trás de resultados. Na atualidade muitos recursos tecnológicos estão disponíveis facilitando e maximizando os resultados. Mas quando ainda se fazia tudo de modo artesanal, ainda assim, havia pessoas que se destacavam e dominavam a produção de suas terras, lavouras e pomares. Entramos nas Escrituras, dicas preciosas sobre essa arte, que levando-se em conta, os antigos se davam bem e o Senhor Jesus valeu-se destas verdades para ensinar verdades espirituais de grande importância para a vida dos seus discípulos, o que precisamos considerar e aplicar. Todos conhecemos os textos da chamada “parábola do semeador” em Mateus 13 ou Marcos 4. Ali se fala de sementes, solos, preparos e condições para altas produtividades. Toda pessoa que planta algo, está na verdade fazendo um investimento, e todo investimento visa lucro e quanto mais, melhor! O profeta Oséias, utilizou a mesma expressão que Jeremias, ao exortar o povo a uma mudança de atitude. Semeai para vós em justiça, ceifai segundo a misericórdia; lavrai o campo de lavoura; porque é tempo de buscar ao Senhor, até que venha e chova a justiça sobre vós (Os 10.12). Uma outra versão da Bíblia em português, utiliza a expressão “campo de pousio” em vez de “campo de lavoura;” mas isso não altera o sentido e nem a idéia transmitida pelo conceito. Campo de Pousio, equivale a uma campo, roça, um terreno que já foi utilizado em plantações e que no momento está em desuso por quaisquer razões. Mas agora ele precisa voltar a ser produtivo e o agricultor terá que fazer investimentos nele antes de plantar ou semear alguma coisa. Ele pode estar agora cheio de ervas daninhas, espinhos, insetos nocivos às plantações, pode haver pedras, troncos, raízes e diversos fatores a serem removidos, para torna-lo produtivo novamente. Isso se aplica a vida das pessoas, que um dia fizeram uma escolha de servir a Deus e por certo tempo o fizeram com fidelidade, dedicação e foram muito produtivos e úteis a causa do reino; por alguma razão, deixaram de ser e entraram num estado de pousio, de descanso ou desleixo mesmo. Muitos abandonaram seus postos, sua vocação e até o serviço que lhes fora dado por Deus; mas agora estão sendo despertados para voltarem à ativa, e é claro, terão que investir em suas vidas espirituais e ministeriais e remover muitas coisas que se tornaram contraproducente. O Espírito Santo está chamando para um avivamento, um mover de Deus e pecados precisam ser confessados e abandonados, hábitos nocivos ou simplesmente inadequados precisam ser mudados e novas atitudes devem ser incorporadas com muita disciplina e oração. Uma recomendação de Jeremias é para não semear entre espinhos, pois isso irá comprometer os resultados. Isso acontece porque a pessoa se apressa a semear ou transplantar mudas, antes de terminar o processo de limpeza e restauração. Os espinhos  são plantas naturais que nascem no campo, e como o campo nesse caso é o coração, se trata de coisas que estão naturalmente na vida da pessoa, ocupa lugar no coração e na motivação dela e que vai concorrer com a semente divina e atrofiar a planta e diminuir a produtividade. Esses espinhos segundo Mc 4.18,19 “E outros são os que recebem a semente entre espinhos, os quais ouvem a palavra;
Mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera.”
Preste atenção nas expressões: cuidados deste mundoenganos das riquezasas ambições de outras coisas porque elas “sufocam a palavra, e fica infrutífera.” Tem alguma espécie de espinho no seu campo, no seu coração, na sua vida que está concorrendo com a produtividade do seu ministério e do seu chamado? Deus diz para você não semear entre espinhos, então erradique as pragas ou pare de semear!

 

Senhor, tu entendes todas as coisas e criastes todas elas, portanto ninguém entende melhor sobre corações e solos do que o Senhor. Permita fazermos exames honestos e ao descobrirmos qualquer coisa que concorra com os teus propósitos, tenhamos disposição de obedecer os conselhos da tua Palavra. Peço uma produtividade grande, mas me proponho a submeter-me aos teus cuidados e orientações. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Pastores Segundo o Coração de Deus

Meditação do dia 27/02/2017

 Jr 3.15 E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência.

 Pastores segundo o coração de Deus – Entre aqueles muitos versículos marcantes na minha vida, eu aguardei com muita expectativa, essa oportunidade de escrever sobre Jeremias capítulo 3. Esse verso em particular faz parte da minha experiência pessoal de vocação ministerial, ou da grande confirmação. Não sou por natureza uma pessoa mística, no sentido de muitas experiências de cunho espiritual como visões, revelações, êxtases e etc. Não descarto e nem duvido de nada disso, ao contrário, sei que isso faz parte da experiência de muitas pessoas boas, espirituais e equilibradas nos seus relacionamentos com Deus, além de serem de conformidade bíblica. Há muitas citações e descrições bíblicas de pessoas que tiveram grandes, profundas e até misteriosas experiências a nível espiritual. Outra coisa que me deixa muito à vontade é saber que Deus trata e lida com cada um de seus filhos e servos de modo muito personalizado e assim, as experiências não são iguais para todos. Em se tratando também de experiências, quem sou eu para dizer algo sobre a experiência alheia? Paulo recomenda que que se julgue e avalie bem o uso dos dons para a edificação de todos. Porque nunca tive tal experiência, não queira dizer que ela não exista, ou que Deus não se revele dessa forma. Mas estava eu lidando com meu preparo e processo de afirmação ministerial e certo dia plenamente consciente, me vi como se estive do lado de fora do templo da igreja onde trabalhava e do lado de dentro acontecia uma reunião com a igreja toda e quem estava falando com eles era Deus; e no momento em que me aproximei da janela, ele dizia exatamente essas palavras: E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência. Então, como que voltando a realidade, eu fiquei muito assustado, mas aquilo impôs sobre mim um sentimento muito forte de convicção de que Deus realmente me chamara para ser pastor e ele garantia à igreja que eu seria um homem segundo o seu coração e que apascentaria a igreja com conhecimento e com inteligência. Aquilo me levou a trabalhar para tornar aquilo realidade, pois se Deus acreditava em mim e até me recomendava para um igreja e dava a sua palavra sobre o tipo de pastor que eu seria; então eu sei o que Deus esperava de mim e sei o tipo de pastor que Deus espera para a sua igreja, e isso nunca saiu do meu coração e nem da minha mente. Todos os meus esforços, dedicação e busca incessante, é para ser de fato um homem segundo o coração de Deus e em relação ao pastorado, cuidar da igreja com conhecimento e com inteligência. Nestes pontos eu pautei toda a minha carreira vocacional. Sou apaixonado por sabedoria e conhecimento e sei que sabedoria se pode receber por bênção e graça de Deus e aprender a utilizá-la de forma abençoadora; como também sei que conhecimento é fruto de investimento, dedicação, estudo e observação. Um dos parâmetros para continuar aprendendo e adquirindo conhecimento é jamais se dar por satisfeito, saciado e achar que não se tem mais nada para aprender, ou que não se pode aprender com pessoas que posicionalmente sabem menos do que a gente. Para quem quer  aprender, tudo é campo de experimento e oportunidade de adquirir novos pontos de vista novas aplicações sobre verdade já conhecidas. É possível aprender com as crianças, com as formigas, com os caipiras, com os caiçaras, com a arte, com a ciência com o silencio e até com quem não quer aprender. A pouco tempo me desviei a escrever um texto devocional diário, e como isso tem abençoado a minha vida e a minha experiência; compartilhar isso com amigos e irmãos foi outra forma abençoadora de continuar crescendo e as vezes recebo manifestações de pessoas que foram abençoadas com determinado texto ou meditação e o modo como elas foram impactadas impacta a minha vida, pois foi experiência completamente diferente da minha ao escrever aquilo. Obrigado, amigos e irmãos, obrigado igrejas com as quais trabalhei  ou nas quais ministrei alguma vez e ou pessoas que entraram ou passaram pela minha vida, vocês me enriqueceram e fazem valer a pena a vocação, a obediência e o estímulo de fazer melhor à cada dia. Deus abençoe muito a vida de Deus.

 

Graças, Senhor por ter me escolhido e chamado sem que houvesse qualquer mérito ou talento excepcional; mas quem me criou, também me aparelhou para ser o que sou e provavelmente muito mais do que já alcancei até aqui. Obrigado por vidas tão generosas que me toleraram, suportaram e apoiaram até um pouco mais de maturidade e sabedoria. Sou grato ao corpo de Cristo, que tens trabalhado neles e assim me ajudaram a chegar até aqui. Ainda temos muito a fazer, mas ainda preciso seguir os valores e os princípios que são divinos, corretos e são a tua vontade para a minha vida. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Dois Erros Graves

Meditação do dia 26/02/2017

 Jr 2.5 “Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retém águas.

 Dois erros graves – “Errar é humana, mas permanecer no erro, é burrice!” Esse proverbio brasileiro, faz sentido, pelo menos para nós, claro! O que ele deixa claro nas suas premissas é que errar faz parte da experiência humana; mas permanecer no erro, já é uma questão de escolha. Sabendo que se está errado, não faz sentido, continuar. A nação de Israel estava sendo confrontada por Deus  por seus pecados e escolhas erradas, que os levaria ao cativeiro e com enormes consequências por muitos anos e gerações. Deus disse a eles através de Jeremias, que haviam cometido duas maldades graves, que era respectivamente, abandonar a Deus e sua infinita capacidade de ajudar e suprir e procurar por si mesmo a solução de problemas que estaria fora da condição e capacidades deles. Isso não é privilégio só daqueles povos antigos, nem isso ficou na história. Vemos isso diariamente, em muitas situações. Deus é posto de lado, negligenciado, esquecido, zombado e quando as coisas vão mal, aparecem as mesmas pessoas fazendo afirmações do tipo: “Se Deus existisse mesmo… se ele ama, por que…. Onde ele estava quando….”

Quando as coisas estão num curso normal, as pessoas afirmam que crêem, mas do jeito delas e Deus está dentro de cada um e por vai aquele monte de baboseiras que ouvimos na mídia e ao vivo constantemente. É só as coisas virarem, que aparecem as acusações e as negativas, porque não creem. Nós, os evangélicos estamos isentos disso? Nem um pouco! E os pastores e líderes? Também não! Que horror!!! Como diz o jargão político que ficou famoso no país: “nunca na história desse país….” tivemos que lidar com tantos casos de suicídio de pastores e obreiros cristãos; nunca tivemos tantos casos de pessoas tidas como boas e exemplares, se revelarem imorais e destruírem seus casamentos e famílias, sendo que haviam pregado a vida toda sobre aquilo. Nunca vimos tantas pessoas com a bíblia debaixo do braço e fracassadas na vida, nos relacionamentos, desiludidas, abandonadas, solitárias, depressivas e desviadas da fé. Tudo começa muito simples e inofensivo, apenas um descuido com a vida devocional, deixa de ir a uma reunião de oração, depois não participa da Ceia; depois fica em casa por cansaço, a Bíblia já está empoeirada sem ser lida; as atividades de trabalho extras, o cuidado com a saúde física exige muita malhação, academia, tempo e dinheiro e o culto à aparência se instala e lo em seguia vem amizades inadequadas, prazeres em lugar de disciplina espiritual…. Eu posso ir apontando aqui os caminhos até onde alguns já estão hoje e continuam achando que está tudo certo e não há nada de errado comigo e com a minha fé! O início do Salmo primeiro, afirma que a pessoa bem-aventurada, ela tem o seu prazer na lei do Senhor e nela medita de dia e de noite. Quando o prazer da pessoa está em qualquer outra coisa, que não seja Deus ou sua palavra, é mal sinal. Qualquer fonte de satisfação que não seja Deus, é propaganda enganosa e aquele vazio interior que se procura tapar, fica cada vez maior e exige cada vez mais investimentos. Só Deus é fonte legítima de satisfação e realização. Qualquer outra fonte é cisterna rota, que não retém água. Quando um cristão está insatisfeito interiormente e sai em busca de satisfação e realização através de meios e mecanismos mundanos, é um erro! No Salmo 73, Asafe deixa claro sua experiência de ficar amargurado e começar e prestar atenção nas pessoas que não tem Deus como centro de suas vidas e elas parecem felizes, realizadas, promissoras e isso se torna muito cativante para um coração inquieto e uma alma sem sossego. Se o mundo oferecesse alguma paz permanente e alguma realização satisfatória, nenhuma viva alma de lá buscaria refúgio em Deus e se converteria. Aliás, nós já estivemos lá e viemos de lá; estávamos perdidos e fomos achados como ovelhas desgarradas. Fome e sede espirituais jamais serão satisfeitas com atividades intelectuais e prazeres recreativos ou pela aquisição de coisas materiais. “Estão chegando os dias”, declara o Senhor, o Soberano,
“em que enviarei fome a toda esta terra; não fome de comida nem sede de água, mas fome e sede de ouvir as palavras do Senhor.” (Am 8.11). Fonte de águas vivas e Manancial ou cavar buracos na areia do deserto? Faça suas apostas!

Pai, obrigado, por ser uma fonte que não se esgota e nos satisfaz plenamente! Jesus é tudo o de que precisamos e na verdade, somos agradecidos por tê-lo em nossas vidas. Foi o maior e o melhor presente que poderias ter feitos por nós e fizestes; obrigado, Senhor! Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Vocação ministerial

Meditação do dia 25/02/2017

 Jr 1.5 “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.

Vocação Ministerial – Sou um vocacionado por Deus para ser ministro do Evangelho de Cristo, descobri isso antes dos vinte anos de idade e com pouco mais de dois anos de convertido. Tive a oportunidade de ser treinado formal e academicamente num ótimo seminário em regime de internato, por quatro anos, com três anos de estudos teóricos e praticas e um exclusivo de prática ministerial. No ministério propriamente dito, iniciei entre os vinte e cinco e vinte e seis anos; lá vão trinta e dois anos na seara do Mestre. Nunca tive dúvidas da minha vocação e resisti bravamente contra as tentações de servir em tempo parcial e fazer carreira profissional paralela. Honrei meu chamado e Deus honrou minha fé e determinação, mesmo em períodos bem difíceis. Sou imensamente agradecido a Igreja Batista Monte das Oliveiras, que me acolheu ainda meio cru e inexperiente, na primeira experiencia “solo” e já estamos chegando nos vinte e seis anos juntos. Ao olhar o início do livro do profeta Jeremias, me deparei com alguns aspectos que desejo compartilhar, são informações simples, mas a simplicidade é normalmente a melhor sofisticação. Quem era Jeremias? Um filho de sacerdote, naturalmente era levita, que haviam radicado residência na tribo de Benjamim, a mesma do rei Saul, da rainha Ester e do apóstolo Paulo. Conforme os caminhos normais da vida, Jeremias viria a ser um sacerdote e servir em alguma das múltiplas funções sacerdotais no ministério de culto à Jeová, o Senhor dos Exércitos. Todos os levitas era preparados e treinados para servirem em funções ministeriais que deveriam assumir aos trinta anos de idade e sairiam ao completarem cinquenta anos. Não entrava antes e não sairiam depois, era determinação divina. Mas ao que tudo indica, antes dessa idade inicial, Deus chamou Jeremias e o direcionou para outra atividade, que não era a sacerdotal, herança de família. Deve ter sido um choque para o jovem que estava seguindo o curso normal de sua vida e tinha uma agenda pronta, estava tudo marcadinho e era só ir “ticando” os itens já superados. Veio a revelação divina com uma explicação: Jeremias, não estou te escolhendo hoje, por observação de seu desempenho em sala de aula, treinamentos ou no seu esforço para superar dificuldades ou tirar boas notas; Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta. Tô de olho em você faz bem mais tempo do que você imagina; você foi separado para uma missão diferente e te dei como profeta para as nações! Uau!!! Ele deve ter tremido nas bases, gelado as mãos, frio na barriga e já estava com os contra argumentos na ponta da língua: Eu não tenho prepara, treinamento para profeta, mas estou em treinamento para sacerdote, e falar, discursar, pregar não é bem minha área forte e me travo todo se for falar em público! Deus não deu moleza ao garoto: Você vai aonde e a quem eu enviar e vai falar o que eu mandar! E aí vem a misericórdia divina, que tira todo peso do ombro dos vocacionados: “Não temas diante deles; porque estou contigo para te livrar, diz o Senhor. E estendeu a mão, e tocou-me na boca; e disse-me o Senhor: Eis que ponho as minhas palavras na tua boca;”  (Jr 1.8,9). Eu acredito que ninguém deveria se meter em ministério para o qual Deus não o chamou e não lhe deu a palavra. Todos devem estar disponíveis para servir e realizar as tarefas do reino, mas onde e como, é escolha e determinação divina. Não é porque alguém sabe pregar muito bem, que deve ser ordena pastor; não por ensinar bem, que deve ser consagrado ou separado; os dons e talentos todos são dados por Deus, mas isso em si não é qualificativo para se tornar ministro e realizar determinadas funções. O desgaste, o cansaço, o estresse e a inadequação minam a vida e a alegria de servir, pois se torna um fardo pesado demais para carregar. Não é culpa do ministério, mas de se estar servindo no lugar e função para a qual Deus não o chamou e não lhe deu a permissão de autenticidade. Vocação é maravilhosa, não é profissão, não é um fardo, desde que tudo esteja dentro da vontade de Deus. Muitos dizem que foram chamados por Deus, mas não sabem explicar para que foram chamados, nem para onde foram chamados e muito menos sabem o que fazer, mas mesmo assim querem ter sucesso e realização! “Quem não sabe para onde vai, não sabe se chegou!”

 

Senhor Deus de graça e misericórdia, diante de ti somos todos incapazes e inexperientes para todo e qualquer serviço no reino. Mas obrigado por colocar em nossos corações a tua confirmação de chamada e do que fazer no tempo útil que nos dá. Obrigado pela ação do Espirito Santo que testifica no coração e autentica a tua vontade em nossas vidas; sou grato pelo Corpo de Cristo que valida e atesta a autenticidade da vocação e facilita o acesso para entrar no ministério. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

O Que Dar a Quem Tem Tudo?

Meditação do dia 24/02/2017    

  Is 66.1 Assim diz o SENHOR: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés; que casa me edificaríeis vós? E qual seria o lugar do meu descanso?

 O que dar a quem tem tudo? – Muitos já passaram por dilemas parecidos, ao ter que presentear alguém bem sucedido e realizado na vida; o que pode ser dado que ele ainda não tenha ou não possa adquirir melhor anda? Que se manifestem a turma do amigo secreto de fim de ano na empresa, quando os donos ou os caciques resolvem entrar na brincadeira. Deus fez tudo o que conhecemos e certamente ainda não conhecemos nem a metade de tudo o que ele criou. Construir um templo, como fizeram os hebreus, nos tempos de Davi e Salomão, por mais suntuoso e belo que seja, ainda está muito aquém daquilo que é a intenção. Para quem criou a terra dentro de um contexto de universo, o que significa uma casa com umas poucas centenas de metros quadrados? Para o pouco que sabemos sobre o céu, onde está o trono de Deus, o que significa uma paisagem decorativa representando o próprio céu, segundo a imaginação de um artista, ainda que seja um Salomão, um Michelângelo, ou Da Vinci? Não bastasse as nossas limitações, o próprio Senhor faz essas considerações e não creio que seja para nos humilhar como humanidade, mas para mostrar uma realidade evidente. Deus não está em busca de algo que ele não tenha, mas sim em busca de um relacionamento de qualidade conosco, a quem ele ama muito e faz questão de investir nesse projeto. Segundo a revelação bíblica, os planos de Deus não podem ser frustrados, Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido (Jó 42.2); sendo assim, a idéia original de comunhão, amizade e sua criação ser para o louvor de sua glória, será alcançado, mais cedo ou mais tarde, em termos humanos, pois para Deus, tempo não é problema. Nós estragamos bem o planeta que recebemos para viver; olhando do espaço ele é lindo, todo azul, uma perfeição; mas quando chegamos mais perto e entramos na atmosfera terrestre, a visão se revela preocupante, pois já entramos por um buraco na camada de Ozônio, que está permitindo irradiação solar acima do recomendado no manual do fabricante. Nossas águas, já estão escassas, poluídas e degradadas ao extremo. Nossas florestas e biodiversidades estão gritando por socorro. Na verdade, isso aqui está precisando de uma reforma geral e Deus já está com o planejamento pronto, tudo será revisado e refeito e os escolhidos dele para a próxima etapa, herdarão uma terra em reconstrução; que maravilha! Agora, tanto Isaías, como Apocalipse mostram Deus falando seriamente de fazer também um novo céu. Além dele estar pretendendo receber visitas lá e revelar a elas como é viver num lugar verdadeiramente bonito, perfeito, bem governado e sem marcas de corrupções, um lugar que vale o nome de “Céu – Paraíso – Lar eterno.” Diante disso tudo que está nos aguardando logo ali depois da esquina do arrebatamento, o que mais e melhor podemos dar ou oferecer a Deus, certamente não é coisas, prédios, programas, métodos e fórmulas; mas a nós mesmos, integralmente, sermos o presente e o mimo que alegrará o coração dele. Praticamente tudo o que podemos fazer, alguém pode fazer melhor do que nós, mas o que somos, só Deus pode fazer e ele escolheu não repetir exemplares, portanto, cada um é único, até para ele. O novo nascimento, digamos, nos torna peças da coleção de Deus, todas originais, únicas e inigualáveis, com uma coisa em comum: Todas foram restauradas, sem exceção!

Senhor meu Deus, que privilégio pertencer a ti e ser parte da tua família pela redenção que há em Cristo Jesus. Sou exclusivo, criado para tua glória e me perdi no pecado, mas fui encontrado e restaurado completamente por obra e graça de Cristo e trabalho pelas tuas mãos habilidosas. Obrigado, Espírito Santo por me convencer do meu inestimável valor aos olhos do Pai. Obrigado Senhor Jesus, por pagar um preço tão alto para me ter de volta. Graças, graças, Senhor! Amém!

Pr Jason

Vida Plena

Meditação do dia 23/02/2017    

  Is 65.22 Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus eleitos gozarão das obras das suas mãos.

 Vida Plena – Sem as devidas preocupações teológicas e suas correntes sobre isso e aquilo, o futuro apontado nas profecias bíblicas é de fato alvissareiras. Sou grato a Deus pela vida eterna em Cristo Jesus e sei que a vida abundante prometida nos evangelhos é uma realidade para ser experimentada no dia a dia em nossas vidas. A plenitude do Espírito Santo é essencial para vivermos todo o propósito divino e realizar nosso papel no ministério e no tempo que o Senhor nos deu aqui na terra e em nosso espaço na igreja local. Tudo isso é a mais pura verdade e é prazeroso fazer parte disso. Hoje contudo, quero desfrutar do prazer de meditar num texto que aborda um futuro nosso e do povo de Deus, que é por demais empolgante por isso mesmo dei o título de “Vida Plena” a este texto. Hoje, digamos, que a morte é uma grande “desmancha prazer” que está sempre interrompendo alguma coisa, que gostaríamos de ver um pouco mais. Estou falando isso num tom devocional, pois considero que Deus em sua sabedoria faz tudo o que lhe apraz e não há espaço para contestação; posso não entender, mas posso confiar que o melhor está sendo feito ou permitido. Já que ninguém nasce nesse mundo com uma etiqueta com prazo de validade e a premissa maior é que a vida está à disposição do Criador. Como cristãos, entregamos nossas vidas a Ele, com todos os direitos; Ele é Senhor de tudo e de todos e livremente fizemos essa entrega e consagração, sendo assim, a morte física para nós é uma promoção ao lar celestial e estar com quem amamos e a quem servimos e ponto! O texto de Isaías aponta para um tempo, em que o povo de Deus, viverá plenamente a vida, quer espiritual, quer física e social. Teremos espaço suficiente para ver as coisas acontecerem, como construir a casa dos sonhos e viver nela, sem a preocupação com o financiamento ou o credor vir despejar, ou termos que mudar para uma mais adaptável ao atual orçamento. Poderemos plantar e colher os frutos do nosso trabalho. No tempo do profeta não havia os serviços da genética modificada, que abrevia o tempo de produção de uma árvore e algumas delas, demoravam bastante, como a Tamareira, como a nossa Jabuticabeira, como algumas madeiras nobres, que levam anos para estar em condições úteis. Hoje, até brincamos, que quando a vida tá ficando legal, acertamos os valores melhores, corrigimos falhas, adquirimos sabedoria e experiência, já chegamos no final do percurso. Mas haverá o tempo em que o foi idealizado originalmente por Deus e o pecado interrompeu e forçou modificações, voltará ao curso original. Que venha os bons tempos!

Obrigado, Senhor pelo dom da vida e pelo privilégio de viver um dia de cada vez e quantos forem, sou grato por eles e o desejo do meu coração é torna-los úteis e abençoadores no trajeto que foi dado a mim. O futuro, será bênção, porque no presente, o Senhor está no controle e com direção plena da minha vida. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Condição Humana

Meditação do dia 22/02/2017    

  Is 64.16 Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam.

A condição humana – Ouvi certa vez um orador que falava sobre o valor de uma pessoa. Ele citou entre os métodos de avaliação, a comparação. Então ele fez uso de uma ilustração pessoal, para exemplificar melhor. Ele encontrara numa revista, um teste que avaliava “Q.I.” – Fez e teste e pelo gabarito ele era muito inteligente e ele se sentiu um gênio. Dias depois ele encontrou o mesmo teste no jornal que recebia em casa e pediu que sua esposa o fizesse, e ela se saiu melhor que ele; que ficou com uma pontada de frustração, pois não era mais tão inteligente como pensara. Na tarde daquele mesmo dia, quando o filho mais novo chegou em casa, ele apresentou-lhe o teste e o jovem fez e era ainda melhor que os dois; Ele diz que ficou tão frustrado, porque há poucos dias ele se achava um gênio e agora comprovadamente era o menos inteligente da casa. A questão era, a comparação; dependendo de com quem nos comparamos, podemos subir muito o nosso valor ou nos rebaixarmos, sem que nenhuma delas sejam de fato a verdade. O que Isaías apresenta aqui, é o resultado de uma visão do que o homem é em sua finitude limitada e incapacidade de manter-se puro, limpo e santo, sem uma graça especial que precisa vir de fora dele. Comparativamente, colocando-se lado a lado, Deus e o homem, a diferença é gritante, humilhante. Deus é santo por natureza, perfeito, completo sem nenhum traço de carência ou necessidade. Deus se basta a si mesmo. Ele não é e nem fica mais completo, mais perfeito, mais feliz ou mais realizado, com isso ou aquilo, com nossa amizade, culto ou devoção. Deus é Deus, e pronto! Todo e qualquer traço de bondade, utilidade que se encontre no homem, foi lhe dado por Deus. Até a própria vida e fôlego. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação (Tg 1.17). Acho incrível uma expressão encontrada nos evangelhos: João respondeu, e disse: O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for dada do céu (Jo 3.27). Precisamos nos ver desse ponto de vista para que possamos valorizar a obra da salvação que Cristo realizou e não permitir que a soberba e a arrogância domine nossas vidas, nos gloriando em grandes coisas como se tivéssemos em nós mesmos uma fonte de vida espiritual e boas virtudes. Mas também precisamos nos ver do ponto de vista de Deus, que nos vê em Cristo, como criaturas redimidas, lavadas e purificadas, e nele aperfeiçoados, aceitos e acolhidos na família, legitimamente herdeiros de Deus e coerdeiros com Cristo. Posicionalmente, estamos em Cristo, em posição de vitória e autoridade sobre o pecado e todas as forças do mal. Deus nos vê assim, eleitos e justificados pela fé na obra de Cristo. Precisamos nos ver assim, para dependermos inteiramente da graça de Deus e vivermos em vitória e andar de modo digno da vocação com a qual fomos chamados. Desse modo, somos vasos de barro, contendo um tesouro muito valioso, mas só o conteúdo é valioso, o vaso continua de barro. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós (2 Co 4.7). Amém!?

Senhor, obrigado por nos aceitar em tua família e completar tudo aquilo que falta em nós, para podermos nos apresentar santos e justos diante de ti, por tua graça e misericórdia. Reconhecemos o que somos por nós mesmos, e agradecemos pelo nos tornamos em Cristo Jesus. O teu amor faz toda a diferença em nos e para nós. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Vivendo Uma Aliança

Meditação do dia 21/02/2017    

  Is 63.16 Mas tu és nosso Pai, ainda que Abraão não nos conhece, e Israel não nos reconhece; tu, ó Senhor, és nosso Pai; nosso Redentor desde a antiguidade é o teu nome.

 Vivendo uma aliança – Conversei essa semana com uma nova, que ainda podemos dizer que é “nova convertida” ao Evangelho. O que me interessou tanto na conversa, foi ver o entendimento dessa pessoa sobre a graça de Cristo oferecida no Evangelho, e como ela estava experimentando isso de uma forma tão real e cativante. Ela entendeu bem cedo o significado do perdão, da aceitação divina, da vida vitoriosa sobre o pecado e o privilégio de servir a Deus como estilo de vida. Incrível, ela não via traços de religião e nem de “obrigações” da difícil caminhada cristã. Não é para menos que fiquei muito fascinado e a incentivei a continuar a crescer e desfrutar desse relacionamento. Como é gostoso quando se descobre isso muito cedo na experiência cristã; falo isso, porque vivi sob jugo de legalismo, imposição de regras e mais regras e a vida cristão tinha mais “não pode, não deve, crente não faz, não vai,” do que pontos positivos, pois a única alternativa construtiva que mostravam era: “Um dia a gente chega no céu e aí a gente descansa…” Conhecer a graça de Cristo, aprender a viver dentro da aliança com Deus, foi sem dúvida uma descoberta libertadora para mim. Lendo esse capítulo hoje, me deparei com esse versículo que parece uma ilhota de entendimento da graça de Deus, bem no meio daquele mar de leis e regras que os religiosos hebreus punham sobre a vida dos adoradores e servos de Deus. O próprio Senhor Jesus, que viveu naquela época e fez a transição para a verdadeira graça do reino de Deus, falou sobre o peso imposto pela religião: “Dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem; Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com seu dedo querem movê-los (Mt 23.2-4). O profeta transcreve uma observação da compreensão da vida em aliança, que tecnicamente foi feita com Abraão e ratificada com os demais patriarcas e confirma em Escrituras na Aliança com o povo no tempo de Moisés e a peregrinação até a Terra Prometida. Veja que no texto, a pessoa recorre ao valor e benefício da aliança, até anterior a Abrão, o primeiro progenitor da dinastia e mesmo Israel, que é a raiz da Nação. Isso equivale a entender que os planos e propósitos divinos ultrapassam a barreira dos homens e do tempo, pois sua verdadeira origem é na eternidade, no coração de Deus. Eu nasci na segunda metade do século XX, no Brasil, que historicamente foi descoberto em 1500, pelos lusos. Mas a Palavra de Deus afirma e dá razões para crer que Deus planejou a minha vida e faço parte de um projeto muito anterior a essas datas, lugares, pessoas e circunstancias. Nem eu e nem você somos obra do acaso ou acidente de percurso. Ainda que alguém não me conheça ou reconheça, Deus me ama, se importa e faço parte do sei propósito. Isso significa muito e me tira de entrar em crise, por alguma rejeição, incompreensão ou adversidade. Eu amo viver a aliança que Deus fez comigo e tem Cristo como o garantidor dessa aliança.

Senhor, graças damos pela nova vida em Cristo e que alcancei pela graça através da fé e não veio de mim mesmo e nem dos meus esforços. Sou grato pelo perdão dos meus pecados e saber que sou justificado, santificado e aceto por ti, faz muita diferença e abençoa a minha vida. Verdadeiramente, nada e ninguém pode me separar do teu amor, e o pecado já foi vencido e levado pela redenção em Cristo. Vivo um dia de cada vez, uma vitória após outra, até o dia final. Em nome de Jesus Cristo, amém.

Pr Jason

Por Falar Em Amor

Meditação do dia 20/02/2017    

 Is 62.5 Porque, como o jovem se casa com a virgem, assim teus filhos se casarão contigo; e como o noivo se alegra da noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus.

 Por falar em amor – Hoje poderíamos desenvolver diversos temas, com base nas palavras do verso escolhido, sobre o amor, sobre amor familiar, sobre namoro, noivado, casamento, amor à pátria e outras sugestões ainda seriam possíveis. Mas vamos pensar no modo como Deus ama e como ele expressa sua afeição pelo seu povo como nação, ao mesmo tempo que não tira os olhos do indivíduo. Jerusalém, recebe uma afeição muito especial de Deus, e acredito que só na eternidade, nós, os mortais ocidentais entenderemos isso plenamente. Mas não é só amor pela cidade, assim como gostamos de certos lugares, onde nascemos, onde crescemos ou algum lugar que se tornou importante e marcante em nossa vida e adotamos como nossa. A Terra Santa tem essa atenção divina e exerce essa influencia na história do povo hebreu, nos povos antigos, e não só neles, mas ela é o local de atenção de muito coisa ao mesmo tempo. As principais correntes religiosas se apegam a ela, o Cristianismo, o Judaísmo e o Islamismo, reivindicam te-la como lugar sagrado. Peregrinos do mundo todo vão anualmente para lá e não se ouve dizer que alguém se decepcionou. Aqui Deus usa linguagem muito familiar aos humanos, a linguagem do amor entre pessoas, como dos jovens apaixonados e que não abrem mão casamento. A felicidade entre os noivos seria também a forma como as pessoas deveriam amar sua terra e se apegar a ela, exatamente como Deus a ama e cuida dela. Conhecendo o caráter e o coração de Deus, sabemos que ele ama todos os povos indistintamente e onde as pessoas o buscam e se devotam a uma vida que o agrada, ele se faz presente e abençoa grandemente. Quando leio aquelas palavras que o Senhor disse a Salomão, que E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra (2 Cr 7.14). A responsabilidade pela bênção e cura da terra, passa pela conversão e abandono dos maus caminhos. Acredito que isso é só pode acontecer quando essas pessoas amam verdadeiramente a sua terra. Ninguém ama mais o Brasil, do nós os brasileiros, então ninguém deve ter maior interesse em ver essa nação curvada os pés de Deus e com atitudes de nação temente ao Senhor. Isso começa comigo, contigo, com os irmãos, as igrejas e não só falando, mas agindo como acreditamos que sejam as promessas de Deus. Nossas igrejas e ministros devem ser espelhos dessa graça, pois um dia faremos parte de um exército muito maior e muito mais comprometido com o eterno, o sagrado. Ame sua cidade, sua terra, sua nação, ore por ela.

 

Senhor, bem aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor! Para isso, nós precisamos ser o seu povo especial zeloso e de boas obras, comprometidos com a justiça e a verdade. Ilumina-nos e permita que vivamos a nossa fé, e com ela, abençoemos a nossa nação. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Ministério de Cristo

Meditação do dia 18/02/2017    

 Is 61.1 O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;

 O Ministério de Cristo – O ministério terreno de Cristo foi marcante, tal descrito em todas as profecias e certamente mais relevante do que qualquer pretensão humana. Um dos seus marcos foi exatamente quando ele na sinagoga na cidade de Nazaré, onde crescera e fora criado, foi convidado para ler as Escrituras na reunião pública e lhe foi dado o rolo do livro do profeta Isaías, e foi esse texto que ele leu e disse que aquilo estava se cumprindo naquele exato momento. Muitos duvidaram, ficaram zangados e houve as mais variadas reações. Hoje, podemos ver o quadro na sua inteireza e desfrutar não só da beleza dele, mas da verdade revelada. Mas hoje, quero pensar com vocês, sobre esse ministério de Cristo, sobre essa unção e até onde se estende a autoridade e a competência que o Espírito Santo deu a Cristo, o Messias e como isso foi impactante naqueles dias e como isso continua ativo e transformador ainda hoje, através da igreja. Jesus fez tudo o veio para fazer, realizou milagres, curas, libertações e provisões além de ensinar a verdade das Escrituras, revelar Deus como nunca havia sido dado aos homens e manifestar a presença real do Espírito Santo na vida das pessoas, que na Nova Aliança, seriam os templos, os santuários da morada de Deus. Toda a obra de Deus, relativa a redenção da humanidade e todo o contexto envolvido, foi plenamente consumado por Cristo na cruz e nos atos subsequentes, com a ressurreição, aparição e ascensão aos céus e a vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes, para estar conosco até o resgate da igreja no arrebatamento. Antes de partir, Cristo delegou uma comissão aos seus discípulos, uma grande comissão, que abrangeria toda a proclamação do Evangelho, estruturação da igreja de Cristo e o discipulado de todas as nações, ensinando tudo o que ele havia ordenado e ensinado. Pois bem, somos então os herdeiros dessa comissão, e porque não, também desse poder e unção do Espírito de Deus, para como corpo de Cristo, continuando a fazer o ministério que ele iniciou e delegou aos seus seguidores, também pregar boas novas aos mansos;Igualmente restaurar os contritos de coração; com entusiasmo proclamar liberdade aos cativos; e com autoridade abertura de prisão aos presos e ainda continuamente desenvolver todas as responsabilidades ministeriais que Jesus, o redentor veio fazer inicialmente na  sua encarnação e no tempo presente através do Cristo encarnado em cada um dos seus discípulos, como corpo místico. Ainda tem muita coisa a fazer e muito poder disponível para capacitar cada obreiro. A apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do Senhor, para que ele seja glorificado. (Is 61.2,3). Quem nos chamou também é o mesmo que iniciou e tem poder para nos acompanhar. Isso tudo é o ministério da igreja, meu, seu, nosso, até que o nosso Senhor volte.

Senhor, eis nos aqui, para realizar a obra que nos destinastes. Não pelo nosso poder, conhecimento ou capacidade, mas por tua graça e misericórdia. Assim como alguém abençoou minha vida compartilhando as boas novas de Cristo, agora é a minha vez e o mesmo poder que me convenceu ainda está disponível para transformar palavras em mensagens ardentes e poderosas em Deus. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason