Sinais e Evidencias

Meditação do dia: 11/01/2022

“E disse: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte.” (Êx 3.12)

Sinais e Evidencias – Os sinais se tornaram parte importante do relacionamento do povo de Deus, como confirmação, garantia, prova e outras possibilidades mais. Do lado divino, ele é fiel e correto quando empenha sua palavra ou faz uma promessa. A questão toda está do lado humano, que devido a sua fragilidade, se faz necessário dar garantias e ou exigir tais garantias, até mesmo de Deus. Em muitas situações, como essa de Moisés aqui, foi o próprio Senhor Deus que deu voluntariamente sua palavra de garantia, confirmando a vocação de Moisés e o êxito de seu trabalho. Encontramos evidencias disso por toda a Escritura e sendo assim, não há porque duvidar de que o Senhor não se irrita ou menospreza a fé de quem pede alguma garantia ou sinal. É certo que o justo vive da fé, e sabemos que podemos ir crescendo e desenvolvendo nossas aptidões, à medida que caminhamos com Deus. E dito nas Escrituras nada é dito de uma vez e nem de uma vez por todas; a revelação é sempre progressiva, acompanhado também a capacidade humana de absorção de experiencias. Deus se basta a si mesmo, ou seja, ele é completamente pleno em si mesmo, não lhe falta nada, não precisa de mais nada para se realizar, satisfazer em alguma coisa, pois Deus tem tem necessidades. “Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas” (At 17.25). A maior e mais compreensiva expressão da devoção humana é amar a Deus e servi-lo com devoção voluntária, se permitindo agrada-lo plenamente. Serviço, fazer coisas para Deus não é uma grande expressão de amor, pois é resultado de alguma forma de nossas capacidades e tudo o que temos, já veio dele. Por isso somos tão instigados a fazer coisas para Deus, fazer, fazer e fazer… Isso precisa ser fruto e não obras, é resposta de amor e contemplação.

Quero agradecer a Deus e aos amados irmãos pela paciência, nesses dias iniciais de Janeiro, no último dia dez, testamos positivos para Covid, a Tania e eu e nem pudemos viajar como programado no dia onze. Fiquei incapaz de concentrar e escrever as meditações e só hoje estou recomeçando, ainda muito lentamente, mas já é um motivo de gratidão poder fazer alguma coisa. Deus abençoe a todos e obrigado pelas orações.

Senhor, obrigado pela vida e pelas oportunidades de viver na tua presença e para a tua glória. Em nome de Jesus, amém.

P Jason

Presença Confirmada

Meditação do dia: 10/01/2022

“E disse: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte.” (Êx 3.12)

Presença Confirmada – Voltar ao Egito!!! Conversar e negociar uma libertação dos hebreus com Faraó!!! Convencer os próprios hebreus que seria ele o libertador!!! Guiar uma multidão por um deserto até chegar à Canaã!!! Esses seriam apenas as vias simples de operações muito mais complexas dessa grande missão. Podemos nos identificar com Moisés é também concluirmos que seria uma tarefa muito grande, de muita responsabilidade e inúmeros obstáculos a serem superados. Sem contar os imprevistos, que sempre aparecem. É muito provável que a maioria de nós concordemos que é uma bênção o fato de Deus não nos contar ou mostrar a jornada inteira antecipadamente. Primeiro, porque seria satisfazer uma mera curiosidade pessoal, sem muita utilidade prática; segundo, porque o futuro insiste em permanecer no futuro e só se revela pouco a pouco e imediatamente se transforma de presente em passado e já era, já se foi, virou história. Também, há variáveis que não estão sob nosso controle para contorna-los e isso poderia complicar ainda mais as decisões. A melhor alternativa seria e é, deixar nas mãos de Deus, que pode muito bem lidar com tudo isso sem alterar seus planos. O mais significativo de tudo isso é a confirmação do próprio Senhor Deus, que se faria presente o tempo todo e estaria com Moisés, estará conosco e sabemos que essa presença fez, faz e sempre fará toda a diferença. As experiencias individuais ou coletivas de olvidar-se da presença divina, não foram boas as lembranças que ficaram. Caim e posteriormente sua descendência que escolheram se desenvolver riscando Deus de suas vidas, não deu e boas coisas. A sociedade antediluviana, fizeram escolhas nas quais não cabiam o temor e nem a presença de Deus e com perdão do trocadilho, se afogaram definitivamente. O mesmo se diz da sociedade pós-diluviana, mais especificamente no episódio da Torre de Babel deu tudo em confusão. O próprio Israel nos tempos dos juízes e de Elias e no cativeiro babilônico… exemplos nunca faltaram e podemos aprender com eles. Deus disse a Moisés que sua presença iria com ele e poderia confirmar isso com uma antecipação, que eles passariam por aquele Monte e ali serviriam a Deus. Quando Jesus falou sobre a grande comissão, que é a grande tarefa da Nova Aliança, também afirmou e garantiu a sua presença conosco. “Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” (Mt 28.20). Na prática, a tarefa ainda continua grande, maior do que a nossa capacidade, maior que as nossas habilidades e então o segredo é manter o nosso olhar focado nas mãos poderosas do Senhor nosso Deus e na sua face bondosa. Trabalharmos em comunhão e parceria com ele e uns com os outros, em unidade e cooperação. Como no episódio da sarça ardente, não seremos nós que sustentaremos a chama do poder e da graça de Deus, mas o próprio Senhor é que sustenta a nós e a sua obra. Sua presença está confirmada conosco do começo ao fim.

Obrigado Senhor, por tua imensa bondade e misericórdia para conosco, todos os dias de nossas vidas. Reconhecemos a tua presença como essencial para o sucesso na missão de salvar vidas e abençoar pessoas. Pedimos ajuda ao Espírito Santo para nos capacitar com sensibilidade e discernimento da tua presença e assim cooperarmos com Deus e com os irmãos que estão também empenhados no servir e glorificar ao Deus Todo-Poderoso. Em nome de Jesus, oramos com gratidão, amém.

Pr Jason

Falando Com Deus

Meditação do dia: 09/01/2022

“Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?” (Êx 3.11)

Falando Com Deus – A oração é um diálogo com Deus. Deve ser diálogo, as duas partes devem se comunicar. Também é importante que a oração aconteça num ambiente de fé, senão será um mero exercício de religiosidade e obrigação mística. Temos defendido nessas meditações ao longo dos dias que escrevemos, que a vida cristã não é religião e sim um relacionamento com Deus. Adão falava com Deus antes da queda e depois também, embora o distanciamento foi se tornando gradativo e com as gerações se sucedendo, a comunhão foi se tornando mais esparsa a cada tempo. Enos iniciou a adoração pública e a invocação a Deus, e isso nos permite deduzir intimidade no relacionamento. Enoque foi um homem notável e andou com Deus e agradou a Ele de tal forma que o levou para si. Noé teve bom relacionamento com Deus e ouviu as instruções com precisão e foi obediente em tudo até concluir seu trabalho. Abraão foi chamado e conhecido como amigo de Deus, cresceu muito na sua intimidade com a sua fé herdou promessas grandes e maravilhosas. Podemos repetir a lista com Isaque, Jacó, José, e até chegarmos na igreja na Nova Aliança e aos dias atuais. A minha idéia na condução da linha de pensamento hoje, está num tipo de relacionamento de comunhão e aproximação de Deus, onde “falar com Deus” venha a significar até um pouco mais do que “oração.” Ao perceber a dificuldade, Moisés falou com Deus sobre suas limitações e incapacidades. Isso difere do viés religioso clichê, onde a praxe é falar com muita gente, de muitos modos, menos com Deus. Sem querer criticar, mas já criticando, as chamadas mídias e redes sociais se tornaram o fórum onde as pessoas entram para desabafar suas frustrações e expor suas mágoas e fazer reivindicações. Nada contra as redes sociais, são instrumentos com relevância, mas elas não podem produzir paz e conforto espiritual para uma alma angustiada e alquebradas sob o peso de uma responsabilidade vocacional. No nosso treinamento teológico e ministerial, fomos desafiados a viver pela fé sem contrair dívidas e contar nossas necessidades apenas para Deus em oração; me lembro muito dos sufocos e apertos, mas também da alegria de ver a provisão divina chegando precisa e na quantia certa por caminhos que só a graça do Senhor para produzir. Isso me acompanha pelos caminhos do ministério e sou muito grato àquele treinamento e a desafio de confiar naquele que nos chama. Grandes homens da história da igreja sempre foram adeptos dessa prática, de só falar com Deus sobre suas necessidades e Deus nunca falhou com nenhum deles. Não falhará contigo e nem comigo.

Obrigado, Senhor por estar sempre atento às orações dos seus filhos e por se importar com aquilo que nos afeta. Podemos contar ao Senhor as nossas dores, nossas dúvidas e chorar diante de ti, certos de que estamos no lugar certo e na pessoa certa. Somos gratos por termos um Deus grande e poderoso que pode todas as coisas e conhece tudo a nosso respeito. O Senhor nos ama e nos acolhe em Cristo, suprindo com abundancia todas as nossas necessidades, sempre e obrigado por isso. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Tamanho da Tarefa

Meditação do dia: 08/01/2022

“Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?” (Êx 3.11)

O Tamanho da Tarefa – Nossa fé nos leva a confiar plenamente que o Deus a quem servimos é grande, poderoso, aliás, Todo-Poderoso, infinitamente sábio e não conhece limites, Ele é simplesmente Deus. Sua perfeição se estende por tudo que é aspecto que possamos imaginar e outro tanto que não é possível mensurar humanamente. Podemos nos contentar pela fé com o já revelado a nós, como expressado por Ele. “Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam” (1 Co 2.9). também aprecio a citação de Dt 29.29 que diz: “As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei. Com isso em mente, podemos estar certos de que tudo que Deus faz é grande, em tamanho, importância, usabilidade, poder e glória; uma coisa ou outra ou todas juntas. É de se esperar que as tarefas e missões dadas por Deus são equivalentes aos seus atos e nunca serão pequenas. Cabe aqui, a reflexão sobre o ponto de vista e o exercício da fé de cada pessoa, pois isso é refletido pela intimidade e comunhão com o Senhor. Quero dizer, que podemos ver as tarefas como grandes demais para conseguirmos realiza-las, porque reconhecemos nossa pequenez e fragilidade; mas também podemos ver como será glorioso o mover de Deus ao nos ajudar a realizar a tarefa, porque já conhecemos o seu caráter e sabemos que Deus não nos dá ordens absurdas e nem impossíveis de serem realizadas. Ninguém é salvo ou chamado para fracassar no e ficar no meio do caminho. Até Balaão, um profeta de caráter duvidoso, compreendeu esse princípio: “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?” (Nm 23.19). Na minha singela compreensão, aprender a lição da sarça que arde e não se consome é muito útil na vida prática nossa, pois quem sustenta a chama é Deus e não a sarça, sendo assim então, qualquer arbusto serve. É Deus quem chamou? É dele a ordem e a missão? Então abra o coração, descanse sua alma e comtemple o agir do Senhor. Pouco tempo depois, Moisés estava dizendo ao povo: Moisés, porém, disse ao povo: Não temais; estai quietos, e vede o livramento do Senhor, que hoje vos fará; porque aos egípcios, que hoje vistes, nunca mais os tornareis a ver. O Senhor pelejará por vós, e vós vos calareis (Ex 14.13,14). O rei Josafá, muitos anos depois também teve a sua experiencia: “Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados, e vede a salvação do Senhor para convosco, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o Senhor será convosco” (2 Cr 20.17).  Nossa lição de hoje é compreender e aceitar que a obra de Deus, é de Deus mesmo, é grande e além da nossa compreensão, mas não além da nossa fé e obediência. Ou cremos e assumimos, ou descremos e fracassamos por antecipação.

Senhor, Todo-Poderoso e ao mesmo tempo, meu Pai! Graças te dou, por saber muito mais quem o Senhor é, do que propriamente eu sou. Posso concordar com Paulo que disse que podemos todas as coisas naquele que nos fortalece. Somos privilegiados de sermos chamados para participar de um projeto tão grande,  além da nossa capacidade de compreender, mas não além da nossa capacidade de crer e confiar na manifestação do teu poder e graça. Eis-nos aqui, hoje e todos os dias, para servir e glorificar a ti com a nossa vida. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Quem Sou Eu?

Meditação do dia: 07/01/2022

“Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?” (Êx 3.11)

Quem Sou Eu? – Não é crise de identidade, nem tampouco delírio, mas uma reação que podemos ver de diversos ângulos, e precisamos ser generosos e compreensivos com Moisés, porque de certa forma, todos nós num momento ou outro nos deparamos com a mesma situação. Olhar Moisés ali, com a cabeça que temos hoje, com a luz que temos em termos de conhecimento espiritual e o apoio da história e das Escrituras que estão à nossa disposição a milhares de anos, seria fácil criticar ou dizer que faltava fé. Há uma enorme diferença entre o conhecimento intelectual ou histórico que uma pessoa tenha de Deus e das verdades do mundo espiritual, e a uma experiencia pessoal marcante e transformadora. Nada substitui uma experiencia! Do lado da visão que Moisés teve, levamos em consideração que estar face a face com o Senhor, como ele estava ali, talvez a primeira grande experiencia, não só o deixaria extasiado, à ponto de dizer coisas um tanto desconexas, ou mesmo travar, como comumente falamos. Isso aconteceu com os apóstolos diante da transfiguração de Cristo lá no monte. “E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos, um para ti, um para Moisés, e um para Elias” (Mt 17.4). Por outro lado, não há como ficar indiferente diante da presença de Deus, e uma dessas manifestações é a visão real que a pessoa passa a ter de si mesmo diante da presença santa e poderosa de Deus; uma das mais conhecidas experiencias nesse sentido é a do profeta Isaías. “Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos” (Is 6.5). É maravilhoso, mas é espantoso e aterrador, o mortal, finito, falho, diante da divindade única e verdadeira, o Todo-Poderoso, isso é marcante e determinante na vida de qualquer mortal. Entendemos que Deus não se revela à qualquer um ou por qualquer motivo, mas isto está sempre associado a propósitos grandes, eternos e que justifica uma teofania. Do lado humano, vem sim, a visão da fraqueza e incapacidade de assumir tamanha responsabilidade para a qual Deus o está chamando. Não querendo ser profano, mas é uma verdade que grandes homens e sábios são sempre cheios de dúvidas, enquanto os tolos e medíocres são cheios de certeza.

Pai, obrigado por chamar homens para fazer o teu trabalho, e o Senhor sempre capacita e ampara a cada um que se dispõe a servir e se dedicar a uma causa na qual o Senhor também está comprometido. Pedimos perdão, pois nem sempre temos a noção precisa de quem realmente somos, até que te hajas revelado a nós; é diante da tua presença que conseguimos nos ver como realmente somos e que mesmo em nossa pequenez, podemos ser úteis e instrumentos em tuas poderosas mãos. Reconhecemos que sempre será o Senhor que sustentará a chama que arde em nós. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Enviado Por Deus

Meditação do dia: 06/01/2022

“Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito.” (Êx 3.9)

Enviado Por Deus – O irmão Enéas era uma figura agradável de se conviver e um homem experimentado na vida, pessoas simples criada no campo e quando o conheci seus filhos eram ainda jovens e adolescentes, todos muito alegres e hospitaleiros, moravam na pequena Aimorés, em Minas Gerais, nas margens do Rio Doce, divisa com o Estado do Espírito Santo. Eu era um jovem recém ordenado ao ministério e fui ali para servir naquela igreja cobrindo uma licença médica do pastor. Um dia ele me perguntou na linguagem do homem da roça: “Pastor, o senhor acredita que há pessoas que ouviram um assobio e não um chamado para o ministério?” Primeiro achei engraçado a linguagem e depois admirei a sabedoria e a percepção por trás daquelas palavras. Vendo esse tema pelo prisma bíblico, não é de se duvidar que pessoas se prontifiquem a fazerem coisas por muitas razões e algumas nem são tão nobres e piedosas. Jesus também deparou com isso nos seus dias de ministério terreno. Lucas registrou o que tres pessoas ao interagirem com o mestre, dois se ofereceram para servi-lo e um foi chamado por ele para se dedicar ao Reino de Deus. As respostas de Jesus a eles nos ensinam muito. Ao primeiro: “E disse-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça. Ao segundo: Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus. Ao terceiro: E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus” (Lc 9.58,60,62). Uns querem se engajar por conveniência, outros por status e outros quando for favorável todas as condições ao seu redor. É bom quando se entende que as posições, funções e responsabilidades no Reino de Deus não são para dar autoridade, prestígio e poder; o ministério é para servir! Todos somos servos de Deus e de Cristo. Fomos comprados e libertados do império das trevas que nos mantinham cativos e à caminho da morte. “Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” (Ef 2.5,6). Também é bom entender que Deus não nos reduziu a condição de escravos ou servos, pois sabemos que fomos comprados e adotados como filhos, tornando herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, segundo ensinado em Rm 8. Nossa condição de servos é escolha nossa, por resposta de gratidão ao amor de Deus demonstrado por nós. “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça” (Rm 6.16-18). Moisés foi enviado por Deus à Faraó, ele foi chamado, treinado, capacitado e no momento certo ele foi enviado. Pode haver variações desse modelo, mas o padrão é esse mesmo. Há espaço para todos servirem e há até mais trabalho do que servidores.

Pai, obrigado por chamar e preparar os teus filhos para servirem nas lidas do Reino que é de todos nós, pois o herdamos em Cristo pela redenção. Graças podemos dar pelo privilégio de servir e assim abençoar outros no Corpo de Cristo, que é a igreja. Nos colocamos à disposição para sermos instrumentos de acolher e suprir as necessidades dos demais participantes da vocação celestial. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Vem Agora

Meditação do dia: 05/01/2022

“Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito.” (Êx 3.9)

Vem Agora – por estarmos falando da vocação de Moisés para libertar os israelitas da escravidão no Egito, temos muitas oportunidades de discorrermos sobre consagração pessoal e dedicação à Deus e a ministério. É muito importante, para qualquer um dos leitores dessas meditações que procurem ver nos ensinamentos bíblicos uma referencia para as suas vidas como um todo e não apenas no que tange à chamado e ministério. A nossa vida como um todo é e deve ser dedicada ao Senhor nosso Deus e tudo o que fazemos deve glorifica-lo; mas servir a Deus não é apenas para quem vai dar tempo integral no serviço. O trabalho de Moisés até então era apascentar as ovelhas da família de Jetro, seu sogro; mas agora ele teria que passar esse trabalho para outra pessoa para se dedicar especificamente ao seu chamado maior. Há coisas que outras pessoas podem fazer e devem ser treinadas e preparadas para assumirem essas tarefas, porque há serviços muito específicos que só uns poucos podem executá-las e então eles precisam se dedicarem aquilo que realmente faz a diferença. Como exemplo, posso mostrar que muitas pessoas numa igreja podem pregar a Palavra de Deus e ministrar até nos cultos dominicais ou principais, mas pregar não é apascentar ou pastorear, para isso é necessário uma vocação, uma dedicação e um reconhecimento e separação da pessoa para aquilo. Muitas pessoas misturam as bolas com os quadrados e isso não dá certo – porque alguém sabe pregar muito bem, ou ensinar maravilhosamente bem e as pessoas são abençoadas com seus ministérios, que deva atropelar as etapas e se tornarem pastores as vezes até por conta própria. Isso é um erro! Ou a pessoa é excelente como cooperador ou auxiliar pastoral, mas deixa a vaidade subir na cabeça e quer sentar no trono e em tantos casos, não tem sucesso e passa a sofrer muito desgaste nos relacionamentos e aquilo que era uma alegria se torna um fardo muito pesado de se carregar. Deus chamou Moisés para libertar os hebreus, e estando dialogando face a face ali no Monte Horebe, na sarça em chamas, o Senhor explica a situação e em seguida diz: “Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó…” Esse “vem agora,” se trata da essência do chamado; somos chamados primeiramente para nos dedicar ao Senhor e ele então designa como, onde e por quanto tempo e define o que devemos fazer. Saber quem chamou e estar certo de que ouviu direito e respondeu adequadamente, ajuda muito para enfrentar os momentos difíceis que certamente virão. Pense no seu caso pessoal: Qual é sua vocação e para quê? Que tipo de preparo se faz necessário? Edificar ou construir um ministério ou carreira ministerial é bem semelhante a edificar uma casa ou edifício. O tipo de base, ou alicerce determina o tipo, o tamanho e a durabilidade do que se constrói. Se construir maior que o alicerce suporta, é tragédia anunciada, não importa as boas intenções. O “vem agora,” também fala de manter-se próximo de Deus, que é o Senhor daquilo que iremos realizar. Nosso chamado é para servir a Ele, servindo à pessoas que Ele ama e precisam de algo que temos recebido para entregar. Não se pode sair campo à fora trabalhando tanto, sem mesmo prestar atenção nas orientações dadas por Deus. O que somos é mais importante do que aquilo que fazemos e o plano do Senhor é que façamos o seu trabalho com alegria, produtividade e nos realizando no que fazemos de modo que como pessoas nos sentimos plenos. Andar e servir a Deus é uma grande oportunidade de realizar-se e ser abençoado enquanto se abençoa.

Obrigado Pai, pelo convite para vir para perto de ti, assim poderemos nos sentir amados, acolhidos e recebermos a proteção e os cuidados que nos ajudarão na execução das tarefas. Nossa consagração é a ti, e nos submetemos ao teu querer, reconhecendo que és o Senhor da seara e infinitamente sábio para frustrar os próprios planos. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

E Agora

Meditação do dia: 04/01/2022

“E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem.” (Êx 3.9)

E Agora – Essa expressão “e agora” traz a idéia imediata do que se precisa fazer. Ela é referencia de alguma conclusão após algum exposto. Na literatura brasileira há um poema de Carlos Drumond de Andrade, chamado JOSÉ, que imediatamente lembrado quando alguém pergunta ou exclama, “e agora!?” então sempre o interlocutor cita a frase do poema, “E agora, José?” O poema José, de foi publicado originalmente em 1942, na coletânea Poesias. Ilustra o sentimento de solidão e abandono do indivíduo na cidade grande, a sua falta de esperança e a sensação de que está perdido na vida, sem saber que caminho tomar. Na visitação de Deus à Moisés, naquela sarça em chamas, era também a conclusão de uma etapa, tanto na vida de Moisés, quanto para o seu povo que continuara no Egito todos esses anos que ele estivera exilado em Midiã. Para mudar a sorte ou a vida de pessoas, Deus utiliza e usa pessoas. O fato de Moisés estar longe do Egito e a dureza da escravidão estivesse fora de suas vistas físicas, não tornava a situação menos opressora, ou o sofrimento não existia. Ele não presenciava, mas Deus sim, e agora ele iria agir através da instrumentalidade de Moisés, para produzir libertação e bênção para aquele povo e assim as promessas recebidas e acolhidas nos seus corações se materializassem. Pessoas sofrem, pessoas sentem, pessoas se perdem e precisam serem ajudas e socorridas. Pessoas precisam de pessoas que se importam e se prontifiquem a fazer alguma coisa. Foi essa a razão do amor de Deus à tal ponto de enviar seu filho a esse mundo. Deus em pessoa, encarnado, humanizado, perfeitamente identificado com a vida humana, para ajudar os humanos. O fato de estarmos confortáveis dentro de nossos templos, nossos empregos e até dentro de nossos ministérios, não alivia a situação dos oprimidos pelo pecado e perdição sob o cativeiro do mundo e do mal. Deus fez uma obra perfeita e completa para ajudar essas vidas. Essa obra só vai chegar neles através de pessoas que também já estiveram nessas condições. O pregador da cruz precisa ser um crucificado. “E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus (2 Co 5.18-20). Preste atenção nas frases que sublinhei. A condição de Deus era privilegiada, mas dos humanos não, por isso Ele tomou a iniciativa. A condição de Moisés era de relativo privilégio, mas dos hebreus não, por isso estava sendo admoestado a agir de agora em diante. O chamado e a capacitação provindos de Deus muda nossas vidas, abre os nossos olhos, desperta o nosso coração para o mesmo alvo que está no coração de Deus: as pessoas! Ralph Neighbour, um grandes expoentes do movimento de igrejas em Células, certa vez desafiou os membros de sua congregação a fotografarem com uma polaroid, o que as pessoas faziam no trajeto deles de casa até a igreja no culto de domingo de manhã. O objetivo era expor as fotos e mostrar o que as pessoas faziam enquanto a igreja estava entre quatro paredes e produzir uma reação evangelizadora neles. O chamado tem tudo a ver com as necessidades dos outros e não necessariamente nossas. E agora? José, Jason, Maria, João… qual a situação das vidas para as quais fomos chamados?

Pai, todos ficamos empolgados com a visão da sarça e o ouvir da tua voz nos chamando pelo nome e nos dando uma missão. Mais importante ainda é seguir em obediência a essa vocação porque a necessidade das pessoas é muito grave e eles tem pouco tempo e muitos nem sabem que estão perdidos. Sabemos que estão perdidos e sabemos que estamos salvos, mas não pode ficar só nisso! Fomos chamados para agir em teu nome e produzir libertação verdadeira. Oramos por sabedoria, ousadia e coragem para agir onde é o nosso campo de missão. Que a graça do Senhor nos fortaleça a cada dia e obrigado pelas oportunidades, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Senhores da Terra

Meditação do dia: 03/01/2022

“Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx 3.8)

Senhores da Terra – Lendo alguma coisa nos sites de buscas da Net me deparei com uma pergunta interessante: Por que povos nativos de Canaã seriam desapossados de suas terras para que os hebreus ficassem com elas? Certamente a maioria dos leitores da Bíblia já fizeram a si mesmos essa pergunta e outras mais. Eu diria que não é uma pergunta simplista e muito menos ingênua que não mereça atenção. Fragmentando a história e vendo um pedaço dissociado do contexto geral, iremos perceber muitas distorções e arbitrariedades aparentes. Mas tudo precisa ser visto, estudado e apreciado no conjunto e tendo em mente os propósitos maiores e elevados de quem realmente faz e governa a história. Também precisamos voltar nossa atenção para a mentalidade reinante naqueles tempos, nos tempos que se seguiram e no nosso próprio tempo. Nós, ocidentais, vemos tudo com olhos dos direitos humanos, que nem são tão direitos assim, pois ao invés de trabalhar pela equidade e igualdade, eles privilegiam uns em detrimentos de outros. Observe as mais recentes leis promulgadas nos chamados países livres e democráticos! Voltemos ao tema; a terra de fato pertence a Deus e não aos povos e civilizações. “Também a terra não se venderá em perpetuidade, porque a terra é minha; pois vós sois estrangeiros e peregrinos comigo” (Lv 25.23). “Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam. Porque ele a fundou sobre os mares, e a firmou sobre os rios” (Sl 24.1). Quando das promessas aos patriarcas, esses povos já estavam sentenciados à destruição pelas práticas repugnantes diante de Deus, e embora houvesse o testemunho dos patriarcas e posteriormente da nação escolhida, elas nunca abandonaram seus pecados e ainda trabalharam por corromper a Israel com a idolatria e paganismo. “E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia” (Gn 15.16). A história humana através das civilizações é escrita paralela à história dos povos e nações e é parte do grande plano de redenção. Quando estudamos a consumação da redenção em Apocalípse, há uma sessão destinada a tudo aquilo que não poderá ser redimido, e tudo o que não pode ser redimido é destruído. A purificação é um aspecto importante do processo de redenção. Os principais elementos de purificação, podem ser representados pela água, pelo fogo e por sangue. Pessoas são purificadas pelo Sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus. Objetos físicos e materiais são purificados ou por água ou por fogo. A terra é cedida para uso e desfrute dos povos e nações e suas boas práticas de justiça e verdade fazem com que se perpetuem ou não nos seus territórios. Sodoma, Gomorra, Nínive, Babilônia e outras tantas, foram poupadas, chamadas ao arrependimento e como não corresponderam em definitivo, foram destruídas e levadas ao esquecimento e nunca se levantarão. Israel e Jerusalém já passaram por disciplina e restauração. Procure ver a história do ponto de vista de Deus também.

Senhor, agradecemos pela tua muita bondade para com a pessoas, ainda que elas não entendam ou não queiram abraçar a verdade, ainda assim o Senhor as ama e trabalha para lhes prover o sustento e aponta-lhes o caminho da salvação, que é de fato o que realmente mais importa. Obrigado pelo teu plano de redenção que é grande, completo e abrangente. Agradecemos o teu amor e bondade revelado a nós em Cristo Jesus o teu amado filho e nosso salvador. Em nome dele oramos agradecidos, amém.

Pr Jason

Terra Que Mana Leite e Mel

Meditação do dia: 02/01/2022

“Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.” (Êx 3.8)

Terra Que Mana Leite e Mel – Qualquer pessoa que queira adquirir uma propriedade agrícola, certamente procurará por terras férteis, com florestas nativas, nascentes de águas boas e com boa diversidade de fauna e flora. Cada povo criado em seu território desenvolve meios de extrair dali o melhor e o máximo de benefícios possíveis. Sei disso porque fui criado no interior de Goiás, o nosso amado planalto verde do Brasil central, com terras muito férteis, muitos rios e córregos com nascentes esplêndidas que criam muitos vales e montes; isso sem falas nas riquezas minerais como ouro, diamantes, esmeraldas (que dá nome ao Paço Municipal da capital). Vejo isso em cada estado da federação, todos são apegados e amam sua terra. Mesmo nos sertões nordestinos onde as vezes há escassez de chuvas, aqueles sertanejos lutam bravamente por permanecer e eles acreditam no potencial, porque de fato são terras muito produtivas e a fartura pode ser produzida ali com muito trabalho. Os hebreus são originários de uma região desértica, mas com espaços férteis, ricos de águas e riquezas minerais e eles aprenderam a extrair dali o máximo de produtividade. Israel é de território micro se comprando ao Brasil que é de dimensões continentais e ainda assim é altamente produtivo em agricultura, pecuária, turismo, indústria de alta tecnologia e polo mundial de desenvolvimento em medicinas e pesquisas avançadas em diversas áreas. Meditando sobre essa promessa feita a eles sobre uma terra que mana leite e mel e de onde eles escavariam riquezas minerais, podemos concluir que era uma boa promessa. “Porque o Senhor teu Deus te põe numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes, e de mananciais, que saem dos vales e das montanhas; Terra de trigo e cevada, e de vides e figueiras, e romeiras; terra de oliveiras, de azeite e mel. Terra em que comerás o pão sem escassez, e nada te faltará nela; terra cujas pedras são ferro, e de cujos montes tu cavarás o cobre” (Dt 8.7-9). Toda essa promessa estava contida em potenciais; as riquezas estavam ali disponíveis, mas precisavam serem exploradas, trabalhadas e transformadas em riquezas úteis. Aqui estamos falando de trabalhar com afinco e determinação para transformar a realidade presente, numa realidade futura almejada. Teriam que escavar, minerar, beneficiar os minérios e convertê-los em bens utilizáveis, se tornando riquezas. Precisavam plantar, colher, armazenar, beneficiar os produtos e assim produzir alimentos e riquezas. Isso gera um círculo de criar indústrias, desenvolver produtos, criar serviços e empregos, manufaturar matérias primas e transformar em bens de consumo; isso envolve, escolas, educação, formação, treinamentos, profissionalização, especializações e desenvolvimentos. Por que Israel é hoje a potencia que é? Eles foram à luta, se desenvolveram, se dedicaram e se empenharam para transformar riquezas brutas em bens e serviços requisitados no mundo todo. Quais são as promessas de Deus para mim, para você e o que passaremos delas para as próximas gerações? É possível que a nossa promessa também seja uma terra (condição) que mana leite e mel, mas a realidade presente é que não sabemos nada de pecuária leiteira, temos medo de vacas e somos alérgicos à picadas de abelhas. Podemos mudar isso ou vamos dizer que não dá para fazer nada com essas promessas?

Senhor, obrigado por dar a tua Palavra e nela contém muitas promessas de bênçãos e provisões abundantes, mas que precisam de nosso esforço e dedicação, para extrairmos dali o melhor de tudo aquilo. Agradecemos a inteligência e o potencial que há em nós para sermos criativos e abençoadores. Oramos por sabedoria e graça para nos superarmos a cada dia. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason