Confirmando a Terra Prometida

Meditação do dia: 10/11/2019

  E te darei a ti a terra que tenho dado a Abraão e a Isaque, e à tua descendência depois de ti darei a terra.” (Gn 35.12)

Confirmando a Terra Prometida – Compreender o verdadeiro significado de uma palavra recebida de Deus faz muito diferença. Muitas vezes vemos citações na Palavra de Deus sobre ouvir e não escutar, ver e não enxergar, saber e não entender. Essas expressões às vezes vem como “ter ouvidos para ouvir, mas não ouve; ter olhos para ver mas não ver; assim chegamos naquele ponto onde se diz que quem não lê por que não quer é pior do que não ler porque não sabe; e cego é quem não quer ver! Isso também é muito evidente em pessoas sob efeito da idolatria, pois assim como o ídolo não pode nada, assim que o adora fica semelhante a ele. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam (Sl 115.4-8). O meu tema hoje não é sobre idolatria ou suas práticas, mas acolher as promessas de Deus e vive-las de forma livre de pressão e ansiedade ou medo de perder aquilo que foi dado. Para o verdadeiro adorador, sua devoção a Deus está em viver em sua presença e vivenciar essa presença; Jesus utilizou a expressão “em Espírito e em verdade.” O bem maior é Deus mesmo e não suas bênçãos ou coisas, o que Ele é significa muita mais do que seus feitos e suas graças distribuídas. Abraão recebeu a promessa de que toda aquela terra seria sua e de seus descendentes e que até foi instruído a peregrinar nela em todas as suas extensões e conhece-la. Ele todavia só fez uso e fruto sem nunca reivindicar nem dos moradores dali e nem de Deus mesmo o seu “direito.” Isaque seguiu nessa mesma linha. Herdou tudo do pai e viveu lá e trabalhou, mas também não ficou estressado ou preocupado com “a minha bênção!” Jacó, a terceira geração, acabando de chegar de seu “treinamento no exterior,” recebe a mesma palavra de Deus que seus pais. Uma promessa abrangente, rica e generosa. Mas como viver sobre uma terra que é sua e está sendo povoada por povos e nações tão separados de Deus? Como esperar o devido tempo, quando ele sua tribo de menos de cem pessoas, se tornem uma nação grande e poderosa suficiente para habitar e impor supremacia de direitos? Só mesmo pela fé! Estou escrevendo isso, porque já vi pessoas receberem palavras de Deus e se apossarem daquilo de forma tão violenta e egoísta, que nem viram como tudo deu errado. Um chamado, uma vocação, uma promessa precisa ser acolhida e trabalhada pela fé no coração, para no seu devido tempo gerar o tipo de resultado que está na promessa. Provérbios diz que A herança que no princípio é adquirida às pressas, no fim não será abençoada (Pv 20.21). Que Deus seja sempre o nosso tesouro maior, nosso bem maior, nossa herança maior.

Pai, obrigado por tuas promessas, que são imutáveis tanto quanto o Senhor mesmo. Graças te damos, por sermos filhos e herdeiros de tudo e que no devido tempo acolheremos o que é nosso. Te amamos e queremos conhecer tão bem o teu caráter de forma que sempre estaremos em posição de descanso em relação às tuas promessas. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Reis Procederão dos Teus Lombos

Meditação do dia: 09/11/2019

  Disse-lhe mais Deus: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação, sim, uma multidão de nações sairá de ti, e reis procederão dos teus lombos;” (Gn 35.11)

Reis Procederão dos teus Lombos – Promessas produzem esperança! Esperança faz a vida ter um sentido e cada oportunidade é preciosa. Daí ser triste quando alguém perde a esperança e assim consequentemente, perde também as expectativas de vida e as ambições e sonhos se escoam suavemente por entre os dedos. Biblicamente, a esperança é maravilhosa e produz bons resultados. Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.  (Rm 5.1-5). Se para Jacó, ter filhos já era uma grande realização, podemos imaginar a alegria de receber de Deus uma promessa de vir a ser pai de muitas nações e com muitos reis vindo de sua linhagem. Provavelmente nem nos seus mais ambiciosos sonhos de pai, fantasiando um futuro desejável, ele não poderia mensurar o que de fato seria possível alcançar pela fé. Quando a Palavra de Deus nos fala sobre as coisas inacessíveis aos recursos humanos de conhecimento, mas que são realidades tangíveis pela fé, é de fato espantoso para qualquer um de nós. Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus (1 Co 2.9,10). São realidades inacessíveis ao olho, ouvido e coração humano (naturais), mas que Deus já no-las revelou pelo seu Espírito; digamos, na dimensão espiritual, podem ser vistas e contempladas. É assim que o justo vive, pela fé; e quem vive pela fé pode ver o invisível, crer no incrível e fazer o impossível. Aos Hebreus fala assim dos santos do passado: Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra (Hb 11.13). Olhemos o que Jesus disse para os judeus de seus dias: Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos, e viste Abraão? Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou (Jo 8.56-58). Abraão viu pela fé o que os judeus não viam fisicamente diante de seus olhos, mesmo com as Escrituras e a história como testemunhas. Jacó pela fé podia contemplar Davi, Salomão, Josias, Ezequias e até Jesus o Rei dos Reis e Senhor dos senhores, que é seu descendente e estava embutido naquela promessa. Apocalipse fala de multidões de povos, nações, línguas e reinos diante do trono, coisas que nós acreditamos e esperamos piamente, que eram como sementes nas mãos de Jacó, para semear e o tempo e as promessas divinas se encarregariam de frutificar e trazer à luz. Sabia que Deus gosta de presentear com sementes? Elas são mais produtivas e uma pequena porção tem potencial infinito. Pois veja: Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça; Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus (2 Co 9.10,11).

Obrigado Senhor, por antever aquilo que para nós está no futuro que parece tão opaco, imprevisível, mas que pela fé em ti e nas tuas promessas, são realidades muito firmes. Jesus Cristo é a maior prova disso. A igreja é testemunha disso. Por isso receba a nossa gratidão e nosso louvor. Obrigado por ampliar a visão espiritual dos nossos corações, que firmados nas tuas Palavras, podemos nos assegurar de que há alguém muito grande, muito poderoso, cuidado de nós. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Multiplica

Meditação do dia: 08/11/2019

  Disse-lhe mais Deus: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação, sim, uma multidão de nações sairá de ti, e reis procederão dos teus lombos;” (Gn 35.11)

Multiplica – “A ordem dos tratores não altera o viaduto.” Quem em algum canto desse Brasil não ouviu isso, nos anos de escola primária, agora fundamental. A matemática amedrontava muita gente, a ponto de alguns escolherem carreiras que não estivesse ligado aos números, como se eles não fizessem parte da nossa vida, por todos os lados. Mas aqui, hoje, vamos pensar em uma das quatro operações básicas, que tem aplicação preciosa na vida cristã. Algumas coisas podem ser acrescidas, ou somadas que já são boas demais; mas a multiplicação acelera o processo, para melhor ou pior. Jacó era a terceira geração da linhagem comprometida com uma aliança celebrada por Deus, visando a redenção da humanidade. Desde a eternidade esses propósitos já eram firmes; a criação do homem, o seu consequente desenvolvimento e a tragédia do pecado ter entrado e feito um estrago, fez com que entrasse em cena tudo que era necessário para sanar o problema do pecado. Um homem, o descendente da mulher, seria o responsável por esmagar a cabeça da serpente. Entra em cena então, os contextos, que toda a história humana e o amor redentor de Deus. Um homem vem sempre de um contexto família, que vem de uma tribo, que compõe uma nação, que é apoiada por outras tantas nações que oferecem suas contribuições para que a universalidade de pessoas, raças, tribos, povos e nações sejam alcançados por um ato único, completo, perfeito de Deus encarnado. É por isso que você lê tantas histórias de pessoas, povos, nações e tudo tem um propósito final. Abraão recebeu a promessa de vir a ser pai de multidões de nações, tanta gente quanto as estrelas do céu ou areia da praia; ele gerou vários filhos, mas apenas um dentro do contexto da aliança, Isaque, que gerou dois filhos, e um nesse contexto, Jacó. Jacó teve doze filhos, e se tornou Israel, um homem, que se tornou o líder de uma tribo com doze príncipes que se tornaram uma nação com doze tribos. Assim, estava encaminhada a promessa de Deus a Abraão, a Isaque e a Jacó. Não vou entrar nos méritos doutrinários aqui, mas quando pensamos em um povo de Deus, literalmente todos imagem a nação de Israel, e está certo; mas eles eram embaixadores da revelação de um Deus santo e verdadeiro, que ama a todos e tem um projeto que contempla a todos os povos de todos os tempos e lugares. O apóstolo São Paulo escrevendo aos Romanos, aponta como os hebreus falharam nessa missão, e assim abriu espaço para a igreja. Não é um improviso de Deus, mas na sua multiforme sabedoria, a igreja é a resposta adequada para o projeto de redenção, porque ela é universal, una, santa, católica e apostólica. Agora todas as nações estão representadas diante de Deus, salvas pela graça através da fé em Cristo. A cruz se torna o poder moderador e nivelador de todos. Todos os homens são uma coisa antes da cruz e se tornam outro ser depois da cruz. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo (2 Co 5.17). Essa mensagem era o centro da exposição do Evangelho por Paulo. “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus (1 Co 1.18,22-24). Gente, para que tudo isso se tornasse realidade, tal qual vemos e participamos hoje, não era uma questão apenas de Jacó, gerar filhos e dizer para esses também terem filhos e tudo iria acontecer. Isso seria natural, orgânico e genético. Jacó, tal qual Isaque, Abraão e todos os santos de Deus, trabalharam muito e desenvolveram uma cultura de fé, de adoração, de resistência ao pecado e à corrupção sistêmica e fazer com que de geração em geração isso não se dissolvesse ou se perdesse pela secularização, iluminação humana e tantos outros processos que no fundo tem uma máxima espiritual do mal por detrás. Nenhuma pessoa, família, igreja, ministério e denominação, prevalece sem os mecanismos bíblicos de autopurificação e disciplina que são instrumentos de Deus para perpetuar as verdades eternas. Por isso são verdades eternas. Quando abrimos mão da salutar vida devocional, piedosa e dos exercícios espirituais, cedemos espaço para entretenimento, satisfação carnal e humana, em vez de prazer em Deus e nas coisas de Deus. Tu me farás conhecer a vereda da vida. Na tua presença há plenitude de alegria. À tua mão direita há delícias perpetuamente” (Sl 16.11).

Pai, graças te rendemos, e declaramos as tuas maravilhas! Tu és fiel, justos e verdadeiros são os teus caminhos. Nos alegramos em ti e nas tuas Palavras. Nada e nenhuma delas cairá por terra ou deixará de se cumprir, porque são Palavras de Deus. Isso nos agrada, nos satisfaz e nos basta! Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Frutifica

Meditação do dia: 07/11/2019

  Disse-lhe mais Deus: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação, sim, uma multidão de nações sairá de ti, e reis procederão dos teus lombos;” (Gn 35.11)

Frutifica – Receber uma revelação divina, de forma pessoal, personalizada como Jacó recebeu é maravilhoso e gratificante, pois é obra da graça misericordiosa do Senhor. Ele tem seus motivos porque especificar coisas que deseja que sejam executadas pelos seus filhos. Quando olhamos essas manifestações tantos anos depois, já com a história completada e faltando apenas, digamos a reta final, tudo parece muito elementar. Mas eles precisavam exercitar a fé tanto quanto nós, senão mais ainda, porque eles estavam desbravando caminhos, que não tinham muitos precedentes. Como bem diz o texto de Aos Hebreus, nós temos uma grande nuvem de testemunhas. Temos muito mais elementos já testados e repetidos, de forma que na Nova Aliança, podemos afirmar que a nossa revelação é bem mais completa, por causa dos testemunhos dos santos e profetas que nos antecederam. A dizer a Jacó “Frutifica,” já vem logo em nossa mente uma lista enorme de perguntas, sobre o que é mesmo que o Senhor tá falando? Eu sou pastor de igreja local, minha vida adulta praticamente foi vivida nesse labor ministerial, pois comecei aos vinte e cinco anos de idade. Até hoje eu tenho perguntas! Olha que me converti numa igreja dinâmica, grande, com uma formação de obreiros quase que em linha de produção. Grande parte dos jovens meus contemporâneos de igreja se tornaram pastores, missionários e obreiros em geral. Fui treinado em seminário, participei de conferencias, seminários e outros eventos com os maiores nomes globais e ainda assim, tenho perguntas íntimas. Jacó, era pastor, mas de gado mesmo; ele era fazendeiro, como o pai e o avô, e não tiveram discipuladores e nem outras referencias maiores. Por isso eu digo que eles eram de fato, homens de fé e andaram com Deus de verdade. Tiro meu chapéu e me curvo em reverencia a vida deles, como diz nossa Bíblia: “Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honrahonra  (Rm 13.7). meu primeiro pensamento sobre frutificação é de Jo 15 quando Jesus fala da videira verdadeira que é ele mesmo, cultivada pelo pai, o agricultor e nós somos os ramos, e alguns frutificam bem e são cuidados com poda e tudo mais para que produzam mais frutos ainda. Outra idéia vem da parábola do semeador em Mt 13 ou Mc 4. Onde os diversos tipos de solos representam o nosso coração onde a Palavra é semeada e ali pode produzir muitos frutos, como também pode não produzir muito ou até ser destruída a própria semente. Ainda me vem à mente os frutos do Espírito em contraste com as obras da carne de Gl 5. Também Jesus e Tiago, que são irmãos e alguém pegou carona com o outro, ensinaram que os frutos são produzidos naturalmente e trazem as marcas da qualidade da árvore; assim, árvores boas só produzem bons frutos e árvores más, produzem maus frutos. Deus ordenou a Jacó que frutificasse, isso deve ser o bastante para empenhar e produzir muitos e bons frutos. Acho interessante a idéia de frutos de uma planta, porque eles são resultados naturais da boa condição de saúde e maturidade da planta, da condição de cuidados recebidos, dos fatores próprios das estações e ainda elas tem um código a seguir que é a perpetuação da espécie; mas é incomparável a generosidade delas, pois elas produzem para outros consumam. Nenhuma árvores consome o seu próprio fruto; ou alguém desfruta ou ele simplesmente irá cumprir sua destinação última. Nós, somos tão complicados e queremos sempre uma participação nos lucros, e as vezes ainda antes de qualquer produção. Outros tantos de nós, como indivíduos ou coletivos, como igrejas, consumimos tudo o que produzimos e ainda pedimos fora para gastar mais um pouco. O pensamento de hoje é FRUTIFICA! Vamos fazer alguma coisa boa hoje?

Pai, obrigado pela capacidade de frutificar que cada um de nós possuímos, porque isso nos foi dado por ti, no ato da criação. Somos imagem e semelhança tua, somos gerados de novo de uma semente incorruptível pela Palavra, para sermos semelhantes a Jesus e ainda temos morando em nós o Espírito Santo, que Deus! Não pode dar errado, com todos esses fatores e a tua promessa de que estarás conosco todos os dias até o fim. Em nome de Jesus, abra o meu e o nosso entendimento para verdadeiramente conhecer o nosso papel e o nosso potencial de sermos e fazermos a diferença. Para a tua glória, no nome dele, amém.

Pr Jason

Era e Não É X Eu Sou

Meditação do dia: 06/11/2019

  Disse-lhe mais Deus: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação, sim, uma multidão de nações sairá de ti, e reis procederão dos teus lombos;” (Gn 35.11)

Era e Não É X Eu Sou – Cada meditação diária, fica como se fosse um capítulo, então a sequencia deve fazer sentido dentro do contexto anterior e também fazer uma conexão com os próximos capítulos. Quem sabe, mais para frente, eu encerre os textos já anunciando as cenas do próximo capitulo… fiquei pensando aqui com os meus botões, na conversa de Deus com o seu servo Jacó, atentando para as ênfases dadas: Você é Jacó e não se chamará mais Jacó, mas Israel será o teu nome – e em seguida, diz: Eu sou o Deus Todo-Poderoso – Você é e não será mais… agora será… mas EU SOU O DEUS TODO-PODEROSO. Duas pessoas batendo um papo e são amigas, e uma está se colocando à disposição para se tornar conhecida pela outra e assim desenvolverem um relacionamento mais produtivo. Deus sempre tomou a iniciativa de aproximação e promovendo os meios para a compreensão humana alcançar numa experiência que seja satisfatória e transformadora. Mesmo o Pai se apresentando como “O Deus Todo Poderoso,” não tem nada de arrogância, pretenciosidade ou ostentação; sendo quem Ele é, mesmo assim ele não se exibe, não se coloca de forma que nos humilha e distancia. Eu pego ficando irritado ou desistindo quando alguém é um “cabeça dura,” e por mais que a gente explica, mais ele complica e depois começa a distorcer o sentido e se não tomar cuidado vira intriga. Agora imagina, o Todo-Poderoso, papeando com humanos! Com nossa cabecinha e utilizando só um pouquinho da capacidade e ainda assim achando que sabe tudo, domina tudo e é o rei da cocada preta. Deus é muito generoso, simples e compreensível. Isso é o que eu admiro muito no poder da comunhão promovida pelas experiências devocionais, de oração, meditação e contemplação, concedida pela Palavra de Deus. Eu sei, e já escrevi sobre isso, todo o conhecimento espiritual que alcançamos é fruto de uma revelação divina. Só podemos conhecer verdades divinas por revelação; ou Deus no-las dá, ou não chegamos a lugar algum. Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelo (Jo 1.18). Jesus que é a expressa imagem de Deus, é quem revela o Pai para nós. O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Cl 1.15). O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa...” (Hb 1.3). O eterno e o efêmero; um Todo-Poderoso e outro “Nada-Poderoso,” um generoso e doador e outro carente e necessitado. As dualidades reversas aqui podem ir muito longe, como pode uma amizade dessa prosseguir e prosperar? Só pode porque da parte de Deus ele não desiste, ele se aniquila na encarnação de Cristo para identificar-se conosco em nossa pequenez e limitações. Dá certo por causa de Deus. A nossa vida tem sentido por causa de Deus e seu amor. Somos e logo não somos mais, mas o Eu Sou, continua sempre o mesmo. Esse tipo de compreensão, por revelação, nos sustenta e nos aproxima dele e assim, aquilo que não podemos entender, e não entendemos mesmo, podemos viver e experimentar pela fé.

Pai, obrigado pela paciência e longanimidade de nos suportar em amor até que as revelações do Espírito Santo nos permita crescer e sair da ignorância e aceitar o nosso lugar como filhos de Deus e herdeiros com Cristo de um tipo de riqueza que nem temos a menor idéia do tamanho e de como se utiliza. Obrigado, por não desistir de mim e nem me deixar quando não ajo à altura. A tua redenção faz tudo por nós e aqui apresento a minha gratidão e reconhecimento de agora sei que ainda não sei nada, mas o que já alcancei é maravilhoso. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Não Mais Jacó, Agora é Israel!

Meditação do dia: 05/11/2019

  E disse-lhe Deus: O teu nome é Jacó; não te chamarás mais Jacó, mas Israel será o teu nome. E chamou-lhe Israel.” (Gn 35.10)

 Não Mais Jacó, Agora é Israel – Os nomes tem força, mas o dono do nome pode imprimir poder e autoridade ao seu nome, além da força natural do significado. Sempre que ouvimos um nome, desses fortes, marcantes, a associação é imediata e também já se determina as diferenças. Quando encontramos alguém de nome Jesus, que é muito mais popular nos povos de fala espanhol do que nos de fala portuguesa; já de pronto sabemos que é um “genérico,” e torcemos para que seja uma boa pessoa de bom caráter, porque não cai bem esse nome para pessoas de caráter e conduta duvidosa. Nas culturas antigas, o processo de dar nomes a uma criança era uma forma levada bem à sério, porque além de ser uma forma de homenagear o momento da família, também poderia estar marcando um evento histórico de grande importância. Temos exemplos disso nas Escrituras Sagradas. E a Éber nasceram dois filhos: o nome de um foi Pelegue, porquanto em seus dias se repartiu a terra, e o nome do seu irmão foi Joctã (Gn 10.25). José o filho de Jacó, anos mais tarde, quando lhe nasceram os filhos ele, utilizou esse sistema para dar nomes aos seus filhos: E chamou José ao primogênito Manassés, porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai. E ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição (Gn 41.51,52). Outro pai famoso que lançou mão dessa tradição, foi Moisés, ao nasceu seus filhos, ele fez questão de lembrar pelos nomes deles a realidade de sua vida. A qual deu à luz um filho, a quem ele chamou Gérson, porque disse: Peregrino fui em terra estranha. E o outro se chamava Eliézer; porque disse: O Deus de meu pai foi por minha ajuda, e me livrou da espada de Faraó (Êx 2.22; 18). É uma forma de eternizar uma situação ou momento que não deve ser deixado no esquecimento; assim, sempre que aquela pessoa for chamada, ou seu nome mencionado, está sendo reiterado aquela intenção original. Daí a importância de colocar nomes com significados fortes, abençoadores e construtivos, proféticos para que construamos gerações com propósitos. Interessante que o Senhor ao abordar Jacó, lhe disse: “O teu nome é Jacó,” foi isso que seus pais viram nele e entenderam que deveria nomear e marcar a sua vida com tal característica, um suplantador, oportunista, trapaceiro, enganador – e essa foi a marca da primeira fase da vida dele. Mas desde que lutara com um anjo e prevalecera, ele demonstrou uma outra qualidade e característica tão firme e determinante, que merecia imprimir isso ao seu nome e foi assim que o anjo lhe dissera que agora seu nome seria outro – Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste” (Gn 32.28). Alguém que “como príncipe” lutou com Deus e com os homens. Veja que mudança! De trapaceiro e enganador, para uma condição de nobreza, como um príncipe ele lutou, de forma leal, nobre, com respeito as regras e a dignidade dele e do oponente e não só lutou, como prevaleceu. É digno de nota, que se alguém não for nobre de coração, no calor da luta e no desejo de vencer, ela abre mão da nobreza e se vale apenas do desejo de poder que a vitória concede. Para um nobre, vitória sem honra é pior que uma derrota. Lembremos, que estamos em luta constante e nossos adversários nem sempre são leais e dignos de honra, mas são eles que tem esses traços ruins de caráter, não nós! Somos do exército de Deus, somos soldados da luz, nossas armas não são carnais, mas espirituais e poderosas em Deus para nos levar a vitória. Não trapaceamos e depois justificamos: “Guerra é guerra! No amor e na guerra vale tudo!” Não! Definitivamente não! Não me venha com “…é melhor um covarde vivo do que um herói morto!” Lutamos pela causa da justiça! Fazemos o certo, porque é certo, lembra. O que eu e você fomos, já ficou no passado. Em Cristo, começamos uma nova história e com um final diferente, e muito melhor. Honre o seu novo nome, sua nova vida, e vença com verdade, justiça e honra.

Senhor, Deus dos Exércitos de Israel! Que nome mais poderoso é o nome do nosso Deus! Jesus, o nosso comandante, possui o nome mais alto, mais sublime até que os céus, é o nome sobre todo nome, que toda língua confessará e que todo joelho se dobrará! É nesse nome que alcançamos a vitória, por ele lutamos, por ele vencemos, por ele morremos e por ele vivemos e viveremos! É nesse nome que oramos, amém.

Pr Jason

Experiencias Abençoadoras

Meditação do dia: 04/11/2019

  E apareceu Deus outra vez a Jacó, vindo de Padã-Arã, e abençoou-o. (Gn 35.9)

 Experiencias Abençoadoras – Em meio as situações do dia a dia de todos nós deve haver tempo e espaço para ter experiências com Deus. Buscar a Deus é um imperativo da fé, porque está diretamente ligado a busca por orientação, direção e cumprimento das visões anteriores, onde fomos comissionados para algum papel na obra do Senhor. Grande parte desse tempo de busca, pode e deve ser concentrado na adoração pessoal a Deus. Nosso foco é agradar ao Pai e andar em fé, aprendendo e crescendo nesse conhecimento. Quando andamos por fé, aprendemos que Deus é infinitamente sábio para frustrar seus próprios planos, assim, sendo já estamos certo de que na aliança em que estamos inseridos, ele vai suprir abundantemente todas as nossas necessidades em Cristos Jesus. O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus (Fp 4.19). As necessidades básicas são garantidas naturalmente dentro da aliança; assim como os pais garantem comida, roupa, proteção e segurança para filhos sem que esses precisem pedir –  só mesmo nas exceções que os pedidos são bem vindos e desviamos nossos focos e recursos para atender a uma emergência que apareceu. Assim, também, Jacó e os patriarcas andavam com Deus e tinham uma aliança na qual Deus havia empenhado sua Palavra de que os abençoaria de tal forma que eles teriam sempre abundancia e riqueza. Eles trabalhavam e Deus os prosperava. Mas de vem em quando eles eram visitados por uma nova experiência, na qual eles teriam que tomar novas decisões e assim irem acertando as correções de rota, para que os planos todos atingissem suas metas. Uma revelação nova também produz estímulo e conforto, já que não detemos todo o conhecimento, mesmo dos planos já revelados e já em andamento. Talvez seja como uma viagem que fazemos com a decisão de seguir direto de nossa cidade até tal destino. Esse “seguir direto” necessariamente não significa uma linha reta, ou sem pausas programadas. Eventos podem modificar o plano original traçado e as vezes até uma correção grande de curso ou de tempo. O que não pode é o destino ser alterado, sem uma justificativa de força maior. Somos gratos por estas novas manifestações da bondade de Deus que nos trás mais luz e orientações. A maturidade espiritual nos leva a buscar a Deus e não as coisas de Deus; nosso foco está na pessoa e no que ela representa para nós.

Senhor, hoje é dia de crescimento e obrigado por manifestar a sua bondade e compaixão para conosco. Graças te rendemos pelas novas experiências que a tua graça permite em nosso caminhar. Te louvamos e nos mantemos submissos a tua perfeita vontade, que sempre provê para nós, tudo que precisamos em doses generosas. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Edificando Altares

Meditação do dia: 03/11/2019

  E edificou ali um altar, e chamou aquele lugar El-Betel; porquanto Deus ali se lhe tinha manifestado, quando fugia da face de seu irmão. (Gn 35.7)

 Edificando Altares – São muitas as citações de pessoas edificando altares. Isso me leva a uma reflexão. Ligando os pontos naquilo que Jesus disse que a pessoa fala daquilo que o seu coração está cheio; O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca (Lc 6.45). O exercício do dom da fala, expressa o conteúdo do coração, então as ações também o são. É mais fácil falar do que fazer, por isso muitas coisas faladas acabam não se concretizando; mas as ações não dão margem para dúvidas, fez, tá feito. As Escrituras recomendam que nunca façamos promessas ou empenhemos nossas palavras sem a intenção de cumpri-las. Os educadores insistem em que os pais não façam promessas ou ameaças aos filhos desde que não tenham a intenção de cumpri-las. Quando falo ameaças, entenda-se falar de disciplina, correção. Voltando ao assunto tema – se as pessoas pudessem nos descrever por algo que praticamos com mais frequência, o que seria dito de nós? As observações deles levaria a que conclusões? Algumas observações levam ao obvio; imagine alguém mudando para sua vizinhança, na casa ao lado ou de frente. Você observa o movimento, é vê muitos apetrechos de pescaria – o que você conclui do novo vizinho? Após descarregarem tudo, eles se reúnem, fazem um círculo de mãos dadas e oram; o que você conclui? Ele estabelece contatos contigo e sua família, o que ele concluirá de primeira? O que estou dizendo, é que as ações nossas, ou das pessoas perto de nós, permitem que conclusões sejam feitas e isso certamente irá determinar ações de ambos os lados. Agora, imaginemos que estamos bem colocados, de forma invisível vendo Jacó e sua trupe chegarem a esses lugares e se estabelecerem, ainda que provisoriamente. Armam as tendas, protegem as propriedades, e enquanto estão fazendo isso, o chefe, está edificando um altar e depois todos se reúnem ali e oferecem sacrifícios e oram a um Deus, que não está representado por nenhum padrão visível; não tem imagem, quadro, estátua, totem ou qualquer representação. O que concluímos entre nossas observações. A minha observação é que esse camarada, gosta mesmo de edificar altares, onde ele chega, ele levanta um e adora a Deus ali com sua família e as pessoas da sua caravana. Esse homem é um adorador convicto, é uma das suas primeiras preocupações do dia e em qualquer lugar que esteja. Ele é devoto, comprometido com uma fé. O que será que as pessoas dizem do Jason e sua família? O que eles tem observado? O que as pessoas tem observado e concluído sobre nós, os cristãos? Nas nossas devoções, o que mais aparece? Pedidos? Gratidão? Reconhecimento? Intercessão? Adoração? E mais fundo ainda, mesmo se fazemos certinho, como manda o figurino, qual a motivação básica? Damos um, para receber dez? Quem dá aos pobres empresta a Deus? Um copo de água fria vale uma recompensa no céu; imagina uma Coca estupidamente gelada? Temos que pensar sim, na nossa motivação que nos move. É adoração ou serviço religioso?

Pai amado, ninguém conhece melhor o coração pessoas melhor do que o Espírito Santo que nelas habita; assim, nossas motivações são pesadas e testadas diante de ti, sempre que comparecemos para servir. O exemplo que temos é que Deus nos amou de tal maneira, que deu seu filho; Jesus nos amou tanto, que deu sua vida! O Senhor é digno de toda a minha e a nossa adoração. Obrigado pelos ensinos e pela misericórdia dispensada a nós os teus filhos. Reconhecemos isso em nome de Jesus. Amém.

Pr Jason

Chegamos!!!

Meditação do dia: 02/11/2019

  Assim chegou Jacó a Luz, que está na terra de Canaã (esta é Betel), ele e todo o povo que com ele havia. (Gn 35.6)

 Chegamos!!! – Constantemente estamos iniciando novas etapas e também estamos finalizando etapas. O processo de realizações se renova muito dinamicamente. Estamos sempre aprendendo e ainda temos muito o que aprender; crescemos e ainda há espaço para crescer e amadurecer. Só não vale estagnar e desistir de fazer parte do processo natural que a vida proporciona, usando sabiamente cada oportunidade. Quando vezes partimos? Quantas vezes chegamos? Quantas vezes iniciamos e quantas terminamos? Nem adianta fazer promessas de que essa é a última vez; isso não faço mais; nem conte comigo!!! Estou velho demais para isso!!! Amados, o futuro é opaco, imprevisível e indecifrável, o que vale mesmo, é hoje, agora e confiar naquele que nos guia e nos orienta para colhermos bons resultados, como vemos na vida dos santos da Bíblia e da história. Jacó, saiu de casa, partiu para um lugar que não conhecia, sem lenço e sem documento, e teve um maravilhoso encontro com Deus já na primeira noite, e isso foi transformador e norteador de toda a sua vida. Um sonho, uma visão, um encontro e uma experiencia capaz influenciar o tempo e a eternidade. Chega o tempo de voltar e essa vontade está no coração dele, mas também está alinhado com a vontade de Deus, o que torna as coisas mais significativas, mas não mais fáceis. Fazer as coisas ou ministério no modo e no tempo de Deus é uma bênção, mas não é mais fácil, no sentido de não receber oposição e resistência. Nunca podemos esquecer a instrução paulina: E na verdade todos os que querem viver piamente em Cristo Jesus padecerão perseguições. (2 Tm 3.12). Mas já sabemos que lutas, provas e perseguições não são contra nós, são a nosso favor, se seguirmos as medidas bíblicas de sabedoria para aprender e tirar proveito dos ventos contrários. Jacó enfrentou o trabalho exaustivo, problemas climáticos de frio e calor, dormir ao relento para cuidar do gado do sogro, trapaças e mais trapaças, motins dos cunhados e parentes, intrigas internas entre a família, o encontro com o irmão vingativo, lutar com anjo até se esgotar, a tragédia em família devido o ocorrido com a filha Diná, a violência destemperada dos filhos por vingança e etc. Mas ele sempre estava em condições de ouvir a voz de Deus e seguir as instruções. Teve que levar as pessoas e familiares sob sua responsabilidade a se livrarem dos deuses falsos e colocarem a confiança unicamente no Senhor Deus Altíssimo. A conclusão de tudo foi isso: Assim chegou Jacó a Luz, que está na terra de Canaã (esta é Betel), ele e todo o povo que com ele havia. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos; todos que saíram, chegaram e isso é motivo de celebração. Todos os dias estou aqui escrevendo um texto de meditação, e todos os dias é um ato da graça e bondade de Deus na minha vida, pois me levantar em alegria, saúde e capacidade de fazer isso, é uma vitória após outra. Voce poder ler essa meditação todos os dias também é uma vitória e uma conquista e tudo isso e com todos nós, acontece em meio as lutas e provas, vitórias, conquistas e não conquistas, mas estamos em ascendência constante. Ainda não estamos tão bem quanto estaremos amanhã, mas graças ao Pai, não estamos como ontem. Hoje, vou celebrar a Ceia do Senhor com Monte das Oliveiras no templo novo, que não está terminado, mas está em condições de entrarmos e sabemos quantas lutar e quantas vitórias para chegarmos até aqui! Mas, Ebenézer! Até aqui nos ajudou o Senhor! Hoje, celebramos 52 anos da igreja e destes, 28 estive à frente do pastorado com uma equipe maravilhosa. Dos 17 irmãos fundadores, 8 ainda estão vivos e firmes na fé e 4 ainda estão conosco aqui. Que riqueza e que história! Estamos findando etapas e começando outras e vamos continuar vencendo!

Senhor, nossas palavras são poucas e falhas para expressar a nossa gratidão dos nossos corações pelas conquistas e vitórias pessoais, familiares, coletivas como igreja e sabemos que é a mão do Senhor que tem nos amparado em todo tempo. Nossa gratidão, por chegarmos aqui, e por ainda termos condições de prosseguir ainda mais. Em teu nome eu vou abençoar a todos da Monte da Oliveiras e com especial carinho aos nossos amados fundadores, que nos transmitiram um legado muito formoso. Que o amor do Pai, a Graça infinita de Cristo, nosso Senhor e as firmes consolações do Espírito Santo permaneçam sobre nós e sobre o povo de Deus em toda a terra. Amém.

Pr Jason

Não Aconteceu o Pior

Meditação do dia: 1º/11/2019

  E partiram; e o terror de Deus foi sobre as cidades que estavam ao redor deles, e não seguiram após os filhos de Jacó. (Gn 35.5)

 Não Aconteceu o Pior – Sendo as vezes negativamente positivo ou positivamente negativo, pois as pessoas tem a mania de pensarem sempre no pior; mesmo sendo boas as chances, o medo de perder as vezes tira a vontade de ganhar. Depois de tudo o que os filhos de Jacó aprontaram, e olha que não foi pouca coisa, ele ficou temeroso, porque eles cometeram atrocidades, que hoje seriam julgados como crimes contra a humanidade. Eles varreram do mapa toda uma população de uma localidade, incluindo as autoridades locais. A ira das pessoas daquelas nações poderiam procurar vingança. Mas, voltando ao centro das nossas atenções. Jacó, foi obediente às instruções que Deus lhe dera, e eles fizeram uma verdadeira limpeza, se livrando de tudo o que não servia na fé que eles professavam e o resultado foi que eles partiram e havia uma percepção de que o terror de Deus os acompanhava. Entendemos isso, como uma ação da presença divina, oferecendo proteção e cuidado de forma que as pessoas e populações vizinhas ficaram impactadas por um mover sobrenatural de Deus e não se aventuraram em iniciativas belicosas. Não se confirmou a expectativa negativa de Jacó, sobre possíveis retaliações. Mesmo quando não se trata de pecados ou atos de violência, praticados por nós, de forma que pudéssemos aguardar o resultado da semeadura, pois aquilo que se planta, certamente se colhe e disso ninguém foge ou escapa. As pessoas, mesmo dentro das igrejas e com vidas cristãs piedosas, olham para as circunstancias que ocorrem ao redor e ou mesmo criam expectativas de que algum mal ou juízo venha sobre elas; ou que a vida por si mesma se encarrega de pesar a mão um pouquinho mais do que mereciam. Meu, pai tinha consigo uma série de adágios populares, que dizia muito do que ele cria sobre como as coisas aconteceriam ou rotineiramente eram; claro que eu como criança, adolescente e até depois como adulto, me divertia com as citações dele, mas elas se aplicam aqui, vou citar como homenagem ao seu Arnaldo Gomes, grande filósofo popular goiano, uma delas, dizia “Quando Deus dá a farinha, o Diabo carrega o saco!” outra, “Pobre vive de teimoso!” Tem muitos outros, mas alguns não podem ser publicadas nesse horário. Ao observar muitas pessoas testemunharem nas reuniões de oração e etc. grande parte, são “tristimunhos” pois eles passam a impressão que Deus não é capaz de garantir tudo e que a batalha do bem contra o mal é tão apertada, como um clássico de futebol, decidido nos detalhes e nos acréscimos. Gente, a força do bem, ou o exército de Deus, não está nas cordas, encurralado pelas trevas, e podem perder à qualquer momento! Deus é Deus, o Todo-Poderoso, o Criador e Sustentador de TODAS as coisas! Deus não conhece derrotas! Ele é o Senhor das batalhas, operando ele, quem pode impedir? Suas promessas são firmes e fiéis. Ele havia dito para Jacó voltar para Canaã, que ele estaria com ele, o protegeria e lhe faria bem! Quando em momentos muito difíceis, eu me agarro no texto do Salmo 145, até minha alma sossegar e ficar em paz, isso funciona! Justo é o Senhor em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras. Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade (Sl 145.17,18).

Pai, nós te adoramos porque o Senhor é Deus grande e tremendo nos céus, na terra, na igreja e em nossas vidas. Nada está fora do teu controle e governo. As tuas mãos poderosas estão sobre nós para nos guardar e abençoar. Amamos o bem e assim, estamos protegidos pelo bem e pela verdade da tua Palavra. Não seremos tentados além das nossas forças, mas juntamente com as provações vem também os meios de escape e livramento. Grande é o Senhor, em todo tempo e para sempre o serviremos. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason