As Gerações de Ismael

Meditação do dia 31/10/2018

 “Estas, porém, são as gerações de Ismael filho de Abraão, que a serva de Sara, Agar, egípcia, deu a Abraão.”  (Gn 25.12)

 As Gerações de Ismael – Depois que adquiri certo conhecimento da importância das gerações e do papel delas nos planos de Deus, cada texto da Palavra de Deus que cita uma dessas palavras ou menciona algo sobre esse ensino, me desperta a atenção e tem sido uma experiência muito enriquecedora. Costumamos ver a vida muito fatiada, compartimentada, e onde cada um cuida do seu quadradinho e dá a impressão que tudo diz respeito ao tempo da hora que nascemos até a hora que morremos aqui na terra. Fomos catequisados e se formou uma mentalidade imediatista de que tudo começa e termina conosco mesmo. Isso não é bíblico e não é propósito divino para a vida de nenhum dos seus filhos. Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez (Ec 3.11). Não é apenas ter ou sentir o desejo de viver na eternidade, ou acreditar em vida eterna; se trata de estar consciente de que fazemos parte de um projeto que iniciou-se na eternidade e segue pela eternidade. Aqui estamos numa passagem, uma condição que fora privilegiada, mas que o pecado e a desobediência estragou o projeto original e desde então está em curso um plano de recuperação, que conhecemos como plano de redenção da humanidade e de todo o ambiente que a cerca. O pecado do homem afetou e corrompeu tudo ao seu redor e assim a obra de redenção também alcança tudo quanto foi afetado. As pessoas são os bens mais valiosos da criação de Deus. Assim como fizemos parte do trabalho de estragar também fomos incluídos no trabalho de restaurar; somos parceiros com o Senhor e temos responsabilidades a cumprir, já que somos os principais beneficiados com o projeto de Deus. Existe uma estrutura rígida, como uma coluna que dá sustentação ao corpo todo do projeto e isso se fundamenta em pessoas. Sempre Deus chamou pessoas, abençoou-as e deu-lhes participação em seus projetos. Costumo ensinar que essa coluna segue um padrão básico: Um homem, uma família, uma nação, uma família, um homem; eu explico: Deus tomou um homem (Abraão), fez dele uma família (Jacó) e fez dela uma nação (Israel) e tomou dela uma família (Davi) e dela tomou um homem (Jesus). Em todo esse processo, está um cuidado todo especial com a transmissão da fé e das alianças através do processo geracional. Tudo passa de pai para filho, de geração em geração. É assim também com as nações e famílias periféricas a Israel, Jesus e a Igreja. O propósito eterno é que todas as famílias e nações da terra sejam abençoadas com a redenção eterna. Esse evangelho foi confiado à Israel e posteriormente à igreja; nunca houve uma idéia de separar um povo (Israel) para serem salvos e os demais se perdessem. Deus ama a todos e é fiel a promessa feita a Adão e Eva lá no Éden. Ismael não era a linhagem da promessa feita à Abraão, mas ele estava nos planos do Senhor que o abençoou e suas gerações cumpriam e cumprem ainda os designios divinos. Os povos cada um tem sua contribuição para revelar a grandeza de Deus e sua infinita glória. Povos serviram de berço para a formação do povo de Deus; para guarda-los em situações especiais e vemos na nova aliança, que a igreja se compõe de salvos de todos os povos, raças, tribo, línguas e nações. Não existe acasos com Deus; não existe acidentes de percursos ou improvisações nas suas obras. Vimos como Ismael saiu de casa, um garoto e com a promessa de se tornar um povo e uma nação. Nada disso se tornaria realidade sem as gerações, filhos nascendo, crescendo, casando e gerando filhos, comprometidos com um propósito maior de Deus e que cada pessoa cumpre um papel específico, ainda que transitório, mas fundamental e eterno para o quadro todo. A igreja precisa ver as coisas assim também. Gerações de salvos gerando filhos comprometidos com a fé e com os propósitos eternos de Deus e do reino de
Deus. Sem isso, ficamos num círculo vicioso de ganhar e desviar, ganhar e desviar e nunca atingir a meta. Me preocupa sim, ver famílias que não duram três gerações firmes na fé. isso deve ser motivo de nossas orações, mas também de ações para reparar e voltar aos caminhos das veredas antigas.

 

Senhor, obrigado por ser abençoador de pessoas dentro de um contexto de gerações alcançadas, comprometidas e disponíveis ao serviço da fé. Abraão fez bem feito o dever de casa e Israel tem se mantido ao longo dos séculos comprometido com Jeová e com uma mentalidade de Reino. A igreja tem se preocupado mais com almas e ir para céu e pouco com ser participante de algo maior que a existência das pessoas. Pai, preciso de ajuda, discernimento e capacidade para ensinar e fazer diferença na minha geração. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Isaque & Ismael

Meditação do dia 30/10/2018

 “E Isaque e Ismael, seus filhos, sepultaram-no na cova de Macpela, no campo de Efrom, filho de Zoar, heteu, que estava em frente de Manre,”  (Gn 25.9)

 Isaque & Ismael – Tudo começa e tudo termina, exceto a própria eternidade. O que Adão perdeu lá no Paraiso e muitos procuram até hoje, não é um artigo que se possa encontrar distante de Deus. Hoje não vamos meditar em vida eterna ou salvação, mas nas lições que a vida nos dá enquanto o mundo dá suas voltas. Como em outras situações, me dei o direito de pensar de forma fictícia mas alinhado com os ensinamentos bíblicos, para enriquecer o aprendizado com a vida dos nossos antepassados da fé. Hoje, voltamos a uma preciosidade da narrativa bíblicas, que a grosso modo, esconde grandes verdades que podemos descobrir ao remover as camadas de idéias próprias e pré-concebidas. Eu não tenho uma afirmativa no texto sagrado ou na história ou tradição, que conste que Ismael nunca mais retornara à casa de Abraão, ou que ele não tenha recebido alguma visita de seu irmão Isaque. Mas sou arrastado para uma hipótese de que as diferenças entre Agar e Sara, permanecera entre as duas e que ambas as partes respeitaram as decisões que foram tomadas; mas que isso não colocou um ponto final na fraternidade e amizade entre Isaque e Ismael. Sem criar um enredo em todo esse meio termo, que é um bom período de tempo, pois Isaque nascera aos cem anos da vida de Abraão e era catorze anos mais novo que Ismael. Quando o patriarca veio a falecer, Isaque já era um ancião de setenta e cinco anos e Ismael já estava com oitenta e nove anos. Esse encontro para as cerimonias fúnebres e honras ao pai feitas em conjunto pelos dois, por menor que seja os registros, percebe-se um ambiente de respeito e consideração de ambos os lados. Ismael que poderia ser considerado a parte ofendida e maltratada, estava aqui presente e certamente sem mágoas e ressentimentos, contra o pai ou o irmão. Isso significa coisas importantes: Grandeza de espírito, atitude de maturidade e postura de pessoa vencedora. Posso afirmar com plena convicção de que Ismael não foi a primeira pessoa no mundo a ser tratado de forma no mínimo inadequada. Por mais que Abraão era poderoso e com autoridade suficiente para determinar ações diferentes, ele acabou concordando com a atitude hostil de Sara, e ao orar também recebeu aval do Senhor, para fazer como fez, pois o Senhor cuidaria do garoto, e cuidou. Ao longo da minha jornada ministerial, já encontrei tantos amargurados e ressentidos, por coisas infinitamente menores. Adversidades existem na vida de todos. Situações de injustiça ou de não adequação acontecem nas melhores famílias. Pastores e igrejas se desentendem desde que os dois existem. Herdar e deserdar aparece em tudo quanto é canto do mundo. Pais ricos torrarem os bens e deixar os filhos e netos em estado de pobreza e miséria, não é privilégio de poucos. Filhos que lesam os pais e irmãos para terem vantagens financeiras também acontece. Ter o tapete puxado, ser traído, roubado, prejudicado por má aventura é incontável na história. MAS… a condição do coração, a atitude de perdão, de dar a volta por cima  é uma decisão individual, pessoal, que se toma no íntimo e no momento a sós com Deus. Viver amargurado, ressentido e azedo por causa de coisas, não justifica para quem serve a um Deus grande e poderoso que cuida de tudo por nós. Há um texto que descreve uma consulta de um rei a Deus em face de um prejuízo financeiro que se avizinhava, mas recebeu a seguinte orientação do Senhor: E disse Amazias ao homem de Deus: Que se fará, pois, dos cem talentos de prata que dei às tropas de Israel? E disse o homem de Deus: Mais tem o Senhor que te dar do que isso(2 Cr 25.9). Falo com autoridade de quem já experimentou isso na pele, em termos de prejuízos e perdas grandes de patrimônio e reagir de forma bíblica e mantendo o coração limpo e puro de ódio e ressentimentos e Deus sempre honrou e cuidou de mim e de minha família. Ismael tinha tudo, para ter levado uma vida amarga, ressentida e culpar o pai, a mãe, o irmãozinho mimado, Deus e o mundo. Mas ele estava ali junto com o irmão honrando a memória do pai e fazendo o que se esperava dele. Voce não tem o direito de viver amargurado. Abra mão disso. Liberte-se!

 

Senhor, tu és o meu Deus forte, a minha fonte de alegria e prazer. Nada escapa aos teus cuidados e nem uma folha se move sem a tua permissão. Permita que vejamos a vida do teu ponto de vista. A vida é muito mais do que bens e direitos materiais. Ela tem propósitos mais elevados que podemos alcançar em Cristo Jesus, no nome de quem oramos, amém.

 

Pr Jason

O Casamento de Ismael

Meditação do dia 29/10/2018

 “E habitou no deserto de Parã; e sua mãe tomou-lhe mulher da terra do Egito.”  (Gn 21.21)

 O Casamento de Ismael – As nossas raízes são muito importantes e o compromisso que se estabelece com esses vínculos, podem fazer muita diferença no resultado final dos planos de uma pessoa. Ao olharmos os ensinamentos bíblicos sobre a formação das famílias e delas vieram povos e nações, vemos que a valorização das origens era levado muito à sério. Abraão, anos mais à frente do que estamos estudando agora, ao procurar uma esposa para Isaque, foi em busca de suas raízes; Isaque fez o mesmo com relação à Jacó, que veio a ser Israel. Como Ismael estava fora da herança por sucessão em relação a família de seu pai, e agora vivendo longe numa espécie de exílio, a sua maior influencia e referencia era naturalmente sua mãe, que tinha suas origens no Egito e foi exatamente nesse povo que ela buscou uma esposa para Ismael. Não tenho a pretensão de estabelecer nenhum paralelo entre aquilo que eles fizeram lá e o que fazemos hoje, em termos de famílias ou os valores que nossa sociedade adota para estabelecer alianças de casamento. Mas os princípios que norteiam as escolhas sempre vão revelar traços do caráter e a direção em que ele segue na vida espiritual. Há uma família e uma linhagem da fé onde deveria ser a raiz para se formarem as novas famílias dentro e valorizando a herança espiritual de cada um. Mas na atualidade pouco valor está sendo atribuído ao casamento e muito menor ainda a faze-lo dentro do ambiente de mesma fé. Com isso as novas gerações surgem com um distanciamento cada vez maior das verdadeiras alianças com Deus. Israel como nação surgiu com uma visão focada em ser uma nação sacerdotal para todas as nações, sabendo que deles viria o Messias, e por essa possibilidade real, eles foram sempre muito cuidadosos com os aspectos que circunstanciavam o casamento, para blindar de laços estranhos à aliança de Deus com os patriarcas Abraão, Isaque e Israel. Eles fugiam e até por força de lei, o casamento misto, ou com estrangeiros pagãos era desencorajado veementemente. Quantas histórias e relatos encontramos sobre os prejuízos que tais violações trouxeram para o povo de Deus em sua história. Mas a razão principal era manter uma linhagem pura, longe da imoralidade sexual e uniões ilícitas, para que no futuro uma virgem de Israel pudesse vir a ser o instrumento divino para a concepção imaculada de Jesus. Quando olhamos para aqueles padrões tão rígidos em termos de família e moralidade, não se tratava de uma mera questão de fazer diferente, mas um propósito de ser o ideal para canalização dos eternos propósitos divinos para a redenção. Também a formação da família, deve ser algo procurado e celebrado por todos. A bênção do Senhor sobre as nossas vidas, ainda está sob a condicional “de geração em geração…” se não houver continuidade de famílias e nascimentos, como perpetuar algo que é geracional. Temos que admitir que em nosso tempo, qualquer coisa se transforma em “business” (negócios); e o casamento não ficou fora disso; há uma indústria em torno dele, que chega a ser mais valorizado do que o casamento e a aliança em si. É por demais comum vermos cerimonias de milhões em gastos, e tudo desaba em menos de um ano; outros já chegam para a cerimonias já trincados e mal resistem aos poucos dias da lua de mel. Quem tem uma promessa de Deus, precisa se cuidar e procurar suas raízes e estabelecer vínculos que lhe permitam perpetuar os planos e realizações.

 

Senhor, obrigado por nos dar entendimento que o casamento está nos teus planos desde a origem do homem e a perpetuação da tua benção segue-nos de geração em geração e assim será para todo o sempre. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Ismael Foi Flecheiro

Meditação do dia 28/10/2018

 “E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro.  (Gn 21.20)

 Ismael foi Flecheiro – Uma das formas de se identificar uma pessoa é fazendo-lhe perguntas que permitam traçar uma perfil dela. Sabendo o básico, já é suficiente para estabelecer alguma comunicação ou um relacionamento. Assim como alguém é vítima de acidente e fica desacordado, as primeiras preocupações quando ele dá sinais de consciência é identificar o grau de consciência e capacidades dela naquele momento. Daí vem as perguntas básicas: seu nome, onde mora, o que faz, onde trabalha, se ela se lembra do que aconteceu e etc. Temos uma afirmação sobre a pessoa de Ismael, de que ele foi flecheiro. Isso diz pouco, ao mesmo tempo que diz muito; pois isso declara que ele tinha uma ocupação na qual se dedicava e com ela levantava o seu sustento, sua proteção e fez seu nome conhecido e respeitado. Toda pessoa precisa ter uma ocupação que lhe permita ser conhecido e mais do que isso, se identifique com essa ocupação. Um homem sem um ofício é um homem sem um propósito e isso o torna instável e sem sentido de valor e destino. A modernidade, a globalização e suas tecnologias e inovações fizeram surgir uma infinidade de ocupações que até bem pouco tempo eram inexistentes e até improváveis. Já sabemos também que muitos ofícios e profissões estão em extinção e em breve serão apenas lembradas como aspectos culturais do passado. Nos tempos bíblicos e até em tempos mais recentes da história, ser um flecheiro, alguém com habilidade no uso do arco e flecha, era reconhecido e respeitado. Quem não ouviu falar de Robin Hood, o mítico fora da lei da Inglaterra dos séculos 13 e 14? Nas escrituras propriamente dito, há diversas citações e eu quero me ater a poucas para não sairmos longe do tema. Gosto da citação do Salmo 127 em que afirma: Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos, mas falarão com os seus inimigos à porta (Sl 127.4,5). Nossos filhos são retratados como flechas na mão de um homem valente e é feliz quem tem muitas dessas flechas em sua aljava. A figura aqui é de um flecheiro valente, destemido, determinado e com uma farte munição de flechas para atirar. Pela descrição, sabemos que ele vai atirar e vai acertar seus alvos. Isso está falando família cujos pais preparam seus filhos e os enviam para cumprir suas missões e eles acertam e atingem os propósitos estabelecidos. Não são flechas atiradas ao acaso, para qualquer lugar e por acidente acertou em algo. É treino, prática, determinação, tentativas e erros até se aprimorar e na hora de decidir, estar de fato pronto. Outra citação que me ocorre é de um anônimo flecheiro que foi instrumento do juízo de Deus sobre um rei rebelde e perverso, descrito em I Rs 22.34 – Então um homem armou o arco, e atirou a esmo, e feriu o rei de Israel por entre as fivelas e as couraças; então ele disse ao seu carreteiro: Dá volta, e tira-me do exército, porque estou gravemente ferido. Acabe, rei de Israel disfarçou-se entre os seus soldados no combate para não atrair a atenção para si, mas um flecheiro, resolveu atirar em alguém não específico e conseguiu atingir o rei no único ponto vulnerável de sua armadura e assim a Palavra de Deus, profetizada contra ele se cumpriu. Devemos procurar um propósito para nossa vida e dedicar-nos a algo que faça sentido e dê dignidade e realização como pessoa. Aquilo que se faz, deve ser feito com destreza e excelência, porque é uma das formas de alcançarmos os objetivos maiores nos propósitos de Deus. Ismael foi flecheiro e patriarca de uma nação; Eu sou pastor de igreja e estudioso das Escrituras Sagradas; e você? É empresário, motorista, servidor público, professor… mas isso é feito com excelência tal que é assim que te conhecem? É dai que você se realiza?

Pai celestial, obrigado por dar dons e habilidades para cada pessoa, para que através disso elas possam de servir e se realizarem como pessoas. Graças damos por toda a diversidade de atividades que podemos exercer e em todas elas há dignidade e valor. Jesus o nosso Senhor era um carpinteiro e ainda assim é o salvador do mundo. Permita que tenhamos bom discernimento e mudemos de atitude quando as oportunidades que tens nos dado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Ismael Habitou no Deserto

Meditação do dia 27/10/2018

 “E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro.  (Gn 21.20)

 Ismael Habitou no Deserto – O ser humano é plenamente adaptável aos meios e situações ao seu redor. O nosso corpo como é constituído tem uma grande capacidade de se ajustar e adaptar, administrando todos os recursos disponíveis tornando possível a vida em situações e lugares muito difíceis. Aquilo que é desafiador para uns é um paraíso para outros. No Brasil, por seu um território extremamente grande, a nível continental, temos uma diversificação de ambientes, climas, fauna, flora, solos, recursos naturais e é perceptível a variação de um ponto para o outro. Ao mesmo tempo encontramos populações plenamente adaptadas a cada cenário, com suas riquezas e mazelas e mesmo assim, eles não trocam aquilo por outro local, a não ser por força maior. Temos o ribeirinho no norte, que se adapta às temporadas de excesso de águas e clima muito quente e úmido. Do outro lado temos o sertanejo nordestino, adaptado à escassez de chuva e água em clima quase desértico. O sul com clima frio, chuvas e variações diversas ao longo do ano. Os grandes centros urbanos com suas metrópoles, se adaptam à realidades e suas próprias tempestades situacionais, que só mesmo as tribos urbanas para sobreviver ali. No globo inteiro encontramos esses mesmos desafios e pessoas que se tornaram um só com seu ambiente e a arte de viver se torna uma marca que até atrai curiosos, turistas e estudiosos de casos. Ismael teve sua infância numa família de hábitos tribais nômades, que peregrinava por vastos territórios, seguindo os passos dos rebanhos. Essa vida pastoril simples, vivendo em tendas e valorizando os recursos naturais de cada estação, aprimorava a arte de sobreviver, aprender, descobrir e  enfrentar os desafios e perigos presentes em todos esses lugares e só os fortes prevaleciam. Quando saiu de casa, levou apenas o seu arco, que no máximo até então era um instrumento de esporte que utilizavam na caça e na defesa. Bons arqueiros eram respeitados e tinham seu valor naquela sociedade. Até os exércitos daqueles povos, tinham guarnições de arqueiros especializados nessa arte. A mãe de Ismael era de origem ligada a regiões desérticas e isso facilitou as escolhas e o destino onde se estabeleceram. Para nós os cristãos, o deserto é um fenômeno desafiador que ilustra parte da jornada da vida, o tempo de provações e dificuldades que todos passam em direção ao crescimento e à maturidade na fé.  Êxodo hebraico é o mais simbólico pois mostra os passos da fé, desde a experiência da salvação e libertação do cativeiro do pecado até a entrada a terra prometida, que não é o céu, mas a maturidade em Cristo. o deserto é o tempo de aprender, organizar e conhecer a Deus em profundidade. Ali acontecem as duras provas, as tentações, os desafios de escassez e limitações, mas também é onde acontece as grandes manifestações de Deus com provisões sobrenaturais e livramentos espetaculares. Então, para o cristão, o deserto não é um lugar de viver, de permanecer, mas uma passagem em direção a promessas maiores e definitivas. Passar pelo deserto é muito difícil, mas se a presença de Deus estiver conosco, experimentaremos milagres, abundancia, proteção ilimitada, provisões miraculosas e grandes vitórias. O problema então não é passar pelo deserto, mas passar sozinho, sem a bênção e presença do Senhor. Ismael tinha a bênção e a presença divina com ele, pois não só habitou e sobreviveu no deserto, como cresceu, prosperou e se multiplicou até se tornar uma nação. Por alguma razão, onde não há atratividade para uns, para outros é o seu lar, o seu paraiso e onde ele servirá a Deus e cumprirá os seus propósitos. Estando no centro da vontade de Deus, todo lugar pode ser um bom lugar. Fora da vontade do Senhor, até um jardim pode ser deprimente e solitário. Onde você habita?

 

Senhor Deus, tudo é teu e tudo está sob os teus cuidados. Nossas vidas estão disponíveis e prontas para servir e cumprir um propósito muito especial para o qual fomos criados, estamos sendo sustentados e salvos para glória do teu nome. Queremos estar onde o Senhor deseja e planeja para nós. A igreja precisa estar disponível ao teu chamado para ir e realizar a missão de alcançar vidas, onde quer que elas estejam. Oramos por sabedoria em nossa jornada, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Ismael Cresceu

Meditação do dia 26/10/2018

 “E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro.  (Gn 21.20)

 Ismael Cresceu – Todo pai fica orgulhoso ao ver seus filhos grandes, fortes e se realizando na vida. Faz parte das expectativas de todos nós ao nos deparar com as alegrias da paternidade; desde a notícia da concepção criamos uma expectativa com muitas esperanças até o dia do nascimento. o primeiro dia daquela pessoinha inaugura também em todos os que o cercam de novas esperanças e novas perspectivas. Até então tudo direcionava para que nascesse saudável, forte e com quem ela se parecia; mas agora que já se sabe tudo isso e mais um pouco, então o foco é traçar novos planos e e investir naquilo que acreditamos para a vida dela em relação a nós e a tudo que acreditamos. Temos os casos de destaques da história bíblia: O primeiro filho nascido neste mundo, Caim, deve ter sido tremendamente aguardado e pouco se sabia de prática até que ele chegou. Depois veio o uma nova expectativa quanto ao nascimento do terceiro filho, Sete; ele veio não para substituir Abel, mas para dar continuidade a linhagem de piedosos e a linha de redenção para a humanidade. Quando nasceu Noé, seus pais celebraram como alguém que viera com uma missão nobre e muito importante. E viveu Lameque cento e oitenta e dois anos, e gerou um filho, a quem chamou Noé, dizendo: Este nos consolará acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mãos, por causa da terra que o Senhor amaldiçoou(Gn 5.28,29). A lista pode ser enorme, mas não podemos deixar de pensar naqueles que nasceram sob promessa profética divina, já com um ministério pré-determinado, como foi Isaque, Jacó, Moisés, Sansão, Josias, João Batista, Paulo. Nem vou incluir na lista a Jesus, pois ele dispensa comentários, ou melhor, ele merece todos os comentários, todos os elogios, todo louvor e toda honra e glória. Quero fazer uma pequena reflexão sobre o caso de Sansão: Depois teve esta mulher um filho, a quem pôs o nome de Sansão; e o menino cresceu, e o Senhor o abençoou. E o Espírito do SENHOR começou a incitá-lo de quando em quando para o campo de Maané-Dã, entre Zorá e Estaol (Jz 13.24,25). Esse fortão da história e herói de muita gente, foi concebido, nascido e criado sob promessa de Deus para um serviço à nação. Cresceu abençoado e o Espírito de Deus estava com ele e o conduzia para o seu campo de trabalho. Quero dizer com isso que ainda com todo esse currículo, a pessoa ainda é responsável pelas suas atitudes e decisões tomadas, que poderão ajudar a cumprir ou dificultar a realização daquilo para o qual a pessoa foi criada por Deus e colocada aqui. Sansão é exemplo real de alguém vocacionado mas que não agiu responsavelmente, fazendo o ministério de forma relapsa, conforme suas próprias conveniências, buscando mais o prazer e os privilégios que isso lhe daria do que verdadeira obediência e consagração. O ministério deve ser a razão da vida da pessoa; para Sansão, seu maior feito só aconteceu com o preço da sua morte. Por sua vida de brincar com o pecado, perdeu a visão (espiritual e física); foi preso e escravizado, fez serviço de burro de carga moendo trigo para o inimigo, até reconhecer que fizera tudo errado. Acertou no final, mas já era tarde. Que isso nos sirva de lição. Só ter chamado, ser abençoado e usado por Deus não é garantia de aprovação e fidelidade. Ismael cresceu, mas para crescer, primeiro tem que sobreviver e achar um propósito para viver e servir. Para ele, uma grande nação, como era o itinerário final de sua jornada, começava com ficar vivo, cuidar da mãe e depois formar uma família e a cada passo, ir firmando as bases para aquilo que está ao longe na visão. Pais, vocês não podem deixar a vida de seus filhos ir passando e só quando eles estiverem grandes, então querer tomar alguma atitude ou dar uma direção. Busque a vontade de Deus desde antes da concepção, durante, na vida uterina, no nascimento, primeira infância e adolescência, para então vocês terem um jovem saudável, cheio de propósitos e determinado a atingi-los e depois virão a vida adulta, família e assim de geração em geração. Filhos precisam de pais, de orientação, apoio, correção e disciplina para aprenderem o caminho da vida.” Essa citação linda, é minha mesma (risos), da meditação do devocional da Campanha Nacional de 40 dias de Oração e Jejum da CBN 2018 (20º dia).

Senhor, nós te agradecemos pela vida e pelo crescimento de todos os teus filhos. Todos aqueles que foram chamados por tua graça e propósito, em Cristo Jesus. Os teus planos não são apenas para que as pessoas se tornem adultas e grandes em estatura física; mas que alcancem os teus bons propósitos e experimentem o teu favor e se habilitem a servirem com qualidade e fidelidade. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Deus Estava Com Ismael

Meditação do dia 25/10/2018

 “E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro.  (Gn 21.20)

 Deus estava com Ismael – Uma das primeiras e mais poderosas declarações do relacionamento de um homem com Deus é a de Enoque, um ancestral de Noé, ainda antes do dilúvio. E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou (Gn 5.22-24). Esse senhor, ainda num tempo quando todos estavam se distanciando de andar com Deus, ele foi modelo e exemplo até para os dias de hoje. Sua vida inteira foi um símbolo de como devemos viver e servir a Deus. Assim como o nosso ano tem trezentos e sessenta e cinco dias, a vida dele simbolizada por um ano para cada dia do ano; ele viveu, serviu e andou com Deus todos os seus dias, e o fez com tal dedicação que agradou tanto ao Senhor, que o escolheu para si e o levou, sem que ele provasse a morte física; se tornando assim um símbolo do povo de Deus que será arrebatado sem provar a morte física; quem viver, verá! Na nossa meditação de hoje, aquele garoto que estivera jogado debaixo de um arbusto, se levantou e confirmou em sua vida as promessas de Deus para sua vida. Deus era com ele! Essa é uma marca que faz muito diferença na vida de uma pessoa. Nossa fé nos ensina que Deus não faz acepção de pessoas, nem tem prediletos, mas que aqueles que o amam e o reverenciam, andando nos seus caminhos, são de fato abençoados e prosperam. Ainda que naquela ocasião ele fosse um menino, ainda em formação, ele alcançou o favor do Senhor, que confirmava suas promessas feitas a Agar, sua mãe, como para Abraão seu pai. Essa atitude de Deus em andar e estar com a gente, precisa ser valorizada e cultivada, porque é a sua presença que abençoa e dá sentido à tudo aquilo que acreditamos. As experiências de Ismael até então eram poucas e suas responsabilidades iriam crescer tanto quanto ele, pois desde menino, ele se tornara o “homem da casa,” e ele e a mãe tiveram que recomeçar suas vidas praticamente do nada, em sentido de bens e posses materiais. Ao sair da casa de Abraão, mesmo sendo filho, tudo que levaram foi um pão e um odre de água, que logo se esgotou. Após todo aquele quadro de horror e aparência de morte, veio o milagre divino em forma de provisão de água e muito mais do isso, porque embora não esteja descrito na narrativa bíblica, eles chegaram a um destino, eles se estabeleceram e prosperaram. Alguém do meio esportivo, mais propriamente do futebol, afirma que “as vezes o medo de perder, tira a vontade de vencer.” A história desse garoto, é mais uma daquelas que tinha todos os ingredientes para dar errado e terminar tragicamente, mesmo que o começo era promissor. A atitude de Ismael, a sua fé e a presença de Deus em sua vida mudou o curso e escreveu-se um final diferente. Ele poderia ter ficado triste, deprimido, revoltado, amargurado e com idéias suicidas ou de vingança porque a vida tinha sido tão dura com ele e o decepcionara. Ele se levantou, lutou e mudou seu final. Eu e você aprendemos com isso. Nem sempre a vida é fácil ou cômoda e nem sempre temos as melhores oportunidades ou somos fustigados com duras provas. Mas a escolha ainda está em minhas mãos. Podemos escrever novos capitulo a cada dia. Os maiores vencedores, não se rendem facilmente, nunca!

 

Senhor, obrigado por andar comigo e com cada um dos teus filhos que foram alcançados pela graça salvadora. Em meio a todas as lutas e provas, que cada um tem que enfrentar, o principal é saber que estarás conosco todos os dias até os fins dos tempos e nunca seremos abandonados. Aqueles que hoje se encontram prostrados e em grandes dificuldades, pedimos ajuda e conforto do teu Espírito Santo, para tenham os olhos abertos e vejam as fontes das soluções e provisões do Senhor para suas emergências e depois se levantem e andem rumo a novos desafios e vitórias. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Sede de Água

Meditação do dia 24/10/2018

 “E abriu-lhe Deus os olhos, e viu um poço de água; e foi encher o odre de água, e deu de beber ao menino.”  (Gn 21.19)

 Sede de Água – A sede faz parte das necessidades básica da vida, no sentido literal, questão de sobrevivência. Sem ingerir água o limite de tolerância da vida humana é muito restrito. Não ser em vão que o nosso planeta é composto em sua maior parte por água. Essa tão preciosa bebida, tem bem mais de mil e uma utilidades em nossa existência e está se tornando um bem preciso em ritmo de escassez, o que pode pesar e muito na balança do que as nações e povos considera um patrimônio pelo qual vale lutar, matar e morrer. O Brasil, tem uma das maiores reservas de água potável do planeta e isso nos torna responsáveis ao mesmo tempo que privilegiados. Os textos da Bíblia aludem diversas vezes e em muita delas sobre situações em que pessoas se viram em risco de morte por sede e também registra milagres poderosos de Deus para suprir para os seus filhos em situação de necessidade. Para os povos que viviam e os que ainda vivem em regiões desérticas, como no Oriente Médio e África, eles aprendem a sobreviver e a tirar proveito dos escassos recursos de água disponíveis. Na história de Agar e Ismael, encontramos ela na beira de um poço, quando fugia de Sara e teve aquele encontro com o Anjo do Senhor, que lhe deu instruções e fez promessas de um futuro melhor e que valeria a pena ela se humilhar e se submeter à sua senhora. Agora, entre treze e dezessete anos depois, aqui está ela e aquele filho, num deserto, numa jornada rumo a sua liberdade e a construção de sua própria linhagem. Mas também houve esse episódio de falta de água e quando ela estava perdendo as esperanças, Deus interveio novamente em resposta à oração de Ismael, que clamou a Deus por socorro e livramento. Aqui surgiu então um ato grandioso, pois o anjo mostrou a ela um poço, que certamente não estava ali antes, mas fora providenciado milagrosamente para aquela situação. Gosto de pensar em como as coisas acontecem em nossas vidas, e na vida do povo de Deus. O mover de Deus está sempre ligado à oração; alguém precisa orar, orar com fé e com todo o seu coração reivindicando aquilo que já é realidade na Palavra de Deus. Ismael orou firmado na promessa de que ele se tornaria um homem, um pai de família, que tornaria uma nação e povos. Tudo isso aconteceria, uma de cada vez e com as devidas etapas, mas começava com aquele instante. Ele precisava sobreviver; estar vivo é a primeira condição para continuar. Enquanto alguém prevalece em oração, alguém recebe revelações e instruções que levam a solucionar a situação de emergência ou urgência. A fidelidade é essencial em todas as etapas. Ismael orou, o Senhor respondeu e veio mostrar a mãe dele um poço; agora cabia a ela se levantar e agir. Providenciar agua sobrenaturalmente no deserto só Deus pode fazer; mas se levantar e encher o odre, ela podia e devia, como também dar de beber ao garoto. Eles eram duas pessoas, então eram os dois que deviam cooperar e trabalhar para saírem daquela crise. Uma família está com problemas, quem você acha que deve agir proativamente para resolver? Uma igreja está em dificuldades, quem você acha que deve tomar as rédeas em busca de solução? Qual é a minha parte nisso? Essa é a grande pergunta! Sou dos que oram, dos recebem instruções dos céus, dos que agem na prática, e põe as mãos na obra? Somos parte do problema e da solução? Qual tem sido sua contribuição para o milagre de Deus se concretizar? Não sabe? Mas já perguntou? Já se propôs ajudar? Ou está do lado dos que criticam e aumentam o peso e dificulta as soluções?

 

Senhor, quem sou eu nessa equação na minha casa, na minha igreja, na minha cidade ou nação? Qual o papel que o Senhor delegou a mim? Assim como Agar foi exortada a se levantar e agir, para as tuas promessas se cumprissem na vida de Ismael, assim também há alguma responsabilidade e alguma ação que devo fazer. Abra os meus olhos e especialmente o meu coração, para que eu seja mais parte da solução do que da causa do problema. Peço discernimento e espirito de sabedoria, para o que se passa hoje ao meu redor. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Mãe Levanta o Filho

Meditação do dia 23/10/2018

 “Ergue-te, levanta o menino e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação.”  (Gn 21.18)

 A Mãe Levanta o Filho – Falar bem da mãe é chover no molhado! O papel das mães na vida dos filhos é muito grande e para descrever isso, não faríamos justiça ao esforço delas para levantar seus filhos e ver neles o potencial que a maioria não vê e as vezes, nem eles mesmos. Exemplos de heroínas maternas não faltam em todo o mundo e clássicos já foram escritos e em todas as artes elas são retratadas como protagonistas e isso é justo. A Bíblia não ficaria de fora de qualquer boa coleção de feitos notáveis de mulheres que fizeram mais do que o possível pelos seus filhos e algumas se tornaram famosas anônimas, mas venceram as batalhas de suas vidas em prol de seus filhos. Mulheres cristãs, cheias do Espírito Santo, tem um poder de influencia e de abençoar que merecem ser estudadas e transmitidos esses preceitos para gerações infinitamente. Se for pedido para escolhermos três exemplos de mães notáveis na Bíblia, todos teremos dificuldades, porque é um universo muito grande para apontar um pequeno número; já que eu desafiei vocês nesse exercício, fico na obrigação de também compartilhar minha lista, que não poderia ser só de três, mas vamos seguir o raciocínio, sem desmerecer nenhuma outra. A primeira da minha lista é Eva. Não temos muita coisa descrita e o nome apenas do marido e três filhos entre os “filhos e filhas” que o casal veio a ter. Admiro-a tanto, por ser a primeira em tudo nesse mundo. Ela não sabia nada, não tinha à quem perguntar nada, pois não teve mãe, nem irmã, nem sogra, tia, prima, vizinha… a segunda da minha lista, pode ser a mãe de Moisés, se tem alguém que viveu e foi mãe num tempo de sufoco, foi ela e a sua ousadia e criatividade é digna de nota e como ela soube aproveitar o pouco tempo que teria com o filho e inculcar nele sementes que frutificariam e as promessas de Deus para o seu povo acontecessem, eu tiro o chapéu para ela. A terceira, na minha ótica não poderia ser outra senão Maria, a mãe de Jesus. Seu exemplo de fé e obediência à revelação divina, cercada de mistérios e circunstancias que poriam em dúvida sua idoneidade moral, numa época em que tais costumes pesavam tanto. A experiência íntima com Deus é algo muito privado, muito pessoal mesmo, mas o ser humano vive em comunidades e os costumes, cultura e o peso que essas influencias exercem sobre as pessoas é muito grande. Quantos de nós estamos tão disponíveis assim, como ela? Bom, faça você o seu exercício e justifique suas escolhas de três mulheres maravilhosas na Bíblia, isso pode ser muito edificante. Nas veredas antigas de Deus para nós, sabemos que os pais são os instrumentos ideais para formar nos filhos a verdadeira noção de identidade e destino; até certa idade (a puberdade), as mães tem a maior influencia e daí em diante, o papel principal passa a ser do pai. Isso mesmo, não é a mãe cuida das meninas e o pai dos meninos; o cuidado, a proteção e afeto materno os conduz até essa fase da vida e agora chega o momento da definição e afirmação da pessoa, de sua identidade e de seu destino. O pai agora deve entrar em ação e determinação os rumos até para confirmação da identidade sexual dos filhos. Pelo porte e atenção masculina equilibrada e forte ele ajuda a menina a sentir protegida e amparada, como também ver um modelo de homem para seus relacionamentos. Para os meninos ele vai transferir a masculinidade e liderança, servindo de referencia de como se relaciona com o sexo oposto e se coloca como o cabeça do lar conforme os ensinos das Escrituras, cumprindo o papel de sacerdote da família e o valente, que protege a todos, que qualquer inimigo terá que enfrentar antes de atingir os membros da família. Ismael estava deitado, largado e sem muitas forças, mas ainda era alguém com quem Deus tinha promessas e propósitos. A mão da mãe era a alavanca e o apoio para recomeçar. Naquela situação a perseverança e a fé de Agar eram necessários para ele. Mais do que adiar a morte física, ela deveria ser o instrumento para as promessas sobrevivesse e viesse a se cumprir. Até Ismael assumir o controle e o comando de sua vida, ele precisava de uma mão amiga. Todos sabemos o poder da oração das mães, quando elas acreditam no que Deus disse sobre seus filhos; ainda que eles mesmos estejam desfalecidos e prostrados, a mesma mão que embalou e protegeu, agora deve se estender para levantar e sustentar. Esse é um ministério fantástico, mesmo que não reconhecido e aplaudido. Mães, levantem-se e levantem seus filhos e sustente-os em oração e fé até que eles caminhem com as próprias pernas.

 

Senhor, obrigado pelas nossas mães. Pela perseverança delas em oração e clamor diante de ti pela vida de seus filhos, que podem estar tomando decisões que os conduzirão para longe dos teus propósitos. Sustenta-as pelo teu poder e com uma visão grande e ampla até a vitória definitiva; em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Experiencia da Oração

Meditação do dia 22/10/2018

 “E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o anjo de Deus a Agar desde os céus, e disse-lhe: Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde está.”  (Gn 21.17)

 A experiência da oração – Para as crianças, que vê tudo muito próximo do literal, ensinar-lhes os princípios de fé é muito importante para que elas aprendam a confiar sem precisar de um testemunho físico e material. Elas aprendem que a Deus existe de fato, mas que não podemos ver com os olhos físicos, mas podemos confiar em nossos corações e falar com ele com a mesma confiança que fazemos numa conversa com uma pessoa em nossa frente. Elas absorvem o ensinamento e confiam piamente, que Deus as ama e cuida delas. Outro ponto de suma importância é testemunhar para elas os feitos de Deus, por menores que nos pareçam a nós adultos, no mundo delas, aquilo é prova mais que evidente que Deus agiu em favor dela ou de sua família. A Bíblia inteira está repleta de situações e até ordens para que compartilhemos os grandes feitos do Senhor, testemunhando para elas, para que a fé delas se firme cada vez mais no poder de Deus. No momento adequado, elas saberão fazer uso disso. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te (Dt 6.6,7). A missão dos pais piedosos em relação a seus filhos é transmitir-lhes o conhecimento e a fé em Deus de uma forma que seja uma herança preciosa, um patrimônio de altíssimo valor, ainda mais que bens materiais e dinheiro. Se nossos filhos tiver uma experiência real com Deus e forem fiéis a ele e ao serviço dele, aquelas coisas que não pudemos oferecer-lhes, elas poderão conquistar, porque prosperarão em Deus e serão uma geração muito melhor e mais vencedora que a nossa. Em Dt 29.29 está um clássico do discipulado judaico levado muito à sério e que os cristão subestimam. As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.O que está acontecendo, está revelado é para nós e nós filhos; mas a maioria dos pais, poupam os filhos de saberem as dificuldades pelas quais eles passam, mas também ocultam a bênçãos e os milagres que o Senhor faz por eles. É comum, alguém ser abençoado com uma intervenção sobrenatural e poderosa de Deus e os filhos só ficarem sabendo disso, o dia que isso for contado na igreja ou uma reunião. O que nos é dado por Deus é para nós e para nossos filhos; isso fortalece a fé deles em Deus. Abraão ensinou Ismael a orar, mas provavelmente o garoto nunca precisou prevalecer em oração, pois ao seu lado estava ninguém menos do que o pai da fé e o amigo de Deus. Mas agora ele estava no deserto, só com a mãe que estava desestimulada, abatida e sem esperança, já até esperando a hora da morte e o fim de todas as promessas de Deus para eles. Ali, largado para morrer, ele lançou mão do recurso de que dispunha e orou a Deus e o fez com fé e determinação. A resposta foi imediata e o mensageiro divino veio e exigiu que Agar agisse com prontidão, porque Deus havia ouvido a oração de Ismael. A oração de nossos filhos pode ser um forte aliado nosso; não podemos subestimar o poder da fé deles, mas como tudo na vida, isso é fruto de algo que foi semeado e cuidado para no devido tempo produzir resultados. Eu sei, no meu coração e vocês também, que naquele dia, após Agar e Ismael partirem, Abraão não esqueceu deles e tirou do coração de uma vez por todas. Certamente ele estava em oração a Deus para o livramento e a proteção, para que as promessas se realizassem. Quem constrói sobre alicerces bem sólidos, pode enfrentar as tempestades com confiança de que pode prevalecer. Esta experiência foi de grande valia e crescimento para o próprio Ismael, que viu a ação milagrosa do Senhor em resposta à sua oração. Nada se compara a uma experiência!

Senhor, obrigado por preparar os nossos corações para os grandes desafios que estão à nossa frente, saibamos deles ou não. Reconhecemos a importância de aprender a orar e especialmente confiar em ti e no poder da tua Palavra. Oramos por nossos filhos e nossa geração futura, porque eles irão prevalecer em tempos difíceis, porque são amados hoje e estão aprendendo com as nossas experiências e com o mover das tuas mãos operando em favor do teu povo. Graças, graças te rendemos, em nome de Jesus,amém.

 

Pr Jason.