Um Menino Hebreu

Meditação do dia: 25/10/2021

“E abrindo-a, viu ao menino e eis que o menino chorava; e moveu-se de compaixão dele, e disse: Dos meninos dos hebreus é este.” (Êx 2.6)

Um Menino Hebreu – O profeta Isaías proclamou uma palavra da parte do Senhor Deus, chamando o povo israelita à pensar sobre o relacionamento deles com Deus e figura utilizada na mensagem foi um bebê: “Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti” (Is 49.15). A possibilidade de uma mãe, em sã consciência e em condições normais de vida esquecer um filho bebê é muito pequena, são chances quase nulas. Assim também é o cuidado de Deus para com o seu povo. Eles se afastaram de Deus e depois entendiam que Deus era quem tinha se afastado e distanciado deles. Nada diferente do que presenciamos em nossos dias. A fé vai se desvanecendo e a prática devocional vai se tornando cada vez mais rara, até desaparecer; a comunhão é perdida e as orações de adoração e louvor são trocadas por lamentos e murmurações; o coração fica azedo e as atitudes se tornam ácidas e ásperas e assim se mostram em todos os níveis de relacionamentos. Precisamos fazer uma boa manutenção para não permitir o distanciamento iniciar, ainda que seja por motivos legítimos. Não descuidar e não ceder ao desânimo. Não deve ter sido nada fácil para a mãe daquele menino hebreu, abrir mão dele, colocando-o numa arca e deixado para flutuar ao sabor dos ventos nas margens do rio Nilo com seus perigos. Ao ser encontrado, havia evidencias que indicavam acertadamente que ele seria um menino hebreu. A princesa percebeu isso, pelo cesto, pelas roupas que o agasalhavam e pelas circunstancias sociais em que eles vinham passando sob as duras leis sobre o nascimento de filhos. Os filhos trazem as características dos pais, assim como a criação trás as marcas do Criador. É uma espécie de assinatura. Somos únicos, mesmo em meio a tantos milhares de outros seres humanos, cada um é distinto e carrega sua própria marca distintiva e quando reproduzimos, essas marcas aparecem, começando um novo ciclo. Os projetos de vida, e as realizações pessoais ou até coletivas também oferecem oportunidades de reconhecimento da origem. Encontramos ruínas, artefatos e partes de objetos de civilizações antigas e ainda assim é possível identificar a origem dos povos e civilizações a quem pertenciam. Muito antes de todas as tecnologias e instrumentos de precisão que dispomos hoje, a Bíblia já dizia que Deus tinha meios de isolar e identificar os atos e feitos de cada pessoa individualmente. “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal” (2 Co 5.10). Isso poderá ser feito tanto individualmente, pessoa a pessoa, como até coletivamente, com povos e nações. “E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda” (Mt 25.31-33). Já pensou sobre isso? Também pode ser aplicado às nossas origens, pois fomos criados para um propósito muito especial e uma missão a cumprir; sendo assim, o que somos, o que fazemos e como nos vemos tem importância e precisamos valorizar isso.

Pai, obrigado por ser quem sou e estar onde estou para fazer o que faço e crescer diante de ti em conhecimento, sabedoria e graça para te servir e abençoar as pessoas que para isso fui destinado. Obrigado por ter me colocado onde estou e podendo servir com esses irmãos e nessa época da história. O Senhor é digno de todo o nosso louvor e adoração por todos os teus grandes feitos. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Movida Por Campaixão

Meditação do dia: 24/10/2021

“E abrindo-a, viu ao menino e eis que o menino chorava; e moveu-se de compaixão dele, e disse: Dos meninos dos hebreus é este.” (Êx 2.6)

Movida Por Compaixão – As pessoas sempre nos surpreendem. Nós nos surpreendemos até conosco mesmos. Um evento aleatório pode ser suficiente para produzir uma mudança importante em nossas atitudes e comportamentos. Um sorriso de uma criança conquista muito e faz alegria surgiu no nosso coração e sorrisos nos lábios. Mas o choro, ah! O choro de uma criança é capaz de provocar uma avalanche no coração de qualquer um. A princesa teve curiosidade para saber o que havia no interior daquela arca que flutuava entre os juncos nas margens do Nilo e foi surpreendida ao ver que era uma criança, que chorava e o choro do bebê moveu o seu coração para exercitar compaixão. Ela tinha que fazer uma escolha, como todos nós fazemos, entre o certo e o errado, entre o que é dever e o não se comprometer. Havia implicações de grande peso a ser ultrapassadas, pois havia um decreto do rei, que por acaso era seu pai; certamente as damas de companhia ali presentes sugeriram a ela o caminho mais prático e fácil: Não se envolver. Fechar ou cobrir novamente e ir se banhar em outro lugar onde não haja choro de crianças. Também, poderiam ter sugerido que soltassem na correnteza para seguir o curso do destino ou da sorte. Ela poderia tê-lo feito por iniciativa própria, ou até contrariando alguma criada que tivera se compadecido. Como Pilatos com Jesus, ela poderia ter lavado as mãos! Mas será que a vida dela seguiria normalmente como se nada tivesse acontecido? Alguém entre nós, já deixou passar uma oportunidade e não quis se envolver e se arrepende até hoje? Alguém entre nós, teve a oportunidade de fazer um bem importante e se omitiu e isso tem consumido sua alma? Alguém poderia ter evitado um mal e preferiu não se envolver e nunca se livrou do peso e das lembranças do que causou a sua omissão? Confesso que não tenho as respostas, e talvez nem mesmos as perguntas certas! A verdade é que os planos de Deus não podem ser frustrados e a sua sabedoria é infinitamente grande para permitir que uma omissão irresponsável de alguém, contrarie e estrague um belo projeto. Quando Moisés nasceu, a princesa do Egito já era adulta o suficiente para ser mãe ou adotar uma criança; isso indica que Deus já estava operando naquela situação preparando todas as coisas para dar as condições de Moisés sobreviver, ser criado e educado com o tipo de treinamento para cumprir o seu chamado. Ninguém sabia disso e também não precisavam saber, apenas estarem disponíveis para cumprirem o seu papel. Isso deve nos levar a pensar e refletir nas razões pelas quais Deus permite certos eventos em nossas vidas. Por que certas pessoas cruzam nossos caminhos e em tais circunstancias? Coincidencias? Destino? Ou providencias daquele que sabe todas as coisas? Sabiam que é possível ver uma situação calamitosa e não se “mover” de compaixão? Ou sente compaixão mas não o suficiente para se mover? “E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão” (Lc 10.0-33). Não é porque as pessoas não encontram situações de necessidades, mas cada um tem suas justificativas, como o sacerdote que talvez estivesse à caminho de ministrar algum ritual e não poderia se contaminar cerimonialmente. O levita, poderia estar atrasado para ministrar numa celebração e aquilo poderia exigir mais tempo do que ele dispunha… eu talvez…. você talvez…. nossa igreja também…. Alguém tem que correr riscos e contrariam o status quo, e qualquer que seja as razões, a princesa se moveu e agiu e isso me faz admirá-la profundamente, porque poderia coloca-la em choque com o rei e suas determinações. Mas ela fez!

Senhor, graças devemos render sempre ao Senhor, por cuidar para que os teus planos não sejam frustrados por falta de disponibilidade e recursos. O Senhor pensou em tudo e planejou tudo antes de iniciar os projetos. Aqui estamos hoje escrevendo e meditando sobre isso, porque tudo deu certo, porque tudo dará certo, a tua fidelidade e grande e o teu poder e tremendo. Graças, Pai, de coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Menino Que Chorava

Meditação do dia: 23/10/2021

“E abrindo-a, viu ao menino e eis que o menino chorava; e moveu-se de compaixão dele, e disse: Dos meninos dos hebreus é este.” (Êx 2.6)

Um Menino Que Chorava – Ao abrir a arca a princesa viu um menino que chorava… a surpresa seria ter uma criança na arca, ou a criança estar chorando? Abrir a arca, era de esperar alguma coisa, que poderia ser natural, poderia ser surpreendente e inusitado, como também poderia ser inesperadamente incrível. Na mitologia grega há o relato da famosa “Caixa de Pandora,” que ela recebera com o compromisso de jamais abrir, mas que por alguma razão ela o fez e liberou os maiores males que afligem a humanidade e segundo consta, no desespero de fechar novamente, eles o fizeram antes que a esperança saísse. Eu sou daqueles que conseguem ser bem realista mas sem perder de vista a esperança de que qualquer situação pode ser transformada em oportunidade de aprender e adquirir alguma experiencia que tenha utilidade futura. Naturalmente olhando para a cena bíblica, posso me imaginar na margem do rio, vendo a cena de uma menina pequena vigiando um cestinho a flutuar balançando suavemente pelas pequenas ondas das águas por entre os juncos. Ali está o precioso tesouro dela, que esperava pelo inesperado e acreditando numa incrível situação onde só o bem iria tocar naquela arca, onde o bebê já estava tempo suficiente para sentir fome, incômodo e chorar. Isso que seria natural, foi o que chamou a atenção da princesa, pois não é todo dia que se encontra um cesto nas margens do balneário contendo um bebê abandonado à própria sorte. Ela ficou curiosa com o inusitado que lhe chamou a atenção e assim ela encontrou a missão e o propósito de sua vida. É muito interessante que muitos anos depois, aquele homem salvo quando criança naquele cestinho, também viu algo curioso e diferente do natural e foi conferir, encontrando também a missão de sua vida. “E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia. E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima (Ex 3.2,3). Um choro de bebê é algo muito natural que expressa uma necessidade a ser suprida de imediato porque nessa fase da vida, ele é muito frágil e o tempo corre muito rápido. Deus sabia disso e fez bom proveito de algo tão natural e previsível para chamar a atenção de uma pessoa específica, que tinha todas as qualidades e condições salvá-lo naquele exato momento. Nossas necessidades naturais, nossas inquietações humanas e também as nossas condições, tudo e todas, podem estar a serviço de Deus e do seu plano de amor. A fome das multidões levou Jesus a realizar a multiplicação dos pães; a carência da viúva fez o milagre da multiplicação do azeite nos dias de Eliseu; as dores e as misérias das pessoas fez manifestar a bondade de Jesus em curar e realizar grandes feitos e até ressuscitar mortos. Foi o cativeiro dos hebreus que produziu a grande obra de libertação. Foram os meus pecados que levaram a Jesus à cruz. Deus transforma histórias e eventos naturais em obras poderosas e sobrenaturais de amor e graça. Qual é a sua história? O que tem dentro do seu cestinho que precisa se exposto para uma grande ação de Deus?

Obrigado Senhor, porque aquilo que me incomoda, não é desconhecido de ti e muito menos está fora do teu alcance de suprir e me ajudar. Minha história pode não ser a mais inusitada, talvez muito comum para chamar atenção dos outros, mas não está fora da tua graça e misericórdia. Meus pecados feriram a tua santidade e a minha rebeldia ofendeu a tua justiça e bondade. Mas em Cristo e sou mais que vencedor, porque o seu me amou e ama a todos que se achegam a ti. Graças, graças te rendemos, no nome poderoso de Jesus. Amém.

Pr Jason

Uma Criada Foi Enviada

Meditação do dia: 22/10/2021

“E a filha de Faraó desceu a lavar-se no rio, e as suas donzelas passeavam, pela margem do rio; e ela viu a arca no meio dos juncos, e enviou a sua criada, que a tomou.” (Êx 2.5)

Uma Criada Foi Enviada – Com o passar dos tempos os costumes vão se alterando e os conceitos da vida seguem novos cursos e depois de muitas idas e vindas, algumas coisas se perdem e nem mais são reconhecidas. Um exemplo disso é o conceito de criados e servos que faziam desde serviços até mesmo servirem companhia ou uma associação de tudo isso. O conceito foi rejeitado no mundo moderno, mas a prática nem tanto; pois aparece disfarçado com roupagens diferentes, mas no fundo ainda se trata da exploração humana. Nos tempos da antiguidade histórica, a nobreza se servia ou valia-se de certos privilégios sobre os menos afortunados e poderia até se tornar status pelo número e qualidade da criadagem disponível. Quando olhamos as situações dentro do contexto bíblico, não é só as questões espirituais que se tornam relevantes, pois os princípios de boa convivência social e trabalhista aparecem nas Escrituras Sagradas judaico-cristãs com uma proposta de amor e respeito ao ser humano e a uma condição de dignidade e valor. Devemos ter em consideração que as distorções humanas em termos de comportamentos se devem ao caráter das pessoas e não aos princípios divinos. Pessoas boas e conscientes da origem e valor de cada ser humano respeitam e valorizam a vida e trabalham para que haja verdade e justiça a favor de todos. Nós, por exemplos nos consideramos “servos” de Deus! A bondade e o caráter perfeito do nosso Criador faz toda a diferença no relacionamento. O propósito da criação humana por Deus foi para comunhão e amizade com base num projeto de família. O que deu errado foi a escolha da independência feita por nossos primeiros pais, ainda no Éden. A degeneração causada pelo pecado, produziu um distanciamento à partir da origem e necessidade de proximidade com Deus. Esse vazio é uma das principais causas das buscas intermináveis por sentido e propósito das pessoas. Uma insatisfação tão grande e complexa até para ser diagnosticada, levou o ser humano a buscar em tantas e variadas fontes, que vão se mostrando insuficientes, desapontadoras e paliativas. Um homem muito sábio concluiu nos seguintes termos: “Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade” (Ec 1.2). Estou ponderando isso, porque ainda eu do ponto de vista legal e civil, em nossa cultura, aqui no Brasil e na maioria dos países, os cidadãos são livres e há leis que regulam as condições de trabalho e serviço, as condições de cada pessoa pode coloca-la com poucas liberdades de escolhas. O cristão tem o incentivo de sua fé e do exercício de sua mordomia para mudar sua condição de vida e trabalhar para isso. Paulo citou isso: “Cada um fique na vocação em que foi chamado. Foste chamado sendo servo? não te dê cuidado; e, se ainda podes ser livre, aproveita a ocasião. Porque o que é chamado pelo Senhor, sendo servo, é liberto do Senhor; e da mesma maneira também o que é chamado sendo livre, servo é de Cristo. Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens” (1 Co 7.21-23). Já escrevemos muitas meditações sobre pessoas em situação de servos e escravos que foram importantes no plano de Deus e do seu povo. Aquela criada da princesa egípcia aparece no registro apenas ao ser enviada para pegar a arca entre os juncos à pedido da sua senhora. Um pequeno e até insignificante gesto de serviço. Mas o conteúdo da arca era muito valioso e seria e foi capaz de mudar o curso da história; sendo assim, ela teve nas suas mãos um instrumento poderoso, com um potencial de transformação muito grande. Naquele momento, ela era importante e isso é que fez dela e do seu serviço um ministério para Deus. Estar no lugar certo, na hora certa para fazer o serviço certo. Outros podem assumir à partir dali, mas o momento que é meu, ou seu, não pode ser ignorado.

Senhor, obrigado por colocar pessoas para fazer trabalhos que parecem tão simples ou sem importância, mas podemos reconhecer o valor delas pelo momento e significado do todo no plano do Senhor. Obrigado por essas vidas despojadas de vaidades e sempre disponíveis a fazer o bem e o certo. Agradecemos o privilégio de podermos estar nessas condições em muitos momentos da vida. Jesus esteve na condição de ser ajudado por pessoas e ele também serviu a pessoas e abençoou a todos nós, a toda a humanidade com sua vida e seu exemplo. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Uma Arca No Meio Dos Juncos

Meditação do dia: 21/10/2021

“E a filha de Faraó desceu a lavar-se no rio, e as suas donzelas passeavam, pela margem do rio; e ela viu a arca no meio dos juncos, e enviou a sua criada, que a tomou.” (Êx 2.5)

Um Arca No Meio Dos Juncos – Qual é a sua capacidade de percepção de detalhes numa determinada cena? Particularmente não me saio espetacularmente bem, embora eu consiga ser persistente em observações. Mas os detalhes podem fazer toda a diferença em uma obra de arte, numa peça de mobiliário, na edificação de uma estrutura ou na percepção de uma mensagem. Deus leva em conta sim, aos detalhes mínimos, pois a criação está repleta de amostras grandes e pequenas, onde um simples detalhe diferencia e agrega valor a uma espécie. Quando ele ordenou que os israelitas fizessem um tabernáculo para adoração, ele fez questão de exortá-los a prestar atenção nos mínimos detalhes como fora mostrado. “Atenta, pois, que o faças conforme ao seu modelo, que te foi mostrado no monte” (Ex 25.40). O profeta Jeremias, já no tempo do cativeiro na Babilonia, recebeu diversas mensagens de Deus para entregar ao povo e muitas delas vieram por meio de visões que exigiam atenção para se ter uma verdadeira interpretação do sentido. “Ainda veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Que é que vês, Jeremias? E eu disse: Vejo uma vara de amendoeira. E veio a mim a palavra do Senhor segunda vez, dizendo: Que é que vês? E eu disse: Vejo uma panela a ferver, cuja face está para o lado do norte” (Jr 1.11,13). Não era apenas uma vara, como também não era apenas uma panela – A vara era de determinada espécie de árvore e a panela estava com fervura e com inclinação para o norte. Se ele não conhecesse nada de botânica? Se ele não soubesse se posição em relação aos pontos cardeais? Você, por exemplo, onde está, sabe situar-se em relação ao norte, sul, leste e oeste? Sabe me que estação do ano estamos? Sabe as fases da lua? (Essa até hoje eu não sei!) Quando jovem, trabalhei numa fábrica de azulejos e pisos e naquele tempo a classificação era manual e a olho nu. Até hoje eu tenho olho clínico para detalhes nessa área. O pessoal do direito e justiça tem ouvidos muito aguçados para palavras e seus significados, de forma que por um mínimo detalhe eles livram ou condenam um acusado. Quando pensamos em “meditação bíblica,” isso faz também muita diferença! Ler e reler o texto, pensar, concluir e aplicar com precisão transforma um simples leitor em um profundo conhecedor e bem alimentado adorador. A filha de Faraó foi às margens do rio Nilo para um tempo de lazer e recreação, onde não era esperado e nem exigido alguma concentração, mas ela percebeu um detalhe na paisagem: Havia uma arca em meio aos juncos. As plantas aquáticas eram naturais ali e compunham a paisagem, mas uma arca, embora fosse feita de juncos, era algo diferente. Como já dissemos, precisamos estar no lugar certo onde o que Deus tem para nós aparecerá, mas precisamos estar atentos para podermos perceber algo que nos chama a atenção. De vez em quando eu faço perguntas inquietantes para os membros e assistentes nos cultos, pois podemos acostumar tanto com a rotina e a normalidade das coisas que deixamos de ver coisas importantes bem ao nosso redor ou em nossa frente. Podemos também ver, mas não nos incomodar com a situação, não querer se envolver e atrair responsabilidades. De qualquer forma isso não irá aliviar a nossa condição diante de Deus que espera uma ação de seus filhos, que pode ser a resposta da oração de alguém em necessidade. Quando estamos em aflição costumamos perguntar se ninguém se importa ou percebe; mas quando estamos na bênção é provável que nem percebamos que há pessoas em necessidade e que estão ao nosso alcance ajudar e socorrer. Aplicando: Os juncos é o natural de cada dia. A arca é a preciosidade do nosso chamado e vocação. Conseguimos ver a arca no meio dos juncos?

Pai amado, abra o nosso entendimento para conhecermos com maior profundidade a verdadeira situação ao nosso redor. Podemos estar descompromissados com tudo ao nosso redor enquanto pensamos apenas no nosso lazer e bem-estar, mas pode haver uma arca no meio dos nossos juncos e ali estar um bebê precisando ser salvo e cuidado. Pode haver um chamado à responsabilidade em meio à nossa rotina diária e para isso o Senhor tem nos trazido até aqui. Agradecemos a oportunidade de servir e ajudar, queremos e precisamos ser respostas de orações. Cremos num chamado e numa missão e precisamos nos preparar para servir. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Filha de Faraó Vai ao Rio

Meditação do dia: 20/10/2021

“E a filha de Faraó desceu a lavar-se no rio, e as suas donzelas passeavam, pela margem do rio; e ela viu a arca no meio dos juncos, e enviou a sua criada, que a tomou.” (Êx 2.5)

A Filha de Faraó Vai ao Rio – “Muito trabalho sem diversão torna enfadonha a vida do João!” Isso é um adágio popular para falar sobre lazer, diversão ou recreação em meio a uma vida de muito trabalho. Certamente a princesa não tinha tantas preocupações com trabalho como os seus súditos e outros nobres do palácio¸ mas o certo é que nesse dia ela foi às margens do rio Nilo para um tempo de lazer refrescante em companhia de suas damas de companhia e seguranças, é claro. Nessa meditação de hoje, estou inclinado a escrever sobre uma linha de pensamento que parece informal ou muito casual, mas a verdade é que coisas acontecem conosco, sem que elas tenham sido planejadas ou intencionais e podem tomar proporções muito grandes e importantes, que não podem mais serem desconsideradas. Nas páginas sagradas encontramos muito dessas histórias e algumas delas se tornaram missões da vida daquelas pessoas. José, por exemplo, saiu de casa para ir visitar seus irmãos, ver como estavam e trazer noticias para seu pai, mas tudo mudou quando ele chegou lá e sua vida nunca mais foi a mesma. Anos mais à frente, um jovem chamado Saul, saiu de casa para procurar umas jumentas que se perderam e encontrou um reino; se tornou o primeiro rei de Israel. Nossa capacidade de percepção é muito restrita e periférica, mesmo sabendo que somos parte de uma grande trama no projeto de Deus que envolve muitas outras pessoas e muitas outras coisas. Mesmo estando conscientes que não conhecemos o futuro e que ele é muito dinâmico, ainda assim somos surpreendidos constantemente. Quase todos nós temos razões para dizer que “nunca imaginei isso na minha vida…” A filha de Faraó tinha planos para sua vida e seu pai também, mas certamente não constava a adoção de um filho e muito menos um bebê hebreu! Ela certamente saiu do palácio para um momento de recreação e lazer, mas a vida dela estava prestes a se tornar instrumento de um grande projeto de livramento e libertação, até então completamente desconhecido para todos. Hoje, levantei de manhã como nas outras manhãs e inicio minhas atividades como parte de uma rotina normal e esperada. Com vocês também não é diferente, mas alguns de nós teremos mudanças de planos e teremos que reorganizar a agenda e os planos. Isso pode estar ligado a pequenas coisas que não alterarão em nada a nossa vida, como também podem nos levar a novos eventos e só Deus para saber onde tudo isso vai acabar, se é que vai acabar. Minha aplicação é que precisamos estar incluindo novas possibilidades ou estar abertos para eventos novos. Já ouviu falar de “cisnes negros?” Nassim Taleb, é autor do livro ‘A lógica do Cisne Negro’, no qual criou uma classificação para eventos que impactam o mercado financeiro. De acordo com ele, um cisne negro é todo evento que não pode ser previsto e gera um grande impacto na sociedade. Isso nasceu da crença até então que só haviam cisnes brancos, bastou o aparecimento de um único cisne negro para derrubar todas as teorias e tudo estabelecido até então. Pessoas costumam e apegar tanto a rotina que nem acreditam que algo pode ou deve mudar, até que surge um cisne negro em seus caminhos. Me deixe perguntar, já que perguntar não ofende: Será que a volta de Jesus, pode ser um “cisne negro” para muitos cristãos?

Senhor, queremos muito estarmos prontos para os eventos que tens preparado para nós nessa vida de fé, serviço e adoração ao Senhor. Peço sabedoria para ver a minha vida do teu ponto de vista e poder trabalhar as circunstancias de eventos inesperados que podem mudar o curso até então estabelecido das minhas atividades para que tenha utilidade para ti e para o teu reino. Agradeço a ajuda do Espírito Santo a cada dia, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Filha de Faraó

Meditação do dia: 19/10/2021

“E a filha de Faraó desceu a lavar-se no rio, e as suas donzelas passeavam, pela margem do rio; e ela viu a arca no meio dos juncos, e enviou a sua criada, que a tomou.” (Êx 2.5)

A Filha de Faraó – Ao escrever meditações sobre a vida de Moisés, precisaremos apreciar a vida e a interação com muitas outras pessoas, que embora não sejam as protagonistas, não podemos negar o direito delas ao brilho da participação na sua história. Uma máxima da vida é que ninguém vive ou faz tudo sozinho! Ninguém chega a lugar algum importante, sem que tenha sido apoiado ajudado por outras pessoas. Se alguém brilha no palco, outro alguém fez o palco, tem sempre alguém nos bastidores ou mesmo atrás das cortinas. Quando assisto a algum conserto musical, especialmente meus preferidos são de orquestras e sinfônicas, fico prestando atenção nos diversos componentes e alguns deles em determinadas apresentações tem uma participação mínima, de vez em quando ele toca um acorde ou faz uma pequena intervenção e no mais fica apenas lendo a partitura e seguindo os compassos; mas mesmo assim, aquilo que ele faz é importante para o todo da música. Então, para nós, que somos parte da família de Deus, somos componentes de um exército em plenas atividades, precisamos saber qual é a nossa participação em cada ato e estar pronto, ainda que só tocaremos um acorde ou em determinada apresentação não faremos parte. Moisés no fim da sua vida, escrevera ou registrar material dos cinco primeiros livros da Bíblia; produzindo registros extremamente sensíveis à crítica e a história, como é o caso de Gênesis, desde a origem da criação. Miriam, a irmã dele só tem registrado um pequeno cântico e uma dança onde ela arrastou o cordão de adoração e louvor após a gloriosa travessia do Mar Vermelho. Jetro, o sogro de Moisés, deu conselhos ao genro que foi muito útil e serviu de base para montar todo um sistema de administração que perdura até hoje. Jesus falou de gente que vai ser galardoado por ter fornecido um copo de água à alguém sedento. Você precisa estar no lugar certo, para abençoar a quem Deus deseja e também ser visto pela pessoa que Deus vai usar para abençoar sua vida. Olhando as coisas com um olhar piedoso e vendo o que Deus para produzir resultados tão bons é que nos deparamos com a pessoa dessa mulher, filha do rei do Egito, o Faraó, que aparece no lugar certo, na hora certa, para fazer o que Deus tinha para ela como a missão mais importante de sua vida. É muito interessante notar que estivemos pensando juntos sobre o fator segurança para um bebê, e os pais dele estavam buscando as melhores opções e foram agindo por fé e à medida que uma instancia se esgotava eles partiam para uma próxima, mas desistir não estava nos planos deles. Dentre todas as possibilidades de encontrarem um lugar seguro para aquele bebê ficar, crescer seguro e se tornar um homem em condições de ser usado por Deus, o palácio de Faraó seria de todos o menos provável e ninguém em sã consciência pensaria ou sugeriria essa possibilidade. Foi justamente ali que Deus colocou o bebê com o seu cestinho. Quanto sentido faz para nós um texto como este: “Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele” (1 Co 1.27-29). Vida de princesa não é tão fácil e romântico como vemos nos contos de e histórias, mas que bom que houve, há e sempre haverá mulheres distintas, nobres e com um coração maior que todas essas qualidades e sensíveis a Deus e à sua vontade.

Pai, obrigado por estar sempre preparado para as grandes situações da vida e das circunstancias que envolvem os teus planos eternos. Graças te damos por pessoas solícitas e disponíveis a ouvir a tua instrução e agir em momentos tão especiais que elas mesmas ficam expostas e colocam riscos como parte de suas opções de servir a um propósito maior do que elas mesmas. Queremos estar sempre disponíveis a ti e servir aos teus planos no momento certo. Oramos em fé e gratidão, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Projeto Em Família

Meditação do dia: 18/10/2021

“E sua irmã postou-se de longe, para saber o que lhe havia de acontecer.” (Êx 2.3)

Projeto Em Família – Família se tornou um assunto e um tema de muita relevância para mim nos últimos anos, mais de dez anos pelo menos. Não que antes não tivesse relevância; mas o meu coração ganhou um incentivo quando minhas filhas chegavam na fase de adolescência e juntamente com tantos outros da igreja local, eu queria mais do que tínhamos até então. O gatilho para isso aconteceu quando li um material da UDF (Universidade da Família), um ministério extraordinário, de apoio e fomento à ministérios amplos sobre família; ela é aqui da cidade de Pompéia, próximo à Marília. Fiquei muito interessado sobre a versão cristã do Bar Mitzvah, aquela cerimonia de bênção e emancipação que os meninos israelitas recebem no início da adolescência. Essa busca consumiu a minha atenção e intenção e me levou a conhecer muito mais da importância das famílias e das bênçãos e alianças geracionais. Palavras como  “geração,” “descendência,” “posteridade,” “de geração em geração” parecem que se iluminaram na minha bíblia. Só pra registro, minhas filhas já são adultas e já sou até avô de um garotinho maravilhoso, o Dom. Aqui, estamos vendo o desenvolver de uma projeto gigantesco, que tomará proporções inimagináveis na história dos povos e nações e aos olhos humanos, parecia apenas uma família querendo proteger um bebê, nascido em meio a uma crise grave, onde as famílias estavam proibidas de terem filhos masculinos, sob risco de perde-los por decreto do rei, condenando a todos ao extermínio. Miriam, a irmã do bebê, que viremos a conhecer por Moisés, ela deveria ter entre cinco e dez anos, mui provavelmente sete ou oito. Por ser pequena, não deveria chamar tanto a atenção de estranhos ou curiosos, enquanto cuidava à distancia do irmão colocado num cestinho impermeabilizado, para flutuar calmamente nas águas do Nilo e em algum evento completamente aleatório, viesse a ser salvo, ou ser levado para longe em segurança e com novas oportunidades de ser resgatado e sobreviver. Vejo que, de qualquer forma, os pais e aquela família tiveram que abrir mão daquela criança e não deve ser nada fácil. Saber que alguém teve que chegar a esse ponto já é dolorido só de pensar; imagina ter que fazer essas escolhas. Aqui está um princípio muito importante da vida de fé: Tudo que podemos controlar, fica fora da ação de Deus. Ligo esse princípio ao outro dito por Jesus: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” (Mt 6.24). Ter dois senhores e como ter dois centros ao mesmo tempo – sabemos que é impossível, não funciona. Por mais dolorido, caro, difícil que seja, um, precisa ser destronado para o outro governar legitimamente. Os pais daquele bebê fizeram o melhor que podiam, o quanto puderam e quando esgotaram todos os seus recursos, eles se renderam – eles não podiam mais cuidar e garantir a vida do filho, mas Deus poderia e mesmo que eles não soubessem como, eles poderiam confiar na providencia divina. Amados, confiar, tomar essas decisões tão difíceis nunca foi fácil, nunca será e nem o Senhor espera que achemos isso fácil! Agimos pela fé! Agindo contra a razão, contra as emoções e o bom senso; mas precisamos agir. “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” (Fp 4.7). Não foi fácil para Joquebede, não foi fácil para Anrão, nem para Miriam e o pequeno Arão. Mas fizeram, isso é o que conta, por isso estão na história. Me faz lembrar a frase sábia: “Não é tolo aquele abre mão de algo que não pode reter para ganhar aquilo que não pode perder.”

Senhor, obrigado pelos projetos em família que conhecemos na tua Palavra e os outros tantos de pessoas que priorizaram servir ao Senhor e crer que a tua fidelidade prevaleceria e os teus planos eram, são e serão perfeitos em todo tempo. Graças pela proteção e cuidado a todos os teus filhos e pelo privilégio de vermos gerações de adoradores se levantando e proclamando a tua glória. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Nas Margens do Nilo

Meditação do dia: 17/10/2021

“Não podendo, porém, mais escondê-lo, tomou uma arca de juncos, e a revestiu com barro e betume; e, pondo nela o menino, a pôs nos juncos à margem do rio.” (Êx 2.2)

Nas Margens do Nilo – Ao descrever numa poesia as margens de um rio, seja ele qualquer for, a primeira idéia é de encantamento, beleza e vida. Em certas culturas a religiosidade local atinge um nível tão alto de misticismo, mitologia e sincretismos que elementos da natureza se tornam sagrados e até divindades. Os antigos egípcios conheciam e admiravam tanto o Nilo que este era representado por um deus. Hapi era considerado o deus das águas do Nilo e para os egípcios ele foi o responsável por manter o controle e fornecer todo o alimento advindo do rio (Wikipédia). Nossos personagens bíblicos, viviam nesse antigo Egito e num tempo em que essas crenças eram difundidas e cultivadas. Muitos deles viviam às margens ou na região do chamado Delta do Nilo, regiões extremamente férteis devido as cheias e baixas anuais, que distribuíam sedimentos que favoreciam a produtividade e a vida naquelas margens. Voltando ao nosso tema principal, que os primeiros dias de vida do menino Moisés, que futuramente seria o libertador dos hebreus do cativeiro sob o jugo de Faraó e dos egípcios. Os pais dele estavam buscando uma forma de mantê-lo à salvo e não mediam esforços nessa tarefa. Na impossibilidade de mantê-lo seguro em casa, devido à lei que determinava o confisco e o extermínio de todos os meninos hebreus; esse perigo chegava cada vez mais às suas portas, pois também haveria o risco de uma denuncia por parte de qualquer outra pessoa, até mesmo uma família hebreia que poderia  estar ressentida com a perca de seu bebê, ou mesmo para evitar retaliações das forças governamentais. Pensando como pais, qualquer lugar longe ou fora de suas vistas é inseguro para seus filhos. As margens do Nilo também não era necessariamente uma escolha tranquila. Além das correntes que poderiam arrastar para longe o cesto com o bebê, ainda era infestado de crocodilos, os famosos famigerados crocodilos do Nilo. Quando se pensa em águas africanas, todos sempre souberam e ainda até os nossos dias, elas oferecem dois dos perigos mais assustadores e mortais da natureza: Os hipopótamos e os crocodilos. Agora imagina o coração dos pais de Moisés, em ter que fazer uma escolha, entre várias situações de riscos à vida daquele bebê! Olhando a história, apenas como história, narrativas de fatos, sem pesar valores de qualquer natureza, sabe-se que eles estavam correndo mais riscos fazendo isso, do que não fazendo e aguardar o dia do mal chegar e bater à sua porta. Olhando a vida e a história com os olhos espirituais, incluindo a fé no plano eterno de redenção da humanidade, pode-se perceber uma batalha de titâs: O bem e o mal – as trevas e a luz, onde o mundo opondo-se a Deus fazia acreditar que se passava apenas uma questão local, específica no Egito, onde o governo estava preocupado com a densidade populacional e o crescimento desmedido de um segmentos da sociedade, que poderia colocar em risco o equilíbrio e a segurança; assim, a ação era legitima, sacrificar uns poucos para o bem de muitos. Para o propósito eterno de Deus, prometido à Adão ainda no Paraíso e ratificado a Noé e sua família e depois pactuado com Abraão e seus descendentes – Cada vida importa! Toda vida importa! Deus estava estruturando uma nação, forjando-a dentro de um contexto que exigiria fé e compromisso, de forma a criar homens e famílias fortes, líderes comprometidos com alguma coisa maior do eles próprios, quer individualmente, quer como família e até como nação. De ponta a ponta, Deus sempre amou o mundo de tal maneira que deu seu filho para salvá-lo. Cada povo tinha e tem um papel muito importante na contribuição para que todas as coisas estivessem alinhadas e prontas no momento certo para tudo dar certo. Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos (Gl 4.4,5). No dia certo, na hora certa José e Maria estavam em Belém, na estrebaria; os pastores estavam nos arredores cuidando dos rebanhos; os magos estavam à caminho de lugares distantes sendo guiados pela Estrela; os sábios escribas estavam com as respostas bíblicas para a consulta de Herodes e dos Magos sobre onde nasceria o Rei dos Judeus, cuja estrela aparecera nos céus. Entre os marcos ao longo do caminho para que tudo desse certo, havia um bebê dentro de um cesto, nas margens do rio Nilo, cheio de crocodilos e outros perigos. E daí? O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra. Provai, e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia (Sl 34.7,8). Um lugares mais perigosos do mundo, pode ser o lugar mais seguro para um bebê pequeno e indefeso numa cestinho. Depende que quem está olhando por ele!

Senhor Deus Todo-Poderoso, Senhor da Terra e dos Céus, verdadeiramente não há impossível para ti e não há nada fora do teu controle e governo. Nossas vidas estão plenamente seguras, se estiverem sob os teus cuidados e dentro do centro da tua vontade. Obrigado por colocar fé no coração das pessoas para darem passos importantes em momentos importantes e assim edificarem o teu projeto eterno. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Um Bebê no Cestinho

Meditação do dia: 16/10/2021

“Não podendo, porém, mais escondê-lo, tomou uma arca de juncos, e a revestiu com barro e betume; e, pondo nela o menino, a pôs nos juncos à margem do rio.” (Êx 2.2)

Um Bebê no Cestinho – Para quem fugiu das aulas de geografia, ou só para relembrar o que se aprendeu a muito tempo, O Egito fica na África e o Rio Nilo é um dos principais rios do mundo. O Egito e a África sempre estiveram muito ligados à história do povo de Deus. A Terra de Canaã fica no Oriente Médio, biblicamente, o único outro continente visitado por Jesus, foi justamente a África e precisamente no Egito. “E, tendo eles se retirado, eis que o anjo do Senhor apareceu a José num sonho, dizendo: Levanta-te, e toma o menino e sua mãe, e foge para o Egito, e demora-te lá até que eu te diga; porque Herodes há de procurar o menino para o matar. E, levantando-se ele, tomou o menino e sua mãe, de noite, e foi para o Egito. E esteve lá, até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Do Egito chamei o meu Filho” (Mt 2.13-15). Não nada de estranho ou espetacular ao se colocar uma criança de até três meses num cestinho. Ali ele fica num ambiente aconchegante e confortável para dormir e descansar, sendo também fácil de transportar e colar em lugares seguros e onde os cuidados necessários podem ser prestados, estando ao alcance das vistas dos pais e outros adultos. Mas no caso em que estamos estudando, não vale esses argumentos na totalidade, porque a finalidade era permitir uma chance de um milagre; o bebê Moisés foi colocado naquela arca ou cesta, à espera de um milagre. Quem acredita em milagres? A verdade é que as pessoas que precisam de um milagre, vão depender de uma força e ação sobrenatural de Deus para intervir num curso natural e assim mudar ou reverter algo que humanamente é impossível. Para se ter um milagre, é preciso crer e trabalhar por ele. Tem algumas coisas que só Deus pode fazer e essas não dependem de nós; mas tem algumas coisas que só depende de nós e se não as fizermos, não haverá o milagre. Isso faz parte daqueles princípios espirituais muito importantes, mas ao mesmo tempo muito simples, que a maioria das pessoas ignoram ou não levam em conta e ficam parados esperando de boca aberta. Quer um milagre, trabalhe por ele!!! Posso citar exemplos e mais exemplos bíblicos confirmam isso, é praticamente regra e não exceção. A Viúva que cuidou de Elias, ela tinha e trabalhou com um punhado de farinha e um pouco de azeite e primeiro fez para o profeta – Foi aí que o milagre aconteceu. A outra viúva nos dias de Eliseu, com a multiplicação do azeite – Ela e os filhos trabalharam duro conseguindo vasos e envazando azeite até não ter mais onde colocar. Veja que nos dois casos, a bênção veio à partir de algo que elas já tinham em casa, ainda que pouco, mas foi dali que Deus agiu. As multiplicações dos pães e peixes por Jesus – Alguém ofereceu o que tinha, e era muito pouco, mas nas mãos de Deus tudo mudo e se transforma. Podem estudar todos os milagres que encontrarem na Bíblia e fora dela, vai dar nisso. Aqui, os pais de Moisés utilizaram o que tinham em casa e acessível a eles naquela condição; foram laboriosos e construíram o que lhes era possível, deram o seu melhor, ainda que fosse e parecesse muito pouco. Eles não ficaram chorando, reclamando do governo, das leis e dos vizinhos ou autoridades ou da sorte ou ficaram murmurando que tudo dá errado com eles. Foram à luta, se esforçaram como se tudo dependesse deles e creram como se tudo dependesse só de Deus. Fé e Ação – Orar e agir – Crer e trabalhar!

Senhor, obrigado pelas preciosas lições de vida e fé que aquelas pessoas nos transmitem ainda hoje, milhares de anos depois do acontecido. Tudo o que foi escrito na tua Palavra, foi para nossa edificação e consolo e conforto que só o Senhor pode oferecer. Agradecemos por essas palavras produzirem descanso para nossas almas e corações e alimentar a nossa esperança de que haverá dias melhores, não porque a vida e o curso da história indica isso, mas porque aquele que pode todas as coisas está sentado no trono e governa com verdade e justiça. Louvado seja o Senhor e seu amor para com todos nós; oramos sem nome de Jesus, amém.

Pr Jason