Dia de Luto Para Abraão

Meditação do dia 30/06/2018

 “E morreu Sara em Quiriate-Arba, que é Hebrom, na terra de Canaã; e veio Abraão lamentar Sara e chorar por ela.”  (Gn 23.2)

 Dia de luto para Abraão – Um pouco depois de quando o mundo já era mundo, foi que a morte apareceu aqui pela primeira vez. Inicialmente veio a perda da imortalidade e depois veio a morte fazer sua primeira colheita, quando Abel foi abatido pelas mãos de seu irmão Caim. Por mais que pareça incrível, mas a primeira morte no mundo foi um ato de violência, com ocultação de cadáver, dissimulação do suspeito e negação de participação até não poder mais negar os fatos diante das provas. Os anos se passaram e muitos morreram, mas ninguém nunca se acostou com ela e nem com a separação produzida. A morte é imprevisível no que se diz “quando” mas é totalmente previsível quanto ao fato que ela virá para todos. Essa é uma certeza para todos que estão vivos aqui na terra. Abraão experimentou o luto por sua esposa Sara, aos cento e vinte e sete anos, pelo fato de serem meio-irmãos, então ele a conhecia e convivia por todos esses anos. Isaque já era um adulto de trinta e sete anos, um solteirão para os padrões da sua época. Não é só redundância, mas quem morre na velhice é sinal de que viveu muito e não morreu novo, já que se vive e se morre apenas uma vez, (com raríssimas exceções). Até hoje, vinte e um séculos depois de Cristo, as pessoas ainda são impactadas com a morte de alguém próximo e temos que lidar com isso, para que os efeitos não sejam desastrosos para quem fica. O que se crê sobre a vida e a morte, sobre juízo e prestação de contas, sobre a eternidade e a vida pós-morte determinam o comportamento das pessoas e culturas em todo o mundo. Para os cristãos, temos um vasto ensinamento bíblico que transborda esperança e confiança naquilo que aguarda-nos do outro lado desse véu negro. Começando pelo fato que o próprio Senhor Jesus disse, confirmando a teologia do Velho Testamento, que Deus não é Deus de mortos, mas sim de vivos e que para ele vivem todos (Lc 20.38). Também ele se apresentou como sendo “O caminho, a verdade e a vida” (Jo 14;6); Ele ensinou que o Diabo é que vem para roubar, matar e destruir, ele ao contrário veio para dar vida e vida abundante (Jo10.10); Ele se apresentou como sendo o “Pão da vida e quem dele comesse viveria para sempre” (Jo 6.48,51); sem deixar de lado o mais importante, que ele mesmo é a ressurreição e a vida para os que crerem nele. Assim, para nós, ressurreição não é um fenômeno, uma doutrina ou filosofia, um acontecimento sobrenatural, mas ressurreição É UMA PESSOA – JESUS! Paulo escrevendo a cristãos de mentalidade grega com diversos costumes, rituais e superstições quanto à morte, foi claro e decisivo: “Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras” (I Ts 4.13,14,18). Abraão passou por isso e é um tipo de experiência que pode ser abençoador e motivo de gratidão a Deus pela vida e história que aquela pessoa cumpriu e agora se reunirá com o seu Senhor para receber as recompensas pela sua fé e serviço prestado ao reino dos céus. A parte dela foi completada e o Criador na sua sabedoria a promoveu à glória eterna. O não discernimento correto da verdade de Deus, leva pessoas ao desespero e amargura, estragando o resto de suas vidas e nem mesmo completando suas responsabilidades. É de fato triste, quando uma pessoa parte para a eternidade, sem conhecer a Salvação em Cristo, ou sem completar sua jornada, interrompida por algo fora do programado ou por uma vida inconsequente. Mas quando está tudo certo, é um privilegio. Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos” (Sl 16.15).

Meu Deus e Pai, Senhor da vida e aquele que tem todas as coisas sob seu governo e em tua sabedoria, sabes todas as coisas e em santo amor cria, sustenta, guia e governa todas as coisas, incluindo as nossas vidas. Elas estão nas tuas mãos e é um lugar muito seguro e bom de se estar. Sou agradecido pelos teus planos e pelo modo como dispõe de nossas vidas, para glória honra do seu Santo nome. Eis-nos aqui, para servir em todo tempo e no teu tempo. Obrigado pela vida eterna e abundante que Jesus garantiu para todos que nele creem e colocam em ti a sua confiança. Para sempre e sempre o Senhor será louvado em nossas vidas, seja na vida, seja na morte. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

Tudo Está Sendo Preparado

Meditação do dia 29/06/2018

 “E sucedeu depois destas coisas, que anunciaram a Abraão, dizendo: Eis que também Milca deu filhos a Naor teu irmão. Uz o seu primogênito, e Buz seu irmão, e Quemuel, pai de Arã, e Quésede, e Hazo, e Pildas, e Jidlafe, e Betuel. E Betuel gerou Rebeca. Estes oito deu à luz Milca a Naor, irmão de Abraão.”  (Gn 22.20-23)

 Tudo está sendo preparado – Desde o ano passado comecei a estudar finanças e investimentos, essas coisas de mercado financeiro, bolsa de valores, ações e etc. Algumas coisas da linguagem desse mundo mercantil tem me ensinado muito. Uma verdade forte lá diz: “Ausencia de evidencia não significa evidencia de ausência.” Aqui nos nossos arraiais cristãos, estamos sempre aprendendo que devemos viver por fé e não pela vista e que o fato de não estarmos vendo fisicamente alguma coisa, não significa que ela não exista ou que Deus não esteja cuidando de tudo. A mordomia cristã bíblica tem nos ensinado que o é obrigação do senhor prover as necessidades dos seus servos, enquanto é obrigação dos servos confiar na capacidade do senhor de suprir suas necessidades. Em relação à Deus, nunca, ninguém, em tempo algum ficou à ver navios, ou seja, foi decepcionado porque o suprimento não veio. Deus não frustra seus próprios planos, não tem falta de recursos e não conhece limitações e nada por detê-lo. Outra verdade muito importante é que o Senhor não dá ordens impossíveis de serem cumpridas. Não há alto demais, profundo demais, longe demais, difícil demais, impossível, não há lugar e nem condições em que a sua mão e a sua graça não possa acompanhar seus servos em missão. Jesus, ensinou que um construtor prudente calcula bem antes de iniciar um projeto de construção; um rei prudente faz as contas de seus contingentes antes de declarar guerra a um outro rei que tem maior número de soldados. Então, quando olhamos para a Grande Comissão, para a igreja ir ao mundo todo, fazer discípulos de todas as nações, ele certamente já tinha feito as contas e sabia que dispunha dos meios e recursos necessários e suficientes. Quem o conhece, sabe disso. Aqui, vemos isso em evidencia; pois Abraão foi chamado para ser pai de multidões de nações e enquanto estava sendo trabalhando e preparado numa frente cumprir esse papel, Deus estava trabalhando na outra ponta, para que uma etapa se conectasse com a outra quando tudo estivesse pronto e na hora precisa. Para materializar a promessa Abraão teria que ter um filho e para a aliança passar de uma geração para outra, Isaque teria que se casar e gerar filhos. Para Isaque se casar, era necessário uma esposa e preferencialmente dentro da linhagem deles e que já conheciam o Deus único e verdadeiro. Era ali, que o irmão de Abraão estava sendo abençoado e teve seus oito filhos e de um destes, Betuel, nasceria Rebeca a esposa para Isaque e o irmão de
Rebeca, Labão, veio a ser o sogro de Jacó, filho de Isaque e Rebeca. Mesmo que não saibamos, mas os propósitos do Senhor se cumprirão em nossas vidas e ministérios se cumprirão, porque as peças e os ingredientes necessários estão sendo preparados à muito tempo e às vezes, muito longe dos nossos olhos e conhecimento. Quando oramos por algo que é da vontade de Deus, ele irá providencia, se não é que já esteja sendo preparado antes mesmo de sabermos. Abraão não precisa saber, precisa sim, acreditar e isso ele fez e deu os passos necessários. Não precisas saber tudo, precisas crer que Deus está no controle e cuidando de tudo. Ele pode, e faz!

Obrigado por preparar tudo o que é necessário para os teus planos aconteçam no devido tempo e com as peças certas. Obrigado por transmitir aos nossos corações a confiança de tudo a seu tempo e a seu propósito se há de cumprir. A vida e a obra de Cristo comprova isso muito bem. A nossa experiência de salvação e chamado ministerial também prova isso. O Senhor é de fato e de direito, o nosso Pastor e nada nos faltará! Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Boas Notícias São Bem-Vindas

Meditação do dia 28/06/2018

 “E sucedeu depois destas coisas, que anunciaram a Abraão, dizendo: Eis que também Milca deu filhos a Naor teu irmão.”  (Gn 22.20)

 Boas notícias são bem-vindas – Para uma pessoa egoísta, a vitória e a bênçãos dos outros lhe trazem mais dissabores do que sua própria derrota. O contrário também oferece um fundo de verdade muito forte: Para alguém generoso e abençoador, a vitória e a benção de outros lhe fazem tão bem quanto uma vitória e bênção recebida por ela. Abraão passou grande parte de sua vida alimentando um sonho e uma promessa de ter filhos e isso era muito significativo para ele, porque o seu andar com Deus e o resultado dessa comunhão precisaria ser passada para frente e não como uma filosofia, uma religião u ideologia, mas como uma herança, de pai para filho, de geração em geração e perpetuando isso através de alianças e comprometimento de fé através de um relacionamento com o Senhor Deus, o Altíssimo, o Possuidor dos Céus e da Terra. Se tinha alguém que sabia o quanto ter filhos era importante, esse alguém era Abraão; e ele teve que aprender a lidar com sua limitação para receber da ilimitada capacidade de Deus. Ele teve que aprender a dar para então receber; aprender que o amor é sacrificial e que a vida nasce da morte; alguém tem que se doar para que alguém se beneficie e viva para cumprir um propósito maior. Quando ele ainda estava se fortalecendo na fé, glorificando a Deus, crendo em esperança que viria a ser pai, para ser o pai de uma multidão de nações, ele teve que orar e abençoar a vida do rei de Gerar e das mulheres daquele povo, que estavam estéreis e impossibilitadas de gerar filhos, porque se apropriaram de Sara. Ele orou e todas elas sararam e puderam ter filhos, quando ele mesmo ainda não tinha. Já escrevi sobre isso; é como alguém com o dom de curas, estando doente, orar por outros e vê-los curados primeiro do ele; sem ficar ressentido, amargurado ou aborrecido. Foi assim que Abraão se provou e foi aprovado para ser um pai e um modelo de pai que perpetua pelo tempo e pela eternidade. Quem de nós, não quer chegar no céu e o ser apresentado a ele, correr para um abraço bem apertado e chama-lo de pai, pai Abraão. Você se lembra de algum outro personagem da
Bíblia, que se encaixa tão bem nesse perfil? Gosto muito de uma expressão que aparece muito nas Escrituras e é mais que um advérbio temporal: depois (advérbio. 1. em tempo posterior; mais tarde. 2. em seguida; posteriormente). Depois de tudo aquilo que aconteceu no Monte Moriá; depois que eles voltaram para Berseba… chegou a notícia de que seu irmão também havia entrado na era da bênção da paternidade, e em dose cavalar, pois gerara oito filhos. Abraão tinha perdido um irmão ainda em Ur dos caldeus, deixando um sobrinho para ser criado pelo avô e o tio, e quase foi destruído quando levado cativo na invasão daqueles reis e que Abraão teve que lutar para resgatá-lo; depois veio o juízo sobre Sodoma e Gomorra e lá estava Ló novamente em risco de extermínio, salvando-se por pouco apenas com as duas filhas; ele só foi pai aos cem anos e Deus lhe pediu o filho, que ele não negou; até as últimas notícias, seu outro irmão que vivia em Harã, não tinha filhos também. Tudo conspirava, mas a fé e a obediência de Abraão foram abrindo portas e quebrando resistências e trazendo saúde e cura para todos. Voce e eu podemos imaginar a alegria do patriarca, ao receber essas notícias? Mas não era só isso, que a notícia significava… é uma revelação para outra meditação, talvez de amanhã, e como dizia o Âncora Boris Casoy: “Quem viver, verá!”

Deus de boas novas e grandes alegrias, obrigado por essas boas notícias se sucederam uma após outra, até aquele dia em que os anjos anunciaram aos pastores nos arredores de Belém, trazia novas de grande alegria, porque hoje, na cidade de Davi vos nasceu o Salvador, Cristo, o Messias. De lá até hoje, são muitas e muitas boas notícias que temos recebido, e somos gratos por cada uma e Jesus é a melhor de todas. No nome dele, é que podemos fazer a ti essa oração, Pai. Muito obrigado, amém.

Pr Jason

Voltando à Vida Normal

Meditação do dia 27/06/2018

 “Então Abraão tornou aos seus moços, e levantaram-se, e foram juntos para Berseba; e Abraão habitou em Berseba.”  (Gn 22.19)

 Voltando à vida Normal – Já passei por experiências maravilhosas em termos de experimentar a bênção e a presença de Deus de forma muito intensa. Já pude experimentar reuniões movidas pelo poder do Espírito Santo, que poderia classificar como arrebatadoras. Participei de vigílias e reuniões de oração onde a manifestação do poder de Deus era tão real que até parecia palpável. Igualmente já participei de congressos, conferencias e cultos abençoadíssimos em todos os sentidos, daqueles que dá vontade de repetir a experiencia de Pedro e os outros dois discípulos ali no Monte da Transfiguração, ao contemplarem aquela visão inaudita, disseram a Jesus: “poderíamos fazer aqui três tendas…” Não estou escrevendo isso por saudosismo ou por vontade de viver de novo as boas experiências do passado, mas para dizer e quem sabe, ensinar algo que aprendi e me ajudou muito à lidar com esse fatos e as verdades que seguem depois. Após aquele momento de estar no clímax de uma grande oportunidade diante de Deus e aprender tanto com Jeová-Jireh, o Deus da provisão e ver milagres acontecendo ao vivo e Deus falando do alto céus com brados de instruções e reiterando as promessas e as bênçãos já anteriormente acordadas e poder abraçar Isaque e tirá-lo de sobre o altar e oferecer ali aquele carneiro, quem iria pensar em ir embora, descer daquele lugar sagrado, sair daquela presença maravilhosa e voltar para a vida cotidiana na fazenda e nas lidas do dia a dia? Abraão fez isso. Eu faço isso, você faz isso. Não há nada de errado em tudo isso. Apenas o modo como encaramos ou como acreditamos que deveria ser é que não nos faz bem e deixa aquela ponta de frustração. Por que? Vou começar a explicar por um texto bíblico: “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós” (2 Co 4.7). A nossa composição estrutural humana, não é apropriada para reter por muito tempo uma carga de energia espiritual muito grande e intensa. Nossa condição física, vaza o poder que adquirimos e experimentamos nessas situações gloriosas. Por mais que se tente manter em alto nível a consagração e a santidade com oração e cuidados, nenhuma pessoa permanece nesse alto pico de energia; ela vai se arrefecendo dia a dia e voltamos ao normal. Não tem à ver com pecado, descuido ou falta de fé. lemos na Bíblia inúmeros relatos de pessoas que experimentaram a manifestação da presença de Deus à ponto de caírem e ficarem prostradas no chão sem forças nenhuma, ou até como Moisés que ao descer do monte onde estava na presença do Senhor, o seu rosto brilhava á ponto de ter que usar um véu para se comunicar com as pessoas e depois isso passou. Daniel relata isso também: “E, estando ele falando comigo, caí adormecido com o rosto em terra; ele, porém, me tocou, e me fez estar em pé. Fiquei, pois, eu só, a contemplar esta grande visão, e não ficou força em mim; transmudou-se o meu semblante em corrupção, e não tive força alguma. Contudo ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí sobre o meu rosto num profundo sono, com o meu rosto em terra. E eis que certa mão me tocou, e fez com que me movesse sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos. E me disse: Daniel, homem muito amado, entende as palavras que vou te dizer, e levanta-te sobre os teus pés, porque a ti sou enviado. E, falando ele comigo esta palavra, levantei-me tremendo” (Dn 8.18; 10.8-11). A vida cristã e as experiências com Deus são vividas pela fé. O que cremos é que é importante e não as emoções e sentimentos pelos quais passamos. Após uma tremenda experiência dessas, Deus ainda continua contigo, ainda falará contigo, ainda se revelará e se manifestará; mas não necessariamente na mesma forma ou intensidade. Não adianta tentar replicar as experiências do passado ou forçar a barra para permanecer naquele mesmo nível sensorial. Permanecer cheio do Espírito Santo e do poder de Deus vai muito além daquelas manifestações físicas e emocionais experimentadas no monte, na vigília, no culto de poder ou na imposição de mãos daquelas pessoas ungidas e revestidas da graça. Abraão voltou para baixo, desceu o monte, encontrou os moços e juntos (ele cheio das experiências com Isaque) e os moços que só eram companhia e ajudantes para carregarem bagagens. Voltaram para Berseba, tudo normal de novo.

 

Pai, obrigado por tirar pesos desnecessários dos nossos ombros, quando ficamos emocionalmente envolvidos em sentimentos de culpas falsas, porque as coisas não acontecem como pensamos, mas nosso pensar é que está fora dos teus padrões. Obrigado pelas experiências poderosas com o teu Santo Espírito e pela graça manifestada em nossas vidas, ministérios e na igreja do Senhor. Tudo por obra e graça das tuas mãos. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Bênção Pela Obediencia

Meditação do dia 26/06/2018

 “E em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz.”  (Gn 22.18)

 A bênção pela obediencia – Um homem sem filhos e com uma esposa estéril recebe de

Deus uma promessa de ser o abençoador de todas as nações da terra, através de sua descendência. Hoje, sabemos a história inteira e temos a descrição da genealogia dele, mas ele não tinha todos esses elementos para formar um juízo e tomar decisões, ele agiu pela fé naquele que lhe falou. Estamos falando de fé para “agora,” mas também fé para “amanhã” e “depois de amanhã…” é necessário entender que a vida se estende para além do horizonte temporal que consigo ver e viver fisicamente como indivíduo. O projeto divino é para o tempo e a eternidade, tal qual ele mesmo. Pelas mesmas razões que as árvores produzem sementes que caem e encontram o seu próprio modo de germinar e reproduzir-se sucessivamente preservando a sua espécie; também os animais seguem esse mesmo plano, guiando-se pelos seus instintos de viver e sobreviver e para tal precisa se reproduzir. Os humanos, são inteligentes, dotados de capacidades superiores aos animais e às plantas; o homem pode tomar decisões, a isso chamamos de arbítrio, temos um livre arbítrio que exercemos utilizando todas as demais faculdades e recursos com os quais fomos dotados pelo Criador. “Que é o homem mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites? Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés” (Sl 8.4-6). É evidente que o pecado estragou muito do projeto original e as faculdades e dons dados ao homem ficaram corrompidos e distorcidos demais para serem utilizados de forma construtiva e para o bem de um número maior de pessoas. A característica básica da semelhança do homem com Deus foi deturpada e no seu íntimo o homem se tornou egoísta, como sendo uma de suas marcas principais, recebidas via pecado, da natureza de Satanás. O egoísmo é em essência a causa de todos os demais males e tragédias humanas e provocadas pelo homem. Por que as pessoas querem tudo para si? Incluindo a vida, a abundancia, o monopólio, o controle. Isso vai sendo incorporado pela sociedade e sendo aprovado de forma que escolhe-se até caminhos de destruição e auto aniquilação, em nome do conforto e do bem estar pessoal. Qual a resposta para a pergunta: Porque não querem ter filhos? Será em proteção às crianças, ou ao prazer e conforto dos potenciais pais? Sem gerações futuras, não haverá bênçãos futuras e no futuro não haverá presente, é o fim! Por um ato de obediência, Abraão provocou um movimento de bênçãos desde si mesmo, passando Isaque, seu filho, Esaú e Israel, seus netos e está atingindo pessoas até hoje, eu e você por exemplo. Um ato de desobediência de Adão provocou estragos que repercutem até hoje e as próximas gerações, um ato de Abraão abriu as portas para a redenção acontecer e favorecer muitos e através de Jesus ficou acessivo a todos os homens em todos os povos, línguas e nações de todos os tempos. Voce e eu, pensamos só em nossa existência pessoal, ou estamos construindo um reino que é eterno e mesmo que não vejamos algumas coisas agora, veremos, participaremos e tudo que virá ainda pelo nosso futuro, trará as nossas bênçãos e nossa contribuição. Por causa da nosso obediência!

 

Pai, obrigado!! Seja o teu nome louvado e reconhecido como o grande Eu Sou! O Deus Altíssimo, o possuidor dos céus e da terra, como Abraão gostava de chamar. Graças, Senhor, pela redenção em Cristo e pelas fiéis promessas que a seu tempo se hão de cumprir. Em nome de Jesus, oramos agradecidos. Amém.

 

Pr Jason

Abençoado Grandissimamente

Meditação do dia 25/06/2018

 “Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos;”  (Gn 22.17)

 Abençoado grandissimamente – Embora não tenha nada contra as famosas campanhas de oração e outras do gênero, me ponho a pensar como seria a vida dessas pessoas ao receberem uma palavra de Deus, não só prometendo ou confirmando uma bênção, mas usando o superlativo para dar a entender que a bênção é muito grande, é fora dos padrões normais, é uma big bênção. Se hoje eles correm atrás, gastam uma grana preta, alguns são até esfolados para conseguirem uma bênção. Imaginem o que não fariam para estar na condição de Abraão? A questão todo não gira só em torno de estar na condição do patriarca, pois os caminhos percorridos por ele, são os mesmos que Jeová, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos Céus e da Terra, tem para todos nós. Desenvolver a fé e subir o nível de comunhão com Deus através da prática da Palavra, da meditação e obediência, regado à muita oração e fidelidade, isso poucos se propõem a fazer e persistir. Até mesmo nós, os líderes, somos um tanto lerdos na compreensão dos princípios bíblicos e consequentemente na aplicação deles em nossas vidas. Muitos dos bons e profundos estudos bíblicos visam tão somente encher a mente de mais conhecimento teórico, que muitos se apressam em passar para frente sem antes experimentar e comprovar a sua eficácia. A obediência de Abraão em seguir as instruções divinas, fez cair sobre ele uma nuvem de bênçãos e tudo simplesmente por andar na aliança com Deus. Jesus disse aos seus discípulos, já no ministério íntimo, algo muito precioso: E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (Jo 17.3). Conhecer a Deus, só a ele por único e verdadeiro Deus e a Jesus Cristo. A proclamação da palavra de Deus nos nossos dias e em nossos púlpitos, em grande parte visam atender uma demanda de mercado: A velha lei da oferta e procura. Os fiéis são meros mercadores e o que eles procuram as instituições procuram oferecer cada vez mais, com preços módicos, em ambientes cada vez mais confortáveis e aconchegantes. Os atrativos oferecidos levam os consumidores, digo membros, a mudarem de lugar baseado no que de melhor uma oferece em relação à outra. Eles são até estimulados a conhecer e crer apenas naquilo que precisam para alcançarem seus pleitos. Já vi até pregador dizendo que na sua igreja a pessoa não precisa ter fé para alcançar a bênção, porque ele tinha fé suficiente para ambos, então pode vir que aqui está a sua bênção. Se ainda estou sensato, isso contraria frontalmente as Sagradas Escrituras, que afirmam que “sem fé é impossível agradar a Deus…” acredito que por sua fidelidade e caráter santo, Deus não precisa utilizar superlativos, hipérboles ou mesmo exageros, porque tudo o que ele diz é verdade em todos os sentidos; então quando diz que vai abençoar muito a alguém, muito para Deus, é muito mesmo. Ela ratificou e reiterou todos os termos da aliança de bênçãos feitas com Abraão e revisados em outras ocasiões e agora, está fica carimbado, chancelado como definitivo para Abraão e seus descendentes permanentemente. Só para lembrar: Somos herdeiros diretos e legítimos de Abraão através das alianças e muito bem confirmadas em Cristo Jesus no Calvário. Ande com Deus e caminhe na bênção diariamente.

Sou grato, Senhor, por toda a tua benignidade para com os teus filhos, aliançados contigo pela fé e confirmados em Cristo. Pela redenção temos o acesso liberado a todas as promessas que a nossa fé nos permite participar. Obrigado por cuidar de todo para nós, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Jurou Por si Mesmo

Meditação do dia 24/06/2018

 “Então o anjo do Senhor bradou a Abraão pela segunda vez desde os céus,
E disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor: Porquanto fizeste esta ação, e não me negaste o teu filho, o teu único filho,
  (Gn 22.15,16)

 Deus Jurou por si mesmo – Nas entrelinhas das narrativas vamos encontrando ensinamentos nos quais podemos investir tempo e meditação para aprendermos aspectos significativos para uso na vida diária. Aqui aparece a questão do juramento. Na verdade, segundo a Wikipédia Um juramento é uma afirmação de um fato ou de uma promessa, geralmente feito perante ou sobre algo (um valor moral) ou alguém que quem o faz considera sagrado (geralmente Deus), como testemunha da natureza vinculativa desta promessa ou da veracidade desta declaração ou fato.” Isso então fica subentendido que é coisa de homens, que precisam garantir que sua palavra ou compromisso não será anulado. Invoca-se algo sagrado, sobre o qual não se mente, não se brinca e pode ser utilizado como uma garantia segura. Na vigência da Lei Mosaica havia regras claras sobre juramentos e promessas, vinculando-se uma palavra empenhada à honra da pessoa. Quando um homem fizer voto ao Senhor, ou fizer juramento, ligando a sua alma com obrigação, não violará a sua palavra: segundo tudo o que saiu da sua boca, fará. Também quando uma mulher, na sua mocidade, estando ainda na casa de seu pai, fizer voto ao Senhor, e com obrigação se ligar, E seu pai ouvir o seu voto e a sua obrigação, com que ligou a sua alma; e seu pai se calar para com ela, todos os seus votos serão válidos; e toda a obrigação com que ligou a sua alma, será válida” (Nm 30.2-4). Nos versos seguintes regula-se os votos e juramentos onde há intervenção dos pais das moças ou dos maridos em relação às suas esposas; esses votos seriam invalidados e a pessoa não seria cobrada espiritualmente por isso. Na nova aliança, Jesus, trouxe uma iluminação maior sobre o “espírito da letra” dessa lei e cobrou uma postura mais veraz dos seus seguidores. “Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas cumprirás os teus juramentos ao Senhor. Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus; Nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei; Nem jurarás pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto. Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna” (Mt 5.33-37). Para Jesus, a idéia não é cumprir uma palavra porque se está debaixo de juramento, mas falar a verdade sempre, sem precisar de garantias. A explicação do Mestre é que as motivações interiores são provenientes de duas fontes: Deus e o Maligno. Falar a verdade é de Deus, trapacear, mentir, falsear a verdade, dar duplo sentido e depois optar para a opção que mais lhe interessa, é maligno. Mas o nosso caso principal é o fato de Deus se interpor com juramento; Ele precisa jurar? O Escritor aos Hebreus esclarece: Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda. Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento” (Hb 6.16,17). Mesmo sem necessidade de fazê-lo, mas apenas para mostrar sua imutável capacidade cumprir tudo o que prometia, Deus jurou por si mesmo, uma vez que não há ninguém maior ou superior a ele mesmo. Para nós, que conhecemos o seu caráter, não altera nada, apenas reafirma e confirma que ele é fiel e que suas palavras não cairão no vazio. Minha aplicação pessoal, recai mais sobre o fato de sermos concitados a falar a verdade, do que termos que jurar e nos obrigar a cumprir a palavra empenhada. Sim, sim – Não, não! Palavra de goiano!

Obrigado Senhor, por demonstrar amor e transmitir confiança aos homens que se propõe a andar contigo. A vida de Cristo em nós, tem nos guiado a um estilo de vida muito ligado à falar a verdade, viver a verdade, amar a verdade e escolher ser verdadeiros em todo tempo e situação. Em nome de Jesus, que o Caminho, a
Verdade e a Vida, agradecemos, amém.

Pr Jason

Jeová-Jireh

Meditação do dia 23/06/2018

 “E chamou Abraão o nome daquele lugar: o Senhor proverá; donde se diz até ao dia de hoje: No monte do Senhor se proverá.  (Gn 22.14)

 Jeová-Jireh – Deus sempre proveu as necessidades humanas. Foi assim desde o início: Adão – um Jardim, a comunhão, os recursos, uma companheira – Eva, autoridade para administrar, perdão quando pecaram, etc. Noé – Salvação para ele e sua família, preservação de toda a espécie humana através dele, o projeto da arca como meio de salvação, o recomeço de tudo com as boas promessas e uma aliança, etc. Abraão – Destino orientado, uma pátria, as muitas promessas, uma aliança de bênção para ele e suas posteridade, bênção de prosperidade e um filho como herdeiro dele e das alianças.  A lista de provisão de Deus é infinita e em toda natureza de necessidades. Na experiencia de Abraão, temos a figura de Deus e seu plano de redenção sendo providenciado por obra de amor e graça. Abraão simbolizando ou tipificando a Deus que dá o seu filho em sacrifício. Isaque tipificando a Cristo, levado inocente para a morte. Também Isaque tipificando o pecador substituído por alguém que morre em seu lugar. No terceiro dia, Abraão recobrou seu filho, como ressuscitado da morte. A iniciativa de alcançar o homem é sempre de Deus, que providencia tudo. Sl 23.1 – O Senhor é meu pastor e nada me faltará, porque Deus provê! I Co 10.13 – “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.” Nas provações podemos vencer, porque Deus providencia os meios de escape. Quando os filhos de Deus não conseguem confiar e descansar nas provisões de Jeová-Jireh, isso cria uma zona de conflito internamente, que provoca grandes medos de percas e sofrer prejuízos e até ficam alucinados, meio paranoicos, com invejas e cobiças sobre o que testemunham na vida de outras pessoas ao seu redor. Em  Mt 6.24 Jesus ensinou que  “Não se pode servir a dois senhores…” Esses elementos forçarão a pessoa a um comportamento ambíguo, com mecanismos próprios de compensação que fere a mordomia cristã. A pessoa fica materialista, egoísta e disfarça sua carnalidade com a máscara de  previdente, econômico etc. Gn 13.7-12 – Abraão permite que seu sobrinho Ló, escolha primeiro, quando a  promessa da terra era para ele e sua descendencia. Gn 14.21-24 – Abraão resgata Ló e não aceita bens de ímpios, para não comprometer seu testemunho. Gn 23. 9,10, 15,16 – Abraão faz questão de não tirar proveito próprio na oportunidade de compra do terreno para sepultura de Sara. Dt 8.12-18 – Deus deixa um lembrete para não esquecer quem providencia tudo. “Para não suceder que, havendo tu comido e fores farto, e havendo edificado boas casas, e habitando-as,
E se tiverem aumentado os teus gados e os teus rebanhos, e se acrescentar a prata e o ouro, e se multiplicar tudo quanto tens, se eleve o teu coração e te esqueças do Senhor teu Deus, … Que te guiou por aquele grande e terrível deserto de serpentes ardentes, e de escorpiões, e de terra seca, em que não havia água; … Que no deserto te sustentou com maná, … para te humilhar, e para te provar, … E digas no teu coração: A minha força, e a fortaleza da minha mão, me adquiriu este poder. Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza; para confirmar a sua aliança, que jurou a teus pais, como se vê neste dia.”
2  Sm 24.24 – O princípio espiritual de culto a Deus praticado por Davi. “Não oferecerei ao meu Deus, holocausto que não me custe nada.” 1 Cr 29.3-13 – Davi se mostra generoso e reconhece Deus como a fonte de tudo. Lc 6.38 – Recebemos na mesma proporção que damos. Fp 4.6 – Não ficar ansioso, por que Deus providencia tudo no tempo certo. Podemos concluir que a maior manifestação de Jeová-Jireh em nosso favor está em Jesus Cristo. Jesus é o cordeiro que Deus proveu para pagar nossa culpa e morrer em nosso lugar. (Jo 1.29) I Pe 5.7 – “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” Quão significativo foi Abraão nomear aquele lugar tão marcante na sua vida e na vida de seu filho, e porque não, em nossas vidas milhares de anos depois e para toda a eternidade, com um nome que expressa uma revelação do caráter do seu Deus, do nosso Deus. Jeová-Jireh, o senhor sempre proverá!!!

Pai, é sem palavras da nossa parte, para expressar o quanto o teu nome é santo e significativo para nossas vidas. Obrigado pelas provisões contínuas e redentoras, disponíveis a nós pela vida de Jesus Cristo, que se entregou na cruz. Obrigado pela nossa salvação. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Substituto

Meditação do dia 22/06/2018

 “Então levantou Abraão os seus olhos e olhou; e eis um carneiro detrás dele, travado pelos seus chifres, num mato; e foi Abraão, e tomou o carneiro, e ofereceu-o em holocausto, em lugar de seu filho.  (Gn 22.13)

 O Substituto – A história da redenção é uma história de substituição. O homem pecador não tinha e não tem condições e nem recursos para cobrir os custos de sua libertação. Por mais que se tenta, ainda falta, pois o valor da redenção de uma alma é de fato caríssima. Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele. (Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre), para que viva para sempre, e não veja corrupção” (Sl 49.7-9). Como raça humana, precisamos admitir nossa corrupção espiritual e a incapacidade de resolvermos os problemas advindos do pecado que grudou em nós. Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só” (Rm 3.10-12). É nessa condição que Jesus veio ao mundo para ser o mediador e não só mediar a situação, mas intervir, servindo como substituto do pecador desqualificado. Foi assim que João Batista o apresentou aos seus dois discípulos, No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (JO 1.29). Quando Abraão olhou e viu aquele carneiro enroscado pelos chifres no arbusto, ele sabia que havia encontrado o substituto para o seu filho. Isaque não morreria, mas alguém assumiria aquele lugar sobre a lenha colocada em ordem. Adão não morreu lá no Éden, mas um animal foi vitimado e suas peles se tornaram em vestes para cobrir a nudez do casal. Eu não morrerei e nem você, porque Cristo se colocou em meu lugar, eu seu lugar como uma vítima inocente no lugar de uma vida pecadora. Os nosso pecados caiu sobre ele, e a sua justiça recai sobre nós. Mas o que se deve levar em conta, é que a redenção existe, é real, está aplicável e para nós, é gratuita, pela graça de Deus através de nossa fé em Cristo. Mas para Deus, custou a vida de seu filho amado; para Jesus custou sua vida. É de graça, mas tem um preço. Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (I Co 6.20). E não poderia faltar o clássico de Pedro: Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (I Pe 1.18,19).

Obrigado Senhor, por tão grande salvação e pela redenção completa que há em Cristo Jesus, o Cordeiro verdadeiro que tira os pecados do mundo e nos coloca em boas condições diante de ti. Em nome dele, agradecemos, amém.

Pr Jason

Abraão Levantou os Olhos e Viu

Meditação do dia 21/06/2018

 “Então levantou Abraão os seus olhos e olhou; e eis um carneiro detrás dele, travado pelos seus chifres, num mato; e foi Abraão, e tomou o carneiro, e ofereceu-o em holocausto, em lugar de seu filho.  (Gn 22.13)

 Abraão levantou os olhos e viu – Quem de nós nunca passou pela situação de procurar uma coisa e não achar, não ver, virar e revirar tudo sem sucesso? Então apelamos para a mãe ou esposa e ela chega e de primeira, mostra aquilo na cara da gente! Lá na minha terrinha, isso ainda vinha com a seguinte frase: “E se isso fosse uma cobra ou uma onça?” Olhar e não ver ou também ouvir e não escutar demonstram duas atitudes diferentes para uma mesma situação. Me faz lembrar o fundador do Exercito de Salvação, William Booth, que tinha um coração voltado para as pessoas carentes, necessitadas, desabrigadas e até em situação de miséria extrema na cidade de Londres. Certo dia ele viu um grupo de famílias e indigentes debaixo de um viaduto e comentou com a família na hora do jantar e o filho disse que também já tinha visto – ele perguntou: Quando você viu isso? Em resposta o filho disse que fora a uns dois anos atrás. A resposta deixou ele apavorado e questionou o filho: E você não fez nada!!?? Ele havia visto, mas não enxergado. Nessas situações de vermos textos sobre levantar os olhos, normalmente nossa atenção e memória volta-se para o salmo 121 onde diz: “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra” (Sl 121.1,2). Entendo que Abraão estava concentrado no que estava fazendo, que era oferecer um sacrifício a Deus e que fora interrompido pela voz do Senhor, desde os céus para que ele não tocasse no garoto e que ele já estava aprovado no teste. Na minha imaginação, ele estava a desamarrar o filho, ou mesmo abraçado a ele, como quem o recebia de volta depois de estar morto por três dias e tudo o que ele queria ver era o rosto do filho amado; qualquer outra coisa, era superficial e de segundo plano. Para nós, pode significar estar concentrado demais em um determinado ponto, quer seja um problema, ou uma alegria exultante que nos leva as lágrimas e choro interminável, que nem ligamos para o que se passa ao redor e muito menos para nosso status ou reputação, pagar mico é o de menos naquela hora. Mas a vida continua e precisamos levantar-nos e recomeçar a vida de onde paramos naquela situação. Dá até para viajar na maionese e ver o bom humor do Senhor, dizendo à Abraão: “Ei amigo, você não veio aqui de tão longe para oferecer um holocausto? Cadê, tô esperando? E ao  levantar os olhos, o Senhor lhe mostra apontado discretamente com a mão ou com um aceno de olhar – e ao olhar para a direção apontada, uau! Não é que tem um carneirão lindo ali enroscado?!! É a vez de Abraão responder com um sinal de positivo, valeu, Senhor! A menos que tenhamos que estudar a situação ou o problema para ver como agir ou já termos a percepção que ali está a resposta, não devemos nos concentrar nos problemas, mas em Deus. Quando tudo parece confuso, complica, insolúvel, impossível, é hora de voltarmos a Deus em louvor, adoração, gratidão até acalmar nosso espírito e nos colocarmos em condições de ver e ouvir as instruções do Espírito Santo. Situações de ansiedade e agitação sempre me fazem lembrar meu professor de Velho Testamento no Semib, pastor Ricardo Linder, que nessas hora dizia para gente: “Tem que ficar calmo… por dentro também!”

Obrigado Senhor, por estar ao alcance de nossas orações e de nossa adoração em todo o tempo. Ficamos felizes em saber que Deus é o nosso amparo e fortaleza, socorro bem presente na hora da angústia. Obrigado, pelo Espírito Santo que habita em nosso espírito e nos conforma a imagem do seu filho Jesus. Obrigado, querido Deus! Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason