Exatores e Oficiais

Meditação do dia: 30/04/2022

“Então saíram os exatores do povo, e seus oficiais, e falaram ao povo, dizendo: Assim diz Faraó: Eu não vos darei palha;” (Ex 5.10)

Exatores e Oficiais – Podem ser palavras que descrevem pessoas e funções que não são gratos para o povo de Deus. Aliás, cobradores de impostos, fiscais públicos e agentes do governo nessas funções nunca são bem vistos pela população. Segundo se diz no mercado financeiro, nesta vida apenas duas coisas são absolutamente certas: A morte e os Impostos. Povos que se utilizavam de mão de obra escrava, lançavam mão de feitores, exatores, que eram funcionários remunerados do governo para fiscalizarem a vida de serviço dos seus escravos. Além do ofício próprio, em muitos casos eles eram ou se tornavam perversos para com os escravos e assim mantinham a rotina e evitavam problemas com os oficiais superiores e mesmo o rei. Se estivermos dispostos a fazermos uma analogia espiritual desse seguimento, em relação a nossa caminhada espiritual, iremos nos deparar com muitas possibilidades. Me permitam entrar um pouco no campo das batalhas espirituais, para alcançarmos uma compreensão que nos sirva minimamente para uma boa aplicação. Atentemos que quando a Bíblia trata da criação ela é bem mais abrangente do que a nossa vaidade permite admitir. “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele” (Cl 1.16). Há hierarquias espirituais invisíveis, que exercem funções muito além do nosso conhecimento comum. Isso possibilita a existência também de sistemas espirituais tanto bons e divinos, quanto maus e malignos, que travam combates e procuram gerar influencias em toda a criação. Os humanos, por serem muito amados de Deus e para quem Ele tem planos muito grandes, sofrem os efeitos de coisas que estão além da nossa compreensão. Podemos ver na experiencia de Jó, que ele padeceu tudo aquilo que é registrado e foi regiamente recompensado por Deus no final e tudo estava baseado num conflito espiritual fora do alcance das vistas e do entendimento dele e dos demais atores que ali aparecem. Satanás provocou a Deus e fez acusações sérias sobre as razões porque Jó era fiel. Sabemos o que aconteceu. Deus estava agora, lidando com a libertação do seu povo escolhido, que viviam no Egito e tinha um papel muito importante para desempenhar no mundo, pois a obra da redenção de toda a humanidade estava ligado a eles diretamente. Mais e além dos egípcios e Faraó, havia interesses gigantescos de ordem cósmicas, que criavam verdadeiras fortalezas no mundo invisível, que somente sendo verdadeiramente espiritual para entender essas coisas espirituais. “As quais também falamos, não com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido” (1 Co 2.13-15). Coisas espirituais se comparam com espirituais e o pessoas naturais (não nascidas de novo ou carnais) não compreendem verdades espirituais, enquanto pessoas espirituais compreendem tanto as coisas naturais quanto as espirituais. Os exatores que infligem sofrimentos, danos, prejuízos e lutas para os cristãos, podem ser agentes malignos de outro plano espiritual; por falta de percepção e discernimento espiritual tudo é visto como sendo implicância, invejas, ciúmes, falta de caráter, violência e injustiças de pessoas, instituições e governos. “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Ef 6.12). Fique esperto!

Graças te damos, Senhor Deus e Pai, por seu previdente cuidado e amor para conosco. O Senhor tem todo o conhecimento e a sabedoria enquanto somos limitados, mas o teu santo Espírito habita em nós para nos guiar a toda a verdade e capacitar a viver, lutar e vencer as nossas batalhas. Obrigado pelos dons espirituais que são ferramentas preciosas para a igreja lidar e prevalecer nesse mundo espiritual no poder do Senhor. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Que São Palavras Mentirosas?

Meditação do dia: 29/04/2022

“Agrave-se o serviço sobre estes homens, para que se ocupem nele e não confiem em palavras mentirosas.” (Ex 5.9)

O Que São Palavras Mentirosas? – Entre as muitas narrativas sobre os tempos difíceis vividos pela igreja cristã nos seus primórdios sob as perseguições promovidas pela máquina de ferro do Império Romano, há um episódio sobre Policarpo, um dos grandes pais da igreja e discípulo do Apóstolo João. Tentaram dissuadi-lo de sua fé em Cristo e que ele levasse em conta a sua idade avançada e também a amizade com os líderes e nobres de sua região. Ele não cedeu e as autoridades embora o tivessem condenado à morte, não se sentiam à vontade para executar um ancião de tamanha nobreza e humildade, mas não tinham muitas alternativas. No estádio repleto com aquelas multidões sedentas de sangue em suas arenas e tendo aquilo como espetáculo público, gritavam enfurecidos exigindo a sua morte, aquelas autoridades lhe diziam que era apenas ele renunciar a Cristo, saudar a César e declarar que os cristãos eram ateus (por crerem em um Deus único); ele acenava estendendo os braços mostrando a multidão e dizia: Realmente, abaixo aos ateus! Olhando para isso, pergunto: O que são palavras mentirosas? Do lado de quem? Faraó estava dizendo que as palavras de Moisés e Arão, falando em nome do Deus de Israel, eram palavras mentirosos, será? Não era ele tido como um deus, e estava cercado de deuses e mais deuses, uma para cada coisa e que sucessivamente empenhava a sua Palavra e depois a quebrava, não honrando o que havia dito e prometido, não são essas as palavras mentirosas? O profeta Isaías falou fervorosamente produzindo uma mensagem profética que sustenta a nossa fé sobre a pessoa de Deus: “Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador. Eu anunciei, e eu salvei, e eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor; eu sou Deus” (Is 43.10-12). Nosso desafio não apenas crer em Deus e sua Palavra, mas ser testemunhas de quem de fato Ele é. Suas Palavras são poderosos, verdadeiras e coerente com o seu caráter. Entre o que diz o mundo, a mídia, os pensadores seculares e o que Deus diz, eu escolho seguramente acreditar e agir pela Palavra de Deus. “Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei” (Is 55.11,12).

Pai celestial, nós te adoramos porque o Senhor é Deus, sempre foi e sempre será, de eternidade em eternidade tu permanecerás o mesmo. As tuas palavras são palavras puras, verdadeiras por o Senhor é santo, justo e bom. Buscamos sabedoria e discernimento para ficarmos firmes nas tuas promessas e coerentes com tudo quanto temos experimentado em nossa caminhada. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Falando de Ociosidade

Meditação do dia: 28/04/2022

“E lhes imporeis a conta dos tijolos que fizeram antes; nada diminuireis dela, porque eles estão ociosos; por isso clamam, dizendo: Vamos, sacrifiquemos ao nosso Deus.” (Ex 5.8)

Falando de Ociosidade – Estamos meditando sobre uma pessoa fantástica que exerceu um nível tal de influencia produtiva e abençoadora na vida de seu povo, numa época muito difícil, mas vai muito além disso, toda a humanidade recebeu influencia da vida e do ministério dele. Moisés viveu e trabalhou pelo povo de Deus e no devido tempo ali estava ele,  disponível a Deus e ao seus patrícios. Hoje, vamos pegar uma carona no tema da crítica feita pelo Faraó, que o povo estava ocioso e por isso estavam querendo sair e ir para o deserto servir ao seu Deus. Ociosidade tem uma conotação um tanto quanto negativa, especialmente aqui no Brasil, tento quase que uma acepção de preguiça, inércia ou falta de coragem de trabalhar. Não vou tentar convencer ninguém de que isso não é verdade, ou que na verdade significa outra coisa. Quero apenas trabalhar um tema interessante, que em outros tempos e em determinados seguimentos ele era bem aceito e valorizado. Artistas e alguns profissionais, até pensadores e estudiosos, consideravam e chamavam de “ócio criativo;” se referiam a dedicar um tempo a não fazer nada, e deixar a capacidade criativa agir de modo que a pessoa tivesse momentos de alta criatividade e assim poder expressar através de suas artes, escritos, criações e invenções. Líderes entendiam que momentos assim lhes permitiam terem boas idéias administrativas de forma que pudessem realizarem grandes coisas. Podemos perceber em nossa vida prática que estando sob intensa pressão, dificilmente conseguimos criar bem e em boa quantidade. Na minha área de trabalho, como pastor de igreja local, preciso falar pelo menos duas ou três vezes por semana e por mais que tenhamos certo nível de preparo acadêmico e cultural, no final das contas não somos máquinas de produzir sermões ou pregações. Mesmo sabendo o tema e muitos textos bíblicos que se referem diretamente ao assunto, ainda precisamos receber a mensagem, que só Deus, através do Espírito Santo trazer a inspiração para nossos corações e mentes. Quando estamos sob pressão de tempo, ou outras circunstancias, fica mais difícil ouvir e captar uma instrução espiritual; então para tudo, ir para um lugar tranquilo e se desconectar do mundo ao redor, conseguimos melhores resultados. Há pessoas, que escolhem fazer outra atividade completamente diferente, onde não exige o mesmo tipo de foco, lhes permite ter boas idéias. Sou à favor da ociosidade criativa, com responsabilidade. Veja qual é a sua maneira de buscar inspiração e ter criatividade e aprenda a tirar proveito disso.

Senhor, te agradecemos pela pessoa do Espírito Santo que habita em nós e nos guia a uma vida de saúde, paz e criatividade abençoadora. Queremos agradecer de todo o nosso coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Manter a Produtividade

Meditação do dia: 27/04/2022

“E lhes imporeis a conta dos tijolos que fizeram antes; nada diminuireis dela, porque eles estão ociosos; por isso clamam, dizendo: Vamos, sacrifiquemos ao nosso Deus.” (Ex 5.8)

Manter a Produtividade – Ao meditar em passagens como essa, podemos entre outras possibilidades, aplicar a lição principal a realidade que também nos afeta em circunstancias da vida, como cristãos e na condição de prestadores de alguma forma de mão de obra para terceiros. Uma grande maioria das pessoas trabalham servindo ou à pessoas, ou à empresas e instituições, tanto privadas quando governamentais. Vamos resumir como trabalho. Muitas categorias trabalham e servem debaixo de muita pressão por resultados e quanto se fala em resultados, eles são das mais variadas formas, como os profissionais da saúde, que resultados ali, significam mais pacientes curados e restaurados e menos mortes. Nas instituições financeiras, resultado é contado em cifras, quando mais grana entrando nos cofres, melhor. Nas instituições de ensino, onde bons resultados se trata de aprendizagem, melhorias nas relações entre docentes e alunos, administração e tudo que envolve a finalidade da instituição. Cada um de nós, serve em áreas que são úteis e outras partes dependem daquilo que é feito ali, para também realizarem a parte deles. Mesmo com as mediações das leis e sistemas regulatórios que amparam os trabalhadores e servidores, ainda assim, deparamos com jornadas exaustivas e muita pressão, que aliada aos demais fatores da vida das pessoas, torna-se muito difícil a condição de sanidade e serenidade. Faraó deixou de fornecer parte dos insumos necessários para a produção dos tijolos e requereu a mesma produtividade, é claro que isso não terminaria bem. O cristão tem uma consciência de que o trabalho é uma bênção de Deus e que através dele, podemos desenvolver nossas habilidades e destrezas naturais com as quais fomos agraciados no nascimento. Também podemos aprender novas habilidades e ofícios e desempenhar papeis muito relevantes para o progresso e o desenvolvimento humano, dando nossa contribuição para o bem da sociedade; entendemos isso como o exercício de uma mordomia responsável. Através do nosso trabalho conseguimos suprir as nossas necessidades e de nossos familiares imediatos; também contribuímos para a obra de Deus, com nossos dízimos e ofertas e sustentamos missões e obras sociais além dos domínios da igreja local onde congregamos. Sabemos que quando trabalhamos dentro da nossa área de motivação, produzimos mais e com um menor fator de desgaste e estresse. Quando alguém detesta a segunda-feira ou anseia ardorosamente pela sexta-feira, pode ser que esteja atuando fora de sua vocação e ou enfrentando um alto nível de desgaste, de forma que o trabalho se torna um fardo e um peso; isso não é bom. Como servos de um Deus grande e amoroso, devemos trabalhar por mudanças significativas e abençoadoras. Se alguém estiver numa condição difícil, ruim e perigosa ou onde ela não possa expressar seu potencial humano, deve orar e agir para mudar a situação e sair de tais condições. Se acomodar ou ter medo de mudanças não ajuda, precisa exercitar a fé, para mover montanhas e criar uma nova realidade. Eu me sinto muito à vontade para utilizar aqui a referencia bíblica da citação de Paulo: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl 5.1). O cristão não pode ser escravo de nada e de ninguém: Avareza, miséria, preguiça, acomodação, ativismo… Tudo que é demais, passa! Reavaliemos e deixemos a fé prevalecer.

Senhor, obrigado por cuidar de nossas vidas em todos os sentidos e em todos detalhes. Entendemos a tua vontade como sendo o modelo ideal de vida e queremos servir com diligencia, efetividade e boa consciência de que estamos servindo ao Senhor quando fazemos o nosso trabalho de forma digna e honesta. Obrigado por suprir cada uma das nossas necessidades através da tua riqueza em glória por Cristo Jesus, em nome dele agrademos, amém.

Pr Jason

Sem Palha

Meditação do dia: 26/04/2022

“Daqui em diante não torneis a dar palha ao povo, para fazer tijolos, como fizestes antes: vão eles mesmos, e colham palha para si.” (Ex 5.7)

Sem Palha – Não se trata de cultura inútil, mas de detalhes do cotidiano que pode fazer muita diferença na vida. Os hebreus estavam servindo como construtores das obras faraônicas, e todos as etapas das obras ficavam sob responsabilidades deles, desde a fabricação de tijolos, até a finalização das construções. De cultura para cultura, ou devido às possibilidades de materiais disponíveis, a construção civil sobre variações significativas. Em alguns lugares se fabrica tijolos com barro comum, e depois ele é queimado e ganha consistência e resistência. Há sistemas de fabricação que não exige a queima, no interior do brasil é chamado de “adobe ou adobo.” Espécie de grande tijolo feito artesanalmente com massa de barro, mistura de capim seco, água e estrume de gado; a massa é misturada com os pés, em cavidades no solo. Depois de tomar consistência é colocada em formas e depositada ao ar livre, para secar. Era a base das construções antigas, especialmente as da zona rural. Esse definição da net, fala de capim seco – isso seria o equivalente à palha citada na Bíblia. Para agilizar a fabricação, os escravos de Faraó, recebiam no local de fabricação, os materiais necessários, como o barro, as formas, a palha vegetal, areia e etc. Essa palha em sua maioria vinha das colheitas de trigo, cevada e alguns cereais. Após o pedido de Moisés para liberar o povo para servirem a Deus, o Faraó não gostou nada e resolveu engrossar e aumentar a pressão sobre os trabalhadores, deixando de fornecer a palha para a fabricação dos tijolos. Um pequeno ingrediente que era necessário, mas de procedência distante e difícil acesso  aos hebreus, pois os proprietários de fazendas, eram egípcios e eles forneciam para o rei por serem súditos, mas não fariam a mesma coisa para com os escravos. Também poderia haver escassez, porque certamente a demanda das obras eram realmente grandes. Faraó estava punindo aquelas pessoas e sobrecarregando-as e assim, por meio da intimidação e da maior carga de trabalho, fazê-los desistirem de quererem sua liberdade. Espiritualmente, o mundo e o Diabo quer manter as pessoas presas no pecado e em ações religiosas e filosóficas, que não aliviam suas almas cansadas e quando a pessoa procura ajuda, encontra novas situações que não sendo guiadas pelo amor de Deus em seu plano de redenção, essas pobres almas serão enganadas e sobrecarregadas com mais obrigações e rituais, que as deixarão ocupadas por muito tempo até perceberem que não ajudou em nada e trouxe mais peso e desilusões. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11.28-30).

Obrigado Senhor por nos amar de uma forma tão maravilhosa, que podemos encontrar respostas e soluções. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

As Novas Ordens

Meditação do dia: 25/04/2022

“Portanto deu ordem Faraó, naquele mesmo dia, aos exatores do povo, e aos seus oficiais, dizendo:” (Ex 5.6)

As Novas Ordens – Havia ordens sendo cumpridas e praticadas que daria o ar de naturalidade naquela sociedade. Uma rotina de servidão e trabalho para todos. Algo diferente estava iniciando um movimento de fé esperança naqueles corações; era a libertação tão esperada e sonhada por todos. Depois de anos de oração e expectativas, finalmente as coisas começariam a acontecer. Na minha prática de vida cristã, tenho aprendido que o início de algo não é o todo do algo; assim, o início de um processo de libertação não é em si a libertação; como o início de um processo de cura, não é a cura. Talvez você possa me contestar, quem sabe, até com razão: Pode não ser o todo, mas já é o começo, portanto está ali potencial. Uma vez que toda grande caminhada começa com o primeiro passo, isso também deve valer para as demais atividades, especialmente as promessas de Deus. Minha teoria, ainda não é uma tese, portanto aceita e comporta uma antítese, e a recebo com respeito. Mas siga o meu raciocínio: Aqueles hebreus cansados e oprimidos pela escravidão, ansiavam por um alento, algo que lhes aliviassem os sofrimentos daquela dura realidade. Alimentarem uma esperança já era suficiente para dar forças para continuar até que algo acontecesse, e agora estava acontecendo. A chegada de Moisés que não fizera parte da vida deles e portanto, eles não alimentaram nenhuma esperança partido dele, mas via com bons olhos e também como resposta de suas súplicas à Deus. Arão, que era um deles, companheiro de sofrimento, estar na liderança, dando apoio às palavras de Moisés, que segundo eles ouvira a voz do Deus de seus antepassados e que iria agir em favor deles, isso sim, catalisava um movimento verdadeiro de fé e disposição para agirem. Tanto lá, quanto cá, em nossos dias, as pessoas são imediatistas, cada um a seu modo e querem as coisas para já, agora, ou prá ontem, como já está sendo dito em nossa geração. A poucos anos, para saber uma notícia de um familiar ou amigo, escrevíamos uma carta, postava-se nos correios e esperávamos uma semana para chegar ao destino e sabendo que ele responderia no mesmo dia, mas cinco ou seis dias teríamos a resposta e isso era plausível. Hoje, enviamos uma mensagem nas redes sociais, vendo que a pessoa está on line e se ela demora mais de um minuto para ver e responder, parece uma eternidade, e normalmente já se envia mais uma série de mensagens de voz ou figurinhas com caras bravas, fumegando, soltando raios e até mesmo um punhado de interrogações, que a outra pessoa deve decifrar nossa impaciência! Isso entra para a vida espiritual e devocional das pessoas e dos adoradores, elas exigem que Deus esteja on line para elas ainda que elas não estejam para ele. Só aparecem quando precisam de alguma coisa dele. Quais eram as novas ordens do rei? Por que tão urgentes para serem implementadas? Como diziam os matutos mais antigos: “cutucaram a onça com uma vara curta!” Pedir ao Faraó, que deixe o povo ir, assim, de graça, na boa, agora, já? Deu ruim, dirá os jovens! Agora poderá ser que nem deixe mais! ao invés de melhorar, ficou pior ainda! Lembrem-se: Toda mudança provoca incômodos, diversos incômodos. Para realizar uma grande obra como aquela, muitas coisas precisavam serem mexidas, reviradas e até quebradas para abrir espaço para algo novo. Você quer o novo, sem abrir mão do velho e daquilo que só trouxe dor e sofrimento? O fato de se estar acostumado com o ruim, não significa que não se possa abraçar o bom e o melhor. Perdas, prejuízos e incômodos são caminhos no processo de crescimento, maturidade e produtividade de alto nível. Se observarmos a dinâmica do universo, perceberemos que a coisa mais constante e firme são as mudanças.

Senhor, precisamos de ajuda para compreendermos os processos legítimos que o Senhor utiliza para produzir crescimento, renovação e maturidade no teu povo e também ilustra isso pela criação em todo o universo que está em constante mutação, exatamente para ser o que está planejado, para nosso aprendizado e também produzir o louvor que a tua glória merece. Somos gratos por isso, mesmo quando não entendemos, podemos aceitar pela fé a tua sabedoria agindo de forma precisa e abençoadora. Oramos sem nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Ajudar Com As Cargas

Meditação do dia: 24/04/2022

“E disse também Faraó: Eis que o povo da terra já é muito, e vós os fazeis abandonar as suas cargas.” (Ex 5.5)

Ajudar Com As Cargas – De pronto minha mente se volta para o texto do Novo Testamento onde carregar cargas se fardos são coisas para se fazer juntos, uns apoiando aos outros e não sozinhos. “Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” (Gl 6.2). Acabamos de descobrir que temos cargas para carregar na vida cristã. Se para você isso é novidade, então bem-vindo à maturidade e à vida cristã estável. Quando Jesus anunciava o seu Evangelho e desafiava as pessoas a viverem conforme as verdades do Reino de Deus, ele nunca facilitou as coisas, oferecendo um atalho ou caminho mais suave, para quem gosta de moleza, sombra e água fresca. No texto mais clássico que considero e muitos pregadores utilizam para apresentar na hora do apelo ao final da pregação de um sermão evangelístico, Jesus fala sobre a maravilha que é ir até ele para encontrar descanso e refrigério de alma. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve (Mt 11.28-30). Não é subestimando a sua inteligência ou capacidade de entender o texto bíblico, mas vou fazer uma legenda simples dos fatos: 1. Ir a Cristo todos que estão cansados e oprimidos; 2. Ele, Jesus, dará alívio; 3. Cada um deve tomar o jugo de Cristo (então há um jugo); 4. Aprender de e com Cristo; 5. Encontrar descanso como resultado do aprendizado; 6. O jugo de Cristo é suave; 7. O fardo de Cristo é leve. Conclusão: Há um fardo e um jugo que todo discípulo deve tomar, ele não é imposto, é escolha pessoal de fazer do jeito de Deus. A proposta é trocar o jugo e o fardo do pecado, com tudo que o mundo sobrecarregou a pessoa e deixar isso com Cristo e pegar um novo fardo e um novo jugo e seguir em frente. As pessoas até mesmo que já são parte das igrejas, fogem de aceitarem responsabilidades e funções no corpo local para servirem, alegando que é muita responsabilidade. Claro que é! Como faremos algo para o Deus Criador, Senhor de tudo e de todos, que não inclua responsabilidade? Não fazemos porque somos bons ou capacitados, mas colaboramos em resposta de amor ao que ele fez por nós. A idéia que já tem gente demais e todo mundo já está sobrecarregado, é idéia do Faraó, do opressor, que não quer perder o controle e o domínio sobre as vidas que nem lhe pertence. A idéia de Deus é sairmos todos, juntos, para serví-lo e uns apoiar os outros na caminhada. Ele providenciará tudo o que viermos a precisar.

Senhor, queremos fazer do teu jeito e para tua glória. Faraó tem o jeito dele e desse jeito não queremos e já estávamos cansados dele e o do seu sistema. Estamos agradecidos por tudo que tens feito por nós em Cristo Jesus e será um prazer submeter-nos ao discipulado de Cristo e tomarmos voluntariamente o nosso jugo e o nosso fardo que poderemos levar sem comprometer a nossa caminhada e o nosso serviço a ti. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Cargas & Obras

Meditação do dia: 23/04/2022

“Então disse-lhes o rei do Egito: Moisés e Arão, por que fazeis cessar o povo das suas obras? Ide às vossas cargas.” (Ex 5.3)

Cargas & Obras – Pelo título desse texto de meditação até parece que vamos tratar de negócios com transportadora e construção civil. Mas a idéia é outra, vamos pensar naquilo que Deus planeja para nós e aquilo que o mundo e o sistema também preparam e desejam nos manter ocupados. A chamada “tirania do urgente” é uma estratégia para manter alguém tão ocupado com coisas que não tem tanta importância que o leva a negligenciar aquilo que de fato é relevante. Também podemos chamar isso de ativismo! Viver tão ocupado, com cada espaço da agenda completamente cheio de tal forma que a pessoa passa a rodar no automático, ela nem mais tem o controle de suas ações, apenas age mecanicamente respondendo aos inúmeros chamados da agenda. As pessoas mais bem sucedidas, são senhoras do seu tempo, no sentido de que elas colocam em ação planos que realmente tem sentido e são importantes. Ouvi de alguém que interpelou um empresário de marcas de carros de alto luxo, porque eles não colocavam comerciais na TV de seus produtos e recebeu a seguinte resposta: O nosso público alvo, não assiste TV. Exagerando um pouco, ele quis dizer que “TV é coisa de pobre!” Quando Moisés e Arão fora falar com o Faraó sobre libertar os escravos hebreus, para irem servir ao Senhor no deserto, essa proposta fazia todo o sentido para eles, mas ali estava Faraó e o Egito, representando figuradamente o Diabo e o mundo ou vice-versa, tendo a própria idéia do que as pessoas deveriam fazer com a vida delas. Elas deveriam continuar escravas, fazendo os mesmos serviços, nas mesmas condições de vida que sempre fizeram, porque isso era a vida delas e deveriam estarem felizes e “ocupadas” com isso, e não em estar inventando moda de fazer festa ou ir cultuar em outros lugares. Para Deus, o Deus de Israel e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, a vida é mais do isso: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor (Gl 5.1,13). Observe as três frases sublinhadas: Foi que Cristo que nos libertou – nossa vocação é para a liberdade – e para servir uns aos outros por amor. No episódio em que Jesus enviou os discípulos em duplas para servir e evangelizar, ao voltarem estavam eufóricos com os resultados e o Mestre então disse-lhes: “Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus” (Lc 10.20). O que somos (ter o nome no livro da vida) é mais significativo e importante para Deus do que aquilo que fazemos (libertação, ministério etc.). É próprio do mundo e do Diabo, dizer-nos o que fazer com nossas vidas, dentro da ótica deles e nos manter ocupados fazendo coisas, construindo coisas. Deus quer que sejamos pessoas livres, consagradas e dedicadas a apoiar uns aos outros em amor para o bem de todos.

Te agradecemos Pai, por nos amar de forma tão intensa e incondicional, para o nosso próprio bem e crescimento espiritual. Sabemos pela tua Palavra que os teus planos são bons, perfeitos e agradáveis para nós e que te servir é gratificante e construímos um reino do qual somos herdeiros. A maior obra o Senhor Jesus fez no Calvário ao dar a sua vida por nós, e crermos nele e nos seus feitos é o mais significativo que podemos realizar. Te louvamos de todo o nosso coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Oferecer Sacrifícios

Pr Jason

Meditação do dia: 22/04/2022

“E eles disseram: O Deus dos hebreus nos encontrou; portanto deixa-nos agora ir caminho de três dias ao deserto, para que ofereçamos sacrifícios ao SENHOR nosso Deus, e ele não venha sobre nós com pestilência ou com espada.” (Ex 5.3)

Oferecer Sacrifícios – Estamos meditando sobre a vida e o ministério de Moisés no início de todo aquele processo de libertação do povo israelita do cativeiro no Egito. Deus queria tirar os filhos de Israel de uma condição de vida muito precária para irem para a terra que lhes fora prometida. Haveria muitas etapas até a posse definitiva e em todo esse trajeto haveria oportunidades para aprendizagem e fortalecimento do relacionamento entre eles, os filhos da promessa e o Senhor das promessas. Uma razão alegada na primeira abordagem juto ao Faraó seria um culto requerido por Deus. Culto é um serviço que prestamos a Deus. Os elementos exteriores do culto revelam os princípios que há por trás, ou na essência. A fé cristã prega a existência de um Deus único e verdadeiro, o Criador de todas as coisas e portanto, o único digno de ser adorado. Devido a grandeza de Deus e a pequenez humana, o serviço que se pode prestar a Deus é na verdade um desafio de agradá-lo através do reconhecimento de quem ele é e do que tem feito para nós. O que hoje conhecemos como Bíblia, a Palavra de Deus, ainda era passada através da tradição oral, de pai para filho e assim de geração em geração. Moisés, esse mesmo que estamos meditando, foi o primeiro a fazer os registros escritos, começando por relatar as suas experiencias no ministério de livrar a Israel do Egito e também as porções anteriores que lhe chegaram pela transmissão geracional. Servir a Deus para eles tinha o significado de prestar adoração através de orações e atitudes de reverencia, mas especialmente através de sacrifícios de animais, que eram imolados e queimados sobre altares. Isso era feito individualmente por qualquer pessoa adulta ou poderia ser em família e até mesmo grandes celebrações comunitárias na tribo ou nação. Nada muito diferente do que fazemos, apenas que os adoradores na Nova Aliança, após o sacrifício de Cristo, que foi o mais perfeito, completo e suficiente diante de Deus, não mais servimos a Deus ou o cultuamos por meios simbólicos com sacrifícios de animais. Agora nossas vidas são consagradas a ele e ao seu serviço, que fazemos através da fé. Compreendemos o valor do relacionamento com Deus e abraçamos a participação na construção do seu Reino, através de comunicar aos demais homens uma mensagem do amor de Deus por eles, o que chamamos de “pregar o Evangelho.” “Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15). sabemos que o sacrifício que agrada a Deus são as atitudes corretas do coração reconciliado com Ele e em boas relações com os demais homens. “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (Sl 51.17). Os israelitas iriam sair do Egito para servir a Deus. Nós já saímos do nosso Egito e estamos no exercício de viver na terra das promessas divinas, e alcançamos isso pela fé e assim prosseguiremos numa jornada de aprendizagem e crescimento por toda a nossa vida.

Senhor, obrigado por aceitar o sacrifício perfeito e completo de Jesus lá na cruz e assim os nossos pecados foram perdoados e estamos libertos do cativeiro e do domínio do pecado para servimos ao Senhor com toda liberdade. Agradecemos a tua bondade para conosco, permitindo a tua graça atuar em nossas vidas de forma plena. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixa-nos Ir

Meditação do dia: 21/04/2022

“E eles disseram: O Deus dos hebreus nos encontrou; portanto deixa-nos agora ir caminho de três dias ao deserto, para que ofereçamos sacrifícios ao SENHOR nosso Deus, e ele não venha sobre nós com pestilência ou com espada.” (Ex 5.3)

Deixa-nos Ir – “Manda quem pode, obedece quem tem juízo!” quem nunca ouviu essa afirmação ditatorial? O mundo sem Deus, sob o governo dos homens valoriza o poder pelo poder e cada um procura tirar o seu proveito da situação. Dominar e subjugar parece que está no DNA das pessoas. Numa tentativa de disputa de espaço e poder entre os discípulos, Jesus os corrigiu e reorientou-os sobre como as coisas funcionam no Reino de Deus, e seria bom eles se adaptarem o quanto antes e nós também. “Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal” (Mc 10.42.43). Não é significativo o fato de Deus através de Moisés e Arão pedirem a Faraó que deixasse o povo ir? Chega a ser intrigante, porque em nossa imaginação, quem pode não precisa pedir é só ordenar! Já notaram que nas Sagradas Escrituras, Deus se relaciona com o homem e o trata com muito respeito e consideração? Ao criar o nosso mundo, Deus o fez para nele colocar o homem e desfrutarem de uma boa relação de amizade e comunhão, fazendo uma grande parceria de serviços e construírem algo grande, eterno e altamente recompensador para ambas as partes. A delegação de poder e autoridade foi feita e desde então isso é mantido em alto nível da parte do Criador. Nosso espaço e respeitado por Deus, que jamais invade, interfere sem notificar o que fará. “Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Am 3.7). Deus sempre age pelo princípio de autoridade, isto é, ele respeita e leva em consideração a autoridade existente, e também exige que os seus servos também o façam, caso contrário o caos se instala e como dizemos nós: “Panela que muitos mexem, fica temperada demais ou sem tempero.” À título de informação e sugestão, seria bom quem não leu ainda, procurar ler o livro, AUTORIDADE ESPIRITUAL, escrito por Watchman Nee. Precisamos entender de uma vez por todas, que as autoridades existentes foram constituídas por Deus e é através delas que ele exerce sua soberania e governo. A rebelião e desobediência deliberada não é construtiva. Faraó recebeu a oportunidade de ceder à obediência sem precisar de força maior, pressão e castigos sobre ele e seu povo. Na conquista de Canaã, e nas guerras subsequentes os israelitas foram instruídos a oferecerem alternativas de rendição pacífica aos povos. “Quando te achegares a alguma cidade para combatê-la, apregoar-lhe-ás a paz. E será que, se te responder em paz, e te abrir as portas, todo o povo que se achar nela te será tributário e te servirá. Porém, se ela não fizer paz contigo, mas antes te fizer guerra, então a sitiarás” (Dt 20.10-12). Vemos isso com Caim, com a geração antediluviana, com Sodoma e Gomorra, os cananeus em geral e aqui com Faraó e também com os pecadores através do Evangelho pregado com oportunidade de se arrependerem e serem salvos. Isso merece mais reflexão de nossa parte.

Senhor, agradecemos a oportunidade dada a nós de nos arrependermos e nos convertermos dos nossos maus caminhos e poder deixar os nossos pecados e nos voltarmos para ti e ser assim aceitos, acolhidos em Cristo Jesus, perdoados e libertos de tudo o que nos escravizava e nos mantinha distantes de ti. Somos abençoados com a tua graça maravilhosa e pela oportunidade de sermos salvos em Cristo. Agradecemos de coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason