Quem Fala Com o Faraó?

Meditação do dia: 31/05/2022

“Estes são os que falaram a Faraó, rei do Egito, para que tirasse do Egito os filhos de Israel; estes são Moisés e Arão.” (Ex 6.27)

Quem Fala Com o Faraó? – Os ratos se reuniram sob forte pressão porque o novo gato da casa estava sendo impiedoso com eles, matando, comendo e impondo o terror. O que faremos? Alguém sugeriu que colocassem um guizo no pescoço do gato enquanto ele dormia, assim eles saberiam a sua localização e poderiam se precaver de novos ataques. Todos aplaudiram a idéia brilhante; quanto então surgiu a pergunta: “Quem vai colocar o guizo no pescoço do gato?” Uma idéia teórica brilhante pode não ser viável porque coloca-la em prática pode ser mais difícil do que se imagina. Partindo dessa fábula, podemos aplica-la a muitas situações da vida em que os grandes desafios aparecem e surgem também as grandes “sacadas” de como contornar ou resolver a questão. O difícil mesmo é quem fará o serviço pesado. Todos os hebreus queriam a libertação e todos ficaram felizes e eufóricos com a notícia de que Moisés aparecera e se dizia o libertador do seu povo. Quando viram os sinais que ele tinha autorização divina para exercer diante do Faraó, ninguém teve dúvidas de que o tempo deles havia realmente chegado. Nem mesmo o aviso que o Senhor dera a Moisés que Faraó seria duro de coração e exigiria um mover poderoso de Deus para convencê-lo, nem isso fora suficiente para deixa-los com os pés no chão. Até Moisés e Arão imaginaram que seria difícil, mas não tão difícil como de fato se tornou. Alguma semelhança com a prática da vida com Deus que temos experimentado? Como cristãos, quando lidamos com questões de autoridade, reconhecemos o Senhor nosso Deus como a maior autoridade e também a necessidade de acolher seus ensinos, mandamentos e recomendações para termos uma vida bem sucedida em tudo que fizermos. Quando se trata de autoridade humana, as reconhecemos e estamos comprometidos em obediência e cooperação plena até onde ela não tentar sobrepor às ordens de nossa fé. Mas uma coisa muito importante precisa ser colocado aqui: a desobediência civil da parte de um cristão à uma autoridade legitimamente instituída, pode e deve acontecer quando suas ordens confrontar diretamente a Palavra e a autoridade de Deus, mas teremos que assumir a responsabilidade pela decisão de desobediência. “Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem” (1 Pe 2.13,14). Se o ato é passível de multa, prisão ou reparação, o cristão para não violar sua consciência de fé, desobedece, mas arca com as consequências prescritas e paga a multa, vai preso ou faz os reparos que a lei prescreve. É assim, que os cristãos perseguidos no mundo todo fazem. Se não podem pregar o Evangelho, e isso contraria a nossa fé, eles pregam e arcam com as consequências disso, são presos, torturados, mortos ou isolados, tem os bens confiscados. Fazer coisas erradas e ser alcançados pela justiça e tentar se passar por vítima e perseguido, isso não tem nada a ver com a nossa fé. Quem vai falar com o Faraó, tem que estar pronto para enfrenta-lo.

Obrigado Senhor por nos chamar para uma vida de fé e desafios grandes. Compreendemos a necessidade de andar na luz e fazer o que é certo e bom, podendo assim contar com a tua graça e favor para nos tirar ou nos dar forças para suportar as adversidades. Oramos nesse dia pelos irmãos em Cristo que enfrentam perseguições e sofrimentos pela tua causa. Como membros do mesmo Corpo nos identificamos com eles e oramos abençoando suas vidas e fortalecendo suas mãos para que perseverem firmes até o fim, porque a vitória lhes pertence. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Moisés & Arão, a Missão

Meditação do dia: 30/05/2022

“Estes são Arão e Moisés, aos quais o Senhor disse: Tirai os filhos de Israel da terra do Egito, segundo os seus exércitos.” (Ex 6.26)

Arão & Moisés, a Missão – Tudo termina em pessoas! Elas são os elementos mais importantes até por serem a excelência da criação de Deus. A maior obra já empreendida no universo, é a obra da redenção e ela visa prioritariamente o homem e abrange tudo aquilo que o rodeia, sendo útil ao seu desenvolvimento e lhe dá qualidade de vida. Aqui estamos meditando e pensando na vida e na história de Moisés, uma pessoa extraordinária levantada por Deus para cumprir uma função e um ministério de suma importância para o projeto da redenção da humanidade. Moisés passou por fases de preparo e treinamento para desenvolver as habilidades necessárias e quando chegou o momento certo, lhe dado pessoas para que o auxiliassem de forma direta e outras indiretamente. Ampliando a nossa visão, percebemos que as coisas acontecem de uma tal maneira que tudo se encaixa quando aparentemente não havia conexão alguma entre elas. O que aconteceu com Moisés e outros tantos na Bíblia, se repete em nossa história pessoal e em nossos dias. Quando por exemplo, Moisés fugiu do Egito para peregrinar sabe lá onde, pois saiu sem destino, apenas fugindo para salvar sua vida, ele chegou a Midiã e foi acolhido por Jetro, um sacerdote de Deus ali naquela localidade e que acolheu o fugitivo e deu-lhe todas as condições de se reerguer na vida. O ex-príncipe do Egito, agora se torna pastor de ovelhas e estabelece família. Jetro não foi efeito colateral na vida de Moisés, ou acidente de percurso ou mesmo sorte! Alguém trabalhou e preparou tudo para aquele encontro e aquela escola de vida e serviço. Nosso texto bíblico de hoje, mostra que Moisés e Arão foram as pessoas a quem Deus determinou libertar os filhos de Israel – essa era a missão da vida deles, esse era o propósito de suas vidas. Alguns poderiam não concordar, não entender como as mais adequadas para a missão, mas foi exatamente isso que Deus planejara. Moisés e Arão precisavam dessa convicção e estarem comprometidos com isso. O novo nascimento nos deu uma nova identidade, exatamente para cumprirmos o nosso destino. Fomos destinados para algo grande, bem maior do que nós mesmos e que perdurará muito além de nossa existência material aqui na terra. Quem sou eu e qual é a minha missão de vida, são duas perguntas que não podemos deixar de responder com assertividade. Partindo daí, podemos identificar os companheiros de jornada e encaixar os movimentos certos para que as etapas se sucedam. Deus mandou Moisés e Arão livrarem os hebreus do cativeiro egípcio; o que foi que Deus deixou para você e para mim? Estou caminhando a um bom tempo na missão carreira, e você?

Obrigado Pai amado por nos privilegiar com a participação da obra da redenção, pregando o Evangelho das insondáveis riquezas de tua graça para salvar o pecador perdido. O teu amor está direcionado para as pessoas criadas e cuidadas por um plano maior do que nós mesmos. Te reconhecemos como soberano sobre tudo e todos e nos submetemos à tua sabedoria. Receba a nossa gratidão, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Moisés e Arão

Meditação do dia: 29/05/2022

“Estes são Arão e Moisés, aos quais o Senhor disse: Tirai os filhos de Israel da terra do Egito, segundo os seus exércitos.” (Ex 6.26)

Arão e Moisés – Dois irmãos, criados em mundos diferentes, mas por um propósito bem maior que eles mesmos. Mui provavelmente cresceram com ambições diferentes, devido ao meio em que estavam inseridos. Arão, o mais velho, crescido entre os escravos, criados em casa com os pais e a irmã mais velha que ele. Por ser bem pequeno quando Moisés fora tirado de casa e levado para o palácio com a princesa egípcia, é provável que poucas lembranças pessoais lhe ficara; por outro lado, além dos laços sanguíneos, havia o forte ele familiar que os hebreus cultivavam e uma aliança espiritual por promessa divina, que unia a todos. Mas nada deveria ser mais forte do que a influencia dos pais em fazer a transmissão oral, diária e continuamente sobre o possível propósito daquele filho mais novo ter nascido naquela época e mesmo com tão grandes dificuldades, eles conseguiram escondê-lo por um bom tempo e quando não mais foi possível mantê-lo seguro, a bênção do Deus criador e provedor de todas as coisas, lhes sorriu, apresentando uma tutora mais que habilitada para proteger e dar a ele uma formação que dificilmente lhe poderia ser oferecido pelos meios comuns e na normalidade da vida deles. O melhor lugar para formar um líder, estadista com conhecimentos de administração de uma nação, de comandar exércitos e organizar estruturas de um governo, só os mais nobres e filhos da realeza egípcia poderia aspirar por isso. Temos que pensar fora da caixa, para compreendermos os grandes planos de Deus. Quando o natural não é viável, o sobrenatural pode ser a solução e a maneira de Deus mostrar que está comprometido com a causa. Ao olharmos para a vida de Moisés, não podemos de forma alguma dizer que tudo foi dentro dos conformes e as circunstancias eram difíceis, por isso parece diferente e alguma coisa estranha ou fora do comum estava acontecendo. Não! Definitivamente não! Tudo na vida de Moisés e do que lhe cercava era muito além do cotidiano e de uma vida normal. Um único evento diferente é capaz de derrubar teses sustentadas por anos e anos; como no raciocício de Nassin Taleb sobre a lógica do Cisne Negro. Ele trata da tese que ninguém jamais havia visto um cisne negro, por isso todos e tudo indicava que só haveria cisnes brancos, até alguém descobriu um cisne negro na Austrália, e isso desmontou a tese de anos e anos. É Raro, mas existe. Deus havia feito uma promessa de livrar os descendentes de Abraão do cativeiro da nação onde estivessem e leva-los com grande riqueza para sua terra em Canaã. Mais de quatrocentos anos se passaram. A situação era de dura escravidão, com muito sofrimento e apertos crescente sobre eles com o propósito de subjuga-los e até exterminar. Não havia nenhuma indicação visível da possibilidade de livramento, independência e construção de uma nação soberana. Deus estava trabalhando na formação dos homens capazes de gerar tudo isso. Como estão as coisas ao seu redor? Quais as perspectivas de mudanças para melhor? Não há nada que indique isso? Pelos caminhos normais isso nunca vai acontecer? Então se prepare para o diferente, sobrenatural e deve vir um mover de Deus! Em algum lugar Deus está preparando a estrutura capaz de suportar o que vem pela frente. Acredite, ore por isso e acolha a visão de Deus, pois a visão dos homens é muito limitada. Se a sua própria visão é de pessimismo, derrota ou acomodação, comece por você? Daniel foi um bom exemplo disso: No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza (Dn 9.2,3). A descoberta mudou a visão e a vida de Daniel e consequentemente de Israel e do plano de redenção.

Senhor, somos gratos pela vida de pessoas como Arão e Moisés, Daniel e outros tantos que não se conformaram com estado atual das coisas em seus dias e se puseram a orar e a clamar por uma nova visão e mudanças significativas. Podemos fazer a diferença na igreja onde estamos, no ministério atual e no todo daquilo para o qual o Senhor nos chamou e nos preparou para esse tempo. Abra os nossos olhos para o que de novo o Senhor está construindo bem ao nosso lado. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Fala Com Os Líderes

Meditação do dia: 28/05/2022

“Todavia o Senhor falou a Moisés e a Arão, e deu-lhes mandamento para os filhos de Israel, e para Faraó rei do Egito, para que tirassem os filhos de Israel da terra do Egito.” (Ex 6.13)

Deus Fala Com Os Líderes – A visão que o passageiro tem do banco do carona é muito diferente da visão do motorista. Isso é válido para conduzir um veículo e o passageiro precisa confiar e não interferir na condução, com risco de produzir um acidente. Isso também é válido para a liderança em todos os níveis e instancias. Quem está no comando precisa estar seguro de que as responsabilidades são suas e ainda que consulte e receba ajuda e apoio, é sobre ele que recai as decisões. Isso vale para a vida também. Cada pessoa nasce para cumprir um propósito e a sua vida lhe é confiada e as responsabilidades também. Já está prescrito no manual, que cada um dará conta de si mesmo. “De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Rm 14.12). Em termos de responsabilidades ministeriais, Deus fala aos líderes e trata com eles. Líderes existem para representar os liderados, por isso mesmo eles precisam ser confiáveis e responsáveis pelas decisões. No caso da libertação dos hebreus do cativeiro egípcio, o Senhor Deus vinha trabalhando com Moisés com líder principal, Arão, seu irmão e os anciãos do povo ou líderes tribais. Na crise provocada pela primeira recusa de Faraó em liberar o povo para sair, o povo ficou frustrado porque a expectativa deles era de uma saída rápida, fácil e sem conflitos. Isso era o que se passara na cabeça deles! Moisés e Arão não esperavam por isso e estavam cientes da resistência que o rei ofereceria. Os anciãos tinham uma visão melhor do que a do povão, mas não muito distante, por isso mesmo entraram em crise de imediato e transmitiram o vírus da murmuração e da discórdia entre o povo. A pressão chegou a Moisés e Arão. Desanimar é uma característica humana e ainda que as pessoas se mostrem resilientes, a desistência ou a troca por algo similar, próximo do original não deixa de ser uma alternativa. Com Deus não! “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? (Nm 23.19). Sempre houve pressão para que o povo de Deus troque o melhor pelo bom; o prometido pelo possível humanamente. Deus quer produzir cura definitiva e o sistema oferece alívio temporário. Para resolver a crise do jeito de Deus, Moisés e Arão receberam mandamentos para eles e para Faraó também. A ordem inicial de libertar o povo não estava em discussão, nem seria aceita uma proposta paliativa de levar alguns ou sob certas condições. O rei do Egito teria que se submeter a Deus, o Deus Abraão, Isaque e Israel. Não era uma questão negociável. Lá no deserto da Judeia, o Diabo fez uma proposta indecente para Jesus, já que ele viera para salvar o mundo e recebeu a tentadora proposta de salvar o mundo sem passar pela cruz e pela morte. Hoje eu sei e vocês também, que sem derramamento de sangue não há remissão de pecados. “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22). Os adeptos da malhação tem certa razão: “Sem dor não tem ganho!”

Senhor Jesus, graças te rendemos pelo teu sacrifício na cruz, que não foi em vão e hoje milhares de milhares estão salvos, libertos, aguardando o final do processo de redenção, até o dia em todos estaremos diante do trono para a celebração jamais vista. Obrigado por não ceder e não desistir de nós. Receba o nosso louvor e adoração, hoje e sempre, amém.

Pr Jason

Limitações Humanas

Meditação do dia: 27/05/2022

“Moisés, porém, falou perante o Senhor, dizendo: Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido; como, pois, Faraó me ouvirá? Também eu sou incircunciso de lábios.” (Ex 6.12)

Limitações Humanas – Quando se faz comparação, corre-se o risco de superestimar ou subestimar a si mesmo. Alguns anos atrás, um conferencista nos compartilhou sobre um teste que ele fizera num voo doméstico nos Estados Unidos, que media o QI, e ele se surpreendeu com sua performance. Meses depois ele encontrou o mesmo teste no jornal que recebia em casa e pediu a esposa para fazer o teste e ela se saiu melhor que ele; mais tarde naquele dia quando o filho adolescente chegou da escola ele também aplicou o teste e o garoto foi melhor que a mãe. Ele se sentiu o “burro” da família; mesmo que à pouco tempo naquele voo, ele se achara um gênio. Quando olhamos para trás, dizemos que é muito difícil alguém chegar à altura de Moisés. Isso é fato, mas ele mesmo, ao vivo e à cores, sentia e percebia suas limitações, e temos que concordar com ele, todo ser humano, tem suas limitações a serem consideradas. No dizer de Paulo, isso já está mais do que contemplado. “Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados.
Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele”
(1 Co 1.26-29). Quando olhamos para nós mesmos, podemos ser sinceros e honestos na autoavaliação do que somos e do que podemos oferecer para o reino de Deus, levando em conta as virtudes e fraquezas individuais. Deus chama, capacita, aperfeiçoa e envia quem ele quer e como quer; sempre com muita graça e misericórdia. Moisés se sentia limitado na área da fala, quem sabe uma questão de dicção, ou de formulação de idéias ou nada disso. Eu tenho minhas limitações e sei que cada um de vocês também tem, mas nada disso tem impedido que a obra de Deus aconteça. Somos igreja, Corpo de Cristo e funcionamos segundo a direção do Cabeça, que é Cristo e os diversos membros cooperam entre si e assim as situações são compensadas pela unidade e amor, de forma que não sobra a quem tem muito e não falta a quem tem pouco. A generosidade da fraternidade cristã entre os irmãos faz uma enorme diferença nos momentos difíceis que alguns passam e graças a Deus que todos não passamos por dificuldades ao mesmo tempo; assim, uns podem apoiar os outros. Precisamos pensar sobre a importância da comunhão e cooperação entre todos nós. a insígnia que distingue os discípulos de Jesus é o amor.  “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13.35).

Senhor, te rendemos graças por nos chamar para servir em alguma área na tua obra ministerial. Temos dons e talentos que recebemos de ti mesmo e no poder do teu Espírito Santo podemos fazer grandes coisas para tua glória. Nos consagramos ao teu serviço e pedimos graça para superarmos as nossas fraquezas e deficiências, com o propósito de glorificar aquele que nos chamou. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Quem Vai Nos Ouvir?

Meditação do dia: 26/05/2022

“Moisés, porém, falou perante o Senhor, dizendo: Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido; como, pois, Faraó me ouvirá? Também eu sou incircunciso de lábios.” (Ex 6.12)

Quem Vai Nos Ouvir? – Por vezes me vejo como crianças em fase de crescimento, ou melhor, naquela fase dos “por quês?” que deixam os pais malucos e os irmãos até perdem a paciência com tantas perguntas e o pior de tudo que mais da metade delas, eles já sabem as respostas, já foram ensinados e respondidas por várias vezes. Deus também tem uma paciência do tamanho de um bonde! Aliás, o Senhor não TEM paciência – Ele é paciente, isso é bem diferente. “Bondoso e compassivo é o Senhor, tardio em irar-se e grande em misericórdia” (Sl 145.8 ARA). Muitos fatores perturbam a paz do coração do povo de Deus e os líderes são os primeiros a sentirem a pressão. Quando faltam resultados esperados, aparecem também os fatores de frustração e se não houver cuidados e maturidade a porta se abre para a dúvida e a murmuração; logo em seguida vem a amargura e o ressentimento. Se não prestar atenção aos sintomas iniciais, os líderes nessas condições podem entrar num processo que mais parece uma espiral que vai afunilando como num sumidouro. Isso drena todas as energias vitais da pessoa e a deixa inoperante e improdutiva. Certamente já ouvimos falar de pessoas que se tornaram “máquinas“ que funcionam no automático. Elas fazem o que estavam programadas para fazerem e o fazem até acabar de vez o que as fazem se mover. É muito sinistro, mas até um relógio quebrado, dá a hora certa duas vezes por dia. Estou utilizando essa metáfora para falar de gente boa, que foram muito úteis e produtivas e se tornaram autômatos; pastores, líderes e pregadores, cantores etc. perderam a unção original, entraram naquela espiral mecânica e funcionam no automático, porque foram treinadas para aquelas funções. Sabem fazer um sermão bíblico, mesmo que não recebam a mensagem, mas que diferença faz, poucos vão perceber mesmo – é o que alegam; outros nem sabem ou admitem que estão nesse processo. Não é raro, vermos e ouvirmos pastores perguntando porque as pessoas não os ouvem mais, ou porque os resultados não aparecem. Moisés disse isso para Deus, comparando os dois campos de atuação dele: Se os hebreus, filhos de Abraão, herdeiros das promessas, ansiosos pela libertação, não me ouvem, mesmo sendo irmão deles, quanto mais me ouvirá o Faraó! Claro, os dois públicos tinham motivações diferentes para ouvir e para não quererem ouvir a Moisés. Já passou pela sua cabeça e coração, que as vezes o que Deus deseja é que preguemos, ensinemos, mesmo que as pessoas não queiram ouvir e se comprometerem? Sim, isso é bíblico também: “E eles, quer ouçam quer deixem de ouvir (porque eles são casa rebelde), hão de saber, contudo, que esteve no meio deles um profeta” (Ez 2.5). “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2 Tm 4.2). Jesus tinha sua própria versão sobre ausência de resultados: “Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus” (Jo 8.47). Por outro lado, Deus está trabalhando em várias frentes simultaneamente, então tanto o público alvo de nosso trabalho, quando nós mesmos estão sendo testados, aperfeiçoados e provados. É certo que aprendemos muito com as derrotas e fracassos em nossos empreendimentos. Firmamos raízes mais profundas quando não encontramos água na superfície e somos açoitados por ventos fortes constantes. “Mar calmo nunca fez bons marinheiros!”

Senhor Deus e Pai, agradecemos as lições diárias de como perseverarmos, mesmo quando não vemos perspectivas boas, mas sabemos que aquele que está no comando é sábio, grande e poderoso. O Senhor conhece todas as coisas incluindo os nossos corações, e somos gratos por nos guiar pelos teus caminhos e não pelos nossos. Assim, podemos nos consagrar e continuar na busca por sabedoria e discernimento todos os dias. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Moisés Argumenta

Meditação do dia: 25/05/2022

“Moisés, porém, falou perante o Senhor, dizendo: Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido; como, pois, Faraó me ouvirá? Também eu sou incircunciso de lábios.” (Ex 6.12)

Moisés Argumenta – Em nossas meditações trabalhamos com a vida e as experiencias de Moisés; assim, todas elas formam a história inteira dele e tal como nós, aprendeu ele a lidar com a vida e as frustrações que ela traz. Gostaríamos que tudo fosse de bem para melhor e só tivéssemos vitórias, mas a vida é como ela é, não como queremos que seja. Como seres humanos somos cercados de fraquezas, e além dessas ao nosso redor ainda há muitas que estão dentro de nós, enraizadas no coração e na mente e no devido tempo elas produzem os seus frutos. Quando digo a seu tempo, estou me referindo ao fato que elas aparecem exatamente quando não deveriam… mas é isso que nos torna humanos. Reconhecer essas condições da própria vida nos faz crescer e nos fortalecer para as próximas situações que haveremos de enfrentar. Na caminhada da vida, circunstancias novas aparecem o tempo todo e quase sempre as experiencias de ontem não contam muito para as lutas de hoje. Mesmo tendo grandes revelações de Deus, bons conhecimentos da Palavra do Senhor e estarmos cercados por amigos e irmãos de fé que nos auxiliam, ainda assim podemos vacilar e até mesmo errar e cair. A construção de uma vida inteira e ou de uma carreira que ao final recebem nota dez, sendo louvada por todos como acima da média ou fora da curva como dizemos atualmente, elas foram construídas passo a passo, tijolo à tijolo e no exercício diário houve falhas e pequenos deslizes, fracassos e retrocessos. O que realmente conta é a média, sendo desejável que se apresente ascendente. Depois de tudo que Moisés experimentara no deserto de Horebe, também no retorno ao Egito, o encontro com Arão, os sinais diante dos anciãos e os avisos da parte do Senhor que o trabalho seria árduo, ainda assim, Moisés sentiu a pressão e o estresse do ministério. Faraó não lhe ouvir e endurecer mais ainda as condições de trabalho e servidão do povo lhe era compreensível e esperado; mas quando os hebreus resistiram e se opuseram, o peso foi muito e ele sentiu. Lembro aqui, situações experimentadas por outras pessoas na Bíblia e na história da igreja, incluindo até a nós mesmos; há uma enorme diferença entre a teoria e a prática da fé. Saber intelectualmente a verdade não é suficiente para assegurar a vitória na hora da provação. Adão foi o primeiro a experimentar isso, sua santidade, inocência e outras virtudes não se sustentaram quando a prova veio ao vivo e à cores. Noé, Abraão, Jacó, Moisés, Davi e tantos outros de nós sabemos disso. Fortalecer-se na fé nos dias bons e tranquilos é uma atitude sábia para quando chegar os momentos difíceis.

Obrigado Senhor, por cuidar de nós, nos ensinando e nos proporcionando experiencias práticas na vida. Graças, pela ação do Espírito Santo que nos guia em toda a verdade e nos assiste nos momentos difíceis. Pedimos sabedoria e discernimento para vencermos um dia de cada vez. Te louvamos e agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Entre e Fala à Faraó

Meditação do dia: 24/05/2022

“Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: Entra, e fala a Faraó rei do Egito, que deixe sair os filhos de Israel da sua terra.” (Ex 6.10,11)

Entra e Fala a Faraó – Um dos pressupostos básicos de servir a Deus é poder fazer exatamente o que ele ordena, sem precisar se preocupar com os resultados, porque estes estarão à cargo dele e como sabemos, Ele não falha e não deixa sua Palavra cair por terra ou voltar vazia sem fazer aquilo para o que foi enviada. Andar em obediência é andar pela fé e isso faz com que o servo de Deus possa agir e realizar grandes coisas sem a preocupação se ele dá conta ou não, porque já sabe de antemão que não dá; mas quem deu a ordem pode fazer acontecer. Assim como ninguém nasce sabendo, exceto as coisas instintivas biológicas, que fazem parte do kit de sobrevivência e instinto de preservação; no mais, vamos aprendendo à medida que andamos; sendo assim, quanto mais andarmos, mais aprenderemos. O relacionamento com Deus é progressivo e precisa de investimento de tempo e qualidade, para que os resultados sejam bons e crescentes em todo tempo. Na figura de linguagem, ou simbolismo bíblico, Faraó é um poder, uma autoridade de um reino. Literalmente, era um homem, o rei do Egito. Espiritualmente, é um inimigo espiritual, que oprime, maltrata, subjuga o povo de Deus e não quer aceitar ordens e sugestões, especialmente as que aludem a libertação de seus escravos. Para um opressor, escravos são mão de obra barata e sem que tenha que assumir responsabilidades por eles, então, eles tem utilidade enquanto produtivos, depois são descartáveis. O pecado faz isso com as pessoas, as atraem e iludem-nas com falsas promessas e depois ficam presas e sem condições de se libertarem por suas próprias forças. O pecador precisa ser salvo de sua condição de vida. Como está vendido ao pecado, precisa que seja pago um preço por sua redenção, e nenhuma outra pessoa tem essa condição, senão Deus através de Jesus: “Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele. (Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre), para que viva para sempre, e não veja corrupção” (Sl 49.7-9). Exatamente por isso que precisamos de Jesus como nosso salvador pessoal. O que ele fez é suficiente. Devido ao alto valor que tem uma alma (pessoa), Deus insiste com Moisés para que volte e fale com Faraó para que deixe o seu povo ir. Nós somos o Moisés de Deus na atualidade, proclamar ou pregar o Evangelho às pessoas e desafiá-las a quererem a salvação oferecida é nossa tarefa e não podemos desanimar, desistir devido a cara feia do Faraó. Não podemos aceitar que a perda de uma vida seja razoável. Como igreja, não podemos nos contentar em cuidar de nós mesmos que já estamos dentro e fechar os olhos às necessidades e os ouvidos aos clamores das vidas escravizadas, embora elas mesmas digam que estão muito bem, obrigado e que não pretendem mudar de religião. Não estamos oferecendo religião nova, melhor ou alternativa. Sabemos o valor delas, sabemos o quanto Deus as ama e temos uma ordem de pregar a elas, seja a tempo ou fora de tempo. Então, entremos, falemos a Faraó que Deus vai libertar essas pessoas, queira ele ou não, coopere ou não! Jesus morreu por elas!

Senhor, obrigado por tão grande salvação e acessível a todos que estão presos e escravizados pelo adversário. Somos teus filhos e temos a palavra da reconciliação para proclamar a eles e o faremos no poder do Espírito Santo. Oramos por sabedoria, discernimento e poder de Deus se movendo em nós para fazermos o trabalho. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Não Ouviram Por Causa da Angústia

Meditação do dia: 23/05/2022

“Deste modo falou Moisés aos filhos de Israel, mas eles não ouviram a Moisés, por causa da angústia de espírito e da dura servidão.” (Ex 6.9)

Não Ouviram Por Causa da Angústia – A experiencia de cada um, faz a história de todos. Mesmo depois de tantos anos, podemos imaginar o que de fato está descrito nesse registro da Palavra de Deus. Um cenário de dor, desesperança e frustração, de muitas pessoas, uma comunidade inteira em tão grande angústia, que deixaram de ouvir uma boa palavra, vinda coração de um homem de Deus, que falava em nome dele a todos, como seu povo. O rei Salomão, anos mais tarde em sua sabedoria, escreveu e deixou-nos um ensinamento muito valioso em palavras simples: “A esperança adiada desfalece o coração, mas o desejo atendido é árvore de vida” (Pv 13.12). Uma antítese clara sobre o que acontece ou não com algum evento esperando com muita expectativa pelas pessoas. Aqueles nossos irmãos hebreus, por várias gerações estavam estabelecidos no Egito e gradativamente passaram da condição de convidados de honra e gozando de grande prestígio, apoio e proteção, para uma situação de escravidão extrema, de tal intensidade que nem mesmo suas vidas estavam seguras ou sob controle. Perderam tudo! A única chama de esperança eram as promessas contadas de pai para filho, sobre quem foram e o que tinham pela frente, prometido pelo Deus Criador, que se revelara aos seus patriarcas. Num ambiente de extrema escassez e vivendo em péssimas condições em qualquer aspecto que se pensa, amontoados, sem privacidade e subjugados, a dor é compartilhada, mas nem sempre tem como se compadecer do amigo ou familiar e o valor e significado da vida vai se esvaindo, levando a crer que não sejam de fatos importantes ou preciosos para quem quer que seja. No imaginário daquelas pessoas, se vendo como adoradores de um Deus grande e poderoso, que fizera alianças de bênçãos e prosperidade com seus pais no compromisso de passarem de geração em geração um legado maravilhoso de fé, mas vendo fisicamente servos de deuses falsos e perversos subjugando-os de forma tão vil, isso mexe com o imaginário e o racional. Quando aparece uma mensagem de esperança, ela se espalha tão rapidamente como fogo em campo aberto em dia de ventos fortes. Moisés era o símbolo de tudo o que esperavam e aquilo contagiou a todos, mas apenas emocionalmente, sem raiz e sem profundidade. Eles se apegaram ao que Moisés lhes proporcionaria. Quando a libertação não aconteceu na primeira tentativa de conversa com o Faraó e as condições de vida pioraram substancialmente, podemos avaliar o tamanho da frustração e desespero. Eles concentraram mais energia na frustração e desespero do que puseram na Palavra de Deus, que os visitara e produziria a libertação esperada. Não vou e não vamos tachá-los de falta de fé, desistirem cedo demais ou qualquer outro adjetivo negativo. A lição do dia é não nos concentrarmos em falsas expectativas criados por nós, sem levar em consideração o que Deus realmente disse. Quando a dor é muito forte, tudo o que se quer é livramento; o preço é só um detalhe! Mas não podemos tirar de diante de nossos corações que o justo vive pela fé! Fé na fidelidade de Deus, de sua Palavra e de suas promessas. Nem sempre o que queremos é o deve acontecer! Estamos comprometidos em fazer e receber a vontade de Deus como boa, agradável e perfeita para todos nós, em todo tempo e circunstancias. Creia, creiamos e fiquemos firmes!

Senhor, obrigado por tua perfeita vontade para comigo e cada um de seus filhos. Mesmo quando não podemos entender, podemos crer e aceitar pela fé os caminhos escolhidos pelo Senhor para percorrermos. Cremos em ti como Deus perfeito, justo e santo em todas as ações. Agradecemos o teu cuidado e proteção para nós e nossas famílias e o povo escolhido. Abençoamos o teu povo em toda a face da terra e vivemos as tuas promessas um dia de cada vez, na esperança de que tudo terminará bem, porque quem está no controle é fiel e poderoso para sustentar sua Palavra. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Receber Por Herança

Meditação do dia: 22/05/2022

“E eu vos levarei à terra, acerca da qual levantei minha mão, jurando que a daria a Abraão, a Isaque e a Jacó, e vo-la darei por herança, eu o Senhor.” (Ex 6.8)

Receber Por Herança – Nossas meditações na Palavra de Deus tem o propósito de produzir alimento espiritual para nossas vidas como um todo. Trabalhamos com um conteúdo bem bíblico, não doutrinário em termos denominacionais, mas devocional e procuramos levar os leitores à prática, não só da leitura bíblica e do conteúdo aqui escrito, mas utilizando-o como base para suas próprias meditações e estudos bíblicos. Na medida do possível procuramos produzir boa cultura em termos de literatura e lançamos mão de conhecimentos e até pesquisas que nos sirvam para edificação. Os três ou quatro leitores mais assíduos sabem que não sabemos muito, mas estamos seriamente comprometidos com aprendizagem e crescimento e temos vocês como parceiros e companheiros de caminhada na vida cristã. Entendemos o cristianismo como um chamado ao relacionamento com Deus e como tal, qual mais íntimo e próximo, melhor, pois conhecer a Deus é um desafio para a vida toda, e quando falo de vida toda, me refiro também à eternidade, onde passaremos aprendendo enquanto servimos e serviremos enquanto aprendemos. Temos o privilégio de sermos chamados para ser filhos de Deus e herdeiros juntamente com Cristo na simplicidade do Evangelho. Cremos, descansamos e nos abastecemos da ampla suficiência de Deus em Cristo Jesus. Reafirmamos nossa constante dependência do Espírito Santo, a pessoa da trindade que veio habitar em nós, como selo de propriedade exclusiva de Deus; ele tem nos guiado à toda a verdade, produzido consolo, conforto, inspiração, poder e moderação em nós e através de nós. Nos entendemos como discípulos de Cristo, seguidores comprometidos em buscar viver a sua vontade e crescer em sua semelhança dia após dia, através da graça de Deus. Obrigado por participar conosco. Respeito muito a cada um de vocês e sou profundamente grato pela aceitação e cooperação nessa causa. Podem compartilhar essas meditações sem nenhuma preocupação, podem utilizá-las nas suas ministrações, palestras e quaisquer atividades em que elas se façam úteis. Recebi de graça e de graça compartilho, sem restrições e sem apelos ou ressalvas. Estamos olhando a vida e a saga de Moisés como pessoa, como ministro e libertador do povo de Deus daquela escravidão no Egito. Fazemos de bom grado, uso da linguagem bíblica figurada, aplicando as verdades eternas dos princípios, para as nossas necessidades hoje. Se para eles era uma escravidão física, social e direito de propriedade forçada, que o Egito e Faraó tomou sobre eles; assim lidamos com o paralelo da escravidão que o pecado, o Diabo e o mundo exerceu sobre nós e ainda exerce sobre as pessoas ao nosso redor, até encontrarem e terem uma experiencia genuína de salvação e libertação. Israel sempre foi povo de Deus, sempre teve as promessas de liberdade e direito a uma terra para fincarem raízes e abençoarem todas as famílias da terra como o seu testemunho de vida com Deus, o Criador de todas as coisas. Mas por muito tempo isso foi apenas teórico, narrativas históricas passadas de pai para filhos, até que sentiram que não dava mais e clamaram por salvação e libertação e reivindicaram os seus direitos adquiridos pelas alianças de Deus com seus patriarcas. Todos nós, conhecíamos a Deus por informação, religiosidade familiar e cultural, mas sem uma legítima experiencia. Nessa condição todos acham que sabem e têm o suficiente, até que o fardo dos seus pecados se torna insuportáveis e a fome e sede espirituais os levam a perceber as fontes transbordantes de amor e graça disponíveis a todo aquele que invocar o nome do Senhor. Quando isso acontecem, os olhos são iluminados e então percebem que estavam sofrendo, enganados, perdidos e distantes de Deus. Tudo que Deus tem está disponível a em termos de herança, relacionamento de família, e tudo de graça, pela em Jesus. Para Israel era uma terra física, geográfica, histórica. Para nós é uma vida espiritual, estilo de vida, Reino de Deus. Mas tão pela fé, quanto o era para Israel. Todos os dons de Deus se recebe pela fé! “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6).

Deus, Pai Todo-Poderoso, meu Deus e Senhor através de Jesus Cristo, o teu amado filho, meu Senhor e Salvador, de quem toda a família de Deus toma o nome. Somos gratos pela acolhida nossa em tua família, através da redenção que há em Cristo Jesus. Obrigado pela herança espiritual que nos veio pela aliança eterna celebrada e confirmada por Jesus lá na cruz. Com o seu sangue ele nos comprou de volta e aqui estamos, agradecidos e disponíveis para servir e andar com o Senhor em novidade de vida. Oramos assim, em plena certeza de fé, no poderoso nome de Jesus, amém.

Pr Jason