Conforme a Palavra de Moisés

 Meditação do dia: 31/07/2022

“E fez o Senhor conforme a palavra de Moisés, e os enxames de moscas se retiraram de Faraó, dos seus servos, e do seu povo; não ficou uma só.” (Ex 8.31)

Conforme a Palavra de Moisés – Através do profeta Jeremias, muitos anos à frente dessas batalhas aqui no Egito antigo, o Deus de Israel faz valer essas verdades que vemos acontecer através de Moisés, ao falar ao Faraó em nome do Senhor. “Eis que eu sou contra os profetas, diz o Senhor, que usam de sua própria linguagem, e dizem: Ele disse” (Jr 23.31). Nós, seres humanos falhos e mortais, não gostamos que alguém fale em nosso nome sobre algo que não falamos e ou não autorizamos que se fale. Por que Deus teria que suportar pessoas com más atitudes, falando em seu nome? É grave falha de caráter uma pessoa se valer de uma posição privilegiada, onde se esconde em nome de alguém maior, no caso dos profetas, se escondem no ofício espiritual de proclamarem a Palavra revelada de Deus ao povo. Por saber da credibilidade, elas aproveitam para tirar proveito próprio, falando em nome de Deus, atraindo para si, créditos que na verdade não existe, porque não foram enviados por Deus; não receberam uma palavra para transmitirem e o fazem por conta própria. Por outro lado, há também a conivência das pessoas que se deixam enganar, porque também esperam vantagens e benefícios. Para não terem que levarem uma vida de santidade e oração, prostradas na busca da verdade, elas escolhem caminhos mais fáceis e ou os chamados “atalhos.” Buscando palavras proféticas, visões e revelações místicas, para se orientarem e passarem a responsabilidade das decisões para outras pessoas, nesse caso, para Deus “que falou através do profeta.” A versão divina é a seguinte: “O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? diz o Senhor” (Jr 23.28). Compartilhar uma palavra pessoal, um sonho, uma verdade conhecida e experimentada na vida devocional particular, é louvável, devemos incentivar o compartilhamento e os testemunhos que edificam e abençoam a muitas vidas; contudo sejamos honestos, simples e verdadeiros. Nada de acrescentar, espiritualizar para impressionar as pessoas e atrair a atenção para si. Todo privilégio tem uma responsabilidade correspondente. Falar em nome do Senhor Deus, é privilégio mas que vem acompanhado de responsabilidade e temor reverente.

Senhor, agradecemos a tua revelação pessoal, primeiro através da Palavra e depois pela encarnação da Palavra, que é Jesus, não há revelação maior e mais profunda do que aquilo já está em santa Palavra. Buscamos nos aperfeiçoar e crescer em graça diante de ti, para no temor do Senhor, alcançarmos corações sábios e pensamentos judiciosos, em linha com a tua perfeita vontade. Oramos com gratidão em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Sair da Presença de Faraó

Meditação do dia: 30/07/2022

“Então saiu Moisés da presença de Faraó, e orou ao Senhor.” (Ex 8.30)

Sair Da Presença de Faraó – Falaremos um pouquinho hoje sobre a oração. Para muitos um exercício extenuante, cansativo e maçante. Certamente tem algo errado nisso, pois a oração é um momento de comunhão e deliciosa presença nossa diante da face de Deus. Quanto a oração é difícil e nada prazerosa, alguma coisa não está indo bem na amizade e comunhão com Deus. De todas as possibilidades de se relacionar com Deus nenhuma é tão íntima e maravilhosa como a oração. Costumo dizer à igreja que trabalho, que é um exercício de amizade. Quando nos encontramos com uma pessoa amiga, com a qual temos muita afinidade e prazer de estar juntos, não é preciso ter uma agenda de assuntos e questões a resolver. O encontro pelo próprio encontro já é maravilhoso. Passamos momentos agradáveis e mesmo quando temos os mais difíceis temas a serem tratados, isso não limita a alegria de passar tempo com aquela pessoa. Até mesmo o silencio é agradável. Nem mesmo percebemos o tempo passar e sempre queremos novos encontros. Assim é a vida de oração. Conhecer a Deus e ter prazer nele produz um tipo especial de relacionamento que nos atrai e desejamos sempre mais. não querer estar nesse relacionamento é de se estranhar. No texto de hoje, Moisés se separa, sai da presença de Faraó, para ir orar ao Senhor e buscar a sua presença. As duas verdades são muito maravilhosas. Deixar a presença da tirania, da escravidão e daquilo que nos assola e quer limitar mais e mais a nossa vida com Deus, é uma busca pela liberdade que se deve buscar. É como deixar o mal e se apegar ao bem. Nem se compara a diferença das duas presenças e certamente, deixar a presença de Faraó e tudo que ela representa, para ir buscar a presença de Deus, foi uma escolha muito boa de Moisés. Como oração hoje quero deixar uma música, que diz tudo:

Quão preciosas são as horas na presença de Jesus

 Pr Jason

Livres e Cativos

Meditação do dia: 29/07/2022

“E Moisés disse: Eis que saio de ti, e orarei ao Senhor, que estes enxames de moscas se retirem amanhã de Faraó, dos seus servos, e do seu povo; somente que Faraó não mais me engane, não deixando ir a este povo para sacrificar ao Senhor.” (Ex 8.29)

Livres e Cativos – Certo dia nos seus ensinamentos Jesus disse que todo aquele que peca é escravo do pecado, “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado” (Jo 8.34). A condição prolongada de se viver sob um regime de escravidão, leva a pessoa a esquecer o que é ser uma pessoa livre, com direito de pensar, agir, decidir e tomar iniciativas. Escravos seguem ordens e rotinas e vivem sob comando, mas por incrível que pareça, dá pra se acostumar com isso e alguns até perdem a vontade de serem livres e quando ganham esse direito, escolhem continuar servindo, uns por acomodação, outros por não querer assumir responsabilidades e outros falta de perspectivas de vida. O fato é que a escravidão cega e aniquila o que há de mais precioso numa pessoa, que são suas habilidades, criatividade, vontade e determinação. Isso vale para escravidão físico-social, como também a escravidão espiritual, sob o jugo do pecado. Os paradoxos que vemos nesse texto de que estamos tratando nessa meditação, reflete uma condição na qual os papéis se invertem e estão embaralhados. Faraó se acha o “manda-chuva” e o senhor de tudo e de todos, mas não apita nada, não tem nenhum controle sobre as situações que estão sobrevindo sobre ele e o seu povo. Estão escravizados pelo orgulho e aparência de que tudo está sob controle e que nada se lhe escapa. Moisés, optou por deixar a liberdade palaciana do Egito e de pertencer legitimamente à família imperial, como príncipe bem posicionado e com futuro brilhante pela frente, para se tornar um como qualquer outro do seu povo hebreu. Agora era escravo, mas comissionado pelo Deus de seus antepassados, na verdade o seu Deus, desde aquele encontro no Monte Horebe. Ele falava e agia em nome de Deus e mesmo determinando o curso dos acontecimentos, permanecia humilde e simples, esperando em Deus, buscando direção e recebendo instruções para repassar a Faraó e aos egípcios. Os senhores estavam refém de seus pecados e dependentes da graça e do favor dos seus escravos hebreus e do comando de um Deus Todo-Poderoso que eles não reconheciam a existência e muito menos o poder. A minha lição aprendida aqui hoje, é que não importa o que eu creia, o que eu diga e faça, nada disso altera o curso daquilo que o Deus Criador determina e está trabalhando. Não importa se o pecador acredita que Deus exista, que haja juízo final, que haja inferno ou não, nada disso muda a verdade de Deus. Não importa se a igreja e os pregadores digam a verdade ou ensinem heresia, não irão mudar a verdade de Deus que como ele permanece para sempre. O que fazer? Se posicionar do lado certo e confiar naquele que pode todas as coisas.

Deus, Pai de amor e bondade, nos achegamos a ti com inteira certeza de fé de que tu és fiel e justo em todos os teus caminhos. Depositamos no Senhor a nossa confiança, certos de que a verdade prevalecerá em todo tempo. Agradecemos a sua ajuda, nós oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Oração e a Intercessão de Moisés

Meditação do dia: 28/07/2022

“E Moisés disse: Eis que saio de ti, e orarei ao Senhor, que estes enxames de moscas se retirem amanhã de Faraó, dos seus servos, e do seu povo; somente que Faraó não mais me engane, não deixando ir a este povo para sacrificar ao Senhor.” (Ex 8.29)

A Oração e a Intercessão de Moisés – Estamos meditando na Palavra de Deus, utilizando a história de Moisés e o Êxodo israelita como pano de fundo para nossa edificação. As lições ali vividas pelos homens de Deus, tanto os líderes Moisés e Arão, como o povo em si e até mesmo Faraó e seus agentes, são fontes de abundantes provisões de como se pode aprender e crescer no relacionamento com Deus. A sabedoria nos ensina que o pior que alguém pode cometer é aquele do qual ela nada aprende. Sabemos que a vida é muito curta para aprendermos tudo o que podemos só por experiencia própria na base da tentativa e erro; precisamos otimizar aprendendo também com os erros e acertos dos outros. Uma vez que o ser humano pode armazenar aprendizado e transferi-lo para as próximas gerações, então fazer bom uso disso é estar progredindo e se aperfeiçoando. Muitas das nossas meditações, acabam focando na vida ministerial, como se visasse os pastores e líderes cristãos, mas na verdade, estamos pensando em que cada um de nós, que já conhecemos a Deus e estamos comprometidos com a fé, podemos nos engajar no trabalho do Senhor, testemunhando das bênçãos e da graça de Deus  disponível a todo ser humano em Cristo Jesus, através do seu sacrifício lá na cruz. Hoje, estou inclinado a foca na proposta que Moisés fez de orar e interceder junto a Deus em favor  de Faraó e do seu povo, para as moscas fossem eliminadas e assim cessasse a praga que os  atormentava. Me chamou a atenção, o fato de Moisés ter sido chamado por Faraó, que se mostrou aparentemente quebrantado e até disposto a permitir que o povo saísse. Mas o foco está na atitude de Moisés, ao dizer ao rei que iria sair da sua presença e iria para a presença de Deus orar e pedir que Ele operasse o livramento. Sair da presença humana, de uma autoridade que está exercendo um poder opressor e comandando por espíritos malignos, se opondo à obra de Deus para então ir buscar a face do Deus verdadeiro e quem de fato tem poder de mudar as coisas. Moisés não estava buscando glória para si, e nem demonstrar que poderia exercer o poder de Deus e ganhar pontos com o Faraó. Nem tão pouco ele agiu por conta própria, ordenando por si mesmo o cessar da praga. Alguém, até eu mesmo poderia pensar que Já havia recebido poder e autoridade de Deus para representa-lo e como tal poderia dar uma ordem em nome do Senhor Deus e tudo estaria certo. Pode ser que sim! Mas Moisés primou pela dependência de estar na presença do seu Deus e face a face, interceder e receber instrução. Quando pensamos que já sabemos tudo e podemos agir por conta própria, podemos estar indo na direção errada e perdermos a oportunidade de aprender mais estando na presença do Senhor. Não abramos mão disso, por nada!

Pai, obrigado pelo privilégio de poder entrar em tua santa presença e orar, adorar, pedir, interceder e ministrar diante de ti em favor dos homens e muitos deles estão de fato sedentos e famintos do amor e da graça salvadora que há em Cristo Jesus. Outros ainda estão presos e iludidos com as luzes desse mundo e sob forte influencia do mal, mas oramos por eles para salvação, cura, libertação e vitória. Estamos desejosos de receber orientação sobre como proceder em cada caso, pois as pessoas são únicas e só o Senhor conhece os corações e as suas intenções. Obrigado por nos chamar a participarmos dessa santa vocação, de compartilhar as boas novas do Reino de Deus; em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Orai Por Mim

Meditação do dia: 27/07/2022

“Então disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; somente que, indo, não vades longe; orai também por mim.” (Ex 8.28)

Orai Por Mim – Para nós cristãos, pedir ajuda em oração é algo muito comum. É recomendado que compartilhemos uns com os outros na igreja sobre as nossas necessidades. Temos entre nós, pessoas com dons e ministérios de oração e intercessão, o que é uma verdadeira bênção para todo o Corpo de Cristo. Contudo, encontramos versões de pedidos de oração que são mera formalidade, uma vez que as pessoas que fazem tais pedidos não acreditam em Deus ou no seu poder de agir; outros até são frontalmente contrários a Deus e à fé cristã, mas em algumas circunstancias quando lhes é conveniente ou para ficarem bem na fita, o chamado politicamente correto, eles fazem essas afirmações, que todavia não condiz com o todo da vida. Não significa que quanto alguém estranho à nossa fé, pede orações, significa que ela não creia ou não possa estar sendo sincera. Acreditamos que todas as coisas e todas as pessoas foram criadas por Deus e são objetos do seu amor; por escolhas pessoais ou  alheias a isso, muito gente está vivendo longe dos propósitos do Senhor; então o testemunho dos servos de Deus é de fundamental importância para esse conhecimento se torne acessível a todos e assim a perfeita vontade de Deus se estabeleça. “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pe 3.9). Nas palavra de Paulo à Timóteo, Deus quer que todos sejam salvos por adquirirem o conhecimento espiritual necessário. “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2.3,4). Encontramos, além de Faraó, fazendo esse pedido de oração, mas com um coração ainda impenitente e endurecido, quando na verdade não queria a bênção do Deus dos hebreus, o que de fato ele queria era alívio das pragas e tempo para resistir ainda mais à vontade de Deus. Encontramos por exemplo, O rei Dario, na época da reconstrução do templo e da nação de Israel, favoreceu-os com leis e decretos e ainda pediu orações. “Para que ofereçam sacrifícios de cheiro suave ao Deus dos céus, e orem pela vida do rei e de seus filhos” (Ed 6.10). Nos Dias de José, no mesmo Egito, quando Jacó chegou para viver ali, ele abençoou o Faraó, que já era abençoado pela presença de José no governo. “E trouxe José a Jacó, seu pai, e o apresentou a Faraó; e Jacó abençoou a Faraó. E Jacó abençoou a Faraó, e saiu da sua presença.” (Gn 47.7,10).  Nunca deixemos de orar pelas autoridades e governantes, quer sejam tementes a Deus ou não. O bom trabalho deles nos abençoa e facilita nossa vida e ministério. O mal desempenho deles, produz sofrimento e dor especialmente aos menos favorecidos. Orar é bom, fácil e não custa nada a nós. “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade” (1 Tm 1,2).

Senhor Deus e Pai, oramos a ti, com louvor e gratidão pelas nossas autoridades legitimamente constituídas e as abençoamos no nome do Senhor Jesus, para que tenham dias felizes e senso de justiça e equidade ao exercerem suas funções de governo e liderança. Todas elas foram constituídas por ti e representam a tua autoridade e reconhecemos e respeitamos. Oramos para suas vidas e famílias sejam abençoadas, saudáveis e equilibradas, andando no temor do Senhor. Oramos também pelos teus servos que estão colocados em posições estratégicas em postos de liderança e autoridade, para que os teus propósitos sejam estabelecidos e o mal seja freado e inibido pelo exercício da justiça e da verdade. Que o testemunho dos teus filhos colocados por ti nestes lugares e nestes templos sejam o sal e a luz que ali necessita. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Não Vá Muito Longe

Meditação do dia: 26/07/2022

“Então disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; somente que, indo, não vades longe; orai também por mim.” (Ex 8.28)

Não Vá Muito Longe – Quando alguém precisa de uma grana extra e vai pedir um empréstimo ao banco, ela diz quanto precisa ou pretende pegar e o representante do banco diz quanto irá pagar de juros e taxas e quais as condições; ele concorda ou não pega! O banco faz as regras e pronto! “O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta” (Pv 22.7).Veja uma intromissão de Faraó, querendo regular aquilo que Deus determina, como se ele tivesse poder ou autoridade para se intrometer. Deus disse para os israelitas irem adorá-lo, no deserto, numa caminhada de três dias, e foi isso que Moisés comunicou ao Faraó, com o devido respeito, solicitando a permissão para  todos saírem para essa celebração a Deus. Faraó então a princípio resolve dar uma de chefão todo poderoso e não deixar ninguém ir e ainda agravou a condição de serviço e escravidão. Quando as pragas lhe sobrevieram e ele se viu pressionado por forças além de sua compreensão, resolveu se intrometer, deixando, mas dentro de suas condições. Faraó é uma figura do mal, do governo do mundo e das forças do mal, contrárias a Deus e ao seu povo. Eles querem regular a adoração a Deus, quem dizer quando, onde e como se pode servir a Deus e insistem em que façamos do jeito deles. Aqui ele diz que vai deixar, até pede orações em seu favor, MAS… não vá muito longe; isto é, não saia da minha vista e nem da minha influencia. O culto é para o Deus de vocês, o serviço é de vocês e a fé será fortalecida, mas as regras são minhas. Isso é o que o mundo quer! Isso é o que a oposição deseja, que tenhamos nosso relacionamento com Deus, mas do jeito deles e sob as condições que eles querem ou aceitam. Não! Servimos ao Deus único e verdadeiro, o Criador de todas as coisas e que as sustenta pela palavra do seu poder. Não ceda ao desejos e ofertas do mundo. O retiro é nosso, a fé é nossa, e a forma como servimos a Deus é a que ele estabelece. A Bíblia é a nossa regra de fé e prática, sempre. Não somos fanáticos, não somos extremistas e não praticamos nada que contrarie as boas normas de conduta e bem-estar da sociedade e das pessoas envolvidas. Amamos a vida e valorizamos as pessoas. Nada em nossas liturgias oferece perigo ou risco para a segurança das pessoas. Vamos longe, vamos fundo e vamos alto, bem alto, para glória de Deus!

Senhor, nos submetemos a ti como autoridade máxima em termos de fé e prática e só o Senhor é digno de receber a nossa adoração. Nosso culto é para a tua honra e glória. Em nome de Jesus, amém.

Caminho de Tres Dias

Meditação do dia: 25/07/2022

“Deixa-nos ir caminho de três dias ao deserto, para que sacrifiquemos ao Senhor nosso Deus, como ele nos disser.” (Ex 8.27)

Caminho de Três Dias – Sempre que penso em caminhar e fazer a ligação entre tempo e distancia, me volto para os tempos de seminário. Do Campus da Missão Betania até à cidade de Altónia eram 4.5 km de distancia. Quando não conseguíamos uma carona, então íamos a pé mesmo, ou voltávamos. Isso era uma caminhada de uma hora. A pista era asfaltada e ainda que o acostamento nem sempre existia, mas dava para caminhar em ritimo constante. Por isso, sempre faço as conexões para ter uma noção de que distancia seria as caminhadas descritas na bíblia. Andar três dias no deserto não é a mesma coisa que andar às margens de uma rodovia pavimentada, que dá para andar percorrer entre quarenta e cinquenta quilômetros em um dia. Lá no deserto, as condições eram outras, em muitos sentidos. Era para ser feito por homens, mulheres e crianças e levando animais para o sacrifício; dificilmente eles andariam mais que vinte quilômetros em um dia. Mas, aqui, o que nos interessa, não é a questão da distancia ou do tempo gasto na jornada, mas a jornada em si. Estamos falando de uma peregrinação com objetivos espirituais, onde a fé estaria sendo colocada à prova; a experiencia da pessoa seria testada e medida. Ela teria que dar explicações aos filhos e aos mais novos nunca haviam participado de algo assim, e não seria difícil encontrar alguém que entendesse, que isso poderia ser feito ali mesmo, assim que saíssem dos arredores da cidade; por que ir tão longe? Ou porque entrar deserto à dentro? Quanto mais se entra, maiores são os riscos de acidente, perigos de animais selvagens, salteadores, ou mesmo alguém se acidentar; e o risco de se perder? O calor escaldante de dia e o frio à noite? Precisa passar por tudo isso, para servir a Deus? Já compartilhei com vocês em outras meditações, aquele princípio espiritual que o rei Davi afirmou num momento de muita dificuldade. “Porém o rei disse a Araúna: Não, mas por preço justo to comprarei, porque não oferecerei ao Senhor meu Deus holocaustos que não me custem nada. Assim Davi comprou a eira e os bois por cinqüenta siclos de prata. E edificou ali Davi ao Senhor um altar, e ofereceu holocaustos, e ofertas pacíficas. Assim o Senhor se aplacou para com a terra e cessou aquele castigo de sobre Israel” (2 Sm 24.24,25). Sacrifício, ou culto que não tem custo, também não tem valor! Pensemos bem sobre nossas experiencias de servir a Deus.

Pai, obrigado por demonstrar na prática, ao dar seu filho único para ser sacrificado em meu lugar e o quanto isso lhe custou. Agradeço ao Senhor Jesus, por dar a sua vida por mim e reconheço o preço que pagaste por minha vida; ao Espírito Santo, agradeço por vir morar em mim e me guiar à verdade de Deus, do quanto ele me amou e abriu mão, para me ter em sua companhia e comunhão. Nada que eu possa fazer, será grande, muito ou suficiente; só pela fé para agradar ao Senhor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Cultos Abomináveis

Meditação do dia: 24/07/2022

“E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor nosso Deus a abominação dos egípcios; eis que se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles?” (Ex 8.26)

Cultos Abomináveis – Não é só povos estranhos à fé bíblica que praticam cultos e rituais que desagradam a Deus. Ainda estejamos escrevendo meditações bíblicas, com a finalidade de promover a edificação espiritual dos filhos e servos de Deus, que compartilham juntamente uma fé evangélica e fundamentado na Bíblia Sagrada, que nos omitiremos de “cortar na própria carne” – isto é, fazer autocrítica sobre erros e práticas que desagradam a Deus e algumas delas são realmente abomináveis diante do Senhor. O propósito é refletir sobre fazer o que é certo, de modo que Deus se agrade e receba o nosso culto e nos favoreça, e assim estaremos testemunhando do nosso relacionamento real e íntimo que temos e que todos podem ter. O que mais desagrada a Deus, normalmente está relacionado a atitudes na vida que não são boas e justas e quando o coração  está em franca rebeldia aos ensinos dele. Isaías descreve no primeiro capítulo de seu livro, que há muitas práticas, que foram elaboradas, regulamentadas e exigidas por Deus em sua palavra, mas que o povo corrompeu e as práticas de fé e os rituais se contaminaram. “De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer” (Is 1.11-14). Todas as cerimonias e rituais de culto estabelecidos no êxodo e recebidos por revelação por Moisés, mas se tornaram não aceitáveis diante do Senhor, pela atitude do coração e do comportamento deles. Transformaram atos de culto em rituais religiosos! Tiago no Novo Testamento falou sobre o que seria uma religião agradável a Deus. “A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.27). Basicamente duas coisas: Assistencia social piedosa e santidade de vida, sem copiar os moldes do mundo.

Senhor, queremos andar diante de ti com fé e determinação de santidade de vida e pureza de coração e intenção verdadeira de te agradar. Buscamos conformar os nossos corações as verdades da tua Palavra e pedimos a assistência do Espírito Santo para nos guiar no verdadeiro culto que agrada ao Senhor. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Inconveniencias

Meditação do dia: 23/07/2022

“E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor nosso Deus a abominação dos egípcios; eis que se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles?” (Ex 8.26)

Inconveniencias – Deus é digno da nossa adoração, do nosso louvor e isso deve ser feito conforme as suas instruções. A fé cristã aceita que adoração só pode ser tributada a Deus, o Deus verdadeiro, o Criador e Sustentador de todas as coisas. Jesus firmou essa verdade quando de sua tentação no deserto e foi abordado pelo Diabo para que o adorasse, em troca de benefícios. “Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Mt 4.10). Adoração só a Deus!!!! Outra verdade muito bem firmada no Novo Testamento foi ensinada por Jesus quando da conversa com a mulher samaritana na beira daquele poço em Sicar: “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.23,24). A cultura da adoração ao Senhor e os hábitos de culto e adoração dos egípcios eram muito diferentes, e algumas práticas dos hebreus eram consideradas abomináveis aos egípcios e sendo assim, eles como escravos não tinham permissão de praticarem esses rituais de culto e adoração. Por isso eles deveriam se distanciarem da população para servirem a Deus como requerido. Faraó tinha outras intenções e queria que fizessem tudo junto e misturado. Pode ser ignorância da parte dele, mas também é um princípio espiritual de confrontação e desobediência explícita ao que é ordenado por Deus. Somos instados também nos dias atuais a nos misturarmos, fazermos práticas místicas e copiar as modas que muitas vezes nem se sabe a origem e procedências. Nas palavras de Paulo: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma” (1 Co 6.12). Precisamos discernir quando algo não é conveniente em nossa adoração, louvor e serviço, afinal o Deus a quem servimos é santo, santo, santo.

Te louvamos Pai, Senhor Jesus e querido Espirito Santo, como Deus grande, verdadeiro e poderoso. A melhor maneira de te servir e te agradar é da forma como a tua Palavra nos instrui e como o teu Espírito nos guia na verdade. Não queremos fazer do nosso jeito e sim, sermos obedientes em fé. Agradecemos a sabedoria e o discernimento necessário para sermos verdadeiros adoradores. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Ide de Faraó à Moisés

Meditação do dia: 22/07/2022

“Então chamou Faraó a Moisés e a Arão, e disse: Ide, e sacrificai ao vosso Deus nesta terra.” (Ex 8.25)

O Ide de Faraó à Moisés – Moisés foi chamado por Faraó para receber uma proposta, mas não dá para esperar muito de alguém de coração duro e obstinado, como o rei do Egito. Acostumado a servir a deuses falsos, que não se movem, não vêem, não ouvem, nem podem agir, o rei queria equiparar o Deus dos hebreus na mesma escala. Ele pensava, como o seu povo também, que pelo fato do Senhor Deus, a quem os israelitas serviam, não ser representado por qualquer tipo de imagem, figura ou representação, como todos os demais, isso o colocaria num nível bem inferior a qualquer dos seus deuses, portanto ele não precisaria respeitar qualquer reivindicação dele. Quando se viu apertado pelas pragas e notificados por seus próprios assessores, ele reagiu como se fosse fazer um favor a esse Deus ou ao seu povo. A atitude de Faraó, é típica e própria dos pecadores impenitentes, irreverentes, que pensam que podem servir a Deus do seu próprio jeito. Eles se sentem o centro do universo e tudo deve orbitar ao redor deles; não aceitam serem contrariados ou confrontados. Em suas carnais compreensões supõem que qualquer coisa e de qualquer forma que eles se propuserem a fazer, Deus tem mais é que aceitar. Impiedade é impiedade e reverencia é reverencia! “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples” (Rm 16.17,18). Paulo advertiu a Timóteo para se precaver contra pessoas infiltradas que alegam uma falsa piedade, sem contudo terem eficácia na conduta de vida, a recomendação é que se fuja deste tipo de pessoas. Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te (2 Tm 3.5). Essa conversão repentina de Faraó ordenando a Moisés que fosse sacrificar, servir e adorar ao seu Deus, mas ali naquela terra, não onde Deus havia determinado; era na verdade uma tentativa de fazer do jeito dele. Não deu certo, Moisés não aceitou e estava certo em não aceitar, pois a intenção e as razões não eram puras. Para ele, Faraó, tanta faz como tanto fez, servir a Deus aqui, ali ou acolá, qual a diferença? Não é assim que as pessoas nos dizem constantemente? Para que irem tanto na igreja, porque tantas vezes na semana, por que isso, por que aquilo? Eles afirmam: “Eu acho que desse jeito está muito bom, tem gente que nem isso fazem!” Desejo fechar essa meditação com as palavras do Salmo 50, quando a verdade de Deus é apresentada sobre essa prática de tentar servir a Deus nos próprios termos, como se ele tivesse que aceitar sem ter alternativa: “Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti. Quando vês o ladrão, consentes com ele, e tens a tua parte com adúlteros. Soltas a tua boca para o mal, e a tua língua compõe o engano. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o filho de tua mãe. Estas coisas tens feito, e eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te argüirei, e as porei por ordem diante dos teus olhos: Ouvi pois isto, vós que vos esqueceis de Deus; para que eu vos não faça em pedaços, sem haver quem vos livre. Aquele que oferece o sacrifício de louvor me glorificará; e àquele que bem ordena o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus” (Sl 50.16-23)

A nossa oração será: “Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade. Porque dirão os gentios: Onde está o seu Deus? Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam. Israel, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. Casa de Arão, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. Vós, os que temeis ao Senhor, confiai no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. O Senhor se lembrou de nós; ele nos abençoará; abençoará a casa de Israel; abençoará a casa de Arão. Abençoará os que temem ao Senhor, tanto pequenos como grandes. O Senhor vos aumentará cada vez mais, a vós e a vossos filhos. Sois benditos do Senhor, que fez os céus e a terra. Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens. Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio. Mas nós bendiremos ao Senhor, desde agora e para sempre. Louvai ao Senhor.” (Sl 115)

Pr Jason