Roupa Nova Todo Dia

Meditação do dia 21/07/2015

Dt 8.9 “Nunca envelheceu a tua veste sobre ti, nem se inchou o teu pé nestes quarenta anos.

Roupa nova todo dia – Esse é o sonho de consumo de muita gente! As mulheres são ainda mais atraídas por uma proposta assim. E na verdade, elas têm lá suas razões, pois é muito bom estrear uma roupa nova, novos acessórios, sapados etc. Aliás, “coisa nova é outra coisa!” Hoje, temos um texto em que Deus trata com o seu povo, para que eles não esqueçam as coisas boas que lhes aconteceram durante todos esses anos de peregrinação no deserto. Não foram apenas coisas ruins, dificuldades e aridez. Houve muitas coisas boas, agradáveis, muitos milagres e provisões maravilhosas. Os brasileiros costumam dizer que “pão comido é esquecido.” Mas a gratidão deve estar presente em nossa vida, porque em meio as lutas e dificuldades do dia a dia, tem também bênçãos e oportunidades, pessoas que aparecem para ajudar de onde menos esperamos e assim crescemos e progredimos mesmo num cenário não apropriado. Quando a gente pensa na palavra riqueza, ou prosperidade, normalmente as primeiras idéias que surgem são de fartura, abundancia e ausência de necessidades. Quem é rico não passa necessidade; quem tem prosperidade, é só alegria! O conceito de riqueza e prosperidade pode ter definição individualizada e personalidade; ou seja, a cada um de nós, há um conceito do que é ser rico e próspero. A riqueza de um necessariamente não é nada atrativo para outros. Em um dos filmes do Riquinho, o vilão, um administrador da família, quer a todo custo apropriar se dos tesouros mais preciosos da família, que ficavam guardados na montanha-caixa forte. Qual foi sua decepção ao descobrir que o “tesouro” eram objetos simples, brinquedos e bugigangas infantis etc. O nosso texto afirma e há mais ensinamentos sobre o assunto que por quarenta anos da peregrinação do povo, suas roupas não envelheceram, seus sapatos não se desgastaram e nem tiveram problemas de inchaços nos pés – Então, na prática, todas aquelas pessoas, tinham roupas novas todos os dias para vestir, calçados novos todos os dias e ninguém tinha que parar hoje porque “meus pés estão me matando…” Me digam, isso não é só pra gente rica, bem ricas e prósperas? Ter um padrão de vida bom é uma conquista e mantê-lo por quarenta anos, e a família crescendo, sem morada física, sem empregos estáveis e tudo mais que diz respeito a uma peregrinação de quarenta anos. Não é nenhum absurdo, para nós, que conhecemos o poder criativo de Deus. Lembra do azeite na botija e da farinha da panela da viúva, no tempo Elias? Lembra do azeite multiplicado para outra viúva no tempo de Eliseu? Também na época de Eliseu, com escassez de comida para os discípulos de profetas, que uma panela de sopa, deu para muita gente comer? Nos dias de Jesus, as multiplicações de pães, e outros tantos milagres? Como diz o profeta Isaías, a mão de Deus não está encolhida que não possa operar e nem os seus ouvidos agravados que não possa ouvir. Deus é Deus, de eternidade a eternidade! Seu poder é infinito, seu amor insondável! Deus, simplesmente não conhece limite e nem limitações! Nossa fé, nossas idéias limitadas, ou melhor nossa incredulidade é que limita a bênção de Deus ser mais abundante. Tudo que está escrito na Palavra de Deus é verdade e ele tem intenção de cumprir. Não posso e não devo enquadrar Deus no meu molde e dizer que ele só faz isso, não faz aquilo! Com certeza, Deus não é meu servo, benção não é mercadoria, igreja não shopping e dízimos e ofertas não são moedas de troca e também, fé não é um pulo no escuro! Viva o melhor de Deus! Experimente o sobrenatural poder supridor de Deus! Mas trabalhe e seja criativo, diligente, generoso, responsável, se precisar de um milagre, é só pedir!

Pr Jason

Anúncios

Mil Gerações

Meditação do dia 20/07/2015

Dt 7.9 “Saberás, pois, que o SENHOR, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e cumprem os seus mandamentos.”

Mil Gerações é muita gente e é muito tempo também. Eu me lembro bem do meu avô materno, o vovô Henrique, quando ele nos deixou em tinha quinze anos de idade; Meus pais ainda estão vivos e indo muito bem, com a bênção de Deus, ambos estão na casa dos oitenta anos e meu pai ainda pode entrar em qualquer festa para maiores de oitenta acompanhados dos pais, porque a mãe dele está firme e forte na casa os 103. Resumindo tudo isso, estou falando de três gerações, minhas filhas, são a quarta geração. Agora veja quão grande é a bondade de Deus, que faz promessa para até mil gerações daqueles que o amam e observam os seus mandamentos. Isso é motivo para meditação, contemplação e muita admiração, não só pela longevidade do alcance das bênçãos, mas pelo caráter de Deus, em prometer e zelar por cumprir e efetivamente realizar isso. Mas tem detalhes que precisamos prestar atenção, para não perdermos o fio da miada e nos desviarmos do centro da vontade de Deus. Por exemplo, Assim como Deus planeja o futuro, nosso futuro, pois isso não existe para ele, há também u adversário espiritual de Deus, que vive maquinando em como atingir a Deus, destruindo ou arruinando seus planos. Deus criou todas as coisas, para sua glória e para nosso aprazimento e utilidade prática. Estou falando de cultura, princípios e sistemas de equilíbrio e condições de vida e progresso. “O que ronca e fuça” não criou e nem cria nada, apenas usa, abusa, desvirtua e destrói. Casamento e família é uma criação de Deus e das boas; você já percebeu quando paulada e quantos ataques a família recebe? Quantas tentativas de destruí-la, desacreditá-la e desmontá-la? Desde imoralidade, abuso, violência, até aberrações e perversões. Povos já tentaram fabricar crianças em linha de produção, para fins militares, sem vínculos familiares, apenas reprodutores confinados. Clones de sí próprios, vários ditadores já tentaram para se perpetuar. Clones humanos para servir de banco de órgãos de reposição para gente abastada e com medo da morte. Sem contar as aberrações modernas, que são mais antigas do que andar pra frente. Meus queridos, sem famílias, sem filhos, não gerações, e sem gerações, não há o seguimento da bênção de Deus e do cumprimento de suas promessas. Lá no Éden, Deus disse a Adão e Eva que um descendente deles esmagaria a cabeça da serpente; seria o redentor da raça que se corrompera e se degradaria no decorrer dos anos. Como essa profecia e promessa se cumpriria, que não houvesse famílias piedosas que gerassem filhos? Dá pra entender agora, porque tem genealogias na Bíblia e muita gente desta lê-las e nem sabem porque estão ali? Ao escolher não casar, não gerar filhos, está também escolhendo interromper a corrente da bênção e das promessas de Deus. Não faça isso! Não admita isso! Precisamos de um mundo melhor, mas com gente nele e gente de bem, gente de família, gente que confia nas promessas de Deus.

Pr Jason

Os Pais, Os Filhos e a Fé

Meditação do dia 19/07/2015

Dt 6.6,7 “Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.”

Os Pais, os Filhos e a Fé – Ninguém entende mais de família do que o autor da família, Deus! Quem inventou ou criou, sabe como fazer a manutenção e como consertar em caso de defeito e problemas; e nisso também Deus é especialista; não há nada que ele não possa dar um jeito! Até corações partidos e despedaçados ele emenda e conserta, basta levar a ele os pedaços. Muita gente boa adota certas filosofias de vida, que parecem bonitas e lógicas, mas são armadilhas destruidoras. Umas dessas é a idéia de que fé, religião não se discute, e pior ainda, não praticam e não ensinam os filhos porque acreditam que quando forem adultos eles farão as escolhas que melhor lhes parecerem. Respeitando o direito que cada um tem de escolher seus caminhos, meu papel é mostrar à luz das Sagradas Escrituras, qual é a opinião de Deus sobre essas questões. Nosso texto de hoje, o Senhor “ordenou” que SUAS PALAVRAS estivessem no nosso coração. Então o coração deve estar cheio da Palavra de Deus! Vejo o coração das pessoas cheios de muita coisa, menos disso. Os corações estão cheios de medo, cheios de dúvidas, cheios de perguntas, cheios de preocupações com sustento, emprego, carreira, sucesso….menos cheio da palavra de Deus. Esse é o primeiro erro. Deus disse para os pais “inculcar” – meter na cuca, encher, enfiar, fazer entrar – ou seja, os pais devem saturar a cabeça dos filhos com a Palavra de Deus. É da cabeça que ele desce para o coração, se não tiver Bíblia na cabeça, não terá no coração. Uma outra versão, a corrigida, o verso 7 é assim: e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. INTIMARÁS a teu filho. Você sabe o que é e que valor tem uma “intimação?” è para intimar os filhos e falar a eles – não tem essa de “eles não querem vir, não gostam muito disso!” Se crianças não precisassem de pais para cria-los, educa-los e dirigi-los, eles nasceriam soltos, como plantas no mato. Os pais sabem e devem saber o que que os filhos precisam e não o que eles querem. Esse é o segundo erro, não fazer o que Deus diz para fazer, mas fazer o que os filhos querem fazer. O terceiro erro é “não temos tempo, a vida é muito agitada e corrida!” Errado, se Deus te deu filhos, ele sabe que você precisa administrar o seu tempo e dar a eles o que é deles, assim como se dá a César, o que é de César. Deus disse nesse texto que há quatro períodos diários, em que todo pai tem oportunidade de fazer “o dever de casa” – 1º – Assentado em casa – pelos umas três vezes ao dia isso acontece; 2º – Andando pelo caminho – no mínimo duas vezes ao dia os pais andam com os filhos; 3º – ao deitar – ao colocar as crianças para dormir – 4º- ao levantar – Pelo menos uma vez, se não contar as sonecas. Então qual a desculpa? Fé não se discute, se ensina, se pratica, mostra-se ao filhos vivendo-a com piedade. Esse é o melhor e mais precioso investimento que um pai faz por seus filhos.

Pr Jason

Quem Tem Aliança com Deus?

Dt 5.2,3 “O SENHOR, nosso Deus, fez aliança conosco em Horebe. Não foi com nossos pais que fez o SENHOR esta aliança, e sim conosco, todos os que, hoje, aqui estamos vivos.

Quem tem aliança com Deus? Aliança é um pacto formal e legal que se celebra entre duas ou mais partes. Aliança é mais que um trato ou contrato, pois esses permitem e tem cláusulas de distrato. Quando se celebra uma aliança, é usual usar trocar presentes ou deixar algo como sinal, o que também serve como garantia e dá direito de participação nos benefícios e responsabilidades da aliança. Aqui no Brasil e em muitos outros países, quando se casa, troca-se alianças, na verdade são anéis, que representam e simbolizam a aliança de união. Embora, digamos, que grande parte dos casais, leva mais para o lado de apenas um contrato e o desfazem quando bem o entendem. Deus usa sempre o sistema de alianças, pois é mais permanente e da parte dele nunca é quebrada. Os cristãos, que se tornaram povo de Deus, fazem parte de uma “Nova Aliança” celebrada entre Deus e a humanidade. Ela foi oficializada com o sacrifício de Jesus, na cruz. Na noite em que ele foi preso, ele celebrou a Páscoa com os seus discípulos e depois de cear, instituiu o que hoje chamamos de “Ceia do Senhor” – Ele usou um pão e um cálice de vinho, para simbolizar o seu corpo e seu sangue – que seriam oferecidos a Deus como oferta pelo pecado e agora ele se tornava o fiador dessa nova aliança, com validade “para sempre.” “Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados” (Mt 26.26-28). Moisés explicou aos hebreus, antes de entrarem na terra prometida, que a aliança de Deus era com eles, e não apenas com seus patriarcas e antepassados. Quando Deus fez aliança com Abraão, o pai dos hebreus, ficou claro, que isso seria também com seus filhos e os filhos de seus filhos, de geração em geração. Então, cada geração, está incluída, mas ela mesma precisa fazer a sua própria aliança e vive-la. Alguns cristãos, costumam dizer que “Deus não tem netos, apenas filhos.” Isso significa que cada pessoa precisa ter a sua experiencia pessoal com Deus, fazer sua própria entrega e consagração e não apenas viver na sombra, na carona da fé de seus pais. Como pais, é nosso dever preparar nossos filhos para que experimentem por si mesmos o amor e o propósito de Deus; mas essa escolha, é deles e não nossa. Posso fazer do meu filho um religioso, mas não um cristão; posso ensiná-los os rituais e cerimonias, mas não posso torna-lo um adorador; posso leva-lo à igreja, mas não posso leva-lo ao céu; posso ensinar a ele respeito, mas não posso torna-lo temente e reverente. Posso mostrar-lhe o caminho, mas só ele pode andar por ele. Mas, orar por ele, dar bom exemplo e bom testemunho, isso eu posso, e farei. De tudo o que tenho aqui na terra, minhas filhas, são as únicas poderei ter também na eternidade! Quem tem aliança com Deus? Quem quer ter aliança com Deus?

Pr Jason

Nem Mais e Nem Menos

Meditação do dia 17/07/2015

Dt 4.2 “Nada acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que eu vos mando.

Nem mais e nem menos, está na medida certa. Um dos pressupostos básicos da fé batista é ter a Palavra de Deus como nossa única regra de fé e prática. Parece uma frase bonita, e é! Mas o significado disso é mais que isso, e leva a um tipo de compromisso de muita responsabilidade. Via de regra, os evangélicos em sua maioria (infelizmente não mais a totalidade), crêem na Bíblia como Palavra de Deus, santa, inspirada, completa e digna de toda e total confiança. Isso, leva o estudioso e temente cristão a levar textos bíblicos como esse acima, como sério e aceitável sem emendas ou ressalvas. Ao aceitar a Bíblia como Palavra de Deus, damos a ela o mesmo valor e as mesmas atributos que aceitamos no seu autor, Deus. Como ele é eterno, ela também o é; como ele é infalível, ela também o é; como ele é Todo-poderoso, ela também o é. Sabemos e aceitamos que todas as coisas, foram criadas por Deus e ele o fez, por meio de sua Palavra, que é a expressão do seu querer e da sua vontade. É básico para nós, que o Pai celeste tem um plano pessoal e personalizado para cada um de seus filhos, também é básico que esse plano está projetado e revelado na sua Palavra. Assim, sendo, conhecer a Bíblia é o meio mais fácil, mais próximo e mais confiável de se conhecer a Deus e sua vontade. É daí que vem a nossa fome e sede de ler, estudar e guardar as palavras desse livro sagrado. Dizemos com tranquilidade que o homem “deve ler a Bíblia para ser sábio, praticar apara ser santo e crer para ser salvo.” Por ser a Palavra de Deus, ela é uma revelação plena, de forma que assim como Deus não se torna antiquado, obsoleto ou ultrapassado, a sua palavra também não. Um ser eterno, sábio e todo suficiente como ele, não produziria uma revelação que de tempos em tempos precisasse de atualização e adaptação à novas realidades. O que Deus disse, disse de uma vez por todas e tal qual ele, permanece imutável. Uma das razões para isso, é que ela lida muito com princípios, e os princípios são eternos e aplicáveis em todo tempo, lugar, cultura e as adaptações necessárias dizem respeito ao contexto de ações culturais e locais de grupos humanos, sem que a essência seja alterada. Vou citar alguns poucos exemplos apenas para ilustrar: Família é um princípio, está presente em todo lugar em todos os tempos. O princípio da semente – Tudo que se planta, se colhe. Autoridade é um princípio… Valores são princípios… A Bíblia é a Bíblia! Seres humanos, mortais, falíveis e imperfeitos, quererem atualizar a Palavra de Deus, ou julgá-la verdadeira ou falsa, é até uma piada de mau gosto. Alguns também, dizendo-se “céticos ou científicos demais” dizem não poder crer nela por que foi escrita por homens. Vou ser curto e grosso: 1º – Você já leu alguma coisa, qualquer coisa, que não tenha sido escrita por homens? Eu não! E voce queria que fosse escrita por quem? 2º – Se ela é uma revelação de Deus aos homens, do planeta terra, ela precisa ser numa linguagem para homens, do planeta terra, é claro. 3º – Você já leu ela toda? Não, então não tem condições de criticá-la. É regra do bom senso, não se critica um livro sem ter lido. Repetir o que outros dizem, até papagaio faz! Para encerrar, deixo palavras de alguém que todos consideram sério, o Senhor Jesus: Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Mt 24.35; Mc 13.31; Lc 21.33). Eu acredito nele, e nas palavras, e você?

Pr Jason

Moisés Vê e Josué Entra

Meditação do dia 16/07/2015

Dt 3.28 “Dá ordens a Josué, e anima-o, e fortalece-o; porque ele passará adiante deste povo e o fará possuir a terra que tu apenas verás.

Moisés vê e Josué entra – É corrente no ofício, que todo profeta tenha o seu “moço.” Na verdade é um assistente direto, uma espécie de assessor ou secretário. Esse aprendiz, é sempre alguém confiável e interessado pelos assuntos do ofício do se “mestre.” Moisés encontrou em Josué, um braço direito muito eficiente e produtivo. Lendo a história toda, vê-se que ele era muito habilidoso e comprometido. Comandou o exército hebreu na batalha contra os amalequitas (Êx 17.8-14). Acompanhou Moisés no Monte Sinai, até onde lhe fora permitido, ficando de plantão até que ele voltasse do encontro com Deus (Êx 24.13); Josué estava com Moisés, fora do arraial quando o povo todo desviou-se e fez o bezerro de ouro (Êx 32.17,18). Fez parte da equipe de espias que foram averiguar a terra prometida e posteriormente, como líder formou com outros líderes a equipe responsável pela distribuição das porções de herança para cada tribo. Mas o grande legado de Josué, foi ser o sucessor de Moisés na condução do povo e o fez com extrema competência e responsabilidade. O sucesso de Josué, é o sucesso do trabalho bem feito de Moisés. Como sabemos, sucesso sem sucessor é fracasso! Líder que não consegue fazer um sucessor à altura, não pode ser considerado bem sucedido. Moisés não tinha permissão divina para entrar na terra prometida, por haver comprometido o projeto de Deus, numa situação em que ele perdeu as estribeiras. Fica aqui, uma lição importante, para nós, que lidamos com pessoas e exercemos influencia. Somos responsáveis por aquilo que Deus confiou a nós e também somos responsáveis pelas nossas decisões e atitudes, não tem como transferir culpa ou responsabilidade. O povo irritou tanto a Moisés, que mesmo ele sendo o homem mais manso da terra, ele estressou e acabou agindo pela força da carne e se deu mal. Quando maior a luz, maior a responsabilidade; ele sabia o que e como Deus lhe dissera para fazer e teria que agir conforme essas instruções e não como suas emoções ditavam. Com Adão, não foi diferente. Não podemos fazer algo contrário ao que estamos instruídos e depois alegar que foi “pressão” – “fiquei encurralado” – “a situação exigia!” Cada um dará conta de si mesmo! Quando Moisés findou sua participação, teve permissão para ver a terra de longe, contemplá-la e ter a certeza de que tudo o que ele falara pela fé, era verdade e estava alí diante de seus olhos, mas sem permissão para entrar. Você fica, Josué entra! Foi o que Deus disse. Isso não desmereceu a Moisés, e muito menos ao seu trabalho, e ele fechou o ciclo com dignidade e honra. Fico pensativo, quando vejo líderes maduros, aferrados a algo sem abrir mão e quando não podem mais, não abençoam a nova geração e nem fazem uma transição com honra; ficam enciumados e até “agourando” e reivindicando aplausos por tudo que fizeram, como se o não tivessem feito para Deus. Maturidade é bênção, se for bênção! Senão, é só velhice mesmo!

Pr Jason

Andar no Deserto

Meditação do dia 15/07/2015

Dt 2.6,7 “Comprareis deles, por dinheiro, comida que comais; também água que bebais comprareis por dinheiro. Pois o SENHOR, teu Deus, te abençoou em toda a obra das tuas mãos; ele sabe que andas por este grande deserto; estes quarenta anos o SENHOR, teu Deus, esteve contigo; coisa nenhuma te faltou.

Andar no deserto – Hoje me deu vontade de escrever um pouco sobre a bênção de Deus em termos de provisões. Sei que tem alas que defendem uma chamada “teologia da prosperidade,” enquanto tem alguns que são sem admitir adeptos da “teologia da miséria,” especialmente a dos outros. Gosto de pensar que luto por um ideal de equilíbrio, procurando ser bíblico tanto no que creio, como no que vivo sobre essas questões. Ao ler esses versos, me deparei com essa proposta de Deus aos israelitas pra comprarem comida e água dos povos nativos que estavam no caminho por onde eles passavam em direção a sua herança. Certamente, uma das alas diria que bênção de Deus seria eles ganharem dos vizinhos essa água e essa comida. Mas antes de entrar nessa discussão, atentei para a justificativa divina, concernente a ordem para comprarem; o Senhor disse que deveriam comprar … “Pois o SENHOR, teu Deus, te abençoou em toda a obra das tuas mãos” …. A bênção de Deus sobre suas vidas, era justamente para que tivessem condições de arcarem com suas despesas que viessem a aparecer. Ter recursos como fruto da bênção de Deus na vida, e viver como necessitado, é um depoimento contra a bondade de Deus. Viver “passando o pires, ou o chapéu” quando na verdade já houve suprimento de Deus não é honesto e nem espiritual. Outra verdade importante no texto é que Deus afirma que sabe que eu ando no deserto por certo período de tempo; Estar no deserto não é sinônimo de estar na miséria, estar sofrendo e passando privações incontidas. A menos que este deserto seja resultado de desobediência e pecado na vida. O deserto com Deus, como foi o caso dos israelitas, é lugar de aprendizado, de milagres poderosos de dia e de noite, é estar aparentemente exposto, mas altamente protegido pela nuvem e pela chama divina; é beber da fonte que jorra da rocha e comer maná celestial e codornizes todos os dias, mesmo num lugar inóspito. A roupa na estraga e o sapato não desgasta e a presença de Deus está logo ali sobre a tenda da congregação e no tabernáculo. Se você está no deserto e lascado da vida, meu amigo, você tá mesmo na pior, e o pior, Deus não está contigo nisso. O deserto com Deus é diferente, e quando se sai dele, já está de cara com a promessa se cumprindo. Os israelitas passaram por tudo que é tipo de dificuldade, mas o Senhor testifica: “…O SENHOR, teu Deus, esteve contigo; coisa nenhuma te faltou. Ensino que há três fontes de suprimentos usados por Deus para abençoar seus filhos: 1. O meu trabalho; 2. Recebendo uma doação e 3. Um milagre sobrenatural; e a ordem natural de suprimento é sempre essa. Pagar nossas contas em dia e honestamente pelo valor correto, é uma forma de dar um bom testemunho da nossa fé. Honrar o trabalho e o esforço das pessoas, é um modo de abençoar as suas vidas e permitir que elas vejam algo diferente e abençoador e nós. Não somos donos do mundo, apenas filhos do dono!

Pr Jason

Imparcialidade

Meditação do dia 14/07/2015

Dt 1.17 “Não sereis parciais no juízo, ouvireis tanto o pequeno como o grande; não temereis a face de ninguém, porque o juízo é de Deus; porém a causa que vos for demasiadamente difícil fareis vir a mim, e eu a ouvirei.

Imparcialidade – A palavra é muito conhecida; o conceito é muito desejado. É um princípio importante da justiça. Nesse caso, é importante para o bem de toda uma coletividade, quer uma família, quer uma sociedade maior e até uma nação ou coletividade de nações. Onde houver relações de lateralildade, a imparcialidade deverá ser coluna. Esse texto traz uma expressão reveladora, ao afirmar que “o juízo é de Deus” – Em toda e qualquer cultura e quais sejam os instrumentos que ela tenha para exercer justiça, são princípios que tem sua origem no sistema de Deus. Os princípios que se encontram no Velho Testamento, especialmente nos primeiros cinco livros, onde Deus deu aos hebreus seus “mandamentos, estatutos, ordenanças, juízos, leis, preceitos, conselhos” que formaram o sistema judiciário da nação, ao se estabelecerem na terra prometida. Não foram conceitos que surgiram ali, mas são princípios eternos, com os quais Deus tem governado todas as coisas e foram incutidos em sistemas de justiça de todos os povos desde onde se tem feito descobertas. Em Jr 6.16, por exemplo a uma clara alusão a essas verdades: Assim diz o SENHOR: Ponde-vos à margem no caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho; andai por ele e achareis descanso para a vossa alma; mas eles dizem: Não andaremos.Procurar pelas veredas antigas de Deus, ou os caminhos eternos, os princípios estabelecidos que fazem tudo funcionar direito e Deus afirma que isso produz descanso para a alma. Quanto mais vemos os homens fabricarem leis modernas, contextualizadas, mais vemos elas se tornarem obsoletas e inadequadas. Um clássico exemplo disso é o nosso ECA ( Estatuto da Criança e Adolescente), que nesta semana comemora 25 e cindo anos e não faz mais justiça, não protege as crianças de bem e serve de escudo para uma nova classe de marginalidade que surgiu e reivindica o direito à impunidade. O salmista ao descrever um relacionamento adequado com Deus e saudável para si mesmo, busca no seu interior o desígnio eterno, que precisa ser recebido por revelação divina. “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139. 23,24). Uma das maneiras de se conhecer um conceito é através do conceito reverso, ou contrário; assim para entender imparcialidade, observe o seu antônimo: “Parcialidade, iniquidade, sem justiça, desigualdade, discriminação, injustiça.” Isso não é matéria para tribunais, justiça, advogados… isso é princípio de vida, de relacionamentos, é questão de atitude!

Pr Jason

As Filhas de Zelofeade

Meditação do dia 13/07/2015

Nm 36.6 “Esta é a palavra que o SENHOR mandou acerca das filhas de Zelofeade, dizendo: Sejam por mulheres a quem bem parecer aos seus olhos, contanto que se casem na família da tribo de seu pai..

As Filhas de Zelofeade – Você conhece essas moças? Conhece a história delas? São gente boa e tem herança para receber! Bom, com uma apresentação dessas, deve ter alguns solteirões interessados agora. Mas isso é uma história já acontecida a muitos anos. Uma das razões de se conhecer e estudar a história, é para que os erros não se repitam. Mas também as boas coisas, devem ser preservadas e cultivadas. Essas moças, eram cinco filhas desse distinto senhor, que veio a falecer e como não tinha filhos homens, elas corriam o risco de não serem incluídas na distribuição da herança de sua tribo. Elas então se apresentaram a Moisés e reivindicaram legalmente o acesso ao que lhes seria de direito, apoiadas pela liderança da tribo, que pelos costumes e direitos de posse, perderiam patrimônio, em certas circunstancias, caso elas se cassem com pessoas de outras tribos. Muito bem, isso trás uma ilustração significativa de aspectos da obra de redenção, que é a linha central de toda a Bíblia. Vamos entender; alguns aspectos da nossa vida, é congênito e não depende de nossa participação, quando nascemos aquilo já está definido e estabelecido, como nossos pais, irmãos e os parentes que compõem a família. Traços físicos e genéticos nos acompanham, independentes de gostarmos ou não. Mas há coisas na vida que depende inteiramente de escolhas que fazemos e essas escolhas trazem consigo benefícios e consequências. Cabe então, a cada um, ser responsável e sábio nas decisões, porque isso afetará para sempre a vida. No casa das meninas do texto, elas poderiam herdar as propriedades, porque isso estava definido em suas vidas por causa da paternidade. O pai era um herdeiro, e na ausência do pai, isso passa automaticamente para os filhos ou filhas, como era o caso delas. Como eram solteiras ainda, o futuro casamento era um direito delas e também o direito a escolha de com quem se casariam. O melhor, para a família seria que elas se casassem com rapazes da mesma linhagem, o que lhes permitiam eternamente manter a herança segura. Mas isso, era uma decisão, que só elas poderiam tomar; os parentes, amigos, os líderes e autoridades tribais, podiam aconselhar e sugerir, mas marido ou esposa, é uma escolha por direito. Espiritualmente, Todos somos pecadores e com isso sob sentença de perdição eterna, isso é fato! Jesus morreu na cruz para ser o redentor e na linguagem do livro de Rute, ele é nosso parente remidor. O sacrifício de Cristo é suficiente para comprar, remir, perdoar a 100% dos pecadores, mas na prática, esse sacrifício não contempla a esses 100% dos pecadores do mundo. Está sim, acessível e válido para apenas 100% dos pecadores que recebem ou aceitam pessoalmente a oferta de Deus. A grosso modo, Jesus está para nós, como um marido estaria para uma daquelas filhas de Zelofeade. Elas poderiam casar com quem quisesse, mas só um tipo de marido garantiria o direito da herança para sua geração. Podemos tomar a decisão que desejarmos em termos de com quem nos comprometemos espiritualmente, mas só Jesus dá vida eterna e direito a herança reservada por direito pelo Pai, aos “filhos” e não a todos. As moças lá foram espertas e fizeram a escolha certa, e você, eu, nós? Jesus, com certeza, é e sempre será a melhor escolha. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.(Rm 8.17).

Pr Jason

Cidades de Refúgio

Meditação do dia 12/07/2015

Nm 35.13 “As cidades que derdes serão seis cidades de refúgio para vós outros.

Cidades de Refúgio – O nome é convidativo e trás a idéia de um lugar de descanso e restauração. Eram seis cidades escolhidas estrategicamente no território israelita, todas de propriedade dos levitas. A idéia, foi de Deus mesmo. A razão, era para dar um suporte ao sistema jurídico legal, quando a ações criminais. A pena capital era levada a efeito para o que chamamos hoje de crimes hediondos. Mas para os casos de acidentes, que levavam pessoas à óbito, o réu era guardado em segurança numa das cidades de refúgio, até o julgamento definitivo. Para evitar que familiares ou amigos, inconformados, quisessem fazer justiça com as próprias mãos, ou não esperar o veredito leal e atentassem contra a vida da pessoa. Ela teria uma designação de cidade para onde ir e lá seria apresentada as autoridades, que lhe ofereceriam hospedagem e daria condições para que retomar sua vida, sem correr riscos e estar à disposição da justiça. E um sistema legal, muito eficiente, legal mesmo! Metaforicamente, essas cidades apontam para Cristo, que se coloca à disposição do pecador para que ele não seja consumido por seus próprios pecados e suas mazelas interiores. Em Cristo todos são bem-vindos, acolhidos e abrigados de modo tão amistoso que mesmo estando num mundo infestado de males, em Cristo encontramos paz. É certo que muitas pessoas tem uma visão um tanto quanto distante da realidade, sobre a justiça de Deus; mas com toda certeza o seu amor e sua misericórdia é ampla e suficiente para regenerar qualquer pessoa e habilitar a uma vida plena novamente. O peso dos nossos erros e pecados já fora imputados em Cristo lá na cruz, de forma que o nosso julgamento, já se realizou e ao assumir a nossa condição, Jesus, permite que continuemos a viver, agora uma nova vida, sem medo, sem marcas e sem a possibilidade do adversário atentar contra nossa vida e tentar a destruição. A duração de uma pena, naquela cultura, era, que a pessoa teria que ficar retida na cidade de refúgio, até à morte do Sumo Sacerdote; num hipótese mais realista, dependeria da idade dele em relação ao início do cumprimento da sentença. Como Cristo é eterno, já morreu e ressuscitou, para não mais morrer, eternamente, nossa segurança, está então plenamente assegurada. Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca(I Jo 5.18). Mas não é só isso, durante a nossa vida terrena, e no nosso dia a dia, ainda precisamos de proteção e isso também está plenamente garantido. Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. (Sl 46.1). Escolha bem a sua Cidade de Refúgio!

Pr Jason