Tem Pão em Casa?

Meditação do dia 27/07/2017

Mq 5.2 – E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.

 Tem Pão e Casa? – Alguém já bateu à sua porta pedindo pão? Provavelmente sim. Ter pão em casa é comum, natural e necessário. Pão é algo comum em todas as culturas e povos, desde os primórdios, até hoje, com pães industrializados e produzidos em linha de produção aos milhares. Todo mundo come pão e todo mundo precisa de pão. Tão popular é esse alimento que se torna sinônimo de muitas outras coisas ditas em todo lugar como: “Ganha pão” (Trabalho); “Pão de cada dia” (provisão diária); “Pão e água” (privação de nível básico); “Pão e circo” (comida e diversão); “Pão de lágrimas” (sustento sofrível); “Pão que o… amassou” (humilhação) – mas também tem o lado bom, com o “pão nosso de cada dia” que assegura o cuidado divino em suprir fielmente para os seus filhos; Tem o “Pão da vida” que Deus nos deu, que Cristo. É justamente dele que o profeta Miquéias fala no texto de hoje. Fiz todo esse longo percurso rodeando, rodeando para dizer que nome da cidade natal de Jesus, tem esse significado, Belém é “Casa de Pão.” Jesus, o pão da vida, nasceu justamente numa cidade que tem essa marca. Universalmente todos os homens precisam do pão diário para sua sobrevivência física e à partir daí, correr atrás das demais coisas. Dessa mesma forma, Jesus é a provisão de Deus para a vida de todas as pessoas. Na condição de ser espiritual, criado à semelhança do seu Criador, o homem necessita de alimento para seu ser mais íntimo e verdadeiro e nas palavras do próprio Senhor Jesus, “… Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus (Lc 4.4). Fisicamente, precisamos de pão físico, alí da padaria ou feito em casa, para saciar a fome, por algum tempo, mas logo, precisaremos alimentar novamente. Tal qual a necessidade física e orgânica, espiritualmente também precisamos nutrir o nosso espírito, com alimento espiritual; aqui entra a leitura e meditação da Palavra de Deus, a oração, a comunhão, e outras disciplinas da fé. Os judeus, quando do seu êxodo, foram presenteados por Deus com o suprimento de um manjar que caia milagrosamente todas as manhas nos arredores do acampamento e as famílias recolhiam as porções necessárias para o dia, e por isso, diziam que era “Pão do céu,” por quarenta anos tiveram essa fonte de suprimento ininterrupto, conforme a promessa divina. Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para que eu o prove se anda em minha lei ou não. E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram aos termos da terra de Canaã (Ex(16.4,35). Jesus disse aos judeus de seus dias, que aquele não fora o verdadeiro pão do céu, pois ele era esse pão que desce do céu e dá vida eterna aos que dele experimentarem. O contrário do anterior, em que todos que comeram, vieram a morrer, mas agora não seria mais assim. Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo (Jo 6.48-51). Belém, uma pequena cidade, não aspirava grandes pretensões nas questões nacionais, mas Deus tinha planos maiores para ela. Dali originava a linhagem real de Davi e como tal, Jesus herdeiro do trono e profeticamente também viria a nascer ali. A história tem o seu modo próprio de fazer as coisas acontecerem, mas quem realmente a escreve, é Deus. Assim, o imperador romano decreto um censo populacional e obriga as pessoas a voltarem às suas origens e recadastrarem; isso aconteceu exatamente quando José e Maria estavam vivendo aquela experiência da anunciação para a chegada do Messias prometido. No culto judaico, havia a cerimonia dos pães da proposição, que ficavam expostos na presença de Deus e trocados à cada sábado, podendo os sacerdotes e familiares se alimentarem deles, que simbolizavam a provisão divina constante e permanente para o seu povo. Jesus é tudo isso para nós e para o mundo todo. Não pode faltar pão em casa, nunca e por nenhuma razão.

 

Obrigado Pai, pelo pão nosso de cada dia, tanto físico e material, como o Pão da vida, que é Jesus. Somos gratos pela vida eterna que ele nos concede ao crermos em sua vida e seu sacrifício. Obrigado, por não faltar pão em minha vida, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s