Ajoelhai

Meditação do dia: 18/11/2020

E o fez subir no segundo carro que tinha, e clamavam diante dele: Ajoelhai. Assim o pôs sobre toda a terra do Egito.(Gn 41.43)

Ajoelhai – Há uma história, daquelas que pode nunca ter acontecido, mas para todos efeitos aconteceu, uma versão dela foi até transformada em canção, gravada por Luiz de Carvalho. A minha versão é caipira, da roça mesmo. Um pastor de uma igreja de zona rural, passava por um período difícil, fria, desanimada e sem crescimento e satisfação espiritual. O pastor, claro, estava angustiado, preocupado mas não sabia o que fazer. Ao visitar uma família no sítio, chegou quando a família estava despencando amendoim, para secá-lo ao sol e depois armazenar. Enquanto conversavam, percebeu que um menino pequeno estava trabalhando ajoelhado e aquilo lhe pareceu muito desconfortável e ofereceu-lhe um banquinho, mas o menino recusou e disse: “Pastor, de joelhos é melhor!” Após a visita ele foi cuidar de seus afazeres, mas a voz não saia de sua cabeça: “Pastor, de joelhos é melhor!” Finalmente entendeu a mensagem! Ajoelhar é uma atitude humana cheia de significados, além de revelar a capacidade de mobilidade e flexibilidade do corpo humano para realizar tarefas. Mas qualquer que seja a situação, uma coisa permanece inflexível: Ajoelhar sempre trará a pessoa para baixo; ela sempre ficará abaixo de sua postura normal e original. Outro fator interessante, é que ajoelhar diminui a capacidade de resistência e reação. Simbolicamente todos sabem que ajoelhar é sinal de humildade ou humilhação e aqui quero separar os conceitos ainda que só para efeito de ponderação. Ajoelhar como humildade, é atitude voluntária, deliberada e de reconhecimento da grandeza do outro, mas especialmente de nossa pequenez e disposição de servir e agradar. Ajoelhar como humilhação é sinal de submissão forçada, compulsória e que se dobra diante de alguém que conquista e subjuga. Por natureza, o homem não é muito chegado em se dobrar diante de ninguém e em atitude isso se estendeu até para o Criador. Em todas as sociedades e civilizações, o desejo de independência, tem levado vidas a se submeter as piores tiranias que acabam por destruir suas almas e sonhos. Voces se lembram do grito mais famoso da história do Brasil? Proferido pelo Imperador D. Pedro I, nas margens do Ipiranga, que hoje fica no centro da capital paulista – “Independência ou morte!” Aquilo, por ordem de Faraó, num cortejo público deve ter sido muito esquisito e estranho para José, que até então só se curvava e se submetia, sem escolhas! Agora ele só precisaria se curvar apenas para Faraó e talvez para a rainha e no mais todos seriam visto por ele num nível de submissão e obediência que nem em sonhos ou delírio ele imaginaria. Um reino inteiro se curvando diante dele! Será que o sol e a lua que ele vira na adolescência se curvando diante dele nos seus sonhos e fora interpretado como sendo seu pai e sua mãe, não poderiam ir além disso? Na história da rainha Ester, os fatos foram revertidos, quando o mal queria prevalecer contra o bem, nas pessoas de Hamã e Mardoqueu. Para o servo de Deus nada acrescentaria tais honrarias, mas para o perverso nobre, além de não ser honrado, teve que honrar e proclamar a pessoa que ele mais abominava e desprezava. Ele foi consumido por seu próprio sentimento de arrogância. Sabendo dessa condição interior da raça humana, Deus já previu uma situação de todo ser prestar honras e reconhecer Jesus, como aquele que se sacrificou por todos e ainda que alguns não se submetam voluntariamente por fé e adoração, o farão uma vez, ainda que seja a última coisa que façam. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.9-11).

Senhor, eis nos aqui, diante de tua presença gloriosa, para confessar com os nossos lábios e em fé nos nossos corações, que nos prostramos e submetemos voluntariamente ao teu domínio, glória e honra. Reconhecemos que só o Senhor é Deus e que os teus atos de justiça são verdadeiros e justos. O teu reino é eterno e mais elevado do que os próprios céus e nada e ninguém é maior, melhor ou equiparado a ti. Só o Senhor e bom e misericordioso capaz de fazer juízo e justiça ao mesmo tempo sem inocentar o culpado e nem condenar o inocente. A ti seja a glória e a honra para sempre. Amém

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s