Para Que Não Pereças

Meditação do dia: 24/05/2021

“E ali te sustentarei, porque ainda haverá cinco anos de fome, para que não pereças de pobreza, tu e tua casa, e tudo o que tens.” (Gn 45.11)

Para Que Não Pereças – Nossa mente faz associações muito rápidas com aquilo que ela tem armazenado em seus arquivos. As informações mais acessadas ou mais recentes estão prontinhas para conexão. As que não são de uso tão frequente, estão ali, à mão, mas é preciso procurar. Aquelas de pouquíssimas consultas, precisamos revirar os arquivos e muitas lembrar de outras coisas que nos levam a conseguir a conexão. Lembrando de uma coisa, lembramos de outra e assim vai. Uma das promessas do Senhor Jesus para quando ele voltasse ao Pai, após seu ministério terrestre, é que ele enviaria o Espírito Santo que nos ajudaria entre outras coisas, a lembrar o que ele nos ensinou e certamente outras verdades que aprendemos na sua Palavra. “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (Jo 14.26). Ao fazer afirmações como essas acima, estou contando com a conexão quase que imediata que praticamente todos, ao verem o título da meditação de hoje, já se ligou em Jo 3.16. Acertei? “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Obviamente falamos de duas coisas diferentes, mas em qualquer sentido, “perecer” não é boa coisa ou desejável. No texto de João, pelo contexto imediato, se trata de eternidade, ganha-se a vida eterna ou perece (eternamente). O contexto de José, falando para os irmãos que ainda haveria cinco anos de fome e escassez, com risco de muitas vidas perecerem, ele estava aludindo a vida física, biológica; morrer de fome, de inanição ou de doenças causadas pela falta de recursos e etc. Podemos também ver uma ilação plausível nas duas verdades, porque alguém prestes ou em risco de perecer de fome, com toda certeza será afetado na sua sanidade mental, emocional e porque não, em sua espiritualidade? O que torna alguém mais resiliente do que outros numa mesma situação ou condição? Entre as muitas prováveis causas, está a base de fé e o nível de sua comunhão espiritual. Chamamos isso de vida devocional. Quando mais perto de Deus, mais longe do naufrágio nas crises. Quanto melhor o nível de intimidade e desenvolvimento na alimentação espiritual, melhores as chances de se resistir nas adversidades. Eu, Jason, nunca passei fome, já passei da hora de comer por uma razão ou outra e é muito dolorido e quando a fome aperta, o organismo trabalha para prover sua sobrevivência e a lei da sobrevivência é forte. Quando a vida está em risco, a coisa fica feia e pode acontecer das pessoas descerem para um nível animalesco de barbárie completa. Até o diabo sabe que pela sobrevivência pessoas se dispõe a pactos estranhos, ele apostava nisso contra Jó: “Então Satanás respondeu ao Senhor, e disse: Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida. Porém estende a tua mão, e toca-lhe nos ossos, e na carne, e verás se não blasfema contra ti na tua face!” (Jó 2.4,5). Ao ler ou tomar conhecimento de relatos de acontecimentos de períodos de guerras, cercos e extremas calamidades, qualquer um pode perceber a seriedade do que estou afirmando aqui. Jesus, após a entrevista com aquela mulher samaritana, junto ao posso, respondeu a uma indagação dos discípulos e mostrou seu sistema de prioridades; se valia para ele, pode ser bom e ideal para todos nós, em todos os tempos. “E entretanto os seus discípulos lhe rogaram, dizendo: Rabi, come. Ele, porém, lhes disse: Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis. Então os discípulos diziam uns aos outros: Trouxe-lhe, porventura, alguém algo de comer? Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra” (Jo 4.31-34). Noutra passagem, quando se discutia a importância das duas vidas e suas comidas, o Mestre foi firme: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este o Pai, Deus, o selou” (Jo 6.27). Hoje, estou nos desafiando a uma busca mais firme e consistente sobre a verdade que alimenta nossa verdadeira vida em detrimento dos cuidados com a vida física e natural. Não podemos colocar a nossa integridade eterna em risco, preocupados apenas com uma vida terrena, passageira e fugaz. José sabia, que sua tribo precisava primeiro sobreviver, para então alcançar todos os demais propósitos, que lhes estavam destinados. Essa era a sua parte no legado e a sua missão de vida. Qual é sua e minha parte no legado de vida? Estamos trabalhando para o cumprimento das razões pelas quais nascemos e existimos? Pensemos nisso!

Deus eterno e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, também nosso Pai! Te agradecemos pela vida e pelo propósito que tens para conosco; queremos servir com alegria e eficiência para as demais etapas do teu plano eterno aconteça e milhares de vidas entrem em tuas moradas eternas, porque alguém se importou com elas. Obrigado pelo dia de hoje e os desafios que ele nos trará, somos abençoados e queremos ser abençoadores. Em nome de Jesus, oramos agradecidos. Amém!

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s