Os Exatores

Meditação do dia: 28/12/2021

“E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.” (Êx 3.7)

Os Exatores – Essa palavra em português tem sua origem no latim “Exactor,”que originalmente se aplicava a pessoas que tinham o ofício de cobrar impostos para o governo, ou guardar bens e valores de outra pessoa. Pelo histórico bíblico sabemos que era um cargo cobiçado e altamente sujeito a corrupção, dadas as proporções dos meios de arrecadação e da fiscalização sobre tais executores. João Batista e o próprio Senhor Jesus tiveram que enfrentar o tema e ensinar como proceder corretamente. “E chegaram também uns publicanos, para serem batizados, e disseram-lhe: Mestre, que devemos fazer? E ele lhes disse: Não peçais mais do que o que vos está ordenado” (Lc 3.12,13). Jesus produziu a conversão de Zaqueu, um exator desonesto. “E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado” (Lc 19.8). No nosso texto de hoje, os exatores se referem aos feitores ou capatazes, responsáveis por comandar os trabalhos a que os hebreus estão obrigados em servidão. Eles não eram nem um pouco humanos e compassivos, produzindo sofrimentos, torturas e até mesmo mortes desnecessárias dos escravos sob suas responsabilidades. Eles tinham autoridade delegadas por Faraó, que era na prática o “dono” ou senhor de todos os súditos, mas os hebreus e alguns outros povos estavam sob a condição de escravidão, sendo considerados uma mera propriedade, e de cujo valor não era significante para o rei, e ele detinha poderes de vida e morte sobre eles. O modo como Deus expressa para Moisés que estava atento às condições de vida e servidão dos filhos de Israel, mostra que além da tirania oficial do governo de Faraó, havia também a opressão maldosa e desumana por parte dos exatores, que abusavam da autoridade de comando e fiscalização dos serviços. Isso nos mostra o comportamento humano, onde ele consegue imprimir suas próprias marcas pessoais ao lidar com outros sob sua responsabilidade. Uma mesma responsabilidade pode ser exercida com mansidão, justiça, bondade e misericórdia; como também pode ser feita sob tirania, violência, ira, incompreensão, injustiça e muita maldade. O que separa uma coisa da outra é o caráter da pessoa. Não pensemos que isso está relacionado só à escravidão e esquecido num passado remoto. Todos os dias somos bombardeados com notícias de violência doméstica, feminicídio, pais maltratando filhos, profissionais maltratando funcionários, pacientes, idosos. Pessoas da própria família extorquindo pais idosos; situações de cárcere privado e tantas vitimas de cárcere privado, até mesmo acorrentados fisicamente. Trabalho em regime de escravidão em fazendas, confecções clandestinas, trabalhadores domésticos explorados por pessoa cultas e bem situadas socialmente, fora de quaisquer suspeitas. Encontramos isso em meios eclesiásticos de líderes sobre subalternos. Os exatores da vida não são só figuras de linguagem ou um termo arcaico. Quando o cristianismo surgiu os ensinos de Cristo e apostólicos trouxeram luz da graça e do amor de Deus sobre essas situações e foi assim que o mundo foi transformado pela verdade da graça de Deus. “Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos” (Mc 10.42-44). Paulo ensinou da seguinte forma: “Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre. E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o Senhor deles e vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas” (Ef 6.7-9). Então!!! Independente de sua condição ou situação, seu compromisso maior é com o seu Senhor, que Deus e se espera de você e de mim um comportamento, uma atitude diferente porque temos razões e motivações nobres naquilo que fazemos e para quem fazemos.

Senhor, obrigado por ser justo e bondoso para conosco, agindo em justiça e misericórdia em todas as situações. Reconhecemos que nosso chamado é para replicar o teu caráter e o teu amor pelas pessoas. Queremos glorificar ao Senhor fazendo o melhor com aquilo que nos foi confiado e pedimos sabedoria e temor do Senhor em nossos corações para não nos assenhorarmos negativamente dos privilégios e autoridades que nos confiaste. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s