A Vantagem da Desvantagem

Meditação do dia 20/03/2018

E dividiu-se contra eles de noite, ele e os seus criados, e os feriu, e os perseguiu até Hobá, que fica à esquerda de Damasco. (Gn 14.15)

A vantagem da desvantagem – “Então foi Davi a Baal-Perazim; e feriu-os ali Davi, e disse: Rompeu o Senhor a meus inimigos diante de mim, como quem rompe águas. Por isso chamou o nome daquele lugar Baal-Perazim” (2 Sm 5.20). Muitas batalhas do povo de Deus, eram literais e físicas, contra inimigos verdadeiros de carne e osso e muita maldade, mas mesmo assim, por trás de tudo aquilo havia hostes espirituais do mal, que lutam por almas, pela eternidade e são na verdade pequenas batalhas estratégicas, que fazem parte de uma guerra maior e com propósitos muito altos. Há de se elogiar a coragem e o destemor de Abrão, um fazendeiro, não militar e sem treinamento e nem prática de guerras, se envolve num conflito para salvar o sobrinho, acompanhado de seus servos e alguns amigos confederados, seus vizinhos. O adversário deles, quatro reis belicosos, experientes em saques e ataques para conquistar e subjugar reis e reinos menores ou desprotegidos. Eles vieram em campanha armada para prender e saquear aquelas cidades-reinos e levar a pilhagem como recompensa; ali viria tesouros, bens materiais e pessoas que seriam escravos de serviço ou para serem negociados, gados e animais de toda espécie que entrariam para seus inventários de graça, aumentando suas riquezas e capacidade de maiores ataques e mais opressão. Essa era a vida deles, esse era o propósito de suas existências. Até o dia em que atravessaram o caminho de um servo de Deus, que entendia o coração de Deus e estava consciente do seu papel de abençoador de todas as famílias da terra. Onde começa o chamado ou a prática da vocação? Justamente quando somos confrontados com os valores que norteiam nossas vidas. Abrão não estava pronto em nenhum ponto de sua vida ainda; mas o inimigo não espera que estejamos prontos para declarar guerra. A prática é verdadeiramente o caminho mais curto para a perfeição! É fazendo que se aprende e é aprendendo que se cresce com as experiências e não com as teorias. Como vencer um inimigo muito maior, muito mais experiente, melhor equipado e já em vantagem na ação? Não deve ser sem razão que um dos nomes de Deus na Bíblia é SENHOR DOS EXÉRCITOS“Portanto diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos, o Forte de Israel: Ah! tomarei satisfações dos meus adversários, e vingar-me-ei dos meus inimigos” (Is 1.24). Devemos nos aconselhar com o Senhor dos Exércitos antes de pensar em entrar em combate com qualquer tipo de adversário. Abrão buscou em Deus e recebeu as estratégias certas para com um contingente infinitamente menor prevalecer contra a arrogância dos números e do poder da carne. Particularmente amo olhar o texto e ver Abrão se preparando para a guerra, “junto com os seus criados;” isso é ensino sobre liderança espiritual – como diz lá em Goiás, “o dono do boi, pega no chifre!” O que está em disputa não saber quem destruiu mais, ou quem fez isso ou aquilo, pois o único propósito de uma guerra espiritual é libertar os cativos das garras do inimigo. A lutar é travada com os servos de casa; não contratamos mercenários e nem caçadores de recompensa. Abrão tinha 318 servos e empregados disponíveis e foi com esses que ele foi pelejar, e depender da força do Senhor e de sua sabedoria para ter sucesso. Isso pode ser replicado em igrejas e ministérios – querer produzir grandes resultados sem ter um contingente engajado, apenas contratados e estranhos à visão e ao propósito de Deus. Campanhas caríssimas, artificiais, emotivas e apelativas, onde os “criados locais” são apenas expectadores e sem participação ativa em nada. Os resultados são sempre artificiais e os cativos continuam cativos; quando não são apenas trasladados de local e tipo de cativeiro.
Senhor Deus dos Exércitos, precisamos prevalecer a cada dia contra adversários sempre maiores e ardilosos. A única diferença que temos é o Senhor mesmo; sem tua graça e sabedoria, não conseguimos libertar os cativos e salvar essas almas. Que outra utilidade prática poderemos ter, se não pudermos ajudar essas almas? Guia-nos as estratégias certas, com os valores certos, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s