Errante no Deserto

Meditação do dia 19/10/2018

 “Então se levantou Abraão pela manhã de madrugada, e tomou pão e um odre de água e os deu a Agar, pondo-os sobre o seu ombro; também lhe deu o menino e despediu-a; e ela partiu, andando errante no deserto de Berseba.”  (Gn 21.14)

 Errante no deserto – Ismael foi submetido a um curso intensivo capaz de transformar um menino filho de pai rico em um homem forte e guerreiro numa terra inóspita.  Depois daquela despedida no amanhecer do dia, a vida daquele menino, nunca mais foi a mesma. Não deve ter demorado muito para ele descobrir que alguma coisa mais séria estava começando a acontecer, pois não era comum alguém sair de casa de madrugada, apenas com um odre de água e um pão, e pegar o caminho do deserto e não poder dizer para onde estava indo e muito menos se chegaria em algum lugar. A mãe estava de fato muito abatida, chateada e de pouca conversa e não seria difícil ver lágrimas caindo-lhe do rosto. Aquele dia, tinha tudo para ser um dia de grande alegria e muita comemoração, afinal sua mãe ganhara a liberdade da escravidão e tornara-se livre, dona de seu próprio destino e com permissão para levar consigo seu filho. Mas não havia celebração pela liberdade, porque ela como que disfarçada de expulsão de casa e forçada a exilar-se em algum lugar incerto. Como vagar errante pelo deserto, com escassez de recursos, seria algo à comemorar? Ismael não tinha alternativas disponíveis e nem a quem recorrer; agora ele era o homem da família; caberia a ele proteger a mãe e levantar sustento. Estamos falando de provação muito grande, para alguém que não teve tempo de se preparar para aquele dia. Tenho a nítida impressão que muitas pessoas estão se identificando com a pessoa de Ismael e sua história; pessoas perderam suas fontes de proteção e segurança, como os pais, o lar, as referencias até então muito estável e impossíveis de serem removidas. O futuro é sempre muito opaco para todos os homens; basta um milésimo de segundo para tudo ser modificado à nossa volta. Não é sem razão que o profeta Isaias descreve a vida como algo passageiro, por demais imediata. Uma voz diz: Clama; e alguém disse: Que hei de clamar? Toda a carne é erva e toda a sua beleza como a flor do campo. Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente (Is 40.6-8). A instabilidade e fragilidade da vida se contrasta fortemente com a eternidade e estabilidade da Palavra de Deus. Se há algo em que se deve e pode confiar por sua garantia e durabilidade, é a Palavra do Senhor. Me vem à memória, o fatídico onde de setembro de dois mil e um. Qualquer pessoa, daria como muito confiável e até impossível que um edifício como aquelas torres gêmeas virem a ruir. Toda essa confiança e segurança não durou até o meio dia; foi questão de minutos. Quantas vidas foram afetadas e nunca mais voltaram a ser as mesmas? E nada pode ser feito, só aconteceu! Ismael viu tudo o que conhecia desaparecer de um dia para o outro e ele não podia fazer nada, absolutamente nada, a não ser seguir em frente, sem mais referencias de segurança. Mas agora, que a “casa caiu” ele teria que se apegar ao que tinha, ainda que fosse pouco e nunca testado, que era a sua fé e sua capacidade de oração ao Deus de seu pai Abraão; porque o até o pai Abraão, amigo de Deus, não estava mais na vida, como provedor, protetor. Quando se perde tudo, é o momento exata e melhor para encontrar a única resposta que satisfaz todas as questões. O vazio do coração é exatamente preenchível pela presença de Deus. De todas as coisas que Ismael aprendera e adquirira em todos os seus anos na casa de Abraão, a mais preciosa e a mais válida para sua vida agora, era a fé inabalável naquele Deus que seu pai confiava. Era a hora da experiência pessoal. Amados, você pode ser filho dos pais mais piedosos e cheios do Espírito Santo que se tenha notícias; você pode ser membro e até obreiro da melhor igreja e ser muito próximo do melhor pastor e tudo mais… mas um dia você precisará da sua experiência pessoal com Deus. O caminho do deserto é muito mais próximo de nós do que imaginamos. Não deixe acontecer sem ter se preparado! Já ouviu falar em “à sós com Deus?” eu chamo de “devocional;” além de prazerosos, edificantes, ainda servem como ensaios para os dias difíceis que as curvas da estrada da vida insiste em ocultar de nós, e só percebemos quando já estão próximos demais!!!

 

Senhor, obrigado porque a tua presença sempre vai conosco e nos dá descanso.

Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s