Meditação do dia: 28/07/2019

 Então disse Raquel: Julgou-me Deus, e também ouviu a minha voz, e me deu um filho; por isso chamou-lhe Dã. (Gn 30.6)

– Este foi o quinto filho de Jacó, desta vez com a concubina de Raquel, chamada Bila. Raquel denominou-o com esse nome que significa “JULGAMENTO” ou “ELE JULGOU.” Estamos percebendo que o embate entre as duas irmãs, esposas de Jacó, permanecia firme e a disputa era acirrada. Lia entendeu que os filhos que ela tivera, eram uma forma de compensação que Deus a estava dando, por ser a primeira esposa e ser desprezada, ou não ter a devida atenção, porque o casamento de romance verdadeiro era entre Jacó e Raquel, mas que por arranjos do seu pai, ela acabou se tornando uma esposa e ao dar quatro filhos, certamente Jacó se afeiçoaria a ela. Vendo que não gerava filhos, Raquel lançou mão de recursos disponíveis em sua cultura para obter filhos por meio de sua serva, uma concubina para Jacó. Ao nasceu a criança, Raquel o acolheu como seu, o que era permitido, pois os servos ou escravos eram apenas uma propriedade pessoal, sem direitos. Ela entendeu que Deus a julgou merecedora de clemencia, pois ela amava Jacó, desde que se avistaram no dia da chegada dele à Harã, na borda daquele poço no campo entre os pastores de ovelhas. Assim, ela entendia que embora a irmã também fosse uma esposa, mas não era necessariamente a preferencial, ou exclusiva do marido. Mas também ela se sentia desprestigiada por não gerar filhos, que certamente seriam muito mais amados e acolhidos pelo pai. Então Dã, o quinto filho de Jacó, seria uma veredito de Deus para ela, na disputa com a irmã e com ela mesma, pois ser mãe de filhos, que se tornariam uma grande nação, era um desejo ambicioso e muito promissor, além de entrar para dentro de uma aliança com Deus, pois sem os filhos, essa oportunidade seria totalmente de Lia. Para Jacó, é verdade que um filho ou mais de um com Raquel seria uma bênção e uma coroação dos esforços de ambos para viverem juntos, pois estavam sendo impedidos inicialmente de se casarem, por ela ser mais nova que a irmã e em sua cultura, segundo Labão, isso não era permitido, a filha mais nova se casar primeiro que a mais velha. Aqui, entre nós, brasileiros, brincamos chamando essa situação de “ficar para titia,” pois a mais nova casou-se primeiro. Também não lutamos por estabelecer famílias visando construir um reino, ou uma tribo ou mesmo dominar um território; isso ficou para trás, nos tempos das colonizações territoriais. Como cristãos, entendemos que os filhos são herança do Senhor e que nos são dados como presentes e com a responsabilidade de criá-los no temor de Deus, incutindo neles os ensinamentos bíblicos e o compromisso com a fé e os propósitos divinos, pois o reino já está destinado aos filhos de Deus. “Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão. Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava…(Sl 127.3-5)

Senhor, obrigado por nos proporcionar a alegria de sermos participantes do teu Reino e poder criar nossos filhos sob as bênçãos da Nova Aliança. Cristo é o cabeça e o Rei do Reino já estabelecido e consumado, onde os teus propósitos se cumprirão na totalidade. Estamos construindo um projeto que fizestes desde a eternidade e as pessoas chamadas por ti, deram a sua contribuição e hoje, como igreja, estamos realizando em nosso tempo, a nossa etapa do grande plano da redenção em Cristo Jesus, obrigado, por contar conosco, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s