Imoralidade em Família

Meditação do dia: 18/11/2019

  E aconteceu que, habitando Israel naquela terra, foi Rúben e deitou-se com Bila, concubina de seu pai; e Israel o soube. E eram doze os filhos de Jacó.” (Gn 35.22)

Imoralidade em Família – O elefante está no meio da sala, incomodando todos da casa, todos os dias desde que ele era pequenino e entro pela porta e foi aceito, alimentado, protegido e cuidado. Cresceu, é um temendo estorvo, todos sentem-se incomodados, mas sofrem calados. Essa é uma história alegórica para ilustrar a necessidade de tomar decisões que promovam verdadeiras mudanças. Enquanto a situação atual persistir, incomodando, sendo prejudicial e destrutiva, mas for aceita e ninguém tomar a iniciativa de começar uma transformação, nada de fato vai acontecer. Literalmente, no caso do elefante na sala, alguém da casa precisa ficar tão incomodado que resolva derrubar uma parede e botar o paquiderme para fora e dizer chega! Sala de casa não é lugar para elefante, ele sai a qualquer custo. Assim também são outras questões em família, na empresa, na igreja e onde mais for preciso tomar novos rumos. Estou lançando mão dessa narrativa para falar sobre imoralidade. É um pecado de grande impacto e que faz estragos gigantescos numa pessoa, família e numa sociedade. Os cristãos (me refiro a nós evangélicos), Não estamos imunes e nem longe dessa situação. Somos um segmento da sociedade como um todo e embora tenhamos valores e disciplinas que visam nos proteger e evitar tais males, sabemos que não há garantias de cem por cento de integridade entre as pessoas dos nossos círculos. Efetivamente, os índices de violência doméstica, abuso sexual, abuso moral e abuso infantil, seguramente acontece em menor proporção entre nós, mas acontece. Como em todos os demais casos, normalmente os agressores e abusadores são pessoas próximas, de confiança e também em muitos casos, com autoridade e respeito da vítima, da família dela e da comunidade de convivência. Maior que o mal praticado por essas pessoas, é o silencio que envolve e acoberta tudo em nome de evitar um escândalo, ou preservar uma imagem e ou não causar mais males a outras pessoas e famílias que ainda não sabem ou não foram afetadas. Amados, o bem e o certo em alguma circunstancia pode vir a se tornar mal ou errado; mas o mau e errado, nunca, em circunstancia nenhuma virá se tornar certo. Somos vocacionados por fé para representar o amor de Deus em pessoa, na pessoa de Jesus e fazemos o certo porque é certo. Amamos o certo e o honesto e não é correto encobertarmos o mal sem fazer nada em prol das vítimas. Quando a Bíblia fala para salvar vidas, não se refere apenas a questões espirituais, metafísicas das pessoas, mas a pessoa integral, corpo alma e espírito, a vida humana. Primeiro, devemos medir, avaliar, peneirar nossas motivações e ações com critérios fortes e bíblicos. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai (Fp 4.8). Esse é o melhor crivo, filtro que conheço para medir se devo fazer ou aceitar qualquer coisa. Segundo, devemos ponderar os valores da nossa fé. Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus?
Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus
(I Co 6.9-11). Em terceiro lugar, precisa pesar o valor que Deus atribui a essas práticas criminosas. Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar. Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem (Mt 18.6,7). Jesus atribuiu tão grande peso que disse ser preferível um suicídio por afogamento com uma pedra pesada no pescoço se lançando de um precipício do que provocar um mal que desvie um inocente. Também quando ele diz: “ai daquele que produz o escândalo,” deve despertar a atenção pelo sentido dessa expressão “ai dele!” Jacó enfrentou isso dentro de casa com um filho e com uma concubina; a sentença disciplinar veio no tempo da benção paterna aos doze filhos; Rubem simplesmente perdeu o direito de primogenitura e primazia da nação. Uma marca que vai para a eternidade. Não pule esses textos da Bíblia na suas leituras e estudos, eles ensinam muito. O drama de Jacó, serve de alerta e lição para nós, nós famílias e nossas igrejas. Não podemos acomodar ao sistema que o mundo quer impor sobre (in)moralidade, sexualidade, pureza e espiritualidade. Não podemos tapar o sol com a peneira e permitir que obreiros de mal caráter façam vítimas dentre o rebanho que lhes foram confiados. Todos temos responsabilidade de ajudar, acolher, cuidar mas também prevenir e delatar as más práticas e ou as oportunidades que se tornarão situações de abuso e violência.

Senhor, nós oramos pedindo sabedoria e graça, mas também coragem para enfrentar uma prática tão nociva e destrutiva que assola e afeta inocentes e principalmente pessoas indefesas e vulneráveis. Sabemos do poder salvador e restaurador que há na redenção em Cristo Jesus. Sabemos do poder do Senhor produzir cura interior e remover as marcas doloridas das lembranças e traumas dessas vidas que foram vitimadas. Clamo pelo poder do sangue de Jesus derramado na cruz para perdoar, limpar e purificar inteiramente as vidas que sofreram abusos ou estão em risco e não encontraram meios de denunciar ou se livrar. Espírito Santo, te peço que produzas fé e esperança nessas almas e aplique nelas o balsamo de Deus, para que sejam aliviadas e restauradas no nome de Jesus. Repreendo na autoridade da tua Palavra, as forças do mal que vitimizam e fazem que elas se sintam culpadas pelas próprias agressões sofridas. Pedimos proteção espiritual contra as trevas e a mentalidade da época que contrariam a tua palavra e destroem as almas de inocentes. Ordeno a volta da serenidade e da fe no amor e na esperança proposta pela salvação em Cristo Jesus. Pai, entre com tuas poderosas providencias, em favor de cada uma dessas vidas preciosas, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s