Judá, Você e Eu

Meditação do dia: 05/05/2020

 “Então ele disse: Que penhor é que te darei? E ela disse: O teu selo, e o teu cordão, e o cajado que está em tua mão. O que ele lhe deu, e possuiu-a, e ela concebeu dele.” (Gn 38.18)

Judá, Você e Eu – Conta-se uma história fictícia sobre viajantes de uma estrada que depararam com uma carcaça de um cão morto e já em avançado estado de decomposição. O mau cheiro era horrível e dava nojo de ver. Um sábio que passava por ali, contemplou aquilo e ao se retirar comentou: “Que lindos dentes aquele cão possuía!” A moral da história é sobre o que se pode perceber de bom, belo e proveitoso numa situação terrível. Olhando o capítulo trinta e oito de Gênesis, poderia ser dito que ele é uma intervenção na história de José, que estava sendo descrita. Uma boa pessoa, de bom caráter e comprometido com a promessa de Deus, que honrou isso mesmo passando pelas mais terríveis provações. Enquanto Judá, se apresenta como o oposto a tudo que se acredita ser modelo de família e bons costumes. Foi dele a idéia de vender José; logo em seguida se aparta da família e do convívio de comunhão e vai viver com amigos cananeus e se casa entre eles; seus filhos crescem sob uma influencia pagã e depravada, e acabam morrendo pelos atos de imoralidade. Judá promete e não cumpre sua palavra com a nora, que resolve fazer valer os seus direitos, enganando propositalmente o sogro, que se prostitui com a viúva de seus filhos e aqui se registra que ela calculou todos os movimentos, como num jogo de xadrez, pois engravidou na primeira tentativa e aguardou o momento adequado quando o sogro hipócrita resolve dar uma de moralista e cumpridor das leis e bons costumes e exige justiça contra ela pela quebra de sua viuvez comprometida com alguém que ele não estava disposto a cumprir o prometido. A história de Judá aqui descrita, poderia até ser comparada com da introdução que fiz, com o conto fétido e podre do cachorro à beira da estrada. Não pode ser comparada em hipótese alguma, por causa de uma observação sábia, como fez alguém no conto sobre os dentes do animal morto. Estou me referindo à graça de Deus sobre a vida do homem. Aqui aparece, só para quem quiser ver, como Deus é capaz de pegar uma vida a caminho da destruição pelo pecado, rebeldia e obstinação e transformar numa realidade de fé, bravura e modelo de redenção completa. Judá poderia ser a causa da destruição total da capacidade da família de Jacó ser a família da promessa, capaz de gerar uma nação escolhida e reveladora do amor e misericórdia divina. Os caminhos de Judá estavam levando a família a ser exatamente como os cananeus reprovados por Deus, fazendo as mesmas práticas e entrando pelo mesmo padrão que Deus disse a Abraão, Isaque e Jacó que se distanciassem. Deus não livrou Judá de pecar e afundar-se, mas o resgatou com um braço forte quando ele caiu em si e viu seus pecados e arrependeu-se e se converteu verdadeiramente, voltando ao convívio familiar, onde vamos encontra-lo juntamente com o pai e os irmãos lutando pela sobrevivência e no caminho da retidão novamente. O Judá que veremos dali em diante, é aquele que apropriou-se da graça e bondade de Deus e assumiu o seu lugar na liderança das doze tribos de Israel e homem honrado a quem Jacó pode confiar e se apoiar até os seus dias finais. A graça de Deus, faz-nos olhar para nossa própria história e ver que não somos tão diferentes de Judá, ao ceder à tentação e o pecado, comprometendo nosso nome, da nossa família e o testemunho de fé no reino de Deus, agindo como “cananeus espirituais.” Graça, tão maravilhosa graça, quem de nós, não precisa dela para reescrever nossas histórias? Aqueles que não se identificaram com Judá no estilo de vida pregressa e suja, pode se identificar com alguém cheio de justiça própria e apegado a falsa moralidade, porque “nunca fiz desse jeito!” O que Deus diz é: Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23). Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos (At 17.30,31). Arrependamos e prossigamos em andar com Deus no caminho da verdade e das promessas.

Senhor, nossa oração não poderia ser outra senão a de pedir graça e misericórdia, nos arrependendo do modo como escolhemos fazer a nossa vida acontecer. O pecado assedia até mesmo os piedosos e os atraem para serem como os demais moradores da terra, nossos vizinhos. Mas ainda somos chamados para sermos diferentes e testemunhar que o caminho de Deus é perfeito e requer santidade na prática, mas também nas intenções do coração. Cremos que o Senhor pode restaurar a vida de qualquer um que clamar por ajuda e perdão. Em Cristo há provisão redentora suficiente para todos nós. Ilumina, oh! Senhor o nosso entendimento e quebranta o nosso coração, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s