O Que Procuras?

Meditação do dia: 29/06/2020

 “E achou-o um homem, porque eis que andava errante pelo campo, e perguntou-lhe o homem, dizendo: Que procuras?” (Gn 37.15)

O Que Procuras? – O que move o mundo, são as perguntas ou as respostas? Nem sempre as respostas são tão óbvias e nem todos os peritos sabe de fato as variáveis possíveis de questões que alguém nunca perguntou ou a atenção de ninguém nunca esteve voltada para aquele ângulo. Na leitura de um texto sobre investimentos, me deparei com uma preciosidade, pelo conjunto da obra, vou reproduzir um trechinho: Em 1997, Robert Frank estava lecionando o tradicional curso de Introdução à Economia em Cornell, curvas de oferta e demanda, tudo dentro do esperado, quando uma aluna chamada Jennifer chamou sua atenção com uma pergunta inusitada. Por que as noivas gastam milhares de dólares em vestidos de casamento que elas nunca mais vão usar na vida, enquanto os noivos preferem alugar ternos que eles facilmente poderiam usar de novo em diversas ocasiões futuras? De um ponto de vista estritamente econômico, o comportamento dos noivos e noivas parece contraintuitivo. Os economistas diriam simplesmente que “não faz sentido”. Indo fundo na pergunta de sua aluna, Frank acabou chegando a uma crítica importante: aqueles que estudam muita teoria econômica acabam se tornando péssimos interlocutores em situações reais da vida pessoal ou profissional. A Jennifer estava pensando fora da curva, como é a linguagem atual. Um homem encontrou um jovenzinho, um adolescente perdido, vagando pelos campos periféricos de Siquém e percebendo que ele não era dali; estava trajando uma capa muito bonita, várias cores e parecia querer avistar algo ou alguém. Se dirigindo a ele perguntou “O que Procuras?” José sabia o que estava procurando, e deveria haver sinais evidentes do que procurava, pois era um grupo de dez pessoas, apascentando um rebanho, que por sinal deveria ser enorme. No oriente normalmente um pastor sozinho cuida de centenas de cabeças. Certamente não seria difícil localizar algo dessa dimensão, todavia ele não estava conseguindo. Em nossa jornada da vida e a vida espiritual não pode ser dissociada disso, encontramos esse cenário diversas vezes; em alguma situação nós é que estamos à procura, desorientados, embora saibamos o que precisa ser encontrado. Em outras situações encontramos pessoas cruzando os nossos campos de ações e percebemos que estão no lugar errado, se é que estão procurando alguma coisa. Por mais estrando que parece, em certas ocasiões, a pergunta não é feita e tudo se limita a troca de olhares, olhares vagos, descompromissados e alheios ao drama do outro. Uns de nós não querem se comprometerem com a jornada de outros; alguns não estão fazendo nem o seu trabalho e porque se meteria na seara dos outros? Hoje, a minha pergunta fora da pergunta é: Quem se importa? Eu me importo? Você se importa? Deus se importa? Me lembro de Jesus saindo de Jericó e um cego lhe veio ao encontro clamando: “E ele, lançando de si a sua capa, levantou-se, e foi ter com Jesus. E Jesus, falando, disse-lhe: Que queres que te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu tenha vista. E Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvo” (Mc 10.50-52). Jesus perguntou porque se importava, se interessava, ainda que muitos dos seus seguidores não se importaram e até tentaram silenciar e impedi-lo de chegar ao Mestre. Tenha horas que a gente pensa que muita coisa não mudou; o que tem de seguidor de Jesus mais dedicado a impedir e atrapalhar do em ajudar e facilitar o acesso das pessoas necessitadas ao amor e a graça de Deus. Por que Jesus perguntou o que ele queria? Não era óbvio que todo cego quer ver? Claro que não! Algum cego poderia dizer, cura não! Se eu for curado, não poderei pedir mais, terei que arrumar um trabalho! Cura não! Perderei meus benefícios previdenciários! Perderei o direito de prioritário! Perderei…. Se Deus mudar a minha vida para melhor, ficará pior! Assim tá ruim, mas tá bom, já me acostumei! Você já pensou na seriedade com que ora a Deus e até que ponto o seu caráter está envolvido em transformações verdadeiras? De fata, você sabe o que procura? Sabia que mais cedo ou mais tarde, um homem vai te encontrar e fazer a pergunta: “O que procuras?” Durante a escrita me veio ao coração uma canção antiga dos anos setenta, de Ozéias de Paula, que falava sobre “Ninguém se importa;” vou deixar o link, pode ser edificante ou ajudar em alguma coisa. https://youtu.be/wbmWDvToJY0

Senhor, Deus e Pai, de eternas misericórdias e bondades, agradecemos a oportunidade e o privilégio de estarmos à procura de alguma coisa, e o teu Espírito Santo sabe de todas as coisas, incluindo a sinceridade da nossa busca. Quando o Senhor nos encontra desorientados e perdidos e faz a pergunta chave, nem sempre sabemos responder de pronto, o que de fato estamos buscando. Trata oh! Senhor em boa medida com a nossa condição e guia-nos para encontros verdadeiros e transformadores, por tua bondade. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s