José Recusou

Meditação do dia: 09/08/2020

Porém ele recusou, e disse à mulher do seu senhor: Eis que o meu senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem;(Gn 39.8)

José Recusou – Isoladamente a palavra recusar, nos remete mais a um sentido  negativo do que positivo. Então precisa-se atentar para o contexto e então aplicar devidamente o seu sentido. Recusar a fazer o mal é uma coisa boa; assim como  recusar a fazer o bem é uma coisa ruim; em geral quando se recusa algo, o faz em detrimento de uma outra escolha. José estava servindo bem ao seu senhor e feliz com as suas realizações, quando surge um cenário novo que poderia por tudo a perder. Na dramaturgia clássica, Shakespeare descreve o desespero do Rei Ricardo III que ao perder o seu cavalo em meio a batalha, grita desesperado: “Meu reino por um cavalo!” bem antes disso, José se viu encrencado com uma mulher poderosa que lhe assediou e ele sabia que aquilo era errado, moralmente e pecado diante de Deus e de seu senhor que lhe devotava toda a confiança, sobre tudo o que possuía, ciente de que seu servo sabia a diferença entre “as coisas” e a pessoa de sua esposa. Ele não arriscou o seu reino por uma mulher! E nem era a mulher dele! Quando José recusou, ele estava fazendo uma escolha, pois sua atitude poderia render-lhe outras formas de provações, mas fazer uma nova escolha, seria muito mais viável do que não fazer escolha nenhuma e aceitar a escolha dela para ele, que de fato seria o seu fim. Isso era uma cilada de qualquer forma. Certa vez os adversário de Jesus armaram para ele uma cilada, na qual dificilmente ele escaparia de se incriminar, pensavam eles; trouxeram uma mulher flagrada em imoralidade e apresentaram a Jesus com uma acusação aparente e uma velada, de forma que atendendo a uma teria que deslizar na outra e assim seria apanhado. Ele quebraria a lei dos judeus, a tradição sagrada, ou quebrava a autoridade da lei romana e com isso incorreria em delito de qualquer forma. “E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra” (Jo 8.4-6). A sabedoria divina colocada em evidencia, fez a transferência do julgamento da mulher que eles atribuíam a Jesus, ele o passou para cada um deles. Já que todos eles sabiam o que a Lei de Moisés prescrevia, sabiam o que a lei civil romana prescrevia; assim eles poderiam fazer o trabalho com base numa autoavaliação pessoal de sua própria justiça. A recusa de José, em fazer a escolha mais simples, mais óbvia e que até lhe daria a possibilidade de apresentar desculpas esfarrapadas de sua conduta, esquivando-se das responsabilidades, alegando coação, chantagem emocional, ameaças e tantas outras. Optou por aquela que a mulher pensava que seria a improvável, pois ele incorreria em testemunhar contra ela, palavra de servo contra a palavra da senhora, com provas materiais a favor dela. José estaria morto, e para evitar a morte, as pessoas fazem “qualquer” coisa. O que aquela mulher não sabia era que José já estava morto à muito tempo. Ele não tinha mais vida própria, reputação ou direitos a defender. Nas palavra de Paulo, “Porque aquele que está morto está justificado do pecado” (Rm 6.7). Uma coisa que não pode acontecer com quem está morto, é morrer. E a fé cristã lida muito bem com a difícil arte de morrer.  O escritor aos Hebreus trata desse tema com muita maestria. E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão (Hb 2.14,15). O império das trevas lançava mão do medo humano da morte, para mantê-los cativos e em servidão terrível. Jesus acabou com a festa deles, assumindo a vitória sobre a morte em todas as suas formas. Os ensinamentos paulinos estão repletos desse conceito libertador. “Porque eu, pela lei, estou morto para a lei, para viver para Deus. Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl  2.19,20). Escrevendo aos Filipenses, estando preso na masmorra do Palácio de César, ele declarou com muita convicção: “Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho” (Fp 1.20,21). Sabe, amados, estar vivo é um perigo! Quanto mais morto, melhor!

Senhor, obrigado por dar a sua vida em resgate da nossa e assim nos libertar do império das trevas e nos trazer para o Reino do filho do seu amor. Nossa vida está muito bem segura e protegida em tuas mãos, e vivendo pela fé, participantes da morte e ressurreição de Cristo, somos agraciados com a libertação do medo e do cativeiro que isso trás, e mantém as pessoas presas a uma vida medíocre e longe da graça e da vida abundante. Pedimos sabedoria e revelação da tua graça para compreensão verdadeira dos teus propósitos para cada um de nós. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s