O Que Eu Fiz Ou Não Fiz?

Meditação do dia: 14/09/2020

 “Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova.(Gn 40.1

O Que Fiz ou Não Fiz? – Essa é provavelmente uma pergunta que facilmente entraria para quaisquer Top 5. Entre as mais perguntadas em todo tempo e lugar, “O que foi que fiz ou não fiz?” apareceria em quaisquer pesquisas. Desde alegação de completa ignorância dos fatos até as maiores dissimulações já vistas, as pessoas fazem aos outros e a si mesmos essa pergunta. As vezes até denunciando culpa, um olhar é suficiente para alguém balançar os ombros, ou acenar com as palmas das mãos voltadas para cima e um interrogação expressiva no olhar: “O que foi que fiz dessa vez?” José alegava inocência  e de fato era inocente. Mas sua condição ali e nas circunstancias que estava passando não tinha nada à ver com culpa, condenação, colheita de coisas erradas semeadas ou sendo disciplinado por conduta. José estava ali sendo treinado e capacitado, para exercitar sua fé no Altíssimo, o Todo-Poderoso Deus de seu pai Jacó e de seus avós Isaque e Abraão. A fé é multifacetada e grandes pessoas para as quais estão reservadas tarefas distintas e importantes precisam ser experimentados nos mais diversos aspectos da confiança em Deus. Deixe-me exemplificar: Há pessoas que jamais vacilaram na fé em relação à sua experiencia de conversão a Cristo. Mas essas mesmas pessoas, não conseguem descansar no cuidado de Deus para suas necessidades diárias, vivem em constante ansiedade e preocupação. Há pessoas que confiam plenamente na capacidade divina de cuidar delas, mas não conseguem consagrar-se inteiramente para exercer ministério. Conheço um pastor, já bem idoso, com um ministério extraordinário de evangelizar individualmente e plantar igrejas, são dezenas ou centenas e ele não perde uma sequer oportunidade até hoje; mas já me disse que nunca teve fé para viver no ministério de tempo integral; sempre exerceu uma função profissional até se aposentar. Conheço pastores que realizaram enormes trabalhos e no fim da carreira, não conseguem confiar que Deus cuidará da igreja e colocará um líder segundo o seu propósito; eles armas e articulam transições ministeriais por conta própria, e normalmente não tem a bênção e a aprovação de Deus. Uma pena, mas Deus trabalha em nossas vidas para corrigir essas deficiências e aprendermos a confiar mesmo quando não temos nenhuma pista, como era o caso de José; só mais tarde ele pegou o fio da meada e reconheceu os caminhos de Deus em sua vida desde o começo. Um litígio entre Jacó e seu irmão Esaú, tio de José, muitos anos depois um profeta fala dos propósitos eternos e de como Deus lida com certas coisas que conhecemos só pela história. ““Eu sempre amei vocês”, diz o Senhor. Mas vocês perguntam: “De que maneira nos amou?”. E o Senhor responde: “Eu sempre amei vocês”, diz o Senhor. Mas vocês perguntam: “De que maneira nos amou?”. E o Senhor responde: “Foi desta maneira: amei seu antepassado Jacó, mas rejeitei o irmão dele, Esaú, e devastei sua região montanhosa. Transformei a propriedade de Esaú num deserto para chacais(Ml 1.2,3 NVT). Escrevendo aos Romanos, o Apóstolo São explicou essa passagem nos seguintes termos: Esse fato não é único. Também Rebeca ficou grávida de nosso antepassado Isaque e deu à luz gêmeos. Antes de eles nascerem, porém, antes mesmo de terem feito qualquer coisa boa ou má, ela recebeu uma mensagem de Deus. (Essa mensagem mostra que Deus escolhe as pessoas conforme os propósitos dele e as chama sem levar em conta as obras que praticam.) Foi dito a Rebeca: Seu filho mais velho servirá a seu filho mais novo. Nas palavras das Escrituras: Amei Jacó, mas rejeitei Esaú. Estamos dizendo, então, que Deus foi injusto? Claro que não! Pois Deus disse a Moisés: Terei misericórdia de quem eu quiser, e mostrarei compaixão a quem eu quiser. Portanto, a misericórdia depende apenas de Deus, e não de nosso desejo nem de nossos esforços(Rm 9.10-16). Oremos por discernimento para vivermos a vontade de Deus, sem um questionar de dúvidas e incredulidade. Mas uma fé confiante de que confiamos em quem está no controle.

Pai, obrigado por tua sabedoria e graça, disponível a cada de seus filhos em Cristo Jesus, avivado pelo poder do Espírito Santo para vivermos o melhor do Senhor todos os dias e em todas as áreas de nosso viver. Te agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s