Esqueçam Aquela Fartura

Meditação do dia: 26/10/2020

E depois deles levantar-se-ão sete anos de fome, e toda aquela fartura será esquecida na terra do Egito, e a fome consumirá a terra;(Gn 41.30)

Esqueçam Aquela Fartura – Tudo que existe não é tudo o que eu sei. Tudo que eu sei, não é tudo que existe. Em palavras mais simples: “Ninguém é dono da verdade!” consciente da nossa limitação, abre-se as portas para a aprendizagem e nessa postura, conhecimento é poder. Quanto mais a pessoa conhece, maiores são as suas possibilidades. O que fica para refletir são questões interiores das pessoas, como ética e caráter, que são valores não materiais, mas que exercem um grande papel nas relações com os semelhantes. Os recursos abundantes ou escassos são colocados à disposição do bem comum, mas já é de comum acordo nos mundos mercantilizados, que “não existem almoços grátis, tudo tem um preço.” Viver em sociedade exige-se uma mutualidade de compromissos e contribuições e nessas experiencias surgem as oportunidades de se ver reveladas as intenções íntimas de certos indivíduos, que geram influencias nos seus pares. Do que seria espaço de compartilhar, aparecem a exploração indevida e gananciosa, gerando oportunidades desiguais, dificuldades e barreiras que vão extratificando as massas. Logo aparecem os iguais e os mais iguais; os que choram e os que vendem lenços! Lendo as linhas e as entrelinhas dos serviços prestados por José à Faraó e ao Egito, encontramos um fenômeno, digo de ser estudo por alguém que queria defender uma boa tese de economia e o Administração Pública. Vou dar uns insights: Após sete anos de Fartura e boa administração, foram recolhidas quantidades tão grande de mantimentos, que se perdeu a capacidade de contabilizar; estoques mais do que suficientes para o país atravessar o período de fome e escassez. O que o estado fez, através de José, as pessoas e famílias não fizeram como iniciativa privada e assim que vieram os anos de escassez, José foi comprando toda a iniciativa privada, exceto a terra de Gósen doadas aos hebreus e sustentados pelo tesouro público (José); e as propriedades dos sacerdotes que eram mantidos pelo estado. Tudo, terras, bens, animais e até as vidas humanas foram todas compradas em troca de comida, na terra do Egito e regiões vizinhas, como Canaã. Tudo se tornou de Faraó de fato e de direito e todos se tornaram servos e trabalhando para ele sob regime de arrendamentos. A fome lambeu tudo que todos tinham e foram servir sob um regime totalitário importo por sugestão de José ao Faraó. Quando os Israelitas saíram nos dias de Moisés, os Egípcios já eram novamente um povo rico e abastado, pelo que se pode ver, pela forma como os israelitas foram indenizados de livre e espontânea pressão, com bens e riquezas de toda espécie que pode ser vista pela ofertas voluntária levantada por Moisés para construir o tabernáculo. O povo de Deus sempre passou por experiencias dos ciclos de tempos que sobrevém a todos. Essas experiencias servem para reavaliar os recursos, as escalas de valores e o compromisso de unidade em torno de uma causa maior do que de si mesmos. Encontramos na legislação mosaica, princípios que deveriam servir para proteger que explorassem os compatriotas e manter a livre iniciativa de prosperidade. Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao pobre que está contigo, não te haverás com ele como um usurário; não lhe imporeis usura. Se tomares em penhor a roupa do teu próximo, lho restituirás antes do pôr do sol (Ex 22.25,26). Encontramos também as violações desses princípios e suas consequências sociais e espirituais.  Foi, porém, grande o clamor do povo e de suas mulheres, contra os judeus, seus irmãos. Porque havia quem dizia: Nós, nossos filhos e nossas filhas, somos muitos; então tomemos trigo, para que comamos e vivamos. Também havia quem dizia: As nossas terras, as nossas vinhas e as nossas casas empenhamos, para tomarmos trigo nesta fome. Também havia quem dizia: Tomamos emprestado dinheiro até para o tributo do rei, sobre as nossas terras e as nossas vinhas. Agora, pois, a nossa carne é como a carne de nossos irmãos, e nossos filhos como seus filhos; e eis que sujeitamos nossos filhos e nossas filhas para serem servos; e até algumas de nossas filhas são tão sujeitas, que já não estão no poder de nossas mãos; e outros têm as nossas terras e as nossas vinhas. Ouvindo eu, pois, o seu clamor, e estas palavras, muito me indignei (Ne 5.1-6). Crises de uns são oportunidades de outros. Não havendo caráter transformado e  temor de Deus, o medo e a ganancia alimentam o mercado e generosidade é substituída pela opressão e a famigerada obsessão por lucros. É uma transferência de riquezas injusta e iníqua. Boa administração e evitar dívidas desnecessárias e para coisas fúteis é a porta da bênção da prosperidade material e financeira. Quem deve é servo do devedor. (Pv 22.7), então dever não é uma boa coisa!

Senhor, a tua palavra diz que fomos chamados para a liberdade em Cristo Jesus e para não mais nos colocarmos sob jugo de servidão. A Tua Palavra instrui como sermos bons administradores e evitarmos dívidas desnecessárias para que a liberdade do nosso testemunho de sermos servos unicamente de Deus e dependermos de ti para nossa fonte de provisão e assim anunciarmos as boas novas de um Deus Todo-Poderoso, que é mais do suficiente para cuidar de todos nós e das nossas necessidades. Jesus é tudo e muito mais do que necessitamos. Podemos ser gratos e confiantes que aquele que é o nosso pastor não deixará que nada venha nos faltar. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s