José, o Adivinhão

Meditação do dia: 26/03/2021

Não é este o copo em que bebe meu senhor e pelo qual bem adivinha? Procedestes mal no que fizestes.(Gn 44.5)

José o Adivinhão – A arte da mágica é uma capacidade de produzir uma ilusão no espectador, o que ele está presenciando é real, mas longe de ser fato. Quanto mais elaborada a apresentação, melhor. Isso encanta as pessoas e mesmo sabendo que não é real, não deixa de ser maravilhoso. Alguns truques são habilidades treinadas com as mãos e elementos auxiliares; outras os componentes estão no cenário preparado com antecedencia fora dos olhos curiosos. As luzes, ou falta delas, os sons e as distrações criadas para as pessoas focaram no que lhes é indicado e não no que está de fato acontecendo, também ajuda. Aqui cabe a máxima de que a ignorância é uma bênção, pois quanto mais distante da verdade, mais fácil se torna a ilusão criada. Outra coisa que está presente também são as informações privilegiadas ou habilidades de captá-las. O que tornou o detetive Sherlock Holmes um fenômeno, era o bom uso de seus muitos conhecimentos e uma mente brilhante. (Claro que ele é um personagem de ficção da literatura inglesa criado pelo médico e escritor Sir Arthur Conan Doyle). Num episódio mais atual do seriado, Maria, a esposa de Watson foge largando tudo e todos e viaja de moto, trem, avião navio, barco, bicicleta, carona e à pé, atravessando continentes até chegar a uma cidade de cultura em algum pais islâmico distante. Ao entrar no quarto do hotel, lá estavam Sherlock e Watson esperando por ela. Ela exigiu explicações de como fora localizada; e o detetive fez uma longa exposição de técnicas usadas, cruzamentos de dados, algoritmos cruzados e etc e tal. Ela disse que ainda era impossível! Ele então sorriu e confessou que apenas colocara uma escuta no celular dela. O que para ela era um mistério, na verdade não o era para ninguém, era apenas informação privilegiada. Estou fazendo um papel de “Mister M” genérico, apenas para facilitar minhas pretensões de discorrer o tema da meditação de hoje. Para que alguns de espiritualidade mais à flor da pele e radicais xiitas gospels, não entendam que acredito ou defendo métodos pagãos preditivos, como adivinhação, premonições e outras coisas do ramo. Muito menos que estou ensinando que José adivinhava. Permita-me fazer um parêntese aqui, para dizer que as fontes convencionais de se adquirir informações e conhecimentos entre os seres humanos são básicos: Estudos, pesquisas, experiencias, observações e transferencias de conhecimentos. Isso é lógico, racional e empírico. Fora do convencional, entra o espiritual (bom e ruim); a fé e cultura de raízes ética e moral judaico-cristã, admitem duas fontes, Deus e o Mal, cada um com seus muitos meios. Os dons os dons espirituais por exemplo são fontes de se adquirir conhecimentos e informações além da capacidade humana ou de seus recursos. Não vou aqui entrar na discussão sobre se o outro lado, (lado negro da luz de Star Wars), realmente acessam e transmitem conhecimentos espirituais e sobrenaturais. O certo é que Deus não dá ordens absurdos e não proibiria seu povo fazerem algo que na verdade não existe. Porque colocar uma placa de advertência de “curva perigosa,” numa reta? Entendo que a proibição seja devido a origem delas e a impossibilidade de aferição da verdade, o que abre a porta para a operação do erro. “Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o Senhor vosso Deus” (Lv 19.31). José estava se valendo do conhecimento e das informações privilegiadas que tinha em relação aos seus irmãos, porque eles não sabiam (ignorância) que ele era José, o seu irmão. isso conferiu a ele um poder que era deslumbrante para eles que estavam impressionados sobre como ele sabia tantas coisas sobre eles sem nunca terem se visto. Assim qualquer coisa que ele demonstrasse teria um peso e uma força sobre eles. Então o servo dele aparece com essa “lorota” que aquele ele era o copo particular que levava seu senhor a adivinhar. Como eu e você e os leitores da Bíblia temos conhecimentos dessa história em andamento que pela narrativa, nem José e nem seus irmãos sabiam, porque estamos acompanhando “em tempo real,” vendo o todo enquanto eles estão restritos a seu tempo e lugar, assim nós também temos informações privilegiadas. Isso não é mágica e nem somos adivinhos. Quando a fé nos ordena confiar em Deus e em suas promessas, evitando a ansiedade, nos leva a andar pela fé, ou seja, eu não sei o que me espera amanhã ou mesmo daqui à pouco, mas eu sei que alguém mais poderoso do eu, mais generoso e cuidador está no controle. Nesse caso, nossa informação privilegiada é a capacidade de Deus de cuidar de nós e honrar sua Palavra. Deus existe, Ele me ama, isso me basta!

Senhor Deus e Pai, graças te damos por não conhecemos muita coisa além dos limites de nossa experiencia, mas a nossa fé nos leva a dar passos firmados na tua graça e promessas e elas são muito firmes para nós. Somos conscientes de tua presença pela fé, porque a tua Palavra diz que estás conosco e estás no controle e governo de todas as coisas. Ainda quando não podemos entender, podemos crer e confiar que tudo irá bem. Em Jesus estão escondidos todos os tesouros do conhecimento e da sabedoria e Jesus nos pertence e nós pertencemos a ele pela redenção efetuada na cruz. Obrigado por tudo, sempre, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s