Os Pensamentos

Meditação do dia: 17/11/2021

“O qual disse: Quem te tem posto a ti por maioral e juiz sobre nós? Pensas matar-me, como mataste o egípcio? Então temeu Moisés, e disse: Certamente este negócio foi descoberto.” (Êx 2.14)

Os Pensamentos – Uma das principais características dos pensamentos é que eles são particulares, privados. Meus pensamentos são meus! Seus pensamentos são seus! A teoria da democracia com liberdade de expressão reza que as pessoas tem o livre direito de pensar e expressar seus pensamentos. Na verdade, isso deveria ser como originalmente foi ordenado por Deus na criação. O ser humano é inteligente, competente, criativo e empreendedor, tal qual sua origem, que é o próprio Deus. Liberdade faz parte dos valores de Deus para sua criação e até hoje temos o direito de escolhas e a isso dão-se os mais variados nomes e valores. Na Nova Aliança, onde os benefícios da redenção ficaram franqueados pela fé em Cristo, as multiformes manifestações da graça de Deus se expressam como privilégios, que por si mesmas traz as responsabilidades. Assim, as Escrituras dão um importante destaque ao que a mente e os pensamentos ocupam na experiencia dos cristãos adoradores. Paulo, escrevendo aos romanos, fala sobre a renovação da mente: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.1,2 ARA). A ênfase é disciplinar o corpo e renovar a mente. Pedro, em suas cartas universais também versou sobre o tema dos pensamentos e da mente: “Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo” (1 Pe 1.13). Cingir aqui tem o sentido de prender, manter sob controle, não deixar fugir ou escapar; assim como utilizamos um cinto para ajustar as vestes e manter firme no devido lugar. Pensando no texto da meditação de hoje, Moisés foi confrontado por um hebreu briguento a quem ele tentava ajudar e não permitir que ele ferisse mais o outro homem. Agressivo e com a cabeça quente ele enfrentou a Moises é na linguagem policial dos nossos dias, ele “enquadrou” Moisés direitinho. Ele argumentou se por acaso Moisés estava pensando em matar novamente e ele seria a sua próxima vítima! Permitam-me fazer um exercício de raciocínio e criar a cena: Moisés estava querendo ajudar – sua mente estava voltado para gerar confiança e boa vontade ao frequentar aquele reduto. Aquele homem entendia a ação como uma intromissão indevida e inoportuna de alguém que não tinha nada à ver com aquilo e com aquelas pessoas. Para prevalecer ele criou uma situação na mente de Moisés ao perguntar se de fato, Moisés tinha a intenção violenta de matar novamente, como fizera com o egípcio no dia anterior? Com poucas palavras ele bagunçou a mente e as emoções de Moisés, pois este não estava pensando em violência e muito menos tinha intenção de violentar ninguém; pelo contrário, pretendia ajudar. Nessas circunstancias, a mente humana age muito rápida parametrizando soluções aos milhares por segundos. Agora a cabeça de Moisés tinhas muitas indagações: Como ele sabe? Mais alguém sabe? Quem? Quantos? Como usarão essas informações? Como isso chegará ao Palácio? Como fico eu? Vocês se recordam da cena descrita por Mateus, quando confrontaram Jesus sobre uma mulher flagrada em adultério e queriam o exercício dos rigores da Lei (de Moisés, por acaso). Jesus fez uso de um modo prático de leva-los ao exercício dos pensamentos  na vida prática com aplicação imediata: “E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela” (Jo 8.7). Todos começaram a pensar e tirar conclusões e entenderam que não estavam aptos a atirarem a primeira pedra. Vejam a importância da reflexão saudável em momentos de decisões importantes; aqui era um caso de vida e morte: Prevaleceu a vida. Depois de ler até aqui, em que você está pensando?

Senhor obrigado por cuidar de nossas vidas e nos permitir participar de grandes decisões que podem abençoar pessoas e famílias e construir o teu reino. Obrigado por nos permitir renovar nossa mente e promover saúde mental e emocional, nos habilitando a servir com qualidade. Agradecemos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s