Orai Por Mim

Meditação do dia: 27/07/2022

“Então disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; somente que, indo, não vades longe; orai também por mim.” (Ex 8.28)

Orai Por Mim – Para nós cristãos, pedir ajuda em oração é algo muito comum. É recomendado que compartilhemos uns com os outros na igreja sobre as nossas necessidades. Temos entre nós, pessoas com dons e ministérios de oração e intercessão, o que é uma verdadeira bênção para todo o Corpo de Cristo. Contudo, encontramos versões de pedidos de oração que são mera formalidade, uma vez que as pessoas que fazem tais pedidos não acreditam em Deus ou no seu poder de agir; outros até são frontalmente contrários a Deus e à fé cristã, mas em algumas circunstancias quando lhes é conveniente ou para ficarem bem na fita, o chamado politicamente correto, eles fazem essas afirmações, que todavia não condiz com o todo da vida. Não significa que quanto alguém estranho à nossa fé, pede orações, significa que ela não creia ou não possa estar sendo sincera. Acreditamos que todas as coisas e todas as pessoas foram criadas por Deus e são objetos do seu amor; por escolhas pessoais ou  alheias a isso, muito gente está vivendo longe dos propósitos do Senhor; então o testemunho dos servos de Deus é de fundamental importância para esse conhecimento se torne acessível a todos e assim a perfeita vontade de Deus se estabeleça. “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pe 3.9). Nas palavra de Paulo à Timóteo, Deus quer que todos sejam salvos por adquirirem o conhecimento espiritual necessário. “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2.3,4). Encontramos, além de Faraó, fazendo esse pedido de oração, mas com um coração ainda impenitente e endurecido, quando na verdade não queria a bênção do Deus dos hebreus, o que de fato ele queria era alívio das pragas e tempo para resistir ainda mais à vontade de Deus. Encontramos por exemplo, O rei Dario, na época da reconstrução do templo e da nação de Israel, favoreceu-os com leis e decretos e ainda pediu orações. “Para que ofereçam sacrifícios de cheiro suave ao Deus dos céus, e orem pela vida do rei e de seus filhos” (Ed 6.10). Nos Dias de José, no mesmo Egito, quando Jacó chegou para viver ali, ele abençoou o Faraó, que já era abençoado pela presença de José no governo. “E trouxe José a Jacó, seu pai, e o apresentou a Faraó; e Jacó abençoou a Faraó. E Jacó abençoou a Faraó, e saiu da sua presença.” (Gn 47.7,10).  Nunca deixemos de orar pelas autoridades e governantes, quer sejam tementes a Deus ou não. O bom trabalho deles nos abençoa e facilita nossa vida e ministério. O mal desempenho deles, produz sofrimento e dor especialmente aos menos favorecidos. Orar é bom, fácil e não custa nada a nós. “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade” (1 Tm 1,2).

Senhor Deus e Pai, oramos a ti, com louvor e gratidão pelas nossas autoridades legitimamente constituídas e as abençoamos no nome do Senhor Jesus, para que tenham dias felizes e senso de justiça e equidade ao exercerem suas funções de governo e liderança. Todas elas foram constituídas por ti e representam a tua autoridade e reconhecemos e respeitamos. Oramos para suas vidas e famílias sejam abençoadas, saudáveis e equilibradas, andando no temor do Senhor. Oramos também pelos teus servos que estão colocados em posições estratégicas em postos de liderança e autoridade, para que os teus propósitos sejam estabelecidos e o mal seja freado e inibido pelo exercício da justiça e da verdade. Que o testemunho dos teus filhos colocados por ti nestes lugares e nestes templos sejam o sal e a luz que ali necessita. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Não Vá Muito Longe

Meditação do dia: 26/07/2022

“Então disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; somente que, indo, não vades longe; orai também por mim.” (Ex 8.28)

Não Vá Muito Longe – Quando alguém precisa de uma grana extra e vai pedir um empréstimo ao banco, ela diz quanto precisa ou pretende pegar e o representante do banco diz quanto irá pagar de juros e taxas e quais as condições; ele concorda ou não pega! O banco faz as regras e pronto! “O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta” (Pv 22.7).Veja uma intromissão de Faraó, querendo regular aquilo que Deus determina, como se ele tivesse poder ou autoridade para se intrometer. Deus disse para os israelitas irem adorá-lo, no deserto, numa caminhada de três dias, e foi isso que Moisés comunicou ao Faraó, com o devido respeito, solicitando a permissão para  todos saírem para essa celebração a Deus. Faraó então a princípio resolve dar uma de chefão todo poderoso e não deixar ninguém ir e ainda agravou a condição de serviço e escravidão. Quando as pragas lhe sobrevieram e ele se viu pressionado por forças além de sua compreensão, resolveu se intrometer, deixando, mas dentro de suas condições. Faraó é uma figura do mal, do governo do mundo e das forças do mal, contrárias a Deus e ao seu povo. Eles querem regular a adoração a Deus, quem dizer quando, onde e como se pode servir a Deus e insistem em que façamos do jeito deles. Aqui ele diz que vai deixar, até pede orações em seu favor, MAS… não vá muito longe; isto é, não saia da minha vista e nem da minha influencia. O culto é para o Deus de vocês, o serviço é de vocês e a fé será fortalecida, mas as regras são minhas. Isso é o que o mundo quer! Isso é o que a oposição deseja, que tenhamos nosso relacionamento com Deus, mas do jeito deles e sob as condições que eles querem ou aceitam. Não! Servimos ao Deus único e verdadeiro, o Criador de todas as coisas e que as sustenta pela palavra do seu poder. Não ceda ao desejos e ofertas do mundo. O retiro é nosso, a fé é nossa, e a forma como servimos a Deus é a que ele estabelece. A Bíblia é a nossa regra de fé e prática, sempre. Não somos fanáticos, não somos extremistas e não praticamos nada que contrarie as boas normas de conduta e bem-estar da sociedade e das pessoas envolvidas. Amamos a vida e valorizamos as pessoas. Nada em nossas liturgias oferece perigo ou risco para a segurança das pessoas. Vamos longe, vamos fundo e vamos alto, bem alto, para glória de Deus!

Senhor, nos submetemos a ti como autoridade máxima em termos de fé e prática e só o Senhor é digno de receber a nossa adoração. Nosso culto é para a tua honra e glória. Em nome de Jesus, amém.

Caminho de Tres Dias

Meditação do dia: 25/07/2022

“Deixa-nos ir caminho de três dias ao deserto, para que sacrifiquemos ao Senhor nosso Deus, como ele nos disser.” (Ex 8.27)

Caminho de Três Dias – Sempre que penso em caminhar e fazer a ligação entre tempo e distancia, me volto para os tempos de seminário. Do Campus da Missão Betania até à cidade de Altónia eram 4.5 km de distancia. Quando não conseguíamos uma carona, então íamos a pé mesmo, ou voltávamos. Isso era uma caminhada de uma hora. A pista era asfaltada e ainda que o acostamento nem sempre existia, mas dava para caminhar em ritimo constante. Por isso, sempre faço as conexões para ter uma noção de que distancia seria as caminhadas descritas na bíblia. Andar três dias no deserto não é a mesma coisa que andar às margens de uma rodovia pavimentada, que dá para andar percorrer entre quarenta e cinquenta quilômetros em um dia. Lá no deserto, as condições eram outras, em muitos sentidos. Era para ser feito por homens, mulheres e crianças e levando animais para o sacrifício; dificilmente eles andariam mais que vinte quilômetros em um dia. Mas, aqui, o que nos interessa, não é a questão da distancia ou do tempo gasto na jornada, mas a jornada em si. Estamos falando de uma peregrinação com objetivos espirituais, onde a fé estaria sendo colocada à prova; a experiencia da pessoa seria testada e medida. Ela teria que dar explicações aos filhos e aos mais novos nunca haviam participado de algo assim, e não seria difícil encontrar alguém que entendesse, que isso poderia ser feito ali mesmo, assim que saíssem dos arredores da cidade; por que ir tão longe? Ou porque entrar deserto à dentro? Quanto mais se entra, maiores são os riscos de acidente, perigos de animais selvagens, salteadores, ou mesmo alguém se acidentar; e o risco de se perder? O calor escaldante de dia e o frio à noite? Precisa passar por tudo isso, para servir a Deus? Já compartilhei com vocês em outras meditações, aquele princípio espiritual que o rei Davi afirmou num momento de muita dificuldade. “Porém o rei disse a Araúna: Não, mas por preço justo to comprarei, porque não oferecerei ao Senhor meu Deus holocaustos que não me custem nada. Assim Davi comprou a eira e os bois por cinqüenta siclos de prata. E edificou ali Davi ao Senhor um altar, e ofereceu holocaustos, e ofertas pacíficas. Assim o Senhor se aplacou para com a terra e cessou aquele castigo de sobre Israel” (2 Sm 24.24,25). Sacrifício, ou culto que não tem custo, também não tem valor! Pensemos bem sobre nossas experiencias de servir a Deus.

Pai, obrigado por demonstrar na prática, ao dar seu filho único para ser sacrificado em meu lugar e o quanto isso lhe custou. Agradeço ao Senhor Jesus, por dar a sua vida por mim e reconheço o preço que pagaste por minha vida; ao Espírito Santo, agradeço por vir morar em mim e me guiar à verdade de Deus, do quanto ele me amou e abriu mão, para me ter em sua companhia e comunhão. Nada que eu possa fazer, será grande, muito ou suficiente; só pela fé para agradar ao Senhor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Cultos Abomináveis

Meditação do dia: 24/07/2022

“E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor nosso Deus a abominação dos egípcios; eis que se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles?” (Ex 8.26)

Cultos Abomináveis – Não é só povos estranhos à fé bíblica que praticam cultos e rituais que desagradam a Deus. Ainda estejamos escrevendo meditações bíblicas, com a finalidade de promover a edificação espiritual dos filhos e servos de Deus, que compartilham juntamente uma fé evangélica e fundamentado na Bíblia Sagrada, que nos omitiremos de “cortar na própria carne” – isto é, fazer autocrítica sobre erros e práticas que desagradam a Deus e algumas delas são realmente abomináveis diante do Senhor. O propósito é refletir sobre fazer o que é certo, de modo que Deus se agrade e receba o nosso culto e nos favoreça, e assim estaremos testemunhando do nosso relacionamento real e íntimo que temos e que todos podem ter. O que mais desagrada a Deus, normalmente está relacionado a atitudes na vida que não são boas e justas e quando o coração  está em franca rebeldia aos ensinos dele. Isaías descreve no primeiro capítulo de seu livro, que há muitas práticas, que foram elaboradas, regulamentadas e exigidas por Deus em sua palavra, mas que o povo corrompeu e as práticas de fé e os rituais se contaminaram. “De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer” (Is 1.11-14). Todas as cerimonias e rituais de culto estabelecidos no êxodo e recebidos por revelação por Moisés, mas se tornaram não aceitáveis diante do Senhor, pela atitude do coração e do comportamento deles. Transformaram atos de culto em rituais religiosos! Tiago no Novo Testamento falou sobre o que seria uma religião agradável a Deus. “A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.27). Basicamente duas coisas: Assistencia social piedosa e santidade de vida, sem copiar os moldes do mundo.

Senhor, queremos andar diante de ti com fé e determinação de santidade de vida e pureza de coração e intenção verdadeira de te agradar. Buscamos conformar os nossos corações as verdades da tua Palavra e pedimos a assistência do Espírito Santo para nos guiar no verdadeiro culto que agrada ao Senhor. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Inconveniencias

Meditação do dia: 23/07/2022

“E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor nosso Deus a abominação dos egípcios; eis que se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles?” (Ex 8.26)

Inconveniencias – Deus é digno da nossa adoração, do nosso louvor e isso deve ser feito conforme as suas instruções. A fé cristã aceita que adoração só pode ser tributada a Deus, o Deus verdadeiro, o Criador e Sustentador de todas as coisas. Jesus firmou essa verdade quando de sua tentação no deserto e foi abordado pelo Diabo para que o adorasse, em troca de benefícios. “Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Mt 4.10). Adoração só a Deus!!!! Outra verdade muito bem firmada no Novo Testamento foi ensinada por Jesus quando da conversa com a mulher samaritana na beira daquele poço em Sicar: “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.23,24). A cultura da adoração ao Senhor e os hábitos de culto e adoração dos egípcios eram muito diferentes, e algumas práticas dos hebreus eram consideradas abomináveis aos egípcios e sendo assim, eles como escravos não tinham permissão de praticarem esses rituais de culto e adoração. Por isso eles deveriam se distanciarem da população para servirem a Deus como requerido. Faraó tinha outras intenções e queria que fizessem tudo junto e misturado. Pode ser ignorância da parte dele, mas também é um princípio espiritual de confrontação e desobediência explícita ao que é ordenado por Deus. Somos instados também nos dias atuais a nos misturarmos, fazermos práticas místicas e copiar as modas que muitas vezes nem se sabe a origem e procedências. Nas palavras de Paulo: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma” (1 Co 6.12). Precisamos discernir quando algo não é conveniente em nossa adoração, louvor e serviço, afinal o Deus a quem servimos é santo, santo, santo.

Te louvamos Pai, Senhor Jesus e querido Espirito Santo, como Deus grande, verdadeiro e poderoso. A melhor maneira de te servir e te agradar é da forma como a tua Palavra nos instrui e como o teu Espírito nos guia na verdade. Não queremos fazer do nosso jeito e sim, sermos obedientes em fé. Agradecemos a sabedoria e o discernimento necessário para sermos verdadeiros adoradores. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Ide de Faraó à Moisés

Meditação do dia: 22/07/2022

“Então chamou Faraó a Moisés e a Arão, e disse: Ide, e sacrificai ao vosso Deus nesta terra.” (Ex 8.25)

O Ide de Faraó à Moisés – Moisés foi chamado por Faraó para receber uma proposta, mas não dá para esperar muito de alguém de coração duro e obstinado, como o rei do Egito. Acostumado a servir a deuses falsos, que não se movem, não vêem, não ouvem, nem podem agir, o rei queria equiparar o Deus dos hebreus na mesma escala. Ele pensava, como o seu povo também, que pelo fato do Senhor Deus, a quem os israelitas serviam, não ser representado por qualquer tipo de imagem, figura ou representação, como todos os demais, isso o colocaria num nível bem inferior a qualquer dos seus deuses, portanto ele não precisaria respeitar qualquer reivindicação dele. Quando se viu apertado pelas pragas e notificados por seus próprios assessores, ele reagiu como se fosse fazer um favor a esse Deus ou ao seu povo. A atitude de Faraó, é típica e própria dos pecadores impenitentes, irreverentes, que pensam que podem servir a Deus do seu próprio jeito. Eles se sentem o centro do universo e tudo deve orbitar ao redor deles; não aceitam serem contrariados ou confrontados. Em suas carnais compreensões supõem que qualquer coisa e de qualquer forma que eles se propuserem a fazer, Deus tem mais é que aceitar. Impiedade é impiedade e reverencia é reverencia! “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples” (Rm 16.17,18). Paulo advertiu a Timóteo para se precaver contra pessoas infiltradas que alegam uma falsa piedade, sem contudo terem eficácia na conduta de vida, a recomendação é que se fuja deste tipo de pessoas. Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te (2 Tm 3.5). Essa conversão repentina de Faraó ordenando a Moisés que fosse sacrificar, servir e adorar ao seu Deus, mas ali naquela terra, não onde Deus havia determinado; era na verdade uma tentativa de fazer do jeito dele. Não deu certo, Moisés não aceitou e estava certo em não aceitar, pois a intenção e as razões não eram puras. Para ele, Faraó, tanta faz como tanto fez, servir a Deus aqui, ali ou acolá, qual a diferença? Não é assim que as pessoas nos dizem constantemente? Para que irem tanto na igreja, porque tantas vezes na semana, por que isso, por que aquilo? Eles afirmam: “Eu acho que desse jeito está muito bom, tem gente que nem isso fazem!” Desejo fechar essa meditação com as palavras do Salmo 50, quando a verdade de Deus é apresentada sobre essa prática de tentar servir a Deus nos próprios termos, como se ele tivesse que aceitar sem ter alternativa: “Mas ao ímpio diz Deus: Que fazes tu em recitar os meus estatutos, e em tomar a minha aliança na tua boca? Visto que odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti. Quando vês o ladrão, consentes com ele, e tens a tua parte com adúlteros. Soltas a tua boca para o mal, e a tua língua compõe o engano. Assentas-te a falar contra teu irmão; falas mal contra o filho de tua mãe. Estas coisas tens feito, e eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te argüirei, e as porei por ordem diante dos teus olhos: Ouvi pois isto, vós que vos esqueceis de Deus; para que eu vos não faça em pedaços, sem haver quem vos livre. Aquele que oferece o sacrifício de louvor me glorificará; e àquele que bem ordena o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus” (Sl 50.16-23)

A nossa oração será: “Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade. Porque dirão os gentios: Onde está o seu Deus? Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam. Israel, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. Casa de Arão, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. Vós, os que temeis ao Senhor, confiai no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. O Senhor se lembrou de nós; ele nos abençoará; abençoará a casa de Israel; abençoará a casa de Arão. Abençoará os que temem ao Senhor, tanto pequenos como grandes. O Senhor vos aumentará cada vez mais, a vós e a vossos filhos. Sois benditos do Senhor, que fez os céus e a terra. Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens. Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio. Mas nós bendiremos ao Senhor, desde agora e para sempre. Louvai ao Senhor.” (Sl 115)

Pr Jason

O Senhor Fez Assim

Meditação do dia: 21/07/2022

“E o Senhor fez assim; e vieram grandes enxames de moscas à casa de Faraó e às casas dos seus servos, e sobre toda a terra do Egito; a terra foi corrompida destes enxames.” (Ex 8.24)

O Senhor Fez Assim – Certamente preservamos muito a nossa reputação diante do público. Somos instados a pensar bem antes de dizer ou fazer coisas; enfrentamos a tirania do “politicamente correto” e procuramos nos manter dentro das linhas da normalidade. Deus, graças a Deus é e está muito acima das nossas conveniências humanas e com certeza ela zela pela santidade do seu nome e deixa diretrizes para que os homens temam e reverenciem-no respeitosamente. “O filho honra o pai, e o servo o seu senhor; se eu sou pai, onde está a minha honra? E, se eu sou senhor, onde está o meu temor? diz o SENHOR dos Exércitos a vós, ó sacerdotes, que desprezais o meu nome. E vós dizeis: Em que nós temos desprezado o teu nome?” (Ml 1.6). Deus faz tudo o que faz sempre em santo amor e justiça, sem letrinhas miúdas no rodapé da página. Ele não precisa se justificar e nem dar satisfações a quem quer que seja. Seu caráter santo lhe permite lidar com críticas e dúvidas dos outros sobre ele, sem que isso lhe afete. Nem mesmo as acusações do mais renomado acusador, o diabo, são suficientes para lhe alterar os caminhos. Eu amo declarações bíblicas como aquelas no cântico que o Senhor ensinou a Moisés para que ensinasse aos filhos de Israel para servir de testemunho contra eles mesmo quando deixassem os caminhos de Deus e a disciplina os alcançasse. “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é” (Dt 32.4). Balaão, um profeta de caráter duvidoso, teve oportunidade de falar por Deus e recebeu revelações tão grandes e claras que nem ele poderia se omitir de viver a verdade. “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?” (Nm 23.19). Como ele disse a Faraó que faria no dia seguinte, com as pragas de moscas, caso ele não se arrependesse e liberasse os filhos de Israel para a festa e o serviço no deserto. Faraó pagou para ver, e viu! Isso é para nosso aprendizado e ganharmos maturidade espiritual e crescer em santidade de vida, para que a graça do Senhor opere a nosso favor como ele promete, e não contra nós em medidas disciplinares. É alentador saber que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, eu desejo crescer em sabedoria, e você?

Senhor, obrigado por nos amar e nos proteger com tua mão poderosa e fiel. Ficamos do lado da verdade e da justiça, sabendo que o Senhor é justo e reto em todas as suas decisões, assim, andando no temor do Senhor, somos abençoados, protegidos e crescemos na semelhança do teu amado filho, Jesus, nosso Senhor.  Oramos em nome dele, amém.

Pr Jason

Amanhã Se Fará Esse Sinal

Meditação do dia: 20/07/2022

E porei separação entre o meu povo e o teu povo; amanhã se fará este sinal. (Ex 8.23)

Amanhã Se Fará Esse Sinal – Postergação, é uma atitude muito usual entre os seres humanos, ao contrário da diligencia que é uma virtude, as pessoas gostando ou não, adotam mais o hábito de jogar para frente, empurrar para amanhã o que se pode ou se deve fazer hoje. Nos meus dias de seminarista, internado numa comunidade cristã, com grande parte da liderança sendo composta por americanos, que trabalhavam para imprimir nos alunos um caráter cristão compromissado com as boas práticas, éramos muito cobrados e a disciplina era rígida. Então tínhamos nossos momentos de picardia com eles; brincávamos dizendo que os gringos cultivavam o que diz o adágio popular: “Não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje.” A versão brasileira nossa lá era: “Deixe para amanhã o que se deve fazer hoje, quem sabe, não precisará ser feito!” Isso é muito Macunaímico! A sabedoria bíblica trabalha com a diligencia e condena a postergação: “Não deixes de fazer bem a quem o merece, estando em tuas mãos a capacidade de fazê-lo. Não digas ao teu próximo: Vai, e volta amanhã que to darei, se já o tens contigo” (Pv 3.27,28). Na Nova Aliança, Tiago foi nessa mesma linha de pensamento, orientando com uma palavra de exortação para que os cristãos utilizassem bem a sua fé para as boas práticas e socorressem as pessoas em necessidades, sem uma falsa espiritualidade. “E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e nào lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?” (Tg 2.15,16). Na proposta divina para Faraó, não era postergação, ou antecipar uma informação de juízo para aumentar a pressão e a ansiedade dele, sobre o que viria no dia seguinte. Na verdade, ele estava recebendo um tratamento de justiça e misericórdia, tendo tempo e oportunidade para se arrepender e voltar atrás na sua atitude de rebeldia e dureza de coração. O pecador sempre tem recebido de Deus oportunidade para optar pela mudança. Ninguém pe sentenciado e executado sem oportunidade de mudança. Por isso que pregamos o Evangelho aos moribundos e no leito da morte, nos momentos finais e os desafiamos a renunciar o pecado, confessar a Jesus como Senhor e Salvador e virarem o placar a ser favor ainda que na prorrogação. Aconselho a cristãos com pessoas em estado de coma, ou dificuldades de comunicação e consciência em hospitais, a exercerem a fé, falando de forma clara e concisa a mensagem de salvação, fazer o apelo e orar com ela pedindo que repita interiormente em fé, para que isso gera fé e a fé não falha! Se você pensa ou crê contrário isso, respeito e considero, mas já que é para exercer a fé, eu vou no que pode salvar uma vida.

Senhor, graças te damos pela vida eterna, que está disponível como uma porta aberta para que todo aquele que por ela passar seja salvo (Jo 10.9); as bênçãos que tens para nós hoje, elas chegam até nós por tua graça e bondade; assim como as disciplinas podem ser alteradas quando há arrependimento e conversão. Exercemos nossa fé, com base na tua graça salvadora, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus De Toda A Terra

Meditação do dia: 19/07/2022

“E naquele dia eu separarei a terra de Gósen, em que meu povo habita, que nela não haja enxames de moscas para que saibas que eu sou o Senhor no meio desta terra.” (Ex 8.22)

Deus De Toda A Terra – A medida que a civilização foi se desenvolvendo e estabelecendo-se em nações e reinos, também desenvolveram em muitos outros aspectos, como cultura, ciências e muitas se tornaram famosas por adquirirem grandes habilidades e conquistas e outras se notabilizaram por feitos peculiares a eles próprios. Os fenícios foram grandes navegadores e comerciantes da antiguidade. Os egípcios se notabilizaram por medicina, processos de embalsamamento e mumificação de corpos, matemática e engenharia, com construções monumentais. Os assírios foram grandes guerreiros; os gregos chegaram ao seu apogeu de cultura e nobreza na época em que Israel estava entrando em Canaã, para iniciarem a história de sua nação. Os caldeus já eram conhecidos por cultura, literatura e bibliotecas já nos tempos de Abraão. A Bíblia concentra sua narrativa na linhagem redentiva e assim seguimos por uma única linha, apenas observando conexões com outros povos quando acontecia uma interação com Israel. O fato de muitos desses povos tomarem caminhos da idolatria e afastamento de Deus, não significa que Deus desistiu deles ou que ele não era o Deus te todas as nações e todos os povos. Nessa praga que seria desferida contra Faraó e o Egito, foi lhe revelado por Moisés e Arão que o Deus criador, adorado pelos hebreus, separaria o território onde seus servos habitavam, para que ele soubesse que o Deus dos hebreus era também o Deus dessa terra do Egito e de todas as demais. Um dos grandes males da idolatria é que seus praticantes utilizam as bênçãos, os dons e as dádivas divinas, do Deus provedor, para servir seus falsos deuses e ídolos, ainda atribuindo a eles a origem dessas bênçãos. Hoje em dia uma clássica rejeição dos idólatras é acusar o Deus criador de exclusivista e radical, por não aceitar ser comparado, associado e repartir a sua glória com quem quer que seja. Mas isso é ponto pacífico para nós, os verdadeiros adoradores e testemunhas do nosso Deus. “Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura” (Is 42.8).

Senhor, tu és único e mereces toda a honra, a glória e o louvor. Somos o teu povo e testemunhamos da tua grandeza. Ninguém há como o Senhor nosso Deus, grande em poder e misericórdia; obrigado por providenciar a nossa redenção em Cristo Jesus e nos tornar participantes da tua natureza e nos tornar membros da tua família. Somos gratos e felizes por tudo isso. Em nome de Jesus, receba o nosso louvor e gratidão. Amém!

Pr Jason

Separação Com Propósito

Meditação do dia: 18/07/2022

“E naquele dia eu separarei a terra de Gósen, em que meu povo habita, que nela não haja enxames de moscas para que saibas que eu sou o Senhor no meio desta terra.” (Ex 8.22)

Separação Com Propósito – Deus não faz acepção de pessoas, isso é muito claro para todos em toda a extensão da Palavra de Deus, a Bíblia. “Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas” (Rm 2.11). Também é verdade que as escolhas das pessoas determinam o tipo de tratamento que elas recebem. “E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas; Mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo” (At 10.34,35). Os atributos divinos lhe permitem oferecer um relacionamento centrado no amor, justiça, bondade e misericórdia e graça, sem deixar de lado a disciplina e as correções quando necessário. Isso é aplicado a indivíduos, famílias, coletividades e povos e nações. Escolher servir e temer a Ele, ou resistir e ofender são escolhas que produzem resultados. Assim, no final das contas, haverá diferenças, mas causada pelas atitudes humanas. “Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve” (Ml 3.18). O que estamos vendo nesses embates no antigo Egito entre Deus e Faraó e seus asseclas é uma resistência deliberada contra a vontade revelado do Senhor; assim suas ações produzem reações de Deus. As pragas são medidas disciplinares e à medida que eles endurecem seus corações, elas aumentam suas intensidades. Desta vez é sugerido que a resistência deles será combatida com vigor e haverá separação entre os territórios egípcio e a região habitada pelos hebreus. A razão da separação é para evidenciar que não são pragas naturais, não são aleatórias e nem casuais, mas ações coordenadas por Deus para fins específicos. Seria um meio de Faraó perceber de fato, que eram as suas ações que produziam tais calamidades sobre seu povo e seu território. Não resista, não resistamos! A obediencia e a submissão a Deus é um ótimo caminho a ser seguido.

Pai amado, sabemos das tuas intenções para conosco, e para com todos; teus planos são bons, justos e aprazíveis. Te louvamos pela ação do Espírito Santo que nos guia e nos conduz ao crescimento e a maturidade na fé. Queremos fazer escolhas, boas e agradáveis diante de ti para construir o reino que nos está destinado. Oramos em nome de Jesus, amém.