Somos Irmãos

Meditação do dia 06/03/2018

E disse Abrão a Ló: Ora, não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos irmãos.” (Gn 13.8)

Somos irmãos – Há poucos dias atrás veiculou nos telejornais e na mídia em geral o caso de dois grandes amigos de muitos anos, no Havaí, Alan Robinson e Walter, que verificou-se serem de fatos irmãos. Esse fato, me remete à conversa do tio Abrão com o sobrinho Ló, em meio a dificuldades de relacionamentos entre seus servos e empregados. Abrão apontou isso como uma boa razão para não haver litígio entre eles. Irmãos, são família e isso tem laços muito fortes, se é que alguém entende o significado isso e acima de tudo respeita o fato. Provérbios aponta que “Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão”  (Pv 17.17). Além dos laços de sangue, os laços espirituais que unem os filhos de Deus tornam esses relacionamentos praticamente inquebráveis. O projeto de relações humanas do Reino de Deus, se baseia na unidade do Corpo de Cristo, que sacrificou-se para quebrar de vez toda e qualquer animosidade e separação entre Deus e os homens e entre homens e homens. A redenção faz por nós o que nenhum outro tipo de compromisso é possível. “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades” (Ef 2.14-16). O irmão André, da Missão Portas Abertas, mundialmente conhecido pelo ministério de levar Bíblias e apoio aos irmãos e igreja perseguida na “cortina de ferro” nos tempos do comunismo severo no leste europeu; ele narra um episódio de chegar a desses países e não falar nada do idioma e conseguiu um contato cristão e a priori se falaram através de suas Bíblias, abrindo em versículos específicos e assim estabelecendo uma linha de pensamento; em determinado ponto o amigo lhe perguntou via Bíblia o que ele fazia ali, então ele abriu a sua Bíblia em Gn 37.16 “…E ele disse: Procuro meus irmãos…” E o resto você encontra no livro “O Contrabandista de Deus.” Tomar ciência de que fazemos parte de algo maior do que nós mesmos e que temos uma família e que temos o mesmo Pai, o mesmo Redentor e somos guiados pelo mesmo Espírito Santo, é força suficiente para baixarmos as armas e levantarmos uma bandeira branca e propor a paz e a conciliação. O Deus a quem servimos, tem promessas e condições abundantes para todos e não é sorteio ou caça ao tesouro, porque se ele não poupou nem o seu próprio filho, como não nos dará também com ele todas as coisas, disse Paulo aos Romanos. Abrão foi conciliador e procurou a paz e propôs a solução, ainda que aparentemente Ló iria tirar vantagem da situação em benefício próprio. Para Abrão isso não tinha peso, pois a promessa era sua e seria o Deus que se revelara a ele que faria as coisas acontecerem. Quando dois cristãos, ou irmãos se desentendem e depois buscam a reconciliação, o ideal é que ambos caminhem em direção um do outro e nesse caso, se encontrariam no meio. Se isso não for possível, o mais maduro deve tomar a iniciativa, como fez Abrão e como ensinou Jesus.

 

Senhor, em poucas palavras, tenha misericórdia de nós e nos conceda força para buscar a paz e a reconciliação, pois somos irmãos. Em Cristo há provisão suficiente para todos e o Espirito Santo torna isso possível, em nome de Jesus. Amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s