Faça o que você quiser

Meditação do dia 09/08/2018

E disse Abrão a Sarai: Eis que tua serva está na tua mão; faze-lhe o que bom é aos teus olhos. E afligiu-a Sarai, e ela fugiu de sua face.”  (Gn 16.6)

Faça o que você quiser – Estamos diante de outra entre tantas situações que a idéia central da nossa meditação poderia ser Abraão e não Sarai. Mas vou manter a trilha porque desejo lidar com as questões familiares e decisórias que ocorrem diariamente nos lares de milhares de pessoas e igualmente nos lares cristãos. Ainda que hoje tenhamos uma mentalidade mais voltada para a parceria e a divisão de tarefas e responsabilidades, acontece que não é anormal vemos importantes decisões sendo deixadas sobre os ombros de um dos cônjuges, para decidir sozinho e valer por toda a família. Aquele conceito patriarcal da antiguidade que fazemos questão de dizer que “naqueles tempos” era o homem que mandava e desmandava e a esposa só dizia sim, sim e não tinha oportunidade e nem vez. Salomão discordava disso e disse que “não a nada novo debaixo do céu e tudo que é, também já foi e aquilo que há de vir, também foi em tempos passados.” (Ec 3.15 nas minhas palavras). Vimos que Sarai ficou chateada com o deboche da serva e veio reclamar com Abraão para que ele desse um jeito e botasse as coisas nos seus devidos lugares e ele ao que parece, disse: “Isso é coisa mulher e tem à ver com gravidez, enjoos, pirraça e tudo mais, resolva você mesma e o que fizer para mim tá bom, querida!” Ou seja, ele pulou fora e deixou a batata quente na mão da esposa. Agora quero dizer sobre uma linha de pensamento, que nos é familiar na Bíblia e na verdade é o que regulamenta o procedimento cristão em termos de conduta e testemunho cristão. Sarai agiu de forma legal e dentro dos limites permitidos naquele tempo e não estou dizendo que foi certo ou errado, espiritual ou carnal e nem tampouco temos procuração para tal. Mas contextualizando o acontecido lá atrás, com o que é esperado de nós hoje, como servos de Deus, consagrados à Cristo e comprometidos com um reino diferenciado das leis e culturas dos homens, vamos dizer que temos responsabilidade de agir de modo diferente do que Sarai agiu. Desde os dias de Jesus Cristo aqui na terra e seguindo os ensinamentos apostólicos, o padrão cristão, não oferece margem para uma irmã, afligir, torturar, maltratar uma empregada, servidora ou prestadora de serviço. Não estamos pensando em leis trabalhistas, aspectos jurídicos e coisas parecidas. O valor e a dignidade que Deus atribui às pessoas, faz com que no reino de Deus e estamos pensando na igreja, como Embaixada do Reino, tal comportamento é inaceitável. Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração, como a Cristo; Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus; Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre. E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o Senhor deles e vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas” (Ef 6.5-9). Lá podia e agora não? Não se trata de de lá e cá, antigo e moderno; Vivemos na era da graça e temos mais luz, mais conhecimento de Deus, da sua vontade, do seu caráter e ainda somos a própria morada de Deus em Espírito para nos guiar em toda a verdade. Não se julga e nem avalia ações e palavras dentro de um contexto humano com tão grande distancia cronológica e cultural. Uma irmã do século 21 não pode se medir com Sarai que viveu a mais de quatro mil anos e fazer uso de artifícios para sacramentar comportamento e especialmente atitudes ruins. Sarai, tanto quanto eu e você e qualquer um, prestará conta diante do Senhor pelos atos pessoais e Deus vai honrar e premiar o esforço de fé e piedade de quem faz o melhor para glória dele.

Senhor, desejamos aprender e copiar atos de bondade e de fé e evitar aquilo que à luz do Evangelho que conhecemos hoje, não agrada ao Senhor e nem dignifica as pessoas que foram criadas à tua imagem e são amadas, aceitas e acolhidas por ti. Jesus sim é um modelo perfeito e que pode ser imitado e copiado na íntegra. Em nome dele é que oramos pedindo sabedoria para  darmos um bom exemplo e um testemunho que guia pessoas para mais perto de ti, amém.

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s