Cumplicidade

Meditação do dia 18/08/2018

 Não me disse ele mesmo: É minha irmã? E ela também disse: É meu irmão. Em sinceridade do coração e em pureza das minhas mãos tenho feito isto.”  (Gn 20.5)

 Cumplicidade – Cumplicidade é a ação ou estado de ter participação secundária ou a co-autoria em algo. Ela pode ter o significado de conivência ou de amizade, sendo utilizada igualmente nos dois sentidos. Sempre tive vontade de escrever alguma coisa nesse sentido e especialmente baseado num desses textos onde Abraão e Sara e posteriormente Isaque também se envolveram em uma ação que definitivamente não foi salutar e houve a necessidade da intervenção divina para um resultado final que não comprometesse a integridade delas e da também do plano de redenção. Que marido e mulher precisam ser afinados e terem comunhão de idéias e propósitos, ninguém duvida e até almejamos que seja assim. A cumplicidade no sentido de comunhão, companheirismo e camaradagem e elogiável. Mas quando tem esse sentido de conivência em algo ilícito, não é bom e compromete o testemunho cristão. Falo isso porque ao longo dos anos, vemos a recorrência de casos tanto fora da igreja como dentro dela, onde e nunca é saudável. Com o crescente aumento das notificações e conhecimento de casos de violência entre casais nos noticiários, são uma grande maioria, onde a violência e o desrespeito era de longa data e escondido e até negado pela mulher, até chegar a extremos, quando não a morte. O mesmo acontece com abuso infantil e de menores, onde a mãe sabe, mas não faz nada e até nega ou transmite a responsabilidade para a vítima. Nunca esperaríamos algo assim no meio da comunidade cristã, mas temos que convir que uma igreja é um extrato da sociedade e tudo o que tem lá fora, tem em proporção reduzida aqui dentro. Recentemente fomos chocados com o caso de abuso e morte em incêndio criminoso de duas crianças lá no Espírito Santo e cometido por alguém tido como “pastor.” Em situações menos drástica, encontramos casais nas igrejas onde um encoberta os erros pecados do outro, deixando a igreja toda em dificuldade. Não raro, esposas de pastores também ajudarem a esconder uma vida desregrada e má conduta do marido, em nome de preservar isso ou aquilo. Sem tecer julgamento e nem assumir um papel que não me cabe, é necessário estabelecer a verdade da Palavra de Deus como norma que regula as ações e condutas de todos, e ser equilibrado na aplicação da justiça e disciplina sem parcialidade, para que o Espírito Santo possa agir e expurgar o mal e o erro das congregações do Senhor e manter a igreja tal qual ela dever ser – uma agencia do reino de Deus e propriedade exclusiva de Deus, comprada pelo precioso sangue de Jesus. Torcer a teologia para beneficiar má conduta não é aceitável diante de Deus. O fato de alguém ser chamado por Deus e reconhecido por todos e ter um ministério de resultados expressivos, não é salvo-conduto para práticas pecaminosas. O compromisso de Deus é com sua Palavra e com a verdade e ele não faz acepção de pessoas, exigindo o mesmo padrão de santidade e temor de todos os seus filhos. O que somos é infinitamente mais importante do que aquilo que fazemos. Pecado é pecado e não existe pecadinho e pecadão e nem tampouco alguns tem licença para pecar e praticar má conduta e achar que tem costas-largas para se proteger. A recomendação bíblica é: “Por isso exortai-vos uns aos outros, e edificai-vos uns aos outros, como também o fazeis. Rogamo-vos, também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos, e sejais pacientes para com todos” (I Ts 5.11,14). Aos Hebreus ficou registrado: “E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia” (Hb 10.24,25). Judas, deixou uma exortação muito forte e digna de ser levada em consideração quando pensamos em não ser coniventes com práticas reprováveis na comunidade da fé. “E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento; e salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne” (Jd 22,23). O apóstolo São Paulo resume tudo o que escrevi aqui, em bem menos palavras, mas muito mais efetivas e poderosas e são elas que recomendo meditar e fazer uso não só para corrigir, mas também prevenir futuros erros e práticas. “Aprovando o que é agradável ao Senhor. E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as. Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe” (Ef 5.10-12). Para o mal prevalecer, é suficiente apenas que os bons não façam nada.

 

Senhor, acreditamos no valor da amizade, do companheirismo e da solidariedade entre os irmãos na fé e somos agradecidos por isso. Pedimos sabedoria, discernimento e autoridade no poder do Espírito Santo para não sermos cumplices quando for para o mal e para o pecado. Renova a nossa ousadia no agir como filhos da graça. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s