À Sara, Nossa Gratidão

Meditação do dia 26/08/2018

 

E morreu Sara em Quiriate-Arba, que é Hebrom, na terra de Canaã; e veio Abraão lamentar Sara e chorar por ela. E depois sepultou Abraão a Sara sua mulher na cova do campo de Macpela, em frente de Manre, que é Hebrom, na terra de Canaã.”  (Gn 23.2,19)

 

À Sara, Nossa Gratidão  – Não será uma meditação com tom mórbido e pesaroso. Procuro empreender a minha fé e minhas convicções em tudo que faço. Acredito na importância da vida, do nascimento, do desenvolvimento humano, da velhice e da morte. Os ciclos surgem, maturam e findam e cada um tem sua importância e lidar com isso é sinal de maturidade. Um dos objetivos da vida é adquirir sabedoria para ver e viver a vida do ponto de vista de Deus e aí também está incluso nascimento, vida e morte. Há uma boa razão por se nasce, há uma causa pela qual se vive e é preciso ter uma causa pela qual se morre; caso contrário não terá valido nada a passagem da pessoa aqui na terra. Em nossa cultura celebramos com muita alegria o nascimento de uma pessoa, comemoramos anualmente sua vida e desejamos felicidade, vida longa e próspera; implicitamente aí se diz que haverá um momento de despedida. Celebramos a partida das pessoas com choro e lamentação pela ausência dela conosco e pela saudade que ficará; mas agradecidos pela vida e história construída, o legado deixado e a esperança de rever tal ente querido em breve. Definitivamente a morte física para nós cristãos não é um fim, mas uma mudança de etapas e de ciclo, mas com a certeza e garantia que elas serão e estarão numa condição muito melhor ao lado do Senhor, a quem serviram e de quem agora receberão as boas vindas e o merecido descanso até a chegada da caravana com todos os demais. É assim que vejo a vida e a morte de Sara e dos demais personagens da Bíblia e conecto isso aos santos do presente, incluindo parentes, amigos e irmãos na fé, colegas pastores e obreiros valorosos no Senhor. Sara teve 127 anos de vida, nos quais conheceu a Deus de forma profunda e desenvolveu relacionamentos espirituais exemplares e serviu no mais amplo sentido dessa palavra. Foi esposa de um homem notável e juntos formaram o casal, que merecidamente merece ser o casal 20, por tudo que foram e construíram. Ela passou pelos mesmos dilemas que todas as mulheres e irmãs passam nos seus respectivos tempos e foi uma vencedora e deixou marcas que podem ser seguidas até hoje e até a eternidade. Ela foi mãe, foi patroa, teve conflitos de interesses, sofreu injustiças, passou sufoco, dependeu da fé e do livramento de Deus. Ela viu milagres acontecerem, ficou decepcionada, chateada, brava, rodou a baiana, deixou o marido em “saia justa” e fez se virar nos trinta para resolver conflitos. Foi anfitriã dedicada e hospitaleira, e aqui desejo citar o episódio da vida dela que as Escrituras não registram nada, mas aconteceu e só posso fazer uso da minha imaginação e criatividade para solidarizar com ela: Como vocês imaginam que foram para Sara, aqueles dias que seu marido Abraão fez aquela viagem com seu filho Isaque e uns servos, quando foram para a terra de Moriá? Como imaginam que ficou o coração daquela mãe? Ela soube de tudo antes? Só soube depois, quando chegaram? Qual foi a versão de Abraão e qual a versão de Isaque? Por que estou tocando nesse assunto? Porque acredito que em termos humanos, as histórias tem dois lados, mais de uma versão ou ponto de vista; e acredito que as mães passam por experiências que as palavras não explicam e não definem nada do que elas realmente passaram ou sofreram! É um tributo que presto a Sara, em nome de muitas mulheres que anonimamente tem construído famílias, igrejas, ministérios, nações e vencidos batalhas gigantescas e ninguém soube, sabe ou dimensiona o que se passou nos seus corações. Batistas nacionais se orgulham da irmã Rosalee Appleby, que merecidamente se reconhece como “pés franciscanos e alma avivada.” Nossos irmãos do Evangelho Quadrangular tem no seu DNA Aimée Semple Macpherson e poderia citar listas de pessoas notáveis das quais nos orgulhamos e nos alegramos. Deus seja louvado por essas vidas todas. Irmãs, dos dias atuais, meus respeitos e minhas orações por suas vidas e ministérios. O tempo se encarrega de revelar e honrar a cada uma, mas a maior e a melhor recompensa vocês receberão das mãos do Senhor de suas vidas!

 

Obrigado, Senhor por vidas dedicadas a ti e ao Reino. Ao Senhor nossa gratidão por essas irmãs, espiritualmente filhas de Sara. Como homem e parceiro na vida e na jornada ministerial, nossa gratidão por cada um delas e um pedido de graça reveladora ao seus corações cheios de amor e fé; em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s