Servos Ficam de Fora

Meditação do dia 10/09/2018

 “E disse a Abraão: Ponha fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com Isaque, meu filho.”  (Gn 21.10)

 Servos ficam de fora – Quando me deparei com esse texto, imediatamente me veio a mente, um outro texto da Bíblia, citado por Jesus num daqueles ensinamentos do seu ministério íntimo. Comparando os ensinamentos podemos aprender e crescer ao invés de ficar ressentidos e sentindo-se inferiorizados. Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (Jo 8.34-36). No contexto menor, Abraão e Sara eram senhores e Agar era serva e Ismael filho de serva, ainda que fosse filho de Abraão e reconhecido por ele, numa linguagem brasileira de época, Isaque era um “senhorzinho.” Num contexto maior, todos era servos de Deus e todos prestavam contas e obediência a Deus. Jesus foi, é e sempre será Senhor, com absolutos direitos e legitimamente conquistados por sua vida e trabalho. Mas ele também se colocou como um servo e como tal estava sujeito às mesmas normas que regem a vida e o serviço dos servos. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos (Mt 20.26-28). Não se vocês já pensaram, mas não existiam nos tempos de Jesus aqui na terra, nem antes e nem depois deles um “sindicato dos servos e escravos.” Até onde se sabe, o único direto do servo é não ter direitos. A condição de servo é temporária, ainda que vitalícia, pois assim que se expirar sua vida ele está livre da sua condição e vai descansar do modo servil que passou toda a sua existência. Se porventura ele for liberto, a alforria ou a redenção garante-lhe a saída da casa do senhor e dali em diante, está livre para dirigir sua vida, ou até servir a quem lhe interessar. O pecado é um agente escravizador e além do mais é perverso e impiedoso, não levando em conta nenhuma oportunidade de melhoria na condição de vida do servo. Mas essa alma sofrida pode ser alcançada pela redenção em Cristo Jesus e se tornar livre e com uma nova identidade, para uma nova vida. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo(2 Co 5.17). Crises são instrumentos de transformações utilizadas por Deus em larga escala para alcançar propósitos que em situação de normalidade e bênção o comodismo impede o avanço e iniciativas criativas. Quando ele aconselhou Agar a voltar e se submeter à Sara, ele estava dando a ela um berço seguro para criar seu filho e desenvolvê-lo em muitos aspectos, para encarar depois a carreira solo. Numa situação de normalidade, Ismael e Agar jamais sairiam daquele conforto e segurança, que o nome e os recursos de Abraão forneciam. Sara exigir a retirada dela e do filho seria um mal que veio para bem, por agora ela alcançou sua liberdade depois de anos de serviço e não sairia desamparada, pois levaria consigo o filho para o qual Deus tinha garantido tanto para Agar quanto para Abraão promessas de bênção e multiplicação. Isso jamais ocorreria no quintal da casa Abraão. Quando pensamos em libertação da escravidão do pecado, a idéia primária é em relação à salvação em Cristo; à conversão. Mas também isso precisa ser visto dentro do contexto de vida cristã, pois um filho de Deus não pode viver escravizado a nenhum pecado, vício ou hábito, pois isso depõe contra o testemunho de vida e compromete a obra de Deus. Temos o privilégio de deixar a condição de servos ou escravos e nos tornarmos filhos amados e esse viver precisa ser digno da vocação a que fomos chamados. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados (Rm 8.15-17).

 

Graças, Senhor pela libertação das garras do pecado e da morte e nos trazer para o reino do filho do seu amor. Obrigado pela condição de filho. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s