Os Pais Sabem

Meditação do dia: 18/01/2020

 “Mas seu pai recusou, e disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; também ele será um povo, e também ele será grande; contudo o seu irmão menor será maior que ele, e a sua descendência será uma multidão de nações.” (Gn 48.19)

Os Pais Sabem – Há uma fase na vida da criança, em que os pais são seus heróis; eles sabem tudo, podem tudo, tem todas as respostas, protegem como ninguém, sabem fazer coisas incríveis e criam receitas deliciosas e compreendem as dores e medos e improvisam soluções… meu pai, meu herói! Ali, se cria um elo muito forte de admiração e respeito pela figura de alguém sempre presente e muito capaz. Ela também é boa para os pais que se sentem valorizados e admirados e atenua aquela insegurança da paternidade, onde todos se perguntam: “será que vou dar conta?” exceções à parte, todos passamos por isso, quem já é pai esteve dos dois lados da fase. Mas como o próprio nome já diz “fases” passam, e com elas lá se vão nossos sonhos de permanecer no Olimpo da vida dos filhos. À medida que eles vão crescendo, novos horizontes vão se descortinando e novos heróis vão surgindo e vamos ficando longe nessas preferencias. Com a maturidade, vem também a outra fase, que é voltar a admirar os pais pela sabedoria e capacidade de prevalecer contra as adversidades. Muitos deles com bem menos recursos e potencialidades, criaram uma família inteira, bancando tudo e se virando nos trinta e entre mortos e feridos, salvaram-se todos. Voltamos a reconhecer que realmente o velho era bom mesmo. Fora dessas questões de fases emocionais pueris ou de maturidade, os pais foram talhados por Deus para cumprir funções muito importantes na vida dos filhos, para cria-los e guia-los por veredas que são tão eternas quanto a própria sociedade humana. Como temos compartilhado várias vezes, há coisas que não temos como ensinar, apenas se pode aprender; isso pode ser aplicado à paternidade. Quando chega a nossa vez, começamos a entender muita coisa da vida e do comportamento dos nossos pais; agora aquelas coisas começam a fazer sentido. Fatos e atos que se repetem com frequência, leva á perfeição ou melhoram com o tempo. Praticar sensibilidade e simpatia em família estimula relacionamentos saudáveis de criatividade e confiança. Mesmo quando não sabemos as respostas ficamos felizes em saber que fomos ouvidos, ou ouvimos; quando oramos juntos e buscamos respostas, nos alegramos nas bênçãos e sofremos nas perdas e crescemos juntos. Israel colocou as mãos trocadas na imposição sobre os netos, isso é coisa que não se vê todos os dias; provavelmente nem mesmo Israel sabia porque estava fazendo daquele jeito, mas ele estava seguindo uma intuição interior tão forte que equivalia a saber; e foi isso que ele disse a José: Eu o sei, meu filho, eu o sei… Por isso defendemos ardorosamente o ato dos pais abençoar seus filhos. Não é dizer: ‘Deus te abençoe, meu filho.’ Mas uma condição, uma atitude de fazer uso da força interior do Espírito Santo, para proferir uma ordem de autorização capaz de prevalecer sobre o natural e esperado, para criar um universo de bênção e favor divino sobre a vida dos filhos. Fazer declarações de fé, do tipo: Eu abençoo você com…. declaro em fé que…. invoco sobre ti…. como dois rapazes jovens e solteiros, diante do pai e avô e este dizer, esse aqui será um grande povo e abençoado, mas este aqui também será e maior ainda que este outro. José não sabia, mas Jacó sabia, como ele sabia eu não sei, mas ele sabia! Eu incentivo isso aqui na Monte das Oliveiras, os pais orarem por seus filhos e ajuda-los a encontrarem os propósitos divinos para eles. Se Deus não guiar os pais para isso, quem é então que poderá receber e fazer essas ministrações? São os pais sim! Se cremos que esse texto é verdadeiro, então ele deve fazer parte disso: Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão. Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos, mas falarão com os seus inimigos à porta. (Sl 127.3-5). Se Deus nos confiou os filhos, é certo que ele nos capacita a ser bem sucedidos como pais. Isso faz sentido para você? Para mim, faz!

Senhor, obrigado pelo privilégio da paternidade, onde aprendo e cresço e ainda posso ser útil. Sou grato por vindo de uma família funcional e abençoada, onde meus pais foram e são modelos ainda hoje, tanto para nós filhos, quando para as novas gerações. Obrigado pelas muitas lições que a tua Palavra libera para nos capacitar na experiência de viver a tua vontade e facilitar o ministério paterno aos nossos filhos. Oramos por eles, como o rebanho primário que está sob nossos cuidados e assim sendo bem sucedidos como pais, poderemos já estar ensinando eles a serem eficientes e construtivos nos caminhos do Senhor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s