Por Último, Raquel e José

Meditação do dia: 06/03/2020

E pôs as servas e seus filhos na frente, e a Lia e seus filhos atrás; porém a Raquel e José os derradeiros.(Gn 33.2)

Por Último, Raquel e José – A ordem dos fatores não alteram o produto, foi o que nos ensinaram nos princípios elementares da matemática. Em termos de dualidade otimista/pessimista, tem aqueles que sempre veem o copo meio cheio e os que só o veem meio vazio. Também temos o bloco dos reclamões que nunca estão satisfeitos e querem explicações para tudo e qualquer coisa; qualquer que seja o que for designado a eles é tido como suspeito de não ser a melhor escolha. Quem não ouvir que “não dá para agradar todo mundo!” Pelo lado bom e construtivo, me recordo de uma citação de uma pessoa muito ilustre e culta, que também amava a Bíblia e a tinha em grande estima e um dia confidenciou que nunca estava satisfeito com o lugar em que coloca a Bíblia na sua enorme biblioteca; ele argumentava: Gosto de coloca-la na mais alta prateleira, porque ela sem dúvida é sobre todas as demais obras aqui guardadas. Por outro lado, me agrada coloca-la bem no centro das estantes, porque ela é de fato a centralidade de todo o conhecimento e irradia sua luz aos demais volumes. Por outro lado, ela ficar na mais baixa das prateleiras, me faz sentido também, afinal, ela é o alicerce de todo o saber e acervo que possuo. Que dilema! Estou olhando para as ordens que Jacó deu para alinhar sua família para o encontro com Esaú, seu irmão. Como estamos meditando sobre Raquel, então ela é a peça que nos interessa nos arranjos daquela situação. Podemos começar perguntando: Por que as servas e seus filhos primeiro; Lia e seus filhos em seguida e por último, Raquel e José? Esta sequencia se baseava no amor devotado à família? Na ordem de prioridades? Nas condições físicas e capacidades de lidar com uma possível situação agressiva, por parte de Esaú? Por que Raquel por último? Da minha parte vou facilitar para que vocês tenham seus próprios juízos. É claro que a visão feminina pode diferir da masculina em como avaliar a cena. Particularmente, fico com a idéia de Raquel e seu filho José ficaram no fim da fila, por proteção a ela na condição de gravidez em que se encontrava e José ser o caçula de todos os filhos até então, deveria ser apenas um garotinho. Por outro lado, fazendo uso do pensando do autor e da época, com uma mentalidade oriental, é muito provável que ninguém ali, levava isso para o lado pessoal como o fazemos hoje e reivindicamos direitos e privilégios que nem sempre se justificam. Eles tinha uma consciência e uma noção muito precisa do papel social de cada pessoa na sociedade e no próprio núcleo familiar. A idéia de direitos iguais, crianças, mulheres e ídolos na fila preferencial são arranjos bem recentes. Jesus, anos mais tarde até ensinou, sugerindo sabedoria ao participar de eventos sociais e se expor publicamente. Quando por alguém fores convidado às bodas, não te assentes no primeiro lugar; não aconteça que esteja convidado outro mais digno do que tu; E, vindo o que te convidou a ti e a ele, te diga: Dá o lugar a este; e então, com vergonha, tenhas de tomar o derradeiro lugar. Mas, quando fores convidado, vai, e assenta-te no derradeiro lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe mais para cima. Então terás honra diante dos que estiverem contigo à mesa (Lc 14.8-10). A minha lição do dia é que as vezes uma posição na frente ou atrás, acima ou abaixo, necessariamente não significa nada e não tem a menor importância se sabemos quem somos, e o nosso lugar de fato. Não buscamos ostentação, visibilidade e nem os aplausos das massas; queremos colaborar, ajudar e facilitar as coisas a acontecerem da melhor maneira. Somos chamados para ser bênçãos e criar soluções, não problemas. Também quem vai nos honrar é Deus e isso está mais ligado à humildade do que a capacidades ou merecimentos. As pessoas podem não estar nos desmerecendo e de onde estivermos poderemos fazer o nosso papel.

Senhor, precisamos de humildade para nos colocarmos no nosso lugar e não buscar aprovação dos homens e ser notados como significativos, como os demais querem fazer. Queremos ser bênçãos e construir pontes que ligam e unem as pessoas e permitam o amor e a bondade do Senhor alcançar o máximo de vidas possível. Podendo sermos úteis, está ótimo e se isso glorifica o teu nome, então estamos satisfeitos. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s