Os Anos da Vida de Levi

Meditação do dia: 19/04/2020

 E estes são os nomes dos filhos de Levi, segundo as suas gerações: Gérson, Coate e Merari; e os anos da vida de Levi foram cento e trinta e sete anos.” (Ex 6.16)

Os Anos da Vida de Levi – Ao meditar sobre a vida dos filhos de Jacó, inicialmente parece que estamos lidando com filhos de alguém importante, e de fato é; mas eles vão ganhando seus próprios espaços, de forma que acontece uma transição e eles chegam aos status de patriarcas também. Citei em mais de uma vez, que Deus tomou um homem (Abraão) e fez dele uma família (Jacó) e dele fez uma nação (Israel). Israel, a nação é composta por uma unidade federativa de doze tribos, cada um dos dez filhos (exceto José e Levi) e com o adendo de Manassés e Efraim, para que José recebesse o direito de porção dobrada no lugar da primogenitura que fora tirada de Ruben. Estávamos meditando sobre Simeão, depois de passarmos por Ruben, e agora será a vez de pensarmos e aprender com Levi; que teve parte de sua história anexada a Simeão, desde que eles se mancomunaram para vingar a irmã, Diná. Mas há elementos para extrairmos aprendizados que nos edifique e abençoe nossas vidas. Escolhi começar por esse texto, porque de alguma forma ela trás uma peculiaridade, que faz jus a destaque, pois é citado aqui, além de sua descendência, também registra seus anos de vida: Cento e trinta e sete anos. Apenas José e Levi entre os filhos de Jacó tem esse registro. Mas o meu foco não será isso, mas a sua pessoa e aquilo que não está escrito, que teremos que ler nas entrelinhas. Me refiro, ao começo atrapalhado da vida, com violência e vingança e depois desaparece citações dele ou de suas ações entre os filhos de Jacó. Sabemos que ele estava com os irmãos quando venderam José; também sabemos que ele estava presente nas duas caravanas que desceram ao Egito para comprar comida; ele estava presente quando Simeão foi detido e ficou até a volta deles com Benjamim; também sabemos que ele estava no momento em que José se deu a conhecer a eles. É fato que ele voltou para Canaã e retornou com o pai e os irmãos e familiares para o Egito, mas não se faz descrição alguma dele. Minha idéia é que ele assumia um papel mais contido e sem iniciativas entre eles. Provavelmente aquela experiência de genocídio, quem sabe, até influenciado por Simeão, que era mais ativo, e depois repreendido pelo pai, ele tenha assumido seu erro e vivido em função de não se envolver mais em coisas reprováveis; embora no meio da turma, concordando ou não vendeu José e guardou o segredo entre eles acordado. Até na hora da bênção aos filhos, que o pai deu a cada um, ele ainda foi vinculado a Simeão e citados juntos: Maldito seja o seu furor, pois era forte, e a sua ira, pois era dura; eu os dividirei em Jacó, e os espalharei em Israel” (Gn 49.7). Ambos, Simeão e Levi foram divididos e espalhados pelo pai na futura nação. É claro que eles não sabiam na época como isso aconteceria, mas veio a acontecer de fato. Levi se tornou a tribo sacerdotal e sem herança territorial e Simeão ficou no quinhão de Judá. Olha o peço de uma ação intempestiva, imatura, mas que afeta a vida todo da pessoa e de sua posteridade. Com nossa cabeça ocidental, fomos treinados para ler a Bíblia e pensar em ser salvo e ir para o céu onde só tem outros crentes da nossa mesma denominação; não fomos treinados a pensar nas Escrituras como Escrituras eternas, de um Deus eterno e com propósitos eternos para todos os povos e de todos os tempos. Para muitos de nós, tudo o que sabemos é tudo o que existe; aquilo que não sabemos, simplesmente não existe e não tem razão de ser. Mas a redenção vai muito além da nossa vaidade pessoal limitada. Essas verdades dentro da aliança entre Deus e seu povo, são pilares e fundamentos eternos. Mesmo no Velho Testamento, se manifesta a graça, a misericórdia, o perdão, a restauração de Deus para todos; A expiação pela fé representada em rituais e cerimonias apontavam para o Cristo que estava no futuro, à frente deles no tempo linear – para nós não é mais figurativo, porque se cumpriu em Cristo, sacerdote e vítima lá na cruz do Calvário, que está no nosso passado linear,
Cristo já veio. Eles olhavam para frente, nós olhamos para trás, mas o objeto a ser visto é o mesmo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Podemos compreender, por agora na Nova Aliança, nós temos a mente de Cristo. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo (1 Co 2.16).

Senhor Deus e Pai, apresentamos a nossa gratidão, honra e louvor ao Senhor, que em amor e graça nos alcançou com uma tão grande salvação. A iniciativa sempre foi do Senhor; nós respondemos ao teu apelo de amor e agora somos filhos e herdeiros juntamente com Cristo, pela graça através da fé, sem nenhum merecimento nosso. A Ti seja a adoração verdadeira, de corações e lábios transformados, perdoados, aceitos e acolhidos na tua família, pelo teu próprio poder. Agradecemos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s