A Argumentação de Judá

Meditação do dia: 21/04/2020

 Vinde e vendamo-lo a estes ismaelitas, e não seja nossa mão sobre ele; porque ele é nosso irmão, nossa carne. E seus irmãos obedeceram.” (Gn 37.27)

A Argumentação de Judá – Estamos estudando e meditando sobre a vida de uma pessoa que veio a ser um grande líder e que fez a diferença. O que temos de diferente aqui no início de sua caminhada, é que ele estava fazendo uso de suas habilidades para convencer as pessoas ao seu redor para serem parceiras em fazer o mal. Judá nem teve que se esforçar para conseguir a atenção e a participação deles. A equipe já tinha sua própria motivação, cada um a seu modo e do seu ponto de vista, juntos e misturados, todos eles queriam se ver livre do problema comum – José! Desde aqui, e quem sabe até antes disso, os homens procuram planos, planos melhores, argumentações melhores que convença os demais de que o caminho é por aqui. Bem antes desse tempo, Deus já procurava por homens melhores, homens cujos corações fossem quebrantados, focados em servir e abençoar. O mundo quer métodos melhores, maquinarias melhores, projetos melhores, sistemas melhores – Deus procura homens, pessoas melhores! Judá com sua inteligência aguçada, visão de águia que capta de longe, mostra para os outros garotos, a oportunidade que se lhes deparava; iremos matar dois coelhos com uma só cajadada: nos livraremos do Sonhador e não cometeremos um crime de sangue. Como efeito colateral, ganharemos umas moedas. A idéia de Judá apresentada aqui é um princípio, uma forma de fazer o mal e a responsabilidade ir para outra pessoa que não perceberá isso e o fará sem perceber. Vender José como escravo não seria difícil, pela prática daquela época; como escravo ele poderia ficar a serviço do comprador inicial ou ser passado adiante por melhor valor ou numa troca vantajosa; se tentasse escapar ou fazer alguma idiotice poderia ser morto ou inutilizado. Mas isso não era mais responsabilidade dos irmãos dele, porque o entregaram salvo e salvo, sem nenhum arranhão. Agora eu sei que a proteção de José não estava nas mãos dos mercadores Ismaelitas, mas de Deus, que estava transferindo José de Canaã para o Egito, de uma forma que o protegia do poderio de Jacó para evitar isso. Posso pensar no mover dos cuidados de Deus, a seu tempo e a seu modo para produzir disciplina nos pais e nos filhos, para preparar para algo melhor e maior. Sou pai e sei que estamos sempre prontos a nos esforçar para aliviar para nossos filhos, e assim pelo zelo sem entendimento, podemos atrapalhar ou retardar o andamento das coisas. Vimos Abraão entregando seu filho a Deus, abrindo mão completamente, crendo em esperança que o Senhor Altíssimo era poderoso para o ressuscitar e dar continuidade às promessas e na Aliança feita entre eles. Depois nós vimos Isaque, tendo dois filhos, ver se ausentar da linhagem da fé e ser ver obrigado a exilar Jacó, para que ele pudesse crescer e vir a cumprir os termos da promessa de Deus. Isaque ficou seu o filho, por um longo tempo. Agora estamos vendo Jacó, passando pelo mesmo vale, ainda que em cada caso mudam-se o método, mas a idéia é a mesma. Dar um para salvar todos os demais. Abraão semeou Isaque, que semeou Jacó, que semeou José. Tudo isso para nascer a nação de Israel. Quando olho ou ouço a proposta de Judá: “Vinde, vamos fazer assim e assim…” dentro do meu coração e vejo ou escuto Deus fazendo uma argumentação contrária a essa: Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã (Is 1.18). No Novo
Testamento, Jesus apareceu numa praia do Mar da Galileia, e fez uma convocação: E Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens (Mc .17). Quando Deus chama, ou reúne pessoas é para trabalhar em suas vidas, perdoar os pecados e promover cura e restauração além das possibilidades delas. Depois ele se apresenta como tendo um plano, um projeto maravilhoso a ser executado e que ele mesmo se encarrega do treinamento e do aperfeiçoamento para tal serviço. Primeiro Deus trabalha em nós, para então trabalhar através de nós. A completa obra de Deus na vida cristã tem três etapas: A primeira é a obra que ele faz por nós, chamamos de Salvação. A segunda é a obra que ele faz em nós, que chamamos de Santificação. A terceira é a obra que ele faz através de nós, que chamamos de Serviço. A ordem é sempre essa!

 

Senhor, obrigado por ter planos melhores que os nossos e propósitos muito mais elevados e por tua sabedoria e recursos, nenhum deles será frustrado. Graças te redemos, por frustrar planos maus e torna-los úteis e transformadores, como fizeste com os planos de Judá e dos irmãos dele em relação à José. Consagramos ao Senhor os nossos corações e nossas mentes, para que possam produzir frutos como resultado da obra santificadora que operaste em nós, por Jesus Cristo, nosso Senhor, amém.

 

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s