Rapaz Formoso

Meditação do dia: 06/08/2020

E deixou tudo o que tinha na mão de José, de maneira que nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. E José era formoso de porte, e de semblante.(Gn 39.6)

Rapaz Formoso – A Bíblia é um livro com uma diversificação muito grande de temas e modos como são tratados. Ela tem uma história central, aquela linha ou fio vermelho que une o pecado de Adão até Cristo na redenção. Para os mais poéticos é uma ligação direta de Jardim à Jardim – do Éden ao Getsêmani. Mas com um bom enredo ela conta muitas outras histórias e vai desde o trivial até complexas questões existenciais e participações nos mistérios estelares e cósmicos, que nossas ciências mais avançadas ainda está apenas engatinhando nessa caminhada. Hoje, poderíamos dissertar sobre antropologia, ou mesmo sobre estética e falar da beleza humana, já que o texto chama a atenção para a pessoa de um jovem formoso e de bom porte. Os extremos são sempre perigosos, e há exageros em valorizar tanto o corpo como se ele fosse a essência da pessoa e do outro lado há os radicais que isso acaba sem um entrave para o bom desenvolvimento, porque o exterior não importa, e se deve buscar mesmo é a perfeição espiritual e a busca pelo crescimento interior. Vou tentar fugir dos extremos e permanecer coerente à minha busca pela bom senso e o equilíbrio. Observando a criação toda, ao nosso redor e através de bons estudos de observadores e especialistas, o cristão não tem nenhuma problema em se extasiar com a capacidade do Criador, o Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra, em suas variedades e com a utilidade de tudo o que ele criou e fez. Nada, nada mesmo é sem propósito ou utilidades. Se algo hoje não é aproveitado, ainda não é, mas adentrando em pesquisas e observações nada é inútil. A beleza, ainda que seja um conceito absolutamente sujeito a variações, mas cada um tem seu valor. Comparando culturas e  costumes dos povos, percebe-se que a valorização difere de povo para povo e que é cobiçado e valorizado em um certo grupo, é totalmente inadequado e impróprio para outro. Na antiga Babilônia, dos tempos do cativeiro judaico, no auge daquele império, Daniel e seus amigos chegaram ali como cativos, mas foram selecionados para bolsas de estudo e estágios na administração pública, você já olhou as exigências do edital? Jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus (Dn 1.4). Eu estaria fora de qualquer jeito! Conheço poucos que se encaixariam em exigências tão estreitas. Isso me faz lembrar um cartunista que em seus quadrinhos e crônicas dizia que “beleza é a inteligência que ficou por fora!” Daniel e os demais não eram apenas rostinhos bonitos, ou rapazes saradões e narcisistas exibidos. Eram bonitos, espirituais, inteligentes, dedicados, competentes e habilidosos em diferentes  áreas do conhecimento. Ester ganhou um concurso de mis, porque ela era linda, mas havia outros atributos que fez dela uma rainha notável. Absalão era lindão, mas ordinário no sentido pejorativo da palavra. Saul, o primeiro rei de Israel era um galã que arrancava suspiros da moçada, mas … Sara era tão linda que colocou Abraão em risco diversas vezes, e mesmo quando já amadurecida em idade ela ainda era show! Rebeca, Raquel e muitos outras pessoas descritas, e em várias ocasiões isso foi determinante para abençoar e servir ao povo de Deus. Paulo que viveu entre os povos de cultura da beleza como os gregos e os romanos, fazem citações de como valorizar o que é essencial sem de forma alguma condenar alguém só por ser bonita ou formosa. “…e exercita-te a ti mesmo em piedade; Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir (1 Tm 4.7,8). Malhação espiritual X Malhação física. Pedro, vai de encontro à mesma linha de pensamento, eles não incentivam trocar um pelo outro, abraçando um e rejeitando o outro, mas um equilíbrio onde valores eternos, sobreponham a efemeridade e superficialidade. Considerando a vossa vida casta, em temor. O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura dos vestidos; Mas o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus (1 Pe 3.2,4). Acolha todos os seus dotes, traços e características, incluindo as físicas, como dons e dádivas de Deus e isso também deve glorifica-lo e cumprir os propósitos para os quais ele te presenteou. Você e eu somos muito especiais, amados e aceitos pelo que somos e não pelo que temos, sem desprezar isso.

Pai, obrigado por nos acolher em amor e verdade sem qualquer distinção ou discriminação. Somos todos filhos, criados para um propósito e como tal, viemos equipados com certos acessórios, que devem glorificar o Criador e servir para cumprir um papel na obra da redenção e ser para o louvor de tua glória. Permita que a sabedoria espiritual e a piedade nos guiem para os verdadeiros valores da vida e da importância do somos sobre o que temos ou fazemos. Nossa gratidão e reconhecimento pelas dádivas e presentes para esta vida. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s