Por Falar em Aparencias

Meditação do dia: 07/08/2020

E deixou tudo o que tinha na mão de José, de maneira que nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. E José era formoso de porte, e de semblante.(Gn 39.6)

Por Falar em Aparências – Afinal, aparência importa ou não importa? Um amigo dos velhos tempos de juventude e um grande parceiros nos trabalhos da igreja, as vezes era bastante radical nas suas asseverações em respostas aquelas posições já prontas, pasteurizadas, claro sempre em tom divertido. Quando lhe diziam: “O que vem de baixo não me atinge!” Ele então dizia: “Então fique em pé em cima de um formigueiro!” Quando citava a Bíblia para se justificar: “O que entra pela boca não faz mal e sim o que sai dela!” Ele já estava com a língua afiada: “Então beba chumbo derretido!” Estamos meditando na Palavra de Deus com propósitos devocionais; para nos alimentarmos de uma porção diária e saborosa com aplicação prática e ordinária, levando uma constância regular e assim vamos acrescendo uma dose de fortalecimento em nossa caminhada com Deus e sua Palavra. O sabor da vida está nos detalhes, nas pequenas coisas, na simplicidade e no trivial do dia a dia. Os grandes acontecimentos e as revelações tremendas são exceções e mais esporádicas. Ontem, hoje por exemplo estamos tendo o deleite de discorrer sobre assuntos leves da vida, como beleza física, boa aparência e um semblante alegre e cativante, na carona da vida dura e cheia de responsabilidades e sofrimentos de José. Te pergunto: No encontro do seu dia a dia, com o médico, atendente da loja, o frentista no posto, a secretária no consultório ou escritório, ao te receber, você prefere que seja com um sorriso alegre, bem humorado e acolhedor, ou prefere alguém sisudo, cara feia de poucos amigos, embora não te maltrate mas também não é nada convidativo? Acho que escolhemos a mesma coisa! Quando o homem de Deus, Samuel, foi procurar e ungir o segundo rei de Israel, veja a descrição do candidato: Então mandou chamá-lo e fê-lo entrar (e era ruivo e formoso de semblante e de boa presença); e disse o Senhor: Levanta-te, e unge-o, porque é este mesmo (1 Sm 16.12). O garoto era bonitinho de semblante, aquela carinha amável e sua presença era agradável, convidativa. Era bom estar perto dele, a companhia dele era prazerosa, o legítimo boa praça. (Mas não confunda isso com apatia, insegurança ou falta de iniciativa, qualquer dúvida, pergunte para Golias e os filisteus). Provérbios afirma que o coração alegre aformoseia o rosto (Pv 15.13). Isso é bem significativo, porque não se trata de risadas, ou alegrias “da boca para fora;” mas de um estado de espírito interior de satisfação, verdadeiramente íntima na pessoa. Já Pv 15.15 diz: Todos os dias do oprimido são maus, mas o coração alegre é um banquete contínuo. Uma antítese de todos os dias de festa com todos os maus, para quem é oprimido. Então podemos fazer uma conclusão, ainda que parcial, sobre José; ele não era nem um pouco oprimido, deprimido e nem recalado e sofredor. As aparências condenáveis na Bíblia, se trata de condições de comportamento, quando a pessoa valoriza o exterior como sendo o que importa, e para isso, até dissimula, finge, engana e disfarça, “vendendo gato por lebre.” Aparecia boa, feliz, é reflexo da vida interior e dos bons valores da fé e da vida prática. Neemias, como copeiro do rei, foi surpreendido por este ao notar sua tristeza de coração, o que era proibido no serviço pessoal ao rei. Sucedeu, pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu peguei o vinho e o dei ao rei; porém eu nunca estivera triste diante dele. E o rei me disse: Por que está triste o teu rosto, pois não estás doente? Não é isto senão tristeza de coração; então temi sobremaneira (Ne 2.1,2). Uma das minha favoritas é a descrição da experiencia de Jesus desejando comer figos e viu uma figueira e se dirigiu até ela, digamos, já salivando!!!! E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos (Mc 11.13). Só aparências não vale. Que contraste com aquela árvore do Salmo 1.3 Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. Isso aqui valida a vida e a experiencia de José, minha, sua e de todos os filhos e servos de Deus.

Obrigado Senhor, pela bênção de pertencer a Ti e estar ao teu serviço, ainda que destaca, ou deslocado momentaneamente na função que ocupamos hoje. Somos gratos porque é a ti a quem servimos e para quem de fato importa como vivemos e como nos comportamos. Queremos que o nosso semblante reflita a alegria do nosso interior, que é guardado e protegido por ti. As circunstancias exteriores e do modelo de vida e serviço não são os fatores determinantes do nosso humor e muito menos da nossa alegria. Sempre nos achegamos a ti, no nosso íntimo e na nossa fé, a tua face é sempre meiga e acolhedora, com um aspecto receptivo e encorajador, até mesmo quando erramos. Obrigado pelo perdão e apoio diário para vencermos um dia de cada vez. Em nome de Jesus, oramos agradecidos. Amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s