Mudando de Roupas

Meditação do dia: 07/10/2020

Então mandou Faraó chamar a José, e o fizeram sair logo do cárcere; e barbeou-se e mudou as suas roupas e apresentou-se a Faraó.(Gn 41.14)

Mudando de Roupas – “Com que roupa que eu vou?” Quem nunca ouvir esse pergunta, ganha o direito de atirar a primeira pedra; mas de preferencia que seja uma pedra preciosa. Hoje vamos nos edificar na Palavra de Deus pensando sobre a experiencia de José, que estando numa prisão, precisa se apresentar diante do Faraó do Egito. São dois extremos, que a tendência normal seria de mantê-los distantes o bastante para nunca se encontrarem; no máximo, José poderia vê-lo algum dia à distância, numa das poucas aparições públicas, em que os plebeus teriam essa inaudita oportunidade. De um lado, estava o poder, a riqueza, as glórias terrenas, a autoridade sem limites e sem medidas, onde todos se curvavam e suas vontades eram feitas sem questionamento algum. Afinal, Faraó é Faraó! Do outro lado estaria José, um jovem de trinta anos, escravo, detido naquela prisão, por ser servo de um alto oficial, responsável pela guarda pessoal do próprio faraó. Era um ninguém, na escala de importância naquelas situações. Ela não era senhor nem de sua própria vida; nem tivera uma chance de defesa do que fora acusado e nem uma promessa de ser algum dia liberto, já que era uma mercadoria como qualquer outra, e ali estava sendo muito útil. Essa seria a visão sobre José, que qualquer pessoa naquela sociedade teria. As exceções a isso era a visão que José tinha de si mesmo e a visão que Deus tinha dele e do porque ele estava ali. Alguém disse que estando em qualquer situação, se Deus estiver do nosso lado, Deus e eu já somos maioria; e aqui, a maioria sempre vence, sempre tem razão. Você e Deus já formam uma maioria suficiente para vencer! Isso é bom, muito bom. Para esse encontro era necessário uma certa formalidade, mas sem demora; barbeou-se, vestiu roupas limpas e claro, improvisadas, mas dignas de se aproximar do Faraó. José mudou as vestes de prisioneiro, para outras que lhe foram atribuídas. Estou fazendo uso do termo atribuídas, porque as vestes nas páginas sagradas quando literais, são roupas mesmos; mas quando são metafóricas, representam a conduta, o comportamento, o modo de vida. Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias” (Is 61.10). Jó, mesmo em meio à uma grande provação, defendia a idéia de integridade e ali as vestes é citada como símbolo da prática de vida. Vestia-me da justiça, e ela me servia de vestimenta; como manto e diadema era a minha justiça” (Jó 29.14). Uma das fortes citações bíblicas e também a mais aguardada é de Apocalipse, da cena das bodas do Cordeiro. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos” (Ap 19.8). José tirou as suas vestes, da sua atual condição de prisioneiro, para vestir novas vestes limpas e que agora representavam a justiça que lhe estava sendo concedida para comparecer diante de Faraó. Alguém atribuiu a José a dignidade de se apresentar ao rei. Como deve ter sido para ele depois de tantos anos, vestir uma roupa decente, limpinha, cheirosa e digna. Eu sei, você sabe, o nosso Deus também sabia, que José estava na prisão, mas não era um prisioneiro; vestia roupas de condenado, mas não tinha culpa; e agora iria começar os primeiros passos da mudança da sua história. As vestes que lhe forneceram, de qualquer forma lhe caiam bem, eram mais condizentes com o conteúdo do seu interior e da sua verdadeira conduta. José agora estava pronto para sair e pronta para onde deveria ir. A hora de dar a volta por cima havia chegado. José estava pronto, muito pronto.

Senhor Deus e Pai, graças te rendemos pela sua grandeza, força e poder. Somos gratos por tua sabedoria permear todas as tuas obras e estar dentro do tempo em planejaste para cada um de nós e de todas as coisas. Nada escapa aos teus olhos e das tuas mãos. O teu governo é soberano, justo e bom. Estamos nas tuas mãos e não outro lugar melhor para se estar; servir ao Senhor é algo que nos dá dignidade e valor e podemos fazer isso com excelência e boa vontade porque tu és digno do nosso amor, louvor e adoração. Reconhecemos os teus planos e agradecemos o investimento feito em nossas vidas, pagando um alto preço através da vida de Jesus. Louvado seja sempre o nome da tua gloria. Em Cristo, nós oramos, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s