Baal-Perazim

Meditação do dia 28/01/2016

1 Cr 14.11 “E, subindo a Baal-Perazim, Davi ali os feriu; e disse Davi: Por minha mão Deus derrotou a meus inimigos, como se rompem as águas. Pelo que chamaram aquele lugar, Baal-Perazim.”

Baal-Perazim – Com a ajuda de Deus Davi venceu uma batalha que prenunciava ser muito difícil e a facilidade com que as coisas aconteceram levaram o rei a batizar aquele lugar com o nome de Baal-Perazim, “O senhor que rompe barreiras.” Numa forma bem brasileira, “foi mais fácil que cortar água.” Até chegar os negros tempos da idolatria e paganização de Israel no reinado de Acabe, também época do ministério do profeta Elias, essa palavra Baal, era bem aceita e com uma conotação positiva no hebraico, equivalendo a “Senhor ou Deus” e era empregada em nomes de pessoas e lugares sem quaisquer problemas. Um dos filhos do rei Saul, se chamava Esbaal; um dos filhos de Jônatas, se chamava Meribe-Baal. Quando O rei acabe introduziu o paganismo fenício nos territórios de Israel e a sanguinária Jezabel patrocinava esse e outros cultos pagãos, colocando Baal como o deus de Israel, isso provocou uma mudança na aceitação desse nome, porque agora era um nome próprio, específico de um deus fenício. Também, posteriormente, quando apareceu as sinagogas, em substituição ao templo, que fora destruído e o povo levado cativo, o culto judaico tinha como uma das partes importantes a leitura dos livros sagrados. Os livros de Samuel era lidos nas sinagogas, enquanto que os livros de Crônicas não eram, então alguns ouvidos mais “piedosos” não aceitavam ler no culto, nomes que faziam referencia a Baal, daí muitos desses nomes receberam uma versão “atualizada” sem citar Baal. Em outros casos, havia razões pessoais para a troca – como Esbaal, filho de Saul que tinha o significado de “homem de Baal” (homem de Deus ou do Senhor” – foi trocado para Isbosete (homem de vergonha); era um soldado medíocre, homem fraco e influenciável, que não foi morto com o pai e os outros irmãos, e acabou herdando o trono, até ser covardemente decapitado por dois de seus servos. Não é estranho que palavras tomem conotações diferentes com o passar dos tempos ou que até de uma região para outra ela tenha pesos diferentes, como temos no Brasil. O que nos atrai nesse caso, é que uma prática errada de culto implantada na nação, e todos os males que isso trouxe, acabou por levar as pessoas a rejeitar uma palavra para não ligar o nome santo de Deus, a uma profanação idólatra e má. Espiritualmente os nomes próprios tem muita relevância por seus significados, o que leva a pensar na responsabilidade ao registrar os filhos e propriedades, porque isso vai revelar o caráter e a consistencia da fé da pessoa.

Senhor Deus dos Exércitos de Israel, bendito seja o teu santo nome, em todo tempo e lugar. O nosso coração se volta para ti em atitude de humildade e reconhecimento de que não nada e ninguém comparável ao Senhor, quer nos céus, quer na terra. O nosso culto e adoração é somente a ti, a quem reconhecemos como o criador e sustentador de todas as coisas; só a ti reverenciamos e aceitamos como Deus. A nossa fé está em ti e na tua bendita palavra; glórias ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, Amém.

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s