A Razão da Celebração

Meditação do dia 10/09/2016

Sl 100.5 “Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração.

A razão da celebração – O Salmo 100 é muito alegre e produz alegria imediata na alma assim que inicia a sua leitura. Nele encontramos uma série de imperativos, ou seja, verbos flexionados no modo imperativo que denotam ordens a serem cumpridas. Acontece que quando se fala de cumprir ordens, já torcemos o nariz; não gostamos que alguém mande na gente e o instinto de independência e rebeldia humana bota as mangas para fora e a cara já fica amarrada e assumimos uma postura defensiva. Tomara que eu esteja errado e que isso só aconteça comigo. M A S, Jesus Cristo mudou o meu viver e agora como nova criatura, deixo de lado o que “eu” gosto ou não gosto, para dar lugar a uma vida de servo e serviço, e aprender os verdadeiros caminhos da vida e olha, que andar e aprender com o Senhor, com sua Palavra e com o Espírito Santo é muito bom e gratificante. Nesse salmo, os vários imperativos são para fazermos coisas boas, prazerosas e gratificantes, além de ser para Deus por razões muito justas e boas. Te convido a vir comigo e pensarmos juntos sobre isso. 1. Celebrai com júbilo – Tecnicamente celebrar tem dois significados: Realizar, promover, com solenidade um acontecimento ou cerimonia (casamento, culto, aliança); ou acolher com festejos ou com exaltação; comemorar. Nosso imperativo é para fazer uma festa alegre e acolher o Senhor com festejos; que maravilha! 2. Servi ao Senhor com alegria – Servir é uma ação de quem está na condição de servo, envolve ação, atitude, então não pode ser aceito na condição de “ser” (sou cristão, ser não é condição, especialmente de servir) pelo fato de “ser crente, evangélico” não significa que “serve a Deus.” Há diferentes razões e circunstancias que levam uma pessoa a servir e não quer dizer que isso lhe dê prazer, pode ser até humilhante, opressivo e etc. O nosso imperativo é para servir com alegria, com satisfação e prazer, senão, para Deus não é servir, não é culto. 3. Entrai diante dele com canto – Na concepção literal do autor, Deus estava num lugar (templo, santuário) e ir ali, era entrar na presença dele. Na Nova Aliança, isso muda completamente, porque a concepção de templo e santuário passa ser o nosso espírito, nós somos o lugar da habitação de Deus e ele é adorado “em espírito e em verdade…” hoje não dá para comparecer com um sorriso falso na cara e o coração amarrado, amargurado e ressentido por dentro, Deus já está por dentro. 4. Sabei que o Senhor é Deus – Teoria e prática são diferentes, dizer que sabe quem é Deus, mas agir como se ele fosse um ser pequeno, manipulável, de quem se omite e se esconde, sonega sem que ele saiba ou reaja, é um baita risco, porque de fato, o Senhor É DEUS! 5. Entrar por suas portas com gratidão e louvor – Novamente a idéa do templo físico, local e a atitude de gratidão. Para nós, é ter um estilo de vida que cultiva a gratidão a Deus. Temos “Ns” razões pelas quais sermos agradecidos, todos os dias. 6. Bendizei o eu nome – O nome de uma pessoa representa a própria pessoa, firma o seu caráter e demonstra tudo o que ela é. Por isso que lutamos tanto para ter um bom nome, um nome respeitável, com credibilidade; é ruim quando o nome é sujado, desonrado, aviltado. No caso de Deus, há até um mandamento para não toma-lo em vão; no Salmo 23 diz que ele nos guia por veredas de justiça, por amor do seu nome; Fp 2 diz que Jesus ganhou um nome acima de todo nome; na eternidade receberemos um novo nome; Atos 4.12 simplesmente afirma: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Aos romanos se diz que “todo aquele que invocar O NOME do Senhor será salvo (10.13). Então nosso imperativo é falar bem do nome do Senhor, e é mais do justo fazermos isso. Todos esses imperativos são justificados o fim do salmo: “Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração. Deus é bom, o tempo todo! Dá o maior prazer obedecer e cumprir esses imperativos.

Graças, Senhor, pelo privilégio de ser chamado seu filho e poder andar por caminhos que o Senhor recomenda e nos quais está presente para me abençoar e cuidar amorosamente. Obrigado pelo Espírito Santo que habita em nós, os teus filhos e pelo lindo trabalho de nos guiar a toda a verdade. Somos também agradecidos a Jesus Cristo, que se fez homem e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade. Só temos motivos de sermos gratos, adoradores e nos apresentar diante de ti com cânticos alegres e celebrações festivas. Obrigado, meu Deus, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

A Arte da Contemplação

Meditação do dia 09/09/2016

Sl 99.1 “O SENHOR reina; tremam os povos. Ele está assentado entre os querubins; comova-se a terra.

A Arte da Contemplação – Vou escrever hoje sobre um assunto que me é apaixonante de verdade e sobre o qual sei muito pouco, mas estou investindo para crescer e praticar, é a contemplação espiritual. Isso já foi uma prática comum e usual entre os cristãos piedosos ao longo de séculos da história da igreja do Senhor Jesus. A contemplação está estreitamente associada a meditação, a adoração individual e a busca por santidade e intimidade com Deus. Sua prática requer disciplina e concentração e aqui não estamos pensando em misticismo oriental para auto conhecimento e recitação de mantras e sons estranhos e esquisitos com finalidade de desenvolver poder e controle mental, transe e etc. Homens santos de Deus, pais da igreja e líderes importantes se dedicavam a investir tempo de qualidade na presença de Deus, muitas vezes se isolando da agitação pública e urbana, para se dedicar ao silencio contemplativo juntamente com a leitura e meditação nas Escrituras Sagradas e a prática da oração. Todos reconhecemos que vivemos de maneira muito atribulada, excesso de responsabilidades, cuidados, ambições, preocupações e uma insatisfação interior com os resultados observados. O tempo dedicado as práticas devocionais são cada vez mais escassas e até parece pílulas emergenciais para repor artificialmente as deficiências de má alimentação, sono e postura corporal. Chegamos ao ponto de sermos muito barulhentos por dentro e até temos pânico do silencio; estar tudo muito calmo, quieto, silencioso é sinal de algo está errado ou prenuncio de perigo. Estive lendo e trabalhando sobre a vida do profeta Elias e me deparei com o quadro quando o Senhor ordenou que ele fosse para o deserto na região deserta, e ficasse as margens do ribeiro de Querite. Um lugar no meio do nada que se ligava a lugar nenhum, onde ninguém ia, nem passava, com falésias grandes ali ele recebia pão e agua diariamente por corvos, únicos visitantes dele; sem estrada, telefone, celular, computador, maquina de escrever, moveis, utensílios, livros e nem uma Bíblia… Só ele, o deserto o silencio e Deus só voltou a falar com ele depois de mais de um ano, quando a água do riacho secou! O que ele fazia o tempo todo? O que eu faria? E você? Numa condição dessas, ou se desenvolve uma prática salutar e edificante, ou pira de vez! Não estou pensando em ir ou estimular os extremos, mas procurar crescer saudavelmente e encontrar algo que perdemos ao longo da caminhada. O Salmista declarou: O Senhor reina… isso me leva a soberania divina, sua majestade e capacidade de produzir governo de qualidade sem esforço, atritos e conflitos, ele simplesmente reina! “tremam os povos…” não é de medo, temor ou pânico, mas de reverencia santa, por experimentar uma presença infinitamente poderosa e inalcançável aos padrões de grandeza a que os mortais estão acostumados. “Ele está assentado entre os querubins…” Todos os humanos que tiveram a oportunidade de interagir com o plano espiritual e e viram anjos, arcanjos e outras castas e hierarquias angelicais ficaram estupefatos e alguns até sentiram efeitos físicos debilitantes indo à prostração. “Quanto a mim, Daniel, o meu espírito foi abatido dentro do corpo, e as visões da minha cabeça me perturbaram. E, estando ele falando comigo, caí adormecido com o rosto em terra; ele, porém, me tocou, e me fez estar em pé.” (Dn 7.15; 8.18).  “comova-se a terra… A presença de Deus e sua contemplação produz comoção e quebrantamento na vida humana. É impossível ter um encontro com Deus e não acontecer na vida da pessoa. Toda experiencia com Deus é redentora e transformadora. Se ficamos deslumbrados diante de uma obra de arte, de um cenário da natureza, de um espetáculo bem feito… o que não deve produzir uma experiencia de contemplação espiritual bem sucedida guiada pelo Espírito Santo!?

 

Pai, desejo fazer do Salmo 131 a minha oração a ti nesse dia… “SENHOR, o meu coração não se elevou nem os meus olhos se levantaram; não me exercito em grandes matérias, nem em coisas muito elevadas para mim. Certamente que me tenho portado e sossegado como uma criança desmamada de sua mãe; a minha alma está como uma criança desmamada. Espere Israel no Senhor, desde agora e para sempre.”Em nome de Jesus! Amém

 

Pr Jason

A Mão e o Braço do Senhor

Meditação do dia 08/09/2016

Sl 98.1 “Cantai ao SENHOR um cântico novo, porque fez maravilhas; a sua destra e o seu braço santo lhe alcançaram a salvação.

A mão e o braço do Senhor – Tecnicamente falando estamos lidando com o antropomorfismo, que é uma forma de pensamento que atribui características ou aspectos humanos a Deus, para melhor compreensão e aplicação prática nesse relacionamento. Sabemos que Deus é Espírito, e como tal, não é material, nem tem forma ou ocupa espaço; quando figuradamente falamos da “mão,” do “braço,” da “boca” de Deus, na verdade estamos atribuindo a Deus uma característica e aspectos meramente humanos, com os quais expressamos e manifestamos essas ações. Entendemos que nossas mãos são instrumentos de trabalho, com as quais produzimos resultados, criamos coisas, amparamos, protegemos, cuidamos, recompensamos, castigamos, oferecemos carinho ou maltratamos… então, atribuímos a manifestação do poder criativo e demais ações de Deus, como se Ele estivesse utilizando as mãos, tal qual uma pessoa humana faria para produzir aquela ação. O mesmo se atribui ao braço de Deus, que é a expressão da manifestação do seu poder de agir e fazer acontecer seus propósitos. Nas nossas conveniências humanas, por exemplo, atribuímos uma ação direta e justa dos procedimentos jurídicos e legais como sendo “o forte braço da lei;” também dizemos que alguém “governa com punhos de ferro!” Em Atos dos Apóstolos, encontramos os discípulos fazendo uso desse pensamento em oração a Deus. Enquanto estendes a tua mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo nome de teu santo Filho Jesus” (At 4.30).  Ao que tudo indica, o próprio Senhor não se incomoda com esse modo de expressar, pois um pouco mais à frente, vemos outra narrativa bem sugestiva: E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor” (At 11.21). Eles oraram pedindo Ao Senhor para estender sua mão pra curar e fazer milagres, e depois, o autor diz que a mão do Senhor era com eles. A idéia, é que podemos confiar no poder maravilhoso de Deus que está disponível a nós, através de sua graça; nossas orações tem endereço certo quando clamamos e o agir de Deus acontece sempre. Isso é motivo de louvor e celebração da parte de todos os filhos e adoradores, afinal, o Deus a quem servimos, não precisa de que alguém o livre, ou salve, pois “…a sua destra e o seu braço santo lhe alcançaram a salvação.

 

Grandes são Senhor, as tuas maravilhas e o teu poder! Obrigado, por sustentar a minha sorte e valer-me quando necessito, em nome de Jesus, amém!

 

Pr Jason

Odiar o mal

Meditação do dia 07/09/2016

Sl 97.10 “Vós, que amais ao Senhor, odiai o mal. Ele guarda as almas dos seus santos; ele os livra das mãos dos ímpios.

Odiar o mal – O mal e o bem são opostos entre si e representam princípios eternos, que sempre caminharão em direções diferentes, embora a vâ filosofia ensina que andam juntos, paralelos. Deus é um espírito pessoal perfeitamente bom e na sua natureza e no seu caráter não aparece o mal em quantidade nenhuma, por mínima que seja. O mal não é capaz de tentar a Deus, como por exemplo faz com o ser humano. Deus não pratica o mal, não é tentado pelo mal e não tenta ninguém, ou não induz ninguém ao mal. Assim como para nós, os cristãos, adoradores de Deus, entendemos e cremos que Ele representa e é a personificação do bem, de todo bem e de tudo o que é bom; também entendemos que o mal tem uma personificação e um representante que lhe dá as feições e cuja existência é oriunda do egoísmo egocentricidade de uma criatura de Deus, que fez mal uso dos atributos e qualidades de fora dotado pelo criador e mesmo sendo um ser de destaque, honra, prestígio diante de toda a criação, quis mais do que lhe devia e cobiçou o que não lhe pertencia e na busca por atingir seus objetivos, corrompeu-se e arrastou outros consigo. A unidade, harmonia e equilíbrios perfeitos na eternidade fora afetados e assim surgiu uma oposição à Deus, à luz, à verdade, ao bem e a tudo que Deus representa. Assim como tudo era afetado pelo amor e o equilíbrio do bem sob o controle de Deus, tudo possível ao alcance do mal foi afetado e corrompido com uma finalidade última de destrutibilidade. Deus pode criar tudo e qualquer coisa, o mal não pode criar nada, pode afetar, modificar, corromper e alterar o já criado; é assim que caminha as coisas, incluindo a humanidade. Jesus disse que o mal tem uma finalidade ao se manifestar: “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir…” Jo 10.10a). O apóstolo são Paulo instruiu os cristãos da cidade de Corinto, que evitassem criar situações que dessem oportunidade ao mal, porque ele é perigoso: “E a quem perdoardes alguma coisa, também eu; porque, o que eu também perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo; para que não sejamos vencidos por Satanás; Porque não ignoramos os seus ardís.” (2 Co 2.10,11). Jesus fez clara e declarada oposição ao mal e a tudo o que ele representa, por isso foi reconhecido pelo Pai e considerado apto para ser o redentor e representante da raça humana pecadora e escrava ao mal e ao pecado. “Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros” (Hb 1.9). A intenção do mal é afetar e arruinar tudo o que Deus ama, mas atingir esse objetivo ele não vai em tempo algum, pois Deus planejou recuperar sua obra, sua criação e suas criaturas, com o mínimo de perda e o máximo de ganho através da redenção e no final do processo eliminar definitivamente todo e qualquer vestígio do mal. “Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo” I Jo 3.8). O mal tem a intenção de destruir o bem e tudo que isso representa; mas Deus não só tem a intenção de destruir o mal, como tem um plano e os recursos para levar isso a efeito. “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.” (Ap 20.10,14,15). Como costumamos dizer: “Querer é uma coisa, poder é outra bem diferente!” Mas Deus, quer e pode! Por isso amar o bem e odiar o mal, é uma decisão sábia e prudente. Quem não quer perder, fica logo do lado que já se sabe que vai vencer.

Senhor, obrigado por nos receber no teu lado da historia. Graças te rendemos por planejar uma tão grande salvação para aqueles que confiam em ti e põem no Senhor a sua confiança. Sabemos que o mal destrói tudo com que tem contato e por isso nos arrependemos de todo o mal que experimentamos ao escolher um estilo de vida contrário à tua vontade e revelado na tua Palavra. Perdoa-nos baseado na redenção que há em Cristo Jesus, e permita que cresçamos e nos transformemos pela renovação de nossa mente e assim podemos experimentar toda a tua boa vontade. Em nome de Jesus, oramos em fé. Amém.

Pr Jason

Cantar Para Deus

Meditação do dia 06/09/2016

Sl 96.1 “Cantai ao SENHOR um cântico novo, cantai ao SENHOR toda a terra.

Cantar para Deus – Cantar não faz parte do culto, cantar é culto a Deus! Além de ser uma atividade saudável à qualquer pessoa, ainda é uma forma muito eficaz de expressar o que se sente e que nem sempre é fácil fazê-lo por palavras. Os salmos especialmente, estão repletos de referencias sobre cantar, como parte da devoção pessoal a Deus. Como também eles foram escritos para serem cantados, são então um grande estímulo à prática de celebrar a Deus melodiosamente. Também a música tem funções pedagógicas muito apropriadas ao ensino de verdades que precisam ser fixadas na mente e no coração. Até mesmo Deus usou desse expediente para ensinar verdades ao seu povo. No final do êxodo hebreu, nos seus dias finais, Moisés foi instruído por Deus a ensinar aos filhos de Israel um cântico, que ratificava as grandes verdades ensinadas durante a peregrinação e que não poderiam ser esquecidas entre o povo em todas as gerações. O Senhor deu a letra e ensinou a melodia a Moisés, que a retransmitiu à população. Este cântico está registrado em Dt 32.1-43; em seguida Moisés deixou uma instrução importante: “Aplicai o vosso coração a todas as palavras que hoje testifico entre vós, para que as recomendeis a vossos filhos, para que tenham cuidado de cumprir todas as palavras desta lei. Porque esta palavra não vos é vã, antes é a vossa vida; e por esta mesma palavra prolongareis os dias na terra a qual, passando o Jordão, ides a possuir” (Dt 32.46,47). Então verdades profundas e importantes da Palavra de Deus podem e devem ser memorizadas através de canções, que facilmente são assimiladas pelas emoções e gravadas de forma praticamente indeléveis (hoje, indeletáveis) na memória. Este salmo de hoje, é muito amado e apreciado por todos os adoradores do Senhor; ele convida em termos de mandamento, que cantemos ao Senhor e especialmente cânticos novos. Uma das formas de se obedecer a tal mandamento, pode ser usando a criatividade e o improviso, criando letras, ou melodias novas durante o tempo de comunhão e de culto ao Senhor. Podemos, por exemplo, quem não é tão habilidoso em compor música ou escrever poemas e letras, adaptar sobre uma canção já existente, introduzindo uma nova letra ou nova melodia, até mesmo de improviso. Claro que estou falando de cantar no seu momento à sós com Deus ou em ministrações até coletivas com a congregação; isso não deve ser feita a nível comercial, aí já é pecado de apropriação de direitos e pirataria e outras coisas mais. Também pode criar sob inspiração do Espírito Santo e permitir que os dons criativos da graça divina conduza o adorador a outros níveis, quem sabe, ainda não experimentados até então. Mas faça do mandamento, um momento de prazer e alegria, mesmo que seja só nos seus momentos de intimidade com Deus. Faça uso dessa ferramenta poderosa para sua edificação e vitória.

Louvado seja o Senhor, digno de todo louvor e adoração; pois fizeste grandes coisas em favor dos teus filhos; segunda a tua Palavra, habitas entre os louvores dos teus santos e assim somos todos chamados a celebrar-te com alegria e regozijo. Obrigado pelos dons criativos que o teu Santo Espírito distribui à igreja, para assim manifestar a grandiosidade do Senhor nosso Deus. A ti, Pai, seja a honra e a glória para todo sempre, amém.

Pr Jason

Rebanho de Deus

Meditação do dia 05/09/2016

Sl 95.7 “Porque ele é o nosso Deus, e nós povo do seu pasto e ovelhas da sua mão.

Rebanho de Deus – A figura de rebanho de ovelhas sob os cuidados de um pastor, é largamente utilizada na Bíblia toda. Se Deus, fez essa aplicação e utilizou tantas páginas preciosas de suas Escrituras com esse tema, então temos que convir que não só é uma figura muito válida, como também muito sugestiva no relacionamento que temos com ele. A ovelha é um animal dócil, doméstico, dependente e dotado de uma simplicidade muito grande. Não tem senso de orientação, como a maioria dos animais, antes, tem um instinto de vida em grupo e de seguir alguém ou algo. Se as deixarem por conta própria, e uma delas tomar a dianteira em uma direção, facilmente será seguida pelas outras, o que pode leva-las ao perigo. Se perdem com muita facilidade, por falta de senso de direção e orientação e não tem nenhum mecanismo de defesa, sendo presa fácil dos predadores. Por outro lado, com todas essas desvantagens, quando criadas e cuidadas por um pastor, elas se apegam e familiarizam com ele e são capazes de discernir a sua voz em meio a qualquer outras vozes e de forma alguma seguirão um estranho. O reino de Deus propõe aos seus súditos, um estilo de vida de simplicidade e entrega de preocupações aos cuidados de Deus, que se apresenta como o Senhor de todas as coisas e Jesus se colocou como sendo o bom pastor do rebanho de seu Pai. Ele cuida muito bem e garante segurança plena e vida abundante, e se coloca como sendo a própria porta do aprisco. Considero uma declaração muito forte e determinante de Jesus, quando ele afirma que as suas ovelhas conhecem a sua voz e que não seguem a voz do estranho. “A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos” (Jo 10.3-5). Quando um cristão está andando desbaratinado por aí, sem rumo, sem direção, sem capacidade de saber o que é de Deus, o que e do diabo, o que é dele mesmo, isso é indicativo de que alguma coisa em algum lugar está errado. Jesus afirmou que suas ovelhas conhecem a sua voz, então porque alguém está desorientado e confuso. Ele pode não ser ovelha dessa aprisco e deste pastor; pode ser que ele tenha contraído uma infecção auditiva e ficou incapacitado de discernir o timbre da voz do seu pastor, ou quem sabe, é daquelas ovelhas geniosas que não para quieta e fica caçando novidades e está sempre se metendo em encrencas. Ovelhas com senso de independência, são petiscos apreciáveis de lobos e outros predadores. Me amado, se Deus tem prazer em cuidar de mim e de você, como um bom pastor cuida de suas ovelhas, o privilégio é nosso! Já sabemos que não somos bons em dirigir nossas próprias vidas e nosso sendo de direção é precário. Se Deus nos amou de uma tal maneira, que deu seu filho para nos guiar mansamente as águas tranquilas de descanso e refrigério, porque viver tentando cuidar de nós mesmos e vivermos estressados, esgotados, feridos, decepcionados e correndo riscos o tempo todo? Façamos parte dessa proposta de Deus e desfrutemos desses cuidados amorosos e gentis. Hoje sou parafrasear o salmo 100 como a oração do dia.

Celebremos com júbilo ao SENHOR, todas as terras. Sirvamos ao Senhor com alegria; e entremos diante dele com canto. Saibamos que o Senhor é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto. Entremos pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvemo-lo, e bendigamos o seu nome. Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração.

Pr Jason

Falando Comigo Mesmo

Meditação do dia 04/09/2016

Sl 94.19 “Na multidão dos meus pensamentos dentro de mim, as tuas consolações recrearam a minha alma.

Falando comigo mesmo – Uma das características que determinam uma pessoa é consciência de si próprio. Não apenas estar cônscio de si mesmo, mas também que pode conhecer a si mesmo. O homem tem o poder de sondar o próprio ser, pesquisa-lo, até descobrir-se a si mesmo, viajar ao seu próprio interior e conhecer-se mais e mais. O Clímax do pensamento grego foi sintetizado na expressão: “Conheça-te a ti mesmo.” (Atribuída a Sócrates 479-399 A.C). Então, falar com “seus próprios botões,” não é sinal de maluquice, mas é uma afirmação de que se é uma pessoa de verdade. Mas também tudo tem o seu limite! O salmista se refere a sua multidão de pensamentos pessoais, internos, dos quais provavelmente a maioria não são expostos ao público, ou  mesmo a alguém. Todos nós, estamos constantemente envolvidos com nossos próprios pensamentos e às vezes, eles se tornam tão intensos que nos desligamos da realidade ao redor. Estamos no meio de uma multidão, mas estamos sozinhos conosco mesmo, pensando, articulando respostas, buscando soluções e planejando caminhos possíveis. Quando estamos em situações difíceis, isso se torna ainda mais evidente e por vezes o espaço de tempo entre onde estamos e onde devemos decidir em definitivo é muito curto e então aceleramos os pensamentos e em alguns casos, o desânimo chega primeiro, ou alguns se entregam à derrota antes mesmo de lutar. Espiritualmente, estamos cercados de inimigos que são dissimulados, essa é a grande verdade; O diabo, a carne, o mundo com seus sistemas e esquemas, não querem e não vão aceitar serem acusados diretamente de algo ocorrido na vida do cristão. Eles não são bobos, a ponto de recaírem sobre eles uma acusação do tipo: “a pessoa saiu da igreja, ou da fé, ou se afundou no pecado por causa de….” O mal quer que nos enrosquemos por nós mesmos em “circunstancias da vida” e assim nos afastemos apenas das pequenas coisas espirituais que nos dão proteção e força. Acontece uma decepção pessoal, com uma pessoa, com uma causa, com uma decisão na igreja ou no serviço; você diminui a comunhão, a leitura e meditação na Palavra de Deus, cai à frequência, e aos poucos surge algo para ser encaixado nesses respectivos lugares, nada mal, danoso, lesivo; é apenas uma distração, um lazer, uma nova opção. Como um abismo chama outro, novos amigos, novos contatos, novos pontos de vista, novas posturas…. e um dia a casa cai. Então cuidado. No caso Salmista, ele foi recreado, refrigerado na sua alma pelas consolações de Deus. As consolações de Deus são maravilhosas, mas as consolações do mundo, dos homens, são desastrosas. Encaminhe os seus dilemas interiores para Deus e busque na fonte verdadeira, que não só trará soluções, como mudarão as condições e nos aproximarão ainda mais daquilo que pela nossa fé, tem muito significado. Observe uma postura bíblica de uma pessoa em crise, quem sabe até em depressão: Por que estás abatida, ó minha alma? E por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face e Deus meu (Sl 43.5). Fale consigo mesmo, mas vale a verdade, encontre as respostas, mas as respostas certas. Ninguém de conhece melhor do que aquele que te criou e ninguém te ama mais do que alguém que morreu por você! A resposta é Deus e está nEle!

Senhor, que bom e que saudável ter em ti uma fonte de conforto e consolo. Obrigado por socorrer os teus filhos nos momentos difíceis .Hoje, apresento a ti, a minha gratidão, mas também a minha oração em favor dos meus amados que se encontram em situação de tristeza e insegurança. Te peço livramento e cura para o espírito abatido e a alma triste e deprimida. Oro para que a vida de Cristo se manifeste poderosa para essas pessoas. Que a fé delas em ti e na tua palavra, produza reação construtiva e redentora. Que o amor do Senhor se revele de forma muito especial nesse instante a cada uma delas, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Os Testemunhos do Senhor

Meditação do dia 03/09/2016

Sl 93.5 “Mui fiéis são os teus testemunhos; a santidade convém à tua casa, Senhor, para sempre.

Os testemunhos do Senhor – Quero transcrever nessa meditação um trecho do livro “O Testemunho de Deus” de Watchaman Nee, que considero muito edificante e elucidativo. “Frequentemente mencionamos o testemunho de Deus, mas o que é e o que diz? A palavra “testemunho” ou “Testemunhos” foi usada com muito mais frequência no Antigo Testamento do que no Novo. Vamos examinar aqui de maneira especial duas referencias do Antigo Testamento. Uma se encontra no Pentateuco de Moisés, particularmente no Livro de Êxodo, onde a palavra “Testemunho” foi usada em profusão; como, por exemplo, nestas frases: “A arca do Testemunho” e “as duas tábuas do testemunho” (Ex 25.22; 31.18). A outra se encontra no Salmo 119, onde a palavra “Testemunhos” foi empregada repetidas vezes. Examinando atenciosamente as duas passagens podemos perceber qual o verdadeiro significado do testemunho de Deus. O Salmo 119 menciona muitas vezes a palavra de Deus, os preceitos de Deus, a lei de Deus, os estatutos de Deus, os mandamentos de Deus e também os testemunhos de Deus. O salmista cita os testemunhos junto com a palavra de Deus, seus preceitos, estatutos, mandamentos e assim por diante. Somos exortados a manter seus testemunhos da mesma maneira que somos convocados a guardar sua palavra, seus preceitos, sua lei, seus estatutos e seus mandamentos. Pode parecer um pouco estranho a nossos ouvidos quando dizemos que temos de guardar os testemunhos de Deus. Mas descobrimos na Bíblia que os seus testemunhos são da mesma natureza que sua palavra, seus preceitos, sua lei, seus estatutos e seus mandamentos. Em Êxodo, Levítico e Números encontramos  não só que o testemunho de Deus permanece no mesmo nível de sua palavra e sua lei, mas também que as duas tábuas de pedra sobre as quais a lei foi inscrita são chamadas de tábuas do testemunho e que a arca na qual as duas tábuas foram colocadas é chamada de arca do testemunho. Todas essas coisas são obras do próprio Deus. Assim vimos o que o testemunho é. O testemunho é a lei. Em outras palavras, representa o desejo do coração de Deus, que também é a exigência divina – ou, podemos dizer, o padrão de Deus. Na verdade, as duas tábuas do testemunho mencionadas em Êxodo descrevem-nos um tema lindo: o próprio padrão de Deus. Qual é o padrão de Deus? Seu padrão o revela, mostrando-nos que Deus ele é. E o testemunho nos é dado para que saibamos qual é o padrão absoluto de Deus. Quando este padrão alcança o homem, torna-se lei. Do lado de Deus, é testemunho, mas do lado humano, é lei. Portanto, lei e testemunho são uma e a mesma coisa, embora vistos de maneiras diferentes. É o testemunho no que diz respeito a Deus; mas torna-se lei no que se refere ao homem. Testifica o que Deus exige; delineia o que tem de ser guardado pelo homem. No que se refere a Deus, o testemunho é sua exigência; no que se refere ao homem, o testemunho é o seu dever. Fala da espécie de Deus que temos, comparado com o tipo de vida que nós, os humanos, vivemos. Quando colocado em nossa mão, tal testemunho nos convence de nossa injustiça considerando que carecemos do padrão divino. Mas, enquanto permanece na mão de Deus, revela que Deus ele é. O testemunho, portanto, é a auto revelação de Deus. Isso se torna ainda mais explícito no período do Novo Testamento. O Senhor Jesus veio para dar testemunho do Pai; o Espírito Santo veio para dar testemunho de Cristo; e a igreja deve manter o testemunho de Cristo Jesus no poder do Espírito Santo. O testemunho de Cristo é dizer às pessoas quem e o que Cristo é. E isto se chama testemunho.” (o testemunho de Deus, Watchaman Nee, pag. 9-11 – Editora vida).

Graças de damos Senhor por palavras tão puras, tão verdadeiras, porque são a expressão do teu caráter. O testemunho do Senhor é verdadeira fiel e abençoa as nossas vidas. Somos agradecidos por Jesus Cristo ter dado a sua vida para nos trazer de volta à comunhão com o Senhor e somos gratos ao Espírito Santo por vivificar a tua verdade nos nossos corações levando-nos ao arrependimento e à conversão a Cristo. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Unção Com Óleo Fresco

Meditação do dia 02/09/2016

Sl 92.10 “Porém tu exaltarás o meu poder, como o do boi selvagem. Serei ungido com óleo fresco.

Unção com óleo fresco – Para se falar de unção, precisamos considerar que “uns são, outros não são” e com certeza eu não sou! Os movimentos pós-denominacionais sem muita fundamentação bíblica e teológica, baseando interpretações livres e algumas até forçadas das Sagradas Escrituras, criam “verdadeiras aberrações” nas práticas de cultos e algumas dessas inventivas são até de cunho duvidoso espiritualmente, de procedência mística, esotérica e até ocultistas, tudo com a finalidade de conquistar ou não perder o cliente. As Igrejas mais fundamentalistas se atém mais à princípios bíblicos e procuram seguir um caminho onde a fé do fiel não seja desencaminhada da pessoa de Deus ou das Escrituras, para se fundamentar em “coisas ou pessoas.” Mas uma máxima emprestada dos adágios populares é significativo aqui: “não se joga pedra em árvore que não dá frutos!” As heresias, os erros doutrinários ou as práticas espúrias, são na verdade, resultados de desvirtuamento de uma prática sadia, que por alguma razão sofreu uma degeneração. O ato de ungir é bíblico, é correto, tem respaldo nas Escrituras, na história do povo de Deus e na história da igreja cristã. Porque alguns estão exagerando na dose e criando situações sem precedentes, não significa que a prática saudável e biblicamente recomendada não possa ser praticada em nossas celebrações. A unção aparece em grande parte como um ato de consagrar ou santificar algo para uso espiritual e cerimonial. Jacó ao acordar daquele sono onde sonhou vendo uma escada ligando o céu à terra e pela qual anjos de Deus desciam e subiam por ela, chamou aquele loca de Betel  – “Casa de Deus” e por iniciativa própria ungiu uma pedra demarcando aquele lugar. “Então levantou-se Jacó pela manhã de madrugada, e tomou a pedra que tinha posto por seu travesseiro, e a pôs por coluna, e derramou azeite em cima dela” (Gn 28.18). Também a unção servia para a separação de pessoas para desempenhar ministérios para Deus, como reis, sacerdotes e profetas; Objetos, como as peças que compunham o tabernáculo e até o próprio tabernáculo eram ungidos e separados para uso exclusivo nos cerimoniais de culto. Pessoas enfermas eram ungidas em ministrações sacerdotais e a unção com unguentos e especiarias medicinais e emplastros também eram utilizados nos tratamentos de doenças, ferimentos e etc. Outra vasta utilização de tipos de unções era na cosmética, nos tratamentos de beleza da época, quando variedades de perfumes, óleos e unguentos eram artesanalmente fabricados largamente utilizados, especialmente pela ala feminina. Havia também o uso como modo de honrar um visitante ilustre e importante, que era recebido em casa após uma jornada, lavava-se os pés e depois eram ungidos e massageados quase que cerimonialmente. “Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com ungüento” (Lc 7.46). O rei Davi, falava do poder de Deus capacitando o ser um vencedor e a ser destemido e indômito tal qual um boi selvagem, que é implacável e não se sujeita as conveniências de ser domado e domesticado; com ele o “o jogo é bruto!” Era assim que Davi percebia a graça de Deus que o separava e o mantinha sob uma unção renovada constantemente. Isso fala de experiências renovadas com Deus e no serviço de Deus. Nada de ministério empoeirado, bolorento, mofado pela inércia e acomodação; fazendo tudo do mesmo jeito, por pura preguiça e fuga de encarar desafios de novas aprendizagens e renovações. Deus tem coisas novas para seus filhos a cada dia, sempre que o buscam com interesse e reverencia, no desejo de fazer o melhor e o que mais lhe agrada.

Obrigado Senhor, porque na Nova Aliança o Espírito Santo é que unge e capacita os teus amados e quem lhes permite experimentar o teu melhor todos os dias. Pai, que hoje, haja uma unção nova, com óleo fresco sobre as nossas vidas, para tua glória. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Direi do Senhor

Meditação do dia 1º/09/2016

Sl 91.2 “Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.

Direi do Senhor – “E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos” (2 Co 4.13). A confissão da fé é algo extremamente importante e determinante na vida do cristão. Não é sé crer, o confessar fortalece essa atitude interior e alimenta no espírito a verdade assimilada. Tiago usa uma expressão interessante e intrigante que também pode ser aplicada nesse contexto; ele fala do poder que a língua tem sobre a pessoa e os resultados extraordinários que ela pode produzir, tanto para construir, como para destruir. “Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia” (Tg 3.5). Ele usa proporções comparativas quase que absurdas para mostrar que tamanho não é documento; Um imenso navio é manobrado por um pequeno leme, um forte cavalo é dominado e contido por um pequeno freio e um incêndio de grandes proporções surge de uma minúscula fagulha. Se com ela podemos glorificar a Deus ou amaldiçoar os homens e funciona como uma fonte que jorra água doce e amarga; humanamente é indomável, afirma Tiago, mas se consagrada e a vida da pessoa for crucificada e cheia do Espírito Santo ela pode ser usada em santidade e justiça. Com um coração quebrantado e contrito, cheio da graça e da Palavra de Deus, ela irá proferir confissões construtivas, pois a boca fala daquilo que o coração está cheio, afirma Jesus (Lc 6.45). Todos os cristãos, especialmente os de confissão evangélica, reconhecem que até mesmo no processo da Salvação oferecida pelo Evangelho em Cristo Jesus, a confissão falada, declarada com a boca é crucial e determinante, isso faz parte da teologia paulina. “A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação” (Rm  10.9,10). Também reconhecemos que a salvação é um ato da graça de Deus, enquanto a vida cristã é um processo que se inicia com a conversão e novo nascimento e se estende até à glorificação final. “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas” (Fp 3.20,21). O Salmista confessa sua fé não só no que Deus faz por ele, mas principalmente naquilo que Deus é para ele. É aí que eu me coloco nessa meditação; eu sei o que Davi, Abraão, Paulo e tantos outros criam e diziam sobre Deus; mas o que eu digo? Qual é a minha confissão diária, constante e permanente? Recitar textos, poemas e declarações dos outros é muito fácil e dá para se fazer até na “decoreba” maquinalmente. Levantar as mãos em público no meio da celebração dominical, com o microfone na mão diante das câmeras e holofotes, ao som suave de uma melodia entoada por músicos afinados e ensaiados é moleza! Estou pensando na segunda feira brava, na sexta feira negra, no fim de mês já sem grana e o crédito esgotado; estou pensando na hora da doença numa pessoa nova, fiel e devota; estou pensando no luto ou na tristeza de um acidente estúpido que colheu vidas produtivas em pleno início de carreira; estou pensando em ministério dedicado e espinhoso cujos resultados aparentes não estão surgindo… O que direi do Senhor? Com muito temor e certeza eu afirmo, que é essa confissão que faz diferença…. Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.Aqui não é uma citação do Sl 91, mas a da Jason, a do José, a da Maria, a sua…

Pai, tudo o que eu quero e preciso hoje, é estar debaixo das tuas asas, no esconderijo do altíssimo, à sombra do onipotente… em nome de Jesus, amém!

Pr Jason